VIOMUNDO

Macri nos dá uma ideia de como seria governo Aécio

29 de janeiro de 2016 às 10h57

milagro

Milagro Sala, presa por protestar, não saiu na capa da Folha

Macri vai incendiar a Argentina

Por Altamiro Borges, em seu blog

Em seu arrivismo neoliberal, o presidente Mauricio Macri está brincando com fogo e pode incendiar a Argentina em curto espaço de tempo.

A cada dia, nestes quase dois meses de governo, o empresário mafioso adota uma medida antipopular e provoca a conhecida rebeldia dos argentinos.

Nesta quarta-feira (27), ele anunciou o fim dos subsídios para a energia elétrica, o que aumentará a conta de luz em até 350%.

A decisão foi anunciada com arrogância como mais um passo para enterrar o “populismo” da ex-presidente Cristina Kirchner e para garantir a “austeridade fiscal”, tão ao gosto dos banqueiros e dos ricaços que financiaram a sua apertada vitória eleitoral em novembro do ano passado.

Segundo o novo governo, o corte reduzirá o déficit público e viabilizará o pagamento dos títulos da dívida aos rentistas. O Ministério da Fazenda, controlado por banqueiros, argumenta que os subsídios “kirchneristas” abocanham a cerca de 4% do PIB. A meta é reduzir esse índice para 1,5% ainda neste ano. O aumento da conta de luz, porém, vai pressionar a inflação, sabotando a principal bandeira de campanha de Mauricio Macri.

Até os chamados “analistas do mercado”, porta-vozes dos banqueiros, já avaliam que com a medida a inflação passará dos 30% neste ano. As maiores vítimas desta alta inflacionária serão os trabalhadores, que já prometem greves pela reposição salarial a partir de março.

Conhecido por seu autoritarismo, o novo presidente tende a rechaçar as pressões com mais violência. Após 12 anos sem cenas de repressão, a Argentina voltou a ser palco de bombas de gás, cassetetes e tiros da polícia. Servidores públicos demitidos — mais 15 mil — foram baleados e críticos das medidas antipopulares já foram presos — como a líder camponesa Milagro Sala, deputada do movimento Tupac Amaru.

Centenas decretos de “urgência” também foram baixados de forma autoritária, como o que impôs dois ministros para Suprema Corte de Justiça e extinguiu as duas agências de regulação dos meios de comunicação. O império midiático do Clarín aplaudiu as medidas ditatoriais, mas a rejeição popular nas ruas já se fez sentir, com enormes manifestações de protestos.

Em entrevista ao site espanhol Rebelión, o economista Cláudio Katz avalia que Mauricio Macri terá dificuldades para encerrar seu mandato. “Em seu primeiro mês, Macri confirmou que encabeça um típico governo de direita, que funciona com ajustes e repressão. Terminada a campanha eleitoral, os chamados à concórdia sumiram e a cada dia despertamos com um novo pesadelo. O mais grave são as demissões, que já somam mais de 15 mil servidores públicos. Com a alta de inflação nestas primeiras semanas do ano, a situação vai se agravar… Há uma campanha oficial para facilitar demissões porque o governo sabe que estrategicamente somente com um desemprego maior ele poderá lograr uma forte recomposição dos lucros dos empresários”.

“Há um cenário de repressão que explica porque Macri governa por decreto. O homem que falava em concertação, diálogo e consenso, não pára de baixar decretos. Demissões e repressão necessitam de um governo autoritário… Este é um governo das classes capitalistas de forma descarada. Os que hoje remarcam os preços são gerentes que estavam no setor privado e que hoje controlam a administração pública… É um governo da classe dominante de forma explícita e descarada”.

No cenário desenhado pelo economista Cláudio Katz, fica a pergunta: quanto tempo vai durar o reinado do mafioso Mauricio Macri? A conferir!

Leia também:

Petrobras adota a pior opção: Vender ativos a preço de banana

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR
18 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Fabio

01/02/2016 - 10h13

Infelizmente a Dilma está jogando o Brasil para a direita suja e fascista em 2018.
Dilma, destruidora do Brasil.

Responder

HenriqueD

01/02/2016 - 09h52

Mais uma pergunta do que um comentário. Como ficam os projetos que temos em parceria com Argentina?
Submarino nuclear, KC390 como fica a continuidade ? Mercosul, como afeta? Macri já deixou a entender que a coisa se depender dele vai andar devagar. Como fica a posição da Venezuela? Já houve um atrito entre os dois países..
O site poderia fazer um artigo avaliando essas questões e outras? Ou é cedo ainda. Fica como sugestão.

Responder

Nigro

01/02/2016 - 07h02

A conta de energia grátis não existe.
Se quer, pague. E use com parcimônia, economizando.
O governo é deficitário. Quem paga o subsidio?? A população, pagando juros da divida que vai ser gerada para bancar o populismo.
Já passou da hora de ententerem que cada um é responsável pelo seu destino.

E as demissões? Certamente de parasitas-sindicalistas, inuteis.

Responder

Alessandro Guimarães

30/01/2016 - 14h26

Fazendo o certo. Retirando subsídios corrigindo o custo fiscal e prepararando a Argentina para gastar menos do que arrecada.

Em médio prazo estará com o País crescendo e as pessoas se beneficiando de um crescimento real baseado em políticas econômicas liberais que de fato funcionam.

Abraço do Coxinha!

Responder

    Jonas

    30/01/2016 - 19h19

    “Política econômica” de “direita”, apoiada por coxinhas endoutrinados, nada mais é que arrochar o povo para garantir o pagamento de juros para banqueiros e grandes rentistas, e assim colocar a economia numa espiral descendente de precarização e de dependência ao mercado financeiro. E quem sofre são os próprios coxinhas endoutrinados, além de seus filhos, já que eles são só assalariados e não pertencem à classe social que muito se beneficia da “política econômica” que ela prega aos coxinhas através dos meios de comunicação (de endoutrinamento) dos quais ela é dona.

    Fabio

    01/02/2016 - 10h11

    Estranho, até o Lula chegar no poder em 2003 o Brasil viveu essa politica do Macri durantes 500 anos e não conseguiu ser esse país desenvolvido que você diz que a politica liberal fará com a Argentina

    L@!r [email protected]+3$

    01/02/2016 - 12h02

    Em que mundo isso ocorreu?

Tiago

29/01/2016 - 23h06

Sabe, com todo esse massacre que estão fazendo com Dilma e Lula, com tanta merda que ando ouvindo por aí, nos táxis e facebooks da vida, sinceramente, se a direita vencer em 2018, estarei pouco me lixando.

A possível vitória da direita terá um efeito didático na consciência do povão. Duvido que, ao brincarem de “alternância de poder”, como fizeram os argentinos, o povão não irá sentir saudades dos tempos idos dos governos petistas.

Responder

Bacellar

29/01/2016 - 22h19

Terra arrasada.

Responder

FrancoAtirador

29/01/2016 - 21h34

.
.
ÍNDICE MERVAL
.
Na Argentina, até a Queda do Macri
.
está em Aposta no Cassino da Bolsa.
.
.

Responder

lulipe

29/01/2016 - 16h55

Os argentinos estavam tão satisfeitos com Cristina que votaram nele….O fim do populismo na AL está próximo. O Brahma que se cuide!!!

Responder

    Nelson

    29/01/2016 - 23h17

    Um governo de estilo “bem democrático” como o de Macri é o que o Lulipe quer para o Brasil, com cassetetes, coturnos e balas de borracha, quando não verdadeiras mesmo para trabalhadores e o povão em geral.

    O Lulipe também quer um governo que dê mimos, subsídios, isenções e concessões mil ao grande empresariado.

    Porém, ao que tudo indica, seu desespero vai aumentar até 2018. Periga ele chegar sem fígado até lá; unhas já faz horas que não deve mais ter. Perdeu para o “barbudo” em 2002, tornou a perder em 2006, perdeu pela terceira vez em 2010 e no ano passado, quando pensou que tinha ganho, perdeu outra vez.

    Ao que tudo indica, Lulipe, tu vais perder para o “barbudo” pela quinta vez consecutiva. Conforme-se. Há um lado positivo nas tuas derrotas; elas vêm evitando que o povo brasileiro tenha que se sujeitar outra vez à desgraceira chamada governo do PSDB.

    Mauricio

    29/01/2016 - 23h19

    Quem deveria ter tido cuidado é sua mãe, ao não parir um rato fascista como você.

reacionario

29/01/2016 - 16h44

Engracado. Conheço alguém que aumentou a luz. Demitiu mais de 500 mil. Aumentou a inflação. E agora vai falsificar 83bi em reais só pra aumentar mais a inflação. Agora eu só nao me lembro que pais essa senhora governa… “Respeitem a democracia, golpistas”

Responder

Lukas

29/01/2016 - 15h21

Eleito pelo povo argentino. Vai ficar até o fim do mandato.

Responder

FrancoAtirador

29/01/2016 - 12h11

.
.
Retôrno da América Latrina dos IúnáitStêits.
.
.

Responder

Deixe uma resposta