VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas

Prontuário médico de Dilma foi vazado no Hospital Sírio-Libanês

30 de maio de 2011 às 18h45

por Conceição Lemes

Na última quinta-feira, 26 de abril, recebi um e-mail de Gerson Carneiro, leitor do Viomundo, com o assunto Aves de mau agouro. Perguntava se eu tinha alguma notícia sobre o estado de saúde da presidenta Dilma Rousseff.

Nascido em Irecê, sertão da Bahia, criado em Senhor do Bonfim e morando em Salvador desde a adolescência, Gerson é muito brincalhão. Seu perfil no twitter diz tudo: No meu velório não quero ouvir nenhum choro; quero ouvir muitas piadas. Se você é chorão(ona) e/ou não sabe contar piadas, favor não ir.

Mas ele estava preocupadíssimo. Dois amigos disseram-lhe que Dilma estava gravemente enferma. Os detalhes me fizeram relembrar a sordidez das mentiras espalhadas durante as eleições de 2010.

“Não acho que seja verdade”, respondi-lhe. “São os urubus de plantão, mas vou checar.”

Liguei para o deputado federal paulista Paulo Teixeira, líder da bancada do PT na Câmara dos Deputados, que, por coincidência, havia estado com a presidenta no dia anterior.

“A Dilma teve pneumonia nos dois pulmões, mas já sarou. Inicialmente achou que era apenas gripe, não deu muita atenção. Só que a situação complicou”, conta a esta repórter o que ouviu da presidenta. “Se tivesse alguma doença grave, a Dilma seria a primeira a falar. Lembra-se da transparência no trato do linfoma, em 2009?”

No sábado, porém, “ao visitar” o Tijolaço, a casa digital do deputado federal Brizola Neto (PDT-RJ), descobri uma das possíveis origens dos boatos que circularam pela internet na semana passada. Encarnando o próprio o urubu da semana, a revista Época chegou às bancas com a ficha médica completa da presidenta. No caminho da Dilma há sempre uma ficha! Assinam a reportagem: Cristiane Segatto, Isabel Clemente e Leandro Loyola. Atente bem à foto e à chamada de capa.

A Época quer matar a Dilma”, denunciou Brizola Neto já no título do seu artigo do sábado. “Essa é a ‘ética’ dos nossos grandes meios de comunicação. Não precisam de fatos, basta construírem versões, erguendo grandes mentiras sobre minúsculas verdades. Esses é que pretendem ser os ‘ fiscais do poder’. Que imundície!”

Realmente, a foto da capa (Dilma com os olhos fechados como se estivesse morta, num caixão) combinada à chamada (seu estado ainda exige cuidados) induzem, de pronto, a se temer o pior: o câncer voltou. Fim de linha. Mas depois lendo, felizmente, não é nada disso.

O relatório médico, feito pela equipe do Sírio-Libanês que cuida de Dilma e tornado público pela Presidência em resposta à reportagem de Época, é enfático: “ótimo estado de saúde”.

A Época, porém, elenca uma porção de problemas, fazendo passar a ideia de que Dilma seria um poço de doenças. Só que do ponto de vista estritamente de saúde a reportagem não disse a que veio, é uma não-matéria. Um equívoco.

Explico. No passado, saúde era sinônimo de ausência de doença. Porém, com a crescente longevidade da população essa noção foi derrubada. Visões mais amplas a substituíram. A mais clássica é a da Organização Mundial de Saúde (OMS): saúde é o bem-estar físico, psíquico e social.

Logo, ter saúde não depende simplesmente da presença ou da inexistência de doenças. É normal ter algumas delas com o avançar da idade. Em geral, parte-se – atenção! – de uma a duas, na faixa dos 20 a 30 anos, para cinco ou seis, aos 80 ou 90.

Em outras palavras: pode-se estar na faixa dos 60 anos, como a presidenta, ter diversas doenças, mantê-las sob controle e ser saudável. Em compensação, um jovem – em tese, saudável – pode ser doente. É o caso daquele que atravessa dez faróis vermelhos seguidos; ele pode não estar bem mentalmente e, por isso, talvez morra ou mate alguém.

E a lista de 28 remédios, os mal-estares e os resultados de exames?

Qual a novidade? Nenhuma. Deu até vontade de rir, pois a Época se levou a sério. Esqueceu-se do básico: Dilma é ser humano, em carne e osso, como qualquer um de nós. Ponto. Tem dor de barriga, de cabeça, nas costas, tosse, espirra, chora, ri, sofre, fica triste, alegre. A Presidência da República não imuniza ninguém.

Aliás, para fazer a malfadada reportagem, Época não precisava recorrer a métodos não ortodoxos para saber que a glicemia subiu quando Dilma teve pneumonia e parou com o remédio para diabetes. Mesmo que não tivesse diabetes, a glicemia dela teria subido. Normalmente infecções aumentam as taxas de “açúcar” no sangue.

E as dores no estômago, náuseas e aftas? Quem já tomou antibióticos sabe que esses efeitos adversos podem ocorrer. E para aliviar as aftas, por exemplo, a gente usa o que tem à mão na hora, inclusive bicarbonato de sódio. Eu garanto: funciona.

“Mas e a tiroidite de Hashimoto?”, alguns talvez questionem. “A presidenta tem hipotiroidismo!.”

Ela e mais cerca de 3 milhões de brasileiros, e a tiroidite de Hashimoto é a causa principal. Trata-se de uma doença auto-imune que acomete mais o sexo feminino — principalmente após os 40 anos: o sistema imunológico não reconhece a tiroide como parte do corpo e a ataca, inflamando-a ou destruindo-a progressivamente. O tratamento consiste em tomar diariamente comprimidos de levotiroxina.

Então por que publicar tal matéria se Dilma sempre foi tão transparente em relação aos seus diagnósticos e tratamentos e nunca impediu os seus médicos de passar informação à mídia sobre a sua saúde? Será que esperavam encontrar uma bomba e como acharam apenas traques, tocaram assim mesmo? Por que levaram adiante dando ares fúnebres, para males comuns na população e que podem ser perfeitamente controlados hoje em dia, mantendo a pessoa saudável?

Considerando que do ponto de vista de saúde a matéria não beneficia o leitor, só tenho estas explicações. Má fé. Mau jornalismo. O objetivo é claramente político. Fragilizar a presidenta. Jogá-la na corda. Machucá-la.

Esse é um lado dessa sujeira, que só pode se materializar porque houve o vazamento do prontuário da paciente Dilma Rousseff, via Hospital Sírio-Libanês. Um sem a cumplicidade do outro não teria sido possível a reportagem. Não sei como nem quem passou as informações. Se foi por  São Paulo, onde fica a sede da Época e do hospital. Ou se via Brasília, onde a revista tem sucursal e o Sírio-Libanês, uma unidade.  Em quase 30 anos como repórter na área de saúde, nunca tinha visto um vazamento de prontuário tão rico em detalhes. Não foi uma mera dica, passada em  conversa ligeira de corredor ou de telefone. Mas a ficha completa com todos os exames feitos, dias, horários,  resultados, remédios envolvidos.

No domingo, pela manhã, liguei para a assessoria de imprensa do Sírio-Libanês e perguntei o que o hospital tinha a dizer sobre o vazamento do prontuário da ilustre paciente. Resposta repetida várias vezes:

O hospital não vazou nada, o hospital não divulgou nada, as informações foram passadas à presidência da República. É a informação que estamos dando aos jornalistas que estão nos ligando.

Não convencida,  mesmo sendo domingo, liguei de novo à tarde. A resposta foi semelhante. Mandei ainda, às 16h, e-mail com cópia para três membros da equipe da assessoria de imprensa, questionando o vazamento do prontuário médico da presidenta. Até agora, quase 27 horas depois, não recebi a resposta.

O fato é que fora a via judicial, que não é o caso, legalmente só podem ter acesso à ficha médica completa de Dilma ela própria, seu representante legal, os seus médicos e equipe e o Sírio-Libanês, já que o prontuário fica sob a guarda do hospital.

Dilma, obviamente, não passaria as informações com tantos dados técnicos. Vale lembrar que, atendendo à solicitação de Época, ela enviou à revista um relatório sobre o seu estado de saúde feito pelos médicos do Sírio-Libanês. A revista utilizou as frases “ótimo estado de saúde” e “A Presidenta Dilma continua em remissão completa do linfoma, e não há nenhuma evidência de deficiências imunológicas, associadas ou não ao tratamento do linfoma realizado em 2009”,  ignororando o restante. Depois, em resposta à reportagem de Época, a Presidência tornou público o relatório encaminhado anteriormente à revista (está no mesmo post do Brizola Neto, logo abaixo do seu artigo).

Acredito que os médicos que assistem Dilma no Sírio-Libanês também não vazariam o prontuário. As equipes que cuidam da presidenta são coordenadas por Roberto Kalil Filho, Paulo Hoff, Yana Novis, David Uip, Raul Cutait, Carlos Carvalho, Milberto Scaff e Julio Cesar Marino.

Suponho que não fariam isso ainda os doutores Antonio Carlos Onofre de Lira e Paulo Ayrosa Galvão, respectivamente, diretor-técnico e diretor-clínico do Sírio Libanês.

Sobra o hospital enquanto instituição, afinal o prontuário médico fica sob sua guarda e não saiu voando para os braços da Época. Alguém o acessou e passou para Época. Informação é moeda de troca. O “serviço” pode ter sido feito até por um médico para cair nas graças do jornalista e, depois, no futuro, ser recompensado com espaço na publicação. Nesses anos cobrindo saúde já ouvi quase tudo. Desde médico relatando a colegas a doença x ou y de paciente famoso às supostas puladas de cerca do dito cujo.

“Na verdade, o sistema de proteção aos dados dos pacientes nos grandes hospitais e laboratórios ainda é muito frágil”, alerta o pediatra Marcelo Silber, médico credenciado do Sírio-Libanês e do Albert Einstein, em São Paulo. “Com a minha senha de médico, posso acessar a ficha completa de qualquer paciente, famoso ou não. Logo, alguém de má fé pode fazê-lo e passá-lo adiante, conforme o seu interesse. Por exemplo, imprensa, convênios, seguro-saúde.”

Está escrito no Código de Ética Médica, do Conselho Federal de Medicina:

É vedado ao médico revelar fato de que tenha conhecimento em virtude do exercício de sua profissão, salvo por justa causa, dever legal ou autorização expressa do paciente.

Ou seja,  alguém se prestou a fazer o serviço sujo no caso de Dilma. Se foi  médico ou outro membro da equipe do hospital —  enfermeira, nutricionista, psicólogo, secretária, técnico em informática ou seja lá quem for –, diria aos colegas de Época que esse profissional não é digno de confiança. Se foi um médico, abram olho. Médico bom não é só técnico competente; tem que ser eticamente humano.

A quebra de confidencialidade das informações de qualquer  paciente é algo muito grave. Diria criminoso. Dilma foi enganada. Traída. Teve as suas informações de saúde violadas. Espero que o Hospital Sírio-Libanês descubra como, quando, onde e quem acessou indevidamente o seu prontuário e passou adiante. Também se houve um mandante. Não por  ser a presidenta, mas porque todo paciente merece respeito e solidariedade. Na semana passada a vítima foi a Dilma, na próxima, pode ser você, o Azenha, eu.

O nosso compromisso de jornalistas é com a informação ética. O do médico é única e exclusivamente com o seu paciente, famoso ou anônimo. Hospital não é palco, doença não é espetáculo midiático nem paciente, escada. Esse show tem que parar.

 

148 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

No STF - diferentes direitos para Genoino e Jefferson | Forte Cultural

14/12/2013 - 07h01

[…] maio de 2011, o prontuário médico da presidenta Dilma Rousseff, com todas as informações sobre a sua saúde, f… para […]

Responder

Dois pesos e duas medidas até na doença: Genoino tem os seus direitos como paciente violados;Jefferson, não - Viomundo - O que você não vê na mídia

11/12/2013 - 16h36

[…] maio de 2011, o prontuário médico da presidenta Dilma Rousseff, com todas as informações sobre a sua saúde, f… para revista […]

Responder

Define marca presença no CBIS 2012 em Curitiba, congresso da SBIS – Sociedade Brasileira de Informatica em Saúde | Blog da Define

04/12/2012 - 11h24

[…] Sabemos de diversos casos de vasamento de informações de prontuário de pessoas notórias, recentemente o prontuário de nossa “Presidenta Dilma” foi publicado com detalhes na revista Época (veja matéria). […]

Responder

Rodrigo Vianna: Pelas costas, Estadão “crava” espada em Dilma | Viomundo - O que você não vê na mídia

21/08/2011 - 23h36

[…] Aparentemente a mídia corporativa acalenta mesmo um sonho: ver a presidenta Dilma fora de combate. Quem não se lembra daquela capa da revista Época em que Dilma, de olhos fechados, num fundo negro,… Naquela ocasião, ela seria vítima de sua saúde, que, como se soube depois, pelo relatório […]

Responder

Mineira

06/06/2011 - 23h42

Alguém aí conhece o editor desta porca revista? Se estes manés quiserem publicar a LISTA DE REMÉDIOS QUE EU TOMO E JÁ TOMEI(tenho todas as receitas de quase trinta anos de emfermidades várias). Se a falta de competência deles chegou ao ponto de publicar listinhas, posso mandar a minha de remédios e também do supermercado. rsrsrsrsrs………………..

Responder

Tiroidite de Hashimoto: Diagnóstico e tratamento | Viomundo - O que você não vê na mídia

03/06/2011 - 15h14

[…] Em fevereiro, durante coletiva de imprensa para anunciar sua aposentadoria do futebol, Ronaldo revelou que tem hipotiroidismo. No final da semana passada, reportagem sórdida da revista Época divulgou que a presidenta Dilma Rousseff também. No caso dela, a causa é a tiroidite de Hashimoto. […]

Responder

SILOÉ -RJ

01/06/2011 - 23h24

O governo está esperando o quê para reagir????

Responder

Paulo Moreira Leite: Economistas erraram de novo | Maria Frô

01/06/2011 - 20h01

[…] 1st, 2011 by mariafro Na Época, que colocou a presidenta no caixão e fez a reporcagem mais desinformativa da história, tem um jornalista e seu nome é: Paulo Moreira […]

Responder

Quero o aconchego de uma República laica e nada mais

01/06/2011 - 11h27

[…] as articulações com o Congresso” e… o processo contra a “Época” et caterva (?). Sinto falta de uma República laica e sem patriarcado! Sem mais latim para […]

Responder

Marcelo de Matos

01/06/2011 - 10h58

O problema é que temos uma mídia sarcófaga, urubuzante. Nos EUA tivemos recentemente vários acidentes aéreos e a mídia não falou em caos, como aqui. O presidente do Uruguai está bem velho e doente, mas, duvido que a mídia de lá seja tão agourenta como a nossa. Dilma visitou o país e o blog do Dirceu noticiou: “Em pauta está a adoção do padrão nipo-brasileiro de TV digital, o qual poderá ser adotado no Uruguai, bem como um plano de ação conjunta para democratizar o acesso à rede nos dois países até 2015. Entre os pontos do acordo está a troca de experiências sobre os programas de inclusão digital desenvolvidos pelos dois governos. Da parte brasileira, as cidades digitais, a implantação de telecentros comunitários nos municípios e os programas de banda larga nas escolas públicas são referências importantes. O documento prevê, ainda, o intercâmbio bilateral de pesquisadores e a cooperação acadêmica entre universidades e centros de pesquisa”.

Responder

Rubens C.G.

01/06/2011 - 10h23

Esta denuncia vai de encontro com a análise de Luciano Martins Costa em Observatório de Imprensa "A SAÚDE DA PRESIDENTE" de 30/05/11 , onde ele afirma, no final de sua análise : " Se a reportagem de Época levasse o leitor a concluir que a presidente da República tem uma saúde tão frágil que poderia comprometer seu desempenho no cargo, estaria desenhado um quadro ao gosto dos adeptos de teorias conspiratórias.
Como o resultado da reportagem convence o leitor de que Dilma Rousseff teve, sim, problemas graves de saúde mas segue em boas condições e sob controle médico, resta concluir que as informações foram facilitadas pelo próprio governo, com a participação dos especialistas que a atendem. "
E aí ?
Deixo claro que não estou tomando partido o partido do Sr.Luciano; muito pelo contrário.

Responder

Eugênia

01/06/2011 - 10h03

Em conformidade aos codigos de etica medica e ao civil, os diretores tecnico e clinico ´são os profissionais que respondem diretamente por vazamentos de informações sob guarda da instituição hospitalar independente da forma ou do profissional que vazou. Cabe tambem a abertura de inquerito administrativo interno, sendo a conclusão enviada ao conselho medico e ao ministerio publico qdo acionado.Fui diretora de hospital publico por 10 anos e por muito menos respondi, por informações dadas em corredor do hospital, por tecnicos de enfermagem sobre quadro de paciente,sem a autorização previa do mesmo Neste caso especifico,que envolve tb publicidade, a investigação pode ser acionada via ministerio publico, por qualquer cidadão,pois coloca sob suspeita TODA INFORMAÇÃO DE TODOS OS PACIENTES QUE ESTÂO SOB GUARDA DO HOSPITAL

Responder

Luci

01/06/2011 - 10h03

Há um esforço para tirar de São Paulo o "cérebro" do corpo político do país. Mas o poder de tratamento de saúde é São Paulo, até o dia em que as autoridades públicas decidam que os hospitais públicos devam ser de excelência obedecendo ao rigor da república.Políticos e familiares sairem de seus estados para tratamento de saúde em São Paulo é a demonstração de poder do Estado!

Responder

    Aline C Pavia

    20/06/2011 - 23h56

    Hoje o seu governador Alckmin destituiu 2 secretários na área da saúde. Tem 12 presos e vários foragidos. Será feita uma devassa nos hospitais com implantação de ponto eletrônico. Deseja-se cadeia para os médicos, dentistas e empresários corruptos com a anuência ou omissão de Pagura e Tardelli. E de preferência devolução dos milhões roubados do meu e seu imposto. Isso responde a vc de forma maiúscula, sobre o que é na REALIDADE a saúde em SP. Uma fábrica de mortos para os pobres trouxas e uma mina de ouro para os espertos, entre eles os velhos sanguessugas conhecidos nos quais vc votou.

jose

01/06/2011 - 10h02

Preza Conceição,
somente hoje consegui ler seu post. Você foi fantástica! Escreveu o que todos gostaríamos de dizer a esta revistinha nojenta, bem como aos demais veículos do PIG. Tudo foi violado, a revista deveria ser julgada por estupro à dignidade do paciente. O Sírio Libanês deve ser chamado às falas por não manter a devida privacidade de seus pacientes. Sejam eles, Dilmas, Marias ou Joãos, não importa se famosos ou não, como vc bem disse. Se um Hospital do Porte do Sírio Libanês não consegue manter em sigilo seus prontuários que hospital conseguiria? Em última instância o Hospital deve ser responsabilizado pelo ocorrido junto com o trio de supostos jornalistas e a direção da revista que permitiu a publicação de matéria tão imunda!

Responder

Teca

01/06/2011 - 07h54

Nossa…..como e que pode ne?? Um jornalista cometer um erro desses. "A PRESIDENTE" e nao "A PRESIDENTA". Voces falam "a estudante" ou "a estudanta"?? PELO AMOR DE DEUS…..O PAIS PRECISA DE MAIS EDUCACAO URGENTEMENTE pra gente parar de ter que ler erros absurdos como esse e o que e pior, vindo de um profissional.

Responder

Jane

01/06/2011 - 07h49

São uma gente nojenta esses filhos de Roberto Marinho. A presidente tem de reagir. E é urgente. O Hospital Sírio-Libanês tem de responder

Responder

    Antônio de Sampaio

    01/06/2011 - 09h44

    Tá nervosa amiga??

    Que isso meu!!!!

ana db

01/06/2011 - 05h51

Processar a revista, o hospital e os jornalistas.
Pode não dá em nada pelo Judiciário que temos mas faz barulho para o publico que interessa: o povo.
Cada vez mais o PiG se encalacra. Ninguem gostou da canalhice. O PiG vai ajudar a exterminar os demotucanos que já estão com os dois pés na cova. Obrigatoria as Lei dos médios. o PiG defensor de primeira hora da ditadura e tortura jamais pode se arvorar em defensor da democracia e da liberdade de expressão.

Responder

João A. Cassaro Jr

01/06/2011 - 02h17

Se fosse com alguém do PSDB, a 'velha imprensa velha' já estaria falando em "Quebra de sigilo saúde"…

Responder

Blogueiros sujos: Debates polêmicos no segundo encontro nacional | Viomundo - O que você não vê na mídia

01/06/2011 - 01h42

[…] dela vai permitir a viagem?”. É o assim-chamado PIG internacional em ação. Leia, aqui e aqui, relatos sobre essa tendência homicida. […]

Responder

Marcos AC Lopes

01/06/2011 - 01h13

Ninguém vai tomar providências em relação a mais um crime? Ou Dilma "enterra" logo o PIG com uma Lei dos Meios de Comunicação (vejam a Argentina), ou será o PIG que vai terminar "enterrando" a Dilma.

Responder

Sônia Bulhões

31/05/2011 - 23h13

Olhem dessas revistecas, se é que assim posso dizer, podemos esperar tudo; mentira, calúnia, difamação e o escambau. Vi a capa da maledeta. Mas aí fui comprar a minha CartaCapital. Não queria acreditar na foto da presidenta que a Carta usou na capa. Não sei qual das duas está pior. Oh Mino ! Concordo com quase tudo que você publica. Mas esta capa da Carta … O que deu em você ?

Responder

FrancoAtirador

31/05/2011 - 21h50

.
.
Sociedade Beneficente de Senhoras – Hospital Sírio-Libanês

Código de Ética

(…)
Capítulo II
Da Conduta Ético-profissional

(…)
Seção X
Da Mídia e Publicidade

Os colaboradores da Sociedade e de suas entidades mantidas somente poderão comunicar-se com a mídia (tais como, e não se limitando a, mídia impressa, televisiva, radiofônica ou internet), em nome da Sociedade e de suas entidades mantidas, por meio da área de Comunicação da Instituição. Nas comunicações com a mídia, em nome da Sociedade e de suas entidades mantidas ou não, os colaboradores deverão utilizar a nomenclatura de seu cargo e/ou função utilizada e aprovada pela Sociedade.

Quando se comunicarem com a mídia por meio da área de Comunicação da Instituição, os colaboradores deverão transmitir informações verdadeiras e responsáveis sobre a Sociedade e suas entidades mantidas.

Seção XI
Da Confidencialidade

Os colaboradores da Sociedade ou de suas entidades mantidas não estão autorizados a divulgar a terceiros ou publicar informações administrativas, financeiras, comerciais, científicas e tecnológicas obtidas em razão do desempenho de sua função, ou informações sobre pacientes ou pessoas atendidas pela Sociedade e entidades mantidas, ou quaisquer informações confidenciais obtidas na Sociedade ou em suas entidades mantidas.

A divulgação de dados, inclusive à mídia, e informações obtidas em razão do desempenho de função na Sociedade e em suas entidades mantidas, inclusive informações sobre pacientes internos e externos ou pessoas atendidas pela Sociedade ou pelas entidades mantidas, somente poderá ocorrer mediante autorização expressa dos órgãos diretivos da Sociedade e por meio de sua área de Comunicação. A relação dos colaboradores com a mídia deve observar as regras específicas da Seção IV.

Os colaboradores não poderão utilizar sua função ou cargo na Sociedade, tampouco informações obtidas em razão do desempenho de sua função, para influenciar decisões que favoreçam a interesses pessoais ou de terceiros.
(…)

Íntegra em:

http://www.hospitalsiriolibanes.org.br/sociedade-

Responder

operantelivre

31/05/2011 - 21h46

Como tratar dessa atitude antiética contumás da época? Vai se esconder atrás do sigilo da fonte?

Responder

    Antônio de Sampaio

    01/06/2011 - 09h53

    A nao ser que voce queira rasgar uma clausula petrea da Cosnstituicao Federal.

    Mas do PT podemos esperar isso mesmo, o ran'co autoritario esta no DNA dessa gente.

edu

31/05/2011 - 21h42

Que legal meus comentarios foram TODOS censurados só pq chamei o governo de frouxo e covarde, pode nao? Tá bom o governo é corajoso e vai processar sempre que a imprensa ultrapassar os limites da honra e da ética. Assim tá bom ? Nhozim que manda o que posso dizer, eu acato.

Responder

    Conceição Lemes

    31/05/2011 - 21h44

    Edu, nenhum comentário seu foi bloqueado. abs

robledo duarte

31/05/2011 - 21h05

Esta foi a manifestação de maior mau caratismo que já vi em toda minha vida.

Responder

SILOÉ -RJ

31/05/2011 - 21h03

Pelo visto, estão querendo enterrar a Dilma viva, de qualquer jeito, e a Época além de fazer a maquiagem fúnebre, jogou até a primeira pá de cal.
Só que: quem caiu na cova, foi o Hospital Sírio e Libanes e a imprópria revista.
Que vergonha!!!

Responder

Machismo

31/05/2011 - 20h21

Vários políticos homens de diversos Estados do Brasil tratam-se naquele hospital, e o prontuários destes senhores não foram divulgados, e sequer foi capa de revista.O que está por trás desta capa?

Responder

vera

31/05/2011 - 19h58

morri de rir quando lí a matéria da Época!!!

matéria de capa sobre coisa nenhuma! ainda liguei para a minha mãe, senhora da mesma idade de DILMA… elas têm praticamente as mesmas "doenças" !!!
só fico p… pq sou assinante e paguei para saber que a dilma sofre de doenças de vovó!

Responder

    Luana

    31/05/2011 - 21h23

    Isso aí pega mal para o hospital, porque os próprios médicos que operam lá, por exemplo, ficarão com receios de levar seus pacientes para lá.

    Pega mal, também com o paciente, porque é visível que foi violada a relação médico-paciente.

    Quem fez issso agiu de má fé e jogou o juramento de Hipócrates no lixo.

    A foto da revista e a reportagem deixam de ser reportagem e passa mostrar a intenção de quem fez isso, mostrando, inclusive, o que tem no seu interior, vontade vê-la morta e, claro, uma pessoa desprovida de qualquer índole ou respeito ao outro. Lamentável!

Regina Braga

31/05/2011 - 19h28

E qto ao Convênio com o Estado de Sampa? Vai ficar a Prefeitura, acessando dados sigilosos fiscais do Palocci e o Estado, a saúde da Presidenta? Vamos virar uma rede de fofoquinha estadual? Como podemos voltar a confiar no Hospital?E se durante, algum tratamento,vazar uma injeção não receitada?Estão parecendo, os diplomatas americanos falando da Cristina…Polícia Federal,sim…O crime é muito GRAVE.Punição EXEMPLAR,do culpado(s).

Responder

Marcos de Almeida

31/05/2011 - 19h12

Se quiserem acham a pessoa ou as pessoas envolvidas no crime, pois o hd do computador contém todos os dados pesquisados, manda a PF que descobre quem violou o sigilo.Essa é mais uma que não gosto da grobooo, ou globo lixo.

Responder

Bernardino

31/05/2011 - 19h05

Parabens JC CAMARGO pela s colocaçoes pertinentes e inteligentes.Eu comungo contigo a esquerda no mundo inteira(vide Europa)´é covarde!Nossa imprensa é manipuladora,corrupta e antipatriota,como profissiona da saude,acho a reportagem um descalabro e canalha para com a presidente.O desespero bateu à porta do PIG e daqui pra frente so virá pancada.Se fosse na argentina,o Kichner fecharia esse Esgoto,mas isso aqui oiô é cultura portuguesa covarde e corrupta como a Matriz,por isso nao farao NADA
O pais é lindo,maravilhoso,porem verao o povinho que la colocarei:diz a Piada circulante!!!

Responder

alvaro

31/05/2011 - 19h02

Essa reportagem da Época indica também que a mídia já descobriu que, para ter alguma chance de "voltar aos bons tempos", só "matando". Sabem que vão ter que amargar mais quatro anos, quiçá oito anos, de jejum. Está dura a vida da oposição. No fundo, essa reportagem é um sinal de fraqueza e revela, por uma via indireta, o desânimo que ronda as hostes oposicionistas.

Responder

Antonio soares

31/05/2011 - 18h55

A divulgação do prontuário da Presidenta é sim um crime federal. Mas, infelizmente, com ESSE Ministro da Justiça que temos, não seá investigado. É mais um Cardozo contra o Brasil.

Responder

    Antonio Silva

    31/05/2011 - 19h15

    Não resta dúvida que é um crime federal da alçada pública, pois o prejuízo político e financeiro para a nação brasileira é evidente, vejam o que diz um blog de uma famosa galeria de esgoto :

    "13:27 Economia
    E a saúde da presidente?

    Um grande investidor coreano telefonou preocupado para um de seus interlocutores no Brasil. Reiterou seu interesse de investir por aqui, mas, alarmado com o silêncio do Palácio do Planalto, perguntou se a saúde de Dilma Rousseff representa um risco à realização de novos negócios no país."
    Por Lauro Jardim

José do Ceará

31/05/2011 - 18h52

A direita(pig+psdb+dem+diabo) estão chutando o balde.Pouco estão ligando se existe verdade ou não naquilo que eles divulgam.Eles sabem que a Dilma fará um bom governo e na pior (pior? ou melhor) das hipóteses pegariam um Lula 95% de votos lá no Nordeste.Vão encaram cambadas de fascistas…

Responder

NYLSON FILHO

31/05/2011 - 18h21

Vou colocar dois pontos aqui que considero relevantes. O primeiro: o prontuário médico pertence ao paciente estando sob a guarda e proteção dos médicos que atendem o paciente. Isto é um princípio consagrado tanto no direito comum como no Código de Ética Médica. Portanto uma investigação criminal é totalmente pertinente neste caso para se apurar como o prontuário médico da presidenta Dilma Rousseff foi parar nas latrinas/redações da grande mídia. Se isto não ocorrer estaremos em uma situação grave já que a privacidade, a honra da presidenta estará em causa assim como a própria segurança nacional. Passou da hora do CRM e da PF investigarem este ilícito (continua).

Responder

NYLSON FILHO

31/05/2011 - 18h19

Segundo, existe um ditado no meio médico de que a medicina é como o amor: não existe o sempre nem o nunca. Já coloquei aqui em post anterior que tive um linfoma do tipo que a presidenta teve. Embora o dela tenha sido diagnosticado logo no início, o meu já tinha atingido o nível de alta gravidade, com os tumores já espalhados por todo o meu corpo. Mesmo assim fui atendido e tratado. Após messes de tratamento os tumores tiveram remissão total e estou em remissão completa, ou seja, curado até hoje. Conheço inúmeros casos iguais ao meu onde o tratamento teve sucesso completo. Como o prognóstico de cura é mais provável quanto mais cedo o linfoma é diagnosticado, este auê sórdido que estão fazendo com o “câncer” da Dilma é mais um episódio degradante desta imprensa sem ética, pudor ou dignidade.

Nylson Filho
Professor aposentado da Escola Paulista de Medicina – UNIFESP

Responder

Wandersona Aguilar

31/05/2011 - 17h42

Se alguem já tivver comentado isso por favor ignorem.

Com a perda total de credibilidade da Veja – só aqueles da direita que se alimentam de fel ainda a lêem regularmente – parece que a bola da vez agora é Época e a Istoé, mídia va afundar mais quantas revistas nessa guerra de informação suicida que eles travam a quase duas décadas? Tolos…

Responder

Paulo

31/05/2011 - 17h17

Segundo Dr. Peter Medawar – Nobel de Medicina-: "virus é uma porção de ácido nucleico cercada de más noticias". Não sabia o dr. Medawar que a revista Época iria se utilizar do virus que infectou a Presidenta para seputá-la viva.

Responder

Alberto

31/05/2011 - 17h11

Fixação de regras na relação entre médicos e empresas é prioridade para CFM
Presidente do CFM, reiterou preocupação com o tema e ressaltou que logo o resultado do esforço será apresentado à sociedade

" Não queremos que os médicos se sintam influenciados por nenhuma forma de propaganda ou fique suspeição sobre recebimento de vantagens. A ideia é criar limites e regras para a ação publicitária praticada pela indústria farmacêutica evitando o oferecimento de vantagens. O trabalho médico deve se pautar pelo seu código de conduta ética, sem qualquer possibilidade de suspeição ou de vinculação entre o profissional e a industria sob pena de configurar claro conflito de interesses" , pontuou d’ Avila. http://www.isaude.net/pt-BR/noticia/10185/profiss

Responder

Alberto

31/05/2011 - 17h10

Conceição, acho que está na hora de ouvir o presidente do Conselho Federal de Medicina. Doq ue já li de entrevista dele sobre os presentinhos dos laboratórios da induústria farmacêutica para médicos o cara é a maior firmeza.
"Trata-se de um assunto árduo, pois sabemos que envolve vários interesses, inclusive comerciais. Entendemos também que a indústria e o comércio têm seu código de ética, assim como os médicos têm o seu. Entretanto, a oferta de vantagens é inadequada. São setores que precisam estabelecer uma convivência com base em regras claras e éticas, nas quais fique explicito que não há possibilidade de influência que repercuta na assistência oferecida. O que deve se buscar é o benefício do paciente acima de tudo. Tal conforto e segurança, por outro lado, repercutirão de maneira positiva dentro do segmento e terá reflexos na competitividade entre as indústrias" , ressaltou o presidente do CFM."

Responder

Carlos.

31/05/2011 - 17h04

É preciso apresentar atestado de cafaste para se trabalhar nas organizações grobo ou basta ser mau caráter?

Responder

Tião Medonho

31/05/2011 - 16h41

aiaiai..até quando vamos aguentar esses chiliques de moralismos pequenos burgueses de bempensantes e boas consciencias de leitores dos, so called, blogs progressistas???????????????
pqp..parece a chorumela de torturados e desprezados pela ditadura que entraram em uma guerra e queriam ser tratados a luvas de pelica, pão de ló e ki suco de uva…
tem uma bobice sem tamanho nessa cantilena né não???
não podemos discutir coisas relevantes como a estrutura de preços ou a falencia da infraestrutura do país???

Responder

    Gerson Carneiro

    31/05/2011 - 17h59

    "…não podemos discutir coisas relevantes…???"

    Que tal sugerir isso ao PIG? Vamos lá. Comece escrevendo à revista Época.

    Tião Medonho

    01/06/2011 - 08h31

    por essa "lógica" todos temos de obedecer a pauta do PIG..so podemos falar do que eles falam.
    é..pode ser.

    Antonio soares

    31/05/2011 - 18h42

    Quem sabe fazer vários tele jornais sobre o dossiê do Serra ? Quem sabe um JN inteiro para analisar bolinhas de papel ?

priscila presotto

31/05/2011 - 14h47

Se o hospital vazou ,foi uma canalhisse e uma falta de ética tremenda!
Se foi inventada pelo cano de esgoto Época , aí a jurupoca vai piar.

A capa é de um mal gosto!

TÔ bem exaurida deste pig.

Responder

    NYLSON FILHO

    31/05/2011 - 19h48

    Sra. O hospital Sírio Libanês é um dos mais conceituados do país e possui um corpo clínico de altíssimo nível. Acho melhor dizer que o prontuário vazou DO hospítal e não que ele próprio tenha vazado. Como disse acima, espero que o CFM ou o CRM, junto com a Polícia Federal investigue este vazamento o mais rápido possível e de forma completa, doa a quem doer.

    priscila presotto

    31/05/2011 - 22h25

    Concordo com o sr ,mas não seja tão miquita….

Almerindo

31/05/2011 - 14h47

Como já disseram, se o órgão que cuida da segurança da Presidenta não agir com RIGOR E PUNIR os responsáveis EXEMPLARMENTE, a falta de respeito com Dilma só irá aumentar!

Responder

Leider_Lincoln

31/05/2011 - 13h42

Essa é para o Richard Smith, o troll que agora está assinando trollagens sob o pseudônimo de Carmem Leporace: http://mobilizacaobr.ning.com/profiles/blogs/psdb

Responder

Elisabeth

31/05/2011 - 13h23

Estou chocada com esta capa! Palavra certa :SINISTRO. Tem que se responsabilizar o vazamento. QUEM vazou, que seja indentificado e responsabilizado. Eu heim?? Nunca podia imaginar tão baixo…
Isso tem o nome: Medo de 2 junho!!
Repito:MEDO DE 2 DE JUNHO!
Sim, isso é medo do lançamento do programa "Brasil sem miseria"! Percebi que nos meses de abril e maio quando começaram as conversaçoes e convocaçoes para rodadas de debates com a sociedade civil do planalto para o Brasil sem miseria. Foi começo dos ataques!O IBGE deu o numero:16,2 milhões de brasileiros. O governo ganhou uma meta e um mapa para programa o "Brasil sem miséria. Ah isso sim, faz a PIG morrer de medo.

Responder

Rogreio

31/05/2011 - 12h44

Acho que nesse caso a Policia Federal deveria ser acionada…

Responder

FrancoAtirador

31/05/2011 - 12h43

.
.
Mais uma vez se infere que as Organizações Globo*

confundem jornalismo investigativo com espionagem criminosa.
.
.
Aplica-se também aos grupos Abril, Folha e Estado SP.
.
.

Responder

fernandoeudonatelo

31/05/2011 - 12h29

Essas reportagens "investigativas" da Época e principalmente da Veja, mais parecem ação de Serviço de Inteligência, com uma riqueza de informações técnicas e detalhes sigilosos.

A princípio não precisam sequer de favores, alguma fonte interna oferece a informação que a princípio agrade o veículo de comunicação, e em troca é recompensado com dinheiro.

Agora, vão atrás do corrupto, mas e o corruptor ?

Responder

FrancoAtirador

31/05/2011 - 12h06

.
.
“O hospital não vazou nada, o hospital não divulgou nada,
as informações foram passadas à Presidência da República.
É a informação que estamos dando aos jornalistas que estão nos ligando.”
.
.
Com essa afirmação, o Hospital Sírio-Libanês

tenta eximir-se da responsabilidade pela quebra do sigilo médico

sugerindo que, se houve vazamento de informações,

isto se deu a partir da Presidência da República.
.
.
!!! QUADRILHA !!!
.
.

Responder

Filantropia

31/05/2011 - 11h55

Se o prontuário médico de Dilma Roussef tornou-se público (!), quem vazou torne público o seu prontuário fiscal : Este hospital paga água, luz, tem isenção de impostos/tributos fiscais, recebe incentivos de governos: federal, estadual e municipal?

Responder

Josias

31/05/2011 - 11h46

Este é só mais um vergonhoso caso, cujo ator principal é a imprensa, de intimidar,humilhar, desrespeitar e colocar em dúvida a capacidade intelectural e física (saúde) da PRESIDENTA DILMA. Esta ação é típica dos facistas dorrotados. Faz parte da ideologia nazista. Proponho que, por meio de abaixo assinado, seja solicitado à Advocacia Geral da União – AGU uma ação em desfavor da pseudorevista e do mencionado hospital. Basta de imprensa marrom. Basta de Nazismo/Facismo. Sou eleitor da Dilma e exijo respeito a ela e a meu voto.

Responder

Maria Thereza

31/05/2011 - 11h41

Isso é um verdadeiro escândalo. Qualquer um de nós pode ter seu "perfil" de saúde vendido a seguradoras, planos de saúde e outros interessados. Já basta nosso perfil de consumo ser divulgado aos 4 cantos, sem nosso conhecimento. O vazamento de informações de prontuário médico tem que ser investigado e punidos quem entregou a informção, que adiquiriu.

Responder

    shirl

    31/05/2011 - 12h20

    Concordo completamente. E mais, a nossa horrível imprensa não se atem aos fatos.Produz a notícia baseada em fatos e ela vira ficção.Loucura! Aula de ética neles.

A Voz da Liberdade

31/05/2011 - 11h32

Alguém do hospital vai ter que ser responsabilizado. Prontuário de paciente não pode ser violado e muito menos exposto como o foi da Presidente.
No lugar da nossa Presidente exigiria apuração rigorosa e acionava a Época e o Hospital…. Têm que haver retração no mínimo!!!

Responder

Tião Medonho

31/05/2011 - 11h24

dá pra ver direitinho os comentarios originados de jornalistas e advogados: todos cheios de filigranas, tecnicalidades, picuinhas, firulas, catimbas, mumunhas, chicanas e muita, muita, muita má fé….

Responder

    Mauro Silva

    31/05/2011 - 22h01

    E fico a 'assuntar' de que jaula de circo fugiste?

genital lacerda

31/05/2011 - 11h19

http://www.teixeiranews.com.br/
Demonstrando profunda indignação com a reportagem intitulada “A herança do MST na Bahia”, publicada na página 122 da revista Veja, edição de 11/05/2011, a vereadora Justina Souza Cruz, a "Tina" (PMDB), fez eloquente pronunciamento durante a reunião de quinta-feira (26/05), na Câmara Municipal de Mucuri.

Responder

José Roberto

31/05/2011 - 11h16

Engraçado, gostaria de ter visto essa mesma "indignação" da galera quando o sigilo fiscal do caseiro Francenildo foi violado.
Se os resposáveis tivessem sido punidos exemplarmente, a situação não teria chegado a esse ponto.
Agora não adianta chorar o leite derramado.

Sds

Responder

    H. C. Paes

    31/05/2011 - 13h50

    Ué, o ministro caiu à época, não caiu? Se foi inocentado pelo STF depois, vá se queixar com aquela corte. O que queria que fizéssemos, apedrejássemos Palocci em praça pública?
    Eu considero um erro Dilma o ter trazido de volta para o Executivo, mas o que isso tem a ver com vazamentos para a imprensa?
    Não misture alhos com bugalhos, por favor?

    José Roberto

    31/05/2011 - 23h21

    Tem tudo a ver meu caro HC Paes, por que trazê-lo de volta é o mesmo que perdoá-lo, passar a mão na cabeça dele, premiá-lo.
    Apedrejar o Palocci? Imagina, vocês não fizeram isso nem com o Delúbio.
    A propósito, Fernando Collor também foi inocentado pelo STF. Usando a mesma lógica do seu raciocínio, então não haveria problema algum em reconduzí-lo à presidência?
    Abraço

    H. C. Paes

    01/06/2011 - 11h25

    Legalmente, não, não haveria. Dura lex…. já ouviste falar em separação dos

    Eu não votaria nele, e tu?

    Quanto a Palocci, quis a saída dele em 2005 e quero agora. E daí? Dois erros fazem um acerto? Vale liberar prontuário da presidenta só porque ela nomeou um ministro ruim?

    Vou te contar, cada uma que aparece por aqui…

    José Roberto

    01/06/2011 - 21h38

    Ah, finalmente você chegou ao ponto.
    De fato, legalmente não haveria problema algum. Mas e moralmente? Você acha que não haveria?
    O mesmo raciocínio aplica-se ao Palocci.
    Não estou justificado esse ato de vazamento do prontuário, pois não justifico o injustificável.
    O que não tolero é a indignação seletiva. Se vaza algum dado dos companheiros, é crime, exigi-se saber quem foi o responsável, etc,….mas se for quebrado algum sigilo de outro, o sujeito é chamado para ser ministro de novo.
    Afinal, como diriam alguns, "se foi inocentado pelo STF depois, vá se queixar com aquela corte". Ou seja, lavam as mãos.
    A propósito, respondendo sua pergunta, não votaria.
    Sds

    Leider_Lincoln

    31/05/2011 - 16h30

    Todo troll termina sua encheção de saco com "saudações"… É muito cinismo! Há de se ter muita paciência.

    Mauro Silva

    31/05/2011 - 22h28

    Pois saiba que vi infinitos comentários de muitos que elegeram Dilma, a criticá-la por nomear Palocci.
    Esse tipo de atitude, a crítica ao eleito de véspera a mirar unicamente o espírito republicano, pertence a um conteúdo político-moral que os fascistas jamais alcançarão por faltar-lhes vértebras, sobrar-lhes identificação irresistível ao capacho e se entregarem, sem freios éticos de qualquer espécie e alegremente, ao mau-caratismo.
    É isso que penso do teu 'leite derramado" a justificar um absurdo com outro.

Marco Aurélio Mello

31/05/2011 - 11h00

Irretocável, Conceição. Um texto para guardar no arquivo pessoal. bjs, Marco

Responder

    shirl

    31/05/2011 - 12h22

    Irretocável.Parabéns a jornalista.Isso é jornalismo,notícia,fatos! Vou decorar o seu nome.Vou ler o q v escreve,sempre.

Marcelo de Matos

31/05/2011 - 10h42

(parte 2) Respondi que não estava com estômago para ler essas coisas. Além de Palocci o PIG tem outros “suspeitos” de costume: Collor, Sarney. Esse último está na berlinda por não ter colocado o impeachment de Collor no “Tunel do tempo”, do Senado. Collor foi mais uma vítima desse manual sigiloso do PIG. Recentemente, o ex-presidente reagiu a um discurso de Pedro Símon que seguia as normas de ataque piguista a Sarney, chamando o colega de parlapatão. Sobre o caso Palocci há duas versões: o que ouço e o que penso. Dizem que não podemos fazer comparações de Palocci com outros análogos, da Fazenda ou do BC. A ética não se prestaria a comparações. Isso é o que ouço. O que penso é um pouco diferente. O pessoal do andar de cima não admite que petistas entrem no clube dos poderosos, da mesma forma que os antigos senhores de escravos não viam com bons olhos o enriquecimento de negros forros. É o velho e bom preconceito que embala nossa elite branca.

Responder

Marcelo de Matos

31/05/2011 - 10h41

(parte 1) Conceição e Gerson. Não sei o que vocês estão estranhando. Isso faz parte do Manual de Redação 2 (sigiloso) do PIG. Enquanto a Época fala de doença da Presidenta, os seus análogos insistem no tema corrupção. O script já é bem conhecido. Primeiro acionam o Monitor de Escândalos do UOL, que lança denúncias a intervalos programados. Depois é a vez de ouvir celebridades. Primeiro foi Fábio Konder Comparato, o jurista. Agora é a vez do presidente da OAB/SP. Ciro Gomes tentou roubar a cena com um depoimento bombástico. Pedro Símon não vê a hora de desempenhar seu papel predileto no Senado, o de reserva moral da nação. PSDB, DEM e seus líderes ficam meio na moita, porque têm rabo preso. Usam o PSOL como cabeça de ponte para os ataques. Não há novidades. É tudo como na campanha anterior contra Palocci. Recebi de um amigo um e-mail com um texto de Agusto Nunes, com o título O caseiro do Piauí e a camareira da Guiné.

Responder

Jorge Correa

31/05/2011 - 10h41

Azenha

Legalmente o Planalto pode requisitar o horário nobre da TV para ler a Nota Oficial Sírio-Libanês.

Responder

Marcos C.Campos

31/05/2011 - 10h32

Resumindo:
São uns nazistas este pessoal da Globo, pois para eles os fins (atingir o Gov.) justifica os meios (às favas a ética).

Responder

H. C. Paes

31/05/2011 - 09h57

Conceição, apesar de ser formado em ciências da vida, entendo muito pouco dessa legislação. Tenho algumas perguntas:

i. Isso é um delito civil – caso em que Dilma teria de acionar judicialmente o hospital e/ou a revista por iniciativa própria – ou penal – caso em que a procuradoria (provavelmente a PGR e não os órgãos estaduais, pois a vítima é ocupante de cargo eletivo federal) pode tomar a iniciativa sozinha?

ii. Quem pode ser acionado juridicamente é só o hospital por vazar, ou também a revista por divulgar? Em outras palavras, qual é o limite da proteção jurídica ao sigilo de prontuário: é proibido vazar, ou também divulgar o vazamento? (Se eu encontrar o prontuário do Sarney jogado numa calçada, tenho o direito de divulgá-lo, ou sou forçado por lei a protegê-lo mesmo que não seja prestador de serviços de saúde?)

Pergunto porque, se um processo em cima do hospital ou da revista depender de Dilma Rousseff, e ela não tomar a iniciativa, será moralmente cúmplice dessa que é uma das mais sórdidas manobras jornalísticas de que já tive conhecimento. Vou mais longe: se permitir – por tibieza em enfrentar a mídia mesmo quando tem a lei em seu favor – que isso passe em branco, Dilma terá não apenas se curvado, como terá posto em risco o sigilo de todos os prontuários do País, inclusive o seu e o meu, na medida em que encoraja que esse precedente funesto se repita.

Responder

    edu

    31/05/2011 - 17h52

    O governo nada fará, igualzinho a todo o periodo Lula ninguem processa, a imprensa pode publicar a vontade afinal a presidenta disse q prefere o barulho da imprensa e bla bla bla, e por causa dessa magnanimidade com uma imprensa que nao é imprensa e sim um PCC PARTIDO DAS COMUNICACOES CRIMINOSAS o governo apanha diuturnamente e pior, gosta e pede p apanhar, que apanhe caladinho então!

Pedro

31/05/2011 - 09h51

Concordo com tudo. No entanto, a pressa da revista talv ez possa trair seu intento. Para parecer morto, ou morta, não basta estar com os olhos fechados e a fotografia da Dilma mostra uma pessoa cheia de vida. Tem um certo mistério no seu semblante. Talvez aquele que inspirou Da Vinci ao pintar a sua Monalisa. E disso, uma imprensa que apoia guerras, genocídios, golpes de Estados, tortura não entende bem. Quando foi revelado que Evita Perón estava com câncer, os ricos da Argentina diziam: "que viva el cáncer".

Responder

José Medeiros

31/05/2011 - 09h42

É espuonagem pura, sem mistura. As "Organizações Globo, Veja e Folha-UOL" não fazem outra coisa a não ser espionarem a favor de quem lhes paga muito bem. O país, para eles, que se dane. Vale tudo, os mercenários farão qualquer coisa para atingir os p´roprios objetivos, invocam a tão propalada "Liberdade de Imprensa" uma liberdade justa e necessária, porém tão emporcalhada no Brasil por "jornalistas" a serviço de interesses outros que não o da maioria do nosso povo. A imprensa corporativa, hoje, é um antro de espionagem contra os interesses da nação. É preciso que se ponham os pingos nos "iii". Há Jornalistas sérios que não merecem ser postos no mesmo balaio de gatos destes traidores da pátria. Estes canalhas terão de ser desmascarados e uma lei que os enquadre terá que ser promulgada. É a impunidade o que os encoraja a perseverarem no mal.

Responder

Luci

31/05/2011 - 09h41

Será que a presidente Dilma vai continuar seu tratamento no mesmo hospital?

Responder

O_Brasileiro

31/05/2011 - 09h25

Os diretores técnico e clínico do hospital Sírio-Libanês, como são médicos, podem sofrer processo junto ao Conselho Regional de Medicina de SP (CREMESP, cadê você?).
O objetivo do sigilo é proteger a integridade das pessoas.
Ninguém quer ser visto como "o hipotireoideo", ou como "o diabético".
Tanto é assim, que evitamos esses termos é dizemos que a pessoa "é portadora" desta ou daquela doença, para se evitar a estigmatização.
Imaginem se a paciente fosse portadora de tuberculose ou hanseníase, doenças curáveis nos dias atuais, mas estigmatizadas pelas mortes e incapacitações que causaram no passado???
Ou se fosse portadora de HIV, que pode ou não causar AIDS???
O vazamento foi de uma irresponsabilidade inédita. Centenas de políticos e celebridades já foram hospitalizadas no Brasil, mas nunca desta monta. E quando acontece é justo com a Presidente da República?

Responder

David

31/05/2011 - 09h11

Só tem um porém.. será que isso é liberdade de expressão ou poderia ser enquadrado como crime do periódico?? Alguém cometeu o crime de vazar para a revista, mas não seria ou deveria ser crime tornar público dados que deveriam ser sigilosos???!!! Isso não pode continuar assim, sempre o último beneficiado, no caso a Época, sai sem um arranhão judicialmente. A impunidade dos meios de comunicação faz com que ocorra a reincidência!!!

Responder

Niveo Campos e Souza

31/05/2011 - 09h01

Época eu nem perco o meu tempo em ler.
Não sou da área médica nem jurídica, mas penso que os esclarecimentos e explicações, necessários, devem vir do hospital e da presidência.

Niveo Campos e Souza

Responder

Mauro Silva

31/05/2011 - 08h58

…. ou complô para envenená-la com um cínico arremate: "não falei que ela era doente".
Lembro daquele que morreu numa estranhíssima e suspeita intoxicação por ácaros do ar-condicionado.
Um grande desafeto deste morreu no dia seguinte de infarte também suspeito.
Na idade média, misturavam-se velas com arsênico nos lotes para, cedo ou tarde, 'derrubar' algum membro da alta-administração.
E aí, … – é, ele andava doente!
Em tempo: o PIG, mais uma vez, não comenta o vazamento criminoso de dados médicos sigilosos.
Será que esse vazamento ilegal não passa por 'sucessões' administrativas no INCOR?

Responder

    beattrice

    31/05/2011 - 10h37

    Bem lembrada Mauro, a famosa estratégia BORGIA de alicerçar o poder e eliminar "obstáculos que andam".

Gerson Carneiro

31/05/2011 - 08h17

Detalhe: tomei ciência do assunto já na segunda-feira, dia 23 de maio. Foi a primeira vez que um amigo me procurou para dizer que havia recebido um e-mail tratando sobre esse assunto.

Minha conclusão é que a própria redação da revista vazou o assunto para sorrateiramente ser espalhado pela internet, preparando uma provável expectativa no público objetivando as vendas do exemplar.

Responder

    beattrice

    31/05/2011 - 10h35

    Aliás Gerson,
    como era de se prever caso não fossem tomadas medidas cabíveis, e não foram depois da campanha finda, a corrente do mal de emails já recomeçou.

    Gerson Carneiro

    31/05/2011 - 11h14

    Pois é, todas as denúncias que fizemos ao que parece foram em vão. Não houve prosseguimento.

    Ronaldo Cananéia

    31/05/2011 - 12h50

    Vou retomar o meu refrão: vai ficar barato?

    Onde está o PT autista? Onde estão os políticos da base "aliada", que não reagem?

    Qual será a iniciativa do GSI, e por adesão, da ABIN e da Secretaria de Segurança Presidencial?

    Se o Hospital Sírio-Libanês tivesse tratado do Obama não iria ficar por isso mesmo. Ele, o Obama, deve estar pensando sobre o pleito do Brasil entrar para o Consleho de Segurança da ONU

    Aguardo o desfecho de mais esta novela sobre a "bondade" das nossas autoridades.

    Depois ficam reclamando e chorando que a imprensa faz maldades . . .

    edu

    31/05/2011 - 17h56

    Está falando do PT e do governo? Vão fazer nada nao amigo,nada fizeram com os absurdos da campanha podre do Serra entao abriram porteira, só nao pode chorar, tem que apanhar CALADO!

Paulo

31/05/2011 - 05h53

Tem venal sem-vergonha até no Sirio-Liabanes. Se pensam que o "PIG" é único, tem descarado em todo lugar.

Responder

SILOÉ -RJ

31/05/2011 - 02h11

Apesar de estarrecedora e inacreditável!!! Brilhante reportagem.
Parabéns!!! Conceicão Lemes.
Fiquei chocada com tamanha crueldade e baixaria da Revista Época, nunca imaginei que pudessem descer tanto.
Com tantos golpes baixos, só mesmo sendo DILMA para aguentar. Parabéns PRESIDENTA.

Responder

Euler Conrado

31/05/2011 - 02h10

Parabenizo à jornalista Conceição Lemes pela matéria de ótima qualidade. Uma análise crítica, rica, formulada com compromisso ético. Uma pena que a mídia brasileira não tenha este padrão de qualidade e prefira o sensacionalismo barato e o jogo sujo de poder, em troca de vantagens pessoais e a serviço de grandes grupos econômicos.

Responder

FrancoAtirador

31/05/2011 - 01h41

.
.
ALÉM DA INFRAÇÃO ÉTICA, HOUVE TAMBÉM ILÍCITO PENAL

Sigilo profissional

O sigilo médico profissional é dever inerente ao desempenho da profissão médica, caracterizando, a sua violação, infração ética, penal e mesmo cível. Na área do Direito Civil é cabível, juridicamente, a responsabilização – reparação – caso haja dano material ou moral ao pacienteque tiver os seus dados clínicos tornados públicos.

Como embasamento legal cabe citar, primordialmente, o comando constitucional de nossa Carta Magna, a Constituição Federal de 1988, que no inciso X, do seu artigo 5º, determina:
"X – são invioláveis a intimidade, a vida privada a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito à indenização pelo dano material ou moral decorrentede sua violação;".
A "intimidade", pois, do paciente nunca pode ser violada – nunca pode ser tornada pública.
Portanto, como diz, em um de seus "Considerandos", a Resolução nº1605/2000, do Conselho Federal de Medicina – CFM, "o sigilo médico é instituído em favor do paciente".

Diz a mesma Resolução nº1605/2000, do CFM, in verbis:

"Art. 1º – O médico não pode, sem o consentimento do paciente, revelar o conteúdo do prontuário ou ficha médica.

Art. 2º – Nos casos do art. 269 do Código Penal, onde a comunicação de doença é compulsória, odever do médico restringe-se exclusivamente a comunicar tal fato à autoridade competente, sendo proibida a remessa do prontuário médico do paciente.

Art. 3º – Na investigação da hipótese de cometimento de crime o médico está impedido de revelar segredo que possa expor o paciente a processo criminal.

Art. 4º – Se na instrução de processo criminal for requisitada, por autoridade judiciária competente, a apresentação do conteúdo do prontuário ou da ficha médica, o médico disponibilizará os documentos ao perito nomeado pelo juiz, para que neles seja realizada perícia restrita aos fatos em questionamento.".

No mesmo terreno, agora especificamente no que tange à atividade profissional do médico, nos transmite o Código Penal pátrio sob o título "Violação do Segredo Profissional", em seu artigo 154:

"Revelar alguém, sem justa causa, segredo, de que tem ciência em razão defunção, ministério, ofício ou profissão, e cuja revelação possa produzir dano a outrem:".

Atente-se, que a norma jurídica especifica: "possa causar dano a outrem", assim, a simples possibilidade de a quebra do sigilo médico causar dano a outrem é caracterizadora do tipo penal – fato típicopenal – ocasionando o enquadramento do violador do sigilomédico no ilícito penal tipificado na norma, com as repercussões legais cabíveis ao evento.

http://jus.uol.com.br/revista/texto/6529/erro-med

Responder

Leonardo Scalercio

31/05/2011 - 01h38

É isso aí, presidenta! Não faz ley de medios… Enquanto a sra pensa no PNBL, o PIG já se imagina chegando a casa de todos através do seu programa para alienar, manipular e cooptar pessoas ao seu projeto golpista, canalha e entreguista.

Presidenta: Isso merece investigação. E a revista época, um processo.

Responder

FrancoAtirador

31/05/2011 - 01h27

HOUVE INFRAÇÃO AO CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA (CEM).

Prontuário e segredo médico

O segredo médico é instituto milenar, cuja origem já constava no juramento de Hipócrates: "O que, no exercício ou fora do exercício e no comércio da vida, eu vir ou ouvir, que não seja necessário revelar, conservarei como segredo."

Tempo de arquivamento e responsabilidade pela guarda do Prontuário
O prontuário médico é um documento de manutenção permanente pelos médicos e estabelecimentos de saúde (Resolução CFM nº 1331/89). Ele pode ser, posteriormente, utilizado pelos interessados como meio de prova até que transcorra o prazo prescricional de 20 (vinte) anos para efeitos de ações que possam ser impetradas na Justiça.
Compete ao médico, em seu consultório, e aos diretores clínicos e/ou diretores técnicos, nos estabelecimentos de saúde, a responsabilidade pela guarda dos documentos.

Acesso ao prontuário

1 – Solicitação pela própria paciente:
Artigo 70 do CEM: "É vedado ao médico negar ao paciente acesso a seu prontuário médico, ficha clínica ou similar, bem como deixar de dar explicações necessárias a sua compreensão, salvo quando ocasionar riscos para o paciente ou para terceiros."
Artigo 71 do CEM: "É vedado ao médico deixar de fornecer laudo médico ao paciente, quando do encaminhamento ou transferência para fins de continuidade do tratamento ou na alta, se solicitado."
Artigo 11 do CEM: "O médico deve manter sigilo quanto às informações confidenciais de que tiver conhecimento no desempenho de suas funções. O mesmo se aplica ao trabalho em empresas, exceto nos casos em que seu silêncio prejudique ou ponha em risco a saúde do trabalhador ou da comunidade".

É importante salientar que o prontuário pertence à paciente e que, por delegação desta, pode ter acesso ao mesmo o médico.

2 – Solicitação dos familiares e/ou do responsável legal do paciente:
Quando da solicitação do responsável legal pela paciente – sendo esta menor ou incapaz – o acesso ao prontuário deve ser-lhe permitido e, se solicitado, fornecer as cópias solicitadas ou elaborar um laudo que contenha o resumo das informações lá contidas.
Caso o pedido seja feito pelos familiares da mulher, será necessária a autorização expressa dela. Na hipótese de que ela não tenha condições para isso ou tenha ido a óbito, as informações devem ser dadas sob a forma de laudo ou até mesmo cópias. No caso de óbito, o laudo deverá revelar o diagnóstico, o procedimento do médico e a "causa mortis".
Entenda-se que, em qualquer caso, o prontuário original, na sua totalidade ou em partes, não deve ser fornecido aos solicitantes, pois é documento que, obrigatoriamente, precisa ser arquivado pela entidade que o elaborou.
3 – Solicitação por outras entidades:
Neste caso, temos constatado que os convênios médicos e as companhias de seguro são os principais solicitantes. Salvo com autorização expressa da paciente, é vedado ao médico fornecer tais informações.
Sem o consentimento da mulher, o médico não poderá revelar o conteúdo de prontuário ou ficha médica (Artigo 102 do CEM), salvo por justa causa, isto é, quando diante de um estado extremo de necessidade. Haverá justa causa quando a revelação for o único meio de conjurar perigo atual ou iminente e injusto para si e para outro.
Exemplos de "Justa Causa":
a) Para evitar casamento de portador de defeito físico irremediável ou moléstia grave e transmissível por contágio ou herança, capaz de por em risco a saúde do futuro cônjuge ou de sua descendência, casos suscetíveis de motivar anulação de casamento, em que o médico esgotará, primeiro, todos os meios idôneos para evitar a quebra do sigilo;
b) Crimes de ação pública incondicionada quando solicitado por autoridade judicial ou policial, desde que estas, preliminarmente, declarem tratar-se desse tipo de crime, não dependendo de representação e que não exponha o paciente a procedimento criminal;
c) Defender interesse legítimo próprio ou de terceiros.

Os diretores técnicos ou clínicos que autorizarem a saída de prontuário das suas instituições violam o artigo 108 do CEM:
"Artigo 108 – Facilitar o manuseio e conhecimento dos prontuários, papeletas e demais folhas de observações médicas sujeitas ao segredo profissional, por pessoas não obrigadas ao mesmo compromisso."

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP)
http://www.cremesp.org.br/?siteAcao=Publicacoes&a

Responder

    Alberto

    31/05/2011 - 02h23

    O responsável pela guarda do prontuário médico de um paciente de uma instituição de saúde é a instituição, seja um posto de saúde, consultório, clínica ou hospital. A presidenta tem médicos do Sírio-libanês. Então a guarda do seu prontuário é de responsabilidade do Sírio-Libanês.
    Os médicos da presidenta, a princípio, estão livres da pecha, pois o prontuário dela fica no Sistema do Sírio-Libanês, que foi acessado por alguém que o copiou e entregou à revista Época!

    FrancoAtirador

    31/05/2011 - 10h42

    .
    .
    "Compete ao médico, em seu consultório,
    e aos diretores clínicos e/ou diretores técnicos, (!!!)
    nos estabelecimentos de saúde, a responsabilidade pela guarda dos documentos."
    .
    .
    Os diretores técnicos ou clínicos (!!!)
    que autorizarem a saída de prontuário das suas instituições
    violam o artigo 108 do CEM"
    .
    .

    Marinho

    31/05/2011 - 08h50

    Investigação profunda e caso seja profissional medico, ir a Conselho para esclarecer, pois denigre nossa profissão,que já está bem desrespeitada. Sou profissional com 38 anos de formado e fico triste em assistir este tipo de circo utilizado com fins nada saudáveis.Portanto este é meu humilde protesto.

    Alberto

    31/05/2011 - 10h43

    Marinho, lamento, mas é triste também um médico falar DENEGRIR. Sabe o que significa não é mestre? Espero que se rredima. Quem fala e escreve denegrir não tem muito por onde falar em ética. Quer dizer, quem acha que negro ou tornar negro é correto… Denegrir é uma palavra racista.

    o baiano

    31/05/2011 - 11h53

    Alberto, deixe de patrulhar o discurso do médico que, certamente, usou a palavra denegrir sem esse viés imbecil alegado por você. Se assim fosse, dizer que alguém "amarelou por covardia" é racismo contra os chineses porque se está dizendo que eles são covardes; ou dizer que alguém ficou "branco de medo" é o mesmo que afirmar que os brancos são medrosos! Relaxe, e saiba distinguir e separar com inteligência as coisas. Afinal, pode-se estar sujo tanto de fuligem, que é negra, quanto de pó de cal, que é branco!

    shirl

    31/05/2011 - 12h34

    Adorei.Patrulha em excesso é pior que o preconceito em si.

    edv

    31/05/2011 - 15h00

    Alberto, "negro" está longe de ser apenas um vocábulo para definir pessoas de pele negra, mas para definir uma cor (simplesmente), a ausência de luz, escuridão (a idade média, negra ou escura), tristeza, situações ruins ou complicadas, até um machucado na unha.
    Denegrir só tem a ver com pessoas negras se vc quiser que tenha…
    O que seria uma apropriação exclusivamente indevida da palavra.

beattrice

31/05/2011 - 00h46

Conceição
Parece pouco provável para dizer o mínimo que um hospital do porte do Sírio não tenha uma rede de segurança tal em TI que permita a identificação de quem acessa cada prontuário médico, se não tem deveria ter, ONTEM.
Por outro lado, este fato e outros já ocorreram e vão continuar se sucedendo porque estão alicerçados na mais absoluta impunidade de que gozam os órgãos da mídia corporativa graças à ausência de uma LEY dos MEDIOS e graças à inércia de que padeceu LULA e de que padece DILMA, no que tange à punição dos i-responsáveis midiáticos.
Em tempo,
a odontologia moderna contraindica o uso e abuso de bicarbonato de sódio para lesões como aftas, a aparente cicatrização pode levar a lesões teciduais mais profundas.

Responder

Ignez

31/05/2011 - 00h41

VEJA a ÉPOCA em que vivemos: em nome do poder se utiliza qualquer meio escuso para obtê-lo. Os políticos alijados do poder tornam-se ávidos em mostrar ao povo brasileiro o quanto estavam errados em não os escolher para governá-los. Para castigar esse "povo burro" jogam esterco nos eleitos, anunciam velórios inexistentes, etc mesmo que para isso tenham que eles próprios "fabricá-los". E mostram o esterco, com orgulho, em todas as mídias que dominam. Pulitzer vem bem ao caso: "Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta tende a tornal vil seus próprios leitores." É preciso "limpar" – ao menos um pouco – a sujidade que impregna a "grande" mídia brasileira.

Responder

Cristiana Castro

31/05/2011 - 00h38

O Hospital tem que responder por isso. É um absurdo que o prontuário de um cidadão vá parar nas manchetes de jornais! Independente de qq coisa, o hospital nao tem credibilidade, qq um a qq hora pode ser " rifado" aos jornais por qq dinheiro. É o limite da falta de ética e de respeito. Que se cuidem as celebridades que " baixarem" Sírio e Libanês. Faturam nas consultas, tratamentos, intervenções, internações e… venda de prontuários. Se a moda pega… Quem será a próxima vítima da medicina midiática?

Responder

Mario Furley Schmidt

31/05/2011 - 00h22

O Brasil pode ter um monte de problemas, mas ter um médico de sobrenome Silber trabalhando num hospital chamado Sírio-Libanês e isso ser considerado a coisa mais normal do mundo (como deveria ser no mundo inteiro!) é motivo de orgulho para todos nós brasileiros e serve de exemplo para o planeta.

Responder

SôniaG.

30/05/2011 - 23h42

O Sírio-Libanês, para não macular sua credibilidade, agora, depois do vazamento, sob suspeita quanto ao sigilo que deve aos seus clientes/pacientes, deve e pode 'convidar' os jornalistas Cristiane Segatto, Isabel Clemente e Leandro Loyola e o dono do negócio, para uma 'entrevista oficial', já que publicaram material sigiloso do Hospital sem autorização do mesmo. O Min.da Justiça com certeza já deve estar questionando o Hospital e seus responsáveis.

Responder

    beattrice

    31/05/2011 - 00h36

    Esse ministro da Justiça, Ze Dantas Cardozo, não vai questionar nada nem ninguém, se depender disso, não se descobre nada.

    Maria José Rêgo

    31/05/2011 - 19h34

    Beattrice, a Polícia Federal só investiga se for provocada. Se a Presidenta Dilma não fazer a reclamação, a PF nada pode fazer. Confesso que também fiquei indignada quando lí sobre o assunto no blog Tijolaço. Mais o mal por si se destroi. Esta revista Época , assim como a Veja, mais cedo ou mais tarde receberão o troco que merecem.

    edu

    31/05/2011 - 18h02

    HAHAHAHA o ministro do dantas questionando um rico ou uma empresa rica??Sé se o rico for o tio patinhas pq aqui no brasil ninguem mexe com rico nao…boca de siri

Geysa Guimarães

30/05/2011 - 23h36

Conceição:
Mas que sacada genial, essa de que no caminho da Dilma tem uma ficha! Aliás, todo o texto merece aplauso.
Pois se o Gerson ficou apreensivo, eu tive a certeza de que a Presidenta está bem e seu governo preocupa. Uma reporcagem infundamentada, pleonástica e maledicente, só pode ter como causa o medo da dobradinha Dilma-Lula.
Desejo que esses urubus tenham cancerotuberculepra.

Responder

Lazlo Kovacs

30/05/2011 - 23h25

O Código de Ética Médica é um jogo de faz-de-conta. Caso verídico: médico famoso, colocado na mídia, processado por paciente por vários motivos (assistência intelectual de prática médica a não-médico; omissão de socorro; negação de acesso de prontuário ao paciente). O seu cliente – claro! – não tinha lá muitos recursos, o que o levou a realizar a sua própria "advocacia" (não necessita de advogado para processos administrativos, função do CRM). Já no andamento do processo, parte do interrogatório do reu e do acusador, o médico responsável pelo interrogatório CUMPRIMENTA O MÉDICO QUE É REU E PRONUNCIA A SEGUINTE FRASE: "SEMPRE QUIS CONHECER O SENHOR". À vítima do médico, soltou uma frase, entre o pasmo e a dúvida: "Você?". Talvez ele somente conhecesse pessoas ricas.

Se a Época tem o que dizer, o que não tem a dizer os arquivos da Band, lá pelos idos de 1997-1999?

Responder

J.C.CAMARGO

30/05/2011 - 23h10

LCAzenha: Sempre defendí a tése que a Esquerda é frouxa! Só sabe abrir a bôca! Xororô, xororô, só xororô!!!
Falta coragem à esquerda, desde os tempos de GVargas, Jucelino, JQuadros, JGoulart, Lula, etc! Aliás, o
ex-Presidente, é só ouvir o Plim-Plim e já corre prá baixo da cama! Desde o debate com Collor, que o Nunca
Dantes tem um verdadeiro pavor do Plim-Plim! E não adiantou o Lula autorizar o empréstimo do BNDES! O /
Grupo de O GLOBO TAXOU A BENEVOLÊNCIA COMO CAPITULAÇÃO (viu, sr PHAmorim -não foi o Palocci e
sim O Lula quem autorizou! Pare com Conversa FIADA!). Enquanto a Governo não utilizar seu Poder de fogo,
ou de Dissuassão, o PIG não dará tréguas! E como está fácil brigar com o PIG! Nunca Dantes isso aconte-
ceu! É só aproveitar!

Responder

    edu

    31/05/2011 - 18h05

    Tem a tv Brasil que com investimentos poderia ser um oásis de informacao isenta mas o governo NAO QUER! Estão irremediavelmente apaixonados e acometidos da sindrome de estocolmo.

george

30/05/2011 - 22h52

temos que temer o temer, este ai e pobrema, ja nao basta a presidenta ter que ficar tao proximo a esse individuo de mau agouro, esse urubu fica so na espreita. onde ja se viu confiar neste partido, pois desde de sarney, este partido vem armando armadilhas a todos os presidentes. e nao so na uniao , mas tambem nos estados. sai de retro satanas

Responder

    beattrice

    31/05/2011 - 00h38

    Quando o Temer foi indicado VICE comentei diversas vezes neste e em outros espaços: "O Temer não é o Alencar, longe disso, aprendeu rigorosamente todos os truques do Quércia, de quem foi afilhado político".

Giane Rocha Prati

30/05/2011 - 22h51

ACESSO AO PRONTUÁRIO MÈDICO NO BRASIL
1 – Solicitação pelo próprio paciente
É importante salientar que o prontuário pertence à paciente e que, por delegação desta, pode ter acesso ao mesmo o médico. Portanto, é um direito da paciente ter acesso, a qualquer momento, ao seu prontuário
2 – Solicitação dos familiares e/ou do responsável legal do paciente
Quando da solicitação do responsável legal pelo paciente – sendo este menor ou incapaz – o acesso ao prontuário deve ser-lhe permitido e, se solicitado, fornecer as cópias solicitadas ou elaborar um laudo que contenha o resumo das informações lá contidas.
3 – Solicitação de autoridades policiais ou judiciárias; 4 – Solicitação por outras entidades
Convênios médicos e as companhias de seguro são os principais solicitantes. Salvo com autorização expressa da paciente, é vedado ao médico fornecer tais informações.

Responder

Alberto

30/05/2011 - 22h43

Quem tá no pau, em primeiríssima mão é o Hospital Sírio Liba´nês. Exclusivamente. Ele é guardião, por lei, do promntuário médico de quem atende. O prontuário médico pertence ao paciente! Só ele pode autorizar alguém a lê-lo. Ninguém mais. Nem juiz! Os jornalistas acessaram um prontuário que lhes foi dado por alguém do Hospital Sírio-Libanês. Sem funfuns.

Responder

    Cristiana Castro

    31/05/2011 - 00h29

    É isso aí, Alberto, o foco é o Hospital.

    eufesi

    01/06/2011 - 10h09

    O hospital, nas pessoa sde seus diretores, respodem no conselho federal de medicina como tambem em inquerito civil desde que o paciente ou o ministerio publico solicitem

Heitor

30/05/2011 - 22h40

Já que não dá para fechar esta revista medíocre, sugiro à presidência mudar de hospital. Sujeira.

Responder

Zildinha

30/05/2011 - 22h34

Estão dizendo que foi Dilma quem autorizou a divulgação desse prontuário.
Não entendo mais nada.

Responder

aurica_sp

30/05/2011 - 22h13

Acorda Presidenta, cadê a lei para regulamentar esses CANALHAS!!!

Responder

Gerson Carneiro

30/05/2011 - 21h43

Meu faro de perdigueiro:

<img src=http://ccpmirandela.com.sapo.pt/perdigueiro5.jpg>

Responder

Palmas

30/05/2011 - 21h41

A revista época está fora de época.Os editores é que estão doentes e faz tempo.

Responder

Gerson Carneiro

30/05/2011 - 21h35

Não é por nada não mas meu faro de perdigueiro não falha.

Daí vem alguém como Conceição Lemes, autora do livro "Saúde – A hora é agora" e coloca uma pimenta nessa empada…. eu me rendo.

Vi a capa da Época. A dilma, em que pese o espectro mórbido da Época, está linda com o sorriso da Monalisa.

Época: perdeu playboy. Sorry.

Responder

Leonardo Ferreira

30/05/2011 - 21h12

Neste caso, não é a Polícia Federal que atua? Este crime não pode ficar impune. Quer dizer que os donos
da grande imprensa pode tudo, até escarafunchar a vida não importando nada, desde que seja um inimigo
deles? Aonde fica a particulaidade da pessoa neste Brasil?

Responder

Hélio Pereira

30/05/2011 - 20h56

Com o perdão da palavra,
mas a maior Doença de Dilma se chama Palocci,esta realmente deixa nossa Presidente debilitada.
Para o bem do Brasil e da Presidente DIlma,Palocci deve esclarecer as acusações contra ele,pois isto esta complicando e muito nossa Presidente.
Quanto a Revista época,não merece nenhuma credibilidade faz tempo.

Responder

FrancoAtirador

30/05/2011 - 20h38

.
.
Suspeito! Muito Suspeito !

Chama a atenção que o Sírio-Libanês é o mesmo hospital
onde estava internado o senador Romeu Tuma,
quando a Enxovalhada SP o assassinou:

UOL Notícias – Erratas
24/09/2010 – 21h32
Home page – UOL errou ao noticiar a morte do senador Romeu Tuma

O UOL errou ao noticiar a morte do senador Romeu Tuma, baseado em informação originalmente publicada pela Folha.com. Segue a errata divulgada pelo jornal:
"Folha.com errou: senador Romeu Tuma não morreu e permanece internado

A assessoria de imprensa do Hospital Sírio-Libanês informou que o senador Romeu Tuma (PTB) não morreu, diferentemente do que foi divulgado pela Folha.com.

http://noticias.uol.com.br/erratas/2010/09/24/hom

Responder

Lúcia Amorim

30/05/2011 - 20h20

ORA ESSA! O crime tem suspeito bem identificados: Cristiane Segatto, Isabel Clemente e Leandro Loyola.

Esse negócio de, na hora de denunciar crimes, apagar o nome dos criminosos ativos e atribuir todas as responsabilidades aos "veículos" ou dar a coisa por devidamente criticada apenas por haver alguma indignação manifesta contra "a imprensa", é golpe de jornalista que defende o jornalismo.

Jornalismo defensável é jornalismo de democratização. Jornalismo de fascistização é fascismo. Defender jornalismo de fascistização (ou só criticar os inimigos, nunca os amigos) só porque é jornalismo e são amigos, é fascismo e não é nem jornalismo nem democracia nem crítica da 'mídia'.

Ah, sei! Se esses jornalistas suspeitos de terem praticado crime forem apertados, eles imediatamente por-se-ão a choramingar sobre "a liberdade de imprensa". Esses jornalistas merecem cadeia e não merecem nenhuma liberdade. Afinal de contas, tiveram TODA a liberdade e só fizeram essa imundície!

A liberdade de imprensa não foi feita para acobertar práticas canalhas, de jornalistas acanalhados, a serviço de empresas acanalhantes. Se, além deles, os patrões deles também merecerem cadeia, é outra coisa a investigar. O problema do jornalismo brasileiro começa pelos JORNALISTAS espantosamente sem vergonha que há por aqui.

"Veículo" é empresa. Empresa não foi feita pra ser ética: empresa foi feita pra dar lucro. Querer ensinar ética ao lucro, vamos e venhamos, é piração total.

E fica sem comentar a possibilidade de o hospital ter entregue informação que estava sob sua guarda a tucanos e pefelês. A POLÍCIA TEM DE INVESTIGAR. Pôka vergonha, isso sim. Mas pôka vergonha, pra começar, de JORNALISTAS (identificadíssimos!)

Responder

    Giane Rocha Prati

    30/05/2011 - 22h48

    Oi Lúcia, os jornalistas estão livre sde culpa! Quem responde pela guarda de um prontuário médico é a instituição de saúde. E ninguém mais

    Leider_Lincoln

    30/05/2011 - 23h24

    Mas é crime DIVULGAR ficha médica pessoal, sobretudo se obtida de forma ilícita, não é mesmo? Afinal, a distância de cúmplice a co-autor é bem pequena…

    beattrice

    31/05/2011 - 00h40

    Essa é exatamente a lógica que flagra o corrupto e livra o corruptor para "comprar" o próximo disponível.

    Álvaro

    31/05/2011 - 09h26

    Estes jornalistas não tem opinião própria, pobres coitados, são "pau-mandados" da linha editorial da revista. Porém, não deixam de ser responsabilizados pela matéria feita, suas assinaturas estão lá. No fundo, estes ataques "gratuitos" tem suas raízes na "grana, poder, influência" que provavelmente estes últimos governos deixaram de atender a estes "empresários do lixo midiático". Isto não é um privilégio brasileiro, em vários paises do mundo temos algo semelhante, infelizmente aqui no Brasil não é por ideologia editorial é por motivos torpes(financeiros), pouco se lixando para o Estado Brasileiro. É uma pena.

    Lúcia Amorim

    31/05/2011 - 19h17

    Ora essa! Se os jornalistas não têm opinião própria… por que, então, os leitores-consumidores dessas imundícies são obrigados a PAGAR pra ler… a nenhuma opinião dos jornalistas? Pagamos pra ler o que?

    E esse argumento do "cumprir ordens" é muito safado. Se alguém quiser me alugar pra eu mentir pra um monte de gente, vai ter de pagar muito, muito, muito dinheiro. Não estou dizendo que eu não minta se alguém me pagar muita grana pra mentir. Pode ser que eu minta, pq eu NÃO SOU 'ética' de igrejinha. Só estou dizendo é que aqueles jornalistas mentiram por um salário merreca. É possível, até, que mentissem de graça. E, depois, a mentirada é vendida aos leitores-consumidores… e tudo bem?!

    Engraçado que, há nove horas — nove horas! — ninguém ainda se apresentou para ir à delegacia mais próxima do hospital Sírio-Libanês e apresentar uma queixa contra o hospital. Estamos discutindo o quê? Um crime que todos vimos ser cometido numa revista pela qual os consumidores PAGAMOS pra ler, ou estamos na universidade, discutindo 'a mídia', sem nunca mover uma palha pra POR ESSES JORNALISTAS na cadeia?

    E tem o seguinte: o prontuário dizia que a presidente goza de saúde perfeita. A ideia de matar a presidente NÃO É DO HOSPITAL: é dos jornalistas.

Angela Ramarques

30/05/2011 - 20h14

Conceição, imagino o que os altamente credenciados jornalistas da Época não fariam se soubessem que o bicarbonato de sódio serve também para lavar as pererecas que sofrem com fungos provocados pelo uso constante de calcinhas de produtos sintéticos, associadas aos jeans que evitam o arejamento recomendável.
Ía ser o maior escândalo da República! Só rindo …

Responder

José F4k3

30/05/2011 - 19h35

“Com a minha senha de médico, posso acessar a ficha completa de qualquer paciente, famoso ou não."

Normalmente esses acessos ficam registrados, "logados", principalmente em sistemas sigilosos. Será que os sistemas do Sírio-Libanês são tão mal feitos que não registram esses acessos ? Em outras palavras: muito provavelmente parte do corpo técnico do hospital tem o registro desses acessos. E consequentemente a diretoria também tem, e a partir disso possíveis suspeitas do vazamento. Qual vai ser a consequência disso ? Nenhuma. Se fosse nos EUA tenho quase certeza que o Serviço Secreto (unidade que cuida da segurança do presidente) não iria deixar barato, alguém iria pagar muito caro…

Responder

Ivonete

30/05/2011 - 19h16

Quando vi a reportagem também achei estranho. Já fiz parte de um comitê de ética em pesquisa com seres humanos, e no caso de pesquisa em hospitais e clínicas, o documento mais sigiloso, mais íntimo e resguardado tem que ser o prontuário. Inúmeros projetos de pesquisa são recusados, quando se propõem a analisar prontuários. Quando chega um pedido com essa natureza, o pesquisador precisa solicitar a cada dono do prontuário, ou seja, o próprio paciente, ou um familiar do mesmo, caso o paciente tenha morrido, uma autorização assinada, chamado termo de consentimento livre e esclarecido. Portanto, tudo indica que a Revista Época, e alguém de dentro do hospital, cometeu um crime.

Responder

    edu

    30/05/2011 - 21h13

    Eles podem cometer crimes a vontade pq o governo nada fará para punir, para que ajam com cuidado e pensem 100 vezes antes de cometer outro crime pq o governo é lerdo frouxo, covarde, e merece apanhar todo dia de manha de tarde e de noite.

Deixe uma resposta