VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Estudantes denunciam “intervenção militar” no campus

08 de novembro de 2011 às 18h39

Nota à imprensa do CAF (Centro Acadêmico da Filosofia) e CEUPES (Centro Universitário de Pesquisas e Estudos Sociais – Centro Acadêmico de Ciências Sociais)

Na madrugada do dia 8 de novembro de 2011, a Polícia Militar entrou novamente no campus da Universidade de São Paulo e realizou a reintegração de posse do prédio da reitoria, ocupado por estudantes desde o dia primeiro de novembro.

A operação começou com o cerco da área da reitoria e do perímetro da moradia estudantil (CRUSP). Entre quatro e cinco da manhã, os moradores acordaram com o som e as luzes dos helicópteros. A partir desse momento, aqueles que tentaram sair foram impedidos por cordões de isolamento e bombas de gás lacrimogêneo.

Em regime de exceção, os alunos foram sitiados em suas próprias moradias e tiveram seu direito de ir e vir suspenso. Alunos foram então impedidos de ir às aulas, e aqueles que trabalham sequer puderam dirigir-se ao ponto de ônibus.

Ao mesmo tempo, efetivos da PM, Tropas de Choque, GATE, GOE e Cavalaria, fortemente armados e auxiliados por helicópteros, entraram na reitoria e prenderam cerca de 70 alunos que foram deslocados para a 91a delegacia de polícia na Vila Leopoldina. Esses estudantes poderão responder por três crimes: desobediência à ordem judicial, crime ambiental e depredação do patrimônio público. Aventa-se ainda a possibilidade de enquadrá-los por formação de quadrilha.

Os procedimentos da reintegração foram feitos sem a presença de nenhuma autoridade da universidade, a despeito da formação de uma comissão de professores da Associação dos Docentes da USP (Adusp) responsável pelo acompanhamento da reintegração de posse, de modo que informações sobre danos, presença de objetos suspeitos, atos de vandalismo e abuso de poder não puderam ser averiguados.

Parte dos efetivos da tropa de choque ainda permanece em frente à reitoria. Outras unidades seguem rondando e vigiando o campus.

O número ostensivo de policiais e o uso da violência face ao número de estudantes que participavam da ocupação é desproporcional ao uso habitual de força em outras reintegrações relacionadas ao movimento estudantil, e constitui evento inédito no interior da Universidade.

Porém, é importante sublinhar que se trata de um procedimento comum da polícia em relação a movimentos sociais, revelando a incapacidade do Estado para abrir vias de reconhecimento de demandas sociais. A USP não constitui uma exceção à regra.

No âmbito da USP, esta intervenção militar assume um sentido ainda mais grave porque se soma a outras medidas repressivas, notadamente as perseguições políticas que vêm ocorrendo nos últimos anos. No momento, mais de 40 estudantes estão sendo ameaçados de expulsão definitiva da Universidade com base em um regimento disciplinar de 1972, escrito pelo ex-reitor da USP Luiz Antônio da Gama e Silva, também autor do Ato Inconstitucional Nº 5.

À luz desses acontecimentos, perguntamos: qual o real intuito de fazer tamanho uso de força policial para intermediar conflitos políticos dentro de uma instituição que tem como princípio a troca e produção de conhecimentos e o diálogo?

 

126 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Nota à imprensa sobre a reintegração de posse na reitoria da USP – Centro Acadêmico da Filosofia e Centro Acadêmico de Ciências Sociais « Ágora

06/12/2011 - 06h40

[…] Pesquisas e Estudos Sociais – Centro Acadêmico de Ciências Sociais) Originalmente publicado no VI O MUNDO, em 8 de novembro de 2011 às […]

Responder

Nota à imprensa sobre a reintegração de posse na reitoria da USP – Centro Acadêmico da Filosofia e Centro Acadêmico de Ciências Sociais « Ágora

06/12/2011 - 06h37

[…] publicado no VI O MUNDO, em 8 de novembro de 2011 às 18:39 Share this:TwitterFacebookLike this:LikeBe the first to like […]

Responder

cronopio

11/11/2011 - 09h50

A isso damos o nome de "polícia política":

"Na próxima semana, o câmpus da Universidade de São Paulo (USP) vai ganhar a primeira base móvel da Polícia Militar. Ela ficará em local visível e de fácil acesso à comunidade, perto dos estacionamentos, por onde deve ser deslocada de acordo com a necessidade. E também servirá de canal de comunicação entre os policiais e a rotina acadêmica. Seis motos vão reforçar o policiamento local.

Os policiais que atuam dentro do câmpus vão começar a receber treinamento em polícia comunitária e em direitos humanos. Não se trata de tratamento especial. Porque a lei é igual para todos, mas queremos conhecer a comunidade e nos aproximar dela. Queremos conhecer o público para o qual vamos trabalhar, explica o coronel Luiz de Castro Junior, diretor de Polícia Comunitária e de Direitos Humanos.

Depois desse curso, que deve ocorrer nas duas últimas semanas deste mês, os PMs vão começar a visitar as faculdades dentro do câmpus em dezembro, para se apresentar e conhecer a direção. Vão passar batendo de porta em porta mesmo, para dizer quem são, explicou Castro.

A USP e o entorno serão mapeados geograficamente. O trabalho dos policiais será levantar pontos que possam oferecer riscos, como terrenos baldios, falta de iluminação, árvores com copas altas que barrem a passagem de luz dos postes e até buracos no asfalto que possam causar acidentes de trânsito ou facilitar a ação de bandidos. No patrulhamento ostensivo fora da universidade, esse trabalho já é realizado em conjunto com a Prefeitura. São feitas planilhas com os problemas e enviadas aos órgãos competentes para resolvê-los, explica o coronel. No caso da USP, esses encaminhamentos serão feitos à coordenadoria do câmpus, responsável pela manutenção da área.

Reunião. Esses pontos foram acertados em uma reunião ontem de manhã entre representantes da USP, da PM e da ONG São Paulo Contra a Violência. De acordo com Castro, já estavam previstos no acordo firmado com a universidade.

Por LUÍSA ALCALDE, estadao.com.br, Atualizado: 11/11/2011"

Responder

    Tobias Reis O. LLory

    17/11/2011 - 11h03

    "damos" quem?

    "policia politica" onde, doido?

    infelizmente falta a vc honestidade com a verdade!

Gilberto Maringoni: “Brasão da PM paulista é um tapa na cara do povo brasileiro” | Viomundo - O que você não vê na mídia

09/11/2011 - 23h20

[…] Estudantes denunciam “intervenção militar” no campus […]

Responder

Raphael Tsavkko

09/11/2011 - 17h38

Tiro no pé talvez seja a questão principal.

A ação da PM acabou por desvelar os reais interessespor trás da presença da PM que, longe de garantir segurança, se centra no monitoramento de "elementos perigosos" e no patrulhamento ostensivo dos estudantes.

Alckmin é muito mais sutil que Serra, que de cara colocou um retiro ilegítimo no poder, o Rodas. Seus métodos são muito mais bem pensados e, mesmo sem querer, a mídia deixou clara suas intenções:

O delegado do 91º Distrito Policial, Dejair Rodrigues, retificou mais uma vez o número de detidos, para 72, e afirmou que as ligações deles com partidos políticos serão "averiguadas".

Segundo informações que tenho de amigos, há um real interesse por parte do governo em reforçar a presença e o poder da PM às custas, tambérm, da Polícia Civil e, também o de reforçar a presença e a efetividade dos chamados P2, ou PM's infiltrados em movimentos sociais (acredito que todos se recordam do protesto dos professores que terminou em violência ha alguns anos em que um supsoto professor, na realidade P2, foi fotografado carregando uma policial ferida e estampou a capa de diversos jornais).
http://www.tsavkko.com.br/2011/11/usp-qualquer-se

Responder

Bingo

09/11/2011 - 16h02

Vejo q algumas pessoas repetem o q leem nos noticiários, não vão além disso. Primeiro pq obviamente não têm inteligencia pra pensar por si próprias. Não sabem o q é a PM, não sabem o q é a USP, não sabem o q é maconha, ou seja, não sabem porra nenhuma. Q tal começar a aprender?? E segundo pq são mentalmente preguiçosas e indolentes. É mais fácil receber informação passivamente.

Responder

Lucas

09/11/2011 - 15h02

Acho que o ministro Haddad na próxima eleição a prefeito tem o dever de defender os invasores. É isto ou é covardia. E ele será questionado. O problema, é que ele já estará bem orientado pelos marqueteiros e sairá pela tangente para não perder votos, com bem fez a Dilma na questão do aborto, que sempre foi a favor e na hora H voltou atrás.

Responder

Ramalho

09/11/2011 - 13h42

Se repressão, porrada e imposição de humilhação melhorasse alguém, ex-presidiário seria santo.

Responder

herlan

09/11/2011 - 13h16

Se querem tanto tirar os policiais da universidade, porque então não fazer um plebiscito onde todo os estudantes da universidade possam participar e dar a sua opinião?
Numa universidade com mais de 40 mil pessoas, o que deve prevalecer é a vontade da maioria e não de uma minoria, como parece estar acontecendo. Isso sim é democracia!
Estudo na UFF, e recentemente também houve a ocupação da reitoria…mas de forma alguma houve algum tipo de depredação do patrimônio público, com o próprio reconhecimento da reitoria por meio de nota pública!
Vão procurar o que fazer, cambada…não é porque eu sou de esquerda que eu tenho que concordar com tudo que é feito por aí. Pena que muita gente se deixa levar por suas ideologias, apoiando tal ato, mesmo vendo que estão fazendo tudo errado.
Ahh…e não adianta vir aqui dizer que eu não sou de esquerda…porque pra alguns, basta pensar um centímetro diferente, pra ser considerado de dreita ou sei lá o que…

Responder

    cronopio

    09/11/2011 - 13h52

    É verdade, foi uma vergonha a PM ter quebrado os móveis, arrombado portas e fabricado evidências. Um acinte!

    Alexandre

    09/11/2011 - 17h44

    " … Se querem tanto tirar os policiais da universidade, porque então não fazer um plebiscito onde todo os estudantes da universidade possam participar e dar a sua opinião? …"
    Embora não pareça, o objetivo é esse mesmo, um debate, porém a reitoria não dialoga, apenas baixa normas (como se fossem AI).
    " … uma minoria, como parece estar acontecendo …" realmente parece, porque é isso que a grande mídia tá enfiando na cabeça das pessoas para proteger o governo paulista.
    Agora, depredação, é impossível saber, pois a polícia não deixou ninguém filmar no momento da reintegração de posse, o que já é motivo de suspeita.

    joni

    09/11/2011 - 19h27

    Procure saber dos acontecimentos anteriores ao fato, que está sendo noticiado. Os três meninos presos por fumar maconha, foi apenas o estopim.
    Enquanto isso, na Europa, estudantes saem às ruas para protestar contra a paulatina privatização das universidades públicas.

    elvis

    09/11/2011 - 22h24

    Engraçado é como agora os 40 mil alunos querem se colocar para discutir. Nunca participam de assembleias quando elas são convocadas, alegando um milhão de "questões mais importantes". Afinal qual a importância de uma assembléia de estudantes, quando estou preocupado com minhas notas, meu rendimento acadêmico, já que é isso me garantirá uma bolsa no mestrado ou doutorado e poder me estruturar no futuro como um ''burguês padrão". AFF digo eu.

Marcelo de Matos

09/11/2011 - 12h56

Em 1968 eu morava no CRUSP que sofreu invasão semelhante. PM e Exército já haviam feito operação anterior, no Congresso da UNE em Ibiúna. O esquema foi repetido no campus. A invasão visava conter movimentos políticos que tinham por objetivo a derrubada da ditadura. No dizer de Marx, a História só se repete como tragédia ou como farsa. O que motivou a atual invasão? Um protesto de estudantes que queriam a PM longe do campus. O conflito começou porque alguns estudantes queriam fumar maconha livremente na universidade, o que não é recomendável. Tenho um conhecido que é segurança de uma faculdade de gastronomia do SESC. Ele tem ordens expressas para impedir que os alunos fumem maconha nos jardins da faculdade. Quem desobedece é expulso. Acho correto. A liberação da maconha é bandeira do PSDB, PV e do PIG. É preciso que fique claro, porém, como e onde a marijuana será liberada. Em campus universitários não dá.

Responder

    cronopio

    10/11/2011 - 12h21

    Caro Marcelo, a discussão sobre maconha não faz parte das reivindicações do ME, nem mesmo é pauta de discussões. Procure se informar. Grato.

plinio

09/11/2011 - 12h44

Faço doação à reitoria da USP os seguintes equipamentos que disponho de sobra em minha casa:
02 sofas para 7 pessoas
uma televisão 29 polegadas marca Cibelar
um microondas panassonic
coleção completa dos DVDs de Chavez( o comediante mexicano)

Responder

magali

09/11/2011 - 12h13

As vezes penso que estamos regredindo…tantos deram a vida pra uma democracia….verdadeira, e vém um grupo dos que não querem nada com nada…eu tive que estudar a noite, cursar uma faculdade que não ERA o que eu queria, pois nem existia tais cursos a noite….tinha que ralar…ajudar ao pais e irmãos, não reclamo disso pois fazia minha obriagação e com amor.!!! tOMÉM VERGONHA ,se querem se drogar, vão no escurinho de qualquer lugar. corrompe ,participe dos crimes atras das drogas..crimes q vcs esquecem …prostituição…de crianças adolecentes, Paguém pra alguém ir buscar pra voceis não corem ricos….E DEPOIS VENHAM A CONVERSA DE ESQUERDA PRA CIMA DA GENTE….É CRIME E TODOS SÃO IGUAIS..ESCOLA É PRA ESTUDAR ,NÃO PRA ISSO O QUE VOCEIS ESTÃO FAZENDO……DEVERIAM SENTIR VERGONHA …. VÃO ESTUDAR QUE É PRA ISSO QUE SERVE O CAMPUS….SERÁ QUE AS DROGAS JÁ COMERAM A INTELIGÊNCIA DE VOCEIS……..VÃO SE TRATAR….MUITOS QUEREM E NÃO PODEM …

Responder

    cronopio

    10/11/2011 - 12h12

    Você estava na reunião das socialites?

denis dias ferreira

09/11/2011 - 12h11

Eu pensei que tínhamos derrotado a ditadura. Grande e triste equívoco o meu. Pelo menos aqui no estado de São Paulo ela persiste, ressuscitada que foi pelos sucessivos governadores do PSDB, partido que hoje encarna os projetos e os ideais autoritários de nossa elite conservadora. Em Sẫo Paulo, atualmente, existe um único partido político: esse obsoleto e indefectível PSDB.O comportamento da grande mídia, ao tentar desqualificar, criminalizar e demonizar as reivindicações estudantis, corrobora a minha melancólica constatação. Os grandes órgãos midiáticos continuam perseguindo todo e qualquer movimento social que entre em conflito com os interesses das conservadoras elites paulistas e rotulando de abomináveis todas as suas justas e legítimas reivindicações. É o que acontece agora na USP: os jornais e televisões apresentam-nos os fatos ocorridos nessa universidade como se fossem obra de maconheiros filhinhos de papai e de anti-democráticos jovens mimados que se colocam acima das leis. O sr. Rodas ( um reitor absolutista), o governador Alckmin e parte da imprensa paulista comportam-se, nesse episódio, nessa caça aos "maconheiros" uspianos, como uma orquestra bem afinada e como autênticos capitães-do-mato a serviço da rançosa elite paulista. Na verdade, essa gente morre de medo que o movimento estudantil cresça e resgate a força política que teve no passado: a elite e seus ditadores de plantão não admitem nenhum tipo de questionamento e contestação do seu poder.

Responder

Luis

09/11/2011 - 11h25

Angela,
com todo respeito voce realmente pensa assim?
Acredita que os policiais nao deveriam proteger o campus?
Que nao deveriam prender quem estivesse cometendo um crime?
Devo entender entao que se alguem estiver tentando estupra la como era comum ocorrer na USP o policial deva simplesmente passar adiante e nem tomar conheciemnto do crime ali praticado?
E se voce estiver sendo assaltada?
Tambem nao deve o policial tomar nenhuma atitude?
Talvez ser cavalheira e dar um cumprimento seguindo adiante?
Bem se a resposta foi nao ou seja que deveria tomar uma atitude qual a diferenca disto para estar se drogando e ou traficando?
Se alguem esta se drogando e o policial nada faz ele comete crime.
Acredita mesmo que os policiais nao devem proteger o campus?
Devo entender que deseja que os estupros voltem a figura original antes do convenio?
E os assaltos etc?
Muito curioso para dizer o minimo se for realmente assim.
Ramalho,
curioso tenta fazer uma apologia a cuba afirmando que la nao ha tanta desigualdade como aqui…
Bem se com isto quiser dizer que tudo e nivelado por baixo…
Se quer dizer que la e como a USSR na epoca de ouro onde havia falta de tudo menos para as lojas onde os membros do politiburo e os estrangeiros podiam comprar mas que ao cidadao comum era vedado o acesso ai pode ser.
Vocew acha que isto naoe desigualdade?
Alias falas de desigualdade…
E o lulla??
Sabe quanto ele tem?
Quanto ganhou e quanto ganha?
Acha que e o mesmo de um officeboy?
Acha mesmo?
Toda a hora vejo pessoas confundindo autonomia com in dependencia.
Ficam perguntando o que autorizaria o uso de forca policial.
Como ja dito acima antes tinhamos um regime de excessao.
Hoje a se acreditar no pt estamos em um estado de direito o que faz com que nao haja legitimidade para desobediencia civil.
O que autoriza o uso de forca policial e a existencia de crimes sendo praticados.
A depredacao de carros policiais… a existencia de pontode drogas. a existencia de furtos roubos e estupros.
E por final a existencia de um predio publico sendo invadido e depedrado autorizam sim o uso e a presenca da policia.

Responder

Luis

09/11/2011 - 11h24

Antonio,
voce afirma em sua manifestacao que a classe media gosta de ver o uso da forca pela PM sobre trabalhadores e estudantes.
Sorry mas de quando es tu?
Estas em que ano?
Voce se refere a qiue o governo deixa solto a alta bandidagem e o trafico de drogas..
Trafico de drogas?
Nao estaria se referindo as mesmas drogas que ocasionaram a prisao dos tres estudantes pela pm que detonou todo este episodio estaria?
Hum olha como sua critica nao tem fundamento….
Critica uma omissao que sugere haver das autoridades mas quando elas atuam para coibir o trafico e o uso de drogas voce critica?
Nao existe direito de se drogar como nao existe direito de pegar um bolido e sair a 300 km por hora em uma via normal.
Pessoa que se droga esta prejudicando a toda comunidade.
Isto porque nao existe trafico sem consumo.
Portanto quando voce se droga esta contribuindo DIRETAMENTE para os estupros assassinatos lesoes corporais etc que sempre andam juntos com o trafico.
Voce fala em atirar no limbo os jovens e pobres….
Curioso porque seria atirar no limbo jovens e pobres?
]Seriam os mesmos jovens que se negaram a manter a invasao?
E que os radicais esquerdistas esquecendo do que significa democracia ignoraram a decisao da assembleia que determinava a saida e instantes depois quando a maioria dos alunos ja havia se retirado fez nova votacao para aprovar a invasao e continuidade que neste momento ja nao possuia mais qualquer resquicio de legitimidade se e que em algum momente teve.
Fala de livrar sp de uma praga…
Ja deu uma olhada rescente no que o pt tem feito?
Desta praga pode ser sim que devamos nos livrar.
Um partido que se fazia de puro enquanto nao estava no poder mas que o assumindo fez tudo que jurava nao faria e nao fez tudo ou ao menos a grande maioria das coisas que disse que faria ao assumir o poder…
Me parece que voce e do principio de que se houver governo voce e contra.
Certamente todavia voce nao quer viver no meio do pacifico isolado de tido e tpodos quer?
Se nao entao e melhor aprender a viver em uma democracia.
Democracia nao e so se fazerr o que se quer mas sim viver respeitando os espacos de cada um e participando.
Marcos,
o problema e justamente este.
Droga provoca muitos efeitos colaterais nao somente na saude do usuario mas em todo o corpo social.
Imaginam quanto o uso de drogas (legais e ilegais) repercutem na sociedade?
Valores que deixam de ir para coisas que seriam mais proficuas para irem para tratamentos desde enfisema ate cancer ate…
Se fosse possivel que a pessoa realmente dissesse nao tem problema nao me socorrerrei do servico publico de saude.
Nao recorrerei a medicos e hospitais.
Se fosse possivel negar tratamento aquele que se droga ate aceitaria a descriminalizacao.
Fato e que que bebados e drogadpos provocam muitos acidentes que nao teriam porque acontecer se as drogas nao estivessem envolvidas.
O direito de qualquer pessoa vai ate onde comeca o meu e vice versa.
Porque tenho que pagar tratamentos de drogados?
Alias hoje em dia nao acho nenhum drogado um coitadinho seja usuariod e droga legal (cigarro bebida…) seja ilegal.
Hoje em dia se sabe quais os maleficios as droigas causam…
Tem ideia quanto voce eu e todos nao droigados pagam todo ano pelos drogados?
Quando comecar a fazer contas ficaras surpreendida o quao enorme e o prejuizo que SABENDO DO MALEFICIO estes droigados causam a voce e ao pais.

Responder

    Tiago Magaldi

    09/11/2011 - 11h48

    Quem acha que esse aqui é um debate sobre legitimidade da repressão às drogas, sobre limites do Estado de Direito, perdeu completamente o ponto da questão ou é incapaz de pensar politicamente. A ação política, violenta ou não, precisa de legitimidade: a "descoberta" da maconha funcionou perfeitamente pra isso. Ou a polícia só ficou sabendo agora onde se fuma na universidade? Aliás, se for pra reprimir mesmo seria preciso fechar a universidade INTEIRA. Só que, novamente, a repressão é seletiva, e serve a objetivos políticos muito bem delineados. É isso que está colocando em contradição muita gente aqui.

    É óbvio que o dever da polícia é reprimir, é óbvio que vivemos num "Estado de Direito" – seja lá o que isso signifique -, mas também me parece evidente que o uso da polícia e do Direito é seletivo, e em geral acompanha as intenções do status quo.

    "Legalizar" a discussão, torná-la uma discussão jurídica, é ocultar "progressistamente" (defesa do Direito) as claríssimas intenções políticas que existem por trás desse caso. Achar que o Estado de Direito é universal é um grande erro. Ele é aplicado seletivamente.

    Atualmente as drogas são a máscara favorita do poder. Goste ou não de maconha, seu pavor é instrumentalizado, e, pelos comentários "progressistas" aqui, essa tática está dando muito certo.

    augusto

    09/11/2011 - 12h02

    Diga isso sobre drogas para o FHC.
    e fechar saida de estudantes do Crusp : é puro Geraldo Garrastazu Alckimédici.
    Sem tirar nem por.
    Tucanagem em SP provoca muitos acidentes diretos e colaterais na saude dos paulistas e no bolso dos proprios(pedagio, alagamentos, calha do tiete, nova marginal, apagoes eletricos de 6, 8 horas, compra de emendas permanente na ALESP, robanel onde há até apagao de celulares, proteçao da midia, assinatura de uma media de dezesseis mil unidades de Revista e jornal corporativo para todas as escolas do estado, "progressao continuada" no ensino publico de SP… QUER MAIS?

Tobias Reis O. LLory

09/11/2011 - 11h02

qual o problema, qual a suposta "agressão" em ter a PM fazendo a segurança de uma ÁREA PÚBLICA, como a USP?

tirando esses gatos pingados q estão fazendo essa "revolução" os outros 80 mil estudantes da USP não estão se sentindo ofendidos e nem desrespeitados pela PM…

está mais do q claro a manipulação político-partidária dessa situação!

já apareceram "sindicatos", advogados do MST, políticos de esquerda…

tem de tudo nesse "movimento estudantil". menos estudante da USP!

Responder

Celso

09/11/2011 - 11h00

E a Reintegração de Posse da Cracolândia quando virá? Ou será que interessa ao governo de SP e/ou à PM a existência daquela "bucólica" região central de Tucanópolis, capital do Tucanistão?

Responder

LUIS

09/11/2011 - 10h39

E curioso como estes comunistazinhos tentam fazer uma inversao dos valores e da verdade.
Buscam desfigurar o que realmente ocorre.
E alias curioso como a mesma situacao quando ocorrida com seus aliados e tratado de uma maneira e quando com seus adversarios politicos de outra.
Dois pesos e duas medidas.
Tentam fazer um paralelo com o tempo da ditadura.
A grande maioria nem nascido era aquele tempo.
EU SIM vivi aquele tempo.
Dizem querer a democracia.
Dizem querer a legalidade a verdade.
Sao contudo os primeiros a falsear a verdade.
Nao ha como todavia inverter a verdade nestes casos.
Esta baderna toda nao ocorreu porque queriam protestar pela adocao ou nao de medidas academicas.
Esta baderna ocorrreu porque em virtude da falta de seguranca vigente nos dominios da USP que resultou em estupros e mais recentemente na morte de um estudante o conselho teve que se socorrer das autoridades constituidas e mais especificamente da Policia para ao menos diminuir a criminalidade existente no campus.
Criminalidade que diga se novamente resultou no ESTUPRO e no ASSASSINATO de colegas.
A MAIORIA dos alunos nao so concorda como deseja o policiamente ostensivo.
Onde estaria o abuso de um policial prender quem estivesse cometendo um crime?
Nao se viu nesta baderna ninguem debatendo sobre curriculo etc…
O que quiseram foi defender colegas que HAVIAM PRATICADO CRIME.
Alguns aqui lembraram de FHC.
Lembraram que este ex presidente propos o exame de descriminar ou seja mudar a legislacao para que o uso de drogas leves nao seja mais crime.
Uma coisa e propor o exame no forum adequado .
Pode se mudar a lei sim.
E mujdada desaparece a conduta criminosa.
Ate isto ocorrer todavia continua sendo crime utilizar se de drogas ilegalmente.
Ate um ex presidente se for flagrado consumindo drogas sera preso.
E um absurdo violar se a integridade da vida academica e propriedade publica ou seja MINHA E SUA para se defender o suposto direito de consumir drogas.
Estes alunos que nao querem a pm fazendo ronda assume todos os prejuizos materiais e morais que a criminalidade vem ocasionando?
Ira proporcionar alguma forma de retrivuicao as alunas estupradas a partir que a pm saia?

E a familia dos assassinados?
Talvez ao menos pagar o prejuizo dos assaltados?
Claro que nao se propoem a isto.
Querem e somente um local livre para se drogar e fazerem todo o demais que no territorio da federacao e considerado crime.
Em nenhum lugar do mundo a autoridade da lei fica afastada dos campi.
Nao querer a patrulha da policia para se drogar e o maximo da burrice pois deixam a si e aos demais desprotegidos.
E todavia obvio que criminosos nao vao querer a melhoria dos indices de criminalidade ja que sao parte da mesma.
Estudantes EU pago sua educacao ao pagar meus impostos.
Vao estudar em vez de se droigar.
Se preferem se drogar saiam da faculdade que estou pagando e deem lugar aqueles que realmente desejam estudar…

Responder

    cronopio

    10/11/2011 - 12h26

    Prefiro ser comunistazinho…

    do que fascistazinho.

plinio

09/11/2011 - 09h50

Acredito plenamente no teor desta carta dos nossos queridos estudantes, porém essa nós perdemos. Perdemos a opinião do cidadão comum não esses escribas provocadores que tem infestado esse democrático espaço de discussão. A tática foi mal conduzida, faltou que líderes da nossa esquerda os orientassem ao recuo. Apoio plenamente sem restricções as legítimas reivindicações. Mas perdemos essa. O rótulo está fixado: maconheiros baderneiros e comunistas. Isso ficou, não adianta chorar

Responder

monge scéptico

09/11/2011 - 09h46

Acompanhando a distância, sem muita informação sobre do que realmente se trata,
Pergunto; não haverá exagero nessas ações dos estudantes? Não estarão queren-
-do provocar um caos incontrolável? Se,as questões forem discutidas publicamente,
não será mais fácil, chegar a um acordo?
Se a questão entretanto envolver o uso da maconha no campus, eles não tem razão.
Se querem fumar maconha, porque não o fazem em casa? Porque não respeitam
normas? Vão fazer greve? Façam para sempre!; fiquem sem formação. A USP deve
voltar-lhes as costas e, cuidar dos que querem se formar e, fumar a maconha deles
em casa ou , no inferno!! IDIOTAS!!
Em tempo:não sou a favor da polícia em campus universitários; mas se essse é inv-
-adido por hordas de imbecís cujo objetivo "glorioso" é drogar-se, é inaceitável.
Vão projetar um processador, se tem capacidade. disso o país precisa.

Responder

Segio R. Dias

09/11/2011 - 09h30

Carissímo Azenha, você já foi melhor! Sei que você abre espaço no seu blog a todos que querem se espressar, porem isso já é demais. Este cara não sabe nem o que está falando. Se não vejamos, estudantes da USP devem ter no máximo 25 anos, portanto nasceram em 1986, já na democracia. É sabido que nas nossas escolas não se ensina história, se conta o que interessa, então perguntos aos amigos COMO ESTES CARAS SABEM TANTO SOBRE A DITADURA? Eu sei o que foi a ditadura, eu vivi a ditaduara, mas estes caras não sabem nem o que comeram ontem, são pessoas mimadas e que foram atingidos no direito que acreditam que têm de fumar maconha onde eles quiserem. Me considero de esquerda, sou de esquerda, eleitor da esquerda, eleitor! e não concordo com esta safadesa, isto não é ideal, é favorecimento a alguns privilegiados. Outra coisa, leiam todas as noticias, de todos os veiculos, leiam os comentarios, se interem do assunto, não sejam marionetes, respeitem as leis, a Constituição Federal, as normas do Campus da USP, respeitem as opiniões contrarias as suas, não seja adepto da violência, e acima de tudo TRABALHE! Por fim, não ataque os procedimentos de uma instituição a qual vocês não conhecem, a PM tem manuais como todo profional e o segue, faz o que é autorizado e determinado pela Justiça. Não cabe a PM discutir determinação judicial ou se negar a cumpri-la.

Responder

    ana

    09/11/2011 - 10h42

    Sergio, é você quem precisa se inteirar melhor sobre os fatos. e de esquerda você não tem nada, nadinha

    Luiz

    09/11/2011 - 12h47

    GRANDE COISA NÂO SER O QUE O PCO/PSTU/PSOL consideram de esquerda! O Sérgio esta se referindo ao vazio da causa destes "revolucionários", o direito de matar aula para se drogar, jogando o dinheiro gasto em educação no lixo(e ainda querem 10% do PIB para a educação). Este pessoal não sabe o que é democracia; o fato de não gostarem do PSDB, não quer dizer que se possa justificar qualquer aberração só por ser contra ao partido.

    cronopio

    09/11/2011 - 13h54

    Você realmente fez parte da luta contra a ditadura? Qual foi sua atuação? poderia fornecer um relato que ilustrasse as diferenças alegadas? Obrigado.

leandro

09/11/2011 - 07h41

Ontem um estudande tentou invadir o senado para protestar contra o código florestal e foi detido pela polícia com choque elétrico. Nada aqui. Porque? Porque o senado é governista? Porque o presidente do senado é o maior aliado do governo?

Responder

JOSE MARIO HRP

09/11/2011 - 07h02

Vejam só, os estudantes “TERRORISTAS, VAGABUNDOS, QUADRILHEIROS da USP já foram soltos por isso tem mais é que continuar com os protestos, pois a coisa não se resume a meganha no campus, mas falta de material, de verbas, ensino ruim, e condição péssima dos prédios e equipamentos.
Aliás vejam só, a USP em todos os campus e extensões tem um orçamento de 3,6 bulhões, dos quais 3 são para salários e 600 milhões para o resto.!
Bem a surpresa é que a USP tem inumeros imóveis por toda a Sampa capital, coisas como salas de escritórios , terrenos com estacionamentos , e vagas de estacionamento em um prédio que abriga financeiras na Paulista?????!!!!!
Nos 16 anos do atual governo azul/amarelo a caixa preta da USP foi ficando mais frchada e sem ranhuras…..uma verdadeira incógnita, pior até que a caixa preta do Tribunal de Justiça , que fechou acordo de silencio com o executivo após Covas e na contra partida está sempre com a frota de luxo renovada, sistemas de ar condicionado de prima!, e pasmem, um prédio só de gabinetes de desembargadores , dum luxo sem igual, no prédio que antes abrigou o antigo Hotel Hilton de Sampa!

A festa não pode parar e a USP é um grande enigma de corrupção e esbórnia financeiro administrativa!
VIVA o RODAS, o bom lacaio!
O Amigo do peito do José Serra Chiriquio!

Responder

FrancoAtirador

09/11/2011 - 04h10

.
.
PROMOÇÃO PARA OS TROLLS AQUI DO BLOG

<img src="http://googleads.g.doubleclick.net/pagead/imgad?id=CICAgICAtN7-hgEQ1AMYPDII2zeF94N3L_M"&gt;

Responder

t tonucci

09/11/2011 - 03h27

Os ônibus me lembraram Ibiuna. A história sempre se repete. Como tucano é burro.

Responder

Cláudio Gress

09/11/2011 - 02h58

Pedro Calmon , da UFRJ , reitor no período militar , sete ciou a melhor opinião sobre este episódio deplorável em São Paulo : "militar na universidade só entra se prestar vestibular " .

E muito estranho tachar o movimento como movimento de maconheiros . Como assim?

Há mais coisas aí. Na sala de minha filha ,a professora de história , de colégio recente,ente comprado pela rede abril , constrangida , criou um paralelo entre este episódio e ida ocupação do prédio da UNE pelos militares de 64 , afirmando que ksa unos de 64 , também , nao tinham um motivo justo para rebelarem -se . Minha filha disse – ME isto e pareceu – lhe que a professora nao citava a sua verdadeira opinião , mas a imposta pela direção da escola ,que cortara livros e adotara somente apóstolas a partir do próximo ano , sob protesto de alguns professores .
Portanto , muita atenção , há algo podre nesta história envolvendo estudantes na USP . Quer dizer que aluno que fuma nao podeser de luta ? Quer dizer que onde tem aluno que fume uma maconha a policia pode entrar , bater , prender ?

Responder

    LUIS

    09/11/2011 - 12h08

    Claudio,
    Acredito que esteja desinformado…
    A pecha em verdade se refere a causa de sta baderna toda.
    Este movimento nao foi por causa de demandas estudantis.
    Nao ocorreu porque acreditassem os alunos que a reitoria deveria tomar tal ou qual atitude academica.
    Ocorreu porque alguns alunos , poucos em verdade, se rebelaram contra a prisao de tres estudantes que usavam ( traficavam?nao sei) drogas na USP.
    Sob alegacao de que a universidade e autonoma (confundindo autonomia com independendcia) asseveravam que nao seria possivel prender pessoas que cometeem crime na universidade.
    Ou seja a USP seria um ponto extraterritorial no meio da cidade de sao paulo.
    Possuiria soberania.e desta maneira a PM nao teria legitimidade para prender criminosos em suas cernanias.
    DEsde quando violar a lei e uma boa razao?
    Estamos vivendo um estado de direito ou ao menos e o que o pt afirma.
    Os estudantes em desrespeito a democracia rejeitaram a decisao da assembleia e retomaram um protesto e invasao descartado pela maioria dos estudantes que nao so nao queriam protestar como em verdade querem a presenca da policia em patrulhas.
    Isto e facil saber porque.
    Desde que houve a assinatura do convenio os estupros agressoes furtos e roubos diminuiram sensivelmente.
    So quem nao gostou disto foram as pessoas que utilizam drogas seja comMe desculpe mas parece que nao conhece o caso ao menos suas perguntas assim o demonstram.
    O caso surgiu porque tres estudantes estavam se drogando e foram presas pela policia.
    Seus colegas depredaram coisa publica.
    Carros da pm foram depredados.
    E a partir dai iniciaram um protesto que quando descoberto a real situacao dos alunos presos foi rechacado pela maioria dos estudantes a continuidade de um protesto por algo que os proprios estudantes viviam demandando ou seja mais seguranca nos campi.
    Os alunos decidiram entao encerrar o movimento mas uma minoria DESRESPEITANDO uma decisao da assembleia decidiram continuar um movimento que os demais alunos A MAIORIA havia determinado nao caber.
    Quanto a sua pergunta imagino que academica se onde tiver aluno que fume a policia pode entrar bater prender…
    Estamos num estado de direito.
    A constituicao e o arcabouco juridico como um todo protege o cidadao da interferencia indevida do estado mas determina como se faz a INTERFERENCIA DEVIDA.
    Portanto comecemos pelo bater… Nao em principio a policia nao pode sair batendo em quem quer que seja.
    Isto e obvio.
    Ja com referencia a entrar e prender ai depende.
    Nossa legislacao afirma que a casa e asilo inviolavel somente podendo entrar sem permissao em razao de ordem judicial ou quando esteja ocorrendo flagrante delito.
    Ou seja esta acontecendo um crime em uma residencia ai sim pode entrar mas tem que saber que esta ocorrendo ou ter razao para acreditar.
    Agora uma universidade nao e residencia e local publico.
    Alguem que esteja furtando roubando pode ser preso de imediato e ninguem acha errado .
    Da mesma maneira se alguem em vez de roubar estiver traficando e/ou utilizando droga de maneira ilegal estara sujeita sim a ser presa.
    Respondendo a sua pergunta se alguem que se droga pode ser de luta?
    Com certeza sera um criminoso ja quanto a ser de luta depende da inteligencia dele e da hombridade.
    Quanto a hombridade nada posso falar ja quanto a inteligencia?
    Ai fica dificil .. Uma pessoa que se droga nao demonstra muita inteligencia mas enfim…

    cronopio

    09/11/2011 - 13h56

    A legalização da maconha nem é pauta do movimento. Procure se informar. Grato.

Jair Almansur

09/11/2011 - 02h37

A ocupação da reitoria é ação de carater neo-facista, nada tem com democratica. A utilização da PM para o cumprimento de ordem judicial é o óbvio. Todos sabemos que o grande número de policiais é técnica para dissuadir a resistência e evitar violência.
Um único reparo. Se o fato ocorresse na Venezuela, Cuba, Líbia ou Irã. Seria motivo de agressão imperialista a esses países.

Responder

Regis

09/11/2011 - 00h31

Engraçado PC do B atolado em corrupção,
e os pseudo comunista querendo protestar por liberdade no campus…
acho que vc estão protestando no lugar errado ou o partido de vcs pseudo comunitas está acima da LEI?

a USP tem 80 mil alunos, enquanto +ou- 300 participaram dos protestos ou seja = 0,00375% da facultade!

A minoria tentando impor sua vontade sobre a maioria…
censuraram a midia de cobrir o protesto…

Pera aeeww.. quem é a Ditadura mesmo?

Responder

beattrice

08/11/2011 - 23h57

A melhor definição do episódio, a de José de Abreu no Twitter:
"Estudante na Universidade sempre tem razão,
PM na universidade nunca tem razão."

Responder

    Theo R.Olliveira

    11/11/2011 - 17h37

    tão profundo quanto um pires…

    Conceição Lemes

    11/11/2011 - 23h21

    Novo nick, Multiplus, Tobias e agora Theo?

guilherme

08/11/2011 - 23h30

Os alunos estão com toda razão, não existe um pq da polícia estar agindo de forma truculenta nos dias que antecederama ocupação. Fui estudante da FFLCH, história, e sei que existe vários problemas no DCE, porém filhinho de paipai tem mesmo do outro lado, poli, fea, med, nas humanas as maiores cabeças pensantes. Tanto porfessores e alunos estão querendo liberdade, não interferencia dos militares, que não tem bom histórico por lá. Fora isso é um protesto contra o atual reitor, psdbista, que desde o repasse apenas para os departamentos tecnológicos, perdeu totalmente apoio dos departamentos das ciências humanas. Força e cabeça, não caiam nas armadilhas da direita que querem ridicularizar a causa, que acha que a lei é intrasponível, só esquecem que a lei que esta ai foi escrita com sangue das elites de suas épocas, agora o sangue será de quem?

Responder

Yes we créu !!!

08/11/2011 - 23h27

Acabei de receber um email sobre alguem descrevendo o ocorrido hoje na USP. Tempos tristes, os quais serao cobrados, com juros, do governo canalha que se instalou no Palacio dos Bandeirantes. Segue o relato:

> Sinto ter que compartilhar com vcs uma tragédia ocorrida na madrugada
> de hj na USP. Um enorme efetivo da tropa de choque, cavalaria,
> esquadrão ante-bombas, dois helicópteros se instalaram ao redor da
> reitoria e do CRUSP para invadí-la e prender os estudantes que estavam
> lá dentro. Aliás, vários estudantes apanharam mesmo sem mostrar qq
> resistência a prisão. No Crusp jogaram bomba de madrugada para
> dispersar aqueles que desciam e tentavam articular alguma
> manifestação. As lideranças que estavam fora da reitoria foram presas
> cirurgicamente pela PM, o que nos mostra um sistema de vigilância
> muito parecido com o que os milicos faziam durante os seu tempo no
> poder. O efetivo presente hj aqui pra desocupar a reitoria foi igual
> ou maior ao utilizado em 1968 pra desocupar o CRUSP dos seus
> moradores. Desculpem-me pela mensagem desajeitada, mas acabo de voltar
> da trajédia que ocorre lá embaixo… não demora muito ela sobe para
> os apartamentos. Muitos de nós foram impedidos de sair de seus
> apartamentos para ajudar na manifestação pela polícia, primeiro pelas
> bombas e depois pelas armas, com balas de verdade, apontadas para os
> nossos rostos. Estas imagens podem ser vistas inclusive nesta imprensa
> nojenta e mentirosa. O Raul, que vende livros nos corredores do CRUSP,
> teve seus livros atirados no chão e pisoteados pela polícia. No dia 27
> do mes passado, durante a manifestação na FFLCH, os policiais chegaram
> a bater num professor dentro do prédio das Ciências Sociais. Pra quem
> ainda tinha alguma dúvida da função da PM dentro do campus, aí está
> uma boa demostração do seu aparelho repressor de movimentos sociais.
> Esta tragédia já estava anunciada assim como não me surpreende se
> mortes ocorrerem da repressão às próximas manifestações que virão em
> resposta a esta brutal repressão. Ou vcs acham que as armas empunhadas
> e engatilhadas apontadas para o rosto das pessoas hj de madrugada era
> uma brincadeira de muito mau gosto?
> Com revolta,
> Gustavo
>

Responder

    JOSE MARIO HRP

    09/11/2011 - 08h46

    O Alckimin enfiando a MEGANHA dentro da USP quer criar um estado de coisas, mas vai acabar como o Fleury e seu secretário da segurança(um promotorzinho de meia pataca)depois dos 111 do Carandiru, no descrédito geral.
    Tomara esteja eu vivo pra ver o fim da carreira politica desse nefasto.

    Henrique

    09/11/2011 - 22h36

    Os estudantes estavam errados. Não poderiam ter invadido e muito menos descumprido uma decisão judicial.

cassio magalhães

08/11/2011 - 22h59

Direto ao assunto: se tivessem aluno da Politécnica, Faculdade de Engenharia da USP a polícia teria invadido? KKKKKK.. claro que não.. na Poli estudam a nata de sampa, filhos dos bacanas.. Assim como não houve nenhum incidente no movimento organizado pela rede globo para o impeachent do Collor, lembram? Só tinha estudando do Bandeirantes, Dante, Santa Cruz, e etc…. é assim que funciona!! fui!

Responder

Tadeo

08/11/2011 - 22h55

o uso de drogas se nao me engano e crime, e deve sim ser resolvido com a policia.. (2)

Responder

Ricardo

08/11/2011 - 22h37

Gostei muito do trecho final (intencional ou não) que se refere ao "Ato InCONstitucional Nº 5". ;-)

Responder

Polengo

08/11/2011 - 22h29

Aonde está toda essa polícia na rua?

Quando tem manifestação de trabalhadores, estudantes, seja lá qual for o motivo, aparece um monte.
Quando vêm gente te assaltar e ameaçar na rua, não aparece um.

Responder

Jair

08/11/2011 - 22h27

Concordo quando se condena a destruição de patrimônio público, pago com dinheiro de impostos pago por todos nós. Quanto a isso concordo plenamente com o desgovernado Geraldo.
Também concordo quando ele diz que "É inadmissível isso, é lamentável que tenha que chegar ao ponto de a policia ter que ir lá para fazer cumprir uma decisão judicial …"
Então, caro "governador", comece a dar o exemplo e cumpra imediatamente as decisões judiciais (as quais não cabem mais recurso) quanto ao pagamento de dívidas do Estado, que o senhor e sua trupe insistem em desrespeitar.

Responder

CDAS

08/11/2011 - 22h26

Porque sempre que precisa de uma opinião "Isenta" a Globo ou a Veja ouvem o historiador Marco Antonio Villa?

Responder

    Zóinho

    09/11/2011 - 17h29

    Porque é um intelectual sério e não um esquerdopata que só emite lugares comuns.

Paulo

08/11/2011 - 22h22

Que tal sair do "arco reflexo", a resposta condicionada ao post (desculpem, mas não estou em condições…) e fazer alguma coisa útil?

Amanhã, 9/11, às 19h, haverá um encontro promovido pela Reitoria Chama-se "Encontro de Gerações". O encontro é uma espécie de grande confraternização entre docentes – e onde estará o seu Rodas – na Sala São Paulo, na Pça. Julio Prestes, Centro de São Paulo. Parece que haverá uma espécie de coquetel com belisques diversos (olha o dinheiro público jogado fora) e apresentação de música clássica. A informação é quente.

Aos CAs, DCEs (se houver algum em solidariedade aos alunos da USP), partidos políticos, grupos diversos: é preciso deixar de lado algumas diferenças e se unir em torno daquilo que é fundamental, a autonomia universitária, cuja perspectiva está além da questão da polícia no campus ("além", pois a autonomia pressupõe gerir a própria segurança). É simples: desça na estação Luz do Metrô (linhas azul e amarela do metrô, moleza) e vá à pé, é pertinho. Ligue para o seu amigo, para o Centro Acadêmico, divulgue em sua Unidade, use o e-mail, Twitter. Não se tranque na universidade, ganhe a rua…

Responder

Armando do Prado

08/11/2011 - 22h20

Estudei na velha USP nos anos 70. Nem naquela época sofremos essa descarada intrvenção militar. Com a palavra o palhaço da opus dei, vulgo alckmin.

Responder

Luís Felipe

08/11/2011 - 22h15

o Marcio CR é a única pessoa sensata nesse balaio todo…

Estes estudantes não tem nenhuma LEGITIMIDADE para nada, invadem prédio público pelo fato de se sentirem incomodados de usarem drogas !!!

Acordem !!!

Não se está impedindo nenhum direito político nem de livre expressão, simplesmente se está reprimindo crime cometido por estes almofadinhas drogados.

Sim, crimes: apologia a drogas e invasão de propriedade.

A reação da polícia foi exagerada, em ato oportunista do Governo de SP de mostrar força, mas entre os dois, pau nesses vagabundos que queimaram as futuras oportunidades do movimento estudantil sério reivindicar algo que realmente fosse legítimo.

Responder

Sérgio VS

08/11/2011 - 22h12

que nobre causa!!! direito de fumar maconha!!! faça-me o favor! pq não fumam em suas casas? tem ser no campus? esses estudantes cresceram sem discipliana…tem que levar sorva da polcia… desordeiros, desobedientes, sem limites…não deveria nem ter direito a fiança…deveriam ser proibidos de entrar em faculdades públicas…

Responder

    Leandro Donizetti

    09/11/2011 - 01h01

    a questao eh maior que a maconha, estao discutindo a presenca de pms na usp.
    esses movimentos são fruto da falta de expressão politica dos estudantes dentro da usp.

    Gabriela

    09/11/2011 - 07h26

    Nenhuma polícia tem o direito de dar SORVA em ninguém, seja estudante, preso, mendigo, favelado, rico, pobre, etc… Acho que estamos perdendo a noção do que é realmente prioridade na sociedade em que vivemos!

    Professor

    09/11/2011 - 07h31

    Ora… FHC, lider eterno da sua turma, comanda um movimento pela descriminalização (você sabe o que significa? fumar maconha deixa de ser crime…) da erva maldita. Veja bem, tucaninho… FHC acha que maconha não é nada sério e grave. Entendeu?

    Tobias Reis O. LLory

    09/11/2011 - 10h56

    FHC ou qualquer um tem o direito de defender a discriminalização da maconha… mas nem FHC nem ninguem pode fumar maconha publicamente!

    se vc não entende a diferença, sai de fininho q eu nem sei desenhar!

    cronopio

    10/11/2011 - 12h25

    Voltam aos mesmos argumentos, será pedir demais? A questão da legalização ou da proibição da maconha nem mesmo é pauta dos estudantes. Leiam o texto de Pablo Ortellado. Grato.

Fabio_Passos

08/11/2011 - 22h09

Um barato. Latuff acerta em cheio:
<img src=http://s1-05.twitpicproxy.com/photos/large/441500441.gif>

Responder

    Danilo

    09/11/2011 - 10h10

    HHAHAUHAUHAUH

    tão preconceituoso quanto o público que pretende atingir.

    Um mundo cheio de boas causas p/ defender, mas tem que estudar, dá trabalho.

    Karen

    09/11/2011 - 14h00

    como assim? E vc será que não consegue entender a legitimidade desta luta dos estudantes que não querem ter que conviver diariamente com policiais revistando-os, indiciando pessoas por serem homossexuais com a alegação de atentado ao pudor. Talvez vc seja mais um que frequenta os bons lugares onde não há "essa gente diferenciada" como alguns tem dito, mas há quem vem sofrendo estes e outros tipos de repressão, dentro da USP. E esta a luta destes corajosos alunos, que acima de tudo sabem quem são e não estão deixando se levar por esta reprodução barata e massiva de que são um bando de maconheiro. Eles estudam sim, por isso sabem o qto é injusto ver tantas pessoas com um pensamento medíocre, se alimentando do vômito da imprensa sem capacidade e autonomia de pensamento, do uso abusivo de poder como o reitor Rodas (que participou da ditadura) e governantes vem fazendo, PM usando sua força de forma brutal e irracional. Se informe, não pense que tomar conhecimento dos fatos é passar da Veja para G1. E qto ao dinheiro público que todos vem lamentando, por que não há tanta revolta nos muitos casos de policiais que matam sem razões, (ex: http://noticias.r7.com/videos/pm-mata-estudante-c… o dinheiro da bala, da arma, do pagamento dos policiais é nosso. O dinheiro nos bolsos dos políticos corruptos tbm. E aí vcs conseguem ir além de algumas linhas na internet e reclamarem seus direitos ativamente. FORÇA AOS MANIFESTANTES!!!!

    cronopio

    09/11/2011 - 14h05

    "Estudar" ou "trabalhar", Danilo?

    Lucas

    09/11/2011 - 14h58

    Alguém já disse e eu concordo:não sei quem é o melhor cartunista do Brasil, mas o pior eu sei.

Mário Ruy

08/11/2011 - 22h08

Polícia em campus universitário? Só pode dar m…

Responder

marcio_cr

08/11/2011 - 21h53

Houvesse uma causa justa, uma motivação nobre que justificasse todo esse carnaval, toda essa depredação, a população teria apoiado esse grupelho. Ou, pelo menos, entendido. Não foi a primeira vez que uma reitoria foi ocupada, mas nenhuma outra mobilizou tanto a população. Contra.

Porque logo ficou claro que a motivação era egoísta, fútil e patética, uma vergonha ao movimento estudantil sério. Nos dias seguintes à primeira ocupação, o que se viu foi a mera vagabundagem de um grupo radical, mimado, xiita, assustadoramente anti-democrático e truculento.

Bradavam por "liberdade", mas agrediam jornalistas, mostrando que não sabem usar a mídia com inteligência, ao seu favor. Diziam não ter medo de nada, de "sistema" nenhum, mas não tinham coragem de mostrar os rostos, encobertos por camisetas feito numa rebelião de internos da FEBEM. Não aceitaram, democraticamente, o resultado de uma eleição entre eles próprios (!). E o principal: a motivação era absurda, inaceitável e longe de representar o pensamento de toda a comunidade do campus.

Megalômanos, tivaram a cara-de-pau de se autointitularem "presos políticos" e grandes perseguidos, querendo crer que estão lutando feito brasileiros que sofreram contra a ditadura, que lutaram por causas nobres. :lol:

O saldo dessa merda toda: um vexame de proporções épicas, que expôs ao ridículo até jovens que estão fisicamente longe da USP, mas que são facilmente identificáveis com aquelas figuras deprimentes, mimadas. Passaram vergonha junto.

E quem defende um debate sério sobre a liberação específica da maconha (não de TODAS as drogas) pode chorar, porque qualquer campanha que tenha sido feita no sentido de ganhar mais adeptos à causa, de convencer a opinião pública, foi pra lata de lixo com uns 15 dias da pior propaganda possível que se podia esperar. A imagem do maconheiro típico, que foi vendida em rede nacional por essa pequena amostragem, é a de um sujeito fora da realidade, arrogante pra cacete e agressivo. Quem passou isso pro Brasil inteiro foram eles mesmos, não merda nenhuma de mídia comprada, como eles falam. Eles que envolveram definitivamente a maconha na história. E as declarações e atitudes que vieram sem seguida falam por si.

Responder

    _Rorschach_

    08/11/2011 - 22h17

    Cara, você falou tudo.

    Vide a manifestação dos bombeiros, quando toda a população ficou a favor, o que fez o Governador do RJ recuar e até pedir desculpas.

    Se são universitários, tinham que agir com o cérebro e não como um bando de trogloditas.

    Rjp

    08/11/2011 - 23h56

    Aqui na UFRJ a reitoria foi,ocupada em 1998, por causa da política do MEc de colocar o 3o nome da listatríplice. Houveram excessos, mas era uma discussão e um protesto que eu como ex-aluno, considerei justo e válido. Não adiantou, perdemos e tivemos que o Vilhena até o fim.
    Agora, do pouco que vi da USP, parece que protestaram da maneira errada desde o início. E conseguiram o que seus opositores queriam: a antipatia da população. Estúpidos… Lamentável.

    Luiz

    09/11/2011 - 12h55

    Apoiado, resumiu tudo!

    Marcela

    08/11/2011 - 23h30

    apoiado!!!

    Tiago

    08/11/2011 - 23h52

    Colega "marcio_cr", concordo em absoluto com suas palavras. Esse foi um dia triste para a esquerda brasileira: pseudo-revolucionários "em luta contra o fascismo", com uma motivação absurda que nem de longe lembra a causa proletaria (a proposito, QUANTOS proletários estavam ali no meio?NENHUM!), e como você disse, com atitudes que beiram o infantil e o patético. Deus, nunca imaginei tamanho vexame! Neste blog nao haverá nenhum texto sobre a depredação do prédio, sobre o consumo de drogas no campus (ou os outros alunos nao tem o direito de se incomodar?), sobre a ato grotesco deste triste capitulo da "luta contra o fascismo"? Infelizmente, esse lamentável episódio só dá munição para a Veja e sua laia, enquanto os "blogueiros progressistas" tentam comicamente encontrar uma causa revolucionária-anti-burguesa-anti-fascista-proletaria para justificar essa piada.

    cronopio

    09/11/2011 - 14h02

    O Zizek tem razão: com uma esquerda dessas quem precisa de direita. Vamos esperar sentados até que os "verdadeiros proletários" comecem a revolução, né? Mas… cá entre nós, acho que eles estão mais preocupados em garantir os lucros exorbitantes que as aplicações dos fundos de pensão propiciam no mercado financeiro.
    Ah, vale lembrar mais uma vez que a legalização da maconha não é pauta do movimento. Para maiores informações, leia-se o texto de Pablo Ortellado, aqui mesmo no Viomundo.
    Aliás, sobre a depredação do prédio, acho que o tapete de 32 mil reais que o Rodas adquiriu com dinheiro público dá e sobra para pintar as paredes que os alunos pixaram e repor os móveis e portas que a PM destruiu para produzir evidências.
    Grato.

    MiqueiAstuto

    09/11/2011 - 00h37

    Você realmente leu o texto? E outros que estão nesse blog?

    Alexandre

    09/11/2011 - 17h29

    Marcio_cr, realmente você continua repetindo as mesmas banalidades da mídia golpista. Não foi o ato dos estudantes que indignou a sociedade e sim a forma como a imprensa abordou o assunto, de forma manipulada, nem se os estudantes quisessem teriam aproveitado a imprensa, porque ela já foi lá com uma pauta em mãos: criminalizar o movimento!

Regina Braga

08/11/2011 - 21h19

Pois é…protestar contra aumento nas tarifas de ônibus tbém é crime, com direito a gás e balas de borracha…O governador, sabe mesmo o que é uma democracia…feita com tropa de choque!O general Newton Cruz tbém sabia…são os seus representantes.Os jovens são vândalos,bagunceiros,etc…Igual aos meninos da Wall Street…Estudantes desarmados contra a tropa de choque…mui machos!!!

Responder

Gerson

08/11/2011 - 21h09

A polícia apresenta suas armas
Escudos transparentes, cacetetes
Capacetes reluzentes
E a determinação de manter
Em seu lugar

O governo apresenta suas armas
Discurso reticente, novidade inconsistente
E a liberdade cai por terra
Aos pés de um filme de Godard

A cidade apresenta suas armas
Meninos nos sinais, mendigos pelos cantos
E o espanto está nos olhos de quem vê
O grande monstro a se criar

Os negros apresentam suas armas
As costas marcadas, as mãos calejadas
E a esperteza que só tem quem tá
Cansado de apanhar.

Dizem que ela existe
Prá ajudar!
Dizem que ela existe
Prá proteger!
Eu sei que ela pode
Te parar!
Eu sei que ela pode
Te prender!…

Polícia!
Para quem precisa
Polícia!
Para quem precisa
De polícia…

Dizem prá você
Obedecer!
Dizem prá você
Responder!
Dizem prá você
Cooperar!
Dizem prá você
Respeitar!…

Polícia!
Para quem precisa
Polícia!
Para quem precisa
De polícia…

Responder

Angela Liuti

08/11/2011 - 21h06

Nota Zero para o governo de São paulo, para o reitor da USP e milicada.Toda a solidariedade aos estudantes que na bravura juvenil, nos enchem de orgulho e fé no futuro que está por vir com esta nova geração. Policia para quem precisa de policias, senhores feudais!

Responder

Wendel

08/11/2011 - 20h41

A lei tem que ser cumprida, "doela at quem doela"!
O artigo, ou melhor a nota não diz o que pretendem, mas na realidade o que querem é liberdade de fumarem maconha e usarem drogas nas dependencias da Universidade.
Se querem fazer uso de drogas, no campus, ao invés de exigirem uma melhor grade de estudos e instalações, que primeiro respeitem as leis, pois do contrário só serão menos respeitados e péssimos profissionais.
O que vemos hoje, são profissionais inábeis e mal formados, a atenderem o mercado e às pessoas. Vide os erros médicos e outras deficiencias.
Toda reivindicaão estudantil a meu ver, deve ser voltado a melhoria do ensino, com bons professores e reformulação do ensino que anda defasado e mediocre.
Fora disto, é pura manipulação e infatilidade.

Responder

José Vitor

08/11/2011 - 20h35

Pelo menos uma coisa espero que todo mundo tenha percebido: tucano é tudo igual.
Debaixo da cara de sonso do Alckmin ele é igualzinho ao Serra: incompetente e autoritário.
E a Dilma fica de beijinhos com essa gente.

Responder

    beattrice

    08/11/2011 - 23h54

    Alckmin é pior que o Serra, Serra tenta mas não tem penetração na extrema direita,__Alckmin é cria do franquismo e pupilo do OPUS DEI no BRASIL__Quem nãos abe do que se trata, favor informar-se.

Creuza Maciel

08/11/2011 - 19h59

Me da arrepio…estas cenas me levam aos tenebrosos dias dos anos 64….. 68… PUC invadida… eu estava lá…

Responder

    Marcos W.

    08/11/2011 - 20h27

    Nada!Na França,na Inglaterra e em tantos outros países democráticos,a polícia,quando não as Forças Armadas,sentam a borracha e a Democracia não sofre um arranhão!É essa mesmíssima estorinha,qual seja,de que a Democracia está em risco,que tentam nos contar do lado oposto,quando,por exemplo,o MST invade uma fazenda!Que o proprietário entre na Justiça e,se tiver ganho de causa,que seja feito o despejo!E vamos para outra,sem covardia,sem fazer previsões pessimistas,sem dar aos adversários quaisquer chance de que possa ocorrer o que eles querem que ocorra!À luta!

    beattrice

    08/11/2011 - 23h55

    A direita está num assanhamento hoje que dá gosto, para os fascistinhas,
    eita filhotes da ditadura.

    Diego Rafael - DF

    09/11/2011 - 04h22

    Uai, esses países também foram vítimas de governos ditatoriais de exceção no passado?

Marcos W.

08/11/2011 - 19h54

Tudo isso resultado da criminalização do uso da maconha!Sou a favor da liberação do consumo de qualquer droga.Se o indivíduo quer usar tabaco,"tomar bola",fumar pedra ou maconha,"cheirar todas" ou encher a cara de trago todos os dias,que o faça.Mas sou a favor também que os drogaditos paguem pelo tratamento que por acaso se lhes faça necessário,aliviando o SUS,inclusive.Sobraria grana para melhorar o sistema público de saúde!

Responder

Ze Duarte

08/11/2011 - 19h53

"Os procedimentos da reintegração foram feitos sem a presença de nenhuma autoridade da universidade, a despeito da formação de uma comissão de professores da Associação dos Docentes da USP (Adusp) responsável pelo acompanhamento da reintegração de posse, de modo que informações sobre danos, presença de objetos suspeitos, atos de vandalismo e abuso de poder não puderam ser averiguados. "

Foi feita perícia no local pela polícia…

Responder

    Nelson

    09/11/2011 - 16h20

    e QUEM confia na polícia? seja honesto: você CONFIA na polícia?

    Pedro

    09/11/2011 - 17h13

    Eu confio.

    cronopio

    10/11/2011 - 12h10

    É verdade, Pedro, a polícia de São Paulo é honesta. Não recebe propinas, não age em conluio com organizações crimonosas e está preparadíssima para lidar com situações de conflito.

    Gisele

    10/11/2011 - 20h55

    Otário!!!

Fabio_Passos

08/11/2011 - 19h47

Lamentável. É a pior "elite" do mundo usando a polícia para reprimir estudantes na USP.
Alckmin e o psdb tem responsabilidade direta por reeditar a política do prendo e arrebento.

Responder

    Ricardo_Alves

    08/11/2011 - 21h43

    e, o fiqueredo fez historia "eu bato, prendo e arrebento."

    Fabio_Passos

    08/11/2011 - 22h06

    Os apoiadores do psdb são os mesmos que adoravam figueiredo, maluf, enfim… viúvas saudosas da ditadura. leitores da veja.

trombeta

08/11/2011 - 19h42

As viuvinhas da ditadura estão alvoroçadas, adoraram ver estudantes levando porrada.

Eu hein!

Responder

    Aline C Pavia

    08/11/2011 - 23h15

    Juntou Bolsonaro, Serra e Índio da Costa, deu nisso.

Alexandre Z. R.

08/11/2011 - 19h23

estranho, quando estudantes invadiram a reitoria quebrando tudo então não houve violência? é certo sair invadindo prédio da reitoria só porque é publico? e só porque é uma Universidade deixam de vigorar leis federais?

A policia só está lá cobrando a lei como deve ser, não está impedindo eles de fazerem nada legal….

Responder

benevenuto nadal

08/11/2011 - 19h22

… E se esse ato policial de repressão, for apenas um balão de ensaio para o que pode estar sendo preparado… Não podemos esquecer tão rápido do golpe militar de 1964. Vamos ficar espertos, de olhos bem abertos pois, essas coisas não acontecem da noite para o dia, elas são preparadas ao longo do tempo. Grande abraço.

Responder

Antonio

08/11/2011 - 19h21

Alckmin anda de mãos dadas com a Opus Dei. Depois do desgoverno de Serra em SP, Alckmin descobriu que uma parte da classe média gosta de ver o uso da força que a PM faz sobre trabalhadores e estudantes. Essa mesma classe média só não percebe que esse mesmo desgoverno deixa solta a alta bandidagem e o tráfico de drogas, além de atirar no limbo os jovens e os mais pobres. Espero que o desgoverno do PSDB seja o último em SP. Precisamos nos livrar dessa praga.

Responder

Abdula Aziz

08/11/2011 - 19h17

Esse reitor que está ai foi colocado goela abaixo de toda a comunidade uspiana pelo então, infeliz ,governador Cerra. Viva! Dezesete anos de ditadura no estado de São Paulo.

Responder

    beattrice

    08/11/2011 - 23h56

    Declarado persona non grata no Direito.

Roberto Locatelli

08/11/2011 - 19h15

A partir de agora, a repressão da ditadura se instalou na USP. Professores serão ameaçados caso façam movimento por melhores salários. Estudantes serão ameaçados caso façam reuniões ou assembleias.

É a preparação para privatizar a USP?

Responder

    Pedro

    08/11/2011 - 19h22

    Não precisa viajar. A PM tomou uma atitude embasado em uma ordem judicial. Os estudantes foram orientados a sairem do prédio, no entanto desobedeceram.

    Jason_Kay

    08/11/2011 - 19h30

    kkkkkk

    Cara, na boa. Toda vez que eu vejo tua cara por aqui lembro daquela entrevista do Battisti, onde ele diz:

    "As pessoas me falam: "Cesare, e a revolução?" Que revolução? Isso hoje é uma piada. Eu tinha 16 anos quando entrei no ativismo, não sou mais essa pessoa. Se eu continuasse um revolucionário hoje, seria um idiota", afirma, aos 56 anos."

    rs

    Leo V

    08/11/2011 - 20h25

    Se você tem a gravação do Cesare dizendo isso, mostra pra gente. Vai se rum furo. Até agora o que existe são palavras postas na boca dele por um panfleto que se passa por Jornal sem o menor escrúpulo.
    Cesare Battisti já negou ter dito isso. Não teria porque negar ter dito se realmente achasse isso.

    marcio_cr

    08/11/2011 - 19h34

    Claro, invadir a reitoria sem motivos é igual a fazer uma reunião ou assembleia.
    E pelo o que eu me lembre, o brasileiro tem garantido o direito de reunião. Mas não de invadir e depredar prédio publico.

Jason_Kay

08/11/2011 - 19h14

Então se esses estudantes ( que estão tendo "interesses" contrariados) falam, voces aqui acreditam?

????????????????????

Responder

    cronopio

    08/11/2011 - 23h39

    Jason_ playboyzinho_kay tentando raciocinar. O resultado: "????????????????????"

marcio_cr

08/11/2011 - 18h54

Respondendo a pergunta no final do texto.
Porque a invasão a reitoria não foi um conflito politico que deveria ser resolvido utilizando-se de debates e diálogos. A invasão da reitoria foi um ato criminoso, sem legitimidade de nenhum grupo politico, nem de esquerda e nem de direita, que compõe as forças politicas da USP.

Um detalhe que muitos de vcs ignoram é que as leis que regiam o pais de 1964 a 1985 eram regidas por um estado de exceção e autoritário. Existia motivos para a desobediência civil. Atualmente, gostem ou não, vivemos em um estado democrático de direito. Suas leis podem ser discutidas, mas devem ser obedecidas.

E voltando a pergunta. O uso da força politica é justificada puramente pq a invasão a reitoria foi um crime. Nada alem disso.

Responder

    Ramalho

    08/11/2011 - 19h38

    Lembre-se de que, mesmo em regimes ditos democráticos, há injustiças. Primeiro, porque nenhuma democracia é perfeita e a sociedade é dinâmica. Segundo, porque nem mesmo democracia temos ainda no Brasil. Por exemplo, em Cuba há menos desigualdade do que aqui.

    Movimentos sociais insurgem-se contra as leis e é por este caminho que a legislação é aperfeiçoada. É assim aqui, no Chile, na França e nos países civilizados. Até nos EUA, um estado policialesco. Insurgem-se contra as leis porque são elas que instituem a injustiça: o que é legal não é necessariamente justo. E nossa legislação de drogas é uma porcaria. Afora isto, a USP está ocupada, sua autonomia está a ser derespeitada pelo governo paulista.

    Sua resposta é totalmente equivocada.

    Uélintom

    08/11/2011 - 20h20

    marcio_cr, você está se esquecendo de um pequenino detalhe: a ocupação da reitoria não foi uma ação, mas uma reação. A atuação da PM, antes da ocupação, foi que provocou a revolta. A PM ficou das 7 ou 8 da manhã agindo com truculência, revistando estudantes que, inclusive, saíam da biblioteca; cercou entradas, manteve estudantes junto a viaturas para "averiguação", etc. Só à noite foram encontrar uns caras portando maconha, que estavam dentro de um carro. O que fica ainda por explicar é porque essa ação radical contra estudantes universitários, sem uma justificativa aparente. Se a USP estivesse sofrendo com a violência do tráfico, provocada por traficantes disfarçados de estudantes, com áreas restritas onde a polícia não conseguia entrar, ou com locais onde fosse perigoso para estudantes, por conta da troca de tiros entre traficantes, ok, isso justificaria. Mas isso não existe na USP. Então, qual o motivo da agressividade por parte do Governo do Estado, que gerou a revolta e a ocupação da Reitoria? Você tem a resposta?

    Cebolinha

    08/11/2011 - 21h24

    Acorda, Márcio. Os fatos demonstram claramente que ainda não vivemos um estado democrático de direito.

Neide Ramos

08/11/2011 - 18h53

Acho, absurdo, se foi só por q os estudantes estavam fumando maconha, o problema teria q se resolvido na reitoria da USP.Penso então q realmente a outros interesses como a privatizarão da USP, só falta isso são os formadores de opinião q incomoda.

Responder

    andre

    08/11/2011 - 19h32

    o uso de drogas se nao me engano e crime, e deve sim ser resolvido com a policia..

    Eba

    08/11/2011 - 21h28

    Aih meu Deus… O dia que uso de drogas for crime no Brasil… Dá uma lidinha no art. 28 da Lei de Drogas se nao me engano… Usar droga não é crime!!! Não estou defendendo usar drogas… O problema é achar que vai acabar com o consumo de droga e gastar tanto dinheiro e tempo com mulek fumando maconha…
    Se fosse assim teria q levar mts professores, doutorandos, mestrandos juntos…

    Abraços

    GilTeixeira

    08/11/2011 - 21h48

    O jurista Luiz Flávio Gomes escreveu: “Se legalmente, no Brasil, crime é a infração penal punida com reclusão ou detenção, não há dúvida que a posse de droga para consumo pessoal com a nova lei deixou de ser crime, porque as sanções impostas para essa conduta, advertência, prestação de serviços à comunidade e comparecimento a programas educativos, não conduzem a nenhum tipo de prisão. Aliás, justamente por isso, tampouco essa conduta passou a ser contravenção penal, que se caracteriza pela imposição de prisão simples ou multa.”

    “Em outras palavras: a nova lei de tóxicos, no art. 28, descriminalizou a conduta da posse de droga para consumo pessoal. Retirou-lhe a etiqueta de infração penal, porque de modo algum permite a pena de prisão. E sem pena de prisão não se pode admitir a existência de infração penal no nosso país”, completou.

    Sua tese está disponível no site http://www.jusnavegandi.com.br.

    Tiago Magaldi

    09/11/2011 - 11h12

    Gil, estou do seu lado, mas o que esse sr. escreveu é uma grande besteira. Mesmo não sendo prisão, existe pena. O crime tipificado em abstrato permite, p ex., prisão em flagrante. Policial não pode se excusar de efetuar a repressão ao flagrante argumentando pena assim ou assado. Infelizmente, é a lei, e, ainda que na prática ela seja aplicada seletivamente, nosso sistema jurídico admite plenamente.

    Ainda digo mais: discutir maconha/crime nesse caso é besteira, não é o que está em questão. A questão é como a reitoria tucana está lidando com opositores POLÍTICOS, não com "bandidos". Juliana Assange NÃO foi preso por causa do crime no qual tipificaram ele. Aqui se aplica o mesmo. "Maconheiros" é só uma forma de legitimar a repressão pura e simples de demandas políticas. Quem discute Dto Penal e crime aqui está justamente fazendo o jogo da mídia e do PSDB: criminalizando demandas políticas. A aplicação da lei é seletiva, e serve a muitos propósitos.

    Abraços

    Rita

    09/11/2011 - 00h27

    E a cracolândia? Me disseram que lá os policiais não podem ir.

    cronopio

    09/11/2011 - 14h07

    Por favor, a legalização da maconha não é pauta. Leia o texto e depois comente. Será pedir demais?Grato.

    Renato

    08/11/2011 - 22h36

    Só porque estavam fumando maconha????, o que mais vem junto com eles, e aí a policia passa e eles soltam uma baforada e fica tudo bem para o cidadão policial, se eu fosse policia prendia mesmo.

Deixe uma resposta