VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Dilma diz que decisão anunciada por Guedes completa o golpe da Lava Jato na engenharia nacional
Denúncias

Dilma diz que decisão anunciada por Guedes completa o golpe da Lava Jato na engenharia nacional


23/01/2020 - 09h46

Da Redação

A decisão do governo Bolsonaro de abrir as licitações de compras públicas para empresas estrangeiras vai acabar de fazer o trabalho iniciado pela Operação Lava Jato, na opinião da presidenta golpeada Dilma Rousseff.

“Bolsonaro desfecha novo golpe contra empresas nacionais. Política de destruição do setor se aprofunda com abertura do mercado a empresas estrangeiras, anunciada pelo ministro da Economia, na Suíça. É a pá de cal no desmonte promovido pela Lava Jato na engenharia nacional. Pior.”, escreveu no twitter.

Dilma também reproduziu a notícia do diário Valor Econômico que dizia parcialmente:

“O Brasil está querendo entrar para a primeira divisão de melhores práticas. Isso é um ataque frontal à corrupção e um tema importante da campanha do presidente Bolsonaro”, disse Guedes, ao sair de seu primeiro compromisso na reunião anual do Fórum Econômico Mundial, em Davos.

Questionado se a adesão não mina a capacidade do país de promover políticas industriais, com margens de preferência a empresas brasileiras nas compras governamentais, o ministro respondeu que o Brasil não pode ser “uma fábrica de bilionários à custa da exploração dos consumidores”.

Ela acrescentou o comentário: “O governo abre mão de ter uma política de compras públicas que leve em conta os brasileiros. A concorrência pode estrangular diversos setores empresariais.”

Apesar da decisão, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, publicou artigo na Folha de S. Paulo reafirmando seu apoio ao presidente Jair Bolsonaro.

A Fiesp é a maior entidade representativa de industriais do Brasil.

Articulou e financiou o golpe cívico-militar de 1964, a repressão e agora é acusada de facilitar a ascensão do fascismo.

Skaf foi criticado por ajudar a organizar em São Paulo a Aliança pelo Brasil, novo partido de extrema-direita que dará sustentação a Bolsonaro.

Em seu artigo na Folha, ele escreveu: “Apoiamos o governo Bolsonaro? Sim. Ele promove a agenda econômica que sempre defendemos, de controle de gastos públicos, reformas estruturais, redução de juros, desburocratização… Bolsonaro colocou o país no rumo certo e tem dado demonstrações concretas de estar comprometido com o crescimento e com a geração de empregos.” 

Críticos dizem que Skaf está usando a Fiesp e Bolsonaro para cacifar sua própria carreira política. Ele pretende ser governador de São Paulo e poderia tentar alcançar o Palácio dos Bandeirantes em dobradinha com Bolsonaro em 2022.

Uma recente pesquisa do instituto MDA, encomendada pela Confederação Nacional da Indústria, mostrou Bolsonaro com 29,1% de menções espontâneas, quase o dobro do ex-presidente Lula, que apareceu com 17%.

A pergunta da pesquisa foi: “Ainda faltam três anos para as eleições presidenciais de 2022. Mas, caso as eleições fossem hoje, em quem o sr. votaria?”

Embora seja um golpe na indústria e na engenharia nacionais, a decisão de Paulo Guedes agrada em cheio ao capital internacional, num momento em que o governo Bolsonaro é alvo de críticas globais pelo episódio do vídeo nazista do ex-secretário de Cultura Roberto Alvim e pelo anúncio de que abrirá mineração em terras indígenas.

Quanto ao fato de que o protecionismo seria prejudicial aos consumidores brasileiros, trata-se de um mito.

O economista Ha-Joon Chang tratou disso no livro Chutando a Escada, como destacou o nosso leitor Nelson, que recomendou o vídeo abaixo:

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

TonyDireita

25 de janeiro de 2020 às 01h42

Tem que perguntar a ela se ela sabe porque cabrito faz toletinhos redondinhos. Não entende de Bolsonaro vai querer dar palpite em uma equipe de ministros que em um ano fez o Brasil crescer mais que eles em 16 anos

Responder

Felipe

24 de janeiro de 2020 às 05h25

Claro né, de crise econômica a Dilma entende como ninguém.

Responder

Zé Maria

23 de janeiro de 2020 às 17h39

Alertas procedentes do Viomundo :

“Bolsonaro não teria mantido seu terço do eleitorado
sem o endosso da política econômica pelo Grupo Globo.
Até o taxista reaça sabe que a coisa tá ruim.
Só que acredita na corrente do WhatsApp:
é preciso acabar com o PT pra coisa REALMENTE melhorar.”
https://twitter.com/VIOMUNDO/status/1220425004233478144

“A esquerda fala pouco ao uberizado ’empreendedor’.
Corre atrás do fantasma do operário.
Indústria está sumindo do PIB. 50% são terceirizados.
Tem de ajustar o discurso para o precariado bolsonarista.
Que aderiu à dieta da Globo: a culpa é do Petê.”
https://twitter.com/VIOMUNDO/status/1220413409759563777

Responder

Zé Maria

23 de janeiro de 2020 às 14h17

Entrevista: Ha-Joon Chang, Economista Sul-Coreano
Concedida à Regiane Oliveira, do El País BR

“O Brasil está experimentando uma das maiores desindustrializações
da história da economia”

“Do mesmo jeito que mandamos nossas crianças para a escola
ao invés do trabalho quando são pequenas, e as protegemos até elas crescerem,
os Governos de economias emergentes têm que proteger suas indústrias
até que elas cresçam e possam competir com as indústrias de países ricos.
Praticamente todos os países ricos, começando pela Inglaterra no século XVIII,
Estados Unidos e Alemanha, no século XIX, Suécia no começo do século XX,
além de Japão, Coreia do Sul e Taiwan…todos estes países se desenvolveram
usando protecionismo, subsídios estatais, controle do investimento direto estrangeiro,
e em alguns casos, até mesmo empresas estatais.”

Íntegra:
https://brasil.elpais.com/brasil/2018/01/05/economia/1515177346_780498.html

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.