VIOMUNDO

Diário da Resistência


Capitalização do Guedes dá R$ 3 tri aos bancos em 35 anos
Denúncias

Capitalização do Guedes dá R$ 3 tri aos bancos em 35 anos


21/05/2019 - 22h35

Capitalização condena aposentado a viver na miséria, comprova estudo

Documento da Unafisco aponta que regime de capitalização abre espaço para que aposentados recebam benefícios abaixo do salário mínimo vigente

Rafael Noronha, PT no Senado

Estudo da Associação dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil Associação Nacional (UNAFISCO) apresentado nesta segunda-feira (20) na Comissão de Direitos Humanos (CDH) mostra que o regime de capitalização proposta pelo governo Bolsonaro no âmbito da reforma da Previdência (PEC 6/2019) abre a possibilidade de o trabalhador receber menos de um salário mínimo mensal como aposentadoria.

De acordo com a proposta do governo, um trabalhador precisará contribuir com o sistema por 40 anos para ter direito a receber o teto do Regime Geral de Previdência Social (RGPS).

Simulações realizadas pela Unafisco baseadas nas regras exigidas pela PEC e apresentadas por Mauro José Silva, diretor de defesa profissional e assuntos técnicos da UNAFISCO, mostram que após 40 anos de contribuição no regime de capitalização, com a dedução do banco após o período de investimento, o trabalhador receberá aproximadamente um quarto do valor investido.

“Eu não estou dizendo que no Chile é assim. Estou dizendo que a matemática financeira é assim. É isso que vai acontecer. Você vai contribuir com um valor e vai receber um quarto desse valor como aposentadoria, qualquer que seja o valor dentro do limite da tabela do Regime Geral de Previdência Social”.

Assim, o benefício recebido pelo aposentado pode ser inferior a um salário mínimo mensal. “[O regime de capitalização] sem participação do empregador e com a participação da instituição financeira é um fracasso. É condenar o trabalhador a viver na miséria”, disse Mauro.

Ele ainda alertou para o fato de a proposta de reforma da Previdência do governo prever apenas o pagamento de aposentadorias com base na expectativa de sobrevida média calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Nela, um trabalhador que se aposentar aos 65 anos de idade viveria até os 84 anos.

Segundo Mauro, a PEC 6 não prevê cobertura para uma sobrevida maior e nem pensão por morte, por exemplo. Assim, o aposentado que viver além dos 84 anos poderá ficar sem recursos a receber pelo regime de capitalização.

“Seria necessário criar outras fontes de financiamento para pensões por morte e risco de sobrevida superior aos 84 anos”, alertou.

Na avaliação do senador Paulo Paim (PT-RS), presidente da CDH, a capitalização é o ponto mais importante da reforma da Previdência proposta por Bolsonaro.

“Isso é importante destacar. Um casal de idosos em que o homem trabalha e a esposa cuida da casa, como é em muitos domicílios no País. Se um morrer, o outro fica sem nada. Ou se o aposentado que viva além dos 84 anos, também fica sem nada. Esse é o ponto mais delicado, mais polêmico. E merece um debate aprofundado. Para mim esse é o problema número um da reforma”, destacou o senador.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Lauro E

22 de maio de 2019 às 15h13

Caro João Lourenço, realmente é bom se informar, o que a Associação dos Auditores afirma é que só com a capitalização os bancos vão levar 490 milhões, ou vc acha que os bancos não vão cobrar mais juros pelos títulos do governo. Aliás, quando da discussão da proposta chamaram os banqueiros e não os trabalhadores.

Responder

João Lourenço

21 de maio de 2019 às 23h46

Senador ,o senhor é muito mal informado .Procure somar o que FHC ,Lula e Dilma deram em lucro para os bancos a soma de seus governos ?Seja um pouco mais inteligente ,pois o povo não é mais burro e nem todos petistas

Responder

    Jairo Gomes Viana

    22 de maio de 2019 às 13h54

    os bancos tem lucro desde que foram inventados, No governo FHC os bancos tiveram lucro devido a especulação financeira e os vários empréstimos que o governo FHC buscou nos bancos privados, além de juros altos e dólar nas alturas. Já no governo Lula e Dilma foi devido aos investimentos que o governo proporcionou nas áreas sociais, como o empréstimo consignado, abrindo milhões de linhas de créditos para aposentados, pequenos, médios e grande empresários. Também tivemos o Minha Casa Minha Vida criando várias linhas de crédito par construção de casas. A economia girava e empréstimo bancário significa lucro para os bancos. A explanação do senador diz respeito a capitalização em que os bancos vão ganhar e penalizar os aposentados. Um trabalhador assalariado se poupar R$ 100,00 vai no máximo juntar R$ 1.200,00 num ano. Em 40 anos poupara R$ 48.000,00 mais juros para viver o resto da vida.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.