VIOMUNDO

Diário da Resistência


Acusada de sequestrar criança indígena, Damares usa revista para mudar de assunto
Valter Campanato/Agência Brasil
Denúncias

Acusada de sequestrar criança indígena, Damares usa revista para mudar de assunto


09/02/2019 - 12h39

Damares usa Ministério dos Direitos Humanos como arma política

Autoproclamada “defensora da vida”, Damares deveria responder: quanto vale a dor física e psicológica de quem foi perseguido, exilado, preso e torturado durante a ditadura

Por Cíntia Alves, no GGN

Jornal GGN – Recentemente enquadrada por supostamente ter sequestrado uma indígena aos 6 anos de idade e tê-la tomado como filha adotiva na total clandestinidade, Damares Alves foi ligeira na mudança de pauta.

Com ajuda da IstoÉ desta semana, voltou as baterias contra o PT, usando sua influência sobre a Comissão Nacional da Anistia – órgão, no governo Bolsonaro, vinculado ao Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos – como arma política.

Com acesso exclusivo a dados da Pasta, a revista produziu uma capa envolvendo Lula.

E isso só ocorreu porque, em novembro de 2018, a Comissão da Anistia solicitou ao INSS informações especificamente sobre o ex-presidente. À época, a ministra já trabalhava no governo de transição.

A nítida intenção de IstoÉ é fazer o leitor acreditar que os governos petistas patrocinaram na Comissão da Anistia uma verdadeira “farra das indenizações”.

A mensagem central, combinada com Damares, é que os valores pagos a título de indenização às vítimas são uma “caixa-preta”.

O Ministério da Justiça costumava divulgar a relação de beneficiados, sem expor números. Mas a reportagem insinua – sem nenhum fiapo de prova – que houve “favorecimento” a petistas.

Além disso, a matéria deixa claro que o projeto final de Damares – ministra de um governo que não só nega a Ditadura Militar, mas presta homenagens a torturadores – é colocar um fim nos pagamentos.

A justificativa, nas palavras dela, é que “a ditadura militar acabou há 35 anos”.

Presos, exilados, perseguidos e torturados: superem, que na lógica de Damares – que desafia a da expectativa de vida no Brasil – o pagamento às vítimas simplesmente não pode “durar para sempre”.

LULA, ATACADO AINDA NO GOVERNO DE TRANSIÇÃO

Talvez o exemplo de “caixa-preta” mais “emblemático” construído grosseiramente pela IstoÉ para ajudar a missionária Damares seja a parte que trata da aposentadoria de anistiado de Lula.

O leitor termina a reportagem sem saber quanto Lula, de fato, recebe ou já recebeu a título de indenização.

O lance é que o leitor é levado a acreditar que a mensalidade pode chegar aos R$ 56 mil. IstoÉ preferiu ficar no terreno da incerteza.

O processo para obter o benefício data do final da década de 1990, quando a Lula foi autorizado o pagamento mensal de R$ 3,2 mil.

Em algum momento não informado pela revista, o INSS autorizou “a liberação do pagamento da revisão da aposentadoria excepcional de anistiado (…), no valor de R$ 56.768,68, atualizado até 05/98.”

Essa liberação foi relacionada pela revista a um requerimento de Lula que, na Comissão da Anistia, criada em 2002, ganhou o número “2003.02.24764”.

IstoÉ não escreveu isto claramente ao seu leitor, mas por 15 anos – de 2003, quando foi “autuado” na Comissão, até 30 de novembro de 2018 (quando Bolsonaro já estava eleito e Damares trabalhava na transição de governo) – o processo de Lula não teve andamento na Comissão da Anistia.

Se teve, a revista – que afirma ter tido acesso exclusivo a todo o processo de Lula, neste ano – omitiu a informação.

Porém, o mais intrigante é que, no terceiro parágrafo, IstoÉ informa de passagem que o processo de Lula foi “arquivado”, sem dizer quando isto ocorreu.

Mas para armar mais um espetáculo envolvendo o ex-presidente, a Comissão da Anista, no governo de transição – de novo: com Damares já ministra – pediu ao INSS dados da aposentadoria de anistiado de Lula.

Queria saber quanto ele recebe ou recebeu por mês ou em parcela única.

O INSS respondeu que não tinha dados a informar porque não conseguiu “gerar o arquivo” a respeito da aposentadoria do ex-presidente.

IstoÉ não explicou se isso tem relação direta com o fato de que o processo fora arquivado.

Optou por criar um “mistério” em torno do benefício ao ex-presidente, e deixou no ar que os valores podem ser, ou não, algo em torno de R$ 56 mil ao mês.

A defesa de Lula confirmou que ele recebe o benefício, mas não soube precisar o valor.

A matéria também abordou o pedido de indenização de Dilma Rousseff.

Presa e barbaramente torturada pelo regime militar, a ex-presidente demanda mensalidade de R$ 10 mil ao Estado.

Os valores, informou IstoÉ, são calculados tendo como base as perdas financeiras – e, em alguns casos, também as trabalhistas e previdenciárias – que as vítimas da ditadura tiveram durante os anos de chumbo.

José Genoíno, por exemplo, recebeu em 2006 R$ 100 mil numa prestação única. José Dirceu, em maio de 2002, R$ 66 mil.

Dilma recebeu um total de R$ 72 mil do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. Mas a União ainda não a indenizou.

E Damares – que atribui ao pente-fino na Comissão da Anistia as críticas e bombas que vem tomando na vida e na Pasta – já deixou escapar que não pretende indenizar.

Ministra-pastora, autoproclamada “defensora da vida”, Damares deveria responder: quanto vale a dor física e psicológica de quem foi perseguido, exilado, preso e torturado, de quem quase perdeu a vida porque resistiu a um golpe militar que o atual governo sonha em reescrever.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.