VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Delegado Bruno não foi punido por vazar fotos do dinheiro; pegou 9 dias de suspensão por mentir a superior

21 de julho de 2012 às 14h19

Delegado Bruno não foi punido por vazar fotos do dinheiro; pegou 9 dias de suspensão por mentir a superior

por Luiz Carlos Azenha

publicado no Viomundo antigo em abril de 2009, reproduzido no Boca no Trombone

O relatório do delegado Amaro Vieira, já devidamente vazado para a imprensa, traz indícios fortes de que o delegado Protógenes Queiroz entregou para a TV Globo informações sigilosas sobre a Operação Satiagraha. Também já não é exatamente uma novidade que uma equipe da emissora foi a responsável pela gravação de vídeo da tentativa de suborno a um delegado federal por parte de prepostos de Daniel Dantas — crime pelo qual o banqueiro já foi condenado.

Pessoalmente, já disse que sou contra essa história de jornalista ter “delegado de bolso”. Nunca tive um. Relação íntima com autoridade nos leva, quase sempre, a terreno pantanoso: o repórter se deixa usar hoje de olho no furo de amanhã. Mas minha opinião pessoal não elimina um fato: se forem investigados TODOS os vazamentos de informações sigilosas muita gente vai perder o emprego.

O que nos leva de volta ao delegado Protógenes. Ele não responde apenas a inquérito sob acusação de vazar informações sigilosas. Já foi “afastado” do cargo enquanto responde a processo administrativo, acusado de participar de campanha política.

O delegado corre o sério risco de perder o emprego.

Vejam só como são as coisas. Lembram-se do delegado Bruno, aquele que vazou as fotos do dinheiro dos aloprados petistas na véspera do primeiro turno das eleições presidenciais de 2006? Ele continua firme e forte, servindo à Delegacia de Repressão aos Crimes Fazendários, em São Paulo.

Se o vazamento de Protógenes ainda está em investigação, o do delegado Bruno nunca foi investigado pela imprensa. Perguntas básicas sobre o caso nunca foram respondidas. O que Bruno foi fazer na perícia de um caso do qual já não cuidava? Ele entregou as fotos do dinheiro primeiro para a TV Globo; foi a Globo que sugeriu a ele que vazasse, no dia seguinte, para os demais órgãos de imprensa? Por que o delegado, ao entregar as fotos a um grupo de jornalistas, disse ‘essa aqui é a foto da Globo’? Por que Bruno insistiu tanto, na conversa gravada com os repórteres, em disseminar as imagens no maior número possível de meios? Ele agiu por conta própria ou a mando de algum grupo político?

O delegado Bruno, de fato, enfrentou um processo administrativo interno. Depois de muito fuçar descobri a “sentença” a que ele foi “condenado”, no dia 21 de outubro de 2008: 9 dias de suspensão.

O superintendente da PF em São Paulo justificou a punição “por restar comprovado nos autos que o servidor, por suas próprias razões e sem autorização de quem de direito, por meio da mídia, trouxe a público fatos que estariam ocorrendo no âmbito do Departamento de Polícia Federal e no de sua vida funcional, bem como concedeu entrevistas controversas, provocando perplexidade pública, em razão dos seus conteúdos contraditórios; e por ter faltado a verdade no exercício de suas funções, na medida em que afirmou ao Sr. Superintendente Regional em São Paulo que um CD contendo fotos havia sido furtado de seu poder, sendo tal afirmação inverídica, praticando, desta forma, as transgressões disciplinares previstas nos inc. VIII e XVII, do art. 43, da Lei no. 4.878, de 03.12.1965″.

Bruno foi punido pelos artigos 8 e 17:

VIII – praticar ato que importe em escândalo ou que concorra para comprometer a função policial;
XVII – faltar à verdade no exercício de suas funções, por malícia ou má-fé.

Ou seja, o delegado Edmilson Bruno não foi punido internamente nem mesmo por vazar dados de um inquérito que corria sob segredo de Justiça, embora isso esteja previsto na lei 4.878:

XLIII – publicar, sem ordem expressa da autoridade competente, documentos oficiais, embora não reservados, ou ensejar a divulgação do seu conteúdo, no todo ou em parte.

No Brasil, como se vê, até alguns vazamentos são “mais iguais” que outros. Bruno fez o “vazamento certo” — com conhecimento e cumplicidade da mídia. Protógenes fez o “vazamento errado”, daqueles que desagradam ao patrocinador.

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

17 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Delegados deixaram digitais: achavam que o golpe ia dar certo Bahia na Mídia

20/07/2015 - 09h27

[…] 2006, tivemos o caso do delegado Bruno, eleitor assumido do PSDB,  que vazou para a mídia fotos do dinheiro apreendido no caso dos […]

Responder

Delegados da PF deixaram digitais | Altamiro Borges

09/12/2014 - 08h48

[…] 2006, tivemos o caso do delegado Bruno, eleitor assumido do PSDB, que vazou para a mídia fotos do dinheiro apreendido no caso dos […]

Responder

O Palheiro | Delegados da PF deixaram digitais: acreditavam no golpe.

17/11/2014 - 13h32

[…] 2006, tivemos o caso do delegado Bruno [15], eleitor assumido do PSDB,  que vazou para a mídia fotos do dinheiro apreendido no caso dos […]

Responder

Os delegados aecistas acreditavam no Golpe ! | Conversa Afiada

16/11/2014 - 10h29

[…] 2006, tivemos o caso do delegado Bruno, eleitor assumido do PSDB,  que vazou para a mídia fotos do dinheiro apreendido no caso dos […]

Responder

Tapetão do PSDB pegou 9 corruptores | Ficha Corrida

16/11/2014 - 10h15

[…] Mas Lula deu a volta por cima e se reelegeu apesar das idênticas tentativas de golpe naquela reeleição como às de agora, com Dilma. O famoso caso dos aloprados montados pelo núcleo do José Serra na Polícia Federal, com o famoso delegado Bruno estrelando o golpe, levou aquelas eleições de 2006 ao segundo turno. A única punição ao vazador das fotos vazadas à Globo, Delegado Bruno, foi uma suspensão de 9 dias. […]

Responder

Delegados da PF deixaram digitais: acreditavam que o golpe ia dar certo « Associação Rumos

15/11/2014 - 23h16

[…] 2006, tivemos o caso do delegado Bruno, eleitor assumido do PSDB,  que vazou para a mídia fotos do dinheiro apreendido no caso dos […]

Responder

Lava-jato: Delegados da PF acreditavam que o golpe iria dar certo | bloglimpinhoecheiroso

15/11/2014 - 20h00

[…] 2006, tivemos o caso do delegado Bruno, eleitor assumido do PSDB, que vazou para a mídia fotos do dinheiro apreendido no caso dos […]

Responder

Delegados da PF deixaram digitais: acreditavam que o golpe ia dar certo - Bem Blogado

15/11/2014 - 14h04

[…] 2006, tivemos o caso do delegado Bruno, eleitor assumido do PSDB,  que vazou para a mídia fotos do dinheiro apreendido no caso dos […]

Responder

Delegados da PF deixaram digitais: acreditavam que o golpe ia dar certo |

15/11/2014 - 02h29

[…] 2006, tivemos o caso do delegado Bruno, eleitor assumido do PSDB,  que vazou para a mídia fotos do dinheiro apreendido no caso dos […]

Responder

Golpe de Tucanos na PF precisa de respostas | chezeguevara

15/11/2014 - 01h02

[…] 2006, tivemos o caso do delegado Bruno, eleitor assumido do PSDB,  que vazou para a mídia fotos do dinheiro apreendido no caso dos […]

Responder

Os delegados da PF tinham tanta certeza de que o golpe daria certo que deixaram as digitais e provas pelo caminho « Viomundo - O que você não vê na mídia

14/11/2014 - 21h02

[…] 2006, tivemos o caso do delegado Bruno, eleitor assumido do PSDB,  que vazou para a mídia fotos do dinheiro apreendido no caso dos […]

Responder

Miguel

21/09/2012 - 10h19

Se essas fotos não tivessem sido divulgadas, até hoje ninguém saberia do ocorrido, sabendo o que fizeram nada foi feito contra esses corruptos do PT e outros, agora vemos envolvimentos da sua Cúpula no Mensalão, coisa de quadrilha, mas povo brasileiro gosta disso, tanto que reelege sempre os mesmos, também, ignorância, falta de cultura e fome são as características dos nossos eleitores, miséria leva a isso, trocam seus votos por um prato de comida.

Responder

anibal

27/07/2012 - 12h38

Duvido que ele tenha sido punido com a reducao de 1/3 do salario pelos 9 dias de suspensao !

Responder

Sr. Indignado

22/07/2012 - 14h02

Cana, demissão e perda da aposentadoria.
Ah… verdade, tamo no Brasil.

Responder

Julio Silveira

22/07/2012 - 09h27

Deveria perder o emprego. Mas não só ele, todos os fazem uso de suas atribuições publicas, contrariando a lei, para beneficio privado em qualquer lado da cor ideológica.

Responder

SILOÉ-RJ

21/07/2012 - 23h50

Essa é a chance que o PT tem de lavar sua honra no caso do mensaläo e dos aloprados.
Daí porque todo cuidado é pouco para näo deixar o PIG e o PSDB melar a CPMI.

Responder

Leandro Fortes: O grupo de Cachoeira e o escândalo dos aloprados « Viomundo – O que você não vê na mídia

21/07/2012 - 14h21

[…] Mais tarde, apuramos que o delegado Bruno não foi punido por vazar as fotos: foi suspenso por nove dias por mentir a superior. […]

Responder

Deixe uma resposta