VIOMUNDO

Diário da Resistência


MPF pede para Palocci esconder da câmera anotações que levou a depoimento; veja vídeo
Denúncias

MPF pede para Palocci esconder da câmera anotações que levou a depoimento; veja vídeo


18/03/2019 - 17h14

Palocci chegou em depoimento com anotações que o MP pediu para esconder da câmara – Veja o vídeo

Lula.com.br

Antonio Palocci depôs hoje na Justiça Federal em uma ação contra Lula sobre a compra dos caças suecos no governo Dilma Rousseff.

Palocci foi incluído pelos procuradores como testemunha de acusação meses depois do fim dos depoimentos das testemunhas de defesa e da acusação.

O incrível é entender porque tanto esforço dos procuradores em ouvi-lo, se ao depor hoje Palocci disse não saber nada dos caças suecos como registra matéria da CBN.

O que Palocci teve foi palco para fazer mais acusações sem nenhuma prova -alguma gravação, algum depósito, algum registro, alguma prova, qualquer uma que justifique seu acordo de delação premiada.

O que fica mais estranho é que o depoimento de hoje nasceu de outro no dia 26 de junho de 2018, quando Palocci depôs aos procuradores de Brasília da Operação Greenfield sobre fundos de pensão, com um papel de anotações onde se lia “Lula – caças, submarinos e helicópteros”.

Ele já chega com essa anotação no depoimento antes de qualquer pergunta dos procuradores que marcaram o interrogatório sobre outro assunto.

Depois desse depoimento, o MP insistiu para ele ser ouvido nessa ação sobre os caças suecos, onde ele faz novas acusações, sem provas ou relação com audiência: disse que tinha ouvido falar de propinas entre os ex-presidentes Lula e Sarkozy na compra de submarinos, helicópteros e caças (que no final não aconteceu) da França. De novo, sem provas ou maiores detalhes.

Palocci, que tem como advogado um dos “reis da delação” de Curitiba, Adriano Bretas, já chegou no depoimento dos procuradores em junho de 2018 com o script das acusações anotado em papel, acertadas sabe-se lá com quem. Os procuradores se incomodam ao perceber que a câmera registra as anotações e pedem para que ele esconda a folha com as anotações para a câmera (veja vídeo acima)

Por que Palocci chegou para o depoimento de uma operação sobre Fundos de Pensão com anotações sobre caças, entre outras anotações no papel, que precisavam ser escondidas?

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



15 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Rodrigo

20 de março de 2019 às 01h35

Como saber se este realmente é o Palocci?

Responder

    Jardel

    20 de março de 2019 às 22h43

    É o vídeo oficial do MPF, do depoimento do dito cujo. É anexado ao processo.

Zé Maria

19 de março de 2019 às 13h04

ex-juizéco: de Marréco de Maringá a Patinho de Olavo
.
https://www.diariodocentrodomundo.com.br/wp-content/uploads/2019/03/screen-shot-2019-03-18-at-6-08-55-pm.png

Sergio Moro, que já foi alvo das críticas de Carvalho e seus seguidores pela indicação da especialista Ilona Szabó como suplente no Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, seguiu a adulação ao escritor.

Disse que era uma honra conhecer alguém que inspirou tanta gente, incluindo “o chefe”, referindo-se ao presidente Bolsonaro. O ministro ainda mencionou que havia gostado muito do livro O jardim das aflições , mas confessou que o achara “muito denso”.
[epoca,Globo]

Triste fim de um “superministro”:
Moro bajula Olavo, que há semanas
instigou seus cães a lincharem-no nas redes

Por Kiko Nogueira, no DCM
[…]
De superministro, Moro vai se revelando um estafeta
em busca desesperada de sobrevivência.

Isso inclui a bajulação de um “guru” viciado em termos como “cu” e “piroca”, ex-astrólogo, difamador serial.

A sorte de Moro é que Olavo não lhe perguntou de que trecho ele mais gostou.
Meu palpite é que o ex-juiz não leu a orelha da obra.

Ninguém relativamente normal lê aquilo — que, de resto,
é “denso” como um pum num copo vazio.

Moro afagou diretamente o ego de Olavo no que ele é mais frágil — sua obra “filosófica”.

A coisa fica mais baixa quando se sabe que, no final do mês passado, o destinatário das lambidas instigou suas hostes a linchar Moro nas redes por causa da nomeação da infiel Ilona.

“Se no Brasil existisse uma corrente política de direita e ela chegasse ao governo, tipos como Moro e Mourão não teriam nela a menor chance”, escreveu Olavo numa série de postagens contra o ídolo maringaense.

“Peçam ao Sérgio Moro ou ao Hamilton Mourão que expressem as suas respectivas ideologias políticas e verão que eles nunca pensaram no assunto”.

E por aí foi.

Moro, agora, é olavista.

Amanhã será outra coisa, dependendo do que o “chefe” ordenar.

íntegra: https://t.co/aXVvdAGqmN

https://twitter.com/DCM_online/status/1107763524435099648

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/triste-fim-de-um-superministro-moro-bajula-olavo-que-ha-semanas-instigou-seus-caes-a-lincharem-no-nas-redes/

Responder

David

19 de março de 2019 às 11h53

Tantas acusações e nenhum dinheiro encontrado.
O Pallocci é um trapo humano.
Sem nenhuma dignidade.

Responder

Julio Cesar

19 de março de 2019 às 09h36

Hoje tenho cada vez menos duvidas sobre o proposito de membros deste MPF , de ligações carnais e explicitas com o governo dos States, em prejudicar a soberania do Brasil e seus ibteresses soberanos. Por que só mesmo assim para compreender a extensão de tamanha perversão que se mostra com a apropriação de bilhões da Petrobras, da perseguição ao grupo que foi acossado a época pela midia ligada a cultura yanke para que não houvesse acordo com os caças Rafalke da França, muito menos com os caças da Russia, numa clara forçação de barra para que a Boeing fosse a privilegiada, não restando ao governo de tendência de esquerda, mas nitidamente de conotação nacionalista e defensor de nossa soberania , se ver obrigado a optar pelos caças Suecos, para tentar manter a dignidade de um país que procura mostrar identidade própria que os states e muitos nacionais mercenarios, nos entendem e nos como seu quintal. Provado nos golpes, e nas e tretas contra o patrimonio nacional do Brasil, os quais via de regra passam para controle e exploração deles.

Responder

Julio Cesar

19 de março de 2019 às 09h31

Hoje tenho cada vez menos duvidas sobre o proposito de membros deste MPF , de ligações carnais e explicitas com o governo dos States, em prejudicar a soberania do Brasil e seus ibteresses soberanos. Por que só mesmo assim para compreender a extensão de tamanha perversão que se mostra com a apropriação de bilhões da Petrobras, da perseguição ao grupo que foi acossado a época pela midia ligada a cultura yanke para que não houvesse acordo com os caças Rafalke da França, muito menos com os caças da Russia, numa clara forçação de barra para que a Boeing fosse a privilegiada, não restando ao governo de tendencia de esquerda, mas nitidamente de conotação nacionalista e defensor de nossa soberania , sido obrigado a optar pelos caças Suecos para tentar manter a dignidade de um país que procura mostrar que os states e muitos nacionais mercenarios, nos entendem como seu quintal. Procado nos golpes, e nas e trefas de patrimonio nacional do Brasil para controle e exploração deles.

Responder

Jardel

19 de março de 2019 às 02h20

Imagina se o ministro da Justiça do Lula visitasse a CIA…
Imagina se o filho do Lula fosse vizinho do Adélio Bispo…
Imagina se um deputado do PT tivesse funcionários fantasmas e laranjas em seu gabinete…
Imagina se o filho do Lula tivesse homenageado o miliciano com uma medalha…
Imagina se um deputado do PT empregasse a mãe e a mulher do miliciano em seu gabinete…
Imagina se a Dilma retirasse direitos trabalhistas e previdenciários da população…
Imagina se a Dilma acabasse com o PIS…
Imagina se a Dilma entregasse a Base de Lançamentos de Alcântara para os EUA…
Imagina se o Lula tivesse relacionamento íntimo com milicianos…

Acho que tá na hora dos coxinhas tirarem as panelas do rabo.

Responder

Jardel

18 de março de 2019 às 22h45

Qual seria a finalidade de uma câmera filmando o todo o depoimento?
Óbvio: garantir que tudo corra sem que haja qualquer irregularidade ou ilicitude.
Por que então pedir para o depoente não deixar aparecer as suas anotações?
Fica explícito o caráter irregular ou ilícito do depoimento.

Responder

Jardel

18 de março de 2019 às 22h40

Isso é uma bomba! Um furo.
Se tivéssemos uma imprensa isenta, amanhã isso estaria nas principais manchetes.

Responder

João Lourenço

18 de março de 2019 às 21h38

Vamos colocar mais cal sobre o corpo do bandido!!!

Responder

    Jardel

    20 de março de 2019 às 22h49

    O cara “delata” aquilo que os procuradores mandam ele delatar.
    Há um acordo espúrio para jogar lama no Lula.
    Ele diz que Lula recebeu propina para o Brasil comprar aviões franceses… O Brasil comprou aviões suecos.
    Que porra é essa?

Zé Maria

18 de março de 2019 às 19h39

‘Presidente da França Pagar Propina
para o Presidente do Brasil’ ?!?

Prestem atenção na Insanidade de quem afirmou isso!

E, pior, na demência de quem acreditou!

De onde sairia o Dinheiro?
Do Tesouro Francês?
Ou da Conta do Sarcozi?
.
Pelamordedeus!
Daria pra dormir sem essa!

Responder

robertoAP

18 de março de 2019 às 17h43

O problema é que a caligrafia das “anotações do Palocci”, é idêntica a do Moro.

Responder

    Jardel

    20 de março de 2019 às 23h43

    heheheh… É bem possível.
    Esse é o batom do Moro na cueca do Palocci.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.