VIOMUNDO

Diário da Resistência


Em outra mamata, ex-deputado que propôs caçar animais silvestres vai comandar Serviço Florestal
Reprodução TV Globo
Denúncias

Em outra mamata, ex-deputado que propôs caçar animais silvestres vai comandar Serviço Florestal


17/01/2019 - 16h22

Deputado do PL da morte de animais chefiará Serviço Florestal Brasileiro

Ex-parlamentar do MDB-SC é autor do projeto de lei que libera a caça de animais silvestres, mesmo dentro de unidades de conservação. Para deputada, trata-se de mais uma nomeação no governo Bolsonaro que coloca “raposa cuidando de galinheiro”

por Redação RBA

São Paulo – A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, informou, nesta quarta-feira (16), que o ex-deputado Valdir Colatto (MDB-SC) vai comandar o Serviço Florestal Brasileiro.

Segundo post no Twitter da própria ministra, o decreto já foi publicado e nomeação de Colatto é oficial.

O emedebista é autor de um projeto de lei, apresentado em 2016, que libera a caça de animais silvestres no Brasil, mesmo dentro de unidades de conservação.

O Projeto de Lei (PL) 6268/16, de Colatto, ainda permite a criação de fazendas particulares de caça de animais silvestres e de zoológicos para a venda de animais a criadouros particulares.

O texto só exclui da caça animais domesticados e espécies consideradas em risco de extinção.

O projeto ainda dá a permissão para a comercialização de animais silvestres e enfraquece o poder de controle do Estado, ao tentar impor a retirada do porte de arma de fiscais ambientais.

A deputada federal Margarida Salomão (PT-MG) criticou a nomeação, em uma de suas redes sociais.

“Agora não dá mais pra dizer que é a raposa cuidando do galinheiro. Se depender do nomeado para o cargo, caça-se inclusive a raposa”, disse.

Colatto é dono de fazendas em Tocantins e Rondônia e também apresentou um outro Projeto de Lei (PL) 1027/2007, que descaracteriza como improbidade administrativa qualquer ato de apoio de agentes públicos a produtores rurais em demandas apresentadas por associações e cooperativas.

O ex-deputado, que não conseguiu se reeleger em 2018, é alvo de críticas por entidades que preservam o meio ambiente.

O coordenador de políticas públicas do Greenpeace no Brasil disse no ano passado, ao jornal Folha de S.Paulo, que o PL 6268/16 é um retrocesso.

“O texto libera o abate de animais em situação de ameaça comprovada à agropecuária. Ou seja, animais que ameacem uma fazenda, por exemplo, poderiam ser mortos”, lamenta.

Leia também:

Fux mata no peito e suspende investigação sobre Flávio Bolsonaro

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!