VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Altamiro Borges: Governo Bolsonaro recebe o prêmio “Fóssil do Ano”
Política

Altamiro Borges: Governo Bolsonaro recebe o prêmio “Fóssil do Ano”


15/12/2019 - 23h56

Bolsonaro leva o prêmio “Fóssil do Ano”

por Altamiro Borges, em seu blog

A imagem do Brasil no exterior se deteriora rapidamente por inúmeros motivos – desde o piriri verborrágico racista, machista e homofóbico de Jair Bolsonaro até as mancadas da “diplomacia olavista” em vários fóruns internacionais.

Mas o que mais desgasta o país segue sendo a política ambiental destrutiva e irresponsável imposta pelo “capetão” e seu ministro das queimadas, Ricardo Salles.

Nesta sexta-feira (13), o Brasil recebeu o vexatório prêmio de “Fóssil do Ano” no final da conferência da ONU sobre mudanças climáticas (COP-25), em Madri.

Segundo relato da Folha, “é a primeira vez que o país leva o prêmio em referência às suas ações ao longo de todo o ano.

A premiação acusa o governo Bolsonaro de ter desmontado as políticas ambientais que levaram às reduções de emissões do país, enquanto criminaliza ambientalista.

Também aponta o aumento nas taxas de desmatamento e da invasão de terras indígenas.

A “honraria” foi concedida por uma rede que representa mais de 1.000 ONGs ambientalistas no mundo, a CAN (Rede de Ação Climática) e que já havia dado outros dois “prêmios” ao país. “Com a marca inédita de três troféus, o Brasil sofre uma mudança radical na sua imagem”.

Confira a íntegra do texto lido na entrega do prêmio “Fóssil do Ano” ao Brasil:

*****

Que diferença um ano faz. Berço da Convenção do Clima da ONU e amplamente elogiado por cortes impressionantes em suas emissões na última década, o Brasil se tornou um pária climático.

Onze meses após o início do governo de Jair Bolsonaro, o país se juntou aos Estados Unidos como uma das maiores ameaças ao Acordo de Paris – e ao planeta.

Bolsonaro, autointitulado “Capitão Motosserra”, conseguiu desmontar as políticas ambientais que ajudaram o Brasil a conseguir reduções espetaculares de emissões entre 2005 e 2012.

Os resultados disso foram as maiores taxas de desmatamento na Amazônia em uma década, um salto nas invasões de terras e o assassinato de três lideranças indígenas apenas nesta semana.

O governo também está criminalizando ambientalistas – que Bolsonaro notoriamente culpou pelos incêndios na floresta.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, um negacionista do clima, chefiou a delegação brasileira na COP25, amordaçando diplomatas e tentando chantagear países ricos a lhe dar dinheiro em troca do aumento da destruição da Amazônia.

Isso, é claro, não funcionou, então Salles começou a criticar a própria NDC de seu país, chamando-a de “caridade com chapéu alheio”.

O cenário de terra arrasada doméstico teve efeitos em Madri. O Brasil apresentou alguns comportamentos bizarros, como o de bloquear a menção a direitos humanos no artigo 6.4 e opor-se à menção a “emergência climática” na decisão da COP.

E alguns comportamentos tradicionais, como insistir em regras frouxas de contabilidade no artigo 6.4 e inundar o mercado com créditos podres do Protocolo de Kyoto para agradar a antigos lobbies que, ao contrário da sociedade civil, não deixaram de receber crachás oficiais para vir a Madri.

Jair Bolsonaro é uma bomba de carbono ambulante que sem dúvida merece esse grande reconhecimento, o Fóssil Colossal.

*****

Para confirmar a justeza da premiação, nesta semana o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que o laranjal bolsonariano tentou desqualificar, divulgou que o desmatamento na Amazônia cresceu 104% em novembro em relação ao mesmo mês de 2018.

Até o início de dezembro, 2019 já apresenta um aumento da destruição na região de 84% em relação ao mesmo período do ano passado.
Os dados são do Deter (sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real), que auxilia as ações de combate à destruição da floresta.

Ainda segundo a Folha,

“desde o fim do ano passado, o Deter já vinha apontando um crescimento acentuado no desmatamento.

Alertado sobre os dados, o governo Jair Bolsonaro os questionou. O caso culminou na demissão do então diretor do Inpe, Ricardo Galvão, em agosto. Mas a tendência de alta de desmate apontada pelo Deter se confirmou… Mesmo com as altas constantes, Ricardo Salles ainda não apresentou planos para reverter a situação… Recentemente, após se reunir com infratores ambientais – entre eles, o autor de uma ameaça de morte contra um servidor do ICMBio –, o ministro suspendeu a fiscalização na reserva Chico Mendes”.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

19 de dezembro de 2019 às 21h14

https://twitter.com/i/status/1207665282568904704

“Bolsonaro prefere entregar seu filho, Flávio, aos leões
que prejudicar a própria imagem.
Cínico e covarde, coloca na conta do filho todo o problema,
sem considerar que ele próprio sabia de tudo,
já que o esquema revelado mostra a corrupção em família!”
#FlavioBolsonaroNaCadeia

https://twitter.com/IvanValente/status/1207665282568904704

Responder

Zé Maria

19 de dezembro de 2019 às 20h19

“Guedes e Bolsonaro falando loucuras
para tentar fazer com que a gente esqueça
de Flávio Bolsonaro e Queiroz.
Mas a gente não vai esquecer, queridos.”

https://twitter.com/ManuelaDavila/status/1207684386600161281

Por falar em Paulo Guedes e Jair Bolsonaro,
eles já nem escondem mais que o Projeto deles
é enriquecer os ricos e empobrecer os Pobres.

“Não olhe para nós procurando o fim da desigualdade social”

Guedes ironiza concentração de renda

https://revistaforum.com.br/politica/bolsonaro/guedes-ironiza-concentracao-de-renda-vamos-trazer-o-fidel-que-ele-resolve-o-problema-da-desigualdade/

Responder

Zé Maria

18 de dezembro de 2019 às 14h35

O MP fez todo esse auê com o Fabrício Queiroz, hoje (18),
mas deixou de fora a filha dele, Nathalia (Nat), que foi
nomeada Assessora de Gabinete tanto de Jair Bolsonaro como do filho Flavio, ex-Deputado Estadual (RJ) e Senador.

Sem contar a Primeira-Dama, Michelle, que sequer teve
o nome aventado, mesmo tendo recebido do Queiroz
dinheiro que não se sabe a origem, se lícita ou ilícita.

https://www.bbc.com/portuguese/brasil-50211661
https://www.sul21.com.br/tag/nathalia-queiroz/
https://oglobo.globo.com/brasil/coaf-filha-de-queiroz-repassou-80-de-salario-na-camara-para-pai-23535277
https://www1.folha.uol.com.br/colunas/rubens-valente/2019/06/investigacao-sobre-o-caso-queiroz-poupa-o-casal-bolsonaro.shtml

Responder

Zé Maria

18 de dezembro de 2019 às 14h02

Mais de 1 ano se passou e recém agora resolveram
fazer busca de documentos que podem incriminar
o Assessor do Flavio Bolsonaro e o próprio 01 do Jair.
E a Rachadinha da Micheque? Não vão investigar?

Responder

Zé Maria

16 de dezembro de 2019 às 15h43

AMAZÔNIA LEGAL
ÁREA DESMATADA (Ano = Km²)

HISTÓRICO PRODES/INPE
Últimos 15 Anos (2004-2019)

[Gov. Lula (PT)]
2004 = 27772
2005 = 19014
2006 = 14286
2007 = 11651
2008 = 12911
2009 = 7464
2010 = 7000

[Gov. Dilma (PT)]
2011 = 6418
2012 = 4571*
2013 = 5891
2014 = 5012
2015 = 6207
*Menor Área, desde 1988

[Gov. Temer (PMDB)]
2016 = 7893
2017 = 6947
2018 = 7536

[Gov. Bolsonaro (PQP)]
*2019 = 9762*

Variação 2019/2018 = +30%

*(Atualizado em 18/11/2019)*

http://www.obt.inpe.br/OBT/assuntos/programas/amazonia/prodes

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.