VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

A entrevista do ministro Haddad ao Bom Dia Brasil


09/11/2010 - 16h53





93 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Lênin

11 de novembro de 2010 às 14h59

Jesus, eu não entendo vcs.
O Haddad manteve a política do FHC de dissiminação de faculdades de baixa qualidade (alguém aqui estudou nestas faculdades? Acho que não, pois está todo mundo elogiando ele).
E mesmo que ele tenha sido um bom ministro, ele não deve que ser "lambido" e sim cobrado mais ainda, pois é a função dele!!
Pergunte para o norte-americano, sueco ou frânces se eles simpatizam com o político e ficam lambendo ele!!
Brasileiro coloca a ideologia acima de um dever crucial de cidadão, cobrar os políticos.
Quem lambe mais??
A Esquerda ou a Direita?
Na minha opinião, os dois lambem na mesma intensidade e do mesmo jeito!

Responder

    jpremor

    11 de novembro de 2010 às 17h04

    Não acho que alguem esteja lambendo o ministro. A pauta do assunto não é essa.
    Minha opinião é que temos que ficar de olho nas reportagens q vemos por ai.

    Ai vai minha opinião: http://novaordempolitica.wordpress.com/

    Lênin

    11 de novembro de 2010 às 20h54

    Vc não, mas mui ta gente aqui nos comentários estão lambendo sim.
    Mas, Concordo que a pauta não é essa.
    Com relação ao Enem, é uma ótima idéia, mas tem que ser melhorada.

    jpremor

    12 de novembro de 2010 às 12h58

    Concordo Lenin. Imprensa hoje = problema. Alias, não da para ir de carona com nada da imprensa. Esses que estão lambendo estão indo de carona com a imprensa. Uma pena para eles.

francisco.latorre

11 de novembro de 2010 às 12h11

essa entrevista do haddad fez história.

querem enfrentamento?.. terão.

..

Responder

Oscar

10 de novembro de 2010 às 18h48

Querem acabar mesmo com o ENEM. Mudando um pouco de foco, mas continuando no tema "avaliação", hoje, 10/11 na "PROVA SÃO PAULO" (avaliação da prefietura de São Paulo para medir o desempenho dos alunos dos município) na PROVA DE PORTUGUÊS apareceu uma questão que fazia propaganga escanacarada para revista veja, e a questão perguntava quem era o presidente da editora abril e, é claro, aparecia o nome de roberto civita. Pode isso?

Responder

VInicius

10 de novembro de 2010 às 16h24

Nada é verdade do que é perguntado, a verdade é no que o Ministro acredita. As provas aplicadas em presidios dias depois do ENEM ter sido feito FOI A MESMA, não teve outra! O que é essa tal tecnologia em educação, esse TRI?? isso é papo furado, fala, fala e não explica nada,

Responder

vladimir lacerda

10 de novembro de 2010 às 13h21

Não existe justificativa viável para o que houve com o ENEM.Triste,terrível submeter alunos que passaram o ano todo a este vexame.Sou petista roxo,mas não se pode concordar com a incompetênica.O Presidente deveria já h]no sábado demitir toda a cúpula do Minstério da Educação,do Mec e do Inep e não falar de sucesso de algo que foi um fiasco.Lamentável.

Responder

    Eduardo Zani

    10 de novembro de 2010 às 16h42

    Eh, continue ptista roxo e estudante que vc chega. O que chefe de executivo federal tem haver com isso? Vc ja leu algum dia algum livro de ciencia politica? Organizacao do Estado, algo assim? Se nao, precisa ler urgente, ao inves de proferir um raciocinio tao reducionista e equivocado.

Marcelo Reis

10 de novembro de 2010 às 11h55

A entrevista do ministro Haddad foi precisa e esclarecedora mas é importante que nessa defesa legitima da não anulação do ENEM (espero que seja revertido na justiça) o Ministerio da Educação lembre-se que de fato houveram erros gráficos de impressão, sendo seu principal o equivoco do cartão resposta de sabado não estar de acordo com o caderno de questãos, isso não pode acontecer mais. Ressalto outra questão para melhoria, com 4 milhões de pessoas fazendo a prova fazendo uma suposição de cada sala de aplicação de prova tenha 30 pessoas são necessárias cerca de 133 mil salas,isso corresponde a cerca 266 mil fiscais de sala (fora outros de corredor e etc), creio essa quantidade de fiscais sem treinamento necessário potencializou muito esses ruidos que aconteceram, afinal as 21 mil provas com defeito poderiam ter sido trocadas pela reserva técnica, inclusive mudando a cor da prova. E o problema do gabarito ter sido informado de maneira segura que deveria usar a numeração da prova. Os erros, como disse, não podem ser esquecidos mas o impacto seria proximo de zero. Cuidar desses fiscais de prova com mais profissionalismo é algo fndamental num evento dessa magnitude e evitaria dessas forças que são contra a democratização do acesso as universidades publicas não tivessem palco.

Responder

    Eduardo Zani

    10 de novembro de 2010 às 16h50

    Parece que aqui, ninguem fez concurso, principalmente do CESPE. Senhores SEMPRE, vou repetir SEMPRE ha erros de impressao em provas de alcance nacional. Seja concurso, vestibular ou essas provas de avaliacao. SEMPRE. E como sempre, ha fiscais e provas sobressalentes para serem usadas. Vcs vao cair nesse papinho de imprensa mesmo? Que sempre vai querer colocar o chifre na cabeca do cavalo? Sera que passa ano, entra ano, e o telespectador nao percebe? Vcs sabia que o exame nacional nos EUA, pra acesso as universidades por la, TODO ANO, tem problemas desse tipo e quase sempre 0,03% ou 0,02% ou ate mais, SEMPRE realizam denovo a prova? Vcs sabiam disso? Na maior potencia mundial? O erro aqui atingiu 0,04%. O que precisa ser feito eh responsabilizar as empresas participantes do consorcio. Alem de ter que refazer o trabalho de graca, devem ser multadas e proibidas de participar denovo do processo. Como aconteceu com a grafica da Folha, que por incompetencia/ingerencia, deixou vazar de sua grafica a prova do ano passado. Mesma Folha que metia o pau no governo, foi logo o culpado pelo problema. E apos relatorio da PF, culpando a Folha, vc ouviram falar mais do caso na midia? Vejam vcs. E ai esse ano, denovo, vcs caem nesse papinho da imprensa. Ah gente, vamo crescer ai cara, vamo parar de ser conduzido como gado.

Wellington_Vibe

10 de novembro de 2010 às 11h12

É o caosaéreo do momento. Eles vão sugar esse episódio até onde puderem. Mas o que me deixa mais inconformado são algumas notícias como as divulgadas ontem que não dão o número real do que representam as provas que apresentaram problemas no universo da aplicação. E a parcialidade de apresentarem vestibulandos dizendo que estão se sentindo prejudicados sem nem informar se estes estão entre os que fizeram as provas com problema e pior, colocando professores de cursinho criticando a prova e dizendo que também existe o prejuízo psicológico. Pronto, agora além de perito, na tela da Globo qualquer um é psicólogo tb. Apresentar os milhões que apóiam a prova e que já foram beneficiados por ela nem pensar né?

Responder

Fernando

10 de novembro de 2010 às 11h07

Sobre a Universidade Federal do Oeste do Pará:
http://candidoneto.blogspot.com/2010/11/ufopa-par

Responder

henry_H

10 de novembro de 2010 às 10h38

O CuecaMan ficou de cueca de novo! http://cloacanews.blogspot.com/search/label/Alexa

Responder

José Saguy Tenorio

10 de novembro de 2010 às 10h00

Azenha e todos internautas que acessam este blog,

olhem como o Augusto Nunes é baixo: http://opinioesepensamentosaleatorios.blogspot.co

Responder

Marcelo de Matos

10 de novembro de 2010 às 09h49

A Globo não tem conseguido vencer eleições, mas, continua com grande poder de fogo. É capaz de demolir a CPMF, o ENEM, e qualquer instituição ou iniciativa do governo. Sem contar as reputações que tem conseguido aniquilar nos últimos anos.

Responder

Odonir Oliveira

10 de novembro de 2010 às 09h46

(continuação)o(sic), além da tentativa de apresentar as propostas do Serra como superiores em relação à discussão do ensino médio etc.
Lembro-me de que quando corrigi redações do Enem para o governo FHC pedíamos que se explicitassem os resultados à população, às prefeituras e aos governos estaduais. Ao que nos respondiam – os coordenadores- que isso seria impossível, que estes resultados seriam utilizados em campanhas políticas etc. Ora os recursos são públicos devem retornar a políticas públicas. O que se modificou no segundo ano do governo Lula, após análises e observações feitas , inclusive por nós, que trazíamos críticas construtivas à forma e aos gastos do Enem.

Gostaria de discutir mais sobre esses aspectos.

Responder

Odonir Oliveira

10 de novembro de 2010 às 09h45

Há aqui um material que pode provocar boas reflexões. http://globonews.globo.com/Jornalismo/GN/0,,MUL16…

O programa Entre Aspas, da GloboNews apresentou uma discussão sobre o Enem com dois componentes do PSDB, Paulo Renato e Eunice Duhrman- alegando que o Ministro Haddad, convidado, não aceitou; e o presidente do Inep também não. É importante assistir a esse vídeo , visto que além da combinação antecipada de perguntas e respostas com Monica, há uma evidente e fundamental diferença entre o que pensam (sic)os “pensadores” da educação do PSDB e o que se pretende com uma gestão do PT. Inclusive, fica explícita literalmente a diferenciação entre"aqueles alunos" que nasceram/têm perfil para faz

Responder

ARTUR 75

10 de novembro de 2010 às 09h39

De onde vem tanto poder do ali Kamel pra poder mnipular os macaquinhos da Globo?
Não será, naturalmente, pelo seu passado de ator.

Responder

monge scéptico

10 de novembro de 2010 às 08h54

Em quatro milhões de provas, as máquinas ou os digitadores,podem deixar passar ou repetir
questões. Sendo um percentual baixo, pode ser aceitável e, explicável.
O que absurdo é, o PIG colocando microfones na boca de alunos "esquisitos", que sem muita
informação e menos ainda formação, deduzem via bocas das mídias, que está tudo podre no
reino da dinamarca. Devagar "doidinhos". Antes de emitirem suas opiniões, especialmente a
mídia raivosa e corrupta, informem se, aguardem a falado ministro e seus desdobramentos.
Se os senhores futuros "doutores" se maravilham e se deslumbram ante uma câmera ou um
microfone, que explora suas necessidades de se auto afirmar, daí sairem dizendo bobagens
e, envergonhando a inteligência. ANTES PENSEM JUM.. digo meninos(as).

Responder

Marat

10 de novembro de 2010 às 07h49

Nem vou entrar no merito se o Haddad é competente ou não. O que importa é que ele tem dado muita munição para a oposição (especialmente o PIG)… tem de ser eficiente e parecer eficiente, como a mulher do rei…

Responder

Felipe C

10 de novembro de 2010 às 04h55

Será que estes "entrevistadores" passariam no enem? o que eu escuto, após a resposta do ministro, é: "mas, mas…" como se TIVESSEM que arrancar alguma coisa, quem que seja uma coisinha boba para ser editada depois.

Responder

    Archibaldo S Braga

    10 de novembro de 2010 às 10h00

    Felipe, acertou na jugular!!! Permita-me fazer minhas suas palavras? e acrescentar uma coisibha! No bom(sic) dia brasil (com minúscula mesmo, na grobo é assim) dona abóbora e seus dois nabos – no meu barraco seria a trinca nefasta – estão agarrando desesperadamento o osso, isto é o microfone e a cadeira! Dá uma olhada mais acurada nos bichos, ela ou melhor, eles já dobraram há muito tempo o cabo das tormentas! Ela para o padrão grobo – de beleza – já está na fase de ir para uma emissorazinha lá dos confins deste Brasil e eles já estão aos poucos, perdendo espaço. Prá gagá não precisam nem de um empurrãozinho! Prá agradar o ali eles batem até na mãe! Como se diz lá no meu barraco: eles batem até na mãe por causa da mistura!!! A. S. Braga

pedro - bahia

10 de novembro de 2010 às 00h56

Sinceramente, gostaria de vê-lo Ministro Chefe da Casa Civil. Tem como mandar a sugestão para a Presidenta?

Responder

    Lênin

    10 de novembro de 2010 às 01h40

    Que nada, na casa civil vem o Palocci!!
    Palocci é um CRÂNIO, hiper respeitado até pela oposição.

    raimundo Costa

    10 de novembro de 2010 às 09h39

    Palocci na casa civil? tá louco meu!
    Se tiver de dar um ministério ao palloci (vai ter que dar), que seja a saude!!

    Lênin

    10 de novembro de 2010 às 12h23

    Ué?
    Eu loco?
    Ele era ministro da fazenda!!!
    O cara foi economista chefe de banco grande internacional.
    Ele é crânio!!! http://economia.ig.com.br/mercados/financeiro/mer

Pafúncio Brasileiro

10 de novembro de 2010 às 00h47

Azenha,
Na Plim-Plim, o padrão Kamelo segue direto em todas as entrevistas. Como diz o Nassif, o tacão do Ali Kamel comanda os seus miquinhos amestrados.

Responder

Pafúncio Brasileiro

10 de novembro de 2010 às 00h22

Azenha,
É impressionante como o PIG dá "tiro" no pé do Brasil. Essa turma turbina um negativismo absurdo e ainda acham que estão praticando um "bom" jornalismo. A arrogância nas perguntas, dando como a verdade só o que eles acham, o despreparo nos questionamentos, eles tem folego muito curto quando o entrevistado tem lisura e competência. Ficam perdidos e encerram logo a entrevista. Esse pessoal (jornalistas do PIG) está desmoralizado. Viva a blogosfera !

Responder

ZePovinho

09 de novembro de 2010 às 23h52

Se vocês,comunistas,ficarem votando no PT veremos todos os homens bons falindo.Não é possível!!!!O Estado é só para a ricaiada que fala de capitalismo mas adora mamar na tetinha do Papai Estado,viu??????
O cidadão aí embaixo quer que o Tesouro Nacional assuma um pepino de,apenas,2 BILHÕES E 500 MILHÕES DE REAIS em nosso nome.O que vocês acham??
Na minha terra isso se chama socialismo para os ricos ou socialização dos prejuízos.E daí???Bota na conta do Zé Povinho que ele tá lascado mesmo!!!!!!
http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2010/11/0

Banco de Silvio pede socorro. Como fica o SBT ?

Saiu no Estadão Online:

Silvio Santos levanta empréstimo de 2,5 bilhões de reais do Banco Central para salvar o seu Banco Panamericano.

É uma operação de emergência para cobrir o buraco de empréstimos fictícios.

Ou seja, o Banco do Silvio fraudava o balanço.

Responder

    gão

    10 de novembro de 2010 às 17h53

    Seu nome deveria ser zé mentirinha, o empréstimo não foi dado pelo banco central (rsrs), isso non ecziste! foi emprestado por uma entidade privada, que não tem nada a ver com o governo. não tem mais proer não rapaz vc tá em 2010 a tucanagem ja era.

Adilson

09 de novembro de 2010 às 23h23

Caro Azenha,

uma das melhores entrevistas dos ultimos anos no que tange o quesitio desmacar jornalismo raivoso e despreparado.

um abraço

Adilson

Responder

Armando do Prado

09 de novembro de 2010 às 23h08

Estudei com Hadad na USP e sei do seu enorme potencial intelectivo e político. Hadad é a expressão da competência em favor do povo.

Responder

fernando

09 de novembro de 2010 às 22h34

Fica Hadad! Massacrou o trio, técnicamente perfeito, mostrou que o problema existe, pode ser tratado e garante a isonomia dos resultados. Não é uma crise, muito menos a demonstração de que o sistema de avaliação não serve.

Responder

    Ruy

    09 de novembro de 2010 às 23h11

    Já foi feita uma investigação da Polícia Federal no ano passado.
    Fazer um exme nacional como o ENEM em um País enorme como é como o Brasil é um desafio. E um desafio muito maior ainda considerando-se a total falta de estrutura anterior, ou seja, a dificuldade de se implantar uma estrutura para o exame.
    Porém não se engane, existem interessas poderosos (Globo incluída) que são contra o ENEM porque ganham grana ($$$) com o injusto sistema atual e querem sabotar o ENEM de qualquer jeito.

    Lênin

    10 de novembro de 2010 às 00h44

    Concordo, a idéia do Enem é muito boa!
    Entretanto, pq a USP e a Unicamp não aderem?
    Será que os moldes do Enem de hoje é uma boa?
    A idéia é ótima, mas será que vai dar certo?

    Concordo que tem interesse privado nas falhas do enem, entretanto, enxergo erros do governo também.

    Ramon

    10 de novembro de 2010 às 01h57

    A USP e Unicamp nao são as únicas universidades de qualidade no país. Existem outras universidades com cursos que são referência em suas áreas e que aderiram ao ENEM. Uma prova aplicada para 3 ou 4 milhões de pessoas espalhadas em todos os estados sem vazamentos não é uma tarefa tão simples como pode parecer para alguns. É claro que existem interesses políticos e empresarias envolvidos nesta questão do ENEM, penso que a PF deveria investigar os envolvidos na aplicação da prova. O fato de terem ocorridos falhas em 0,04% das provas não justifica a realização de nova prova para os 4 milhões de estudantes. Só após a entrevista com Haddad é que pude perceber que o PIG estava superdimensionando o problema.
    Lembro-me do Caos-aéreo que apontava para um apagão do sistema aeroviário brasileiro, passou o tempo, o Jobim foi colocado no lugar de Waldir Pires e sem construir nenhum aeroporto no país o caos-aéreo evaporou e sumiu magicamente. Lembro-me da epidemia de febre-amarela que o PIG alardeava implantando o pânico na sociedade (teve gente que morreu ao vacinar-se sem necessidade) e após um tempo, foram feitas vacinações pontuais em locais críticos (apesar do PIG dizer que não ia adiantar) e a perigosíssima epidemia dissipou-se no ar.
    Existe um problema, não se pode negar, mas também devemos observar que este problema está sendo inflado artificialmente pela mídia, pois o impacto social é pequeno e a solução é simples.

cesar

09 de novembro de 2010 às 22h33

Achei boa as explicações do Ministro, mas Sr ministro que tem algo a ser investigado nesse ministerio da educação AHHHHHHH tem!Já pensaram em comparar as pessoas que participaram na elaboração do enen do ano passado e agora.Será que não tem pessoas não confiaveis nessa equipe Sr ministro?Valeria investigação da Policia federal

Responder

PauloBR

09 de novembro de 2010 às 22h27

Como já disse alguém: se algum dia Lula andasse sobre a água, no dia seguinte a imprensa não diria que foi milagre, mas registraria que Lula não soube nadar. E vai valer o mesmo para a Dilma…

Responder

Arnaldo Costa

09 de novembro de 2010 às 22h19

Já ouvi muitos estudantes se manifestando contra a reaplicação da prova porque fizeram sua parte e foram bem. Jovens dessa idade, muitas vezes, levam tudo no "oba-oba". Dessa forma, sabendo-se que apenas uma minoria ficará nas primeiras colocações, é bem provável que os que não estudaram o suficiente e foram mal, aproveitem o boicote disseminado pela imprensa para engrossarem o coro.

Responder

Rodrigo

09 de novembro de 2010 às 22h12

Voces deviam seguir o exemplo da Carta Capital que nao ta amansando pra cima dessa pouca vergonha.

Parabens a carta capital.

Enquanto fica aqui minha decepçao com alguns blogueiros que eu tanto dava credibilidade, mas que nesse caso do Enem so estao servindo de porta vozes do atual governo, protegendo e defendendo essa pouca vergonha.

Responder

    Ruy

    09 de novembro de 2010 às 23h39

    Que tal responder aos argumentos apresentados em vez de repetir o termo "pouca vergonha" e fazer-se de indignado.
    Uma argumentação consistente seria bem vinda para debater o tema. Mas este ataque sem argumentação, na base do "vence o mais agressivo" é uma grande bobagem pois não desmerece os argumentos apresentados pelo ministro, nem os apresentados pelos comentaristas.
    Este comentário é tão vazio e agressivo que se parece com as vociferações pirotécnicas do "piguista" Arnaldo Jabor.

    Rodrigo

    10 de novembro de 2010 às 01h28

    Isso mesmo Ruy.

    Agora deixa eu voltar a estudar, pois, pelo andar da carruagem, nao é voce que terá que fazer a prova novamente.

    Passar bem.

Arnaldo Costa

09 de novembro de 2010 às 22h10

sensacional. Educadamente , ele pôs esses babacas do PIG no bolso. Toma distraídos! Vão estudar primeiro, antes de criticar.

Responder

wilson Resende

09 de novembro de 2010 às 22h09

Azenha, fora de pauta , mas muito importante esse assunto.
Fiquei indignado com a barbariedde que fizeram com uma lider religiosa na BA. Sempre acesso os “blog sujos” pois eles nos trazem a verdade. Eh hora de mostrarmos nossa imparcialidade e repercurtir esse caso da BA. Cobrar do Governador Jacques Wagner providencias urgente(afastameno do Secretario seg. publica, do chefe dos PM e prissao dos PMs.) O PT tem que dar exemplos. Como cobrar abertura dos arquivos da ditadura, se hoje ainda praticam estes atos, ainda mais sob o comando de um Governador do PT.
acesse o Link: http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_secao=8
Reply

Responder

eduardo

09 de novembro de 2010 às 21h50

Aqui algumas provas do caderno amarelo estavam com o gabarito de Ciências da Natureza e Humanas trocados – a ordem, primeiro estava Humanas, sendo que Ciências da Natureza vem antes na prova (ou o contrário, não lembro). O problema é que alguns colégios instruíram os alunos a marcar normalmente e outros o contrário. E não foi feita nova prova. Amigos meus de confiança me contaram. Não sei daí como fica… Sou à favor de continuar com o ENEM, mas o desse ano foi sim um grande problema.

Responder

Lênin

09 de novembro de 2010 às 21h50

Hadd não vai fazer parte da equipe da DIlma.
Ele está muito queimado!

Responder

    ALFREDO NASCIMENTO

    09 de novembro de 2010 às 22h21

    "lENIN"? o único LÊNIN que prestou voce sabe muito bem quem foi.

    Lênin

    09 de novembro de 2010 às 23h03

    KKKKKK, não entendi muito bem se vc não gostou do comentário e nem por que!!
    Mas a sua afirmação foi muito engraçada!!!kkk
    Ao mesmo tempo, correta!!!

    Mas o Haddad continua carta fora do baralho, sorry!!

    Ruy

    09 de novembro de 2010 às 23h42

    Discordo, Haddad não está nem um pouco queimado. A imprensa é que QUERIA que ele estivesse.
    Com os excelentes resultados obtidos no Ministério da Educação, Haddad está sim PRESTIGIADO.

    Lênin

    10 de novembro de 2010 às 00h37

    Quero só ver se ele vai continuar no governo Dilma!
    Aposto com vc que não!
    Quer apostar?
    Eu volto aqui em janeiro e te pergunto se acertei ou não!
    Topas???
    Abraços.

    Lênin

    10 de novembro de 2010 às 00h56

    Excelentes resultados!!!
    COntinuidade do modelo norte-americano de dissiminação de universidades particulares (sei que quem começou isto foi o burro do FHC).
    Afinal, o que importa é o número do IDH e não a realidade.
    Vc já entrevistou alguém das unibozos?
    É revoltante, os meninos e meninas estão extremamente mal preparados para o mercado de trabalho!!
    Resultado, a elite continua com os melhores empregos.
    E não adianta dizer que o governo apertou o cerco contra as universidades, pq no fundo, esse aperto foi para reduzir os concorrentes das grandes unibozos.
    Vc já viu a qualidade dos cursos "in company"?
    Horríveis!!
    Pouca coisa mudou, não se iluda!
    Quem sabe no governo Dilma com outro ministro.

    Werner_Piana

    11 de novembro de 2010 às 08h15

    se depender da "imprensa" PIG o Ministro da Educação seria o esplêndido e brilhante Paulo Renato, secretario da Educação de FHC/Serra. Este sim, quadro de excelencia e competencia. O PIG é só elogios a ele.
    O PIG quer o figado do Haddad? Sinal que Haddad deve ser "o Cara" na Educação… simples assim.

    Lênin

    11 de novembro de 2010 às 14h18

    Jesus, se com o Haddad está ruim, imagine com o Paulo Renato!!
    Meu Deus, vira essa boca para lá!!
    Esse cara acabou com o ensino superior no Brasil.
    Gerações de Jovens foram para o lixo, ganhando mal com a ilusão de um curso superior!
    A elite agradeçe o Paulo Renato e o Haddad!!
    Tem universidade que abriu capital na BOLSA na gestão Haddad.
    Para vc ver como os lucros estão baixos.

Francisco Nogueira

09 de novembro de 2010 às 21h36

Ministro, sua entrevista foi simplesmente maravilhosa.

Responder

Antônia Vic

09 de novembro de 2010 às 21h19

Algumas razões porque apoio o ENEM:
1. É anacrônica, dispendiosa e vulnerável (sim, isso mesmo) cada Universidade ter o seu próprio vestibular. Hoje, as 59 Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) já utilizam, de maneira diferenciada, o ENEM. Estamos fortalecendo um exame nacional, e superando as igrejinhas.
2. É mais democrático. Qualquer estudante, de qualquer canto do Brasil pode fazer o mesmo exame, a custo baixíssimo, e se candidatar a maioria das melhores universidades brasileiras (excetuando as paulistas).
3. O exame em si, é mais avançado, pois a cobrança não é por disciplinas, mas por áreas do conhecimento. Isso, do ponto de vista pedagógico permite uma abordagem mais transdisciplinar do conhecimento.
4. Acena para o Ensino Médio que conhecimentos, habilidades e competências são necessárias para se formar nos nossos alunos. O que eles, ao final do Ensino Médio, devem ter aprendido e apreendido.
Depois acrescento outras.

Responder

easonnascimento

09 de novembro de 2010 às 21h14

O ministro foi convidado para esta entrevista para ser desmoralizado e o que assisti na prática foi a cara de tacho do Renato e da Renata, sem se falar no Alexandre, com as respostas de Haddad. O ministro mostrou competencia e quando perguntado sobre o Brasil ter regredido na educação segundo dados recentes, foi gratificante ver a desmoralização dos globais. Valeu ministro. Esta raça não aprende.
http://easonfn.wordpress.com

Responder

    ALFREDO NASCIMENTO

    09 de novembro de 2010 às 22h23

    Dá-lhe xará! Faço minhas suas palavras.

Werner_Piana

09 de novembro de 2010 às 21h09

Enquanto houver o PIG a Democracia Brasileira estará sob ameaça, bem como os interesses do Povo Brasileiro.

É inacreditável a falta de capacidade – na verdade acho que é mesmo MÁ FÉ, com com os jornalistas/comentaristas abordam a questão do ENEM. Dá nojo. São desonestos demais. Desinformam, torcem contra abertamente, tentam levar os jovens ao desespero. São baixos.

Ver e ouvir o Min. Haddad dá gosto. É outro o nível. Longe da rasteira imprensa PIG…

Da-lhe ME, Ministro Haddad, ENEM… FORA PIG!

Responder

    ALFREDO NASCIMENTO

    09 de novembro de 2010 às 22h24

    Boa Werner. Saudações!

Baixada Carioca

09 de novembro de 2010 às 21h04

Eu tenho críticas ao Enem, mas não passa pelos erros de impressão e nem da razão do Enem existir.

O PIG e seus interlocutores veem um problema no Enem: educação emancipa o ser humano e eles ficam sem ter quem manipular.

As perguntas foram para ridicularizar o Enem e o próprio ministro que lhes deu um nó ao desafiar um debate com observadores internacionais.

No Baixada Carioca eu falo que tem perguntas demais para um tempo máximo de 4,5 horas de prova. São 3 minutos em média por questão, mesmo tempo que é dado para o dia em que se responde as questões de matemática, física e química envolvendo cálculos. E ainda tem uma redação que os elaboradores da prova não levaram em consideração.

Mínha crítica é para um tempo de 5 minutos por questão dobrando para as que envolve cálculos. Além disso, penso em 30 minutos para uma redação, tempo que deve ser subtraído em questões de múltipla escolha.

Ridícula a crítica? Comece você respondendo as questões e veja se a partir da 20ª o tempo para resposta será o mesmo daquelas 2 primeiras que você respondeu.

Tente pegar uma questão envolvendo cálculos e tente respondê-la em 5 minutos.

Mas o PIG não quer saber disso. Ele quer eliminar a prova, não humanizá-la. Eles querem dominar o mercado dos cursinhos pré-vestibulares; reservar as Universidades Públicas para a elite brasileira. Pobre não tem por que se emancipar. Bastavam-lhes os cursos técnicos que ensinam como fazer. O pensar é para uma elite privilegiada. Foi por isso que o tucano derrotado queria fazer o ProTec, para ensinar pobre a obedecer os ricos e fazer aquilo que os ricos não querem fazer.

Responder

francisco.latorre

09 de novembro de 2010 às 20h56

terceiro turno.

movimento um. sabotagem ao enem. juíza do ceará.

segundo movimento. sabotagem ao pac. tcu no atrapalho.

reforma. é no judiciário.

..

Responder

Fernando

09 de novembro de 2010 às 20h12

Em meio a um mar revolto de críticas uníssonas e incessantes, quando se dá voz ao outro lado, à autoridade competente para a questão, tudo se torna mais claro.

Compreendo o princípio da isonomia, mas é também preciso levar em conta o princípio da razoabilidade. Em um universo de 3 milhões de provas, 2 mil, que sejam 20 mil deram problema. 20 mil em 3 mi representam 0,66%. O que seria razoável? Reaplicar a prova de sábado (0,33% do total de provas aplicadas, posto que o foram em 2 dias) ou reaplicar 100% de todo o exame, inclusive prejudicando aqueles 99,3% de alunos que já compareceram e não tiveram problema algum?

Pra variar, muita espuma pra pouca vitamina. A amplitude da repercussão é diretamente proporcional aos interesses comerciais (enormes) e políticos envolvidos. Arrisco dizer que será mais um ex-cândalo de ocasião. E virá um próximo.

Responder

Luiz Carlos

09 de novembro de 2010 às 19h51

FRASE DO ANO:
Por mais alto que voe um TUCANO, ele jamais alcançará uma ESTRELA

Responder

Ivonildo Dourado

09 de novembro de 2010 às 19h51

A verdade é que existe um grande interesse econômico pro trás dos problemas do ENEM, além da questão política, a oposição ainda não engoliu a derrota nas urnas e o ENEM é o terceiro turno desejado. Precisamos aperfeiçoar a cada ano o ENEM, é preciso analisar por exemplo o critério de seleção através do ENEM para o PROUNI e para o FIES.

Responder

José Flávio

09 de novembro de 2010 às 19h48

Acho extremamente interessante o fato de aparecerem problemas no ENEM justamente quando o governo decidiu que as notas do mesmo serviriam para substituir os vestibulares – ano passo e esse ano. Todo mundo sabe que os vestibulares são uma fábrica de dinheiro, e, por certo tem muita gente descontente com isso. Talvez por essa razão sejam tão rápidos em tentar desqualificar todo o processo.

Responder

Bonifa

09 de novembro de 2010 às 19h45

É a nossa querida imprensa subdesenvolvida… Quando detecta uma lâmpada queimada, sai gritando que a escuridão está generalizada. E evita o trabalho de saber se a lâmpada pode ser trocada. Evita ver a luz nas outras milhares de janelas. Evita, antes de dar o alarme, procurar saber dos responsáveis sua versão, para só daí partir para um diagnóstico abalizado sobre a dimensão e a natureza do acontecido. Má fé, má fé, má fé. Buscando, em lugar de informar, influenciar de forma capciosa a justiça e o ministério público, tentando distorce-los para melhor defender seus mesquinhos interesses.

Responder

Gerson Carneiro

09 de novembro de 2010 às 19h23


mas o sangue anda solto,
manchando os papeis,
documento fieis
ao descanso do patrão!
que país é esse?!

[youtube Po0999ztMR8 http://www.youtube.com/watch?v=Po0999ztMR8 youtube]

Responder

Gerson Carneiro

09 de novembro de 2010 às 19h17

Renato Machado informa que o IDH da ONU relata que" o Brasil está numa situação muito ruim por causa da Educação" e questiona o Ministro. E aí São Paulo, poderozão, por que que não nos salva?

Eu só acho que não deveriam acontecer "erros". Como já disse "se o gato (a oposição) está de olho no peixe, por que descuidar do peixe? É vacilo.

Responder

    Fábio Venâncio

    10 de novembro de 2010 às 00h32

    A tentativa de desqualificar o Enem como sistema de avaliação é talvez uma tentativa de não desqualificar a educação em São Paulo que sempre vai mau em todos os indices de avaliação.
    São Paulo não salva ninguém mais Gerson.Ele é que tem que ser salvo.

    Gerson Carneiro

    10 de novembro de 2010 às 07h55

    Eu sei. É que o Serra estufava o peito com aquela ladainha de "dois professores em sala de aula".

    vinicius

    10 de novembro de 2010 às 16h29

    O ENEM atual não é sistema de AVALIAÇÃO e sim de SELEÇÃO. O modelo anteriro e´que era de avaliação( do ensino médio) o erro é exatamente esse transformar uma prova de avaliação em uma de seleção sem estudar os critérios.

Rodrigo

09 de novembro de 2010 às 18h52

O que ele se esqueceu de mencionar é o mais importante.

QUe os alunos que terão uma nova oportunidade em dezembro terão mais tempo pra se preparar para a prova. E isso o TRI não é capaz de equilibrar, uma vez que o TRI so consegue equilibrar provas distintas e não define nada quanto a questao temporal, que é uma das diversas varientes que contribue pra formar o princípio de isonomia.

Ninguem esta discutindo se o TRi é capaz de aplicar uma outra prova com o mesmo grau de dificuldade. Mas e as outras variávies? Nínguem se pergunta se terá isonomia entre elas?

Responder

    ALFREDO NASCIMENTO

    09 de novembro de 2010 às 22h30

    rENATO pensa que entende de algo,nem de vinho,sabe beber,encher a cara no sushi leblon e depois sair dirigindo.
    Cadê a lei seca?

    Armando do Prado

    09 de novembro de 2010 às 23h09

    Apenas um bêbado com voz arrastada e atropelado pela competência de Hadad.

    MC Zanini

    10 de novembro de 2010 às 00h55

    Eu já prestei o ENEM e tenho a impressão de que, dadas as características da prova, que avalia habilidades mais que informações específicas, talvez o tempo de preparação do candidato não influencie tanto assim seu desempenho. Basicamente, se a pessoa não conseguiu dominar, em nove anos de escolarização, a mobilização de conhecimentos, desenvolvimento de raciocínio, a dissertação sobre um determinado assunto etc., dificilmente conseguirá dominar essas habilidades em algumas semanas.

    Eu também já prestei o TOEFL, citado pelo ministro. Eram três modelos de provas por sala, para evitar que um candidato colasse as respostas do outro. As notas do TOEFL valiam, na época, durante uns 18 meses ou mais, se não me engano. Dentro desse prazo, o candidato corria o risco de ter sua nota TOEFL comparada com a de alguém que fez o exame meses antes ou meses depois. Poderia concorrer com pessoas que estudaram intensa ou esparsamente para o exame. Nem por isso chegou-se a questionar a aplicabilidade e a isonomia do exame.

    ze luiz

    10 de novembro de 2010 às 02h30

    Rodrigo, o que voce está confundindo é que o ENEM é uma prova de competencias e habilidades (um dia espero que ela também avalie atitudes, mas esta é outra história) baseada na TRI. Tecnicamente, não há como se preparar melhor para este tipo de prova em alguns meses, pois ela avalia capacidade adquirida em longos períodos. Claro, se voce colocar na mesma sala um garoto de 17 anos e um sujeito com doutorado, é esperável que este tenha melhor resultado, mas aí estamos falando de vários anos de diferença. A proposta do MEC, inclusive, é que com o tempo tenhamos várias provas anuais (falou-se até em sete por ano) e as pessoas poderiam fazer várias delas e usar a de melhor resultado. Eu tenho várias críticas a como as coisas estão sendo feitas, como por exemplo porque o MEC não usa a capacidade das Universidades Públicas, de longa tradição em aplicação de provas de ingresso, para auxiliar na aplicação do ENEM, mas esta questão de uma outra prova não é um problema. Claro, temos tantos juizes que são verdadeiras cavalgaduras que, para um barrar tudo isto, não custa, sem entender o mal difuso que causará a milhões de jovens e ao sistema educacional brasileira.

    Rodrigo

    10 de novembro de 2010 às 14h02

    "Tecnicamente, não há como se preparar melhor para este tipo de prova em alguns meses, pois ela avalia capacidade adquirida em longos períodos."

    Meu querido desculpe discordar. O Enem é um pacotao que inclui em uma mesma prova avaliar a média nacional e ao memo tempo selecionar os melhores, os mais aptos.

    Quanta a primeira intenção concordo que é o acúmulo de habilidades retidas ao longo de um período e um aluno sem base pra fazer uma prova dessas, se estudar um mes, uma semana , alguns dias, dificilmente terá um rendimento bem maior.

    Porém quanto a segunda intenção, de selecionar os melhores, um dia, uma semana, meia hora, enfim, qualquer tempo faz uma grande diferença, pois esse tipo de candidato tende a trabalhar na mais alta eficiência e qualquer desequilibrio e desproporcionalidade tende a favorecer uns em detrimento de outros.

    Podemos fazer uma analogia entre corpo extenso e ponto material. Um carro na estrada não leva em consideraçao suas dimensoes, pois esta não influi na analise de sua velcoidade, trajetoria, enfim. Um carro manobrando em um estacionamento agente ja passa a considerar suas dimensoes, pois o tamanho do corpo é requisito sine qua non pra analisarmos suas questoes cinemáticas.

    Pra testar habilidade gerais, amplas, acumuladas por um logo período, realmente a aplicaçao de uma prova uma semana depois, um mes depois não fará tanta diferença. Agora pra selecionar o melhor candidato, e o enem serve pra isso, 5 horinhas a mais no dia pra estudar influencia bastante. Ter a prova anulada como base e mapear suas exigências, influencia bastante.

    Então a anulaçao da prova é a alternativa mais correta a se fazer, ou pelo menos, menos injusta, uma vez que as universidades federais aderiram ao processo seletivo e selecionam os melhores através dessa avaliação. E pra selecionar os melhores faz-se necessário comparar os candidatos através de uma mesma medida.

    Rogério Guiraud

    10 de novembro de 2010 às 18h20

    Rodrigo
    Estamos aprendendo sobre o ENEM, eu, você e uns tantos milhares de brasileiros que não nos envolvíamos com a questão, por isso quando você faz sua cr[itica e deixa de lado um fundamento como a avaliação de habilidades e apenas considera uma questão de concorrência para serem atingidas metas individuais está, meu caro, afirmando que desconhece o princípio do processo que justifica o ENEM.
    Vejo que você pondera e se expressa com seus argumentos para defender seu ponto de vista o que demonstra que está apto para compreender a lógica proposta pelo Ministério da Educação há muitos anos e poderá, se aprofundando mais nas informações formar um conceito mais positivo sobre o ENEM. Então poderá, tenho certeza dimensionar melhor o que houve e a relação disso com o ENEM e com a educação no Brasil.
    Considere, sugiro, os problemas que os sistemas de seleção "tradicionais" que além de apresentarem fatos semelhantes criavam (e criam) distorções muito maiores do que as criadas por eventuais erros cometidos neste e nos outros anos (vagas quase apenas para os que podem pagar cursinhos, seleção baseadas no poder aquisitivo dos candidatos e não apenas nos méritos, conteúdo dos vestibulares baseados em valores objetivos (macetes) que não consideram a subjetividade e capacidade criativa do estudante, desvinculação do estudante do sistema de enssino e etc.)
    Mas é com conversas como esta deste espaço que inverteremos lógicas e avançaremos como nação na construção das bases como a educação e não ficaremos como massa de manobra dos interesses econômicos e de luta de poder de certos grupos como claramente acontece neste fato.
    respeitosamente
    Rogério

    Rodrigo

    11 de novembro de 2010 às 00h10

    Meu caro com todo respeito, eu estou envolvido até o amago com a questao, pois sou estudante e farei a prova.

    Com todo respeito, é muito fácil fazer esse discursinho refelxivo quando a situaçao nao está influenciando sua vida.

    E esse é o mal do petismo que conhecemos por ai. Acham que tudo é guerra é pig é factoide. Voces mesmo estao gerando um factoide ai, dizendo que o protesto estudantil é criaçao de quem quer acabar o enem;

    Parem com essa quimera. Vamos voltar a realidade.

    Meu querido nao é voce que fará essa prova, e se fizesse com certeza nao estaria com esse discursinho hipocríta e politicamente correto.

    Me desculpe a acidez, mas é nessa calma e benevolência e acomodaçao que hoje agente aceita o partido menos pior pra nos governar e acabamos naturalizando a corrupçao. Afinal o outro também faz entao o Pt pode fazer.

    Porém, quanto a nós estudantes, com todo respeito, o buraco é mais embaixo. Vao banguçar em outro lugar. E nosso protesto voces vao ouvir, nao importa se é o melhor governo, se é pro melhor presidente que o país ja teve. Mas voces vao ter que ouvir!

    Agora deixe-me voltar a estudar.

    Abraços e desculpa qualquer coisa.

El Cid

09 de novembro de 2010 às 18h48

… engraçado, o número de urnas eletrônicas com defeito nas últimas eleções foi de 0,36%, seis vezes mais do que as falhas no ENEM.

Alguém posta aí os links dos jornais e revistas revoltados e urgindo a anulação das eleições?

Responder

El Cid

09 de novembro de 2010 às 18h45

É impressionante ver gente que eu respeito e muito achando que por causa desse erro o Enem tem que acabar!!!

O argumento, em geral é absurdo como: "é que é muito difícil fazer uma prova assim no Brasil todo", "o Brasil é muito grande", "a gente não tem competência para isso".

estou indignado com a quantidade de pessoas inoculadas pelo vírus do pânico espalhado pelo PIG (desculpa, mas não tem outro nome melhor para denominar essa imprensa, realmente).

O bom é que o Fernando Haddad é incrivelmente competente e sabe lidar com o pig como ninguém. A entrevista dele hoje ao bom dia brasil (argh!) foi exemplar. Deveria servir de lição de casa para todo mundo que faz parte do governo federal ou dos muitos governos estaduais aos quais o PIG vai fazer oposição ferrenha daqui pra frente.

O cara descascou a batata com tranquilidade e honestidade incríveis.

Responder

    vinicius

    10 de novembro de 2010 às 16h32

    Uma mentira repetidas muitas vezes pode virar uma verdade! Não adimitir erros é burrice! e devemos ter mais uma série de frases feitas para essa entrevista.

ANGELA

09 de novembro de 2010 às 18h34

O Renato Machado ficou sem palavras …Perguntou com certa agressividade sobre a avaliação do IDH do Brasil e a resposta que ouviu foi acachapante. Enfim, Haddad convenceu com argumentos muito bem sustentados.

Responder

Márcia Aranha

09 de novembro de 2010 às 17h56

Continuam forçando a barra no sentido de criar factóides contra o governo Lula e já antecipando como tratarão a nossa futura Presidenta… Um evento destes, envolvendo mais de quatro milhões de candidatos, a gráfica contratada é de reputação internacional e por causa de um incidente menor, envolvendo menos de 0, 05% dos envolvidos, querem desqualificar todo um processo.

O noticiário é de uma pobreza de dar dó, todo baseado em desinformação e visando unicamente confundir a opinião pública.

Até quando?

Responder

    Bernardo Madeira

    09 de novembro de 2010 às 18h37

    Com certeza Márcia… É de entristecer a desinformação oferecida. Felizmente o Ministro foi hábil, e destruiu o PIG. Mais uma vez.

Melinho

09 de novembro de 2010 às 17h53

Eu entendi completamente a explicação do ministro. Está claro que se pode formular diferentes provas com o mesmo grau de dificuldade em diferentes partes do mundo (caso do TOEFL, teste de proficiência na lingua inglêsa exigido, por exemplo, pelo CNPq quando um brasileiro sai para fazer um curso no exterior , aplicado em todo o mundo, inclusive no Brasil). Se houve um grupo relativamente pequeno de incritos prejudicados, formula-se um novo teste para estes alunos no mesmo nível de dificuldade do teste anterior.

Com relação a uma ou outra questão mal formulada ou que dá margem a questionamentos, anula-se e ninguém é prejudicado. É como se aquela pergunta não tivesse sido formulada no teste. Ninguém sai prejudicado neste caso.

Claro que o Ministro tem toda a razão.

Agora, um pergunta: a gráfica que ganhou a concorrência este ano funciona também em São Paulo?

Responder

Marcelo Ramos

09 de novembro de 2010 às 17h49

Luciano, esses caras est(avam)ão tão fora de si, que estão rasgando dinheiro. No caso da Folha, nunca mais será contratada. É daí que se vê que veículos de comunicação não devem tentar fazer política. De uma forma ou de outra, vão se dar mal.

Responder

mello

09 de novembro de 2010 às 17h34

O ministro mostrou conhecimento, clareza nas respostas e informações, além de convencer que as falhas que se verificaram podem ser sanadas sem a necessidade de realização de novas provas. Nas questões relativas ao desempenho do governo Lula na educação deu uma lição nos entrvistadores, com argumentações fortes e com alta credibilidade. Só conformou sua competência e qualificação.

Responder

Conceição Oliveira

09 de novembro de 2010 às 17h33

Escrevi sobre isso hj, é mais que manipulação é mau jornalismo, comparei com outras entrevistas recencentes: Haddad no Bom Dia Brasil e seus ‘perguntadores’ http://mariafro.com.br/wordpress/?p=21598

Responder

    Roberto Locatelli

    09 de novembro de 2010 às 20h48

    E ainda há pessoas dizendo que o PIG dará uma trégua a Presidenta Dilma. Não haverá trégua. o PIG quer destruir o Brasil.

Marcos_DF

09 de novembro de 2010 às 17h18

Dá até pena desses caras do bom dia brasil.

Responder

luciano

09 de novembro de 2010 às 17h14

O grande problema é a receita que a Folha perdeu com a farsa que foi o vazamento das provas no ano passado. E junto com isso, o número de estudantes pobres que estão tendo possibilidade de interromper o ciclo de miséria com novas perspectivas via ProUni.
Será que a Folha se arrependeu de forjar o vazamento ano passado? E agora, a solução é desacreditar este potencial concorrente em outras licitações … . é esperar para ver !!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding