VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Greenpeace protesta na frente do Palácio do Planalto contra a destruição ambiental pelo governo Bolsonaro; vídeo e fotos
Denúncias

Greenpeace protesta na frente do Palácio do Planalto contra a destruição ambiental pelo governo Bolsonaro; vídeo e fotos


23/10/2019 - 10h32

Da Redação

Ativistas do Greenpeace protestaram a manhã desta quarta-feira, 23/10, contra a destruição ambiental promovida pelo governo Bolsonaro.

De maneira simbólica levaram para a frente do Palácio do Planalto, o derramamento de óleo nas praias do Nordeste e a Amazônia destruída pelas queimadas.

“Das queimadas ao óleo: protestamos contra a destruição ambiental do governo Bolsonaro”,

No twitter, denunciam:

A demora em combater e mitigar desastres ambientais mostra que o governo federal não está preparado para responder a eventos como esses, deixando nossos oceanos e florestas ainda mais vulneráveis.

Exija que o governo Bolsonaro tome medidas concretas para proteger as pessoas e a biodiversidade. Participe do abaixo-assinado

ABAIXO-ASSINADO

Parem a destruição ambiental!

Exija que o Governo tome medidas concretas para proteger as pessoas e a biodiversidade!

A crise do fogo na Amazônia mal esfriou e, desde o final de agosto, manchas de petróleo começaram a se espalhar pelo litoral do Nordeste, afetando a vida marinha, a pesca, o turismo e a economia em centenas de praias em todos os estados da região. Se considerarmos toda a extensão afetada, esse já é o maior desastre de derramamento de óleo no país!

Infelizmente, este é apenas mais um dos resultados do desmonte das políticas e órgãos de proteção ambiental do Brasil que vem sendo empreendido pelo atual governo.

Diante da ineficiência do Estado para combater o problema, o óleo continua se espalhando e atingindo novas praias e vemos a população se mobilizando para contê-lo como pode – com as próprias mãos e muitas vezes sem os equipamentos adequados.

Porém, a responsabilidade de parar esse desastre é do governo! A indignação só aumenta e está, mais do que na hora, da população ter uma resposta!

A demora em combater e mitigar esse desastre mostra que o governo federal não está preparado para responder a derramamentos como esse, deixando nossos oceanos ainda mais vulneráveis. Quando será que eles vão notar isso?

O que está acontecendo?

O governo deveria ter implementado rapidamente todas as ações previstas no Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Água (PNC), com a devida comunicação pública e atribuição de tarefas, recursos humanos e financeiros nos comitês designados.

Mas enquanto o óleo se alastrava pelo nordeste, o governo se dedicava a vender mais espaços no mar para que empresas perfurem e busquem por petróleo em regiões sensíveis como Abrolhos e os Corais da Amazônia.

A postura antiambiental do governo Bolsonaro queima o filme e mancha a imagem do Brasil, aqui e lá fora.

As manchas de óleo e as queimadas na Amazônia são exemplos tristes e trágicos do desmonte ambiental que está sendo imposto ao país, ao esvaziar e enfraquecer os órgãos de proteção e fiscalização ambiental, cortar orçamento, extinguir conselhos, ameaçar revisar as Unidades de Conservação e abrir as Terras Indígenas para mineração e outras atividades econômicas.

De crise em crise, o governo Bolsonaro se posiciona como inimigo do meio ambiente.

Que reais reais medidas que devem ser tomadas para combater esse derramamento e essa contaminação e evitar outros?

*Reverter o desmonte das políticas ambientais e garantir a capacidade do Estado brasileiro em combater os crimes ambientais

*Comunicar de maneira transparente e acessível as medidas do Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Águas sob Jurisdição Nacional já implementadas e o cronograma de trabalho

*Prestar auxílio às populações afetadas

*Mitigar os impactos do óleo nos ambientes marinho e costeiro

*Rever as áreas que serão disponibilizadas nos próximos leilões, retirando os blocos de petróleo em áreas sensíveis do ponto de vista social e ambiental

*Implementar política de combate e mitigação das mudanças climáticas

*Acelerar a transição para uma matriz energética limpa e renovável

*Retomar a demarcação das Terras Indígenas e garantir o respeito dos direitos constitucionais dos povos indígenas

*Proteger a biodiversidade com a criação de áreas protegidas e garantir sua efetiva implementação

*Garantir um processo de licenciamento ambiental efetivo para todos os projetos de infraestrutura que proteja as pessoas e o meio ambiente

Para apoiar este manifesto, clique aqui.

Fotos abaixo são de Gabriel Paiva

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Sebastião Farias

03 de novembro de 2019 às 13h31

Parabéns Azenha, à redação do VIOMUNDO e toda a sua equipe, por sua excelente, oportuna, informativa e instrutiva matéria, sobre a conjuntura econômica do Brasil, atrelada ao neoliberalismo. Acorda povo brasileiro, enquanto é tempo, nenhuma autoridade está nem aí para o povo e a CF. Nenhum deles demonstra conhecer o Artigo 3º da Constituição Federal da República Federativa do Brasil, que dispõe sobre os Fundamentos da República. Para essas pessoas quem manda é o mercado, os seus interesses ou de grupos que representam.
Seria importante que essas autoridades que defendem a implementação desses projetos neoliberais, elencassem pelo menos um país que os implementou e cuja nação e seu povo, vivem felizes, com justiça, bem-estar geral e sem desigualdades. A ordem natural do estado de direito democrático é, o povo e a nação, a CF e as leis, o Estado brasileiro e o Brasil.
Como podem ver, o mercado de capitais, que é um ser abstrato e concentrador e, que só reconhece quem tem dinheiro, ou seja, o mercado não reconhece os pobres, trabalhadores que sobrevivem de baixos salários e os sem dinheiro. Também, o mercado é desestimulador do mercado interno e fomentador da miséria dos países, ou seja, o mercado não figura na ordem econômica constitucional porque, o mercado tem que está a serviço do povo e do Estado, entendam isso.
A propósito e, como contribuição nossa ao tema e à conjuntura nacional, apresentamos para quem interesse, o que segue, em três partes:
Com Deus e com a CF, pela união, salvação da Amazônia e do Brasil.
Aos cidadãos que se dizem cristãos, sejam protestantes, evangélicos, católicos, etc, que se associam às maldades e injustiças praticadas contra a criação que é de Deus, ao povo e à nação brasileira, é bom irem meditando desde agora, sobre seus atos e atitudes anticristãs, porque elas impedem a consolidação do Reino de Deus e, vão contra o que nos ensinou, Nosso Senhor Jesus Cristo, que disse: “Dou-vos um novo mandamento: Amai-vos uns aos outros. Como eu vos tenho amado, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros.” (São João 13,34 ).
Sobre esse desvio de comportamento principalmente, dos cristãos e, para abrir os olhos daqueles que têm olhos mas não vêm, és alguns argumentos bíblicos que provam e que amparam, a Igreja de Cristo e todos os cristãos, a defenderem a Criação de Deus, o Meio-Ambiente e a Amazônia, o Criador e Autor de todas as coisas: “O Senhor Deus tomou o homem e o colocou no jardim do Éden, para cultivar o solo e o guardar.” (Gênesis 2,15).
Também está dito no Salmo de Davi: “Do Senhor é a terra e tudo o que ela contém, a órbita terrestre e todos os que nela habitam, pois ele mesmo a assentou sobre as águas do mar e sobre as águas dos rios a consolidou.” (Salmos 23,1-2).
A terra e a criação pertencem a Deus, que nos acolhe e nos abriga igualmente, sem discriminação ou privilégios, vamos cuidar dela: “A terra não se venderá para sempre, porque a terra é minha, e vós estais em minha casa como estrangeiros ou hóspedes” (Levítico 25,23 ). Ora, se somos inquilinos e hospedes, quer dizer que não somos o dono da casa (a Terra), que é de Deus. Logo, o mínimo que temos que fazer como gratidão, ao favor que recebemos Dele, enquanto moramos nessa casa (a Terra) que não é nossa, é cuidarmos bem dela (por ser nossa casa comum), mantendo-a limpa, habitável e conservada, para que quando dela (a nossa casa comum) partirmos, os outros inquilinos (as gerações futuras) que vierem, possam sentir-se bem hospedados.
Não há como esconder os fatos. A Terra, a nossa casa comum, a Criação de Deus e a Amazônia, estão em perigo, por conta do pecado do homem. Urge, tomarmos uma atitude responsável enquanto ainda é tempo e, de encararmos unidos como cristãos de fé e, juntos, viabilizarmos soluções definitivas, para as causas dos problemas de desequilíbrios ambientais da terra, da perda de biodiversidade (extinção de espécies), desertificação e escasseis de água, que podem inviabilizar a vida no planeta, são elas, dentre outras:
. Destruição e perda de habitats naturais: em decorrência da soberba e ganância humana e da falta de planejamento racional, etc, nas construções de cidades, de casas e de estradas, nas alterações de cursos d’água e do litoral, na substituição de florestas nativas e prados por explorações agrícolas, pastoris, florestais e minerais irracionais;
. Introdução de espécies invasoras estranhas ao ambiente: que não tendo predadores naturais, se alastram rapidamente, provocando a redução das espécies locais;
. Poluição diversificada: da água, do solo, do ar, radiações nocivas aos seres vivos, e proliferação autorizada de organismos geneticamente modificados;
. Mudanças climáticas: resultantes principalmente, da deflorestação e queimadas das florestas naturais, das emissões de gases do efeito estufa à atmosfera, da queima de carvão, petróleo e gás sem controle, desertificação de ecossistemas antes produtivos, extinção de nascentes rios e mananciais de água ;
. Exploração Irracional ou sobre-exploração dos recursos naturais: água, solo, florestas, caça, pesca, minerais, etc.
Afim a esse assunto, digno de lembrança e de registro, a iniciativa da Igreja Católica Apostólica Romana-ICAR e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, ao laçarem a Campanha da Fraternidade – 2017, nos convidando no Objetivo Geral da CF2017 a, “Cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, com o feliz Tema “FRATERNIDADE: Biomas Brasileiros e Defesa da Vida” e que tinha como lema: “Cultivar e Guardar a Criação (Gênesis 2,15), promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho”
Cidadãos brasileiros, fiquemos vigilantes, cristãos e pessoas de outras denominações, parlamentares, administradores e juízes do povo do Brasil, pois, Deus jamais abandona os pobres, os humildes, os injustiçados que clamam por Ele e, se aproxima o grande julgamento de todos os injustos, pelo Juiz Supremo, que é Deus e, Sua justiça será do conhecimento de todos, face aos sinais que estão aí para todos verem.
Paz e bem.
Sebastião Farias
Um brasileiro Nordestinamazônida

Responder

Sebastião Farias

03 de novembro de 2019 às 13h26

2ª Parte: Com Deus e com a CF, pela união, salvação da Amazônia e do Brasil.
Não percamos, portanto, a esperança em Deus, nunca: “Os vinte e quatro Anciãos, que se assentam nos seus tronos diante de Deus, prostraram-se de rosto em terra e adoraram a Deus, dizendo: “Graças te damos, Senhor, Deus Dominador, que és e que eras, porque assumiste a plenitude de teu poder real. Irritaram-se os pagãos, mas eis que sobreveio a tua ira e o tempo de julgar os mortos, de dar a recompensa aos teus servos, aos profetas, aos santos, aos que temem o teu nome, pequenos e grandes, e de exterminar os que corromperam a terra” ( Apocalipse 11,16-18 ). Como sinal dessa vontade do povo de viver feliz e em paz, que todos portanto, respeitemos o que é humano, a nossa CF, como o que é de Deus, a Sua Palavra, como o Próprio Senhor Jesus Cristo nos deixou o exemplo, quando foi inquirido pelos fariseus e doutores da lei, a responder se era licito paga impostos a César, ele disse mostrando uma moeda: “Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” ( Mc 12,13-17).
Amigos, cidadãos brasileiros lembrem que, Jesus nos libertou do julgo da Lei dos judeus ao nos dizer: “O sábado foi feito para servir ao homem, e não o homem para servir ao sábado” ( Mc 2,27 ). E por isso, não esqueçam que, a CF e as Leis em vigor numa nação livre, democrática e fraterna, são legitimadas pelo povo, para servirem ao povo, ao Estado e ao país. Elas não podem desprezarem e prejudicarem o povo, o Estado e o País, em benefício do Deus-mercado que, é um ser abstrato e que, só reconhece e beneficia aos que têm dinheiro, gerando desigualdade e; Também, elas não existem, para servirem de instrumentos de opressão ao povo, o dono legítimo do Poder constitucional (§ Único do Art. 1º da CF que diz: ”Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição”), que lhe é dado por Deus e, ao país, para o bem-estar, para a justiça e paz social, para a vida em fraternidade e para a felicidade de todos nós.
Agora, à luz do acima exposto, quando um servidor público, um parlamentar, uma autoridade ou um juiz qualquer, desrespeita o povo, que é seu patrão, desrespeita a Constituição Federal, desrespeita a ética no setor público e/ou, desrespeita as boas práticas jurídicas e, desrespeita as leis estabelecidas e, a sua condição de árbitro imparcial do povo, desrespeita os direitos dos cidadãos, desrespeita a justiça imparcial e igual para todos, não promove a justiça nem a paz social, etc, esses cidadãos, por tudo isso, não merecem mais, a confiança do povo nem a dignidade da função pública que ocupam, especialmente, se forem juízes e árbitros do povo.
Particularmente, ao juiz injusto, és o que lhe aguarda, conforme afirma a Bíblia Sagrada: ” Poderá acaso aliar-se a ti um tribunal criminoso que dita injustiças em nome da lei? Embora atentem contra a vida do justo, e condenem à morte o inocente, Javé será a minha fortaleza, Deus será a rocha onde me abrigo. Ele é quem lhes pagará pela injustiça deles, e os destruirá pela maldade que praticam. Javé nosso Deus os destruirá!” (SALMOS 94,20-21,23).
Jesus, já advertia seus Discípulos e o povo cristão de seu tempo, sobre a injustiça: “Se a vossa justiça não for maior que a dos escribas e fariseus, não entrareis no Reino dos Céus” (São Mateus. 5,20). Que tal, daqui em diante, lermos mais a Bíblia com humildade e meditação e, buscarmos com fé e esperança, o Seu amor, a Sua verdade e a Sua justiça e, encontrando-as, que são o próprio Deus, partilharmos essa sabedoria, com nossos irmãos cristãos que, devem saber que, São Paulo já ensinava a Timóteo: “Todavia, se eu tardar, quero que saibas como deves portar-te na casa de Deus, que é a Igreja do Deus vivo, coluna e sustentáculo da verdade” (I Timóteo 3,15).
Gente, vamos todos a partir de agora, para o bem do Brasil e de instrução de seu povo, levarmos aos cidadãos e nossos irmãos, em quaisquer locais públicos como: organizações sociais, nas igrejas, nos logradores e praças públicas, nos shows de quaisquer espécies, nos teatros, nos cinemas, nos eventos sociais e esportivos diversos, nas escolas, nos colégios, nas universidades, etc, estímulo a todos os cidadãos brasileiros, à leitura pública de rotina, de pelo menos, dos 07 primeiros Artigos da Constituição Federal, da Constituição Estadual e da Lei Orgânica do Município, aliados ao Inciso X do Artigo 49; aos Artigos 70 a 75 e; ao §1º do Artigo 166 da Constituição Federal, dentre outros.
Esses conhecimentos, serão essenciais para preparar os cidadãos para votar bem e, para conscientizá-los de que, todos os cidadãos brasileiros e, principalmente, aos que nunca ouviram alguém dizer-lhes ou, foram ensinados que, sim! é o povo que detém o Poder e autoridade constitucional e não, os parlamentares e as autoridades por ele eleitas, assim como, os membros do Poder Judiciário nomeados nos termos da CF. O parâmetro de justiça imparcial para ser observado por todos, homens e mulheres públicas do Brasil, seria esse resumo de toda a Lei nos deixado por Jesus Cristo: “Tudo o que vocês desejam que os outros façam com vocês, façam vocês também a eles. Pois nisso consistem a Lei e os Profetas” ( São Mateus 7,12).
Oportuno se faz que, dentro do possível, que professores, estudantes, pastores, padres, formadores de opiniões, sindicalistas, lideranças comunitárias e associativas, líderes políticos, etc, conscientes dessa necessidade cívica da nação brasileira, quebrem a inércia e iniciem todos já, nos meios de comunicações de massas, que aceitarem o desafio de ajudarem a instruir os cidadãos e nas redes sociais do país, uma Campanha Nacional de Conscientização Política e Cidadania.
Essa iniciativa, fará com que os cidadãos brasileiros sejam estimulados, para seu bem e maior preparo cívico, a lê mais, consultar e dividir com os nossos patrícios menos informados, o nosso aprendizado constitucional. Oportuno lembrarmos também que, este ano, a Igreja Católica definiu para a Campanha da Fraternidade 2019, o Tema : Fraternidade e Políticas Públicas e como Lema: “Sereis libertos pelo direito e pela justiça”(Is.1,27). Por isso, como cristãos, participem, se conscientizem e tomem uma atitude pelo bem do Brasil.
Paz e bem.
Sebastião Farias
Um brasileiro Nordestinamazônida

Responder

Sebastião Farias

03 de novembro de 2019 às 13h17

3ª parte: Com Deus e com a CF, pela união, salvação da Amazônia e do Brasil.
Ora, muitos cidadãos talvez nem saibam o que é, o Sínodo da Amazônia que a Igreja Católica Apostólica Romana, promoveu em Roma, nos dias 6 a 27 de outubro de 2019. Antes dele, foi realizado de forma preparatória para o Sínodo, o Seminário dos Bispos da Amazônia em Manaus, nos dias 7 e 8 de março.
Terminado o Sínodo da Amazônia e, emitido o seu Documento Final, caso interesse ao governo brasileiro que, tem que ser fiel ao cumprimento do que diz o Artigo 3º da CF, em benefício do povo e do Brasil, se quiser desenvolver racional e sustentavelmente a Amazônia, aproveitará as muitas sugestões sobre a região e, às transformarão em Políticas Públicas, de interesse regional e nacional.
À luz de tudo isso, que incentivemos nossos irmãos, a fazerem o mesmo, lendo e consultando mais a Constituição Federal, a Constituição de seu Estado e, a Lei Orgânica de seu Município, para nos conscientizarmos mais de nosso poder constitucional, de nossos direitos e responsabilidades. Pois, só assim, podermos realmente, instruídos, informados e conscientizados, mudarmos este Brasil que temos, num Brasil do povo e para o povo, verdadeiramente, mais cristão, mais justo, mais igual e fraterno e mais feliz, como dispõe e recomenda, a nossa Constituição Federal.
Um lembrete aos homens públicos que se dizem cristãos e que, mesmo assim, fazem descaso e desrespeitam a CF, que não esqueçam que, no Preâmbulo dela, está gravado em seu final: “promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL”. Isto quer dizer que falar da nossa CF e à ela, fazermos correções de textos sagrados, só é feio para os que negam a Deus, donde todo o poder, autoridade e justiça provêm e, é dado por Ele, ao povo, para garantia de seus direitos e liberdade, de sua soberania, de sua justiça e de seu bem-estar comum.
Lembrem, muitos falam nos momentos difíceis, em anticristo, mas, ele pode ser conhecido como a Bíblia ensina e diz: “Filhinhos, esta é a última hora; e, assim como vocês ouviram que o anticristo está vindo, já agora muitos anticristos têm surgido. Por isso sabemos que esta é a última hora. Eles saíram do nosso meio, mas na realidade não eram dos nossos, pois, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; o fato de terem saído mostra que nenhum deles era dos nossos”. (1 João 2,18-19).
Somente com uma educação cidadã que estimule os cidadãos a lê, conhecer e praticar desde cedo, pelo menos os termos dos 07 primeiros Artigos da CF, da CE e da Lei Orgânica do Município e, com uma conscientização política de nossa condição de cidadão brasileiro, que compõem o POVO, a Nação e o Estado brasileiro, é que realmente, mudaremos juntos, este país que é nosso, de nossos filhos, netos e das gerações futuras.
São esses, o nosso comentário, observação e contribuição à matéria e ao nosso povo. Que cada um faça, conforme suas possibilidades, a sua parte.
Abaixo, Links com temas afins ao assunto, para ajudar na informação dos interessados:
https://alemdarena.blogspot.com/2019/03/links-para-historia-do-brasil-de-1894.html ; http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31572011000200004 ;
https://www.oeco.org.br/noticias/o-que-e-o-sinodo-da-amazonia-e-porque-preocupa-o-governo-bolsonaro/ ;
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ConstituicaoCompilado.htm ;
https://portalkairos.org/campanha-da-fraternidade-2017/
https://portalkairos.org/campanha-da-fraternidade-2019/;
http://sinododaamazonia.org/ ;
http://www.sinodoamazonico.va/content/sinodoamazonico/es/documentos.html ;

Paz e bem.
Sebastião Farias
Um brasileiro Nordestinamazônida

Responder

Zé Maria

25 de outubro de 2019 às 00h42

https://pbs.twimg.com/media/EHkVsvbXYAAzLUn?format=jpg&name=900×900

“Enquanto a população do Nordeste e os governadores da região enfrentam de peito aberto o derramamento de óleo nas praias, o Sinistro do meio-ambiente, do partido Novo, se presta a esse papel de moleque.
Este governo é uma vergonha.”
https://twitter.com/ManuelaDavila/status/1187422857774714886
https://twitter.com/ManuelaDavila/status/1187003847643947009

Responder

Zé Maria

23 de outubro de 2019 às 19h30

Cutucaram a Onça com Tição Curto.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.