Flash ad ID:10

PATROCINE O VIOMUNDO

SOMOS 31.817 FAÇA PARTE !

Kotscho: Depois do tomate, é a crise na infraestrutura

publicado em 23 de abril de 2013 às 13:53

Publicado em 22/04/13 às 13h48
Sem candidatos, velho poder parte para cima de Dilma

por Ricardo Kotscho, no Balaio

Desistiram de Serra, não conseguem confiar em Aécio, ainda não descobriram qual é a de Eduardo Campos e não botam fé na sustentabilidade de Marina Silva. Sem candidatos viáveis para enfrentar Dilma Rousseff, o antigo aparato midiático-jurídico-financeiro resolveu jogar todas as suas fichas para desidratar a popularidade e combater o governo da presidente em várias frentes, após a divulgação das últimas pesquisas que apontam seu amplo favoritismo para ganhar as eleições de 2014 já no primeiro turno.

Acabou a trégua que a grande imprensa concedeu a Dilma, na esperança de desgastar a sua imagem, a do seu partido e a do seu principal cabo eleitoral, o ex-presidente Lula. no episódio do mensalão. Também não deu certo a estratégia de jogar criador contra criatura, preservando a imagem de Dilma enquanto miravam todos os seus ataques em Lula e no PT.

Nas últimas semanas, enquanto criticam a antecipação da campanha eleitoral, colocando a culpa no governo, amplos setores da mídia parecem ter adotado uma pauta única em capas de revistas, editoriais e manchetes de jornais, que consiste em mostrar a inflação fora de controle e o colapso da infraestrutura e dos serviços públicos, diante da inércia do governo.

A um ano e meio da eleição, as críticas já resvalam também para aspectos pessoais da personalidade da presidente, até das suas dificuldades para se expressar com clareza, que teria provocado a polemica em torno do aumento dos juros.

O estado d’alma dos dois principais jornais paulistas se revela nas manchetes políticas desta segunda-feira, que mostram uma estranha coincidência.

“Setor financeiro resiste a Dilma, mas aponta fragilidades de Aécio e Campos”, constata o “Estadão”, que ouviu “10 influentes integrantes do mercado sobre os principais personagens políticos do País”, sob a condição do anonimato.

“Corrida com barreiras” é a manchete da “Folha”, que conclui: “A um ano e meio da disputa, pré-candidatos à Presidência da República tentam neutralizar fragilidades e já atuam como se estivessem a poucos meses da eleição”.

A explicação está nos números que acompanham o infográfico com os problemas e as vantagens dos candidatos: no último Datafolha, Dilma tem 58% de intenções de voto; em segundo lugar, vem Marina Silva, com 16%, mas ainda sem partido, seguida por Aécio Neves, com 10%, e Eduardo Campos, com 6%. E Dilma, além da sua oceânica aliança, conta com o dobro de tempo de televisão dos seus três adversários somados.

Nem é preciso perder muito tempo lendo o noticiário sobre a corrida eleitoral, que é mais ou menos o mesmo em todas as publicações — e assim será, pelo menos até que os antigos donos do poder encontrem um candidato confiável para chamar de seu.

Até lá, Dilma vai continuar apanhando, já que não há outro jeito de mudar os resultados das pesquisas, embora esta estratégia também não esteja dando muito certo.

Leia também:

Fantástico anuncia a crise na infraestrutura

Barão de Itararé: Amaury fala a blogueiros

 

42 Comentários para “Kotscho: Depois do tomate, é a crise na infraestrutura”

  1. qui, 25/04/2013 - 7:29
    Jose Mario HRP

    Enquanto aqui o PSDB/PPS/DEM tenta desestabilizar nossa economia, na Espanha os amigos dessa malta politica comemoram os seis milhões de desempregados!
    Viva o Neoliberalismo!

    http://economia.elpais.com/economia/2013/04/25/actualidad/1366872244_350515.html

  2. qua, 24/04/2013 - 19:08
    Jose Mario HRP

    Brasileiros , precisamos dizer não a essa ralé!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    levantem-se das cadeiras homens!

    Quadrilheiro Demóstenes é condenado a receber 22 mil por mês sem trabalhar pelo resto da vida

    brasil247.com
    Pena de Demóstenes será aposentadoria de R$ 22 mil

    Goiás247 – O procurador de Justiça Demóstenes Torres obteve uma vitória no início da tarde desta quarta-feira, 24, com o decisão do Plenário do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) de que ele é membro vitalício do Ministério Público. Segundo juristas consultados pelo Goiás247, com o entendimento, a pena máxima que o órgão pode aplicar a ele, acusado de envolvimento nos esquemas criminosos do bicheiro Carlinhos Cachoeira, é a aposentadoria compulsória, se condenado. Uma possível demissão aconteceria apenas em caso de condenação judicial transitada em julgado e esgotados todos os recursos.
    Nos corredores do CNMP é dada como certa a condenação de Demóstenes pelo órgão regulador da atividade do parquet. Como membro vitalício, porém, a pena máxima que pode ser aplicada ao ex-senador é a aposentadoria compulsória, com a manutenção dos vencimentos proporcionais. Atualmente, o procurador tem salário de mais de R$ 22 mil.
    Durante o julgamento, que referendou o afastamento de Demóstenes por mais 60 dias (contados a partir de 1º de abril), o Plenário analisou questão de ordem proposta pela relatora Claudia Chagas para discutir a vitaliciedade de Demóstenes, já que ele entrou no MP-GO antes de 1988 e optou pelo regime anterior. Claudia considerou que o procurador de Justiça não teria a garantia da vitaliciedade, considerando sua opção pelo regime jurídico anterior ao da Constituição.
    Por sete votos a cinco, entretanto, o Plenário decidiu que Demóstenes Torres é vitalício. O Plenário considerou que a vitaliciedade é garantia da sociedade brasileira, e não prerrogativa do membro individual do Ministério Público. Segundo o entendimento, a vitaliciedade possibilita o exercício da atividade do membro do Ministério Público.
    Votaram com a divergência os conselheiros Jarbas Soares, Alessandro Tramujas, Lázaro Guimarães, Jeferson Coelho, Maria Ester, Mario Bonsalgia e Roberto Gurgel. Seguiram o voto da relatora os conselheiros Luiz Moreira, Taís Ferraz, Almino Afonso e Adilson Gurgel. Os conselheiros Tito Amaral e Fabiano Silveira se declararam impedidos e não votaram.
    Afastamento
    Plenário do CNMP também referendou o afastamento por mais 60 dias do ex-senador. A decisão por maioria seguiu voto da conselheira-relatora do processo administrativo disciplinar que investiga o suposto envolvimento do ex-senador com Cachoeira. A prorrogação do afastamento foi decidida de forma monocrática pela conselheira no dia 26/3. O prazo começou a contar da data de intimação de Demóstenes (1º/4).
    No voto, a conselheira argumentou que o afastamento é medida necessária, dada a gravidade dos fatos investigados. Além disso, segundo ela, a presença do ex-senador no Ministério Público de Goiás pode prejudicar andamento do trabalho na instituição. “Há grande constrangimento e desconforto na instituição, comprometendo inclusive o exercício normal das atribuições ministeriais, o que até chegou a justificar solicitação de 82 (oitenta e dois) membros para a atuação do CNMP no caso”, afirma.
    Em caso de processo administrativo disciplinar, o CNMP pode afastar o membro investigado pelos prazos previstos na respectiva lei orgânica. Como o Plenário considerou que Demóstenes Torres é vitalício, ele pode ser afastado por 60 dias, prorrogáveis uma única vez (Lei Orgânica do MP/GO – Lei Complementar 25/1998).
    No entanto, o Plenário acatou voto da relatora sobre o caso. Segundo ela, há necessidade de prorrogar o afastamento excepcionalmente. A medida é prevista na Lei Orgânica do Ministério Público da União (LC n. 45/93), que se aplica subsidiariamente aos estados, no que couber. “Aos processos administrativos disciplinares aplicam-se, ainda, as normas do Código de Processo Penal e sabe-se que, no curso do processo penal, até mesmo os prazos de prisão cautelar, medida muito mais drástica, são muitas vezes prorrogados diante das peculiaridades do caso e da complexidade das investigações”, lembrou a conselheira no voto.
    A decisão foi por maioria, com voto divergente dos conselheiros Adilson Gurgel e Luiz Moreira. Tito Amaral e Fabiano Silveira estavam impedidos.

    (Com informações do CNMP)

    • qua, 24/04/2013 - 22:01
      Messias Franca de Macedo

      Prezado Jose Mario HRP,

      É esse “o ‘brazil’ mudado por um menino pobre!”…

      E TEM MAIS “NOVIDADES”!: Justiça mira gestão da Petrobras na era… Na era FHC

      “Não posso lavar as mãos”, disse a ministra Eliana Calmon, relatora no Superior Tribunal de Justiça (STJ) do caso sobre o acordo firmado entre a Petrobras e a Repsol-YPF há 13 anos; a estatal brasileira teria cedido US$ 3 bilhões em ativos e recebido apenas US$ 750 milhões; “Aquilo que se fala e vê da Petrobras não pode ser desprezado pelo magistrado. Não foram poucos os negócios desastrosos feitos pela Petrobras”, emendou Eliana; tentativa dos tucanos de transformar Petrobras em questão eleitoral para 2014 fica prejudicada
      24 DE ABRIL DE 2013 ÀS 15:56

      FONTE: http://www.brasil247.com/

      … [Mais do que nunca!] É a OPOSIÇÃO ‘toMATADA’!…

      República de ‘Nois’ Tomates – perdão, ato falho -, de ‘Nois’ Bananas
      Bahia, Feira de Santana
      Messias Franca de Macedo

  3. qua, 24/04/2013 - 18:53
    Thomas Nok

    Os babacas falam do tomate, da cebola, da abobrinha… E os produtos de limpeza, os produtos de higiene pessoal, os achocolatados, os cafés, os sucos ??? Tudo subindo muito nos últimos 18 meses. No mínimo 41%, chegando a 127% em alguns casos.
    Esta inércia e despreocupação será por causa dos vales alimenatação, onde o custo não importa? O que não sai do bolso não dói.
    A Dilma diz que a inflação está sob controle. De quem ? Das multinacionais que detêm praticamente um monopólio sobre alguns destes produtos ?
    Elas estão mandando às suas matrizes o lucro que lá não conseguem impor aos seus consumidores por causa das crises que passam. Então, assim como no caso dos veículos, vendem a preços absurdos aos brasileiros otários.
    O governinho incompetente reduz ou isenta de impostos estas empresas e nada baixa para para o consumidor. CPMF, ICMS, IPI, COFINS, PIS e agora o INSS. Dinheiro dos trabalhadores a serviço dos especuladores.
    Pura traição.

  4. qua, 24/04/2013 - 12:07
    Gerson Carneiro

    Crise na infraestrutura é coisa do passado. Tá faltando é remédio pra dor de cotovelo.

  5. qua, 24/04/2013 - 8:25
    Mardones

    Imaginem o que não irá fazer um monstro contrariado e cheio de dinheiro. Assim é o PIG: cheio de rancor pelas derrotas eleitorais e transbordando de dinheiro para fazer propagar a ideia mais absurda que possam inventar. Ah, e com generoso apoio financeiro do governo que tanto difama.

  6. qua, 24/04/2013 - 8:17
    Nonato Luz

    Brilhante RK,

    Conciso, Objetivo e Direto.

    Vou divulgar, e muito.

  7. ter, 23/04/2013 - 22:25
    guilherme

    Parece que as pessoas lêem e não entendem. O Kotcho não disse que está tudo maravilhoso e sim que se fazendo coisas que nunca se fez.

  8. ter, 23/04/2013 - 22:01
    Fabio Passos

    PiG sem candidato competitivo?
    Aí é que os golpistas ficam completamente na nóia.

    Prevejo que globo, veja, estadão e fsp vão partir para o desespero e bancar lunáticos como malafaia e bolsonaro.

    A veja, aliás, já é assim.
    Não há ninguém com inteligência e caráter que ainda leia a m publicada pelo civita…

  9. ter, 23/04/2013 - 21:03
    Paulo

    A Dilma acabou de falar no JN que para atacar o problema da competitividade brasileira, reduzindo o custo Brasil, tem que melhorar a infraestrutura. Putz, esse JN tem até clone da Dilma para achincalhar o artigo do Kotscho.

    Não vou assistir mais nada do PIG!

  10. ter, 23/04/2013 - 18:13
    Miguel Freitas

    Será coincidência que uma das pistas da Anchieta entrou em manutenção, parece que até junho, desde abril época de safras de Soja e de Açucar, sintomático demais, tá um caos na Serra, No Guarujá e em Santos !!

  11. ter, 23/04/2013 - 18:12
    IZA

    Alguém que tiver um pouco de curiosidade, pode verificar o que aparato midiático-jurídico-financeiro, dizia há pouco mais de 3 anos, quando se iniciaram as obras dos grandes estádios (que hoje estão quase todos prontos)para a Copa do Mundo.
    Seria interessante cobrar desses vigaristas, que postaram tantas asneiras, o que eles hoje têm a dizer?
    A Globo, na maior cara de pau, depois de criticar tanto, fazer terrorismo, dizendo que nada ficaria pronto para a Copa do Mundo, agora faz “especiais” sobre os estádios, sobre a Copa das Confederações.
    Sinceramente? O Brasil está cansado desses vigaristas travestidos de jornalistas.

    • ter, 23/04/2013 - 19:51
      AlvaroTadeu

      Iza, como mulher, provavelmente você não veja muito interesse em programas esportivos (estou chutando). Eu vejo alguns programas e fico espantado com o partidarismo radical de alguns comentaristas esportivos. Há um patife no SporTV (TV por assinatura) que comentou que o Maracanã está muito bonito “mas custou muito caro, muito dinheiro público” (antes, ele dizia que não ficaria pronto). Eles insistem, persistem e não desistem. Antes era o tomate, hoje já é o feijão. No GloboNews, Leilane Neubarth, que se julga a Liz Taylor de cabelos vermelhos (tem belos olhos e faz pose de menininha de 53 anos), grita contra a inflação todos os dias e sempre solta farpas contra a presidenta. É assim, com sinceridade ou falsidade que essa gente mantém os empregos na Globo. No jornal das Dez, então, eles soltam os cachorros. Comentaristas da estatura moral de um Demetrio Magnoli, Merval Pereira, imortal até que a estupidez o consuma e outros piores, dão seus pitacos demonstrando grande e insuperável ignorância (eu disse estatura moral, medida pelo paquímetro em micras).

    • ter, 23/04/2013 - 22:26
      Paulo

      “Alguém que tiver um pouco de curiosidade, pode verificar o que aparato midiático-jurídico-financeiro, dizia há pouco mais de 3 anos, quando se iniciaram as obras dos grandes estádios (que hoje estão quase todos prontos)para a Copa do Mundo.
      Seria interessante cobrar desses vigaristas, que postaram tantas asneiras, o que eles hoje têm a dizer?”

      Não li de NENHUMA matéria séria que aventou a possibilidade dos estádios não estarem “prontos” (aqui tem aspas porque gambiarra no Brasil também é um tipo de “pronto”) para a copa. A maioria dos analistas competentes, em resumo, insistiram que a postergação do início das obras, que poderiam ter sido iniciadas já em 2008 ( são 6 anos para se fazer o acordado com a FIFA) induziriam o aumento de gastos. Estas “aves agourentas” previram que, com a flexibilização da lei de licitações que acabou sendo necessária para cobrir a inação e falta de planejamento básico, com a cascata de aditivos contratuais e com a corrupção inerente ao sistema político brasileiro, o custo do evento extrapolaria as estimativas iniciais.

      Não deu outra! O custo da cadeira é, como nunca dantes neste universo, o maior de todos os tempos, já descontando a inflação desta conta.

      Mas não ligue, temos caixa pra isso tudo e estes “vigaristas” do aparato midiático-jurídico-financeiro nunca aprendem.

      Imagina depois da Copa!

      • qua, 24/04/2013 - 0:28
        Iza

        Você deve estar ruim de memória?????
        Consulte os arquivos de seus Noblats de Vida, seus Mervais, Míriam Leitões, Catenhedas e outros DEUSES que pensam que são “bem pagos”.
        kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  12. A existência de vários candidatos que querem ser os queridinhos da mídia pode tanto levar a eleição para o segundo turno, como pode levar o eleitor a preferir Dilma, evitando trocar o conhecido pelo desconhecido.

  13. ter, 23/04/2013 - 17:38
    renato

    Eu tento pensar simples pois não consigo acompanhar o conhecimento de vocês. Por isto,penso assim:
    Se meu filho esta cuidando da bodega, e fala aos meus clientes, que eu, estou cobrando mais do que devia. E isto não é uma verdade, pois é a primeira vez que fica de barriga no balcão.
    Então quando chegar a noite, vou lhe meter a cinta, e não darei mais dinheiro para ele, pois ele deve achar que é um dinheiro lesado, vai ter
    que trabalhar, apenas lavando copo.
    Pergunta, NÃO É CRIME DIVULGAR MENTIRAS SOBRE A ECONOMIA DE UM PAÍS?
    É ou não é?
    Lembro no plano XYK, em que todos os brasileiros cuidavam do aumento de
    preços. E quem pisasse na bola, tropeçava?

  14. ter, 23/04/2013 - 17:34

    A nova tese brilhante da reaçassaiada é “a Dilma é burra”. Se não der certo vão pra fase II: “A Dilma é bobona, chata e feia”.
    O problema é que até o Homer Simpson do Bonner já começou a coçar a cabeça. Tratar as pessoas como idiotas reduz seu público aos idiotas (não confundir com ignorantes). Por mais idiotas que existam no Brasil eles não chegam a 30% do eleitorado.

    Agora é bom ter em mente que existe permeabilidade entre rentismo e produção, não é essa dicotomia toda que está se colocando nos veículos de esquerda.

  15. ter, 23/04/2013 - 17:34
    Gerson Carneiro

    Eduardo Campos é boi de piranha. Só não identifiquei ainda quem é o proprietário. Pode ser até o Lula.

    Aécio Neves também, mas esse é manjado. Na hora H quem vai preencher a ficha é aquele que quer encarcerar a geração que o PSDB não educou. Como chama mesmo aquele lá responsável pelo massacre do Pinheirinho?

    Serra, logo logo vai dar a ordem para o Bob Freire sair da cadeira de presidente do PPS pra ele sentar. Mas esse aí é cachorro morto.

    • ter, 23/04/2013 - 20:40
      Vlad

      É verdade.
      Se esses dois tivessem alguma influência, seus candidatos teriam vencido facilmente os candidatos do querido presidente Lula.
      Mas não…são dois insignificantes bovinos piranhentos.

  16. ter, 23/04/2013 - 16:37
    Aroeira

    ELES JÁ TÊM CANDIDATO, SIM!

    Está no blog Os Amigos do Presidente Lula: http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2013/04/ao-trair-lula-eduardo-campos-ganha.html

    Deu no jornal Estadão que os banqueiros preferem Aécio Neves (PSDB-MG) ou Eduardo Campos (PSB-PE) do que a presidenta Dilma em 2014.

    Aliás, nenhuma novidade, apenas constatação do óbvio.

    O nome de Campos caiu nas graças dos banqueiros, desde que ele passou a trair Lula e a fazer oposição à política econômica da presidenta Dilma, que é de derrubar os juros altos, gerar investimentos produtivos e empregos, erradicar a pobreza e melhorar a distribuição de renda, para ampliar a classe média.

    O jornalão diz que conversou com banqueiros, economistas de instituições financeiras, operadores e donos de fundos de investimento. Com o compromisso de não se identificarem, eles opinaram sobre a sucessão do ano que vem.

    Sobre Aécio, disse um executivo de um banco estrangeiro:

    “Ele é música para os ouvidos do mercado. Ele é visto como o resgate da agenda de FHC. É mais ortodoxo… [mas]… Ninguém acredita que, de fato, queira ser presidente. Sua vida pessoal é incompatível com a vida pública. E sua atuação como senador é uma piada”. (José Serra deve ter adorado esse comentário).

    Quanto a Campos, o executivo do banco estrangeiro disse:

    “Campos tem história em Pernambuco, está com discurso muito alinhado, aberto a ouvir. É uma luz no fim do túnel, uma alternativa a Dilma”.

    A “história em Pernambuco” relacionada ao mercado financeiro pode ter a ver com o escândalo dos precatórios, quando Eduardo Campos era secretário estadual de Fazenda, e houve a emissão de títulos fraudulentos, com lucros astronômicos para os bancos às custas do rombo nos cofres públicos pernambucanos.

    Para os banqueiros, “a imagem de Dilma está em processo de deterioração galopante no mercado”. Isso desde que a presidenta vem exigindo dos bancos a cobrança de juros e tarifas mais civilizadas, o que diminui os lucros abusivos do setor.

    Comentário adicional: o Campos andou falando que apoia uma taxa de juros mais alta. Esse cara não tem a menor ideia do óbvio que mostra que quanto maior a taxa de juros, maior o montante pago pelo contribuinte brasileiro pela rolagem da dívida interna. Ou seja, quanto mais dinheiro vai para os banqueiros e rentista, menos dinheiro sobra para aplicar em infraestreutura. Até o Ciro Gomes já se manifestou sobre a declaração do governador de Pernambuco dizendo que quem defende juros altos são os banqueiros, e eu acrescento, e seus paus-mandados nos meios de comunicacão, “jornalistas” das organizações Globo à frente.

    Sr. Campos, respeite a nossa inteligência e deixe de dizer besteira. Não achincalhe a memória do seu avô.

    • ter, 23/04/2013 - 21:55
      Messias Franca de Macedo

      … Ora, ora, se é ruim para os [energúmenos e avarentos] banqueiros, é muito bom paro o honesto, inteligente e trabalhador povo brasileiro!…

      “Venha, candidatos(as) da [eterna, funesta e famigerada] OPOSIÇÃO AO BRASIL!…”

      BRASIL (QUASE-)NAÇÃO [depende de nós!]
      Bahia, Feira de Santana
      Messias Franca de Macedo

  17. Prezado senhor,
    Permita-me, com a devida data máxima vênia, expressar minha opinião desqualificada dos méritos de intelecção que o texto de Sua Senhoria exala.
    Confesso que estou exausto intelectualmente na tentativa de tornar consentânea a realidade que vivo com a que a imprensa, ou pelo menos parte dela, insiste em ressaltar. Aceito a pecha de idiota visto não lograr êxito debalde reiteradas tentativas.
    No entanto, gostaria de ressaltar algo que parece-me fazer algum sentido.
    Confirmada nas urnas a reeleição da atual Chefe do Executivo e, imaginemos, o retorno de seu antecessor em 2018, somar-se-ão um total de 25 anos – um quarto de século – que o partido que lhes propicia a filiação ocupa o poder central da federação, ladeado por participação crescente nas demais esferas de poder da República. Inclua-se o Poder Judiciário.
    Inevitavelmente o correr dos acontecimentos levarão a termo a verdade irretorquível que fará corar de vergonha um dos lados ora em litígio.
    Se a inflação estiver sob controle; se a quantidade de postos de trabalho criados for verdadeira; se as PPP se perpetrarem em sua inteireza; se o crescimento industrial garantir índices razoáveis e sustentáveis de crescimento; se o modelo educacional atual mostrar-se eficiente para atender à demanda de mão-de-obra especializada ora em déficit; se o padrão de atendimento público de saúde alcançar um padrão mínimo de qualidade consoante com a dignidade humana e; tantos outros “se” que seria enfadonho listar nesse momento, ficará claro, meridiano, cristalino, de que lado estava a razão no pretérito 2013. Serão lembrados os veículos de comunicação taxados de “mídia golpista” e desmascarada a desfaçatez encetada contra o povo e seu governo redentor. Veremos o linchamento intelectual dos, à época, chamados líderes da “direita reacionária e conservadora”. Serão expostos à execração das massas e sepultadas suas aspirações políticas por irrisórias que sejam. O povo estará feliz e não mais necessitando de qualquer espécie de programa assistencialista, pois, emergirá uma nova geração educada, instruída e qualificada profissionalmente, demandada pelos diferentes setores da economia ávidos por contratá-los dada a necessidade gerada pelo crescimento sustentado. A reforma tributária recuperará o interesse de capitais externos de longa maturação, dado o crescimento da economia em bases sustentáveis, a geração de marcos regulatórios equilibrados e isentos de paixão partidária ou ideológica. Resumindo: um sem fim de alvíssaras entusiasmantes que extirparão da cena nacional os eternos pessimistas.
    Porém, se suceder exatamente o contrário, espero que, definitivamente, não precise me expor a comentários e fatos que afrontam minha mediana e pouco dotada inteligência, pois, assim, não mais serei chamado de idiota ao vivo e em cores. Pelo menos em plagas brasileiras não se ouvirá com tanto tanta ênfase os cânticos de louvor ao pseudoSocialismo que encobre tudo, menos os verdadeiros anseios do povo. Tampouco, opiniões discordantes estarão expostas às milícias nazi-comuno-fascistas.
    Voltaremos a valorizar nosso idioma, pronunciando plurais, obedecendo regência verbal e concordância. Estereótipos e clichês esgarçados, desbotados no tempo pela ineficiência e obsolescência tenderão a desaparecer.Acusações e denúncias não mais serão respondidas com justificativas de outros também cometeram os mesmos crimes ou se omitiram diante de promessas não cumpridas.
    Uma conclusão se tornará evidente para os medianamente inteligentes: não há sistema econômico, regime de governança ou de estado que ofereça resultados concretos quando quem os gestiona e/ou comanda permanecer em crise moral. Regimes e sistemas são impessoais, quem os cria são pessoas. Se não houver os que prestem é porque o Homem não presta.
    Aguardemos…

    • ter, 23/04/2013 - 16:50
      Guanabara

      Muito bonito. Agora olhe para os pretéritos 1999, 1994, 1986 e 1964 e me diga se seus homens deram conta do recado nessas épocas, ou se apenas serviram ao capital internacional, em especial ao estadunidense, resultando em todas as mazelas alardeadas em seu texto.

      Dilma não é perfeita e, já digo, a princípio, não tem meu voto em 2014. Mas vai me dizer que Aécio, Eduardo Campos, Serra e outros entreguistas são a solução? Faz-me rir, Hariovaldo.

    • qua, 24/04/2013 - 7:58
      Maria Helena Correa

      Digressão com pretensões sofisticadas, portanto merecedor de maior correção gramatical. Ao se referir ao autor do texto usa a expressão Sua Senhoria de forma inadequada (esta se destina a apontar uma terceira pessoa de quem se fala). Melhor usar Vossa Senhoria, em prol da clareza. No mais, insista até alcançar a graça de um professor Hariovaldo.

  18. Acho que a conjuntura pós-tomate (que despencou de preço, como acontece quase todos os anos nessa época) está difícil para a oposição.

    - Dilma acaba de desonerar o álcool combustível;
    - o apagão que a mídia tanto desejou não veio;
    - a trupe midiática do joaquim batman se desmoraliza mais a cada dia;

    Como sempre, o PIG precisa achar uma crise – qualquer crise – para entoar seus mantras. Mas, francamente, crise de infraestrutura?

    - Quem destruiu a indústria naval brasileira foi FHC. Lula reconstruiu, embora ela esteja longe de ser uma das maiores do mundo, como chegou a ser antes de FHC pôr as mãos nela;
    - o Programa Luz para Todos vai de vento em popa, levando eletricidade aos rincões mais distantes do país;
    - toda semana Dilma entrega milhares de moradias do Minha Casa Minha Vida. Enquanto isso, cerca de 5000 famílias da Espanha perdem suas casas para os bancos DIARIAMENTE.

    Só é preciso onerar mais o ganho especulativo, forçando os “industriais” brasileiros a investir em produção, e não em especulação.

    O que deve preocupar o governo Dilma e o PT não é a eleição de 2014, e sim o golpe de estado em andamento, previsto para 2013.

    • ter, 23/04/2013 - 19:07
      Paulo

      ” Quem destruiu a indústria naval brasileira foi FHC.”

      FHC? Tem certeza?

      Quando estudei no Rio de Janeiro, em 1982, já era possível ver a decadência dos estaleiros e o desastre dos inúmeros navios ancorados na baia de Guanabara, só esperando a ferrugem corroê-los.

      E a informação do boteko vermelho bate com a minha e desmente a sua.

      http://botekovermelho.blogspot.com.br/2010/05/o-renascimento-da-industria-naval-e-o.html

      “É importante destacarmos, neste sentido, que a indústria naval brasileira ficou praticamente no limbo nas décadas de 80 e 90. Nos anos 80, o Brasil enfrentou sua primeira grande recessão econômica desde o fim da 2ª Guerra Mundial, o que impactou diretamente na indústria naval, já que não havia demanda nem no país nem no mercado internacional para novos navios de grande porte. Isso sem contar que o acesso dos estaleiros ao mercado de crédito foi se tornando restrito diante das dificuldades econômicas, o que levou o setor a uma espiral negativa de desempenho.

      Em 1990, o governo Collor, dentro do contexto das políticas de abertura econômica, determina a liberalização do transporte marítimo de longo curso, o que na prática expôs amplamente os produtores locais de navios à concorrência internacional. Mas já estavam há dez anos sem investimentos e com grandes dificuldades de acesso ao crédito, as empresas brasileiras não eram competitivas o suficiente para enfrentar os grandes concorrentes internacionais. Com isso, a indústria naval brasileira mergulhou ainda mais em uma fase de estagnação.

      No início da década de 2000, a Petrobras voltou a realizar algumas encomendas de navios de pequeno porte para os estaleiros nacionais – são os chamados navios de apoio…”

  19. ter, 23/04/2013 - 15:00
    Ricardo Mendonça

    O que ninguém falou sobre a questão do tomate e sobre a própria lógica do processo inflacionário. Me lembrou Aloysio Biond:

    http://foradefocoblog.wordpress.com/2013/04/23/tomate-a-solucao-e-a-reforma-agraria/

  20. [...] Kotscho: Depois do tomate, é a crise na infraestrutura [...]

  21. ter, 23/04/2013 - 14:34
    Messias Franca de Macedo

    Por que os jornalistas têm fama tão ruim?

    (…)
    Um dos primeiros barões da imprensa, o americano James Gordon Bennett II, do Herald, dizia que era “uma prostituta, como todos os jornalistas”. Bennett II era tão extravagante que urinou no piano em sua festa de noivado, razão suficiente para a noiva romper.
    O barão da imprensa Bennett dizia a seus subordinados que o leitor era ele
    Bennett tinha um iate luxuoso com três suítes: uma para cada amante que levava e a terceira, com ar condicionado, para uma vaca que garantia leite fresco. Ele acabou pronunciando a quintessência da lógica hierárquica dos barões. Disse uma vez a seus jornalistas: “Eu sou o leitor. Vocês têm que agradar a mim.”
    Tenho em casa uma charge na qual um professor diz aos pais de um aluno que seu filho é maldoso, mentiroso, dissimulado – “todos os atributos, enfim, para se dar bem no jornalismo”.
    Os primeiros barões – sobretudo nos Estados Unidos e na Inglaterra — faziam dinheiro chantageando poderosos. Ameaçavam publicar coisas horríveis caso seus anseios financeiros não fossem satisfeitos. Tanto quanto jornalistas, eram chantageadores.
    Era uma prática que logo se globalizou. Assis Chateaubriand, o primeiro grande barão brasileiro da imprensa, montou o Masp por meio de expediente parecido. Doações de grandes quadros vieram quase sempre de achacamento. Empresários paulistas sofreram com Chateaubriand.
    Uma geração à frente da de Chateaubriand, outro império de mídia foi construído com meios não exatamente elogiáveis: a Globo.
    Chateaubriand achacou pela intimidação; Roberto Marinho viu na ditadura militar a chance de crescer muito além do jornal paroquial que herdara e carregara até ter mais de 60 anos.
    Ofereceu apoio aos generais, e estes lhe deram televisão, financiamentos, vantagens fiscais e outras facilidades que são a base das Organizações Globo.
    Como Bennett, Roberto Marinho sempre deixou claro que ele era o leitor.
    Isso significa que, na prática, ele está virtualmente vivo entre nós. Cada jornalista, cada articulista da Globo está, ainda hoje, escrevendo para Roberto Marinho, representado por seus três filhos.
    Não é das mais edificantes, definitivamente, a história do jornalismo – nem fora e nem, tampouco, no Brasil.
    O que pode mudar uma velha história viciada de interesses privados misturados a interesses alegadamente públicos é o jornalismo digital.
    É nessa hipótese que o Diário acredita

    Por Paulo Nogueira
    jornalista baseado em Londres, é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

    Em http://www.diariodocentrodomundo.com.br/por-que-os-jornalistas-tem-fama-tao-ruim/

  22. ter, 23/04/2013 - 14:21
    Taques

    É tudo conspiração, né Kotscho, afinal de contas nossa infraestrutura está uma beleza.

    Rodovias ótimas, aeroportos modernos, hidrovias equipadas, portos maravilhosos, ferrovias portentosas, saneamento básico de primeiro mundo, enfim, tudo está ótimo.

    Essa imprensa golpista não tem mesmo o que fazer.

    • ter, 23/04/2013 - 15:40
      Carlos

      Deve ser tudo conpiração da imprensa golpista mesmo.Não existe um buraco nas estradas, os alimentos baixaram de preços nos supermercado, acredito eu que a dilma não deve fazer compra, posi se fizesse iria para de ajudar as montadoras e ajudar o povo, pois inflação de 6%, só se não aumentou o preço do pneu de aviaão, é brincadeira, do jeito que os blogueiros do governo dizem até parece que moramos em um paraíso.

    • Meu caro, polemizar, ser papagaio da imprensa é muito fácil! Agora comparar os números investidos no gov Ludilma com os da década perdida 90″ que é muito difícil! Eu viajo de carro o país inteiro e sei mais que qualquer jato do JN, o quanto foi feito de infra-estrutura rodoviárias em todo o país. Se duvida, levante sua bunda do sofá e vá de carro de SP a Belém! Pegue a 101 até RS! Atravesse MT até RO! Não fale do que não sabe!

      • ter, 23/04/2013 - 19:14
        Rafael

        Quando estiver indo de carro de SP a Belém, tome muito cuidado com os buracos na Br153… verdadeiras crateras em uma das principais rodovias do país.

      • ter, 23/04/2013 - 20:37
        Taques

        Levantarei minha bunda da cadeira e irei para Belém.

        Tenho certeza que ficarei encantado com nossas ótimas rodovias.

        Será uma viagem inesquecível!

        Muito obrigado pela dica.

        Abraços.

      • qua, 24/04/2013 - 12:33
        Ulisses

        Parece que este pessoal não tem memoria mesmo. Finge-se de bobos. Ninguém mais lembra da década de 90, as buraqueiras que eram as estradas do sul, sudeste e centro oeste. Larga o óleo de peroba. Pego Campo Grande, Paranaíba, Frutal,Uberaba, BH, parte pela 262 duplicada. Na década de 90 era só buraco, saia 4 horas da manhã para chegar em BH depois da meia noite. Hoje chego antes das 18 horas. Deixem de piada chorões do FHC.

    • qua, 24/04/2013 - 14:06
      manoel

      Taques,a questão não é esta e sim a necessidade de agenda negativa o tempo inteiro. Pedir inteligência num debate intestinal é dificil. O que posso te dizer é que voce é um bobo da corte, pois da casa grande não deve ser. Acorda. levante a bunda da cadeira e ao invés de gastar combustivel, vá reforçar seus neurônios. O Brasil precisa de gente inteligente e não de bobos e papagaios de piratas da casa grande.

    • qua, 24/04/2013 - 23:56
      Marcelo

      tá tudo uma maravilha mesmo, Taques.

      Deus nos livre do PIG e suas infamias:

      http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,pf-investiga-contratacao-de-ong-por-favorito-de-dilma-,1010005,0.htm

      Ainda bem que existem homens corajosos a nos defender:

      http://www.zedirceu.com.br/index.php?option=com_content&task=view&&id=17370&Itemid=2

Comentar