VIOMUNDO

Diário da Resistência


Partidos denunciam Witzel ao STJ por “política de extermínio”: 1.249 pessoas mortas por policiais no Rio em 2019
Witzel faz campanha ao lado de candidato do PSL que quebra placa em homenagem à vereadora assassinada Marielle Franco, no Rio de Janeiro. Rodrigo Amorim elegeu-se deputado estadual com 140.666 votos. O número da besta do apocalipse. Reprodução de vídeo.
Denúncias

Partidos denunciam Witzel ao STJ por “política de extermínio”: 1.249 pessoas mortas por policiais no Rio em 2019


23/09/2019 - 17h55

Witzel disse hoje que sua política de segurança tem sido um sucesso e que a morte de Agatha foi um caso isolado. Entre janeiro e agosto, 1.249 pessoas foram mortas por policiais no RJ. Que tipo de insano chama essa política de extermínio de sucesso? Genocida! Guilherme Boulos, liderança do Psol, no twitter.

Quem vai parar esse louco, o governador do Rio? Inocentes sempre morreram em meio à guerra contra o tráfico, mas nunca um governador estimulou a matança. Nunca autorizou policiais a atirarem de cima de helicópteros em comunidades indefesas. Parem esse louco a qualquer preço. Ricardo Noblat, jornalista.

É indecente usar um caixão como palanque. Não podemos permitir que partidos de oposição venham a utilizar mortes de inocentes para palanque. Wilson Witzel, governador do Rio, 72 horas depois do assassinato da menina Ágatha Félix, de 8 anos, com um tiro pelas costas.

PT, PCdoB, Psol, PSB e PDT denunciam Witzel no STJ por ‘política de extermínio’

Gleisi Hoffmann e os presidentes do PCdoB, Psol, PSB e PDT apresentaram notícia-crime contra o governador por conta das mortes causadas pela polícia no estado

Do site do PT

O Partido dos Trabalhadores, o PCdoB, Psol, PSB e PDT vão denunciar, nesta segunda-feira (23), o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), no Superior Tribunal de Justiça (STJ) por conta da política de extermínio aplicada no estado.

A iniciativa ocorreu após a morte de Ágatha Felix, de 8 anos, que levou um tiro de fuzil nas costas no Complexo do Alemão.

A notícia-crime, assinada pela presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, e pelos presidentes Carlos Lupi (PDT), Carlos Siqueira (PSB), Juliano Medeiros (PSOL) e Luciana Santos (PCdoB), pede que Witzel “responda pelos crimes que vem sendo praticados pela polícia militar do estado que governa, que ocorrem sob seu aval, estímulo e fomento”.

Os presidentes dos partidos lembraram que Ágatha é quinta criança morta por ação da polícia no Rio de Janeiro este ano.

Confira a íntegra da nota

A letalidade observada nas operações militares comandadas pelo atual governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel tem despertado preocupação e revolta da sociedade civil em nível nacional e internacional.

A truculência em operações policiais era uma das pautas defendidas por Witzel quando ainda aspirava como candidato nas últimas eleições estaduais, adotada desde janeiro como política de governo.

A morte da pequena Aghata Vitória Salles Felix, de 8 anos de idade, com um tiro de fuzil nas costas, no complexo do Alemão, na última sexta-feira (21) somente reforçou nossa certeza de que é preciso parar essa política de extermínio da população pobre e das periferias do estado do Rio de Janeiro. Ághata foi a quinta criança morta em ações policiais neste ano.

Nesse sentido, os partidos de oposição, no compromisso com a democracia, com uma política de segurança pública responsável, com a defesa dos direitos da população vulnerável e com a vida das crianças, apresentam uma NOTICIA CRIME AO SUPERIOR TRIBUNAL JUSTIÇA contra o governador do Estado do Rio de Janeiro Wilson Witzel, para que responda pelos crimes que vem sendo praticados pela polícia militar do estado que governa, que ocorrem sob seu aval, estímulo e fomento.

A ação será protocolada nesta segunda-feira. Esperam os partidos que haja uma resposta do Poder Judiciário para fazer cessar essa guerra aberta, cuja vítima é a sociedade.

Carlos Lupi – Presidente do PDT
Carlos Siqueira – Presidente do PSB
Gleisi Hoffmann – Presidenta do PT
Juliano Medeiros– Presidente do PSOL
Luciana Santos – Presidenta do PCdoB”

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

24 de setembro de 2019 às 17h13

“Meu compromisso é com a lei. Não tenho interesse, vivo na mesma casa há muitos anos. O Conselho de Controle de Atividades Financeiras pode dizer se recebi algumas coisas.
Meu sigilo bancário está aberto.
Não tem nada a temer em relação ao patrimônio.
As minhas decisões, a mim pertencem.
Sugerir que as decisões de qualquer magistrado [se dão]
em razão de propina é um ato de irresponsabilidade”

Siro Darlan, membro da Associação dos Juízes para a Democracia (AJD), um dos poucos Desembargadores
Anti-Fascistas do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro
e, quiçá, do Brasil, há tempos perseguido pela Polícia
Fascista do Estado, sob pressão da Rede Globo, e
acusado em inquéritos baseados unicamente em
Delações SEM PROVAS.

http://www.blogdosirodarlan.com/

Responder

Jardel

24 de setembro de 2019 às 01h50

Quando o rabo começa a abanar o cachorro.
Exemplo de incompetência da polícia e principalmente do governo fluminense.
Cidadão que não fez nada de errado leva esporro da polícia porque portava um suporte de microfone.
Veja:
https://www.youtube.com/watch?v=vhvieBAgnac
O policial despreparado fica batendo boca com um cidadão que não estava cometendo crime nenhum e, não age como deveria agir.
Os ocupantes da moto não foram revistados e poderiam estar armados. Se o piloto da moto estivesse armado e resolvesse reagir poderia disparar contra os dois policiais incautos.
Não pediram os documentos da moto que poderia ser roubada. Preferiram fazer um videozinho idiota reclamando de bosta nenhuma.
Isso só pode ser chamado de INCOMPETÊNCIA.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.