VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Possível encontro entre duas famílias armadas deixou órfão de 8 anos que viu os pais e o irmão serem mortos
O assassino disse à polícia que tinha aprendido a atirar em cursos, no Exército e praticando airsoft. Reprodução redes sociais
Denúncias

Possível encontro entre duas famílias armadas deixou órfão de 8 anos que viu os pais e o irmão serem mortos


29/01/2020 - 10h21

Da Redação

A polícia de Porto Alegre está apurando se é verdadeiro o testemunho de Dionatha Bitencourt Vidaletti, de 24 anos de idade, que matou pai, mãe e filho depois de um acidente de trânsito numa estrada rural da capital gaúcha.

Os homicídios aconteceram depois de um bate boca por causa de uma colisão banal.

Os mortos são Rafael Zanetti Silva, 45 anos, Fabiana da Silveira Innocente Silva, 44 anos, e Gabriel da Silveira Innocente Silva, 20 anos.

Dionatha disse que cometeu os homicídios usando a arma com a qual o motorista do outro automóvel, Rafael, desferiu coronhadas nele.

Ele teria desarmado Rafael e posteriormente efetuado os disparos.

Dionatha contou à polícia que antes de matar as três pessoas a mãe dele fez um disparo para o chão com uma pistola que portava.

Se confirmado o depoimento, trata-se de um encontro entre duas famílias armadas, que resultou em três mortes por causa de uma discussão banal.

A polícia ainda não esclareceu o status das armas de fogo utilizadas ou apreendidas posteriormente com as duas famílias.

A compra e o porte de armas de fogo tem mobilizado a sociedade brasileira em intensas discussões, especialmente nas redes sociais.

Uma criança de oito anos de idade, que viu os pais e o irmão serem assassinados, sobreviveu ao encontro.

“A família está buscando apoio psicológico para essa criança, vendo com quem ela vai ficar. A família está mobilizada no acolhimento dela. É o pior momento: conseguir dar apoio a essa criança. Estamos todos desolados. É só sofrimento. Ninguém consegue acreditar em toda a situação. Era uma família unida e tranquila, sempre juntos. Nada justifica uma pessoa matar um pai, uma mãe, um filho por causa de uma batida na porta de carro. Não existe motivo. É a banalização da vida humana que está se vivendo”, disse ao diário gaúcho Correio do Povo o advogado Thiago, primo de Rafael.

ACIDENTE

No domingo, 26, Rafael bateu sua Aircross num veículo estacionado em estrada de terra. Familiares alegam que não parou por se tratar de lugar ermo. Foi alcançado por Dionatha e a mãe, que estava armada, no Ecosport abalroado. 

Rafael, dizem familiares, teria se proposto a pagar os danos. Dionatha, no entanto disse em seu depoimento à polícia que foi agredido, inclusive com coronhadas. Que conseguiu desarmar Rafael.

Dionatha afirma que sua mãe fez um disparo para o chão, o que teria feito a briga parar. Que Rafael, então, teria ameaçado a mãe de agressão. Que, em consequência disso, pegou a arma de Rafael que estava no chão e realizou os disparos que mataram Rafael, a esposa e o filho do casal.

A polícia vai convocar outras testemunhas para tentar esclarecer a discrepância entre versões, já que o menor de 8 anos de idade só saiu do carro depois da execução dos pais e do irmão.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Jaderson Benedito de Oliveiea

30 de janeiro de 2020 às 21h38

Que versão mais furada desse assassino, com certeza essa versão de queixa arma era do casal morto não procede, isso é orientação de advogado de defesa, se a mãe é uma louca que possui arma em seu nome imagine o filho.

Responder

a.ali

29 de janeiro de 2020 às 22h41

a familia está morta e a versaõ final será a do assassino, claro. e pelo “estilo” do dito cujo apostamos o quê, mesmo ?

Responder

Zé Maria

29 de janeiro de 2020 às 13h36

https://revistaforum.com.br/wp-content/uploads/2020/01/dionatha-vidaletti.jpg

Homicídio Doloso por Motivo Torpe

O Homicida Dionatha Bitencourt Vidaletti
fazia parte de um grupo chamado “Milícia Airsoft” e
ostentava fotos portando armas em suas redes sociais.
Os perfis, no entanto, foram deletados após o crime.

A Mãe que disparou tiros com uma Pistola 380
deve ser indiciada por Tentativa de Homicídio

Em revista na casa de Vidaletti, a Polícia Civil
encontrou uma pistola, um revólver, carregadores e munição.
O jovem já foi do Exército, mas não possui porte de armas.
A pistola 380 tem registro no nome da mãe do suspeito,
mas o revólver, calibre 38, não tem registro.

https://revistaforum.com.br/brasil/cidadao-de-bem-homem-que-matou-familia-no-rs-fazia-parte-de-milicia-airsoft/

Responder

Eridan

29 de janeiro de 2020 às 13h12

Acredita nessa versão quem quer.

Responder

Nelson

29 de janeiro de 2020 às 11h08

Anos atrás, lendo na Cadernos do Terceiro Mundo – se minha memória não me trai, era esta a revista – uma matéria sobre violência, me deparei com uma estatística. A estatística apontava que uma pessoa armada tinha 11 vezes mais chances de entrar em alguma confusão mais grave.

Infelizmente, há, em nosso país, muita gente que ou não sabe dessa estatística ou simplesmente desdenha dela, acreditando que é com arma na mão que vai resolver este ou aquele problema. E o caso, muito triste, ocorrido em Porto Alegre é exemplar.

Todo mundo sabe como funcionam as coisas.

Se o “índio”, como costumamos denominar aqui no sul, está desarmado, na grande maioria dos casos em que se vê em uma confusão, ele tenderá a “murchar as oreia” e procurará acalmar as coisas.

Mas, se estiver armado a tendência é que ele queira “bancar o touro”, mostrar que é macho. Daí, amigo, com o “sangue quente” estará aberto o espaço para que ele cometa erros, bobagens que não cometeria se não portasse arma.

É de esperarmos que, a partir de mais um caso a demonstrar o grande perigo que todos correm com essa fissuração pelo porte de armas, as pessoas passem a olhar a questão com mais serenidade.

Afinal, estamos a ponto de enveredarmos para uma enorme regressão civilizacional. Será que queremos retornar à época em que as diferenças eram resolvidas à base do duelo ou dos assassinatos sem fim que eram cometidos em nome de uma suposta honra familiar?

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.