VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Denúncias

Gilberto Nascimento: Testemunha desvenda esquema de propina do Metrô de SP e DF


14/02/2011 - 13h32

por Gilberto Nascimento, do R7

Documento mostra acordo entre a Siemens Ltda., com sede em São Paulo, e a Gantown Consulting S/A, com sede no Uruguai

Informações sigilosas de uma importante testemunha vão ajudar a desvendar um esquema internacional de propina que, segundo denúncias, teria sido montado no Brasil pelas multinacionais Alstom e Siemens.

Uma figura que acompanhou de perto contratos firmados nos últimos anos pelas duas empresas com os governos do PSDB em São Paulo e do DEM no Distrito Federal para a compra de trens e manutenção de metrô passou a fazer novas revelações e a esmiuçar os caminhos do propinoduto europeu em direção ao Brasil.

Supostos “acertos” e negociações atribuídos a representantes das duas companhias estão em um documento elaborado por essa fonte e encaminhado ao Ministério Público de São Paulo.

Contatada pelo R7, a testemunha – que se identifica apenas como F. e teme ser fotografada por causa de represálias – dá detalhes de como a propina chegava ao Brasil por meio de duas offshores (paraísos fiscais), a  Leraway e a Gantown, sediadas no Uruguai, e de como a Alstom e a Siemens teriam se utilizado da contratação de outras empresas para encaminhar o dinheiro da “caixinha” a políticos, autoridades e diretores de empresas públicas de São Paulo e de Brasília.

F. relata esquemas supostamente arquitetados para a obtenção de contratos da linha 5 do metrô no Capão Redondo, na zona sul de São Paulo; para a entrega e a manutenção dos trens série 3000 (também conhecidos como trem alemão) para o governo paulista, além da conservação do metrô do Distrito Federal.

O deputado estadual Simão Pedro (PT) encaminhará ao Ministério Público de São Paulo nos próximos dias uma representação pedindo a investigação das denúncias feitas por F..

Sob investigação na Europa

A francesa Alstom e a alemã Siemens foram alvos de investigações na Suíça e na Alemanha por causa da acusação de pagamento de suborno a políticos e autoridades da Europa, África, Ásia e América do Sul. Somente a Siemens teria feito pagamentos suspeitos num total de US$ 2 bilhões.

Um tribunal de Munique acusou a empresa alemã de ter pagado propina a autoridades da Nigéria, Líbia e Rússia. O ex-diretor Reinhard Siekaczek acrescentou que o esquema de corrupção atingiria ainda Brasil, Argentina, Camarões, Egito, Grécia, Polônia e Espanha.

Já a propina paga pela Alstom em diversos países – incluindo o Brasil -, pode ter sido superior a US$ 430 milhões, de acordo com os cálculos da Justiça suíça. No Brasil, a empresa foi acusada, por exemplo, de pagar US$ 6,8 milhões em propina para receber um contrato de US$ 45 milhões no metrô de São Paulo.

A francesa Alstom fabrica turbinas elétricas, trens de alta velocidade e vagões de metrô. Maior empresa de engenharia da Europa, a alemã Siemens faz desde lâmpadas até trens-bala. As duas companhias são concorrentes, mas em determinados momentos na disputa tornavam-se aliadas, conforme a testemunha.

Para trazer o dinheiro ao Brasil

O esquema para mandar dinheiro ao Brasil via offshore, revela F., conta com a participação das empresas Procint e Constech, sediadas na capital paulista e pertencentes aos lobistas Arthur Teixeira e Sergio Teixeira. As offshores Leraway e Gantown seriam sócias da Procint e da Constech. F. mostrou cópias de contratos firmados pela Siemens da Alemanha com as duas offshores. Segundo ele, esses contratos comprovam o envolvimento da empresa alemã no esquema.

As offshores também teriam sido utilizadas, diz a testemunha, em outros contratos com empresas como a MGE Transportes, TTetrans Sistemas Metroferroviários, Bombardier (canadense), Mitsui (japonesa) e CAF (espanhola).

Há dois anos, parte dos documentos em poder de F. foram enviados para o Ministério Público de São Paulo e para o Ministério Público Federal. Promotores confirmaram a veracidade de informações ali contidas. No entanto, ainda não conseguiram colher o depoimento da testemunha, localizada agora pelo R7.

O promotor Valter Santin confirmou que o caso já vem sendo investigado, mas disse que não pode revelar detalhes “por ser sigiloso e envolver conexões internacionais”.

Documentação

Uma documentação bem mais ampla – só agora exibida ao R7 – foi enviada por F., em 2008, ao escritório de advocacia Nuremberg, Beckstein e Partners,  da Alemanha. Na época, o escritório atuava como uma espécie de ombusdman da Siemens.

– Por que a Siemens não investigou as denúncias encaminhadas e por que a companhia no Brasil foi poupada nas investigações? Não foi por falta de informação, pois a carta mencionada revelava todos os nomes e detalhes e incluía provas dos esquemas de corrupção, avalia F.

Por meio de uma nota, a Siemens diz conduzir seus negócios “dentro dos mais rígidos princípios, legais, éticos e responsáveis” e afirma não ter firmado contrato em parceria ou consórcio “com nenhum concorrente no que tange à manutenção de metrôs”.

Na mesma linha, a Alstom afirmou em um comunicado que segue “um rígido código de ética, definido e implementado por meio de sérios procedimentos, de maneira a respeitar todas as leis e regulamentações mundialmente”.  A empresa disse que está colaborando com as investigações e “até o momento, as suspeitas de irregularidades em contratos não foram comprovadas e não estão embasadas em provas concretas”.

O Metrô de São Paulo e a CPTM afirmaram, por meio de nota, que desconhecem os fatos mencionados e esclarecem que os seus contratos firmados com qualquer empresa “obedecem à legislação específica que norteia a lisura do processo licitatório, além de serem submetidos ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE)”.

Já o Metrô do DF afirmou, em nota, que desconhece as irregularidades apontadas e que “a licitação foi acompanhada em todas as suas etapas pelos órgãos de controle externo, em especial o Tribunal de Contas do Distrito Federal”. Veja a íntegra da nota:

“O Metrô-DF desconhece as supostas irregularidades apontadas anonimamente pela reportagem do Portal R7 e, ressalta que:

O processo de licitação para a manutenção do Metrô-DF (transcorrido em gestão anterior), seguiu a modalidade de licitação de concorrência pública tipo técnica e preço, sendo que no primeiro aspecto as duas empresas finalistas receberam a pontuação máxima;

– No quesito preço, o consórcio Metroman apresentou a melhor proposta (menor preço), vencendo então a licitação;

– A licitação foi acompanhada em todas as suas etapas pelos órgãos de controle externo, em especial o Tribunal de Contas do Distrito Federal;

– O consórcio Metroman vem atendendo satisfatoriamente todas as demandas de manutenção apresentadas pelo Metrô-DF.

Coordenação de Comunicação do Metrô-DF”

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



66 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

augustodafonseca13

15 de fevereiro de 2011 às 16h13

É por isso que eu digo:

No Brasil está bom de viver, já nos Estados Unidos de São Paulo…
http://migre.me/3SOZs

*

Responder

fernandoeudonatelo

15 de fevereiro de 2011 às 12h42

E os diretores-executivos, representantes comerciais, CEO´s e sócios majoritários dessas empresas? Vão ser punidos?
E o GSI e a ABIN, serviços de inteligência, existe monitoramento de multinacionais suspeitas??

Poderiam acordar mortos nos seus condominios de Berlim ou Munique, e dizer que foi um ataque do coração …. provocado por césio

Acredito que essa não deveria ser uma questão somente de denuncia "tucana", mas de alertar-nos sobre as grandes corporações, que sempre terminam ilesas na conclusão das investigações.

São corruptoras, praticantes de corrupção ativa, tão lesivas ao interesse público quanto os governos eleitos. Sua rede articulada de lavagem de dinheiro e criação de caixa-dois, através de paraísos fiscais e empresas de fachada, mostra como se tornaram máfias industriais.

A necessidade de regulamentação e fiscalização pela sociedade e instituições do Estado, portanto, não deve apenas se resumir ao sistema político representativo, mas a toda a estrutura mega-corporativa do sistema financeiro e industrial.

Responder

Paulo

15 de fevereiro de 2011 às 11h17

Em quanto isso os alienados vão assistindo o PBB 11 (PIG BROTHER BRASIL).

Responder

Gerson Carneiro

15 de fevereiro de 2011 às 09h50

À noite, no jornal da Record, o Alckmin disse que não tinha visto a matéria em lugar nenhum.
Mentira. Assim que saiu no viomundo eu tuitei a matéria pra ele. Imediatamente.

Responder

ZePovinho

15 de fevereiro de 2011 às 09h39

Empresas de papel,offshore,são uma das colunas de toda a corrupção que vemos todos os dias.É por isso que ninguém acaba com elas,mesmo depois da mega-crise do final de 2009.
A corrupção não é nenhum acidente moralista.Faz parte do sistema de capitalismo regulado.A regulação impede a acumulação.
Os tucanos,já podemos ver seu futebol,querem o poder para isso:pegar propinas,criar empresas nas tetas do Estado,desregular a economia para favorecer empresários amigos e tornar o Estado tão pequeno que não possa impedir o assalto aos cofres públicos.

Responder

metroviário

15 de fevereiro de 2011 às 09h25

Gostaria de esclareces ao R7 que o contrato de manutenção do metro-df foi firmado por essa mesma gestão que assumiu em 2011. Eles sairam na gestão arruda e voltaram na gestão do pt, a população votou em Agnelo confiando e ele trouxe a corja de volta, decepção.

Responder

    ZePovinho

    15 de fevereiro de 2011 às 10h41

    É por isso que,no dia do primeiro discurso como presidente eleita,o Agnelo tentava ser engraçar pro lado de Dilma e ela mantinha um afastamento educado.Eu percebi e comentei por aqui.
    Petista ladrão é ladrão como qualquer um.Investigação nele.Se aparecer provas como essas,aqui postadas,processo nele.
    O PT precisa fazer uma faxina nesses que estão no PT porque não tiveram espaço em outros partidos para fazer safadeza.

    ANDRE

    15 de fevereiro de 2011 às 16h48

    Agnelo so tem 1 mês de governo, metroviário deve ser Troll dos tucanos

ZePovinho

15 de fevereiro de 2011 às 08h16

Digite o texto aqui![youtube i3zBWv_0pnw http://www.youtube.com/watch?v=i3zBWv_0pnw youtube]

Responder

Antonio

15 de fevereiro de 2011 às 03h44

As vezes acho que ainda vivemos a Idade Média neste país. Como acreditar que estes tucanos há décadas e décadas metem a mão na grana e nada, nada acontece. FHC faz uma privataria, Alckmin e Serra privatizam Sao Paulo (acabaram com as empresas do Estado). O dinheiro só crescendo na Suíca e nada de mídia, de TCU, de Procuradoria. Aí, vai um petista e compra uma tapioca com dinheiro corporativo o mundo cai, o filho do Lula pega um passaporte o mundo cai, Lula vai passar uma semana em um quartel do Exército (que na sua maioria sao bastante simples) e o mundo cai. Acredito que o país nao tem saída, esses caras mandam e desmandam, fazem o que querem neste país. Aécio gasta 1,5 bilhão para construir um elefante branco e por aí vai – realmente é desalentador a corrupção no Brasil.

Responder

SILOÉ

15 de fevereiro de 2011 às 02h05

Para que serve o tribunal de contas???

Responder

SILOÉ

15 de fevereiro de 2011 às 02h03

Apesar de vergonhoso isso não é novidade,. Aliais no Brasil com raras exceções, todas as obras, todas as licitações são super faturadas; só vem à tona quando algum prejudicado bota a boca no trombone.

Responder

maconheiro

15 de fevereiro de 2011 às 01h43

O herói de Sampa e seu menino prodígio
http://www.dailymotion.com/video/xh1dx9_o-morcega

Responder

SôniaG.

15 de fevereiro de 2011 às 00h43

O Alkminn, já deve ter tido tempo para ler a matéria. Até a tarde nem sabia do que se tratava o tal suborno. Que bomba de efeito retardatário essa do P.Preto.

Responder

Miltinho

15 de fevereiro de 2011 às 00h32

Ihuruuuuuuuuuuuuuuuuuu

A massa cheirosa vai feder.

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

ANDRE

15 de fevereiro de 2011 às 00h04

Por obra do mais preparado governo de São Palo recomenda que população construa sua própria usina hidrelétrica!!!! http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/874932-sob

Responder

Paulo

14 de fevereiro de 2011 às 22h04

Se só a metade dos paulistas vissem outras fontes de informações, poderia ser diferente. Acontece que eles vivem nos padrões do PIG não sabem o que acontece e acabam sendo prejudicados por meia dúzia de malandros que dominam toda essa massa. Paulista é gente boa meus filhos são paulistanos mas tem que abrir mais os olhos. Nunca me senti tão honrado quando tive um talão de cheques do BANESPA cadê o banco? cadê a Nossa Caixa? cadê o resto do metrô? cadê…? Agora, a arrecadação é a maior da América Latina: IPVA, PASSAGEM, PEDÁGIO, IPTU etc. Qualquer outro partido que tivesse conduzindo SP por 16 anos desse jeito, estaria dizendo isso do mesmo jeito. Não tenho partido mas, o PT tá dando um banho de estilo de governar tanto tá, que o PIG não fez a cabeça dos que foram beneficiados por esse partido.

Responder

ZePovinho

14 de fevereiro de 2011 às 22h03

http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2011

Tucano suspeito de receber propina constrói império

Investigado pelo Ministério Público por suspeita de ter recebido propina da Alstom em troca de contratos públicos do governo paulista, o engenheiro Jorge Fagali Neto, construiu e mantém um império que inclui uma fazenda, um apartamento em bairro nobre de São Paulo, uma empresa de consultoria agrícola e uma conta bancária na Suíça com saldo de US$ 7,5 milhões. Jorge Fagali Neto é irmão de José Jorge Fagali que foi presidente do Metrô e que também está sendo investigado pelo Ministério Público.

Responder

    Taiguara

    15 de fevereiro de 2011 às 09h13

    Policie-se quanto ao português. Tucano suspeito é pleonasmo.

Bonifa

14 de fevereiro de 2011 às 21h28

Sabemos da corrupção há muito tempo. Mas os informadores da população, ou seja, a mídia, no Brasil o que faz é desinformar. A mídia brasileira ainda pode fazer acontecimentos escabrosos tornarem-se invisíveis e desimportantes. Por seu lado, o Ministério Público enrola-se em contorções que duram anos e anos, secundado por uma justiça onde processos envoltos em brumas esfumaçam-se em mistérios.

Responder

Julio Silveira

14 de fevereiro de 2011 às 21h22

Ainda vamos ver muitos, não sei, vou saber depois, não é comigo, não tô sabendo.
Esta turma é muito cara de pau, já são macacos velhos treinados por advogados.
Para ter alguma chance disso prosperar só fora do Brasil, pelo menos fora de Sumpaulo, lá tá tudo dominado, ninguem vai querer perder a baba que vem de fora e por fora. Uma mão irá lavar a outra.

Responder

ZePovinho

14 de fevereiro de 2011 às 20h54

Um MENSALÃO funciona,exatamente,assim:
http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2011

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011
Contrato da Siemens com CTPM tinha 30% a mais, em propinas para tucanos paulistas, diz testemunha

A testemunha F. contatada pelo R7, que acompanhou de perto contratos firmados pela Alstom e pela Siemens com empresas públicas no Brasil, denuncia que teria havido um superfaturamento de 30% num contrato com a empresa alemã em São Paulo, no qual a empresa repassou para a MGE Transportes os serviços de manutenção de dez trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

– Os valores citados destinavam-se exclusivamente ao pagamento de propina. Na realidade, não havia a prestação de serviços previstos nos itens mencionados, que constam apenas como fachada para viabilizar contabilmente os pagamentos, acusa a fonte.

O valor total reservado para os pagamentos aparecia geralmente em uma posição separada no contrato, a fim de facilitar os reajustes anuais previstos, afirma F.

– O objetivo correspondente é fictício. Não há nenhum serviço prestado pela MGE que justifique os valores pagos, garante a testemunha.

F. detalha ainda como seriam feitos os pagamentos.

– O dinheiro entra legalmente na conta de diretores como distribuição de dividendos. É sacado posteriormente, em espécie, e entregue aos destinatários. O saque é feito em diversos cheques de valores inferiores a R$ 10 mil, evitando desta forma o registro da operação pelo banco e a comunicação ao Banco Central. (do R7)

Responder

Paul Von Amaraw

14 de fevereiro de 2011 às 20h37

E quem confia em alemães? Está claro que eles mentem só para conspurcar os grandes Chirico e Roriz!

Responder

Sergio

14 de fevereiro de 2011 às 20h00

São lisos como quiabo. devem estar envolvidos todos que chegaram muito perto da m…

Responder

Jair Almansur

14 de fevereiro de 2011 às 19h59

Prezado Azenha. Desculpe-me mudar de assunto.
Mas você lembra que no ano passado apareceu um jornalista que você e o Amorim avalizaram como um profissional sério e que havia escrito um livro sobre 'os porões da privataria' (era esse o nome?), pois é, começou dizendo que iria publicar depois da copa do mundo, depois era para depois das eleições, depois era para depois da posse. Você e o Amorim tem obrigação de dar continuidade a essa história do contrário vai parecer o "folhão", que quando o fato não dá prova, tira de pauta. Isso é defeito só do folhão e ou de todos vocês. Onde estão voces que não falam onde está o livro pô?

Responder

    Roberto Locatelli

    15 de fevereiro de 2011 às 08h52

    Jair, o jornalista é o Amaury Ribeiro Jr., e o nome do livro é esse mesmo, "Os Porões da Privataria".

    Acontece que esse jornalista é TUCANO, ligado ao senador Aécio Neves. O livro, parece, faz parte de tiroteio amigo entre tucanos.

    Serra mandou os jornalistas amigos espalharem futricas destruidoras contra Aécio. Em resposta, Aécio – junto com o jornal aecista O Estado de Minas – pôs o jornalista para escrever esse livro (embora o mineiro jure que não nada a ver com isso).

    Por isso não podemos contar com o livro, já que ele pode ou não ser lançado, por estar ao sabor dos ataques e contra-ataques de Serra, Alckmin, Aécio e Kassab.

    Só podemos contar com nós mesmos…

    Taiguara

    15 de fevereiro de 2011 às 13h03

    Caro Jair, permita-me tomar uma carona nessa mensagem. Tem me causado profunda preocupação o fato dos blogs "sujos" terem, até o momento, se comportado de forma a "blindar" o Baladeiro do Baixo Leblon, também conhecido como Aócio Neves. Não é o caso do Viomundo, mas não posso dizer o mesmo no caso do C.A, do PHA, em cuja moderação têm ficado sistematicamente, todas as minhas críticas mais ácidas, quando dirigidas ao Menino do Rio. Aqui em Minas qualquer pão de queijo sabe que o autor do ainda inédito "Os Porões da Privataria", o Sr. Amaury Ribeiro, é um dos acólitos do Aócio e que, o tal (ainda provável) "livro" foi elaborado com o único objetivo de se contrapor ao Dossiê Itagiba. A rapidez com que o Baladeiro abandonou a corrida pela indicação dos demofrênicos-tucanopatas nos sugere a altíssima tensão contida no Dossiê Itagiba. Se desencapado, pode eletrocutar as pretenções do Playboy. E, colocado sob o sol e chuva, é o Aócio o nosso inimigo escolhido por seus pares.
    O PERIGO MORA EM MINAS.

ZePovinho

14 de fevereiro de 2011 às 19h40

Um toque BERLUSCONIANO aos capos do Bexiga e Móoca que governam São Paulo:
http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2011

Corrupção tucana: Linha 5 do Metrô de SP teve licitação combinada em reuniões de bordel

Sobre o contrato da linha 5 do Metrô em São Paulo, F. diz que a Alstom teria influenciado “decisivamente” o edital de licitação do projeto para obter vantagem sobre os concorrentes e garantir o controle sobre o processo.

– As reuniões para tratar de assuntos que não poderiam constar em atas eram feitas em casas noturnas como o Bahamas (boate e bordel de luxo famoso de São Paulo), denuncia.

Nos documentos apresentados, ele aponta os nomes de diretores de áreas comerciais, de engenharia e de obras das empresas, que comandariam as operações.

– Um desses diretores ficou encarregado de guardar a sete chaves o documento que estabelecia as regras do jogo. Isto é, o documento que estabelecia o objeto de fornecimento e os preços a serem praticados por cada empresa na licitação. A Alstom, naturalmente, ficou com a maior e a melhor parte do contrato. A Procint e a Constech devolviam parte da comissão para a diretoria da Alstom, afirma a testemunha. (do R7)

Responder

Gersier

14 de fevereiro de 2011 às 19h38

"documento elaborado por essa fonte e encaminhado ao Ministério Público de São Paulo." Não vai dar em nada novamente. O MP paulista é tucanóide até os ossos.A OAB paulista ídem.A assembleia estadual nem se fala.Os do PIG,bem, todo mundo sabe muito bem pra onde sempre olham..

Responder

Tiago

14 de fevereiro de 2011 às 19h23

Finalmente o Tribunal de Contas em pauta!

"a licitação foi acompanhada em todas as suas etapas pelos órgãos de controle externo, em especial o Tribunal de Contas do Distrito Federal"

Os brasileiros costumam restringir as falhas de representação política no país aos processos eleitorais, (incluindo aqui eleições, doações de campanha etc), legislações falhas ou parciais, e corrupções pontuais no judiciário (venda de sentenças, STF etc).

Mas a concretização das ações do governo estão em cada gasto, em cada obra, cada clipes de papel adquirido pela administração pública. Dimensão menos genérica, mas talvez mais importante de toda estrutura social!

E, ao menos no nosso sistema político, todo respaldo de controle desta concretização acaba funilando aos Tribunais de Contas dos Estados e da União!

Quem aqui sabe o nome dos poucos homens que julgam as contas da administração do seu Estado ou do seu país? Um juiz que seja?

Qualquer um que busque vaga noção (porque um mínimo currículo destes nossos funcionários são quase impossíveis de serem percebidos), vai descobrir que, só pelos sobrenomes recorrentes, são as aristocracias jurídicas mais fortes de cada Estado! E qualquer sobrenome, ou ex-sociedade de advocacia entre membros do MP estadual e estes juízes, não é mera coincidência!

Perdão pela aparente arrogância da exposição/desabafo, mas os feudos jurídicos de nosso país resistem bravamente e sem arranhões. Mas eles não estão nos abarrotados fórum, estão nos TCUs, TCEs e TCMs desse vasto território.

Responder

MARCOS

14 de fevereiro de 2011 às 19h04

Cadê o MP estadual, movimento cansei, OAB-SP!!!

Responder

Ana

14 de fevereiro de 2011 às 19h01

Caro Azenha, não consta na sua matéria a data destas denúncias. Pode informar? Obrigada.

Responder

    Conceição Lemes

    14 de fevereiro de 2011 às 19h20

    Ana, a matéria não é do Azenha. É do Gilberto Nascimento. Foi publicada hoje no R7. Abração

ANDRE

14 de fevereiro de 2011 às 19h01 Responder

joselucio

14 de fevereiro de 2011 às 18h46

Eu quero ver é si a Globo vai mostrar no jornal nacional uma reportagem dessa.Quando eles vão mostrar, heim? Nunca!!!!! Pois si a bomba tem seus braços metidos neles, né mesmooooooooooo.Sabe quam são eles? Sim , isso mesmo: O PSDB e o DEM (Demônio).Quero só ver, tô esperando viu Globo!

Responder

Gerson Carneiro

14 de fevereiro de 2011 às 18h32

Zé Trapaça já mandou avisar que tudo não passa de trololó.

Responder

Leonardo

14 de fevereiro de 2011 às 18h31

E agora, PiG? Não dá pra varrer essa sujeirada toda pra debaixo do tapete.
Aliás, haja tapete pra esconder tanta sujeira….

Responder

Paulo Cavalcanti

14 de fevereiro de 2011 às 18h17

Grande Gilberto Nascimento!!!!

Sempre nos brindando com matérias investigativas. Enquanto isso, os eleitores tucanos de SP, após 20 anos, são brindados com uma passagem de quase 2 dólares – é o que esse povo merece.

Responder

Jorge Correa

14 de fevereiro de 2011 às 18h14

Azenha

Onde está o MPF nessa história que envolve dois Estados da Federação, até agora?

Um abraço.

Responder

CLAUDIO LUIZ PESSUTI

14 de fevereiro de 2011 às 17h57

Pergunta para o Robson Marinho, la do TCE , ele podera dar "novos detalhes" sobre o assunto…

Responder

    andre i souza

    14 de fevereiro de 2011 às 21h37

    Ih,Cláudio, o cara deve estar encolhidinho, encolhidinho. Já é um nanico, mas agora deve estar menor ainda, vai sumir.

Jairo_Beraldo

14 de fevereiro de 2011 às 17h25

Como a coisa está no MPE – SP, o F. deve estar com a cabeça a premio…ou alguém acha que isso vai dar alguma coisa?

Responder

Alberto

14 de fevereiro de 2011 às 16h50

Olá todos!
"Ganto"wn tem tudo a ver…

Responder

Mônica Santos

14 de fevereiro de 2011 às 16h03

Não sei, não.. não vi nada disso na Folha, nem na Veja, nem no Estadão… logo, deve ser uma mentira deslavada só para denegrir a imagem dos nossos políticos tucanos – grandes exemplos de honestidade e probidade… ;-)

Responder

    ANDRE

    14 de fevereiro de 2011 às 19h07

    Deixe de ingenuidade, a mídia alinhada não publicará nada contra seus patrões

    Mônica Santos

    14 de fevereiro de 2011 às 23h00

    E você já ouviu falar de ironia???

    Roberto Locatelli

    15 de fevereiro de 2011 às 08h56

    Mônica, já aprendi que, quando fazemos uma ironia na net, temos que terminar com um aviso do tipo [isto foi uma ironia]. É por isso que, até hoje, muita gente entra no site do insopitável Mestre Hariovaldo (http://hariprado.wordpress.com) e não percebe que trata-se de sarcasmo e ironia com a direita.

    El Cid

    14 de fevereiro de 2011 às 22h03

    querida, você é o "fino" da ironia… kkkk !!

Luciano Prado

14 de fevereiro de 2011 às 16h03

Caso o Ministério Público Federal seja competente, de alguma forma, para apurar esse escândalo aí sim teremos alguma resposta. Agora, se a competência for de exclusividade do Ministério Público do Estado de São Paulo, aí a Inês é morta. O MP paulista é uma vergonha, não apura nada, está totalmente politizado, isso para não utilizar os adjetivos adequados à instituição.

Responder

ZePovinho

14 de fevereiro de 2011 às 15h52

http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2011

Corrupção tucana: SerraCARD e AlckminCARD acumulam rombo de R$ 300 milhões

Em 2010 o governo paulista gastou aproximadamente R$ 34 milhões no cartão corporativo (*).

Então como explicar gastos acima de R$ 100 milhões em 2006 e 2007 ?

Se em 2010, R$ 34 milhões foram suficientes para suprir despesas de pequeno valor do governo, como explicar valores muito mais altos nos anos anteriores?

O valor a mais, acima dos R$ 34 milhões necessários, acumulou um rombo de quase R$ 300 milhões nos cofres públicos paulistas.

O valor do rombo é por si só um escândalo de corrupção grande demais para ficar abafado como um esqueleto no armário.

Outras "curiosidades":

Enquanto o governo paulista gastou R$ 604 milhões nestes 9 anos, o governo federal, mesmo abrangendo despesas nacionais, gastou muito menos: R$ 358 milhões no cartão.

O ano em que o governo federal teve gastos mais altos no cartão, foi 2010, incluindo as despesas extras do censo do IBGE, totalizando R$ 80 milhões. O governo paulista, sozinho, torrou mais do que isso nos anos:
– 2007: R$ 105 milhões;
– 2006: R$ 102 milhões;
– 2005: R$ 83 milhões;

(*) Até 19/12/2010 os números parciais eram R$ 32.800.043,41, o que resulta em uma projeção aproximada de R$ 34.011.408,65 em 31/12/2010.

Os dados são da ONG demo-tucana Contas Abertas.

Responder

    ZePovinho

    14 de fevereiro de 2011 às 17h46

    Parece que cortaram a mesada de alguma ONG…….

ANA

14 de fevereiro de 2011 às 15h50

E aí trollxas da semana passada? defensores implacáveis da pilantragem demotucana? Esse artigo pertence a conspiração?
Cadê a ética que vocês tanto bravejam?
São Paulo não merece este engodo!

Responder

    malu

    14 de fevereiro de 2011 às 20h51

    Os trolls estão de folga. São quinterizados.

aurica_sp

14 de fevereiro de 2011 às 15h24

E agora Tukanada???

Responder

mariazinha

14 de fevereiro de 2011 às 14h53

Cambada de gente safada. Todos os nomes feios que existem no mundo ainda são poucos para nomear essa gentalha. Claro que o poder judiciário deve estar, de alguma forma, envolvido nessa porcaria, acobertando e dando respaldo aos ladrões.

Responder

Flavio Lima

14 de fevereiro de 2011 às 14h50

Sera que a casa tucana cai dessa vez?

Responder

    Luís

    14 de fevereiro de 2011 às 19h05

    Tomara.

    Ana Maria

    23 de março de 2011 às 15h29

    Sabe o que vai acontecer com a casa tucana??nada,nada,nada.nada,nada,nada,nada……………………………..EU não acredito mais em nada enquanto esses demotucanos estiverem no governando de SP,está tudo dominado .

reinaldo carletti

14 de fevereiro de 2011 às 14h24

bem, eu acredito que o fim da era tucana aqui em sp.chegou…….o governador atual, é o mesmo dos contratos lá atras,portanto, eu acredito que quem o substituiu, também tem culpa no cartorio,outra coisa, o mpfederal esta no caso, por isso eu creio que o final será feliz para a populacão paulista/ana e brasileira.
reinaldo carletti

Responder

erivaldoferreira

14 de fevereiro de 2011 às 14h20

Até agora não saiu uma nota se quer, em jornais tradicionais,como Globo, Folha , Estadão, etç. Isso demostra que há pouquissimo interesse em apura essa historia toda.

Responder

Paulo

14 de fevereiro de 2011 às 14h20

Essas duas empresas deveriam ficar de fora da construção do trem bala brasileiro.

Responder

Roberto Locatelli

14 de fevereiro de 2011 às 14h06

Ele tinha avisado para que os demotucanos não o abandonassem. "Não cometam esse erro" foram as palavras dele. Quem mandou não acreditar?

Responder

    Gerson Carneiro

    14 de fevereiro de 2011 às 21h29

    Paulo Preto cumpre a promessa/ameaça. A casa caiu.

ZePovinho

14 de fevereiro de 2011 às 13h37

Faz isso não,Azenha.Vai secar o dinheiro não contabilizado que sustenta nossos amados trolls que por aqui pululam.

Responder

    El Cid

    14 de fevereiro de 2011 às 21h34

    kkkkk !! vai tirar o ganha-pão deles…

    ZePovinho

    14 de fevereiro de 2011 às 22h03

    Já notou,El Cid,que ele somem quando aparecem essas denúncias????


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.