VIOMUNDO

Diário da Resistência


Cláudio Oliveira: Como Sardenberg e Miriam Leitão venderam ao Brasil a falsa ideia de uma Petrobrás quebrada
Denúncias

Cláudio Oliveira: Como Sardenberg e Miriam Leitão venderam ao Brasil a falsa ideia de uma Petrobrás quebrada


27/12/2017 - 17h29

Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Ex-economista da Petrobrás denuncia que é falsa a crise na empresa e que ela foi criada para justificar venda de ativos

Por Davi de Souza, no PetroNotícias (reprodução parcial)

Muito se fala que a situação de caixa da Petrobrás está delicada, o que serve de argumento para que a estatal empreenda uma verdadeira liquidação de ativos, subsidiárias e participações em importantes projetos, numa espécie de privatização branca.

Mas de acordo com o economista aposentado da própria estatal, Cláudio Oliveira, o cenário das finanças da Petrobrás não é nada catastrófico, como vem sendo alardeado nos últimos anos.

“A mentira foi espalhada por todo o Brasil, conquistando a opinião pública, principalmente com o surgimento dos impairments, as perdas geradas pela reavaliação do valor recuperável de ativos, lançados no balanço, causando elevados prejuízos contábeis. Não que a prática estivesse totalmente equivocada, mas levou muitos leigos a entender que realmente a empresa tinha problemas financeiros quando, na realidade, são ajustes contábeis que não afetam o caixa da companhia”, detalhou Oliveira.

O economista explicou que a Petrobrás é uma empresa com grande capacidade de geração operacional de caixa acima dos US$ 25 bilhões, nos últimos cinco anos.

“Só por estes números é possível afiançar que a Petrobrás, que tem uma dívida liquida inferior a US$ 100 bilhões, não tem problemas na sua administração e portanto não existe necessidade de se desfazer de ativos”, acrescentou.

Como o senhor avalia a estratégia de desinvestimentos da Petrobrás?

Para entender melhor, é preciso voltar um pouco no tempo.

Na última Assembleia Geral de Acionistas (AGE) da Petrobrás, realizada nesta última sexta-feira (15), a Associação dos Engenheiros da Petrobrás (AEPET), na qualidade de acionista minoritário, e exercendo seu direito de fiscalização, se posicionou totalmente contrária ao atual plano de desinvestimentos.

Lembrou que quando Pedro Parente era presidente do Conselho de Administração da Petrobrás (1999/2003), foram tomadas diversas decisões contrárias aos interesses da companhia, como a venda de 36% das ações da empresa na Bolsa de Nova Iorque a preço vil, e iniciado um processo de privatização da empresa, que quase teve o seu nome mudado para Petrobrax.

Em seu voto, a AEPET denuncia que o atual plano de desinvestimentos já causou perdas de R$ 200 bilhões à Petrobrás.

O fato é que, após a descoberta do pré-sal, a empresa passou a ser o principal objeto da cobiça das grandes petroleiras mundiais, que se encontram em situação de penúria, com acentuada queda de suas reservas e receitas.

Para se manter equilibrada na bolsa de valores, a Chevron, que em 2016 apresentou um prejuízo de US$ 500 milhões, efetuou distribuição de dividendos de US$ 4 bilhões.

A Exxon, maior petroleira mundial, apresentou um lucro de US$ 7 bilhões, mas fez uma distribuição de US$ 12 bilhões em dividendos.

Pasmem, estas empresas estão pegando empréstimos para pagar dividendos. É um suicídio financeiro.

Esta situação das grandes petroleiras é o pano de fundo de tudo que ocorre hoje na Petrobrás. Para elas, o pré-sal brasileiro é a tábua de salvação. A única esperança visível.

Algumas revelações mostraram a forte interferência.

O jornalista Glen Greenwald noticiou a negociação do governo Temer para entrega do pré-sal e da Petrobrás para o cartel multinacional.

Tivemos as conversas de Serra com a Chevron detalhadas pela Wikileaks.

Mais recentemente, vimos a revelação do jornal britânico Guardian sobre o lobby montado pela Shell, dentro do governo brasileiro, para a elaboração de leis absurdamente favoráveis ao cartel.

O lobby gerou a MP 795/2017, uma renúncia fiscal de R$ 40 bilhões por ano ou R$ 1 trilhão em 25 anos, além da liberação do conteúdo local, transferindo empregos e renda que seriam criados no Brasil para o exterior.

No Brasil, estas grandes petroleiras ganharam também o apoio de importante parte da mídia, que há vários anos trabalha para desmoralizar a Petrobrás e o pré-sal.

Em 2008, Carlos Alberto Sardenberg em artigo dizia: “O pré-sal só existe na propaganda do governo”, esclarecendo que em diversas partes do mundo este tipo de área havia sido pesquisado sem sucesso.

Em 2009, Miriam Leitão reconheceu “O pré-sal existe mas a Petrobrás não tem tecnologia para retirar petróleo nestas profundidades”, e concluía dizendo que a Petrobrás precisaria de apoio tecnológico de outras petroleiras.

A Petrobrás desenvolveu suas tecnologias sem apoio externo e mostrou ser possível extrair petróleo no pré-sal.

Em 2011, Miriam Leitão dizia que a Petrobrás podia retirar petróleo no pré-sal, mas o custo era muito alto. O negócio era economicamente inviável.

A Petrobrás desenvolveu novas tecnologias, ganhou muitos prêmios internacionais e diminuiu o custo de extração a um nível que nenhuma grande petroleira conseguia chegar.

Viabilizou o negócio. Evidentemente, este fato criou um pânico na mídia.

E agora, o que fazer ?

Mas em 2015, com uma elevada oscilação cambial, a dívida da Petrobrás em reais cresceu muito e serviu de motivo para a criação da mãe das mentiras: “A Petrobrás tem sérios problemas financeiros. Tem uma dívida impagável”.

A mentira foi espalhada por todo o Brasil, conquistando a opinião pública.

Problemas financeiros? Então vamos dar uma olhada nos dados dos últimos cinco (2012/2016) balanços auditados e publicados pela empresa:

                                                                       2012    2013    2014   2015    2016
Saldo de caixa (bi de dólares)                 13,52    15,876   16,66    25,06   21,20
Geração Operacional de Caixa                27,04    26,30    26,60   25,90   26,10
Liquidez Corrente                                       1,7         1,5          1,6         1,5        1,8

Não é preciso ser analista de balanços para verificar que uma empresa com estes números não tem, nem nunca teve, problemas financeiros.

No final de abril de 2016, Carlos Alberto Sardenberg publicou um artigo divulgado em todo o Brasil pelas afiliadas da Globo, com a seguinte afirmativa: “Quebraram a estatal. A Petrobrás só não fez ainda um acordo judicial porque é uma empresa estatal. Mas para sobreviver vai precisar de recursos do tesouro”.

O que ocorreu foi exatamente o inverso.

No final de 2016, a Petrobrás adiantou R$ 20 bilhões para o BNDES, aliviando o caixa do banco.

Ao mesmo tempo, um crédito de R$ 16 bilhões que a empresa tem junto à Eletrobrás é mantido em “banho maria”.

Mesmo assim, a companhia terminou o ano com mais de US$ 20 bilhões em caixa.

Naturalmente, Carlos Alberto Sardenberg não se retratou, e o que ficou como verdadeiro para a opinião pública brasileira foi sua falsa e irresponsável notícia.

Mas a imagem da Petrobrás ficou ainda mais abalada depois das revelações da Lava Jato, mostrando o envolvimento de chefes partidários (PT e PMDB) com funcionários da empresa num processo de corrupção envolvendo altíssimas quantias.

É claro que entendemos que todos os responsáveis pelas falcatruas devem ser punidos e, se possível, os recursos roubados devolvidos para a empresa.

O que não podemos aceitar é que estes fatos sirvam para acobertar erros ainda maiores.

Juntaram-se a tudo isto, as revelações da delação da JBS, incriminado o presidente Temer e principalmente Aécio Neves.

Foi a gota d’água para a desesperança dos brasileiros que não acreditam em mais nada.

Tudo uma grande desgraça para a nação brasileira, mas uma grande oportunidade para os vendilhões-da-pátria que se aproveitaram da situação para atuar praticamente sem nenhuma contestação.

O estratégia de desinvestimento da Petrobrás tem por objetivo transformá-la numa empresa insignificante.

Todos sabem da importância das petroleiras manterem atividades integradas (do poço ao posto). Assim, atuam todas as grandes petroleiras do mundo.

O preço do petróleo é muito oscilante e quando a empresa não pode lucrar com o óleo, lucra com o refino ou o transporte.

Durante a guerra do Golfo, por exemplo, o preço do transporte se tornou três vezes mais caro que o preço do petróleo.

Uma empresa só vende ativos lucrativos por extrema necessidade de caixa.

O que não é o caso da Petrobrás. Pelo contrário.

Hoje a Petrobrás está vendendo ativos que rendem mais de 20% ao ano (NTS, Liquigás, Gaspetro etc.) para antecipar amortização de empréstimos que custam 7% ao ano.

Que lógica é esta?

Uma empresa que mantém em caixa mais de US$ 20 bilhões. Pior ainda.

As vendas estão sendo feitas a toque de caixa, sem licitação e a preço de banana, como já denunciado por diversas entidades (Febrageo, Asmirg, Aepet etc. )

Portanto, a política de desinvestimento da Petrobrás é uma parte deste processo de entrega do pré-sal e desmonte da petrolífera brasileira.

É parte do plano de ação de um governo de colonizadores, que só pensa em explorar o país e seu povo.

Em nenhum momento, pensa no seu desenvolvimento.

PS do Viomundo: E, como a Globo prazeirosamente noticiou em dezembro de 2013, a Petrobrás tinha 32% de chance de falir, segundo a consultoria estadunidense Macroaxis.

O petróleo do pré-sal só existe na campanha do governo

qua, 03/09/08

por Carlos Alberto Sardenberg |categoria Economia

Fala-se do petróleo do pré-sal como se fosse a maior moleza. Para Lula, em um ano, é possível que em um ano a exploração esteja em fase comercial, em larga escala. A ministra Dilma Roussef diz que se encontrou óleo “atrás do galinheiro”.

E os fatos? Iniciou-se uma produção experimental em um campo, o de Jubarte, que é uma circunstância muito especial. Ali, o petróleo do pré-sal está bem abaixo de um poço, digamos, normal. A camada de sal perfurada é de apenas 250 metros e a jazida fica a 70 quilômetros do litoral.

Já no Campo de Tupi, o único para o qual a Petrobras fez uma estimativa de reservas (de 5 bilhões a 8 bilhões de barris), a jazida está entre 5,5 e 7 quilômetros de profundidade, e a camada de sal a ser perfurada chega a 2 mil metros.

Hoje, a Petrobras tem tecnologia garantida para chegar a poços localizados a até a 3 mil metros de profundidade. Para mais, ainda precisa desenvolver tecnologia.

Não é impossível, mas é um enorme desafio, dizem os técnicos da Petrobrás. E o custo é altíssimo, cerca de US$ 1 milhão ao dia só para pesquisar e procurar.

Ou seja, não está atrás do galinheiro, nem vai ter produção em larga escala daqui a um ano.

Acreditar que o óleo está na mão é como acreditar que o Brasil á auto-suficiente em petróleo, mesmo com um déficit de US$ 5,5 bilhões neste ano na conta de óleo e combustíveis.

A auto-suficiência foi tema da campanha de 2002. O pré-sal já é de 2010.

Enterrar de novo o populismo

POR CARLOS ALBERTO SARDENBERG 28/04/2016

Os governos petistas sempre tiveram como meta fortalecer as estatais como o melhor meio de combater as propostas de privatização, reais ou imaginárias. Importante esta última ressalva porque, a rigor, privatizar a Petrobras nunca entrou na pauta política brasileira.

Mas isso não importava. Defender as estatais, eis o discurso básico do PT. O partido também procurou desmontar a tese implantada no governo FH, segundo a qual as companhias públicas deveriam ser administradas profissionalmente, quase como se fossem privadas, por executivos e quadros técnicos do setor.

Isso, dizia Lula, era neoliberalismo. Seria colocar as estatais a serviço do mercado e dos interesses privados.

Vai daí, as estatais deveriam ser administradas pelos quadros partidários, pelos companheiros, para que fossem encaminhadas na direção correta.

Essa direção era: ampliar as atividades e o alcance das estatais; objetivos políticos e sociais eram mais importantes que lucros ou valor de mercado; comprar e contratar no mercado nacional, mesmo que a preços mais caros.

Fizeram isso, com requintes de populismo, como o de entregar a administração de recursos humanos da Petrobras a representantes dos sindicatos de petroleiros.

Quebraram a estatal. Vamos falar francamente: a Petrobras só não está em pedido de recuperação judicial porque é estatal. Todo mundo espera que, em algum momento, o governo imprima dinheiro para capitalizar a empresa.

A companhia tem problemas em todos os lados, inclusive de excesso de pessoal e de pessoal mais bem remunerado que no mercado. (Aliás, a ideia era exatamente essa).

A Petrobras não quebrou apenas por corrupção. A causa maior é a péssima administração, consequência daqueles “princípios” estatistas.

Por isso estamos falando do assunto. O estatismo tem sido dominante entre nós. E ainda hoje, muita gente partilha daquelas ideias implantadas pelo PT. Diz esse pessoal: a coisa saiu mal por causa da incompetência dos governos Lula e Dilma, e não porque a tese seja errada.

Esse é o grande risco que corremos. O modelo populista está errado, a doutrina estatista é origem do fracasso. Nem um gênio da gestão empresarial conseguiria evitar o desastre da Petrobras nesse processo em que foi lançada por Lula.

Vai daí que será preciso aproveitar a oportunidade para fazer o contrário, em tudo. Citamos mais a Petrobras porque é o caso mais notável. Imaginemos uma teoria conspirativa: um presidente neoliberal que tivesse a ideia macabra de quebrar a Petrobras para poder fechá-la e, assim, coloca-se uma equipe talhada para produzir o desastre.

Pois não teria conseguido fazer o que a gestão petista aprontou.

Hoje, por exemplo, seria impossível privatizar a Petrobras — a menos que se vendesse a preço de banana. E por falar nisso, a ação da Petrobras não está mesmo valendo menos que um cacho de bananas?

Mas é possível — e absolutamente necessário — vender pedaços da Petrobras e privatizar um monte de ativos. E o que sobrar deve, sim, ser administrado por quadros do mercado, com regras de gestão privada.

O presidente da companhia também deveria ser procurado no mercado, inclusive no mercado internacional. Qual o problema de se colocar um executivo chinês ou norueguês tomando conta da Petrobras, conforme programas aprovados pelos conselhos?

Isso vale para as demais estatais quebradas, como a Eletrobras.

E mais um programa de privatização não envergonhada. Quando percebeu que não tinha mais dinheiro nem competência para arrumar aeroportos, estradas, portos etc., o governo petista resolveu concedê-los à iniciativa privada. Mas como era feio privatizar, colocaram um monte de regras que tornaram o negócio menos atraente e mais caro para os concessionários.

Por isso, isso andou mal.

Fazendo o contrário, aqui há uma hipótese de rápida retomada de negócios. Muitas empresas médias, nacionais e estrangeiras, estão prontas para tomar o negócio das empreiteiras apanhadas na Lava-Jato. O que não funciona é privatizar e dizer que o concessionário não pode ganhar dinheiro ou só pode ganhar quanto o governo autorizar.

Tudo isso vale também para os bancos públicos. Todo o mercado desconfia que estão em situação pior do que no final dos anos 90, quando o governo FH precisou colocar um monte de dinheiro no BB e na Caixa.

A contrapartida foi a gestão profissional nesses bancos, também desmontada pelos governos petistas. Quebraram de novo.

A tristeza disso é que os governos Lula/Dilma estragaram o que estava pronto e funcionando. O que traz um certo ânimo é que sabemos o que precisa fazer: é só repetir a combinação privatização/profissionalização/equilíbrio das contas públicas.

O país já havia conseguido enterrar o populismo estatizante. Ressuscitou. Agora é preciso corrigir o desastre e colocar esse populismo numa cova bem profunda, em algum cemitério privado, claro.

Leia também:

Entregar a Embraer é coisa do candidato Meirelles, diz historiador

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



17 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Nelson

30 de dezembro de 2017 às 12h22

A grande mídia – ou grande imprensa, já que há algumas décadas atrás não se pronunciava a palavra mídia – nunca teve compromisso algum com as necessidades do povo brasileiro e os interesses do país.

A grande mídia sempre foi elitista e vende-pátria. Sua única prioridade sempre foi o lucro próprio e os lucros da elite que defendia. Jornalismo, ética e verdade? Desde que não atrapalhassem o fluir dos lucros, ou seja, nunca existiram, de fato, nesse meio.

Daí que, com o último golpe desferido contra o país e o povo brasileiro, essa grande mídia conseguiu se tornar ainda mais podre do que já era. Podridão elevada à enésima potência.

Responder

Marcio Ramos

28 de dezembro de 2017 às 21h59

E no voto nada muda bando de frouxos…

Responder

    leonardo-pe

    31 de dezembro de 2017 às 16h22

    então qual é a solução? apresente uma!

[email protected]

28 de dezembro de 2017 às 18h40

A falta que faz o jornalista Aloysio Biondi que desconstruía ao vivo as asneiras e idiotices desse senhor. De quebra sobrava também para o água de salsicha MIlton Jung.

Entrevista de Agosto de 1997 – http://www.aloysiobiondi.com.br/spip.php?article54:

Aloysio Biondi: A imprensa fez uma lavagem cerebral. Passou dois anos dizendo que o Estado era ineficiente, um cabide de emprego. Na verdade ela preparou tudo para a implantação da política de abertura de mercado e privatização. Aí nós assistimos passivamente o seguinte: o FHC vai a Curitiba e anuncia um empréstimo de 1 bilhão e 200 milhões do Banco Mundial. Depois o ministro Klein diz que a iniciativa privada vai gastar cerca de 100 milhões para obras complementares e pedágios. Ou seja, nós vamos pagar o empréstimo com o Banco Mundial e os caras que gastam um décimo disso vão explorar o pedágio. O Estado brasileiro não tem dinheiro por causa do pacto que existe entre nossos governantes e os grandes grupos econômicos. O problema é que a gente não tem memória.

Responder

Rik Zimmerman

28 de dezembro de 2017 às 14h06

O golpe teve 3 objetivos principais:

1 – Vender os ativos brasileiros, privados e públicos, para as empresas dos EUA e Norte da Europa [Medida aplaudida pelos vira-latas adoradores de loiros de olhos claros e pele rosada].
2 – Destruir os direitos trabalhistas e sociais. [Medida aplaudida pela classe média alta, que agora pode contratar trabalhadores a preço de banana e sem pagar direitos]
3 – Tirar o Brasil da esfera de influência Sino-russa e seus planos de abandonarem o dólar.

Responder

EDSON PLAZZA

28 de dezembro de 2017 às 10h13

Esse cretino deveria ter o mesmo destino que o Waack. Era o seu papagaio de pirata. Sujeitos como esse deveriam
serem processados apos um governo progressista assumir em 2019

Responder

    Mark Twain

    28 de dezembro de 2017 às 20h58

    Falou e disse! :)

Roman Boschilla

28 de dezembro de 2017 às 00h56

É fácil convencer o brasileiro que tudo o que tem aqui não presta e que é melhor entregar nossas riquezas para os “superiores” anglo-saxões.
O projeto de vira-latismo sempre foi essencial às elites brasileiras.
NÓS BRASILEIROS SOMOS UM POVO ESCROTO!! Um povo escroto que vai levar meio século para mudar. E por que o bostileiro é escroto? Nós bostileiros somos escrotos porque adoramos lamber quem está por cima e pisar em quem está por baixo. Parece sadismo de ex-escravo que subiu na vida e virou capitão do mato. Lambe o saco do feitor e maltrata o pobre. O feitor lambe o saco do fazendeiro e maltrata o capitão do mato. E assim vai. Lambendo e sendo subserviente com quem está por cima e maltratando e tratando igual cachorro quem está por baixo. Nós brasileiros também somos escrotos porque nos odiamos. Odiamos o fato de sermos miscigenados e não loiros de olhos claros. Falam por aí que bostileiro é acolhedor com quem vem de fora, hospitaleiro. O caraio! Nós brasileiros somos hospitaleiros e lambemos o saco de loiros de olhos claros de países do norte. Gente de olhos e cabelos pretos de pele escura a gente maltrata e recebe mal. Brasileiro adora pagar pau para gringo de olho claro e de país rico. Bostileiro tem ódio de si mesmo porque é miscigenado. Só ter a pele um pouco mais clara que se declara como branco, mesmo tendo cara de preto misturado com índio. Brasileiro adora lamber o saco rosado de nórdicos. Só chegar um loirinho falando com sotaque que o bostileiro se ajoelha e pede para ser pisado. Bostileiro também é moralista hipócrita. Adora posar de defensor da moral em público enquanto faz coisas do arco da velha entre quatro paredes. Em público fala “Porque esse kit gay quer transformar nossas crianças em depravados seguindo essa ideologia de gênero de satã”, mas só ficar entre quatro paredes que já procura uma transex para fazer um rala e rola. Entre quatro paredes é só “Aii que delíciaaa!!”. Bostileiro também adora aparecer. Quer ter coisas para poder aparecer. Nós brasileiros temos pavor de sermos chamados de jecas. Então o negócio é sempre. Não tem casa própria, mas tá lá se matando para pagar um carro. Porque sabe como é… não quer parecer pobre, jeca… não quer parecer escravo. Tem de mostrar que está no nível do senhor de engenho e não no nível do escravo. Disso para ficar repetindo discurso falso moralista de classe média alta ou arriar as calças para a elite é um pulo.
Ou seja, nós bostileiros adoramos maltratar quem está em situação de fragilidade social; nos odiamos por sermos miscigenados e não loiros de olhos azuis; nós brasileiros adoramos puxar o saco de quem está numa posição de superioridade social e repetimos os mesmos discursos para não parecermos jecas; somos falsos moralistas, sempre pagando de beatos tementes a Deus enquanto fazemos entre quatro paredes aquilo que condenamos em público; adoramos apontar o dedo para julgar os outros só para mostrarmos que somos santos; bostileiro adora jogar a primeira pedra; bostileiros têm pavor de parecerem jecas, escravos, pobres… quer posar de por cima da carne seca. Ou seja, dane-se o bem público, o que importa é poder mostrar que tem e que é melhor do que os outros. Bostileiro adora ostentar, principalmente o que não tem.
Bostileiro vai ter de levar mais uns 50 anos de pancada na lomba para aprender o básico sobre igualdade, bem comum e democracia.

Responder

    Ricardo Maziatto

    28 de dezembro de 2017 às 13h53

    “Bostileiro”

    Melhor termo para definir o povo daqui.

    Fica a par com “Sojil” ou “Bananil” para definir o país

    lucas

    28 de dezembro de 2017 às 15h30

    Olha, pode me chamar de bostileiro ou oque for! Mas tirando a parte do traveco, é bem isso mesmo oque penso, NAO DESEJO SER IGUAL A TODO MUNDO, desejo ser MELHOR QUE TODO MUNDO! Se pudesse escolher como nascer, pq nao loiro de olhos claros? É a raça mais bonita mesmo. Quem quer se parecer com escravo? Quero ser o patrão. E não o empregadinho!

    leonardo-pe

    29 de dezembro de 2017 às 16h33

    Rapaz: Só ASSINO EMBAIXO! concordo 150% com o texto! povo hipócrita desse, só sendo humilhado pela grande imprensa ao vivo para tomar consciência do que é! bostileiro, fuleiro(aqui em Pernambuco é o mesmo que”sacana”) e por ai vai.

leonardo-pe

27 de dezembro de 2017 às 23h22

uma mentira dita várias vezes, se torna verdade. como nossa sociedade aplaude essa imprensa de pé, entrou no conto do vigário. mas prefere por a culpa no PT,Lula e Dilma!

Responder

Messias

27 de dezembro de 2017 às 21h54

Esse e o tal do Merdal são dois que eu um dia quero encontrar em uma esquina.

Responder

Euler

27 de dezembro de 2017 às 21h35

A pergunta é: não existe um meio jurídico dos sindicatos dos petroleiros e demais cidadãos interessados ingressarem com uma ação contra a Globo e seus articulistas que mentiram para o povo brasileiro, cobrando reparo financeiro bilionário pelo estrago causado? E divulgar essa ação na rede e mundialmente para desmoralizar de vez esses canalhas que estão a serviço dos piores interesses?

Responder

    leonardo-pe

    27 de dezembro de 2017 às 23h21

    dou uma resposta caro Euler: TODOS TEM MEDO DA GLOBO! E NÃO SÓ DA GLOBO. MAS DA IMPRENSA! criticar imprensa no brasil é um assunto MAIS DO QUE INCOMODO. não é a toa que eles DEBOCHAM DA NOSSA CARA todos os dias! pra piorar, nossa sociedade ainda ajuda essa gente. nosso destino é a falência.

    Maria Meneses

    28 de dezembro de 2017 às 16h59

    Sim e já o fazem há muito tempo o problema é quem dá a sentença ? O judiciário certo ? e aí voltamos ao mesmo lugar.l Temos uma elite EN TRE GUIS TA. Simples assim.. Ao povo somente resta a conscientização- difícil não é ? Mas não desistimos.

robertoAP

27 de dezembro de 2017 às 18h11

Nos anos 50, o casal Rosemberg nos USA, foi preso,julgado e condenado à morte, por vender alguns segredos militares aos russos, nada nem de longe parecido com o casal não casado da globo, que continua fazendo de tudo para prejudicar o Brasil,em qualquer frente.
Os Rosemberg foram ambos executados na cadeira elétrica poucos anos depois.
O casal global ficaria perfeito sentadinho numa cadeira quente, se o nosso país fosse minimamente sério, e as pessoas dos 3 Poderes fossem minimamente patriotas e honestas……, o que não acontece.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.