VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Denúncias

Supremo diz que Barbosa viajou para casa usando avião de carreira


05/07/2013 - 08h29

Joaquim Barbosa voa para ver jogo com dinheiro público

04 de julho de 2013 | 20h 09

EDUARDO BRESCIANI E MARIÂNGELA GALLUCCI – Agência Estado

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, usou recursos da Corte para se deslocar ao Rio de Janeiro no final de semana de 2 de junho, quando assistiu ao jogo Brasil e Inglaterra no estádio do Maracanã. O STF diz que a viagem foi paga com a cota que os ministros têm direito, mas não divulgou o valor pago nem qualquer regulamento sobre o uso da cota.

O tribunal confirmou à reportagem que não havia na agenda do presidente nenhum compromisso oficial no Rio de Janeiro durante o final de semana do jogo no Maracanã. Barbosa tem residência na cidade e acompanhou o jogo ao lado do filho Felipe no camarote do casal de apresentadores da TV Globo Luciano Huck e Angélica. Segundo a Corte, porém, apenas o ministro viajou de Brasília com as despesas pagas pelo STF. Os voos de ida e de volta foram feitos em aviões de carreira.

Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo de maio deste ano mostrou que ministros têm usado recursos da Corte para viagens durante o recesso forense, quando estão de férias, e para levar as mulheres em diversos voos internacionais. O total gasto em passagens para ministros do STF e suas mulheres entre 2009 e 2012 foi de R$ 2,2 milhões. Neste período, Barbosa utilizou recursos da Corte para passagens enquanto estava de licença médica e não participava dos trabalhos em Brasília. Os dados oficiais foram retirados do portal da transparência do Supremo após a reportagem por supostas “inconsistências”.

O Supremo diz que os ministros dispõem de uma cota para voos nacionais tendo como base uma decisão tomada em um processo administrativo durante a gestão de Nelson Jobim na presidência da Corte. Segundo o STF, a cota equivale a um deslocamento mensal para o estado de origem com base na tarifa mais alta para voos entre Brasília e Sergipe, devido ao fato de o ministro já aposentado Carlos Ayres Britto ser o integrante da corte naquele momento que morava na unidade da federação mais distante.

De acordo com o tribunal, a cota é anual e não é submetida a controle. As passagens podem ser usadas a qualquer momento, inclusive no recesso parlamentar, durante licenças, ou para viagens motivadas por interesses pessoais dos ministros.

À exceção do recém-empossado Luís Roberto Barroso, e de Celso de Mello, Marco Aurélio Mello e Teori Zavascki, os outros sete integrantes da atual configuração do tribunal usaram passagens áreas pagas pelo Supremo durante os recessos de julho e janeiro entre 2009 e 2012 segundo os dados que estavam no portal do próprio STF.

*****

Nota do Supremo Tribunal Federal:

A respeito das informações veiculadas nesta sexta-feira (05/07) sobre o pagamento de passagens aéreas para os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) cumpre esclarecer:

1 – O presidente do STF, Ministro Joaquim Barbosa, não viajou para o Rio de Janeiro, no último dia 31 de maio, para assistir ao jogo do Brasil. O Ministro retornou para a sua residência no Rio de Janeiro, como faz regularmente há mais de 10 anos, desde que empossado no Supremo;

2 – O Ministro teve seu deslocamento, em avião de carreira, pago pelo Supremo. Essa é uma prerrogativa de todos os ministros do Supremo Tribunal Federal, adotada também por outros tribunais;

3 – Decisão administrativa de 1995 regulamentou cota de passagens aéreas a ser utilizada pelos gabinetes dos Ministros de acordo com a necessidade de deslocamento de cada um deles, havendo limite para os gastos;

4 – A cota de passagens é anual e tem validade independentemente do recesso judiciário ou períodos de licença.

Secretaria de Comunicação Social do STF

*****

‘Vôo da alegria’ de Henrique ao Rio foi destaque até no The New York Times

Por Ciro Marques, no JH de Natal, em 04.07.2013

Nem a governadora Rosalba Ciarlini, no auge da crise da saúde pública do Rio Grande do Norte, conseguiu uma repercussão negativa tão grande quanto essa do presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, ao utilizar um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para levar amigos e a noiva para assistir ao jogo do Brasil no estádio Maracanã, no Rio de Janeiro. Isso porque, além de circular nos principais jornais do país, o “erro” do parlamentar foi noticiado até por jornais estrangeiros, como o The New York Times, o mais importante jornal dos Estados Unidos.

No Brasil, a Folha de São Paulo foi o primeiro jornal a noticiar a ida de Henrique – junto à noiva, Laurita Arruda, dois filhos e um irmão dela, o publicitário Arturo Arruda, com a mulher Larissa – ao estádio do Maracanã em um vôo da FAB que partiu de Natal. A notícia, que rapidamente se tornou a mais lida no país, a mais comentada e a mais compartilhada do portal, não demorou para ser publicada em outros jornais, como o Uol Notícias, o Terra e o Globo.com.

Foi também citada em reportagens das emissoras Band e Record, além de ser divulgada no Jornal Nacional, da Rede Globo. Esse “feito” em uma notícia negativa só havia sido conseguido, em uma história recente, quando a crise na saúde pública no Governo Rosalba Ciarlini levou a uma matéria mostrando a falta de leitos e de equipamentos para proceder operações no território potiguar.

Porém, nem isso foi tão negativo para um político do Rio Grande do Norte que causasse repercussão “lá fora”, como foi o caso de Henrique e o vôo da FAB. Na realidade, para o The New York Times, o maior problema foi porque o presidente da Câmara dos Deputados se envolveu em um escândalo como esse, dias depois do país assistir a uma verdadeira onda de manifestações cobrando mais trabalho e lisura dos políticos.

Por sinal, Henrique, na sexta-feira antes do vôo polêmico, chegou a receber manifestantes diplomaticamente na Câmara dos Deputados. Os líderes do grupo que fez quase um mês inteiro de protestos em Brasília, entregaram uma lista de reivindicações que o presidente da Casa prometeu que iria “discutir” com os demais deputados.

“Funcionários do governo usando o dinheiro do contribuinte para pagar por férias ou passar extravagantemente em viagens oficiais de negócios é uma história antiga no Brasil. Mas no clima atual, como a presidente Dilma Rousseff e políticos de todos os níveis têm se esforçado para reagir à indignação nas ruas, o momento da viagem de Alves foi mais inoportuno”, afirmou a matéria do The New York Times.

Jornalista de um dos principais jornais americanos, inclusive, chegaram a fazer uma série de entrevistas com pessoas comuns no bairro de Pinheiros, em São Paulo. “‘Multidões estão nas ruas e eles estavam voando para ver um jogo de futebol?’, disse Mauro César Garcia, de 52 anos, um vendedor de São Paulo. ‘Ele deveria ter se preocupado com a nação. Ele deveria ser um exemplo para as pessoas’”, citou o jornal.

O The New York Times citou que na internet a revolta foi semelhante “‘Somente um cínico, uma porca ou uma pessoa completamente desinformado poderia ter ignorado o que aconteceu no país nas últimas semanas e fazer isso’, escreveu Kiko Nogueira. ‘É como se ele estivesse dizendo: Vocês são otários para pensar que algo iria mudar’”, acrescentou o noticiário.

É importante ressaltar que depois de publicada no The New York Times, a notícia foi repercutida em outros sites e jornais dos Estados Unidos, como o The Daily Journal Online e o DailyMe.

Leia também:

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - A mídia descontrolada e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


67 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Dilsom

06 de julho de 2013 às 08h02

Mentira do Supremo. Barbosão é quem mais usa os aviões da FAB.

Responder

Maria Izabel L Silva

06 de julho de 2013 às 01h38

Como assim “retornou para sua residência”. O sujeito tem um super emprego em Brasilia e mora no Rio? E esse vai e vem é pago com dinheiro publico? Cota anual de passagens? Pensei que isso fosse mordomia exclusiva dos safados dos políticos. Até onde eu sei, os recursos públicos devem ser utilizados para viagens de trabalho. Para retornar “para sua residência”, use o seu super salario senhor ministro, pois o senhor é muito bem pago.

Responder

ricardo silveira

06 de julho de 2013 às 00h21

Assisti a quase todas as seções do julgamento do “mensalão”, vi e ouvi a fúria acusatória do ministro relator no julgamento, e minha decepção foi perceber que condenava sem provas, apenas com base em suposições, com uma verborragia despropositada, mais perplexo, ainda foi ver que o ministro era acompanhado por alguns dos seus pares, de modo acrítico, coisa própria de “maria vai com as outras”. Ora, isso não é justiça que se espera de um STF. Depois, li em artigo de Ines Nassif, que Joaquim Barbosa não permitiu que o advogado de Pizzolato tivesse acesso a provas que o inocentavam o réu. E, agora, leio essa familiaridade de Joaquim com esse rapaz da Globo. Ora, os brasileiros não merecem isso.

Responder

H. Back™

06 de julho de 2013 às 00h07

O Joaquim Barbosa poderia ser nomeado o padroeiro da hipocrisia, porque deixa transparecer a afetação duma virtude, dum sentimento louvável que peremptoriamente ele não tem.

Responder

Marat

06 de julho de 2013 às 00h04

Um devaneio, ou seria um déjà vu?… Já vi algo assim… não, não é possível… estou com o livro, com o filme Macunaíma… ontem? hoje? sempre? Não, mas estamos ou não no século XXI? As pessoas andam nas ruas exigindo decência, mas decência apenas de alguns, não é mesmo? Para essa turma a mídia não deve ser regulada! Para esse pessoal o nosso judiciário é perfeito… Não sei por que me veio o Egito à mente… não sei por que esses fascistas, que amam o Luciano Huck querem um ditadorzão no poder…, não, mas estamos ou não no século XXI, ou o século XXI será o século da dronecracia?

Responder

JOTACE

05 de julho de 2013 às 22h28

O PÁTIO

As eurocolônias, com o assalto praticado ao Direito Internacional com o sequestro do Presidente Evo Morales, conquistaram por merecimento todo o espaço de Pátio Traseiro. Temos de admitir que, para retirar o título da América Latina tiveram que ir ao servilismo extremo. A decisão da UNASUR, da qual participou o BraSil, de renunciar definitivamente à honraria concedida pelos poderes imperiais, entristece toda a oligarquia, seus asseclas, e sua imprensa liderada pela Globo, igualmente vende-pátria. De pêsames a Casa Grande e seus ministros aliados da imprensa servil e corrupta.

Responder

    FrancoAtirador

    06 de julho de 2013 às 08h10

    .
    .
    Membros da Unasul exigem explicações sobre veto a Evo Morales

    Em reunião, presidentes aprovam declaração em que cobram explicações e pedido de desculpas dos governos da França, Itália, Portugal e Espanha

    Por Renata Giraldi, da Agência Brasil, via Brasil de Fato

    Reunidos em Cochabamba (Bolívia), os presidentes Ollanta Humala (Peru), Cristina Kirchner (Argentina), José Pepe Mujica (Uruguai), Rafael Correa (Equador), Nicolás Maduro (Venezuela) e Dési Bouterse (Suriname) aprovaram declaração em que cobram explicações e pedido de desculpas dos governos da França, da Itália, de Portugal e da Espanha sobre o veto ao avião do presidente da Bolívia, Evo Morales, há três dias.

    “Exigimos dos governos da França, de Portugal, da Itália e Espanha que expliquem as razões sobre a decisão de impedir o sobrevoo do avião presidencial da Bolívia em seus espaços aéreos”, diz a declaração. “Da mesma maneira, [exigimos que] apresentem as desculpas públicas correspondentes aos graves fatos ocorridos”, diz o texto denominado Declaração de Cochabamba, divulgado ao fim da reunião extraordinária da União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

    No último dia 2, o avião de Morales foi proibido de sobrevoar e aterrissar nos espaços aéreos de Portugal, da França, Itália e Espanha porque havia suspeitas de que o ex-agente norte-americano Edward Snowden estivesse a bordo. Morales foi obrigado a desviar a rota e aguardar autorização para seguir viagem, em Viena, na Áustria, onde ficou em terra por cerca de 13 horas. Morales vinha de uma reunião técnica sobre produção de gás na Rússia.

    Nos Estados Unidos, Snowden é acusado de espionagem e está na Rússia esperando a concessão de asilo político. O ex-agente denunciou que os norte-americanos monitoravam e-mails e ligações telefônicas de cidadãos dentro e fora do país. Há ainda informações de que comunicações da União Europeia foram monitoradas. O norte-americano pediu asilo a 21 países, inclusive ao Brasil.

    A declaração dos presidentes sul-americanos rechaça o que chamaram de “refém” dispensado pelos governos europeus a Morales. Para os líderes da região, houve a violação de normas e princípios básicos do direito internacional. “[Houve uma] flagrante violação dos tratados internacionais que regem a convivência pacífica, a solidariedade e a cooperação [internacionais]”, diz o texto.

    Na reunião de Cochabamba, Rafael Correa alertou que a América Latina deve refletir sobre a “gravidade” do ocorrido. Para Mujica, a América Latina se sente agredida com o que ocorreu a Morales. “Foi uma ofensa a toda a América do Sul”, disse o presidente do Suriname.

    Confira a declaração na íntegra:

    DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

    Ante a situação a que foi submetido o presidente do Estado Plurinacional da Bolívia, Evo Morales, por parte dos governos da França, de Portugal, da Itália e da Espánha, denunciamos ante a comunidade internacional e os diversos organismos multilaterais:

    * A flagrante violação dos Tratados Internacionais que regem a convivência pacífica, a solidariedade e a cooperação entre nossos Estados, que constitui um ato insólito, não amistoso e hostil, configurando um fato ilícito que afeta a liberdade de trânsito e deslocamento de um Chefe de Estado e de sua delegação oficial.

    * O atropelo e as práticas neocoloniais que ainda subsistem em nosso planeta em pleno século XXI.

    * A falta de transparência sobre as motivações das decisões políticas que impediram o trânsito aéreo do avião presidencial boliviano e seu presidente.

    * O agravo sofrido pelo presidente Evo Morales, que ofende não somente ao povo boliviano, mas a todas as nossas nações.

    * As práticas ilegais de espionagem que colocam em risco os direitos cidadãos e a convivência amistosa entre nações.

    Frente a essas denúncias, estamos convencidos que o processo de construção da Pátria Grande, no qual estamos comprometidos, deve consolidar-se em pleno respeito à soberania e independência de nossos povos, sem a ingerência dos centros hegemônicos mundiais, superando as velhas práticas através das quais se pretende impor países de primeira e de segunda classe.

    As Chefas e Chefes de estado e de Governo de países da União de Nações Sul-Americanas, Unasul, reunidos em Cochabamba, Bolívia, em 4 de julho de 2013,

    1. Declaramos que a inaceitável restrição à liberdade do Presidente Evo Morales Ayma, convertendo-o virtualmente em um refém, constitui uma violação de direitos não só ao povo boliviano, mas a todos os países e povos da América Latina e abre um perigoso precedente em matéria do direito internacional vigente.

    2. Rechaçamos as atuações claramente violadoras de normas e princípios básicos do direito internacional, como a inviolabilidade dos Chefes de Estado.

    3. Exigimos aos governos da França, de Portugal, da Itália e da Espanha que expliquem as razões da decisão de impedir o sobrevoo do avião presidencial do Estado Plurinacional da Bolívia por seu espaço aéreo.

    4. Exigimos também aos governos da França, de Portugal, da Itália e da França que apresentem as desculpas públicas correspondentes em relação aos graves fatos suscitados.

    5. Respaldamos a Denúncia apresentada pelo Estado Plurinacional da Bolívia ante o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, pela grave violação de Direitos Humanos e posta em perigo concreto da vida do Presidente Evo Morales. Respaldamos também o direito do Estado Plurinacional da Bolívia de realizar todas as ações que considere necessárias ante os Tribunais e instâncias competentes.

    6. Acordamos conformar uma Comissão de Seguimento, encarregando a nossos Chanceleres a tarefa de realizar as ações necessárias para o esclarecimento dos fatos.

    Finalmente, no espírito dos princípios estabelecidos no Tratado Constitutivo da Unasul, exortamos à totalidade das Chefas e Chefes de Estado da União a acompanhar a presente Declaração. De igual maneira, convocamos à ONU e aos organismos regionais que ainda não o fizeram a pronunciar-se sobre esse fato injustificável e arbitrário.

    Cochabamba, 4 de julho de 2013.

    Tradução: Adital.

    (http://www.brasildefato.com.br/node/13463)

    Íntegra em español:

    (http://www.redebrasilatual.com.br/mundo/2013/07/para-unasul-truculencia-com-evo-faz-america-do-sul-mais-unida-5928.html)

    FrancoAtirador

    06 de julho de 2013 às 08h20

    .
    .
    O representante brasileiro foi o vice-chanceler Eduardo dos Santos.

    Peru, Colômbia e Chile enviaram seus embaixadores na Bolívia.

Luís Carlos

05 de julho de 2013 às 20h55

Barbosa, o judiciário e a Globo?!? Veio a tona o que todos nós já suspeitávamos. A mancomunação entre o presidente do STF, pesando a mão contra o PT, aliviando o PSDB e Globo para conseguir emprego pro filho, eis o “herói” da classe média nacional, forjado por Globo, Veja e outros menos votados. O Judiciário brasileiro, com raras exceções, é absolutamente podre.

Responder

    H. Back™

    05 de julho de 2013 às 23h25

    “(…)é absolutamente podre.” Nossa! O STF não merece tantos elogios.

JOTACE

05 de julho de 2013 às 20h23

DOS NOVOS
CATÕES

Os artigos refletem com justeza problemas que açoitam a humanidade desde os tempos mais antigos mas que, nem por isso, devem ficar omissos ou deixar de ser criticados: são ministros e senadores brasileiros, sustentados com o dinheiro do povo, travestidos de seguidores de Catão, e que,contudo, praticam atos dos quais deveriam se envergonhar. Não há como entender o Sr. Joaquim Barbosa no camarote da Globo, filhinho bem empregado no grande foco de bandalheiras, e suas viagens de lazer como igualmente as do oligarca Henrique Alves. São nababos, com seus incríveis salários, vantagens etc. e que destas abusam de forma imoral. Dão eles um exemplo de uma conduta desprezível e que os desacredita para os cargos que ocupam. Pois, nem sempre tudo que é legal, é moral. Parabéns ao Bonifa pelo seu lapidar comentário, que explica as razões da louvação constante pela qual uma das imprensas mais corruptas do mundo, endeusa ao Ministro J. Barbosa da Casa Grande. A citação do Sr. Henrique Alves em seus vôos da alegria, no artigo do Jornalista Ciro Marques, representa apenas uma pequena amostra do que o tal Senador – e sua família – (como também a dos Maias) vêm praticando impunemente no país e, de forma especial, no Rio Grande do Norte E que se dividem na responsabilidade pelo atraso e miséria de uma grande parte da população do Nordeste brasileiro.

Responder

Depaula

05 de julho de 2013 às 19h22

05 de Julho de 2013•17h23 • atualizado às 18h00
Qualquer pessoa pode se inscrever para voar pela FAB; saiba como

Origem de polêmicas envolvendo os presidentes da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, o uso de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) é um direito não apenas de autoridades, mas de qualquer cidadão brasileiro. Através do Correio Aéreo Nacional (CAN), serviço que aproveita missões da força e espaços não preenchidos em aeronaves em serviço para transportar cidadãos, as pessoas podem utilizar o serviço para se locomover a diversos destinos.

Segundo a FAB, “qualquer pessoa pode se inscrever no CAN” e voar nos aviões da força. Para isso, é necessário se apresentar pessoalmente em um posto do correio aéreo, onde uma ficha deve ser preenchida, com cópias da identidade, comprovante de residência e Cadastro de Pessoa Física (CPF).

De acordo com a FAB, a viagem “está condicionada à disponibilidade de voos de transporte e do tipo de missão da Força Aérea Brasileira para o destino desejado, assim como o número de vagas disponibilizadas no CAN”.

O número de vagas depende do tipo de aeronave e das vagas restantes nela. “As aeronaves de transporte da FAB realizam voos não regulares com diversas origens e destinos e nem sempre são disponibilizadas vagas para o CAN”, afirmou em nota a força.

Questionada pelo Terra, a assessoria de imprensa da FAB não disponibilizou dados sobre o número de usuários do CAN em 2012 e nos seis primeiros meses deste ano. Apesar de não haver registro oficial de números, a FAB afirmou que o maior número de usuários dos voos são moradores de regiões distantes da região Norte e Centro-Oeste.

A força também não disponibilizou a legislação que trata do transporte de passageiros no Sistema do Correio Aéreo Nacional, a NSCA 4-1, por se tratar de uma norma interna.

Veja a lista de cidades onde existe postos do CAN:

Canoas (RS)
Florianópolis (SC)
Santa Maria (RS)
Pirassununga (SP)
Guarulhos (SP)
São José dos Campos (SP)
Rio de Janeiro
Brasília
Campo Grande
Anápolis (GO)
Belém
Boa Vista
Manaus
Porto Velho
Fortaleza
Natal
Recife
Salvador
Alcântara (MA)

http://noticias.terra.com.br/brasil/qualquer-pessoa-pode-se-inscrever-para-voar-pela-fab-saiba-como,c3f8b4eff70bf310VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html

Responder

sônia

05 de julho de 2013 às 19h20

Pois é, mas somente o Senado e ministros sofrem denúncia na TV, o STF não é citado. Por que será heim?
A cota de passagensdo STF é anual e tem validade independentemente do recesso judiciário ou períodos de licença, para ministros e acompanhante ( esposo ou esposa)para Brasil e exterior..Além disso ninguém tem poder para fiscalizar os gastos.
Isso é que é justiça!

Responder

Francisco

05 de julho de 2013 às 19h05

Dai que…

Joaquim esta na capa da Time e cogitado para substituir Dilma.

Pois é.

Responder

Bonifa

05 de julho de 2013 às 18h39

A Ana Maria Braga também assistiu ao jogo do Brasil neste camarote da Angélica. Ela filmou e mostrou o camarote por dentro, em diversas ocasiões do jogo. Lá só se encontravam o casal Huck e outro casal de artistas, um cantor e sua mulher. Em nenhum momento ela se referiu a que o ministro Joaquim Barbosa estivesse partilhando com eles do camarote, e não poderia deixar de fazê-lo, não ia perder a oportunidade de trocar palavras com tão ilustre figura. Barbosa não foi citado por ela em nenhum momento, durante seu programa no dia posterior, em que o centro do programa foi o referido camarote. Em princípio, há um engano, Barbosa não assistiu o jogo Brasil X Espanha neste camarote de apresentadores da Globo. Mas há algo estranho ai.

Responder

    André Dantas

    05 de julho de 2013 às 18h53

    O jogo do passeio do Ministro foi Brasil e Inglaterra no dia 02/06/13 e não a final da Copa da Confederações.

De Paula

05 de julho de 2013 às 18h33

Pesquisa realizada no dia 20 de junho último pelo Datafolha, em São Paulo, entre participantes dos protestos na Av. Paulista, deu o Presidente do Supremo, Joaquim Barbosa como o líder nas preferencias daquele eleitorado, com 30%, seguido da Marina com 22% e Dilma com 10%. Por conta disso, os que detonaram a Roseana e depois o Aécio já estão alvejando seu telhado de vidro.

Responder

FILIPPINI

05 de julho de 2013 às 17h53

Recomendo a todos o brilhante texto do jornalista Paulo Nogueira sobre o assunto.

Vamos republicar nos outros blogs e dar um curtir via Face e espalhar via twitter.Este catão de araque merece ser emparedado.

Link : http://www.diariodocentrodomundo.com.br/a-globo-e-joaquim-barbosa-sao-um-caso-indefensavel-de-conflito-de-interesses/

Responder

ZePovinho

05 de julho de 2013 às 16h10

http://gente.ig.com.br/lucianohuck/#topoBiografia

BIOGRAFIA

O pai de Luciano Huck é Hermes Marcelo Huck, um dos juristas mais renomados do país……………………….

OLHA O TRÁFICO DE INFLUÊNCIA!!!!!!!!EXISTE UM CONFLITO DE INTERESSES AÍ!!!O PATRÃO DO FILHO DE UM MINISTRO DO STF É FILHO DE UM ADVOGADO FAMOSO QUE,CERTAMENTE,TEM CAUSAS NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL!!CAUSAS ATÉ DA GLOBO!!!

Responder

    FrancoAtirador

    05 de julho de 2013 às 23h36

    .
    .
    Se ele é advogado da Globo não se sabe.

    Mas que o Huck Pai é especialista em Direito Tributário Internacional,

    e um notável estudioso de Paraísos Ficais não há a menor dúvida.

    HUCK, Hermes Marcelo. Evasão e Elisão – rotas nacionais e internacionais do planejamento tributário, São Paulo: Editora Saraiva, 1997

    (http://lattes.cnpq.br/1332918145951749)

Regina Braga

05 de julho de 2013 às 16h02

O filho do Barbosa foi contratado pela rede esgoto…Vai trabalhar com o Huck?Ou com a Angélica?

Responder

Urbano

05 de julho de 2013 às 15h32

Bem a caráter no famoso bloco…

Responder

augusto2

05 de julho de 2013 às 14h39

Proxima faixa para protesto a frente da Plimplim:

“nao tem moral pra falar de ESTADIOS quem empurra futebol para 22 a MEIA NOITE, so pra Superfaturar o Bordel das 9:00”

Responder

O DOUTRINADOR

05 de julho de 2013 às 14h16

Que tal a Presidenta DILMA, mandar uma Mensagem ao Congresso Congresso Nacional, PROPONDO ao Invés de uma Reforma Política, FAÇAMOS UMA REFORMA NOS POLÍTICOS.

Responder

    André Dantas

    05 de julho de 2013 às 15h03

    Seria o mesmo que ter uma máquina de bonecos que produz todos sem cabeça e ao invés de consertarmos a máquina resolvemos colar as cabeças uma a uma.

Paulo

05 de julho de 2013 às 14h08

Banheiro de R$90.000,00, passagens aéreas aos montes, e se mexer mais muita coisa vai sair dessa pocilga. O guardião da moralidade é esse ai. Muda Brasil, limpe o Judiciario a latrina brasileira.

Responder

05 de julho de 2013 às 14h07

Barbosa assistindo ao jogo no camarote de Luciano Huck e Angélica. Seu filho agora foi contratado para trabalhar no Caldeirão do Huck. Alguém duvida que esteja sendo construída uma nova candidatura para 2014?
Misturem o autoritarismo e arrogância do Joaquim Barbosa com a política falida neoliberal de FHC. No que que dá? Uma grande m#$%¨&¨&¨%%$#erda.

Responder

Edno Lima

05 de julho de 2013 às 14h02

O site aqui está parecendo a empresa de um amigo meu; deixa passar um elefante mas não deixa uma formiga entrar.Por aqui, nenhuma palavra a respeito da maracutaia do Henrique Alves quando da utilização do jato da FAB.Congressistas têm cotas de passagens para utilizá-las com bem entender.Não é justo que os integrantes do Supremo tenham a mesma benesse??

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    05 de julho de 2013 às 14h19

    Vc tem certeza que leu o texto, caro Edno?

    Edno Lima

    05 de julho de 2013 às 15h24

    Foi mal. Não havia lido o segundo texto!

    augusto2

    05 de julho de 2013 às 14h42

    edno, acontece que o henrique alves e seus pares NAO são, na mesma midia,
    herois da moral e bons costumes – ao contrario do zumbi de capa preta.

    Edno Lima

    05 de julho de 2013 às 16h40

    Onde está a imoralidade em alguém,integrante da cúpula de um dos poderes da República, que tem residência em outro estado dispor de passagens para, ás vezes, ir ao estado natal? Médias corporações porpiciam a seus dirigentes a mesma benesse.Os integrantes das cúpulas dos outros poderes usufruem do mesmo benefício. Estão fazendo aqui o mesmo que criticam na mídia tradicional. Colocar os dois fatos no mesmo patamar é coisa de mídia golpista. Uma coisa é o sujeito utilizar-se, somente para si, de uma passagem num vôo comercial, outra bem diferente é pegar um jatinho da FAB e simulando uma utilização a serviço (o encontro com o prefeito do Rio,cúmplice na sacanagem), levar a noiva (?)e um bocado de amigos para assistir a uma partida de futebol no Rio de Janeiro.

    Bonifa

    05 de julho de 2013 às 18h21

    É tudo errado, caro Edno, e tudo deveria ser censurado com vigor. tais coisas e outras mais até bem mais graves. Mas não se envolva emocionalmente com a possibilidade de que algum destes atores possa ser herói da moralidade. Ou que possa ser perdoado porque todos fazem o mesmo e não há ninguém honesto. A resistência que não permite abraçar a desilusão por orgulho ou temor, é um tormento que só termina com a decisão de encarar a realidade e suas possibilidades de transformação de maneira fria e crítica.

Edno Lima

05 de julho de 2013 às 13h34

Esse Barbosão não se emenda mesmo! Tal qual Lula, só falta arrumar uma Rosimery Noronha da vida para, com diárias pagas pelos cofres públicos, aplacar-lhe a solidão durante as viagens.

Responder

Valcir Barsanulfo

05 de julho de 2013 às 12h41

O Barbosão cavou um emprego para o filho na líder em sonegação de impostos no Brasil, Rede Globo.
O julgamento da ação470, que expôs sobremodo o ministro, contribuiu para essa aproximação.
O Ministro do Supremo Joaquim Barbosa, foi ver jogo da seleção por conta do erário público. Ministro da Previdência,Gariballdi Alves, o Presidente da Câmara Henrique Alves também usufruem de privilégios.
No RN, Alves e Maias usufruem de todo o estado e o divide em feudos.

Responder

Scan

05 de julho de 2013 às 12h03

O Barbosinha foi procurar emprego pro filhote dele, gente!
Deem um desconto, o filhote merece.

Responder

Gerson Carneiro

05 de julho de 2013 às 11h58

“O menino pobre que mudou o Brasil” (segundo a Veja). Ou seja, negro ex-pobre agora também pode fazer as mesmas coisas que os brancos ricos fazem. Grande mudança!

Responder

    Scan

    05 de julho de 2013 às 12h47

    Errata, Gerson:
    “…ex-negro, ex-pobre…”.

Bonifa

05 de julho de 2013 às 11h53

O Ministro pode ficar tranquilo porque está muito bem blindado pela mídia oposicionista brasileira. E essa história de frequentemente incluírem o ministro Joaquim Barbosa como suposto candidato em pesquisas de candidatos à presidência da República é claramente uma manobra da Direita que busca sobrevalorizar o julgamento do Mensalão. No Brasil, os candidatos de direita aos cargos executivos, recebem de maneira automática uma forte blindagem da mídia. Esta blindagem extra é transferida também automaticamente ao processo do Mensalão, aumentando o grau de dificuldade para aqueles que têm esperanças justificadas de que o mesmo seja oficialmente questionado ou reanalisado. Joaquim seria um herói. Porquê? Porque foi o juiz do Mensalão. Se o Joaquim é um herói, o mensalão foi um julgamento justo e inquestionável, e isso que a mídia e seus institutos de pesquisas buscam consagrar. Com isso, uma revisão justa e criteriosa do julgamento, que a cada dia aparece como inevitável para alguns que punem por uma justiça sem máculas, correria o risco de acabar com toda uma enorme ilusão que foi construída de maneira sistemática no imaginário da população, repercutindo em diversas e sérias conclusões equivocadas da opinião pública e em seus inúmeros desdobramentos. A mídia e a Justiça com seu mensalão, parecem ter ido longe demais. Envolveram todo o país em uma grande teia de falácias. Como consequência, a mídia de direita, sócia e patrocinadora da teia falaciosa, obriga-se a zelar para que nada possa comprometer a imagem de Barbosa, alçado por ela mesma à condição de Herói Intocável. Se Barbosa é intocável, o Mensalão também é intocável e irreprochável. O processo do Mensalão tornou-se assim em ídolo todo-poderoso que tem que ser preservado pela mídia de direita a qualquer custo. E a mídia também não permite que surja nenhum outro ídolo concorrente que possa fazer parelha com sua divindade, acabando com seu reinado único e baixando-a à dura condição da realidade terrena. Ela, a mídia de direita, inibe pelo silêncio sepulcral qualquer hipótese de que haja, por exemplo, um julgamento do tal Mensalão Mineiro ou do PSDB, ou julgamentos semelhantes que possam. Neste sentido, qualquer iniciativa de vulto contra a corrupção deve ser inibida ou mal referida pela mídia, já que poderia banalizar e eclipsar sua deidade incontrastável. Não foi por outra razão que o procurador Gurgel falou, e quase ninguém entendeu na época, que a própria CPI do Cachoeira, que queria ouvi-lo por razões muito justas, era uma grande manobra de petistas que buscava tirar os olhos da população de cima da futura divindade mensalística. Gurgel já tinha, mesmo antes do julgamento, uma ideia clara da gigantesca dimensão que a direita e sua mídia iriam conferir ao Mensalão, do qual ele mesmo era uma das peças fundamentais. Ela, a mídia, continua hoje disposta a combater e inibir qualquer iniciativa oficial que desafie ou ameace o reinado de sua divindade. Seu ídolo não conseguiu, ao tempo do sacrossanto julgamento, obrar os milagres que seus adoradores esperavam dele, como a vitória esmagadora da direita nas urnas. Mas ele ainda é sua maior arma política. Sobre Barbosa jogarão todos os louvores possíveis, embora temendo seu gênio imprevisível, justamente para preservar esta arma. E deixar que se questione Barbosa é, assim, impensável para a Direita.

Responder

Julio Silveira

05 de julho de 2013 às 11h50

A questão ai, para mim, é de pura picuinha contra as pessoas citadas.
O problema nacional, a meu ver, não são elas, mas sim o que a legislação lhes permite fazer. Acredito que tudo isso, por mais imoral que seja aos nossos olhos, sejam atos legais, eles não se arriscariam se não fosse. Vamos ser mais coerentes, façamos essa luta com sinceridade, sem hipocrisias, a luta deveria ser para que nenhum cidadão tivesse direitos especiais, nem Barbosa, nem Henrique, mas também nem Aécio, nem Lula, ou quem quer que seja, tivesse privilégios a cidadania comum não tem. O Brasil cultua cidadãos especiais, de primeira classe, aqueles que os sustentam geralmente são reconhecidos como desimportantes, de segunda classe, e nem estamos nos referindo ao extgerior.
Acho que esse jogo de momentos, entre oposição e situação, sem mudar efetivamente o que possibilita a existência de ratos e gatos conforme as circunstancias e as variáveis da insatisfação popular são apenas camuflagem para esconder o que não se quer mudar, fazendo uso disso para um proveito apenas oportunista.

Responder

    leia

    05 de julho de 2013 às 12h16

    Nem tudo que é legal é moral. É imoral sim fazer viagem sem nescessidade com dinheiro público. Quem paga essas passagens é voce, sou eu, somos todos nós. Se queremos passar o Brasil a limpo, temos que cobrar de todos, desde político, o judiciário e funcionários públicos de 1° escaläo que nadam em benefícios concedidos com dinheiro público. Se voce paga dos eu bolso sua viagem, porque o JB näo pode ? se eu ganho menos de 3.000 mil reais por mes, e se eu quiser ver um jogo , tenho de pagar tudo com meu dinheiro. Se o JB que ganha quase 30.000 , por que nós ainda temos de pagar suas mordomias ?

    André Dantas

    05 de julho de 2013 às 13h51

    Júlio, o que essa reportagem ressalta é farsa que visa transformar Joaquim Barbosa num herói nacional, em alguém que se distingue da podridão moral dos nossos “políticos profissionais”.
    O que a matéria escancara é o fato de Joaquim Barbosa ser e se mostrar da mesma classe, utilizar os mesmos métodos e ter a mesma “elasticidade moral” daqueles que condena com tanta ênfase.
    É certo que nossas leis permitem que “autoridades” tenham um sem número de privilégios, mas o que a matéria deixa bem claro é que não será Joaquim Barbosa que lutará contra esses privilégios de classe como tentam nos incutir os meios de comunicação hegemônicos.
    A informação que está evidente na matéria é que Joaquim Barbosa não representa nem pode representar a indignação popular contra a desigualdade e a impunidade no Brasil. Joaquim Barbosa é mais um elemento no jogo das elites na sua guerra interna pelo poder. Como a direita dessa elite não tem um candidato viável tenta construir um na figura de Joaquim Barbosa.

    Julio Silveira

    06 de julho de 2013 às 06h55

    Caro André Dantas, com minha resposta a você espero também estar respondendo a Leia. Devo dizer a vocês, que exatamente como vocês isso, essa situação colocada no post, me revolta. E, exatamente como você Leia, sinto indignação profunda com atos de agentes públicos que ignoram que nem tudo que é legal é ético, moral. Mas em minha critica pretendi acentuar mais esse joguinho que fazem na politica, que é o de trazer a picuinha, permitindo a continuidade da legalidade existente na imoralidade, em vez de enquadra-la legalmente. Quis acentuar haver diferenças na obrigação de observação da legalidade por um cidadão comum, e esses especiais. Esses que amparados na legislação frágil, por que incoerente, permitem-no que se tornam personagens de primeira classe ante a maioria. Quando dei minha opinião não o fiz a favor do Barbosa ou quem quer que seja, apenas quis dizer que acho uma condução de visão muito pequena, citar o efeito e não a causa. Aliás causa que permite uma legião de aproveitadores oportunistas, inclusive, como vemos, até entre apoiadores do próprio governo. As vezes me canso de observar esse joguinho de gato e rato entre oposição e seus apoiadores, governo e seus apoiadores, sem que, de fato, se alterem as coisas dentro do arcabouço legal existente, pelo contrário, aumentam cada vez mais as facilidades. Como que, se estimulando culturas nocivas, criando-as para facilitar desvios de conduta, tudo muito bem amparado na lei.
    Francamente, amigos, o Brasil está um caos e acho que consigo ver os motivos, e não quero entrar mais nessa, quero mudança da cultura nacional, que torne a ética uma cultura observada pela cidadania como um todo e legalmente estimulada. Abraços.

    Caracol

    06 de julho de 2013 às 08h51

    Julio,sua justa perplexidade quanto à “legislação” e o que ela permite, reside no fato de que há 500 anos, no Brasil, o que é “legal” se afasta cada vez mais daquilo que é “legítimo”. Isso é um processo que há muito penetrou na cultura brasileira e atualmente a distância que separa o “legal” do “legítimo” aqui é simplesmente sideral, exatamente ao contrário do que ocorre nos países ditos “civilizados”.

    (Coloco “civilizados” entre aspas porque etimologicamente vem de cível, civil, significando capacidade de conviver em sociedade, sendo os índios, portanto, mais civilizados do que os não-índios.)

    Vai daí, caro Julio, que na prática se observa um fenômeno impressionante: no Brasil – parafraseando a Lei de Murphy – se houver 99 maneiras de fazer a coisa certa e uma maneira apenas de se fazê-la errada, a coisa vai ser feita pela via errada. Casos como o impeachment de Collor e o Mensalão são lapidares: busca-se realizar o que é justo pelas maneiras mais escabrosas, injustas, ilegais e ilegítimas.
    Sem necessidade, apenas para eternizar uma herança cultural de Macunaíma, o herói sem caráter.

    Julio Silveira

    06 de julho de 2013 às 17h19

    É, meu caro Caracol, tenho batido nessa tecla. De que o Brasil precisa de uma revolução cultural (por favor não associe a expressão àquela revolução feita pelo MAO, na China. Afinal, cada país com sua cultura e suas necessidades) desde minha primeira participação neste Blog do meu caro Azenha.
    Tive a ilusão nos primórdios da existência do PT. Acabou-se a ilusão ao ver a conciliação deste partido com tudo aquilo que sempre condenou no passado. Infelizmente a fome pelo poder falou mais alto, mais alto que o paciente convencimento de que o país necessitava de profilaxia. Moral da história, adoeceu o partido, contaminado pela força da virulência incubada nas instituições nacionais, e pior, enfraqueceu os anticorpos da cidadania. Que agora parte para o grito e esperneio, com estertores de agressividade. Só espero que não seja um efeito colateral, antes da mesma paralisia que se seguiu após os anos de Ditadura militar, que doutrinou a sociedade para o conformismo e o alheamento, usando para favorecer seus associados, a errônea percepção de incapacidade para mudarmos nossos destinos, afinal é com isso que o conservadorismo e as oligarquias beneficiarias contam.

Jayme Vasconcellos Soares

05 de julho de 2013 às 11h44

Então a rede Globo é ou não é um lixo dos meios de comunicação, em nosso País, a serviço dos corruptos e de toda a canalhada da direita!? E Dilma, onde está!? Será que ela ,diante de tanta corrupção do STF, do Senado, da Câmara e mesmo do Poder Executivo, com o apoio desta imprensa podre não fará aprovar a lei de regulação dos meios de comunicação!? O povo está de olho em tudo isto!!!

Responder

Faria

05 de julho de 2013 às 11h23

Tá caindo a máscara do JOAPLIMPLIM BARBOSA !

Responder

Bárbara

05 de julho de 2013 às 11h13

DE SÃO PAULO

Felipe Barbosa, filho do presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, é o novo contratado da Globo.

Formado em comunicação social, Felipe entrou para a equipe de produção do “Caldeirão do Huck”.

A informação é da coluna Outro Canal, assinada por Keila Jimenez e publicada na Folha desta sexta-feira (5).

Procurada pela coluna, a Globo e fontes na produção da atração negaram a contratação de Felipe. Disseram que ele foi apenas fazer uma visita ao Projac, no Rio.

Mais tarde, a emissora confirmou a contratação.

Responder

    Bonifa

    05 de julho de 2013 às 13h24

    Poderes. Arranjos entre eles.

Robert Moraes

05 de julho de 2013 às 11h05

Não seria o certo escrever Brasil e Espanha?

Responder

Alice Matos

05 de julho de 2013 às 10h27

ehehehehhehe cheios de graça, não é? São corretíssimos eheheheheh

Responder

Eunice

05 de julho de 2013 às 10h22

A rádio que troca as notícias ou omite, falou demais sobre o Henrique Alves e de preferência sobre Renan, e nem tocou na viagem desse ministro.

Responder

LEANDRO

05 de julho de 2013 às 10h02

A lista é grande…tem ministro, deputado, juiz, senador…

“Garibaldi Alves admitiu uso do avião.
Ele saiu do Ceará para o Rio, onde assistiu a Brasil e Espanha.”

Responder

Edson

05 de julho de 2013 às 09h43

Olha ai o Barbosa com o rabo preso…

Responder

FrancoAtirador

05 de julho de 2013 às 09h32

.
.
O GIGANTE SONEGADOR E A COOPTAÇÃO POR APADRINHAMENTO

Globo contrata filho de Barbosa

Por Altamiro Borges, no Blog do Miro

Duas notinhas publicadas nos jornalões paulistas revelam o telhado de vidro do ministro Joaquim Barbosa, que anda pensando em se candidatar à Presidência da República.

O Estadão noticiou que o Supremo Tribunal Federal (STF) bancou as despesas da sua viagem para assistir ao jogo Brasil e Inglaterra no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, em 2 de junho.

Ele acompanhou a partida ao lado do filho Felipe no camarote do casal global Luciano Huck e Angélica.

Já uma notinha publicada hoje na Folha confirma que Felipe Barbosa é o novo contratado da TV Globo.

Houve até uma tentativa de esconder o caso, mas não deu certo.

Confira a matéria da coluna Outro Canal:

*****

Reforço – O mais novo contratado da produção do “Caldeirão do Huck” (Globo) é Felipe Barbosa, filho do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa.

Reforço 2 – A Globo e fontes na produção da atração negaram para a coluna a recente contratação do rapaz. Disseram que ele foi apenas fazer uma visita ao Projac, no Rio.

Reforço 3 – Mais tarde, a emissora confirmou que Felipe fora mesmo contratado para um trabalho de pesquisa temporário no programa de Luciano Huck. O jovem é formado em comunicação social.

*****

As duas notinhas reforçam a tese de que o julgamento do chamado “mensalão do PT” foi uma grande farsa envolvendo parte do Judiciário e da mídia.

A candidatura presidencial de Joaquim Barbosa, já estimulada por vários “calunistas” da imprensa, faria parte desta trama.

O badalado presidente do STF é vendido como homem austero, ético, acima de qualquer suspeita.

Como ele vai explicar agora a viagem bancada com dinheiro público do Supremo para assistir a um jogo da Copa das Confederações?
Ou a presença dele e do seu filho no camarote de Luciano Huck e Angélica, estrelas da TV Globo?
Ou mesmo a contratação do seu filho pela poderosa emissora?

A vida não é fácil!

(http://altamiroborges.blogspot.com.br/2013/07/globo-contrata-filho-de-barbosa.html)

GLOBO, HIPOCRISIA, IMORALIDADE & ILEGALIDADE: TUDO A VER

Responder

    FrancoAtirador

    05 de julho de 2013 às 09h54

    .
    .
    Segunda-feira, 3 de junho de 2013

    12:01 \ Futebol
    No camarote da CBF…

    A CBF fez a festa do poder no jogo de ontem entre Brasil e Inglaterra.

    Como convidados de José Maria Marin, estavam de Agnelo Queiroz a Eduardo Paes, de Aécio Neves ao governador do Mato Grosso, Sinval Barbosa, de FHC a Valdir Raupp.

    Joaquim Barbosa,cruzou com Marin no estádio, mas assistiu ao empate do time de Felipão no camarote de Luciano Huck.

    Por Lauro Jardim


    Marin e Barbosa: nos camarotes

    (http://veja.abril.com.br/blog/radar-on-line/futebol/no-camarote-da-cbf)

Samira Silva

05 de julho de 2013 às 09h26

Supremo do Nunca

Nós do povo pagamos para o Barbosa passear, fazer Mensalão e reinventar teoria alemã. Eita cargo bom esse de Ministro do Supremo. Esse Supremo parece a Terra do Nunca. E nós do povo, moradores do Brasil dessa Justiça para PP&P pagamos a conta. Agora veja o Dantas, o Abdelmassih, os Privatas, os verdadeiros Mensaleiros, todos soltos. Supremo do Nunca.

Responder

Mardones

05 de julho de 2013 às 09h02

Dizem que a viagem do Henrique Eduardo Alves também contou com uma visita ao tucano-carioca Aécio Neves.

——-

Barbosa –> suposto candidato da Globo;
Hulk –> suposto vice do Barbosão;

Responder

Ana Cruzzeli

05 de julho de 2013 às 08h58

E ele não tá nem aí. Cara mais sem noção só Gilmar como régua.
Podem falar, podem brandar o cara vai seguindo a vida fazendo barbeiragem aqui e acolá.
A ultima foi que o filho teria sido contratado pelo Luciano Huck . Não ficaria surpresa se a carta de recomendação tivesse sido escrita pelo pai, Joaquim Barbosa.
A coisa escancarou, Joaquim Barbosa perdeu de vez a compostura . Ele teve que sair escorraçado do prédio do Supremo no dia da depredação do Itamaraty, mas antes teve que ouvir o Fora Rede Globo e mesmo assim vai ao jogo e fica no camarote de um global.
É deboche, acabou. Tem que ter uma reforma no judiciário urgente.

Responder

    Eunice

    05 de julho de 2013 às 10h21

    Claro. O discurso dele sempre foi muito fácil.

    Esse tipo de pessoas não é hermético. REvela-se na primeira frase. Não dá trabalho a uma análise.

    Devido a pouca leitura geral e muita dedicação ao direito acaba tendo pouco conteúdo humanista.

    Valmont

    05 de julho de 2013 às 11h23

    Antes mesmo da reforma do Judiciário, precisamos é atacar o poder que está acima de todos os Poderes da República: o poder do monopólio midiático chefiado pela famiglia marinho.
    As estripulias do Idi Amin do Judiciário jamais aparecerão na tela do PIG.

    Scan

    05 de julho de 2013 às 12h24

    Ana, que carta de recomendação, que nada.
    O pau de galinheiro Barbosinha 30% fez a recomendação pessoal e oralmente ao Huck Nose durante o jogo; afinal estava no camarote dele.
    Entendam: cuidar da prole é imperativo darwinista e vale tanto para um rato quanto para um Barbosinha.
    []’s

ZePovinho

05 de julho de 2013 às 08h55

http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/107582/Barbosa-filho-na-Globo-e-viagens-pagas-pelo-STF.htm

Barbosa: filho na Globo e viagens pagas pelo STF

Felipe Barbosa, filho do presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, foi contratado pela Globo; ele atua no programa Caldeirão do Huck, do apresentador Luciano Huck; no fim de semana, Barbosa viajou, com recursos do Supremo Tribunal Federal, para assistir a um jogo da seleção brasileira no camarote de Huck e de sua esposa Angélica; cogitado como presidenciável, Barbosa não tem demonstrado o mesmo rigor que cobra dos outros na sua vida pessoal

Responder

henrique de oliveira

05 de julho de 2013 às 08h55

Nada alem do dominio do fato.

Responder

Vlad

05 de julho de 2013 às 08h45

Esse PIG não tem jeito.
Sempre conspirando.

Responder

    Marcelo Figueiredo

    05 de julho de 2013 às 09h57

    Isso é coisa do José Serra. José Serra usa o UOL, Band e toda a mídia paulista pra queimar todos os concorrentes. Aécio, Barbosa e mais pra frente, pode ter certeza, vai ser a vez da Marina.

trombeta

05 de julho de 2013 às 08h44

O PIG vai ter que arrumar outro herói.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.