VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Zanin: Lava Jato está errada; depoimento de Léo Pinheiro foi o único argumento para condenar Lula
Reprodução da TV
Denúncias

Zanin: Lava Jato está errada; depoimento de Léo Pinheiro foi o único argumento para condenar Lula


30/06/2019 - 21h27

NOTA DA DEFESA  

FORÇA-TAREFA ESTÁ ERRADA: DEPOIMENTO DE LÉO PINHEIRO FOI ÚNICO ARGUMENTO PARA CONDENAR LULA

A sentença proferida pelo ex-juiz Sergio Moro para condenar o ex-presidente Lula não deixa dúvida de que se amparou unicamente no depoimento prestado por Leo Pinheiro, ao contrário do que afirmam hoje, em nota, os procuradores da Lava Jato de Curitiba.

Trata-se de material que por si só não deveria ter qualquer valor probatório, uma vez que Leo Pinheiro prestou esse depoimento na condição de corréu, ou seja: sem o compromisso de dizer a verdade – podendo mentir sem nenhuma consequência jurídica de acordo com a lei brasileira. E não resta nos autos nenhum outro elemento para sustentar a injusta condenação.

Não bastasse, as revelações feitas hoje pelo jornal Folha de S. Paulo confirmam o que sempre dissemos: Leo Pinheiro foi pressionado para mudar a posição que já havia sustentado no processo e fabricar uma versão incriminatória contra Lula para obter redução substancial de sua pena, o que efetivamente veio a ocorrer.

Em seu depoimento, Leo Pinheiro criou a versão de que João Vaccari teria pedido o triplex em nome de Lula.

Levamos ao TRF4 carta de próprio punho de Vaccari negando essa afirmação, mas o Tribunal se recusou a analisar o documento.

A versão de Pinheiro também é incompatível com o depoimento prestado por 73 testemunhas — que responderam perguntas da acusação e da defesa sob o compromisso da verdade e deixaram claro que Lula jamais solicitou ou recebeu a posse ou a propriedade do triplex.

A versão é, ainda, incompatível com a prova que fizemos no processo de que 100% dos direitos econômicos e financeiros do apartamento já haviam sido transferidos pela OAS em favor de um fundo gerido pela Caixa Econômica Federal — de forma que Lula jamais poderia receber a escritura do imóvel sem pagar o valor correspondente àquele banco.

Ademais, Moro negou à defesa a realização de todas as perícias requeridas, apenas porque o resultado delas seria favorável ao ex-presidente, seja para afastar qualquer vínculo com a Petrobras, seja para comprovar que ele não solicitou ou recebeu, direta ou indiretamente, qualquer valor proveniente da petrolífera ou de qualquer empresa ou empresário.

Esperamos que os Tribunais Superiores levem em consideração todos esses fatos e a inequívoca suspeição do ex-juiz Sergio Moro, reforçada pelas recentes revelações da imprensa, para reconhecer a nulidade de todo o processo e da condenação imposta a Lula, de forma a restabelecer sua liberdade plena. A condenação de Lula, tal como imposta, afronta o Estado de Direito.

Cristiano Zanin Martins

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

01 de julho de 2019 às 17h20

Continuam as Delações Seletivas Direcionadas Contra o PT.

Ex-Presidente do Grupo Odebrecht revela que a Subsidiária Brasken
mentiu, omitiu e manipulou os seus acordos de delação e de leniência
para proteger executivos que não queriam aparecer como criminosos.

O ex-Sócio Presidente da Odebrecht afirmou que as doações ao PT
nas campanhas de 2010 e 2014, não foram provenientes de caixa dois
como afirmaram os representantes da Braskem.
Além disso revelou que a petroquímica omitiu o pagamento de propina
para dirigentes do PMDB para que a empresa [Braskem] conseguisse
comprar energia elétrica mais barata da Chesf.
O ex-presidente da Odebrecht também acusou o escritório de advocacia
norte-americano que costurou o acordo da Braskem com o Departamento
de Justiça dos EUA, o Paul Hastings LLP, de Washington DC, de haver ajudado
o Advogado que comandou a área jurídica da Braskem, na estratégia para
esconder emails que comprometiam os Executivos da Empresa Subsidiária.

https://t.co/ggisligb0J
https://twitter.com/luisnassif/status/1145744411604766723

Responder

Zé Maria

01 de julho de 2019 às 13h56

Sergio Moro é a Demonstração do imensurável Prejuízo
que pode causar à Justiça a atuação de um Juiz Suspeito.

Responder

Silas

30 de junho de 2019 às 22h06

Só uma coisa: houve uma acareação entre Lula e Léo Pinheiro. Nao, né !
Se eu nao estou enganado a defesa pediu isso ao Moro que negou o pedido da defesa.

Responder

Ulisses Melo

30 de junho de 2019 às 21h58

Cada dia fica mais evidente que a lava jato enganou o povo brasileiro. Basta ver que as vesperas do 1º turno da eleiçoes de 2018 Moro vazou a delaçao do Pallocci para prejudicar o PT e o que é mais curioso, vejam, o sr. Pallocci sumiu do noticiario qdo veio a tona a vaza jato. Por que um juiz tem que se meter nas eleiçoes sendo que ele nao é juiz eleitoral ?
Se eu fosse coxinha eu escondia a cabeça no c.u do Moro de tanta vergonha de ter sido feito de otário.
Pagamento pelos serviços prestados, uma fundaçao de 2 bilhoes para ser administrada pelo MPF e …
Aí complica. É batom na cueca.
2 bilhoes para o MPF e pq nao 2 bilhoes para os cofres da uniao. Quem foi lesado foi o MPF ou a Uniao/Petrobras ?
Tá bem explicada a historia dos 2 Bi para o MPF. Faz sentido agora os 2 bilhoes.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.