VIOMUNDO

Diário da Resistência


MPF entra no caso do jovem Maykon, morto com dois tiros por policial rodoviário no DF
Denúncias

MPF entra no caso do jovem Maykon, morto com dois tiros por policial rodoviário no DF


12/03/2019 - 20h02

CDHM leva para o Ministério Público caso do jovem baleado por policial federal rodoviário no DF

Pedro Calvi, CDHM

Maykon Douglas Ribeiro comemorava o aniversário de 18 anos em um posto de gasolina em Planaltina (DF), no dia 20 de fevereiro, quando foi baleado com dois tiros por um policial rodoviário federal.

A PRF afirma que o jovem estava em um veículo e que, durante a abordagem, portava uma arma falsa imitando uma pistola PT840. O policial reagiu e fez os disparos.

A mãe do rapaz, Aurineide Lopes, afirma que o filho nunca teve nenhum tipo de arma. Ela diz, também, que o jovem pode não ter concordado com a ação policial e correu, e teria sido morto por esse motivo.

Agora, a família de Maycon quer a correta apuração dos fatos e a punição dos responsáveis.

Nesta terça-feira (12), a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM) promoveu, na Procuradoria-Geral da República o encontro da família de Maycon e deputados, com o procurador regional da República, Domingos Sávio Dresch da Silveira.

“O  Ministério Público Federal vai agir na apuração dos fatos e, se for o caso, pedir a punição dos responsáveis. Atuamos no controle externo das polícias e vamos encaminhar a denúncia ao MP do Distrito Federal, que vai acompanhar de perto a apuração desse caso e depois entrar com as devidas ações, inclusive junto à Corregedoria da Polícia Rodoviária Federal” explicou Domingos.

“Nada justifica o que aconteceu. Mesmo se o rapaz estivesse armado, o procedimento correto é outro e não atirar à queima-roupa e, na minha opinião, a arma falsa que a polícia fala, foi ‘plantada’. Hoje a CDHM entregou ao MPF todos os subsídios para que seja encaminhada a denúncia às instituições competentes”, afirma o deputado Marcon (PT/RS), presidente interino da CDHM.

Esse daí já foi pro saco”

O amigo de MayKon, Denilson da Conceição Silva, estava na comemoração e viu o que aconteceu.

“Ele caiu no chão já morto e os policiais não me deixaram ajudar. Um deles disse ‘esse daí já foi pro saco’ e me mandaram calar a boca. Quando a mãe dele chegou, chorando, não deixaram ela encostar no filho”, relata Denilson.

“Era um menino que estudava e trabalhava cuidando de uma chácara, nunca teve passagem pela polícia, tinha muitos amigos e era muito querido pela comunidade. Estou assustada”, diz Aurineide.

Cultura do ódio

“Maycon foi morto porque é negro e pobre. Existe um protocolo internacional que estabelece o chamado uso progressivo da força, pelo qual atirar com arma de fogo é a última hipótese. E isso não foi respeitado pela polícia. E todo esse descaso, essa cultura do ódio, estão sendo incentivados por quem deveria coibir”, ressalta a deputada Érika Kokay (PT/DF), integrante de CDHM e que também esteve no encontro.

O outro lado

Primeiro, a ocorrência foi feita na 16ª Delegacia da Polícia Civil, em Planaltina. Depois foi encaminhada para a Superintendência da Polícia Federal em Brasília, porque envolve um servidor da PRF em serviço.

Através de nota, a Polícia Rodoviária Federal confirmou o que aconteceu e informou que um dos ocupantes do veículo abordado, Maycon, saiu com uma arma em punho e, diante disso, os policiais atiraram contra ele.

A PRF disse, ainda, que chamou o Corpo de Bombeiros, mas o óbito foi constatado no local. Outros dois homens que estavam no carro foram algemados e presos. O tio e o amigo de Maycon, Denilson.

Os números da violência 

De acordo com o Atlas da Violência, 33.590 jovens foram assassinados em 2016, sendo 94,6% do gênero masculino, número que representa aumento de 7,4% em relação ao ano anterior.

Também em 2016, a taxa de homicídios de negros foi duas vezes e meia superior à de não negros (16,0% contra 40,2%). Consoante o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, naquele ano foram 4222 mortes decorrentes de intervenções policiais.

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

SANDRA OLIVEIRA

15 de março de 2019 às 20h06

Maykon era filho de uma amiga

Responder

Zé Maria

14 de março de 2019 às 15h06

https://pbs.twimg.com/media/D1nS9gJWwAA9Mxb.png

#FlorescerPorMarielle 14 de março:
Um ano que mataram Marielle Franco e
105 anos de nascimento de Carolina Maria de Jesus.
Na foto, as duas tremulam no desfile da Mangueira.

https://twitter.com/MST_Oficial/status/1106147442549051393

Responder

Zé Maria

14 de março de 2019 às 13h34 Responder

Zé Maria

13 de março de 2019 às 09h56

O ‘Outro Lado’ é o Marréco de Maringá e toda a Mídia de Direita.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!