VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Jeferson Miola denuncia: Números de whatsapp do Brasil enviam ameaças de morte a uruguaios que não votarem no direitista Lacalle
Foto: @LuisLacallePou
Denúncias

Jeferson Miola denuncia: Números de whatsapp do Brasil enviam ameaças de morte a uruguaios que não votarem no direitista Lacalle


24/11/2019 - 09h59

Mensagem de grupo terrorista com ameaças de morte a uruguaios que não votarem contra a Frente Ampla é enviada por números de WhatsApp do Brasil

por Jeferson Miola, em seu blog                                                                          

Mensagem de grupo terrorista contendo ameaças de morte a uruguaios que não votarem no diretista Lacalle Pou, do Partido Nacional, está sendo enviada massivamente através de números de WhatsApp do Brasil.

A mensagem ameaça os destinatários e seus familiares. Começa conclamando “Todo nosso apoio a Lacalle e Manini”.

Manini, no caso, é Guido Manini Ríos, o general que foi demitido pelo presidente Tabaré Vázquez do comando das Forças Armadas [FFAA] do Uruguai em março deste ano por ocultar torturadores e encobrir violações de direitos humanos da ditadura militar [1973/1985].

Nos 5 anos à frente das FFAA, Manini usou o cargo para construir sua carreira política. Após a demissão, imediatamente, no mesmo mês de março, ele criou o Cabildo Abierto, partido de recorte fascista que enaltece o militarismo, defende valores ultra-direitistas e é adepto do fundamentalismo religioso evangélico [aqui].

Com o Cabildo Abierto, Manini concorreu à presidência e teve um desempenho meteórico com 11% dos votos empregando uma retórica bolsonarista, reacionária e anti-Frente Ampla.

A maioria dos seus votos, não por acaso, foi obtida na fronteira com o Brasil, devido à proximidade com o bolsonarismo e igrejas evangélicas.

Assinada pelo denominado “Comando Barneix”, a mensagem – que faz uma citação bíblica –, tem o seguinte conteúdo [traduzido ao português e reproduzido com os trechos destacados em negrito na mensagem original]:

Todo nosso apoio a Lacalle e Manini.

No domingo se define o futuro da nossa Pátria.

Temos que votar em Lacalle como presidente com o apoio do nosso Comandante Geral do Exército Guido Manini Ríos.

Sabemos quem você é e contamos com seu voto e o da sua família para salvar a Pátria. É uma ordem.

As ordens devem ser acatadas, e quem quem não as acata é um traidor. Sabemos como tratar os traidores.

A única opção é vencer. Antes cair de costas que de ajoelhado.

Pelo alento de Deus perecem, e pela explosão da sua ira são consumidos.
Jó 4: 9

Seguimos em contato.

Aguarde novidades.

Começamos a voltar.”.

Comando Barneix, que assume a autoria da mensagem, é um grupo terrorista formado depois que o general Pedro Barneix cometeu suicídio em 2015, após condenado pelo envolvimento no assassinato de um simpatizante da Frente Ampla, em 1974.

No seu comunicado de lançamento, o Comando Barneix declarou que “o suicídio do general Barneix não ficará impune, não se aceitará nenhum suicídio mais por processos injustos. Para cada suicídio, de agora em diante, mataremos 3 eleitos aleatoriamente da seguinte lista” – e apresentou uma lista com 13 nomes que incluía ministros de Estado, juízes e ativistas de direitos humanos.

Pelo menos 3 números de telefones celulares do Brasil que emitiram a mensagem foram identificados até o momento dessa reportagem:

 098-8766.4377, cujo código de área indica a região de São Luís, no Maranhão; o

 085-8830.1258, área de Fortaleza, no Ceará; e

024-98867.7753, que abarca as cidades de Angra dos Reis, Areal, Barra do Pira e Barra Mansa, no estado do Rio de Janeiro.

A soberania popular uruguaia está sendo alvejada pela mesma guerra cibernética que a extrema-direita, na campanha eleitoral de Jair Bolsonaro, desfechou no Brasil em 2018 para derrotar o candidato petista Fernando Haddad.

O Uruguai pode estar no centro de uma espécie de “Operação Condor digital”.

A eleição pode não estar transcorrendo dentro das regras democráticas, porque uma brutal fraude, operada no subterrâneo das redes sociais e das mídias digitais, tal como aconteceu no Brasil, pode estar sendo processada para interferir na eleição e no exercício autônomo e independente do voto popular.

Faz-se imperiosa, em razão disso, a ação enérgica das autoridades uruguaias, em associação com organismos internacionais como a CIDH [Comissão Interamericana de Direitos Humanos] e as Nações Unidas, para identificar os autores desse atentado e para interromper a interferência, no que ainda for possível, deste grupo terrorista no processo eleitoral do país.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

24 de novembro de 2019 às 21h47

Pesquisas de Boca de Urna dão resultados contraditórios:
Uma deu vitória para Martínez de Frente Amplio,
outra para o colorado Lacalle Pou;
Para duas outras deu Empate Técnico.

http://www.resumenlatinoamericano.org/2019/11/24/uruguay-elecciones-boca-de-urna-muestra-empate-entre-los-dos-candidatos/

Na apuração geral, Lacalle Pou está na frente.
Pero em Montevideo Martínez vence.
A disputa é voto a voto.
https://segundaeleccion2019.corteelectoral.gub.uy/ResumenResultados.htm#

Responder

    Zé Maria

    25 de novembro de 2019 às 15h41

    Diferença de apenas 28.666 votos (1,2%) entre 1º e 2º colocado
    impede divulgação oficial de um vencedor no Uruguay, porque
    há 35.229 votos observados*, ainda não apurados em definitivo.

    *Os votos observados são aqueles que não puderam votar nas mesas
    correspondentes, como os presidentes, secretários e outros funcionários
    das assembleias de voto que não puderam ir ao seu circuito habitual.

    Se o número de votos observados for praticamente igual ou superior ao
    de votos que separam um e outro candidato, como é o caso, o Tribunal
    Eleitoral do Uruguay não poderá anunciar um vencedor.

    https://www.bbc.com/mundo/noticias-america-latina-50541262
    https://www.teledoce.com/telemundo/nacionales/luis-lacalle-pou-aventaja-a-daniel-martinez-por-12-28-666-votos-cuando-solo-resta-escrutar-los-observados/

    Zé Maria

    25 de novembro de 2019 às 16h09

    Diante dessa diferença mínima, se estivesse o candidato da esquerda na frente,
    certamente a Direita Fascista e a Condortel diriam que houve fraude nas eleições
    e o Presidente e o Vice seriam “convidados” a renunciar pelo Comando das FFAA,
    com a justificativa de ‘pacificação’ do País, e um Parlamentar qualquer se intitularia presidente interino e promoveria uma ‘limpeza’ política e étnica,
    antes de convocar novas eleições apenas com candidatos autodenominados cristãos, politicamente ultraconservadores e ultraliberais na economia ao gosto
    dos United States of America de Donald Trump e do braZil de Jair Bolsonaro.

    Zé Maria

    25 de novembro de 2019 às 19h43

    https://twitter.com/i/status/1198799123572543493

    Grande Pepe Charrua Mujica !
    Como sempre, esbanjando Sabedoria Política.

    “Os únicos derrotados são os que cruzam
    os braços, os que se resignam com a derrota …
    A vida é uma luta. E uma luta permanente …
    Não há derrota definitiva nem vitória definitiva”

    https://twitter.com/DeputadoFederal/status/1198799123572543493

Zé Maria

24 de novembro de 2019 às 12h48

Já se. A Transnacional Facebook Corporation, que é dona da WhatsApp,
não vai mover uma palha para bloquear os perfis criminosos, nem por
determinação do Judiciário do Brasil ou do Uruguai, sob a alegação de
que só responde judicialmente perante a Justiça dos EUA, que por sua
vez não pune essas empresas usadas para disseminar notícias falsas e
mesmo para acobertar esquemas que seriam considerados crimes em
outros países, justificando que lá essas práticas são exercício da liberdade
de expressão que está protegida por uma emenda à constituição deles,
isto é, quem eventualmente se sentir ofendido ou lesado por outrem,
nas atividades internas das redes e dos grupos formados por meio de
aplicativos fornecidos por essas corporações norte-americanas, foda-se.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.