VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Paulo Abrão: Há um vácuo para politizar o debate. Adversário morto é o amedrontado

13 de março de 2016 às 23h26

DI_manifestacao-a-favor-de-Dilma-Rousseff-em-Porto-Alegre_003

Paulo Abrão: Porto Alegre mostrou que existia espaço para atos pacíficos e organizados da resistência. Foto: Daniel Isaia/Agência Brasil

 Paulo Abrão*, no Facebook

Algumas conclusões do dia:

1. As manifestações foram dentro do controle. Não afetam o transcurso da administração institucionalizada da crise.

2. Não houve adesão massiva dos pobres, mas sim da classe média e alta. Do contrário haveria milhões e milhões nas ruas. Toda manipulação tem limites.

3. Moro é um novo herói nacional. Aécio sai diminuído. PSDB não capitalizou. Se Moro admitir sair candidato em eleições desmoralizará a Lava Jato e ficará caracterizado o seu viés político-partidário para o resto da história.

4. Houve menos espaço para pedidos de intervenção militar. Por outro lado, há uma explícita expansão de um pensamento fascista agressivo (Bolsonaro e seguidores).

5. A crítica é à política, de forma generalizada. Significa que há um vácuo para politizar o debate. E a esquerda é melhor nesse jogo.

6. Porto Alegre mostrou que existia espaço para atos pacíficos e organizados da resistência hoje. Adversário morto é o amedrontado. A mensagem veio do Sul: “Sí, se puede! Yes, we can! Ainda Podemos Brasil!”. Em gauchês: “Não tá morto quem peleia”.

7. Imprensa escolheu traduzir as manifestações como pedidos de saída de Dilma. A linha ficou revelada no editorial do Estadão.

8. A oposição esperava muito mais de hoje. Gastaram muita energia e dinheiro e muito tempo de TV. Se está difícil para a situação, está difícil para a oposição também.

9. O campo político da situação (e a Frente Brasil Popular) agora tem que ter serenidade e ser capaz também de demonstrar a sua força nos atos que convocaram para o dia 18. Que sejam pacíficos também.

10. Todos nós do campo democrático temos que seguir no rumo da busca de uma saída democrática para a crise, valorizando a luta social.

* Paulo Abrão é secretário-executivo do Instituto de Políticas Públicas do Mercosul e ex-Secretário Nacional de Justiça

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

4 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

C.Paoliello

14/03/2016 - 13h14

Santayana, brilhante como sempre, fala do domínio do atraso:

http://www.redebrasilatual.com

Responder

LUIZ

14/03/2016 - 12h54

Não podemos nos esquecer que um país desiludido com a política, costuma produzir monstros. O exemplo é a Alemanha em 1933. Naquele contexto surgiu Hitler e toda a humanidade conhece esse desfecho. Vamos cuidar da política. Já temos de plantão Bolsonaro, ou seja, a pior escória que poderia aparecer. A irresponsabilidade de Aécio e seus asseclas, estão nos levando a isso. Respeitem as urnas e disputem eleições limpas em 2018. Porém, esse é o grande problema. Essa turma não tem voto.

Responder

Lukas

14/03/2016 - 11h41

“6. Porto Alegre mostrou que existia espaço para atos pacíficos e organizados da resistência hoje.”

Você tá falando do churrasquinho de ontem? O churrasco de fim de ano da firma teve mais gente.

Responder

    Tales

    14/03/2016 - 13h42

    Então o pessoal da firma votou na Dilma pq ela foi a que teve mais voto na eleição! Respeite o voto da maioria da firma heheheeh

Deixe uma resposta