VIOMUNDO

Faustino Rodrigues: Está com sangue no olho contra Dilma e Lula e quer um novo 13 de março? Você é corrupto!

25 de março de 2016 às 13h22

Captura de Tela 2016-03-14 às 11.58.09

O podre poder

Por Faustino Rodrigues

A origem latina de corrupção, corruptus, a remete a corromper, à deterioração, ao que se deixou estragar. Nos tempos de hoje, difícil estar em um ponto de ônibus, padaria, bar, qualquer ambiente público sem que se fale em Operação Lava-Jato. Ela levou a “política” para a boca do povo e facilitou a vida para os jornais de vida fácil ao permitir-lhes que se atribua um culpado a todas as mazelas do país. A tropa de choque da Polícia Federal de hoje expurga todo a responsabilidade do cidadão comum que, agora, se vê no direito de apontar o dedo na cara de alguém de modo a dizer “você é culpado”.

O indivíduo corrupto, então, se deixa estragar, apodrecer. É responsável por sua própria vida, tendo discernimento para agir segundo o correto. Fugir ao certo, ao que é bom, portanto, é justamente acabar consigo mesmo. Por isso o homem se torna podre. Ele é o único responsável por seu próprio destino.

Os grandes jornais brasileiros resumem a corrupção na política com nomes fáceis, possíveis de serem soletrados por qualquer pessoa. O mal, e tudo de podre, estaria nesses nomes de poucas sílabas. Logo, acabar com a corrupção, acabar com o apodrecimento da política torna-se tarefa simples, cabendo apenas extinguir tais pessoas, tais políticos, agentes únicos responsáveis por seu destino. Tudo pertence a uma matemática simples, um jogo de soma zero. Não precisa ir mais a fundo e não importa nada, nem mesmo as modernas instituições republicanas e democráticas.

A Lava-Jato, neste caso, facilita a vida do homem de bem que pode sempre atribuir a culpa ao outro. Por ser um indivíduo dotado de ações, tal como ele, o político ou empreiteiro corrupto desde o princípio tem a capacidade de escolher o caminho a ser seguido. Ofusca-se todo o passado do acusador e obscurece todo o seu próprio julgamento, bem como sua capacidade de julgar. Acusar, do latim accuso, remete à atribuição de culpa. E o verbo ganha força, pois o outro, aquele supostamente corrompido, apodrecido, adquire uma dimensão diferenciada no imaginário do acusador. E a sede de acusação funciona como uma espécie de cortina sobre as ações daquele que profere as palavras ofensivas e julgadoras. Não mais mede a si mesmo.

E tal como o apodrecimento de um fruto em seu meio é algo natural, o apodrecimento do acusador também o é. Olha para os seus acusados com tamanho ódio, elevando a dimensões inimagináveis suas ações políticas, que não vê como o seu próprio cotidiano é corrupto. E o seu apodrecimento ocorre da maneira mais cruel, como aquele fruto cheio de agrotóxicos a conservar uma bela e reluzente aparência, mas que, por dentro, está completamente podre.

Sendo prático, todos os corruptos, quando provado, devem ser punidos. Para o autor destas linhas, a corrupção na política é inadmissível. Se Lula e Dilma se corromperam, não podem fugir à punição deveras. E investigações sérias devem ser montadas para mostrarem isso. O problema é quando a própria operação anti-corrupção que pretende mudar a história da política brasileira mostra-se tão bela e reluzente como o fruto que está podre por dentro. Isto é, a Lava-Jato dá sinais claros de estar corrompida. Porém, a grande preocupação em acusar faz com que o algoz não veja a putrefação de dentro. Encanta-se com o reluzente, naturalizando a corrupção, fazendo com que tudo valha, seja justificável, para tirar os oponentes políticos de sua vista e fazê-los culpados antes de qualquer coisa, até mesmo a própria corrupção.

Mas, por que não derrotá-los na urna? Simples, por estar justamente tão podre a ponto de pensar toda a sua podridão como natural. Logo, se é muito incompetente para uma vitória democrática, vale-se do mais prático, daquilo que conhece melhor e tem a certeza de existir uma chance de vitória. O caminho é supostamente mais curto.

A lista da Odebrecht mostra exatamente isso. A suposta imparcialidade do justiceiro Moro vem facilmente ao chão. A seletividade do sigilo se torna evidente. O que interessa à grande imprensa, aos acusadores corrompidos, é divulgado, pois é a grande maneira de mobilizar os homens de bem, ansiosos juízes que, enquanto acusam, não veem seu próprio apodrecimento. Não admitem a corrupção do outro. Mas, estão dispostos a corromper, a agirem de maneira corrupta para conseguir um objetivo claramente definido: tirar o PT do poder.

Não sejamos ingênuos. Eu mesmo escrevi aqui, em outra ocasião, que o Partido dos Trabalhadores, ao longo dos últimos anos, foi um inimigo de si mesmo. E, novamente, repito que os devidos responsáveis devem ser punidos. Todos, sem exceção. Exigir uma seletividade na investigação, na divulgação de informações não completamente apuradas é ser corrupto.

E, meu caro leitor, se você chegou até este parágrafo com sangue nos olhos contra Lula e Dilma, ansioso para a repetição de um 13 de março de 2016, digo abertamente: você é corrupto. O simples fato de defender cegamente uma investigação cujos critérios de divulgação de dados respeitam unicamente interesses, faz com que você seja corrupto, pois tudo o que se descobriu, inclusive as supostas acusações ao ex-presidente e à presidente são frutos de atitudes corruptas, reluzentes por fora com a toga, mas em putrefação por dentro.

A grande mídia, agora, tem um novo trabalho, o de justificar a Lava-Jato – e se justificar na Lava-Jato. Tem de se preocupar em encontrar desculpas para a utilização da corrupção para atacar as instituições políticas e democráticas. Acredito que dificilmente, quando a operação começou, há dois anos, os investigadores sabiam onde chegariam, que furariam a camada reluzente do fruto político. Porém, tampouco acredito em imparcialidade desde o princípio.

Enfim, ao leitor corrupto, responsável exclusivo por seus atos, pergunto: o que fará para justificar as ações da maior investigação política da PF na história do Brasil? Como fará para justificar seus próprios interesses? Deixo abertas as questões, pois, afinal de contas, cada um é responsável por suas próprias ações (ou não?).

Faustino da Rocha Rodrigues é jornalista, professor e cientista social.

Leia também:

Os irmãos Koch investem pesado para implantar o ultraliberalismo

Lista da Odebrecht “17 parceiros históricos”, um são do PMDB

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR
7 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Messias Franca de Macedo

26/03/2016 - 12h31

ATENÇÃO, MUITA ATENÇÃO BRASIL DO BEM

o “juiz” da ‘Guantánamo do Paraná’ que, CRIMINOSAMENTE, atentou contra a Lei de Segurança Nacional &$ o ‘miniSTÉRIO’ PRIVADA dos facínoras golpistas &$ antinacionalistas/entreguistas…

***

MORO E MPF MANOBRARAM PARA “LAVA JATO” FICAR EM CURITIBA, DIZ PAULO OKAMOTTO

A operação “lava jato” surgiu de uma interceptação telefônica ilícita de conversa entre advogado e cliente, e ficou no Paraná devido a manobras do juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, Sergio Moro, e do Ministério Público Federal. Esse é o fundamento usado pela defesa do presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, ao pedir que o STF retire as apurações relativas a ele das mãos de Moro, e assuma o caso ou o remeta ao Judiciário federal paulista, informa o portal Conjur

26 DE MARÇO DE 2016 ÀS 10:35

(…)

FONTE [LÍMPIDA!]: http://www.conjur.com.br/2016-mar-25/moro-manobrou-lava-jato-ficar-parana-paulo-okamotto

Responder

Messias Franca de Macedo

25/03/2016 - 23h55

… E eu pensei que terminaria Santa a minha Sexta-feira!

… Agora à noite, encontrei-me fortuitamente com alguns familiares e amigos(as)!
O discurso pétreo da ‘coxinhada’ é irrecuperável!
Pedi licença para me retirar do recinto:
“Peguem a lama da Samarco da Vale privatizada, e vá lavar os seus caranguejos!”

Responder

Messias Franca de Macedo

25/03/2016 - 23h05

… Para além da perspectiva política e histórica, um belo ensaio antropológico!

Parabéns ao egrégio pensador Faustino Rodrigues

Clap clap clap

De pés!

Responder

FrancoAtirador

25/03/2016 - 16h39

.
.
2018: EL CHE 90 AÑOS
Hasta La Victoria! Siempre!
(http://imgur.com/jJRiNLK)
(http://imgur.com/p9cM6et)
.
.

Responder

Sérgio

25/03/2016 - 15h15

Todos, pelo menos os do lado de cá, somos pacifistas e amantes do Mahatma Ghandi. Nada de bombas, nada disso, mas não pode nem um estalinho, nem uma cabeça de nego lá na Globo, aquele Império do Mal?

Responder

FrancoAtirador

25/03/2016 - 15h07

.
.
Diante do Apoio ao Impíxi pela OAB – ou seria OBA! – Nacional
.
os Advogados que zelam pelo Estado Democrático de Direito
.
deveriam emplacar o Mote: “OAB NÃO ME REPRESENTA!”
.
.
“Uma novidade que ganha força entre os golpistas
é a ampliação para 15 dos integrantes do STF
com a imediata indicação do novos ministros”
.
“Nos nomes cogitados para o ‘novo’ STF,
estão o do próprio Michel Temer.
As demais indicações seriam de Aécio, Cunha
e a OAB, que receberia seu quinhão”
.
Paulo Pimenta
Deputado Federal
.
(https://twitter.com/DeputadoFederal/status/713355776954335232)
(http://www.revistaforum.com.br/blogdorovai/2016/03/25/deputado-paulo-pimenta-e-os-13-pontos-do-acordo-dos-golpistas)
.
.

Responder

Deixe uma resposta