VIOMUNDO

Diário da Resistência


Fátima Oliveira: No Brasil, a pedagogia dos crimes das mineradoras não sensibiliza governos nem parlamentares
Denúncias

Fátima Oliveira: No Brasil, a pedagogia dos crimes das mineradoras não sensibiliza governos nem parlamentares


24/11/2015 - 00h19

lama-no-rio-doce-chega-a-linhares-na-terca-e-cidade-vai-abastecer-baixo-guandu-e-colatina-1

Os crimes socioambientais e a pedagogia da catástrofe

Fátima Oliveira, em O TEMPO

[email protected] @oliveirafatima_

Desde a década de 70 está em gestação o esboço de um pacto em torno da defesa do planeta Terra, tido como um patrimônio comum da humanidade. Ao menos, esse é o discurso consensual corrente, embora não haja uma compreensão coesa do que seja realmente a “defesa da natureza”.

Todavia, a marca pública dos debates ecológicos é a denúncia da degradação que o ser humano impôs à água, ao ar e à terra. O sentimento mais presente nos discursos ecológicos é o medo. Não sem razão.

Os exemplos são terríveis: as catástrofes das indústrias químicas, como em Seveso, o gás mortífero da fábrica Icmesa, na Itália, em 1976; o gás tóxico de Bhopal, na Índia, em 1984; a poluição do rio Reno pelo incêndio da fábrica da Sandoz na Basileia, na Suíça, em 1986; a doença de Minamata, no Japão, por intoxicação de mercúrio da fábrica Chisso, que lançava dejetos desde 1930 na baía de Minamata – o primeiro caso humano diagnosticado ocorreu em 1956, mas morreram cerca de 2.000 pessoas, e as sequeladas são incontáveis!

Não ficam atrás os casos das indústrias petrolíferas: marés pretas da Bretanha, do Alasca, do Rio de Janeiro (2000), na Espanha (2002), no golfo do México (2010) etc. O incêndio por vazamento de gasolina na Vila Socó, em Cubatão, em São Paulo (1984), que oficialmente resultou em 93 mortes, mas há estimativas de que foram mais de 500.

As catástrofes das fábricas e os artefatos nucleares são de grande vulto: a bomba atômica de Hiroshima e Nagasaki, em 1945, no Japão; Three Miles Island, em 1979, nos Estados Unidos; Chernobyl, em 1986, na Ucrânia, ex-URSS; o césio de Goiânia, em 1987; e Fukushima, em 2011, no Japão. Como se isso não bastasse, há o justo temor de catástrofes biológicas, via armas biológicas “bioengenheiradas”.

Mas eis que em 5 de novembro passado, por volta das 16h, o povoado de Bento Rodrigues, em Mariana, foi soterrado pela não inócua lama tóxica – rejeitos de mineração – após o rompimento das barragens do Fundão e Santarém, da mineradora Samarco, de propriedade da anglo-australiana BHP Billiton e da Vale, ex-Vale do Rio Doce…

O povoado de Barreto, em Barra Longa, também foi soterrado, sem mortes humanas, mas perdeu escolas, pontes, estradas e casas. Bento Rodrigues contava mais de 200 anos, mas agora acabou! Sete mortes foram confirmadas, 12 pessoas estão desaparecidas e os impactos socioambientais são incomensuráveis.

Rompimento de barragens de mineradoras em Minas Gerais não é novidade: em Nova Lima, cinco operários morreram (2001); Cataguases (2003); Rio Pomba (2007); e Itabirito (2014), na qual três operários morreram e cinco ficaram feridos. Porém, os governos de Minas e os brasileiros foram incapazes de beber na “pedagogia da catástrofe” – constatação do ecologista suíço René Longet, que diz que Seveso “mudou a visão da opinião pública a respeito da indústria química, passando a considerá-la potencialmente perigosa”.

 

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Elizabeth de Andrade

24 de novembro de 2015 às 12h48

Avisa aos políticos que ‪#‎ALamaÉDaSamarco‬ ‪#‎DaVale‬ ‪#‎DaBHP‬
O órgão governamental responsável pelo controle e fiscalização da atividade desempenhada pela Samarco/Vale é o Departamento Nacional de Produção Mineral .
Pare as Atividades da Vale Já! Cessar Por Ordem Judicial!!
‪#‎PareAtividadesDaValeJá‬! ‪#‎CessarPorOrdemJudicial‬
‪#‎ÁguaParaOPovoJá‬! ‪#‎SaláriosDevemContinuarSendoPagos‬!
‪#‎NãoFoiAcidente‬ ‪#‎FoiCrimeAmbiental‬! ‪#‎RestatizaçãoDaValeJÁ‬!
#ÁguaParaOPovoJá!‪#‎AVANTENALUTA‬
‪#‎MAM‬#ACulpaÉdaVale ‪#‎SomosTodosAtingidosPelaVale‬ #AVANTENALUTA
#MAM #NãoFoiAcidente
UM LITRO DE ÁGUA VALE MAIS QUE UM LITRO DE MINÉRIO
NÃO QUEREMOS EXTRAIR MAIS MINÉRIOS! NOSSA VIDA É MAIS IMPORTANTE DO QUE MINÉRIOS!
ESTAMOS VENDENDO NOSSAS PAiSAGENS,ACABANDO COM NOSSAS ÁGUAS, NOSSAS VIDAS
A NATUREZA PRECISA DE TODOS ELES: Água, minerios, gente, fauna e flora.
Dicas úteis aos atingidos pelo crime ambiental de Mariana
Conheça e divulgue a Cartilha “O que fazer em situações de colapso no abastacimento de água”
http://issuu.com/saladecris…/…/cartilha_colapsoabastecimento

Responder

Romanelli

24 de novembro de 2015 às 09h45

Nada de novo no titulo, nem no corpo do texto
.
Afinal, vivemos em uma época em que médicos não gostam de gente, enfermeiros não gostam de cuidar, professores não gostam de ensinar e alunos batem pra não estudar ..cê queria o que ?
.
..é como disse RA (ele mesmo, não se assuste), pros progressistas, as prioridades devem ser o debate sobre sexo, aborto e droga ..embora eu complementasse a lista com a “discussão sobre a revolução de 64” e a incrível igualdade que se daria com as praticas das cotas RACISTAS entre nós
.
Claro que tb temos a liberação das cadeias e do JOGO como fonte de arrecadação defendido pelos liberais
.
tudo muito óbvio e conhecido há tempos, mas….
.
..mas francamente, com tanta coisa acontecendo e precisando de respostas, e isso ..vc AINDA imaginando que com esta geração de políticos que “fomos capazes” de formar, que eles dariam conta de se sensibilizar com algum assunto mais sério.
.
vai sonhando ..eu já desisti ..BRASIL, nem daqui 100 anos

Responder

Mário Gomes

24 de novembro de 2015 às 08h13

Corrija ai por favor. Em 2007 está parecendo que foi na cidade de Rio Pomba onde não tem mineração. Foi na mesma cidade de Cataguases em mineração que atingiu o rio chamado rio pomba. Abs. Mário

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.