VIOMUNDO

Diário da Resistência


Abrams, homem que coordena ação contra a Venezuela, usou ajuda humanitária para dar armas aos Contra da Nicarágua
Depto de Estado
Denúncias

Abrams, homem que coordena ação contra a Venezuela, usou ajuda humanitária para dar armas aos Contra da Nicarágua


10/02/2019 - 12h52

Meios de comunicação ocidentais caem no golpe de relações públicas de Trump e Rubio na Venezuela

por Adam Johnson, no Fair

O esforço do governo Trump para derrubar o presidente venezuelano Nicolás Maduro teve um golpe bem-sucedido de relações públicas nesta semana, enquanto importantes meios de comunicação ocidentais ecoavam uniformemente sua afirmação simplista e pré-empacotada de que o governo venezuelano estava retendo cruelmente ajuda humanitária:

Tensões sobem à medida que a Venezuela bloqueia a ponte fronteiriça no impasse sobre a ajuda (CNN, 2/7/19)

Maduro bloqueia ajuda crítica enviada à Venezuela (CNN, 2/7/19)

Ajuda chega à fronteira com a Venezuela, EUA exigem que Maduro deixe entrar (ABC News, 2/7/19)

Crise na Venezuela: Pompeo exige que o corredor de ajuda seja aberto (BBC, 2/7/19)

EUA dizem que Maduro está bloqueando a ajuda para pessoas famintas. O venezuelano diz que seu povo não é mendigo (Washington Post, 2/8/19)

A ajuda humanitária chega à Venezuela — mas Maduro bloqueia (NPR, 2/8/19)

Todos os artigos acima repetiam o mesmo roteiro: Maduro estava bloqueando a ajuda dos EUA “por recusa em renunciar ao poder”, preferindo privar “seu próprio povo” em vez de alimentá-lo.

É um caso simples de bem e mal — de um ditador tirânico e paranóico que não permite ajudar uma população faminta.

Exceto três partes do contexto-chave estão faltando.

Contexto que, quando apresentado a um observador neutro, prejudicaria severamente a narrativa caricatural promovida pela mídia norte-americana.

(1) Tanto a Cruz Vermelha quanto a ONU alertaram os EUA para não participarem dessa ajuda.

(2) A ponte em questão é uma metáfora visual criada pela administração Trump, de pouca relevância prática.

(3) A pessoa encarregada das operações dos EUA na Venezuela tem um histórico de usar a ajuda como cobertura para entregar armas aos mercenários de direita.

(1) Não apenas a comunidade internacional não solicitou a “ajuda”, no início desta semana: tanto a Cruz Vermelha Internacional quanto a ONU alertaram os EUA para explicitamente não se engajarem nesse tipo de acrobacia de relações públicas.

Como observou Vincent Bevins, colaborador do Washington Post, o cinismo transparente nos esforços foi rejeitado preventivamente pelos grupos encarregados de manter pessoas famintas alimentadas:

Cruz Vermelha adverte EUA sobre os riscos de envio de ajuda para a Venezuela (PBS NewsHour, 2/1/19):

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha alertou os Estados Unidos sobre os riscos de entregar ajuda humanitária à Venezuela sem a aprovação das forças de segurança leais ao presidente Nicolas Maduro.

ONU adverte contra a politização da ajuda humanitária na Venezuela (Reuters, 2/6/19):

NAÇÕES UNIDAS – A ONU alertou na quarta-feira contra o uso da ajuda humanitária na Venezuela depois que os Estados Unidos enviaram alimentos e medicamentos para a fronteira do país e acusaram o presidente Nicolas Maduro de bloquear a entrega com caminhões e contêineres.

De fato, como Bevins também observou, a Cruz Vermelha tem trabalhado há muito tempo com as autoridades locais dentro da Venezuela para prestar assistência e, na semana passada, dobrou seu orçamento para fazê-lo.

Temos amplas evidências de que o governo de Maduro está mais do que disposto a trabalhar com ajuda internacional quando é oferecida de boa fé, não quando é um mecanismo velado para estimular a guerra civil e gerar vitórias de relações públicas para aqueles que querem derrubar o governo.

Não é apenas Maduro — como a mídia ocidental está apresentando — que se opõe ao comboio de ajuda dos EUA; é a ONU e a Cruz Vermelha.

Por que nenhum dos relatos acima menciona essa informação fundamental, dando ao leitor a impressão de que é apenas a postura de um louco sádico e sedento de poder?

Reprodução de vídeo

(2) Apesar de dezenas de meios de comunicação darem a impressão de que o governo venezuelano fechou um caminho que de outra forma funciona normalmente, a ponte em questão não está aberta há anos

É verdade que o governo venezuelano parece ter colocado um caminhão petroleiro e contêineres de carga na ponte para evitar incursões do lado colombiano, mas as outras barreiras, como o escritor e desenvolvedor de software Jason Emery apontou, estão em vigor desde pelo menos 2016.

Segundo La Opinion (2/5/16), após sua construção, em 2015, a ponte nunca esteve aberta ao tráfego.

Como pode Maduro, como a BBC sugeriu, “reabrir” uma ponte que nunca foi aberta?

A realidade é que a BBC e outras mídias ocidentais estavam apenas acompanhando a narrativa empurrada pelo senador Marco Rubio e pelo secretário de Estado Trump, Mike Pompeo, não se preocupando em verificar se sua narrativa visual primária era baseada em má-fé.

Este ponto é relativamente superficial, mas em uma batalha de Relações Públicas de longo prazo para conseguir apoio de liberais ocidentais para uma intervenção militar, o superficial é muito importante.

Rubio e o governo Trump inventaram uma metáfora visual enigmática, e quase todos os pontos-de-vista a transmitiram sem questionamentos, muitas vezes fazendo suposições factualmente imprecisas ao longo do caminho — suposições que o Departamento de Estado, Trump e a CIA — coordenando o esforço — sabiam muito bem que seriam feitas.

(3) O governo venezuelano tem uma razão inteiramente racional para suspeitar que os EUA usariam a ajuda humanitária como cobertura para contrabandear armas para fomentar o conflito armado: a pessoa que dirige Trump na atual operação na Venezuela, Elliott Abrams, literalmente fez exatamente isso, 30 anos atrás.

Dos dois primeiros parágrafos de um artigo de 1987 da AP/New York Times sobre Elliott Abrams, “Abrams nega erro ao transportar armas para os Contras” (8/17/87 — Kevin Gosztola):

O secretário de Estado adjunto Elliott Abrams defendeu seu papel na autorização do envio de armas em um vôo de ajuda humanitária aos rebeldes nicaraguenses, dizendo que a operação foi “estritamente de acordo com as regras”.

Abrams falou em uma coletiva de imprensa no sábado em resposta às declarações de Robert Duemling, ex-chefe do Departamento de Assistência Humanitária da Nicarágua, que disse que autorizou duas vezes o envio de armas para os Contras em aviões de ajuda humanitária a pedido de Abrams, no início de 1986.

É literalmente a mesma pessoa. Não é que Maduro seja vagamente paranóico; os EUA, em geral, jogam o mesmo jogo da Guerra Fria dos anos 80.

É exatamente a mesma pessoa encarregada da operação que sabemos — com 100% de certeza, porque ele admitiu — que tem um histórico de usar comboios de ajuda humanitária para contrabandear armas para milícias de direita.

Está tudo acontecendo agora, em tempo real. Os mesmos atores, os mesmos truques, a mesma preocupação manifestamente insincera sobre pobres famintos.

E a mídia dos EUA está removendo todo esse contexto essencial, apresentando esses operadores radicais de mudança de regime como humanitários de coração sangrando.

Os mesmos veículos de mídia dos EUA que promoveram campanhas publicitárias se apresentando como como “verdadeiros” anti-Trump, levam a sério misteriosamente tudo o que a Trump e seus aliados neoconservadores dizem em sua campanha para derrubar o governo da Venezuela.

A mídia que emergiu para confrontar a administração Trump repentinamente inexiste, à medida em que encampa uma estratégia transparente e cínica de RP para deslegitimar um governo latino-americano que a Casa Branca está tentando derrubar.

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Astrogildo Leal

11 de fevereiro de 2019 às 13h54

Só falta, o impostor Bolsonaro, depois de insuflar o ódio entre os brasileiros, agora, quase moribundo, falar em distribuir armas para provocar uma Guerra Civil na Venezuela. VADE RETRO SATANÁS !

Responder

Zé Maria

10 de fevereiro de 2019 às 21h20 Responder

Zé Maria

10 de fevereiro de 2019 às 19h18

Só falta o Jair, enquanto toma sopinha, franquear a Fronteira do Brasil
para o Trump enviar Fuzis e Metralhadoras para o impostor Guaidó.
O Reverendo Araujo está vibrando com esta possibilidade…

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

Últimas matérias
Bebianno só acredita “quando sair o papel com a exoneração” e teria dito a interlocutor que com sua demissão “o Brasil vai tremer”

Da Redação  “Eu quero ver o papel com a exoneração, a hora em que sair o papel com a exoneração é porque eu fui exonerado”, afirmou aos jornalistas neste sábado Gustavo Bebianno, o ministro da Secretaria Geral da Presidência. O cala boca de Bebianno, agora acusado de ter vazado conversas sigilosas entre ele e Jair […]

Ler matéria