VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Cubano atende emergência e município corre risco de ser descredenciado
Denúncias

Cubano atende emergência e município corre risco de ser descredenciado


02/02/2014 - 20h55

31/01/2014 22h26 – Atualizado em 31/01/2014 22h29
Sindicato denuncia trabalho de médico cubano em hospital do RS

Profissional pode ser descredenciado do Mais Médico por irregularidade. Prefeitura diz que profissional substituiu médico atrasado em caso grave.

Do G1 RS, sugestão do Pedro Francisco Frineda, via Facebook

Um médico cubano que trabalha na Região da Campanha do Rio Grande do Sul corre o risco de ser descredenciado do programa Mais Médicos após prestar atendimento em um hospital da região. Segundo as entidades médicas, os profissionais participantes do programa do governo federal só podem atuar em postos de saúde, como mostra a reportagem do RBS Notícias.

O caso veio à tona depois que o médico cubano encaminhou no início do mês um paciente do Hospital de Candiota para o Pronto Socorro de Bagé, na mesma região. Ao ler a requisição, sem o carimbo com o número do registro do profissional, o médico que recebeu o paciente percebeu a irregularidade.

“Ele (médico) entrou em contato comigo por telefone e relatou o fato de que haveria um profissional do Mais Médicos atendendo em um plantão, o que ele não poderia fazer”, disse o conselheiro do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), Rodrigo Marquetoti.

Segundo a direção do Hospital de Candiota, o médico cubano teria sido chamado porque o profissional que estava de plantão se atrasou e havia um paciente em estado grave aguardando atendimento. A decisão teria sido tomada pelo gerente administrativo do hospital. “Não houve mais nenhum dia, nenhum momento em que o médico do programa Mais Médicos fez qualquer tipo de atendimento conosco”, garantiu o diretor técnico do hospital, Alexandre Davila.

De acordo com o delegado do Conselho Regional de Medicina (Cremers) na Região da Campanha, profissionais do programa Mais Médicos só podem atender pacientes em postos de saúde. “Existe uma determinação do Conselho Regional de Medicina que fica vedado, fica proibida a atuação desses profissionais a nível hospitalar”, afirmou César Melllo.

A prefeitura de Candiota diz que o médico cubano recebeu autorização da Secretaria de Saúde do município para atender o paciente porque se tratava de um caso de vida ou morte. “O nosso município é cumpridor de todas as leis, mas existe uma lei que está acima de todas as leis, que é a lei da vida, a lei dos direitos humanos”, afirma o prefeito de Candiota, Luiz Carlos Folador.

O presidente do Cremers, Fernando Weber Matos, diz que o órgão abriu uma sindicância. Ele disse que se comprovadas as irregularidades, os profissionais do hospital de Candiota que permitiram a atuação do médico cubano podem ser responsabilizados. O ministério da Saúde já pediu explicações à prefeitura para decidir se o município vai sofrer algum tipo de punição.

Leia também:

Sardenberg pede emprego para que não quer, nem precisa de emprego



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


56 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Vicente

05 de fevereiro de 2014 às 15h27

Lugar de cubano é no posto de saúde, apalpando os pobres, ganhando R$ 1000 por mês.

Responder

Afonso

05 de fevereiro de 2014 às 10h21

A ordem é clara:
Se o médico (?) brasileiro não chegou, está atrasado, marcou ponto e foi embora, faltou, etc…
DEIXA MORRER…É POBRE!

Responder

rociclea soares pimentel

05 de fevereiro de 2014 às 01h45

e…

Responder

Francisco

04 de fevereiro de 2014 às 21h32

Enquanto isso, o médico que se atrasou e deixou de atender, vai receber uma medalha e um “cargo em comissão”…

Os médicos cubanos ainda não entenderam o “espirito da coisa”…

Responder

Vilson Dalprà

04 de fevereiro de 2014 às 15h49

É só alterar nas siglas CRM´s – Conselho Regional de Medicina, para Comércio Regional de Medicina! E Pronto!!

Responder

Sabrina Lehmann

04 de fevereiro de 2014 às 15h42

Aqui em Bagé, município de onde partiu a denúncia e para onde veio o paciente, o reboliço é grande. O paciente veio a óbito, infelizmente. O médico que fez a denúncia não teve o nome divulgado, por que motivo? A secretaria de saúde de Candiota autorizou o chamado do médico cubano, porém corre o risco de ser descredenciada do Programa Mais Médicos! É inacreditável que uma vida dependa de hipócritas juramentados em nome de Hipócrates.

Responder

Gilson Marques evangelista

04 de fevereiro de 2014 às 11h01

Se o médico cubano não tivesse feito o atendimento, a manchete seria que um médico cubano do Mais Médicos estava sendo processado por omissão de socorro.

Responder

    Cristina

    03 de novembro de 2014 às 15h24

    Acertada a decisão da direção do hospital e do médico cubano, pois a omissão de socorro é crime!

FrancoAtirador

03 de fevereiro de 2014 às 20h00

.
.
Entidades representativas dos médicos braZileiros

relegaram o paciente a uma mera formalidade de trabalho.

Hoje às 12h43 – Atualizada hoje às 12h45
Jornal do Brasil

Perseguição aos médicos cubanos continua
Paciente poderia morrer se não recebesse atendimento

Um paciente em estado grave foi atendido por um médico cubano, do programa Mais Médicos, porque o plantonista que deveria estar no Hospital de Candiota (RS) não tinha comparecido ao trabalho.

Por esse atendimento, o médico cubano está sendo acusado pelo Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Sul e pelo Conselho Regional de Medicina de cometer uma “grave” irregularidade e pedirão o descredenciamento do profissional que salvou uma vida.

Com essa atitude, as entidades representativas dos médicos na região de Campanha, onde o fato ocorreu, relegaram o paciente a uma mera formalidade de trabalho.

Os representantes do Conselho Regional e do Sindicato dos Médicos alegam que o cubano não poderia fazer nenhum tipo de atendimento a pacientes em hospitais porque a atuação dos profissionais do Mais Médicos se limita aos atendimentos ambulatoriais.
Nos casos em que há risco de morte, por esse entendimento, o paciente deve morrer ao invés de ser atendido.

De acordo com a administração do Hospital de Candiota, a decisão de chamar o médico cubano foi tomada pelo gerente administrativo do hospital por conta do não comparecimento ao trabalho do médico plantonista.

Segundo o diretor técnico do hospital, Alexandre Davila, o médico cubano solicitado para fazer o atendimento de emergência não prestou nenhum outro tipo de atendimento no hospital.
Sua atuação se restringiu a esse caso devido a ausência do médico que trabalha no hospital.

De acordo com a prefeitura de Candiota, a assistência prestada pelo médico cubano foi autorizada pela Secretaria de Saúde do município porque o paciente se encontrava numa situação de vida ou morte.

O prefeito de Candiota, Luiz Carlos Folador, afirmou que o município cumpre todas leis e normas, mas não pode ser conivente com uma postura que coloca me risco a vida das pessoas.

“A Lei da Vida, a Lei dos Direitos Humanos, estão acima de todas as outras”, disse ele.

(http://www.jb.com.br/pais/noticias/2014/02/03/perseguicao-aos-medicos-cubanos-continua)
.
.

Responder

    Luís Carlos

    03 de fevereiro de 2014 às 21h39

    Mais um tiro na cabeça das entidades médicas, dadas por elas mesmas. Incompetência que transborda pelo corporativismo.

J Souza

03 de fevereiro de 2014 às 19h43

É isso mesmo… Quase tudo que é brasileiro “não presta”!
A mídia brasileira não presta…
Os médicos brasileiros não prestam…
Os bancos brasileiros não prestam…
Os aeroportos, ferrovias e portos brasileiros não prestam…
Os empresários brasileiros não prestam…
Os carros brasileiros não prestam…
O judiciário brasileiro não presta…
Só os eleitores (do PT) prestam!

Responder

    Gilson Raslan

    04 de fevereiro de 2014 às 13h00

    J. Souza, uma coisa como você merece pena. Só isto.

    Eurico

    04 de fevereiro de 2014 às 19h17

    com este comentario, meu caro, vc esta demonstrando que tambem nao eh grande cousa!

    renato

    04 de fevereiro de 2014 às 21h56

    O Brasil presta.
    É excelente.
    O melhor lugar para viver.
    Minha seleção é a melhor.
    O pronto socorro de minha cidade é o maximo.
    Minha presidente é a melhor de todos os tempos.
    O PT é partido politico da situação. Não é oposição.
    A Copa é o maior evento do MUNDO, e nós vamos te-la.
    A vida é maravilhosa…
    Meu filho entrou na Universidade Federal.
    Minha mulher passou no Consurso Publico.
    Meu maior presidente é o LULA.
    Abraços…
    Vem aí as Olimpiadas e DILMA 2014 13.
    O resto é oposição…
    A parte vazia do copo..

    J Souza

    04 de fevereiro de 2014 às 23h02

    Se os petistas no poder são raivosos, rancorosos e agressivos, imaginem quando estiverem na oposição…
    Não toleram críticas. Agem como amargurados. Devem estar contaminados pelo humor da Dilma…

    Fernando

    05 de fevereiro de 2014 às 15h45

    Experimente postar algo contra o PSDB no blog do seu tio rei e ai vc verá o que é ser raivoso

    Jésus Araújo

    11 de fevereiro de 2014 às 19h06

    Bom, pelo que leio por aí, nos comentários na internet, vejo o contrário, o PT não presta, todo petista é corrupto etc. E FHC contribuiu com esta joia acerca das próximas eleições: Qualquer um, menos o PT.

Apavorado por Vírus e Bactérias

03 de fevereiro de 2014 às 19h32

Palmas para o presidente do Cremers, Fernando Weber Matos. Da próxima vez tem que deixar morrer. Deve ser de praxe, né doutor?

Responder

José Souza

03 de fevereiro de 2014 às 18h17

Gostaria de ver os “presidentes” e “conselheiros” dos CRM e CFM fazerem um curso de reciclagem médica em Cuba. Talvez, assim, melhorassem o atendimento e humanização da medicina no nosso país.

Responder

Helenita

03 de fevereiro de 2014 às 17h31

Ah, é bom informar que desse médico que deixou morrer seu próprio filho, NENHUMA LINHA SAIU NA IMPRENSA, e somente os funcionários da noite e os vigilantes ficaram sabendo… Agora, o salvamento feito pelo Cubano causou grande reboliço na imprensa golpista e nas rodas sociais que abrigam os médicos coxinhas.

Responder

claudio vianna

03 de fevereiro de 2014 às 17h26

Vamos supor que o médico fosse americano… Estaria recebendo homenagens do CREMERS e sendo paparicado pela mídia até agora…

Responder

Helenita

03 de fevereiro de 2014 às 17h24

Azenha, aqui em Goiás, na populosa cidade de Aparecida de Goiânia, região metropolitana, um desses médicos coxinhas, de plantão em um CAIS, à noite, estava ali presente, porém deixou de atender um ferido à bala (vítima de assalto) que ali chegara, apesar dos muitos chamados do pessoal de apoio, até que se dignou a aparecer lá na recepção onde o ferido já agonizava, e ali verificou que o ferido era SEU FILHO!
Veja que o rapaz chegara dirigindo seu próprio veículo, embora ferido no peito, o que bem demonstra que havia tempo para ser salvo!
Para piorar, o outro plantonista da noite simplesmente NÃO SE ENCONTRAVA NO POSTO, e isso não é novidade, ao contrário, é a regra absoluta: os médicos se arranjam uns com os outros, de modo que um fica em casa folgado, ou em seus consultórios, enquanto um deles de corpo mole e nariz empinado fica no posto torrando a paciência do pessoal e apoio e deixando os doentes esperarem horas e horas…
Essa é a regra de ouro dos conselhos de medicina, e ai de quem discordar; ai de algum cubano idealista e humanista que ousar quebrar essa regra, mesmo sem querer!!!

Responder

Luís Carlos

03 de fevereiro de 2014 às 17h09

O CREMES deveria apurar responsabilidades do médico que estava no plantão e se “atrasou” bem como do que estava antes dele e saiu sem que o seguinte chegasse.
Aliás, essa “denúncia” cheira mal. Me parece haver algum problema, talvez uma “armação”? Quem chamou o médico cubano para atender?
O que fez a secretaria de saúde? Autorizou? Deve se pronunciar, pois não vimos nada da secretaria municipal de saúde, autoridade sanitária máxima no município até agora. Digo isso, pois todos secretários municipais de saúde sabem que atribuição dos médicos do programa é para atenção básica apenas, visto que tem sido orientados sobre isso. A secretaria municipal de saúde de Candiota não sabia? Ou sabia e autorizou? Se foi isso, deve vir à público e assumir responsabilidade.
O município é pequeno, mas havia apenas esse médico cubano trabalhando naquele momento no município para ser chamado na ausência do plantonista? Nenhum outro?
O médico cubano, se confere o relato, fez o que deveria ser feito. Basta esclarecer os demais participantes dessa história. Médicos do hospital, gestão hospitalar e secretaria municipal de saúde.
O CREMERS? Não me surpreende. Não esperaria postura ética dessa entidade, nem compromisso com cidadãos.

Responder

    Sônia Bulhões

    03 de fevereiro de 2014 às 19h35

    Parece mesmo uma armação de tão surreal.

Leandro_O

03 de fevereiro de 2014 às 15h47

É “Juramento de Hipócrates” ou “juramento de hipócritas”?

Responder

Roberto Locatelli

03 de fevereiro de 2014 às 14h45

Deus me livre da medicina brasileira!

Responder

RicardãoCarioca

03 de fevereiro de 2014 às 14h05

Esse CREMERS deveria saber que a vida humana está acima de tudo na CF, acima de qualquer regra, contrato, portaria, decreto e lei.

Mas, quer ferrar o salvador médico cubano e não os médicos brasileiros, tanto aquele que se atrasou quanto aquele que saiu antes da chegada do outro.

O prefeito da cidade deveria fazer uma pequena homenagem a esse cubano, para alça-lo a exemplo para os demais.

Responder

ricardo silveira

03 de fevereiro de 2014 às 13h41

O médico cubano tem que continuar no “Mais Médicos”, pois o Brasil precisa dele, não há nenhuma dúvida. O médico que não foi ao trabalho tem que dizer o motivo e que seja relevante, senão deve ser demitido do serviço público, pois se trata de um serviço do qual depende a vida das pessoas e não pode ficar na mão de irresponsáveis. O governo tem que criar uma instituição para substituir os CRMs, eles são muito importantes para ficar na mão de médico brasileiro.

Responder

03 de fevereiro de 2014 às 13h30

Gostei do “a nível hospitalar”.

No entanto, a nível de atendimento médico e a nível de burrice, como fica o ilustre “concelheiro” enquanto médico e a nível de ética?

Responder

Gerson Carneiro

03 de fevereiro de 2014 às 13h25

Quem deveria estar sob investigação é o médico que estava na escala de plantão e se atrasou. E também as entidades médicas que deixam pacientes em segundo plano.

Responder

Ricardo Lima

03 de fevereiro de 2014 às 11h59

Este CRM é um lixo! Caso de justiça. Mas, pera aí, e a nossa justiça? Não é um lixo também?!

Responder

    Adriano

    03 de fevereiro de 2014 às 13h28

    O médico cubano foi ético e atendeu uma urgência de risco de morte enquanto seu colega brasileiro estava atrasado para seu trabalho! E ainda o CRM quer “investigar” o médico cubano? Vai investigar o médico brasileiro que atrasou ao plantão? E porque NUNCa investiga os milhões de médicos brasileiros que FINGEM trabalhar as horas contratadas e simplesmente somem dos seus postos de trabalho? Esse CRM é um nojo! Uma vergonha para o Brasil!

augusto2

03 de fevereiro de 2014 às 11h21

É surreal…mas no final a luz, o bem triunfam.
O principio de humanidade profunda e irredutivel em q foram educados os medicos cubanos é como a LUZ.
Ela simplesmente BRILHA, nao ocupa espaço – porem acaba ocupando-os – entra por qualquer fresta e é sempre benvinda.
nao tem problema. Que Tarso e Dilma se documentem sobre isso – e em setembro na campanha mostrem na TV. Não tem erro.

Responder

Guillermo

03 de fevereiro de 2014 às 10h56

O que é isso? E o juramento, são só palavras bonitas para o dia da formatura? É xenofobia contra o médico ou preconceito contra o paciente?

Parabéns ao prefeito de Candiota e ao Médico Cubano.

Responder

Dudu Cartucho

03 de fevereiro de 2014 às 09h49

É cada coisa! Essas panelas médicas estão acabando com a reputação dos médicos junto à sociedade.

Responder

Claudio J. Foschiera

03 de fevereiro de 2014 às 09h34

O CREMERS têm que cumprir sua função tudo bem.Mas o que têm que fazer no final é dar uma medalha para o Cubano.

Responder

Beto Sao Pedro

03 de fevereiro de 2014 às 08h14

Para o Conselho Regional de Medicina o medico cubano deveria deixar e paciente morrer? Para ser acusado de omissao de socorro? Eu nao acredito que o MS vai dar guarida a esta cafagestada da mafia de branco gaucha.

Responder

Rodrigo Leme

03 de fevereiro de 2014 às 07h23

Ah, o país da burocracia…parece um filme de ficção científica: policial não pode socorrer ferido, médico de posto não pode salvar vida. Vamos bem assim.

Responder

    Apavorado com a cara-de-pau humana.

    03 de fevereiro de 2014 às 11h56

    Oi Rodrigo, sosu sua fã. Estava com saudades de sua incongruência intelectual. Mas melhorou, hein?! Algum dia ainda se filia ao PT (pro PSTU ainda falta)

    Marcus Vinicius

    03 de fevereiro de 2014 às 12h59

    apesar de nossas divergências, eu endosso sua opinião…

    Aline C. Pavia

    03 de fevereiro de 2014 às 15h06

    Após a Corregedoria da PM de SP proibir o socorro de feridos por policiais, o número de mortes após ocorrência policial caiu 41%.

    Trabalhador Brasileiro

    04 de fevereiro de 2014 às 18h08

    Oi amor!!! voltou né zoiudo.

    Tava com saudades.

    Beijos

Ed.Lima

03 de fevereiro de 2014 às 07h00

O Código de Ética Médica define que qualquer EMERGÊNCIA(RISCO IMINENTE DE MORTE,qualquer Médico,independentemente de Cargo ou Função,está OBRIGADO a intervir,sob pena de OMISSÃO DE SOCORRO.O resto é POLITICAGEM!

Responder

Aleilton Fonseca

03 de fevereiro de 2014 às 01h19

Que coisa mais “engraçada” ! O médico atrasado fica de boa – e o médico cubano que atendeu o paciente, e provavelmente salvou-lhe a vida, pode ser simplesmente PUNIDO. O jeito é rir… para não chorar.

Responder

Miguel Matos

02 de fevereiro de 2014 às 22h48

Se o médico cubano tivesse se recusado a atender o paciente, seria execrado por omissão de socorro. O que será que a população atendida por ele acha desse caso?

Responder

    Apavorado com a cara-de-pau humana.

    03 de fevereiro de 2014 às 11h59

    a lei brasileira diz que o funcionário deve atender todas as ordens do chefe, menos a manifestamente ilegal. A ordem não estava manifestamente ilegal. Qualquer estudante de direito pode fazer a defesa deste médico que vai ganhar.

    Heitor

    03 de fevereiro de 2014 às 13h03

    Num país onde o direito não é seguido por seus juízes ou legisladores? Difícil cara!! Nem que a defesa seja melhor que Nelson Hengria. As cartas já foram escolhidas e estão marcadas desde 2003!

FrancoAtirador

02 de fevereiro de 2014 às 22h30

.
.
E o médico plantonista

que praticou o crime,

por negligência,

nem o nome publicado.

E$$es $ão os Valore$

da Globo e do SIMERS.
.
.


http://www.simers.org.br
.
.
Leia-se:

ENQUANTO UNS MÉDICOS SALVAM AS PRÓPRIAS VIDAS

O SIMERS GARANTE PROTEÇÃO AO BOLSO DELES.
.
.

Responder

lidia virni

02 de fevereiro de 2014 às 22h29

Devemos invadir o site ou e-mail do CREMERS e fazer a eles a pergunta, nada idiota muito pelo contrário) do André. é evidente que o corporativismo e o espírito reacionário anticubano falarão mais alto.
E esse diretor do Hospital, por que convovou o cubano? Por que sabe que só eles estão sempre de prontidão para prestar solidariedade ou faz parte de um complô para sacanear os médicos cubanos? É preciso investigar tudo a fundo.
Nossa solidariedade ao Médico cubano!

Responder

luiz carlos

02 de fevereiro de 2014 às 21h43

E a vida?Eles,os médico,não fazem juramentos para salvar vidas?O paciente corria risco de vida?Então,quem chamou o médico Cubano estava certo de suas obrigações assim como o médico Cubano de atender um chamado de vida ou morte.A vida tem que estar acima da lei.Todos ao ato dos 50 anos contra a ditadura.

Responder

André

02 de fevereiro de 2014 às 21h38

Só uma perguntinha idiota, será que o CREMERS vai abrir uma sindicância para apurar o atraso do médico que estava de plantão?

Responder

    Rafael Leite

    02 de fevereiro de 2014 às 22h49

    Ia fazer a mesma pergunta.

    Sergio Silva

    02 de fevereiro de 2014 às 23h16

    Nunca, eles ainda vão forjar um atestado médico para justificar o atraso.

    maria Quinet

    03 de fevereiro de 2014 às 01h34

    Boa pergunta! Outra pergunta: Se é pronto socorro o médico plantonista não deveria estar ali de plantão? Que atraso é esse? Plantão domiciliar? Se era uma troca de plantão o que estva não poderia sair sem que o outro chegasse, não é não?
    Que venham mais milhões de médicos cubanos (humanos) para abaixar a crista dos que só se formaram pelo título de doutor e classe social, que muitos nem doutorado fizeram para usar o título.

    francisco niteroi

    03 de fevereiro de 2014 às 09h42

    CLARO que vai abrir e a data já está amrcada: 30 de fevereiro

    Luiz Rogerio

    03 de fevereiro de 2014 às 12h34

    Claro eu não. Afinal o médico atrasado paga sua contribuição ao CREMERS, ela vai ficar sem essa graninha???


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!