Sobre Privilégios 3

Tempo de leitura: < 1 min
Array

Por Marco Aurélio Mello

por Marco Aurélio Mello

Alunos aguardam na sala da universidade federal a chegada da professora.

Ela demora a aparecer.

A inquietação aumenta.

Começam as críticas em relação à instituição de ensino e àquela disciplina.

Uma faxineira que ali faz a limpeza pede ajuda para compreender o que os jovens aprendem.

Pergunta sobre quais temas tratam e como tratam.

É bombardeada por afirmações estranhas, críticas e preconceituosas.

Ela aproveita para perguntar porque faxineiras são tratadas pelos alunos com indiferença, como pessoas de segunda classe.

A conversa passa a ser sobre classes sociais, privilégios, preconceitos…

Questões de caráter, morais, éticas…

Depois de uma longa reflexão a faxineira é reconhecida por uma pessoa que entra na sala.

Aquela mulher uniformizada é na verdade a professora de filosofia daquela turma.

Muitos alunos não acreditam, acham que é trote.

Nem sempre aquilo que parece ser é.

Mais uma das questões filosóficas clássicas, que as crianças fazem com frequência, e que os adultos vão abandonando aos poucos…

Até que começam a achar que aprender filosofia na escola é desnecessário, chato.

Até que delegam à TV, ao pastor da igreja, ou ao líder político carismático (em geral de extrema direita) o papel de “compreender” o mundo.

Até que um cantor pop entoe o verso: “Vida de gado, povo marcado êeee, povo feliz.”

Leia também:

Sobre Privilégios 1

Sobre Privilégios 2

Apoie o jornalismo independente

Array

Marco Aurélio Mello

Jornalista, radialista e escritor.


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

Deixe seu comentário

Leia também