VIOMUNDO

O apoio de dois professores sionistas ao boicote contra Israel

10 de janeiro de 2016 às 20h17

Captura de Tela 2016-01-10 às 20.16.23

Opinião

Somos sionistas por toda a vida. Aqui explicamos porque decidimos boicotar Israel

By Steven Levitsky and Glen Weyl October 23, 2015, no Washington Post

Steven Levitsky é professor de Governo na Universidade de Harvard. Glen Weyl é professor-assistente de Economia e Direito na Universidade de Chicago

Somos sionistas por toda a vida. Como outros judeus progressistas, nosso apoio a Israel é fundado em duas convicções: primeiro, que um Estado era necessário para proteger nosso povo de um futuro desastre; segundo, que qualquer Estado judeu seria democrático, abraçando os valores universais dos direitos humanos que muitos tiraram como lição do Holocausto.

Medidas antidemocráticas, tomadas para garantir a sobrevivência de Israel, como a ocupação dos territórios palestinos, entendíamos como sendo temporárias.

Mas precisamos encarar a realidade: a ocupação se tornou permanente.

Quase meio século depois da Guerra dos Seis Dias, Israel está se tornando um regime de apartheid contra o qual muitos de seus ex-líderes alertaram.

A população de colonizadores na Cisjordânia aumentou 30 vezes, de 12 mil em 1980 para 389 mil hoje.

A Cisjordânia é tratada cada vez mais como parte de Israel, com a linha verde que demarcava os territórios ocupados apagada de muitos mapas.

O presidente de Israel, Reuven Rivlin, declarou recentemente que o controle da Cisjordânia “não é uma questão para debate político. É um fato básico do sionismo moderno”.

O “fato básico” representa um dilema para os judeus norte-americanos: podemos continuar a abraçar um Estado que permanentemente nega direitos básicos a outro povo?

Também representa um problema para a perspectiva Sionista: Israel embarcou num caminho que ameaça sua própria existência.

Como aconteceu nos casos da Rodésia e da África do Sul, a permanente subjugação dos palestinos vai inevitavelmente isolar Israel das democracias do Ocidente.

Não apenas o apoio dos europeus a Israel está desaparecendo, mas também o apoio da opinião pública dos Estados Unidos — que já foi sólido como pedra — está mudando, especialmente entre os jovens. Status internacional de Estado-pária não é uma receita para a sobrevivência de Israel.

Em casa, a ocupação está exacerbando pressões demográficas que ameaçam despedaçar a sociedade israelense.

O crescimento das populações de colonizadores e ultra-ortodoxos alimentou o chauvinismo e alienou ainda mais a crescente população árabe. Dividida entre comunidades irreconciliáveis, Israel se arrisca a perder a tolerância mínima necessária a qualquer sociedade democrática. Em tal contexto, violência como na recente onda de ataques em Jerusalem e na Cisjordânia provavelmente vai se tornar cotidiana.

Finalmente, a ocupação ameaça a segurança que pretendia assegurar. A situação de segurança de Israel mudou dramaticamente desde as guerras de 1967 e 1973.

A paz com o Egito e a Jordânia, o enfraquecimento do Iraque e da Síria e a superioridade militar absoluta de Israel — inclusive sua força nuclear não declarada — acabaram com qualquer ameaça existencial representada pelos vizinhos árabes.

Mesmo um Estado palestino liderado pelo Hamas não poderia destruir Israel.

Como seis ex-diretores do serviço de segurança interno de Israel, o Shin Bet, argumentaram no documentário The Gatekeepers, de 2012, é a ocupação em si que realmente ameaça a segurança de longo prazo de Israel: a ocupação força Israel a uma guerra assimétrica que causa a erosão de seu apoio internacional, limita sua habilidade de fazer alianças regionais contra o extremismo sectário e, crucialmente, permanece como o principal motivador da violência palestina.

Ao tornar a ocupação permanente, os líderes de Israel estão solapando a viabilidade do próprio Estado.

Infelizmente, movimentos domésticos para evitar tal destino sumiram. Graças a um boom econômico e à segurança temporária oferecida pelo muro da Cisjordânia e ao sistema defensivo de mísseis Iron Dome, boa parte da maioria secular Sionista de Israel sente que não precisa dar os passos necessários a uma paz duradoura, como expulsar os colonos da Cisjordânia e reconhecer a mancha moral do sofrimento causado por Israel a tantos palestinos.

Estamos num momento crítico. O crescimento das colonias e tendências demográficas vão em breve impedir Israel de mudar de rumo. Por muitos anos, apoiamos governos israelenses — mesmos aqueles dos quais fortemente discordamos — na crença de que Israel segura agiria para defender seus interesses de longo prazo. Tal estratégia fracassou.

Os apoiadores de Israel, tragicamente, se tornaram cúmplices. Hoje, não há perspectiva real de Israel adotar as medidas necessárias para garantir sua sobrevivência como Estado democrático sem pressão externa.

Para apoiadores de Israel como nós, todas as formas de pressão são dolorosas. As únicas ferramentas que poderiam influenciar os cálculos estratégicos de Israel seriam a retirada de ajuda e apoio diplomático dos Estados Unidos, e boicotes e desinvestimento da economia de Israel. Boicotar apenas os bens produzidos nas colônias não teria impacto suficiente para induzir israelenses a repensar o status quo.

Assim, relutante mas decididamente, nós nos negamos a viajar a Israel, boicotamos os produtos de lá e pedimos às nossas universidades que desinvistam em Israel e que nossos representantes eleitos retirem a ajuda financeira. Até que Israel seriamente se engaje num processo de paz que estabeleça um estado palestino soberano ou dê cidadania completa a palestinos vivendo em um estado único, não podemos continuar a subsidiar governos cujas ações ameacem a sobrevivência de longo prazo de Israel.

Israel, naturalmente, não é o pior violador de direitos humanos do mundo. Boicotar Israel mas não outros Estados que violam direitos não é dois pesos, duas medidas? Sim. Mas amamos Israel e estamos profundamente preocupados com sua sobrevivência. Não sentimos o mesmo em relação ao destino de outros Estados.

Ao contrário de outros Estados isolados internacionalmente, como a Coreia do Norte e a Síria, Israel poderia ser significativamente afetado por um boicote. O governo de Israel não pode seguir seu curso errôneo sem ajuda moral, financeira, de investimento, de comércio e diplomática dos Estados Unidos.

Reconhecemos que alguns dos apoiadores do boicote são guiados pela oposição (e mesmo pelo ódio) a Israel. Mas nossa motivação é precisamente a oposta: amor pelo Estado de Israel e desejo de salvá-lo.

Sentindo repulsa pelo fanatismo etno-religioso dos afrikâners da África do Sul, o fundador Theodore Herzl escreveu: “Não queremos um estado Bôer, mas Veneza”.

Os sionistas norte-americanos precisam agir para pressionar Israel a preservar a visão de Herzl — e para se salvar.

PS do Viomundo: Setores minoritários da esquerda brasileira têm demonstrado um nível baixíssimo de informação sobre o tema.

Leia também:

Jean Wyllys e a velha cartada do antissemitismo

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR
16 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

mineiro

11/01/2016 - 21h44

segundo a biblia israel era o povo de deus ,hoje nao passa de um serviçal dos eua , pau mandado para toda obra. como um pais massacra o outro que é considerado bem mais fraco e ainda tem a cara de pau de falar que é para se defender. é o mesmo argumento do facismo e o nazismo, assassinar , destruir tudo a favor do bem comum. tem que ser muito desgraçado para fazer o que israel faz.

Responder

Jair de Souza

11/01/2016 - 20h05

Há vários documentários (grande parte deles produzida por gente de ascendência judaica) que esclarecem com muito embasamento o alto grau de criminalidade praticada pelo Estado de Israel contra o povo palestino (mas não apenas a eles). Recomendo aos leitores de Viomundo que assistam pelo a alguns dos que indico a seguir:
A limpeza étnica da Palestina, de ilan Pappe;
O filho do general, de Miko Peled;
A invençao da terra de Israel, de Shlomo Sand;
Os palestinos nos livros escolares de Israel, de Nurit Peled;
A história sionista,
Judaísmo não é igual a Israel, de Marc H. Ellis.

Todos eles podem ser encontrados no Youtube. Basta digitar o título no buscador.

Responder

jeanette

11/01/2016 - 10h24

Às vezes falta informação. Alguns artigos sobre o massacre diário de Israel ao povo palestino podem ajudar
no esclarecimento sobre a situação.

“Em meio a abusos e violações de tratados por Tel-Aviv, ignorados por organismos internacionais,
palestinos pregam boicote comercial como meio de conter ação expansionista de Israel em seu território.”

http://operamundi.uol.com.br/dialogosdosul/o-apartheid-economico-e-social-na-palestina-onde-existir-e-resistir/21052015/

Responder

FrancoAtirador

11/01/2016 - 00h00

.
.
AVRAM NOAM CHOMSKY: (https://youtu.be/oGmJAQtRHGk)
.
Um Pouquinho do Judeu Norte-Americano de Ascendência Russa
.
(http://super.abril.com.br/cultura/dentro-da-cabeca-de-noam-chomsky)
.
(http://jornalggn.com.br/noticia/entrevista-de-noam-chomsky-a-rtp)
.
.

Responder

FrancoAtirador

10/01/2016 - 21h41

.
.
Historicamente, Estados Teocráticos sempre promovem a Perseguição Religiosa que culmina em Genocídio.
.
.

Responder

    FrancoAtirador

    10/01/2016 - 22h21

    .
    .
    Quer se autodenominem Monarquias, quer se autoproclamem Repúblicas,
    .
    as Teocracias são, por Princípio, Discriminadoras e, portanto, Excludentes,
    .
    gerando Intolerância, Intransigência, Conflito, Dominação e, enfim, Guerra.
    .
    Por conseguinte, não consideram em Essência, a Humanidade no Conjunto,
    .
    não reconhecendo, na Plenitude, o Direito Humano dos Insubmissos ao Dogma,
    .
    mas somente dos Seguidores Fanáticos de uma Doutrina Imposta pela Tradição.
    .
    Por isso, na atualidade, o Governo de Israel não difere tanto do Comando do ISIS .
    .
    .

    FrancoAtirador

    11/01/2016 - 02h25

    .
    .
    Assim também alguns Países que incorporaram a “Doutrina do Destino Manifesto”.
    .
    .

Maxwell

10/01/2016 - 21h29

“PS do Viomundo: A esquerda brasileira é bisonha. Mal informada, não sabe o que está acontecendo fora do Brasil. Que vergonha alheia!”

Como um rapaz comentou no perfil do blog no facebook, a má informação é ambidestra. Mas não concordo com o o teor das críticas a Jean Willis. Que se critique, mas não façam o linchamento que está sendo cometido.

Responder

Gerson Carneiro

10/01/2016 - 21h17

O equilibradíssimo Jean Wyllys se defendendo das críticas:

“…Tive um pouco de febre à noite e, místico que sou (“Mistério sempre há de pintar por aí”!), já acho que a causa desse mal talvez seja a energia que a horda de linchadores precipitados, ignorantes com iniciativa, difamadores contumazes, homofóbicos odiosos, invejosos infelizes, hipócritas sem autocrítica, antissemitas odiosos, islamofóbicos abjetos e fascistas de direita e de “esquerda” vem jogando sobre essa viagem. ”

Hahahahaha… ‪#‎RiAlto‬

Quanto adjetivo!

Não aguenta crítica; saia da vida pública.

Responder

    listerix

    11/01/2016 - 21h19

    Tem razão, o adjetivo é a arma do não objetivo. Até poesia, se prestar, tem pouco. Quem tem conteúdo não precisa qualificar. Enfim, viver é muito perigoso.

Fernando Ramos

10/01/2016 - 21h11

Desculpe Azenha, mas não entendi a sua insistência sobre a “desinformação” da esquerda brasileira sobre Israel. Tem algum post sobre isso? Ou poderia explicar melhor o que o leva a essa conclusão? Obrigado é um grande abraço!

Responder

Hebe de Camargo

10/01/2016 - 21h03

Vamos orar pela paz em Israel.
Ó Deus abençoe a Israel: sua gente, suas terras. Senhor Jesus, que haja paz em Israel.

Responder

    Ana Maria

    10/01/2016 - 23h55

    Paz em Israel? É isso? Paz em Israel é a dizimação total do povo palestino! Israel não deve ser deixado em paz. O mundo deve mostrar as garras à Israel e força-los a abandonar as terras que insistem em roubar, deixando pelo caminho, centenas de milhares de pessoas mortas.
    Paz em Israel? É pra rir… de tristeza.

Roberto Locatelli

10/01/2016 - 20h44

Há poucos anos Jean Willys declarou no twitter que não considerava a mídia brasileira partidária ou tendenciosa. Na época, era comum ver militantes do PSOL indo a reuniões com a revista Veja debaixo do braço.

Passou o tempo, e Jean Willys pareceu ter melhorado um pouco, angariou simpatias até do PT, partido ao qual faz oposição.

Mas, há coisas que não mudam… Jean Willys foi prestigiar uma universidade que é partícipe do que ocorre com os palestinos.

O atual governo de Israel é o Quarto Reich, e a Faixa de Gaza é um campo de concentração.

Responder

    Jotage

    11/01/2016 - 16h40

    Roberto.
    Talvez o convite ao Jean tenha sido por indicação do Cunha, que esteve por lá e foi até condecorado.
    Mundo estranho, não?
    KKKKKKKKKKKKKKK

Deixe uma resposta