VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Reitor da USP falta à audiência pública na Assembleia Legislativa

29 de novembro de 2011 às 10h47

Estudantes e entidades de funcionários e professores denunciam arbitrariedades e retaliações

por Jéssica Santos de SouzaRede Brasil Atual

São Paulo – O reitor da Universidade de São Paulo (USP), João Grandino Rodas, não compareceu a audiência pública na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) para esclarecer a desocupação do prédio da reitoria, na madrugada do dia 9. O professor alegou outro compromisso no mesmo horário. A reunião foi solicitada pelo deputado Carlos Giannazi (PSOL) e contou com representantes de organizações de docentes e funcionários da universidade, além de estudantes.

A entrada da Assembleia na tarde desta segunda-feira (28) foi controlada por policiais militares, que revistaram mochilas e bolsas. A corporação também chegou a filmar as pessoas durante a audiência até a postura ser questionada por Giannazi, que lembrou que o debate já estava sendo registrado pela TV Alesp. O coronel Navarro, responsável pelo policiamento da Casa, não comentou o motivo das filmagens e disse que só poderia se pronunciar com autorização do presidente da Assembleia, o deputado Barros Munhoz (PSDB).

Quatro comissões permanentes da Alesp – Educação, Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia e Direitos Humanos – podem convidar o reitor por diversas denúncias, desde o corte de mais de mil árvores na Cidade Universitária até a compra de prédios e salas no centro de São Paulo. Segundo Giannazi, as solicitações de audiência devem ser votadas até a próxima semana e há expectativa de que mesmo aliados do governador Geraldo Alckmin fiquem a favor dos requerimentos.

“Na base aliada do Alckmin tem contradições em relação ao Rodas. Como foi o ex-governador (José) Serra que o indicou temos grande chance de aprovar a convocação em algumas das comissões”, garantiu o deputado, em referência ao fato de Serra ter indicado para o cargo de reitor o segundo colocado da eleição indireta promovida na USP, quebrando um acordo informal respeitado desde 1981, ainda no governo de Paulo Maluf.

Apesar de uma lista tríplice definida a partir dos votos do Conselho Universitário, com peso majoritário de professores titulares, ser apresentada ao governador paulista, o tucano ignorou o nome do professor Glaucius Oliva e preferiu indicar Rodas, que já tinha um histórico de conflitos como diretor da Faculdade de Direito do Largo São Francisco.

As reivindicações dos estudantes são anteriores à própria posse de Rodas. Thiago Aguiar, um dos representantes do Diretório Central de Estudantes (DCE) da USP, explica que o estatuto que rege a universidade é o mesmo da época da ditadura e, por isso, precisa ser revisto. Além disso, os estudantes pedem que processos administrativos e crimininais contra as pessoas que participaram da ocupação da reitoria no início do mês sejam retirados e que o convênio com a PM seja encerrado.

Em relação à segurança do campus da zona oeste, a comunidade discente sugere um plano alternativo, discutido na comunidade universitária. “Há denúncias de policiais questionando alunos sem motivo aparente e entrando até em entidades estudantis, como o diretório acadêmico da Escola de Comunicações e Artes (ECA)”, conta Thiago.

Denúncias

O estudante de Letras e integrante da comissão de greve Rafael Alves conta que ele e muitos de seus colegas sofrem retaliações tanto da universidade quanto da polícia. Ele é um dos 73 detidos na reintegração de posse da reitoria no dia 9. “Tenho dez inquéritos policiais abertos, processos administrativos e fui expulso da moradia estudantil, além de ter sido jubilado. Eu fui preso do lado de fora da reitoria e estou respondendo aos crimes como se estivesse lá dentro”, relata.

Rafael prestou vestibular novamente para poder continuar seu curso e tentou voltar ao Conjunto Residencial da USP (Crusp), mas sua participação do processo de escolha foi negada, segundo ele, apesar de todos os requisitos serem preenchidos. No momento, o estudante mora “de favor” em unidades do Crusp habitadas por colegas.

Os funcionários e professores da USP apoiam o movimento estudantil e pedem mais democracia dentro da universidade. “Esse reitor está restaurando o pior período da ditadura com a militarização e as possíveis escutas e pessoas infiltradas em nossas reuniões”, aponta o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp), Magno de Carvalho. Segundo ele, há relatos literais sobre as assembleias e também de pequenas reuniões do sindicato que só poderiam ser fruto de escutas ou de pessoas infiltradas.

Para o vice-presidente da Associação dos Docentes da Universidade de São Paulo (Adusp), César Minto, a situação atual da universidade é muito preocupante, já que uma instituição pública de ensino deveria ser exemplo de democracia para a sociedade. “Hoje vivemos em um sistema de poder altamente concentrado na mão do reitor e na mão dos professores títulares que ocupam os órgãos colegiados. Não existe discussão democrática e nem tratamento democrático em nenhuma das áreas”, afirmou

Leia também:

Boris Vargaftig: Reitoria instala clima de perseguição na USP

Falta de transparência trai memória das vítimas da ditadura na USP

Caio Toledo: 1964, por que golpe e não revolução

Manifestantes rejeitam o termo regime militar em lugar de ditadura

Relatório da Secretaria de Direitos Humanos confirma: Reitor da USP votou contra vítimas da ditadura

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

16 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Rodrigo Leme

30/11/2011 - 16h43

Ser convidado pra uma festa do PSOL, de pelegos e de alunos que não conhecem uma sala de aula? Não me espanta ele não ter aparecido…

Responder

Marat

30/11/2011 - 10h53

Valentia não é o ponto forte de pessoas arrogantes e prepotentes!

Responder

Reitor da USP não responde a chamada « Ficha Corrida

30/11/2011 - 09h33

[…] Reitor da USP falta à audiência pública na Assembleia Legislativa | Viomundo – O que você … Sirva-se:Like this:LikeBe the first to like this post. Deixe um comentário […]

Responder

O Maldoror

30/11/2011 - 09h11

tem que por o RODA na RUA!

Responder

Ramalho

29/11/2011 - 21h06

A covardia é traço característico dos ideólogos da direita (afora o oportunismo e servilidade aos poderosos). O reitor é tão covarde que fugiu da audiência, que vergonha.

Responder

Paulo Chacon

29/11/2011 - 21h00

Amanhã, dia 30, haverá audiência pública ,na ALESP, com o Secretário de Educação do Estado, sr. Cornelius Vourvald. Será que ele vai aparecer? Ele é um secretário fraco e um fantoche nas mãos do Diretor do DRHU, que é quem realmente manda na Secretaria. Este diretor, sr. Jorge Sagae tem como hobby atacar os professores da rede estadual , tudo sob o olhar complacente do sr. Cornélius. Como todo tucano, odeia o povo, o debate, o contraditório e por isto não comparecem em audiências públicas. São covardes e autoritários. Nós, professores, estaremos lá. Vamos aguardar o sr. Cornélius.

Responder

Lu_Witovisk

29/11/2011 - 20h08

Alguém tinha a esperança que ele aparecesse?? Eu não.

Responder

Tiberio Ribeiro

29/11/2011 - 19h50

“Esse reitor está restaurando o pior período da ditadura com a militarização e as possíveis escutas e pessoas infiltradas em nossas reuniões”. Li essa parte com pavor. Como é que pode uma reitoria defender interesses que não sejam dos estudantes e/ou dos professores?

Responder

Gerson Carneiro

29/11/2011 - 17h35

Covardão.

Tal qual quem o nomeou foge quando tem que se explicar.

Responder

    Kary

    12/03/2012 - 07h41

    O mesmo tal também deveria ser chamado para explicar algumas coisas…

FrancoAtirador

29/11/2011 - 15h52

.
.
Essa é a democracia das Rodas de Amigos do PSDB:

Faço e aconteço e não devo satisfações a ninguém.
.
.
PSDB = Polícia Só Dá Bordoada
.
.

Responder

trombeta

29/11/2011 - 15h43

Arrogância pouca é bobagem.

Responder

luiz pinheiro

29/11/2011 - 15h35

Vai ver ele não pode ir porque estava dando alguma aula de democracia.

Responder

    angelo

    29/11/2011 - 16h32

    Acende um baseado na audiência que ele de pronto manda 400 'prepostos'.

    tulio

    29/11/2011 - 19h13

    Azeredo, a Surucucu sorrateira colocou o AI-5 DIGITAL p votacao amanhã, link:
    http://www.camara.gov.br/internet/ordemdodia/orde

    Vamos pressionar o congresso enquanto podemos internautas, NÃO AO AI-5 DIGITAL!

joão33

29/11/2011 - 11h49

este reitor é criminoso,basta auditar todos os seus atos administrativos e trazer a verdade a tona ,que ele não se sustente , quanto a policia militar , delegados , o governador alkmin , a unica forma de parar com estas aberrações e mobilizar a população e forçar a ação de autoridades pagas com o suor do povo ,não é admissível todos estes desmandos , a assembléia legislativa deve ser pressionada ou age ou o povo para são paulo. sem acordos.

Responder

Deixe uma resposta