VIOMUNDO

Diário da Resistência


Juiz de Goiás enquadra militantes do MST em “organização criminosa”
Denúncias

Juiz de Goiás enquadra militantes do MST em “organização criminosa”


03/06/2016 - 07h01

Captura de Tela 2016-06-03 às 06.52.57Barões da mídia goianos acusam lideranças do MST, como Misnerovicz, de comandar violência contra funcionários de propriedades ocupadas. É o domínio do fato aplicado em defesa dos latifundiários

MST denuncia prisão de militante em Veranópolis pela Polícia de Goiás

por Marco Weissheimer, no Sul21

A direção estadual do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) de Goiás divulgou nota oficial nesta quarta-feira (1°) denunciando a prisão do militante José Valdir Misnerovicz, em Veranópolis (RS), numa operação desencadeada pela Polícia Civil de Goiás articulada com a Polícia do Rio Grande do Sul.

A prisão ocorreu na segunda-feira (30), quando Misnerovicz estava em Veranópolis.

Segundo o MST, essa prisão ocorre “no contexto de recrudescimento das forças conservadoras, perseguição aos movimentos de luta democrática e instauração de um clima de criminalização dos seus militantes” no Estado de Goiás.

A delegacia de Polícia de Veranópolis confirmou a prisão, mas não quis fornecer maiores informações sobre a operação, dizendo que isso ocorrerá por meio da chefia de Polícia do Estado do Rio Grande do Sul “nos próximos dias”.

Já o departamento de Comunicação Social da Polícia Civil gaúcha disse ao Sul21, na tarde desta quarta-feira, que ainda não tinha nenhuma informação sobre o caso.

Natural de Alpestre (RS), graduado em Geografia (Licenciatura e Bacharelado) pela Universidade Estadual Paulista Mesquita Filho, José Valdir Misnerovicz atua nos movimentos sociais do MST e Via Campesina nacional e internacionalmente exercendo funções de articulador político e de organização de base.

Também é membro do coletivo internacional da campanha global permanente pela reforma agrária da Via Campesina e já integrou a equipe nacional permanente do MST de negociação com o Governo Federal

No dia 14 de abril, o juiz Thiago Brandão Boghi, da Comarca de Santa Helena, município da região de Rio Verde (GO), requereu a prisão de quatro militantes do MST, sob a alegação de que os mesmos fariam parte de uma “organização criminosa”.

Segundo o MST, o juiz e a polícia emitiram intimações para depoimento, a fim de atrair os militantes à delegacia, de onde seriam levados presos.

O agricultor Luiz Batista Borges, integrante do acampamento Padre Josimo Tavares, foi preso ao se apresentar na delegacia de Rio Verde.

Os militantes Natalino de Jesus, Diessyka Lorena e Valdir Misnerovicz não foram localizados na ocasião.

Ainda segundo o MST, esta é a primeira vez que o movimento é criminalizado com base na lei 12.850/2013, que diz respeito às organizações criminosas.

Na avaliação do movimento, esta lei, supostamente criada para atuar contra lavagem de dinheiro e trafico, pode ser considerada a “legitimação de um verdadeiro estado de exceção”.

Com base nela, os inquéritos correm sigilosos e podem contar com delação premiada, infiltração de agentes, quebra de sigilo fiscal, bancário e telefônico e escuta ambiente, entre outras medidas.

No dia 20 de maio, a direção do MST de Goiás divulgou nota denunciando a criminalização dos movimentos sociais que estaria em curso naquele Estado.

Gilvan Rodrigues, da direção do MST de Goiás, denunciou a existência de um “pré-estado de sítio em Goiás”.

“Sabemos que as tropas estão em prontidão, mas para atuar contra os movimentos sociais”, afirmou, apontando o contexto de quebra institucional em curso, com o golpe em nível federal. Gilvan citou a movimentação de tropas militares no estado, por determinação do governador, para que ficassem aquarteladas e “de prontidão para eventuais conflitos”.

Confira a íntegra da nota divulgada nesta quarta pela direção do MST de Goiás:

NOTA DO MST-GOIÁS SOBRE A PERSEGUIÇÃO POLÍTICA AOS LUTADORES DA REFORMA AGRÁRIA

O MST no estado de Goiás vem a público denunciar a escalada da repressão contra a luta pela terra. Na segunda-feira (30/05), o intelectual e militante pela Reforma Agrária José Valdir Misnerovicz que se encontrava em Veranópolis, no Rio Grande do Sul, foi surpreendido por uma operação articulada entre a Polícia Civil do Rio Grande do Sul e de Goiás para sua prisão.

Esse fato soma-se a prisão do agricultor Sem Terra Luiz Batista Borges que está recluso no Centro de Prisão Provisória em Rio Verde desde o dia 14 de abril, alvo do mesmo processo que busca criminalizar o MST o enquadrando como organização criminosa, com base na Lei 12.850/2013.

Acusamos o poder judiciário e as forças policiais de Goiás de realizarem uma evidente perseguição política contra a justa luta popular pela Reforma Agrária.

A tentativa das forças reacionárias do estado, articuladas também pelos senadores Eunício de Oliveira (PMDB/CE), Ronaldo Caiado (DEM/GO), pelo Secretário de Segurança Pública de Goiás, José Elinton Junior e por parcela do Judiciário goiano é de tornar ilegal a luta pela terra no estado.

Compreendemos estes fatos como uma movimentação das forças conservadoras deflagradas pelo golpe federal, inaugurando um novo período de repressão e criminalização graves contra os movimentos populares.

Afirmamos que essas ações, contudo, fracassarão!

As organizações, movimentos, entidades, juristas e intelectuais progressistas tem manifestado profunda solidariedade contra essa ofensiva do latifúndio e do agronegócio. As famílias Sem Terra não retrocederão um passo sequer. Ao contrário, manterão a luta contra a concentração de terra e pela justiça social em Goiás.

Leia também:

Cerveró: Esquema com Delcídio na Petrobras começou sob FHC; filho de ex-presidente foi beneficiado





5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

FrancoAtirador

07 de junho de 2016 às 00h11

.
.
Nazi-Fascismo no Poder Judiciário. Ponto!
.
.

Responder

lulipe

04 de junho de 2016 às 19h39

Até que fim a justiça acordou pra combater esses baderneiros!

Responder

joão de deus ferreira

04 de junho de 2016 às 11h42

AQUISIÇÃO

AQUISIÇÃO é a ação de adquirir coisas adquirida, ou seja, os GOVERNOS se apossa dos seus bens, ou partes deles, na conversa ou por força de autoridade.
JÁ imaginou na calada da noite a CÂMARA DOS DEPUTADOS APROVA REAJUSTES PARA PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA, EXECUTIVO, LEGISLATIVO E JUDICIÁRIO, tudo isso porque o EXECUTIVO não quer ver crise nos três poderes, enquanto essa trágica sena de apadrinhagem, os tecnocratas assistem de camarote a sociedade que produz as riquezas desta NAÇÃO BRASIL, passarem fome e morrerem nas filas dos HOSPITAIS DESTE PAÍS, por falta de ideias urgentes urgentíssimas, que aplaque as necessidades da população sofredora.
A SENSAÇÃO do momento em redes nacionais e estrangeiras, é do governo cassado do estado do amazonas com a nova lei estadual que ameaça milhares de espécies de viveres no rio amazonas e afluentes, querendo aparecer nos últimos momentos de vida política desastrosa e além do mais este governador já está com um projeto de transposição do rio amazonas para o nordeste, e todas essas ideias com impactos aprovados por universidades do estado do amazonas, esperamos que o SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL julgue as ações deste ex governador improcedente. O ex governador deveria está cuidando da sujeira que circunda Manaus e seus canais e igarapés.
PELO dia internacional do MEIO AMBIENTE: PORQUE TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO, TRANSPOSIÇÃO foi o melhor meio equidistante entre o meio ambiente que iria beneficiar os pobres aplacando a fome e a miséria no Nordeste, ou um meio mais próximo de enganar os nordestinos e proteger os seus cabos eleitorais e fazendeiros por água, EM DEVIOS DE GRANDES FORTUNAS?
BELO MONTE impotente em produção energética, o maior destruidor de biomas por falta de impacto em vários setores, bem como a falta de proteínas nos rios lagos e igarapés, denunciado por pescadores e as tribos indígenas que não estão sendo ouvidas, e sim enganados por aqueles que deveria protege-los, os rios lagos e igarapés, é o supermercado dos povos indígenas e de todos os pobres deste País. A necessidade de revitalização é prioridade até por que fome produz doenças e desequilíbrio na economia.
REVITALIZAÇÃO de rios e igarapés é a porta de entrada da economia verde que será um dos carros chefes dos desenvolvimentos deste PAÍS, economia verde vem no seu conceito ocupar os jovens e lhes dar o poder de consumir tudo aquilo que lhes é direito, evitando assim, danos a sociedade de modo geral.
O governo usar 30% como quiser é um acinte a quem ganha suado e com dificuldade, esse é o retorno que a sociedade merece?
O GOVERNO TEMER depois de descascar tantas cebolas podres para a sociedade que sempre fez seu dever, produzindo as riquezas desta Nação. GOSTARIAMOS que o PRESIDENTE TEMER descascasse uma única cebola com muito gás para que a sociedade chore de alegria obrigado.
O PODEROSO DEUS DE ABRAÃO ISAC E JACÓ ESTÁ REUNINDO A SUA IGREJA E LÁ NÃO TEM SACOLINHA.
JOÃO DE DEUS FERREIRA-O HOMEM

Responder

Vazzi

03 de junho de 2016 às 19h16

Tinnha um deputado do DEM criminalizando os movimentos sociaos 2 dias atras na tribuna do congresso

Responder

Julio Silveira

03 de junho de 2016 às 18h02

Não é de se estranhar afinal o judiciário é uma instituição muito visada para aparelhamento pelos reacionários de direita, geralmente latifundiários e oligarcas.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding