VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Alberto Tamer: O Brasil está sozinho nesta crise


18/12/2011 - 16h17

por Alberto Tamer, em O Estado de S. Paulo

O FMI elevou o tom e lançou um desafio. A crise – “que se desdobra e aumenta” – não pode ser resolvida por um grupo de países, mas por todos em todas as regiões do mundo. Todos serão atingidos. O cenário é cada vez mais sombrio. Ou se aplica uma ação coletiva ou teremos um quadro similar ao dos anos 30. Só resta um caminho: um acordo da comunidade internacional, canalizando recursos via FMI, que não tem recursos suficientes para salvar a Europa com a urgência que se agrava.

30 bilhões só em janeiro. Não contem com o plano aprovado pela União Europeia que prevê em princípio 200 bilhões para o FMI em 2012. A dívida grega a ser vencida neste ano é de mais de 300 bilhões, 80 bilhões só em janeiro, mais 130 bilhões cuja liberação está sendo posta em dúvida pelo FMI, BCE e governos europeus porque o novo governo não cumpriu as metas de austeridade fiscal. O mesmo está sendo imposto à Itália. Os bancos europeus não têm condições de rolar essa dívida. O BCE os estimula e oferece empréstimos para essas operações, mas ao mesmo tempo não aumenta a compra dos títulos da Itália e da Espanha. Por que, em vez de emprestar, não compra diretamente esses papéis? Porque a Alemanha não deixa. Não é função do BCE, afirma Merkel, e pede socorro ao FMI… que pede socorro aos outros países… que, agora, corre para o G-20 …que continua dizendo não. O susto da Lagarde não assustou muito. Parece que sua credibilidade está em baixa, porque, como ex-ministra das Finanças da França, se comprometeu muito com o que está acontecendo. Em uma frase, o alerta do FMI a todos os países é “não contem com a União Europeia para financiar a dívida soberana e muito menos para crescer.”

Brasil responde. Parece que o governo brasileiro entendeu o recado. “Nós não contamos com o auxílio de ninguém para enfrentar a crise internacional”, afirmou a presidente Dilma em café da manhã com os jornalistas no Alvorada. “Contamos com o que temos de força, o mercado consumidor. É hora de fortalecê-lo”, acrescentou. O país está mais preparado que em 2008, quando a crise foi maior. “O crédito que era de R$ 400 bilhões, passou para quase R$ 1,94 trilhão.” E há mais recursos próprios que podem ser usados para financiar a atividade econômica e conseguir um crescimento de 4,5% a 5% em 2012, afirmou. Com a União Europeia ou sem ela.

Os dados do Ministério do Desenvolvimento mostram que o comércio com a União Europeia representou 20,7% das vendas brasileiras, entre janeiro e novembro, mas ainda não foi afetado pela crise. A exportações totalizaram US$ 38,5 bilhões, o que representa uma alta de 25,8% sobre igual período do ano anterior. É o terceiro mercado, depois da Ásia, América Latina e Caribe (leia-se Estados Unidos). O superávit comercial com a Europa é de US$ 6,1 bilhões, quase 50% mais até novembro do ano passado. Há sinais de recuo. Eles continuam importando 51% de produtos básicos, decorrentes de commodities. Grande parte, alimentos.

Há sinais de recuo, mas também de aumento das exportações para outros países. Aqui um novo realismo toma conta do Itamaraty. O ministro Antonio Patriota aproveitou a reunião da OMC, em Genebra, e reuniu-se isoladamente com 15 governos europeus para oferecer oportunidade de negócios com o Brasil e exportar mais. Sinal de pragmatismo do novo ministro, que recebeu a pesada herança de indiferença comercial de Celso Amorim, que impediu qualquer acordo isolado com outros países fora da OMC. Aquela história de Doha …

Podem gritar que não escuto. Parece que é essa a nova política comercial do Brasil. Vocês se defendem, e por que eu não? Foi o que deu a entender o ministro na reunião de Genebra. Não é hora em falar em multilateralismo quando, em meio à desaceleração mundial, todos se defendem desvalorizando suas moedas. Na área comercial e financeira, é cada um por si. Veja a Lagarde pedindo socorro que ninguém ouve para a Europa. Tempos sombrios estão para vir e a presidente está certa. O Brasil não conta com ninguém para enfrentar a crise.





4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

marcosomag

24 de dezembro de 2011 às 01h31

Infelizmente, o veterano e competente jornalista comete o mesmo equívoco de comentaristas menos votados (os liberalóides fantoches de bancos que infestam a imprensa): considera esta crise outra, separada daquela de 2008. Na verdade, o círculo vicioso "bancos desregulamentados quebram-o Estado socorre e afunda no endividamento-bancos desregulamentados quebram de novo" estourou em 2008, e seus desdobramentos mais graves estão aparecendo aos poucos. O mais letal deverá ser a estagflação que a dinheirama ("liquidez", sem lastro algum) jogada em "cestos rotos" bancários vai provocar. 1929 será fichinha perto do que vem por aí.

Responder

Daniel

18 de dezembro de 2011 às 22h56

"O FMI elevou o tom e lançou um desafio."
Nada além da máfia ameaçando: "Entregue a bufunfa os bancos, senão…"; E ainda têm a cara de pau de chamar isso de "resgate". O "sequestrado" é o cidadão.

"Não contem com o plano aprovado pela União Europeia que prevê em princípio 200 bilhões para o FMI em 2012"
FMI? Bancos ele quer dizer. E significa que o "sequestrado" já não consegue mais pagar a grana do "resgate".

"Nós não contamos com o auxílio de ninguém para enfrentar a crise internacional”
Traduzindo: não se negocia com a máfia.

"O superávit comercial com a Europa é de US$ 6,1 bilhões, quase 50% mais até novembro do ano passado. Há sinais de recuo. Eles continuam importando 51% de produtos básicos, decorrentes de commodities. Grande parte, alimentos."
A economia brasileira se baseia em coisas reais. Os americanos ficaram viciados na nova droga que criaram: os derivativos. Existem 600 trilhões em derivativos no mundo. O problema: esse dinheiro não existe no mundo. Dr. Evil deve estar rindo na sua nave espacial!

Se fosse norte americano agora eu estaria muito fulo! O Greenspan e seus asseclas pregaram o "freemarket", que não passou de corporações livres de impostos e leis trabalhistas, e em troca, o presente: envio de empregos da América para os países do Brics. Agora eles não tem grana e corporação nenhuma cria emprego lá. Golpe de mestre. Bom pro Brasil, é verdade, mas e quando formos a bola da vez?

Responder

Valdemar Schiavone

18 de dezembro de 2011 às 19h23

Em 2008 eu passei um e-mail para o Tammer e ele me repreendeu dizendoque os Estados Unidos tinha um PIb de 14 trilhões de Dólares e disse que não haveria perigo de uma quebradeira por lá. E agora eu pergunto será que ele ainda tem a mesma opinião. Os Americanos sempre comeram as custas da miséria do mundo. Eles não produzem o suficiente para o consumo próprio. Sempre viveram de rentismo (Emprestando dinheiro ) Papel verdinho). E agora Tammer?

Responder

SILOÉ-RJ

18 de dezembro de 2011 às 19h17

Essa é a hora de todos os economista que criticam as COMMODITIES, reverem suas colocações.
São elas que estão salvando a nossa economia agora.
Graças ao incentivo que o governo LULA e DILMA deram ao agronegócio podemos usufruir dos ganhos do PIB, mesmo com a metade do mundo em crise, ninguém vive sem comer.
Temos que incentivar ainda mais o crédito agrícola, a agricultura familiar, inclusive com a decisão acertada
das medidas que serão votadas na reforma do código florestal.
Se fomos abençoados com a vocação de "CELEIRO DO MUNDO", não podemos abdicar jamais dessa posição, pelo contrário, temos mais é que fortalece-la. Embora saibamos o muito que temos que avançar nas exportações dos manufaturados de ponta, e nos de alta tecnologia.
Mesmo com alguns economistas torçendo o nariz, será ela que nos salvará sempre, em tempos de crise.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding