VIOMUNDO

Diário da Resistência


Diálogos indicam que Moro instruiu Lava Jato a não apreender celulares de Eduardo Cunha
Wilson Dias/Agência Brasil
Denúncias

Diálogos indicam que Moro instruiu Lava Jato a não apreender celulares de Eduardo Cunha


12/08/2019 - 21h05

Foi o então juiz Moro quem mandou soltar a mulher de Eduardo Cunha. Estranha decisão. Com certeza Cunha revelaria o que foi o golpe e quem participou. Moro fez acordo para proteger a mulher do deputado e a fortuna adquirida por ele da corrupção.De quebra, os amigos de Moro  foram poupados das denúncias que Cunha iria fazer. Aécio , por exemplo. Afinal, nunca quiseram combater a corrupção e sim derrotar Dilma, Lula , o PT e a esquerda. E claro, fazer o serviço do neoliberalismo, dos EUA, das elites e do capital financeiro. A máscara do Moro caiu mais um pouco, mas ainda falta ele cair.  Deputado Rogério Correia (PT-MG), via whatsapp

Diálogos indicam que Moro instruiu força-tarefa a não apreender celulares de Eduardo Cunha

Diálogos analisados pelo BuzzFeed News, que integram o pacote de mensagens enviados ao Intercept Brasil por fonte anônima, mostram que, na véspera da prisão do ex-presidente da Câmara, procuradores queriam a apreensão da prova, mas foram convencidos do contrário. Cunha guardava conversas com detentores de foro – o que poderia levar processo para o STF.

Severino Motta (Buzzfeed News) e Leandro Demori (The Intercept Brasil)

Na véspera da prisão do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (MDB-RJ), o então juiz da Lava Jato Sergio Moro convenceu os procuradores da força-tarefa de Curitiba a não pedir a apreensão dos telefones celulares usados pelo emedebista.

É o que indica um conjunto de mensagens trocados pelo aplicativo Telegram entre o então juiz e o coordenador da força-tarefa, Deltan Dallagnol.

Os diálogos entre o então juiz e o chefe dos investigadores ocorreram no dia 18 de outubro de 2016 e integram o pacote de mensagens enviados ao site The Intercept Brasil por fonte anônima. Os diálogos foram analisados pelo BuzzFeed News.

A exemplo de outros veículos jornalísticos, o BuzzFeed News decidiu publicar o conteúdo por considerar que se trata de informação de interesse público.

A decisão de não apreender os celulares de Cunha, que já não tinha mais foro privilegiado desde setembro de 2016, destoa do padrão da Lava Jato. Saíram dos celulares de executivos de empreiteiras, por exemplo, muitas anotações e mensagens que embasaram investigações.

No dia 18 de outubro de 2016, um dia antes da prisão de Cunha, o chefe da força-tarefa, Deltan Dallagnol, mandou mensagens ao então juiz.

11:45:25 Deltan: Um assunto mais urgente é sobre a prisão

11:45:45 Deltan: Falaremos disso amanhã tarde

11:46:44 Deltan: Mas amanhã não é a prisão?

11:46:51 Deltan: Creio que PF está programando

11:46:59 Deltan: Queríamos falar sobre apreensão dos celulares

11:47:03 [Moro]: Parece que sim.

11:47:07 Deltan: Consideramos importante

11:47:13 Deltan: Teríamos que pedir hoje

Após ouvir as ponderações do procurador, Moro responde o seguinte:

11:47:15 [Moro:] Acho que não é uma boa

Apesar da resposta, Deltan insiste e tenta agendar uma reunião com Moro para tratar do assunto:

11:47:27 Deltan: Mas gostaríamos de explicar razões

11:47:56 Deltan: Há alguns outros assuntos, mas este é o mais urgente

11:48:02 [Moro]: bem eu fico aqui até 1230, depois volto às 1400.

11:48:49 Deltan: Ok. Tentarei ir antes de 12.30, mas confirmo em seguida de consigo sair até 12h para chegar até 12.15

12:05:02 Deltan: Indo

Não há, nos diálogos, registros do que foi discutido na reunião presencial entre eles.

Porém, pouco depois, às 14h16, Deltan envia nova mensagem a Moro dizendo que, após conversar com procuradores e ao levar em consideração o que foi dito pelo então juiz, a força-tarefa desistiu de pedir a apreensão dos celulares.

14:16:39 Deltan: Cnversamos [Conversamos] aqui e entendemos que não é caso de pedir os celulares, pelos riscos, com base em suas ponderações

E Moro respondeu:

14:21:29 [Moro]: Ok tb

No dia seguinte às conversas, em 19 de outubro, Eduardo Cunha foi preso em Brasília.

Ao perceber a ação, o político disparou diversos telefonemas para parlamentares ligados ao então ministro Moreira Franco e ao então presidente Michel Temer. Tinha a esperança de que, com uma jogada, seria capaz de reverter a prisão.

Ao ser informado de que além de preso seria encaminhado para Curitiba, Cunha chegou a questionar os agentes responsáveis por sua prisão se deveria ou não levar ou entregar seu aparelho celular. Ouviu uma resposta negativa, segundo seus advogados.

Questionados pelo BuzzFeed News, tanto a força-tarefa da Lava Jato quanto o Ministério da Justiça disseram que os celulares de Cunha já haviam sido apreendidos.

De fato, no dia 15 de dezembro de 2015, os aparelhos telefônicos do então presidente da Câmara foram recolhidos na operação Catilinárias.

A prisão de Cunha, quando optou-se por não apreender os novos aparelhos do político, aconteceu cerca de 10 meses depois, em 19 de outubro de 2016.

Veja aqui o que disse Sergio Moro:

“O Ministro da Justiça e da Segurança Pública não reconhece a autenticidade das mensagens obtidas por meio criminoso, nem sequer vislumbrou seu nome como interlocutor nas mensagens enviadas pelo BuzzFeed. Em relação aos aparelhos celulares do ex-Deputado Eduardo Cunha, como foi amplamente divulgado pela imprensa, eles foram apreendidos por ordem do STF na Ação cautelar 4044, antes da prisão preventiva.”

O que disse a força-tarefa do Ministério Público Federal:

“A força-tarefa da Lava Jato em Curitiba não reconhece as mensagens que têm sido atribuídas a seus integrantes nas últimas semanas. O material é oriundo de crime cibernético e tem sido usado, editado ou fora de contexto, para embasar acusações e distorções que não correspondem à realidade. A análise da busca e apreensão de itens toma em conta diferentes fatores, inclusive a perspectiva de efetividade para as investigações. No caso do ex-presidente da Câmara, seus celulares já tinham sido apreendidos por ordem do Supremo Tribunal Federal.”

O caso de Cunha não é isolado nos diálogos em que Moro e integrantes do Ministério Público da Lava Jato discutem formas de driblar um possível deslocamento da competência das investigações para o STF.

Reportagem de Veja publicada no mês passado em parceria com o Intercept diz que Moro tentava manter os casos da Lava-Jato em seu poder em Curitiba, citando como exemplo os processos do ex-presidente Lula relativos ao triplex do Guarujá e ao sítio de Atibaia.

De acordo com a publicação, o magistrado teria mentido, ou pelo menos ocultado de um ministro, uma prova que poderia deslocar a competência de um processo importante envolvendo Flávio David Barra, preso em 28 de julho de 2015, quando presidia a AG Energia, do grupo Andrade Gutierrez.

Ainda segundo informações da reportagem, em 25 de agosto, a defesa de Barra pediu ao então ministro Teori Zavascki a suspensão do processo que corria na 13ª Vara de Curitiba legando o envolvimento de parlamentares com prerrogativa de foro.

Ao ministro, Moro disse não saber nada sobre o envolvimento de parlamentares.

Apesar disso, com base nas informações da defesa, o ministro do Supremo suspendeu em 2 de outubro as investigações e pediu a remessa dos autos a Brasília.

Num diálogo registrado no Telegram 18 dias depois, entre o procurador Athayde Ribeiro Costa e a delegada Erika Marena, o procurador diz precisar com urgência de uma “planilha/agenda” apreendida com Barra que descreve pagamentos a diversos políticos.

A delegada respondeu que, por orientação de “russo” (apelido de Moro), não tinha tido pressa em registrar o documento no sistema de processo eletrônico, o que o tornaria público para quem possui acesso ao mecanismo.

“Acabei esquecendo de eprocar”, disse Marena. “Vou fazer isso logo”, completou. Eproc é o sistema da Justiça Federal onde são registrados todos os documentos de processos.

Para a publicação, Moro já sabia da existência da planilha quando foi inquirido por Zavascki e escondeu o fato do ministro. Ou, teria tomado conhecimento da planilha depois da inquirição de Zavascki e pediu à delegada para “não ter pressa” em protocolar o documento. Para Veja e para o Intercept, tudo indica que a manobra tinha como objetivo manter o caso em Curitiba.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

14 de agosto de 2019 às 18h11

O Bandido-Mor[o] não cai porque ainda tem
fortes relações na Magistratura Federal – e no
MPF – e prestígio em alguns Tribunais, inclusive,
na Cúpula do Poder Judiciário.
Sem falar na Proteção Oculta do Grão-Mestre
da Ordem, coincidentemente, Dono da Globo.

Responder

Martins

13 de agosto de 2019 às 13h44

Moro é um bandido e só não vê isso quem não quer. Deixa o Marcola no chinelo comendo poeira.
Instrumentalizou a CF e o CPP em benefício de seus projetos pessoais, do psdb e tb dos interesses dos americanos.
Nunca vi bandido que ainda não foi preso reconhecer seus crimes. Por isso Moro, Dallagnol e toda força tarefa negam seus crimes.
Qualquer pessoa sensata com a cabeça no lugar vê que a mulher do Cunha foi beneficiada pelo Moro.
Um fato que chama a atenção é que o Eduardo Cunha não teve o cabelo raspado como os outros presos. Isso já denota vários privilégios para o Cunha.
Infelizmente o voto de um pobre não vale a mesma coisa do voto da classe média. A classe média sequestrou o direito dos pobres. Não é o Lula que está preso, é a liberdade do pobre votar em quem quiser que foi sequestrada.
Lembremos da ameaça do gen. Vilas Boas que se o Haddad ganhasse o exército poderia não reconhecer o pleito eleitoral e por os tanques nas ruas. Ou seja, ameaçou o povo.

Responder

Martins

13 de agosto de 2019 às 10h40

Acho que ano que vem tem eleicao para 1 senador. Se tiver esse capitão do mato deve se candidatar pelo PR. Espero que naufrague mais uma vez.
Se fosse a mulher do Lula esse capitão do mato prendia ela mesmo sem provas. Moro é e sempre foi um farsante. Não passa do maior picareta da justiça brasileira e mundial.
Ele não conseguiu destruir o Lula e o PT, mas destruiu a justiça brasileira.
Pq desembargadores e ministros do STJ e STF obedeceram ordens de Sérgio Moro, um juiz de 1 grau ?
Qto Sérgio Moro ganhou dos EUA para fazer tudo i$$o ?
Moro é a prova viva de como a justiça pode errar. Se comete um erro desses com o Lula imagine o que não acontece com o Pedro, o José, o Antônio.
Julgamento justo é o mínimo que todo e qualquer cidadão espera da justiça. M9r9 é um deslumbrado pela fama. Deve morrer de inveja do Lula. Pegou o vácuo do Lula e foi embora e se esborrachou no muro.

Responder

Zé Maria

13 de agosto de 2019 às 03h43

Repare bem.
O Maior Esquema de Corrupção da História do Brasil não estava Petrobras, nem em Governos, nem no Congresso Nacional.
A Maior Organização Criminosa do País estava (e ainda está!) entranhada no Ministério Público Federal e do Poder Judiciário que atentaram contra a República Costitucional e o Estado Democrático de Direito.
Bandidos de primeiro, segundo e terceiro graus, com certo Poder de Decisão, locupletando-se dentro da Administração Pública.

Responder

Helena tavares

13 de agosto de 2019 às 03h39

O Moro é muito pior que um escárnio no âmbito judiciário pois o que de fato nos faz chegar a essa irreversível conclusão são essas mensagens divulgadas pelo site Intercept Brasil em parceria com a veja e folha esses conteúdos divulgados é VERDADE.

Responder

Zé do rolo

13 de agosto de 2019 às 03h35

A força tarefa da quadrilha a jato de Curitiba não tem que reconhecer pois todos que usa de má fé, de parcialidade etc… insiste em negar a prática ilegar, a arbitrariedade cometida.
A maior verdade do mundo sobre a quadrilha a jato de Curitiba são essas mensagens divulgadas pelo site Intercept Brasil e a Folha e a veja estão divulgando é VERDADE.

Responder

Zé Maria

12 de agosto de 2019 às 21h29

Cada vez mais sabe-se que esse ex-juizéco, ministréco,
é um Canalha da última grandeza da Baixeza Humana.

Responder

Zé Maria

12 de agosto de 2019 às 21h26

Por Ordem do Moro apreenderam os telefones
dos Filhos do Lula e da Dona Marisa, e o Tablet
do Netinho do Lula.
Mas apreender o Celular do Cunha, Jamais!!!

Responder

Zé Maria

12 de agosto de 2019 às 21h16

“E chegamos em 2019 descobrindo que
MORO PROTEGEU EDUARDO CUNHA.”

#MoroProtegeCunha

https://twitter.com/Jandira_Feghali/status/1161057000580685825

https://pbs.twimg.com/media/EBzhEF5WsAA4b-w.jpg

E a Claudinha, inocentada pelo Moro,
Livre, Leve e Solta, na Suíça, torrando
a Grana afanada pelo Eduardo Cunha.

#13A #AmanhãÉRua #ForaBolsonaro #MoroNaCadeia

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.