VIOMUNDO

Diário da Resistência


Depois de beneficiar ruralistas e banqueiros, Temer tunga R$ 27 bi de poupança pública
Alan Santos/PR, via Fotos Públicas
Denúncias

Depois de beneficiar ruralistas e banqueiros, Temer tunga R$ 27 bi de poupança pública


23/05/2018 - 12h21

Alan Santos/PR, via Fotos Públicas

Temer tunga R$ 27 bilhões do Fundo Soberano, a poupança dos brasileiros

Enquanto governo golpista perdoa dívida de R$ 62 bilhões de empresários e outros R$ 25 bi de banqueiros, Fundo Soberano do Brasil é saqueado e extinto

Rosely Rocha, especial para Portal CUT

O Fundo Soberano do Brasil (FSB), a poupança de todos brasileiros, criado pelo governo do ex-presidente Lula, em 2008, foi extinto pelo golpista e ilegítimo de Michel Temer (MDB-SP), que já vinha tentando usar os recursos para cobrir os rombos no orçamento.

Em maio de 2016, Temer retirou do Fundo R$ 26,5 bilhões, mas não pode gastar o dinheiro porque a Lei 11887/2008 proíbe a utilização dos recursos para pagamento de despesas do governo. Os recursos ficaram reservados no Tesouro Nacional.

Agora, com a extinção do Fundo, Temer pode retirar os R$ 500 milhões que sobraram e utilizar o total de R$ 27 bilhões para quitar as contas do governo, ou, como dizem os técnicos do governo, “equilibrar” as contas públicas.

A decisão contraria totalmente o objetivo do Fundo Soberano de garantir, em períodos de crise, investimentos estratégicos em áreas como saúde, educação e infraestrutura, para alavancar a economia e promover mais desenvolvimento.

“Esse governo que não enxerga o povo, a classe trabalhadora, os brasileiros que mais precisam de investimentos públicos para sobreviver com dignidade e ter esperança de um futuro melhor”, diz o presidente da CUT, Vagner Freitas.

Para o dirigente, a decisão é um disparate se considerarmos que em novembro do ano passado, a equipe econômica de Temer propôs um Programa Especial de Regularização Tributária para atender os grandes empresários e setores do agronegócio que apoiaram o golpe de 2016. Com essa renúncia fiscal, o prejuízo aos cofres públicos chegou a R$ 62 bilhões.

O governo golpista também foi “benevolente” com o Banco Itaú, ao perdoar R$ 25 bilhões de Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) na fusão com o Unibanco.

“Ao mesmo tempo que Temer extingue o Fundo, ele isenta a dívida de grandes empresários do setor financeiro. Isso é mais uma parte do golpe e quem sofre as consequências são os trabalhadores e trabalhadoras que mais dependem de políticas públicas”, pontua Vagner.

Com o fim do Fundo Soberano, o governo golpista quer tentar garantir o cumprimento da chamada “regra de ouro das contas públicas”, norma constitucional que impede que a emissão de dívida pública supere as despesas com investimentos.

O objetivo da regra de ouro, na prática, é impedir que o governo se endivide excessivamente para pagar apenas despesas.

Mas, com o orçamento público cada vez mais comprometido com despesas obrigatórias e os seguidos déficits (despesas maiores do que receitas) dos últimos anos, o endividamento subiu e ameaça o cumprimento da regra.

O governo calcula que precisa de mais de R$ 200 bilhões para cobrir o rombo da regra de ouro.

A Medida Provisória (MP) assinada por Temer propondo a extinção do Fundo Soberano do Brasil também é um desserviço à democracia, já que o FSB foi criado por Lei, enquanto uma MP entra em vigor assim que é publicada. Já para se tornar uma lei em definitivo será preciso que o Congresso Nacional aprove a Medida Provisória, em até 120 dias.

Sobre o Fundo Soberano do Brasil (FSB)

O Fundo Soberano do Brasil, fundo especial de natureza contábil e financeira, vinculado ao Ministério da Fazenda, tem por finalidade promover investimentos em ativos no Brasil e no exterior, formar poupança pública, mitigar os efeitos dos ciclos econômicos e fomentar projetos de interesse estratégico do País, localizados no exterior.

O Fundo foi criado pela Lei nº 11.887, de 2008, no governo Lula, com as reservas provenientes das sobras do superávit primário equivalentes a 0,5% do Produto Interno Bruto.

O FSB recebeu em aplicação R$ 14,25 bilhões. Um ano depois, em dezembro de 2009, a valorização era de R$ 1,9 bilhão atingindo R$ 16,1 bilhões, aplicados em papéis do Tesouro.

Até 2016, o FSB tinha em sua conta R$ 27 bilhões.

Leia também:

O espantoso retrocesso que Temer promoveu no Brasil

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.