VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas

Cerqueira Leite: Uma atuação “pífia”

26 de outubro de 2010 às 13h07

26 de Outubro de 2010 – 9h13

Genéricos e outros mistérios

Como consequência da Guerra das Malvinas, quando a Argentina, por ter abdicado da produção própria de fármacos, ficou desabastecida de medicamentos, o governo militar brasileiro aprovou um programa, por mim proposto, de desenvolvimento dos princípios ativos (fármacos) dos 350 remédios constituintes da farmácia básica nacional.

* Por Rogério Cezar de Cerqueira Leite, na Folha, via Vermelho

Estimava-se que, em dez anos, seria possível desenvolver, por engenharia reversa, pelo menos 90% desses produtos. De fato, em pouco mais de três anos, cerca de 80 processos já haviam sido desenvolvidos e 20 produtos já estavam sendo produzidos e comercializados por empresas brasileiras.

O sucesso inicial desse projeto permitiu que fosse iniciada por mim, nesta Folha, uma campanha de esclarecimento sobre medicamentos genéricos, o que não teria sentido sem a produção própria de fármacos.

Precipitadamente, o governo Itamar Franco tentou lançar a produção de genéricos. O poderoso cartel de multinacionais de medicamentos se insurgiu. Ameaçou-nos de desabastecimento, de verdadeira guerra. Derrotou e humilhou o Ministério da Saúde.

Poucos anos depois, esse cartel não somente cedeu prazerosamente ao ministro José Serra, então na pasta da Saúde, como até fez dele seu “homem do ano”.

Seria o costumeiro charme do ministro? Seu sorriso cândido? Senão, qual o mistério?

Como consequência da isenção de impostos de importação para o setor de química fina, da infame lei de patentes e de outras obscenidades perpetradas pela administração FHC, mais de mil unidades de produção no setor de química fina, dentre as quais cerca de 250 relativas a fármacos, foram extintas. Além do mais, cerca de 400 novos projetos foram interrompidos.

Os dados foram extraídos de boletim da Associação Brasileira de Indústria da Química Fina. Em poucos anos, o deficit da balança de pagamentos para o setor saltou de US$ 400 milhões para US$ 7 bilhões. Quem acha que, com isso, Serra não merece o título de homem do ano das multinacionais de medicamentos?

Também os “empresários” brasileiros do setor de genéricos têm muito a agradecer ao ex-ministro da Saúde, pelas suas margens de lucro leoninas. Basta ver os imensos descontos oferecidos por quase todas as farmácias, que com frequência chegam a 50%. Os genéricos do Serra nada têm a ver com os genéricos que planejamos.

E o tão aclamado programa de Aids do Serra? É compreensível que todos os seres humanos, e talvez também o ministro Serra, tenham se comovido profundamente com a súbita e aterrorizante explosão da Aids. Que oportunidade sem par para políticos demagógicos!

A ONU homenageou o então ministro Serra pelo mais completo e dispendioso programa de apoio aos doentes de Aids de todo o planeta. Países ricos, com PIB per capita dez vezes maiores que o nosso, ficavam muito aquém do Brasil. Como foi possível? E por que será que, nesse mesmo período, os recursos orçamentários destinados ao saneamento básico não foram usados?

O então dispendioso tratamento de um único doente de Aids correspondia à supressão de recursos para saneamento básico que salvariam centenas de crianças de doenças endêmicas, com base em uma avaliação preliminar. Será que Serra desviou recursos do saneamento básico? Mistério!

Mas persiste o fato de que, durante a administração Serra na Saúde, os recursos destinados ao saneamento, à época atribuídos a esse ministério, não foram aplicados.

Mesmo sem contar mistérios como aqueles dos “sanguessugas” e da supressão do combate à dengue no Rio, entre outros, considero pífia, eminentemente pífia, a atuação de Serra no Ministério da Saúde.

* Rogério Cezar de Cerqueira Leite, 79, físico, é professor emérito da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), presidente do Conselho de Administração da ABTLuS (Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron) e membro do Conselho Editorial da Folha.

Fonte: Folha de S.Paulo

 

29 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Eurico Zimbres

27/10/2010 - 14h24

Vejo que há uma certa tendência em minimizar o estrago que esta elite pode causar na campanha da Dilma. Se eles forjarem um factóide nas últimas 24 horas, como responderemos? A Folha junto com a Globo tem condições de atingir todo o território nacional em questão de poucas horas. Este povo não joga para perder e são profissionais no assunto da bandidagem. Penso que é até possível encomendarem um apagão para o dia 31. Com milhões de dólares não é difícil encontrar alguns malucos para fazerem isto. O PCC , o CV e muitas milícias podem fornecer facilmente mão de obra para isto.

Responder

Eurico Zimbres

27/10/2010 - 14h10

Vejo que há uma certa tendência em minimizar o estrago que esta imprensa pode causar na campanha da Dilma. Se eles forjarem um factóide nas últimas 24 horas, como responderemos? A Folha junto com a Globo tem condições de atingir todo o território nacional em questão de poucas horas.
Como muitos apontaram aqui, o que está em jogo é da ordem de bilhões de dólares. Este povo não está acostumado a perder e são profissionais da maracutaia há muito tempo. E tem mais, eles são unidos. Todos devem estar a par da tal reunião que FHC teve nesta semana com investidores estrangeiros . Vamos nos preparar para barrar qualquer ataque. Desculpem-me, ma nestas altura, eu penso que eles podem até encomendar um apagão no dia 31. E vão jogar a culpa no PCC ou no CV, porque no PT não cola mais.

Responder

EDSON BASTOS

26/10/2010 - 23h04

Gostaria de acrescentar que o verdadeiro autor da Lei 9787/99, do Medicamento Genérico, é de autoria do ex-deputado federal pelo PT, Eduardo Jorge, que conseguiu a sua aprovação no Congresso Nacional no dia 10 de fevereiro de 1999, assim como a PEC 29, que foi aprovada em 2000 e necessita ser regulamentada pelo governo Federal. Hoje, na legenda do PV, EDUARDO JORGE é Secretário do Verde e do Meio Ambiente na gestão Kassab. Portanto, vamos desmascarar o candidato SERRA que vem dizendo em público que é o autor dos Genéricos e da PEC 29. Por este e por outros, no dia 31 a "VERDADE" vai prevalecer sobre a "MENTIRA" e nossa candidata DILMA será eleita a primeira Presidenta do Brasil.

Responder

vicente neto

26/10/2010 - 18h01

Jatene foi traido por FHC e Serra…esses dois vão entrar para história….FHC que o PIG chama de Estadista..pra mim ele é um verdeiro Privatista..isso sim..ninguém tira dele!!Sobre o Serra..bem podemos dizer que fez muita coisa..é inegável..muita coisa ruim!!!!

Responder

Luiz Marcondes

26/10/2010 - 15h47

Logo de cara quero deixar bem claro que voto Dilma e abomino os tucanos, particularmente depois dessa campanha asquerosa. Mas, a bem da verdade, e respondendo a um dos comentadores (edv), o programa de aids não custou nem custa "10 vezes mais que em paises ricos", nem foi o que o prof. Cerqueira Leite escreveu (leia o texto com cuidado). E é discutivel que não se devesse ter feito o programa, porque ninguém poderia prever como estariamos hoje em termos da epidemia de aids sem o programa. O que se pode questionar é o custo do programa, mas a criação dele foi essencial, inclusive em termos tecnico-cientificos e de expertise, sem mencionar o mais óbvio, ou seja, a redução das mortes, de sofrimento humano, gastos com hospitalização, previdencia, e redução muito significativa do risco de transmissão, e consequentemente, de freio à epidemia.

Responder

    Rodrigo Leme

    26/10/2010 - 16h09

    E dá pra levar a sério o Cerqueira Leite? O cara tá defendendo o leitinho (desculpe o trocadilho) do filho dele. Procurem pela agência de propaganda Matisse.

francisco.latorre

26/10/2010 - 15h41

morreu tuma.

..

quero ver agora o aluisio 'terrorista' nunes dar condolências.

ou o zé sujeira.. quem sabe?..

..

Responder

Heitor Rodrigues

26/10/2010 - 15h38

Na época da desastrada abertura comercial de Fernando Collor, em 1990, eram mais ou menos 500, as indústrias consideradas integrantes do complexo industrial farmacêutico nacional. O Prof. Cerqueira Leite fala da extinção de 250 empresas durante os mandatos de FHC. Isto significa que antes de FHC, metade do parque industrial brasileiro já estava extinto. E, há dois anos atrás, as empresas sobreviventes não chegavam a 20.

Por iniciativa do Japão e dos EUA, começou em 2006 a discussão sobre um novo acordo de comércio, à margem da OMC. O Acordo Anti-Imitação de Comércio – ACTA pretende, à pretexto de combater a pirataria, colocar fora da lei os medicamentos genéricos; submeter a pagamento, a circulação de produtos que gerem direitos de propriedade intelectual, inclusive os que transitam na internet. Desde 2008, ocorre apreensão de conteineres em portos europeus, contendo fármacos importados pelo Brasil à Índia, acobertados por legislação européia unilateral, ou seja, fora da OMC, que é o fôro legítimo para tratar de tais assuntos.

No início da década dos 90, para impor o TRIPS, os EUA "patrocinaram" a criação da Organização Mundial de Comércio tal e qual ela é hoje. O Acordo Geral de Tarifas e Comércio já não lhes servia. Menos de 15 anos passados, a OMC já não serve aos interesses dos países ditos centrais. O BRIC e os aliados estão incomodando e o assunto vai dar pano prá manga, prá guerra e prá muito mais. Quem viver, verá.

Responder

Mônica

26/10/2010 - 15h34

Tô achando que ele vai perder seu cargo no Conselho Editorial da Folha…

Responder

francisco.latorre

26/10/2010 - 15h19

serra não mente. pouco.

..

Responder

francisco.latorre

26/10/2010 - 15h08

o pior melhor ministro da história.

factóide. madeinusa.

..

produto nacional mesmo.. feitonobrasil..

é dilma13. brasil13.

31. é 13.

..

Responder

beattrice

26/10/2010 - 14h52

Considero muito pior que pífia, considero criminosa.
Serra insiste em se apropriar do combate à AIDS um programa que deve sua implantação a Lair GUERRA e JATENE http://www.viomundo.com.br/denuncias/aids-serra-a
Serra insiste em se apropriar dos genéricos do HADDAD depois de ter como bem descreve o Cerqueira Leite destruido sua concepção original e valorosa http://www.viomundo.com.br/denuncias/quem-de-fato
É um pândego, um engodo, um moleque sócio-amigo de Paulo PRETO, DANIEL DANTAS e que tais.

Responder

Luiz G. Simões

26/10/2010 - 14h50

Foi triste ver o Serra em glose no debate na tv, dizer que têm 40 anos de trabalho na vida pública e, ném uma mácula, jamais roubou.
E eu tendo que ficar quieto, ouvindo todas aquelas mentiras, sabendo que sua filhinha Verônica junto com o seu genro
o borgouis ou "burgues, eo seu cunhado o tal Preciado metendo a mão roubando descaradamente!

Responder

Baixada Carioca

26/10/2010 - 14h35

Só essa história de mutirões é um testamento de incompetência gente!

Imagina! Fazer mutirões de saúde é dizer que o sistema não resolve o problema, que é falho, que não tem gerência e tal.

Ele se desqualifica. Só imbecis podem acreditar que mutirões na saúde é a solução para um sistema falho e caro como é a saúde no Brasil.

Responder

    DR.NELSON NISENBAUM

    26/10/2010 - 15h00

    Corretíssimo.

    francisco.latorre

    26/10/2010 - 15h16

    não tem eleitorado mais pra essas jogadas.

    lula reduziu a miséria e a ignorância.

    imbecis agora.. concentram-se na velha classe média.

    ..

fernandoeudonatelo

26/10/2010 - 14h15

O reconhecimento das patentes é um dos pré-requisitos de negociação comercial "mulilateral" diante da OMC, sob ameaça de retaliação, portanto não acho que foi algo criado deliberadamente por FHC (como a quebra do setor farmoquimico nacional).

Outro ponto importante, é que a aplicação de engenharia reversa proposta durante o regime militar, foi proposta quando o país não integrava as mudanças no GATT a respeito de propriedade intelectual, o que não restringia práticas de cópia e remodelação maciças.

O erro então se encontra na desindustrialização no segmento de princípios ativos e no favorecimento das farmaceuticas com a não prevenção pelo saneamento básico das doenças. Naquele período o Brasil investia menos da metade em tratamento de esgoto e abastecimento de água do que hoje (Atualmente foi dobrada pelo PAC 1, mas ainda se concentram no eixo Centro-Sul do país, tendo que ser estendidos urgentemente ao Nordeste).

Responder

    francisco.latorre

    26/10/2010 - 15h14

    o reconhecimento das patentes foi feito sem contrapartida.

    como a assinatura do tratado de limitação nuclear. nenhuma contrapartida.

    fhc entregou. deu.

    mais não fez porque mais não pôde.

    serra viria terminar o serviço. a traição.

    queriam. não terão.

    dilma é brasil.

    ..

    fernandoeudonatelo

    27/10/2010 - 03h41

    Camarada, o reconhecimento das patentes de coqueteis era uma das negociações vigentes na pauta da OMC, pra aquele período, e que foram sancionadas a todos os países integrantes do organismo. Os direitos de propriedade intelectual sobre medicamentos, só foram flexibilizados e as patentes só foram quebradas, quando a OMS (Organização Mundial de Saúde, vinculada à ONU), reconheceu que a contenção da epidemia precedia os direitos comerciais de um grupo privado, ou seja, dando ao Brasil liberdade para a produção de genéricos a partir da fórmula original.

    O TNP (Tratado de Não Proliferação Nuclear ao qual vc se refere), não reduz armas nucleares das potências e só serve aos seus interesses. Exigem unilateralmente que assinemos, mas nunca fomos bobos de e impõem hoje por exemplo ao Irã.não querer assinar porque não temos cacife militar, político e econômico pra fazer frente às retaliações e ameaças futuras. Aliás se já temos condições de fazer o armamento em pouco tempo, não precisamos nem sair do acordo quando nossa soberania estiver sendo ameaçada, é só manter a produção pelo menos um anos antes, sem alarde.

edv

26/10/2010 - 13h59

Se o programa da AIDS foi 10 vezes mais caro que os de países desenvolvidos, é só procurar os potenciais "sócios" privados do "empreendimento" … E "dane-se" o saneamento…
Cada notícia que se relembra ou se descobre sobre FHC, Serra e seus neoliberais sempre leva, sistematicamente, ao interesse privado (com relaçõs pessoais) e/ ou estrangeiro.
Os neoliberais merecem um "elogio": seus trambiques são sempre sofisticados e envolvem valores altíssimos, abrangendo muitas vezes segmentos inteiros de mercado ou o próprio mercado, a nação. Tipicamente 8 a 11 dígitos.
Tudo devidamente camuflado e até distorcido como "interesse público" pelo PIG, consórcio cúmplice no marketing e viabilização do "Brasil à Venda" e respectiva corretagem. A patota dos BB's ("Brazil Brokers").
Em países anglo-saxões (por ex:), a traição à pátria, ao seus povos, é tipicamente punida com a pena capital…
Em outros, até almejam ou ocupam a presidência…
Qual será o que queremos ser?

Responder

    Luiz Marcondes

    26/10/2010 - 18h27

    Logo de cara quero deixar bem claro que voto Dilma e abomino os tucanos, particularmente depois dessa campanha asquerosa. Mas, a bem da verdade, e respondendo a um dos comentadores (edv), o programa de aids não custou nem custa "10 vezes mais que em paises ricos", nem foi o que o prof. Cerqueira Leite escreveu (leia o texto com cuidado). E é discutivel que não se devesse ter feito o programa, porque ninguém poderia prever como estariamos hoje em termos da epidemia de aids sem o programa. O que se pode questionar é o custo do programa, mas a criação dele foi essencial, inclusive em termos tecnico-cientificos e de expertise, sem mencionar o mais óbvio, ou seja, a redução das mortes, de sofrimento humano, gastos com hospitalização, previdencia, e redução muito significativa do risco de transmissão, e consequentemente, de freio à epidemia.

augustodafonseca13

26/10/2010 - 13h46

#dia31vote13 e #serramente na liderança do TT Brasil!

Hoje, 26/10/2010, às 13h, as hashtags #dia31vote13 e #serramente – em primeiro e segundo lugar, respectivamente – lideram o TT Brasil no Twitter.
Salvo melhor juízo, isso é resultado da intensa movimentação dos tuiteiros da Dilma, durante e após o debate de ontem na TV Record, em que o Serra foi violento e mentiroso, o tempo todo.
Parece ser um sinal, também, de que os tuiteiros do Serra já se cansaram de defender o indefensável (Serra) e de atacar os inatacáveis (Dilma e Lula).
A continuar assim, ainda que a campanha do Serra invente mais alguma coisa para atacar a Dilma, não terá resultado, a não ser manter o que já tem.

Responder

José Moacir Zem

26/10/2010 - 13h35

O polvo Paul estava doente. Dizem "as más línguas" que consultaram o Serra (que foi o melhor Ministro da Saúde que este país já teve) sobre o caso do polvo. Depois de ouvirem o Serra, e aplicarem a medicação recomendada pelo EX-MINISTRO DA SAÚDE, o polvo MORREU. Na autópsia aparecerá que a medicação prognosticada pelo Serra era a ERRADA e acabou de MATAR o polvo.

Responder

    Davi Lemos

    26/10/2010 - 15h23

    Verdade. Zé Baixaria é terrível para o polvo, e ainda mais para o povo.

Daniel Francelino

26/10/2010 - 13h33

Excelente texto. Esse é um ótimo pra disseminar nas mídias sociais e tinha que aparecer no #dilmanarede.

Responder

Armando do Prado

26/10/2010 - 13h23

Parece que a direita entregou os pontos:

Enviado por Ricardo Noblat – 26.10.2010| 11h05m
Deu em O Globo
A moral da tropa de oposição

Ilimar Franco

Um dos integrantes da coordenação da candidatura José Serra avalia que o pleito já está decidido. Ele diz que "não tem mais o que fazer" e que "a banalização das denúncias" deixa os eleitores "tontos".

Sobre o segundo turno, diz que é pequena a mobilização daqueles que venceram as eleições no dia 3 de outubro e que por isso a campanha nos estados perdeu volume.

"As movimentações locais não são significantes", explica. Afirma ainda que "ninguém tem controle" dos fatores que poderiam mudar o rumo da eleição, como o aumento da abstenção, por causa do feriado, e o resultado do pleito em São Paulo e Minas Gerais.

Responder

ruypenalva

26/10/2010 - 13h20

Eu já demonstrei aqui, n vezes, que a gestão de Serra no MS foi apenas para marketing, para torná-lo candidato à sucessão de FHC com um golpe desleal desferido em Jatene, que também mandei o vídeo.

Responder

Deixe uma resposta