VIOMUNDO

Diário da Resistência


Justiça  manda  União e terceirizada indenizarem funcionária humilhada: ‘Grito de resistência’, diz advogado
Denúncias

Justiça manda União e terceirizada indenizarem funcionária humilhada: ‘Grito de resistência’, diz advogado


01/05/2019 - 19h35

por Conceição Lemes

Em 27 de setembro de 2016, deu na mídia: Hackers invadem site do Ministério da Saúde e incluem dois eventos inusitados na agenda do ministro.

19h: renúncia do (vice) presidente da República #ForaTemer.

18h: reunião com ministros e líderes da base aliada do GOLPE.

Uma cópia da agenda alterada do então ministro, o engenheiro Ricardo Barros, circulou pela internet e o site do ministério ficou fora do ar por algumas horas.

Na época, duas funcionárias da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGETS) foram acusadas pela alteração e expostas à humilhação no corredor do setor.

Uma delas, Osmarina Alves do Nascimento, era secretária terceirizada do Departamento de Planejamento e Regulação da Provisão de Profissionais de Saúde (DEPREPS).

Uma semana depois foi demitida da empresa contratante, a Brasfort Administração e Serviços.

Ela entrou com uma ação trabalhista contra a União e a empresa terceirizada.

Nessa segunda-feira (29/04), o  Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região – Brasília publicou a decisão sobre o caso. Condenou a União e a empresa terceirizada a pagarem indenização por danos morais a Osmarina.

Alguns trechos da sentença:

Constata-se, portanto, que as provas produzidas revelaram a ocorrência de tratamento humilhante e inadequado atribuído à reclamante no ambiente de trabalho, com condutas abusiva e humilhações públicas.

(…)

Com efeito, a conduta da tomadora dos serviços, ante a suspeita de que a reclamante teria invadido o computador do Ministro da Saúde, foi abusiva e desrespeitosa, pois ela foi dispensada aos gritos, diante de todos os colegas de trabalho e, por fim, conduzida pelos seguranças da segunda reclamada até a porta de saída.

(…)

De se notar que o procedimento interno de apuração acerca do fato narrado, a invasão do sítio eletrônico do Ministério não apurou qualquer responsabilidade da reclamante._

 (…)

In casu, considerando a gravidade da ofensa praticada contra a reclamante, (…) a indenização por dano moral, tendo em vista os critérios acima e os princípios da razoabilidade e proporcionalidade.

Desde o episódio, em setembro de 2016, Osmarina tenta uma recolocação no mercado.

Até agora nada. Ela está  desempregada.

“Com a decisão, espero não só a indenização, mas voltar ao mercado de trabalho também”, sonha.

“A decisão significa um grito de resistência”, avalia Thiago Campos, especialista em Direito Sanitário e advogado de Osmarina.

“Reforça o papel essencial que a luta democrática deve exercer nesse momento histórico do país”, frisa.

“Em meio a tantas derrotas nesse Brasil pós-impeachment, vale a pena comemorar as pequenas vitórias”, acrescenta.

Segue a íntegra da nossa entrevista.

Viomundo – Pelo que eu li, a Osmarina foi humilhada no corredor do Ministério da Saúde na frente de outros colegas de trabalho. Como foi isso?

Thiago Campos – Ao ser constatada a a invasão da rede, o Ministério da Saúde acionou o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus) a fim de apurar o ocorrido.

Os técnicos de Datasus, acompanhados de seguranças do Ministério, foram até a SGETS retirar os computadores que elas usavam para averiguação.

Foi quando, então, a senhora Ana Paula Schiavone, chegou ao local e passou a humilhar Osmarina. Em voz alta, em tom agressivo, comunicou-lhe a exoneração (sic), responsabilizando-a pela alteração na agenda do ministro.

Um triste episódio já que a SGETS é o órgão responsável por formular políticas públicas orientadoras da gestão, formação e qualificação dos trabalhadores e de fazer a regulação profissional na área da saúde do Brasil.

Viomundo – Qual era a função da Ana Paula Schiavone?

Thiago Campos – Era responsável pela gestão da Secretaria. Natural de Maringá, terra natal do ex-ministro, ela chegou a ocupar o cargo de diretora da SGETS. Foi nomeada em 2016 e exonerada do cargo em 22 de maio de 2018.

Viomundo —  Descobriu-se quem alterou a agenda do ministro? 

Thiago Campos – Até hoje, não. Foi aberto procedimento administrativo na Corregedoria do Ministério da Saúde e a conclusão foi a de que nem Osmarina nem a outra colega acusada foram as responsáveis  pela alteração.

Viomundo — Com base em que as duas foram acusadas?

Thiago Campos – Segundo o ministério, a alteração havia saído da máquina de uma e transmitida para a da outra. Algo que nunca foi provado e nem demonstrado pelo Datasus.

Viomundo – A empresa não fez nada para defender a Osmarina?

Thiago Campos — Segundo relatos, a empresa terceirizada recebeu do ministério no dia do ocorrido um ofício determinando a retirada dela do posto de trabalho. Optou por mantê-la no vínculo por cerca de uma semana, aguardando a deliberação do Ministério da Saúde e depois a demitiu.

Não falou com ela sobre o ocorrido, não esclareceu os motivos de sua mudança de lotação nem de sua posterior rescisão, efetuando-a sem justa causa.

Viomundo – A Osmarina pleiteava quanto de indenização?

Thiago Campos – Não solicitamos na ação um valor exato, mas pedimos que ele fosse arbitrado pelo juiz de acordo com a gravidade do caso, de modo a reparar o dano sofrido e inibir condutas semelhantes.

O relator do processo no Tribunal negou provimento ao recurso. Contudo, o desembargador Grijalbo Fernandes Coutinho proferiu voto favorável, tendo sido acompanhado pela maioria.

Viomundo – E o valor da indenização?

Thiago Campos – O voto do desembargador Grijalbo Fernandes Coutinho foi por fixação da indenização em R$ 30 mil. Neste ponto, porém,  ele ficou vencido, tendo sido determinado pela maioria o valor de R$15 mil de indenização.

Viomundo – O Ministério da Saúde vai ter de pagar uma parte da indenização e a empresa, outra?

Thiago Campos – A condenação da União foi subsidiária e, por isso, apenas em caso de não pagamento do valor pela empresa é que a União será acionada.

Viomundo – Cabe recurso?

Thiago Campos — Ainda cabe recurso ao TST, mas para o seu recebimento a Justiça do trabalho impõe a realização de depósito recursal no valor de R$ 19.026,32.

Além disso, não são mais discutidos no recurso fatos e provas, limitando-se, no caso, à discussão de natureza processual ou relativa ao valor da indenização.

 Viomundo – O que significa essa decisão num momento de retirada de direitos como vivemos?

Thiago Campos — Os fatos discutidos no processo evidenciam a truculência  e arbitrariedade dos governos instalados no país desde o impeachment da presidenta Dilma.

A decisão significa um grito de resistência, reforçando o papel essencial que a luta democrática deve exercer nesse momento histórico do país.

Reacende a esperança para aqueles que estão vivenciando situação semelhantes, sinalizando que a Justiça do Trabalho ainda pode ser u m farol da democracia.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.