VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Desenvolvimento, classes e pensamento científico
Lutero: revolução, mas nem tanto. Reprodução
Ciência e Cultura

Desenvolvimento, classes e pensamento científico


26/03/2020 - 11h01

Pergunta: quais as relações entre o desenvolvimento ecônomico e social, as classes e o pensamento científico

por Boris Vargaftig* 

No Século IV da era comum (+/- 315), para unificar o Império Romano em crescente e ameaçadora desagregação frente às invasões dos chamados bárbaros, os imperadores romanos Constantino e mais tarde, Teodósio, empoderam o cristianismo como religião de Estado e criminalizam o paganismo dominante até então.

Durante séculos, o domínio ideológico da Igreja única e universal persiste no mundo ocidental e se reforça no oriental.

Ligado ao desenvolvimento das forças produtivas, instala-se pouco a pouco o feudalismo, com a redução do escravismo europeu, e o estabelecimento do regime de propriedade feudal da terra baseado em um imenso exército de servos da gleba. 

A partir dos Séculos XI e XII, uma nova classe se forma, a burguesia, que paga salários a trabalhadores “livres”.

Assim, o mercado se amplia, mas a escravidão cresce imensamente, com a chamada descoberta das Américas, que requer mão de obra barata para a produção de insumos, extração de ouro etc.

Dezenas de milhões de seres humanos são importados da África, com enorme mortalidade durante o transporte. 

As velhas crenças religiosas sofrem modificações, pois não mais correspondem ao desenvolvimento da sociedade e do conhecimento.

Surgem heresias e divisões, e o protestantismo, que não só critica a Igreja oficial pela sua notória corrupção, mas promove diretamente o capitalismo, difundindo o conceito que ser rico não é defeito nem pecado, mas dádiva divina. 

Tudo o que um capitalista possa desejar: enriquecer e ainda por cima assegurar seu lugar no paraíso!

Note-se que bem antes, também nos Séculos XI e XII, aparecem entre os dogmas católicos o do purgatório, um lugar meia-boca, onde os pecadores ricos sofrem punição de principio, antes de, perdoados, reunirem-se com o resto do rebanho, no paraíso.

Muito útil, a teologia segue as forças produtivas!  

Bem mais tarde, a ciência sofre forte repressão.

Copérnico, na Polonia, Giordano Bruno, em Roma, (Século XVI) e Galileu (Século XVII), afirmam que a terra é redonda, gira em torno do sol, não é o centro do mundo, o que contraria o conceito clerical de que o homem e o globo são o centro do universo.

A inquisição, Congregação da Sagrada, Romana e Universal Inquisição do Santo Ofício, investiga, acusa, julga, condena e queima.

Isto não impede o Renascimento em todos países europeus, nem o desenvolvimento do capitalismo que o estimula e, dialeticamente, dele resulta; um promove o outro.

Não por acaso, os filósofos mais importantes do Renascimento, anti-clericais, críticos da monarquia, favoráveis ao desenvolvimento científico e industrial, não se interessam pelo andar de baixo da sociedade e, quando visível, procuraram escondê-lo, como Voltaire.

Isto ocorreu até a Revolução Francesa, 1789, que originou outro tipo de revolucionário, como Baboeuf, um ancestral do comunismo.

O rápido desenvolvimento associado à expansão colonial, que visa matérias primas, mãos de obras e mercados torna a tecnologia e o conhecimento algo de essencial.

O saber já era uma mercadoria virtual, não materializada, mas essencial: Babilônia, Egito, Grécia, Roma precisavam desenvolver técnicas agricolas, de irrigação e de guerra, de transportes, mineração, astronomia para navegação.

Surge a categoria dos sacerdotes e/ou sábios, associados às classes dominantes.

O capitalismo triunfante financia sua expansão material e territorial graças à exploração colonial, baseada no trabalho escravo.

Sem isso, Espanha e Portugal sobretudo, não se teriam desenvolvido.

A industrialização prossegue, notadamente na Europa Ocidental e se inicia na América do Norte.

O final do Século 19 e começo do Século XX se caracterizam pela exploração dos trabalhadores dos países capitalistas, o prosseguimento da transformação dos países da América dita latina em fonte do que chamamos hoje as commodities, matérias-primas e alimentares (café, açucar etc).

O progresso (ou o que se chama progresso) prossegue à base da exploração colonial e da mais-valia extraída dos proletarios, muitos, sobretudo na Inglaterra, provindos da expulsão de suas terras ancestrais das massas camponesas e assim urbanizadas sem outra opção.

Duas potências européias chegaram tardiamente à divisão colonial do mundo – Itália e Alemanha, mal unificadas.

Seu ímpeto belicista provém em boa parte da tentativa de refazer a divisão do mundo, abocanhando um pedaço.

Esta pretensão fracassa nas 1a e 2a guerras mundiais e chegamos aos dias de hoje, dezenas de anos após a transformação da burocracia soviética, em sua origem uma não-classe na avaliação marxista (pois controlava as forças produtivas, mas não as possuia), em verdadeira possessora dos meios de produção, uma burguesia arrogante e agressiva.

À medida que as forças produtivas se desenvolvem, exigem mercados e mão de obra competente.

Impossível manter intacto o pensamento mágico e se desenvolve o ensino mais sério, o público.

As religiões sempre desempenharam um papel reacionário, qualquer que fosse a boa fé, dedicação à causa dos pobres e espírito de sacrifício de fortes contingentes, desde os heréticos sublevados contra os principes reinantes (por exemplo, as guerras camponesas na Alemanha no Século XV, em que Lutero apoia a repressão pelas tropas dos principes, que massacram os camponeses).

A teologia da libertação é outro exemplo importante, mas estas tendências foram sempre minoritárias e acabaram engrossando as fileiras da política burguesa (como PSDB) ou dos movimentos progressistas de várias matizes.

Outro exemplo negativo é a Igreja Ortodoxa Russa, a mais anti-semita de todas, que se adaptou imediatamente ao novo regime, ornamentando as recepções governamentais com seu cerimonial feudal pesado e teatral.

Ulteriormente daremos alguns exemplos ilustrativos das dificuldades do pensamento mágico em sociedades industriais – e como o peso das classes dominantes permite-lhe sobreviver. 

*Boris Vargaftig é médico farmacologista, professor titular aposentado da USP

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.