VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Paulo Teixeira: Temer faz bisbilhotagem política e viola a Constituição; Exército e GSI serão cobrados pela Operação Tabajara

11 de setembro de 2016 às 16h54

temer, general, infiltrado

por Conceição Lemes

Na segunda-feira passada, 3 de setembro, o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) participou de entrevista coletiva  sobre a violência da PM do governo Alckmin (PSDB) ao final do “Fora Temer”, no Largo da Batata, e a prisão arbitrária de 26 manifestantes horas antes do protesto na avenida Paulista.

Na ocasião, ele levantou a  suspeita da existência de um infiltrado no grupo de presos em São Paulo, já que um dos detidos havia desaparecido do grupo.

Em 8 de setembro, a Ponte divulgou a presença do agente infiltrado de codinome Balta na rede de relacionamento Tinder.

No dia 9, o El País identificou-o. Trata-se do capitão do Exército Willian Pina Botelho, da comunidade de inteligência. Tinha o objetivo de espionar grupos de esquerda

Ou seja, havia, sim, um infiltrado, como suspeitou Paulo Teixeira, desde o início.

Viomundo –Mas a descoberta de que o infiltrado é do serviço de inteligência do Exército surpreendeu o senhor?

Paulo Teixeira – Sinceramente, estou surpreso, porque pela Constituição Federal não cabe ao Exército a função de cuidar da Segurança Pública. Isso é possível somente em circunstâncias excepcionais, que não foi o caso. Creio que este governo está extrapolando e comprometendo o Exército.

Viomundo – Na prática, ao infiltrar um agente para espionar e delatar os manifestantes, o governo golpista está recorrendo a expedientes da ditadura militar. Isso é obra dos ministros da Justiça, Alexandre de Moraes, e do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen?

Paulo Teixeira – Penso que a responsabilidade por esta aventura é do próprio Temer. Ele tem ao seu lado, além de muitos trapalhões, dois falcões, o general Sérgio Etchegoyen e o Alexandre de Moraes. Ambos estão criando um estado policial.

Viomundo – Por quê?

Paulo Teixeira — O Alexandre de Moraes usa da repressão da polícia de São Paulo para desestimular os atos contra o governo Temer, assim como fazia antes em relação ao governador Geraldo Alckmin. O general Sérgio Etchegoyen usa o Gabinete de Segurança Institucional para espionagem política.

Viomundo – Em que medida eles são falcões?

Paulo Teixeira —  Geralmente, o termo “falcão” é aplicado aos membros linha dura do Congresso dos Estados Unidos e do próprio governo americano que, diante de uma situação de tensão ou disputa, tendem a recorrer à solução militar e a usar a força bruta.

Aqui, os falcões tupiniquins são verdadeiros trapalhões.

No caso do Alexandre de Moraes, usa da ação desmedida da polícia do Alckmin para ferir jovens com bala de borracha, bomba de gás lacrimogênio e prisões ilegais, tentando propagar um sentimento de medo para desestimular a participação nos protestos. Etchegoyen usa a Abin [Agencia Brasileira de Inteligência] e as Forças Armadas para a espionagem política. Ambos agem como se estivéssemos numa ditadura.

A propósito: teriam as polícias de São Paulo, o GSI e o Exército articulado em conjunto esta ação desastrada?

Viomundo – Qual o significado dessa infiltração?

Paulo Teixeira – Um capitão do Exército foi infiltrado num grupo de 26 jovens que ia se manifestar e forjou um flagrante contra eles que lhes custou dois dias de prisão. Ainda bem para os manifestantes e a sociedade brasileira que um juiz de bom senso desmontou a armação da polícias civil e militar de São Paulo e dos órgaõs de (des)inteligencia federal. O general Etchegoyen promoveu uma verdadeira operação “tabajara” de inteligência.

Viomundo – Operação “tabajara”?!

Paulo Teixeira — “Tabajara”, sim, por três motivos: tentou incriminar pessoas que não praticaram qualquer crime, a descoberta da farsa e o envolvimento de um capitão do Exército.

Viomundo – O que revela essa operação?

Paulo Teixeira – O Estado brasileiro está virando um estado policial. A área de inteligência está fora de controle da sociedade brasileira.

Viomundo – Por quê?

Paulo Teixeira — Fora de controle porque os movimentos sociais não representam risco para o país e a presença de um capitão do Exército significa a entrada ilegal do Exército no tema. Virou espionagem política.

Viomundo – Mas para os golpistas os movimentos sociais representam um risco ao projeto político deles, já que questionam, denunciam…

Paulo Teixeira — Os golpistas estão desvirtuando as instituições. Elas estão sendo utilizadas para fins de bisbilhotagem política e repressão à juventude. Estão transformando as instituições de Estado em polícia política, tal qual na ditadura, com o SNI [Serviço Nacional de Informação]. Estão sujando as Forças Armadas.

Viomundo – O que o senhor pretende fazer?

Paulo Teixeira – Nós vamos cobrar do Exército e do GSI as razões de terem colocado espião no movimento social. A minoria na Câmara tem assento no comitê de controle externo das operações de inteligência. Como vice-líder da minoria, vou falar com a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) para exigirmos satisfação dessa operação desastrosa. Exigir explicações é uma função do Congresso Nacional.

Viomundo –Considerando o conservadorismo do atual Congresso, o senhor acha que a maioria vai se posicionar contra a espionagem da garotada?

Paulo Teixeira –Acho que sim. É uma questão legal e uma violação da Constituição. Considero que há um desvirtuamento da atividade de inteligência. Eles estão usando a inteligência para controlar os movimentos sociais. Foram pegos com a boca na botija.

Leia também:

Infiltração de capitão do Exército tem ecos da ditadura e do “antiterrorismo”

 

11 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Julio Silveira

12/09/2016 - 21h45

Outro erro da nossa cultura, esperar das lideranças do exército Brasileiro uma atuação aos moldes dos melhores exércitos internacionais de grandes países soberanos. O E.B. por suas lideranças, tem sido puma mímica ruim do exército yanke a quem desde a segunda guerra se prestam a ser força auxiliar.
As lideranças do exército daqui tem feito a instituição de flanelinha, para guardar o território nacional para a plutocracia e seus serviçais da cleptocracia. E como para esses o que vale é a grana da qual são dependentes, e como os Yankes são o principal proprietário da grana de circulação mundial e ao qual se subordinam, deduz-se facilmente a quem serve o exército, prioritariamente é evidente que não tem sido ao todo da cidadania brasileira.

Responder

Gersier

11/09/2016 - 22h12

PQP… e eu acreditando que o exército, com é minúsculo mesmo, brasileiro tinha se tornado nos governos Lula/Dilma, Exército, com É maiúsculo que significa RESPEITABILIDADE. Parece que continuam sendo paus mandados dos norte americanos. Perseguir o povo brasileiro ao invés de PROTEGE-LO. Será que se tornaram novamente um bando de BABACÕES? É Charles Degaulle, mesmo anos após a sua morte, o senhor continua atualíssimo, realmente o Brasil é uma piada e não um país sério. Culpa de uma elite retógrada com espírito de viralatice aguda.

Responder

FrancoAtirador

11/09/2016 - 21h21

.
.
Enquete do Reino de Avallon

Um dos 12 Cavaleiros da Távola Redonda do Rei MiShell:

(__) Dartagnan
(__) Athos
(__) Porthos
(__) Aramis
(__) Lancelot
.
.

Responder

    FrancoAtirador

    11/09/2016 - 21h41

    .
    .
    Fantástico da Rede Globo Acaba de Corrigir:

    O Nome do Reino de MiShell é Decameron.
    .
    .

José Fernandes

11/09/2016 - 20h29

Ao invés deles usarem inteligência pra barrarem a espionagem americana dentro do nosso País usam inteligencia contra seu povo. tá certo…

Responder

CaRLos

11/09/2016 - 20h24

Estou lendo este artigo e me faz lembrar, muito bem, do discurso do deputado L. Maciel, no início dos anos 80, na cinelândia, no Rio. Ele, como sempre, muito inflamado dizia que a ditadura mandaria um tal general Coelho, de linha dura, para silenciar-nos.

Responder

paulo raimundo da silva ramos

11/09/2016 - 20h19

pergunto sem querer ofender ninquem.como se chega a general no exercito brasileiro?.por competência,indicação,bravura,conjunto da obra ou laços familiares??

Responder

FrancoAtirador

11/09/2016 - 19h56

.
.
!!! #ForaTemer !!!

60 MIL HOMENS E MULHERES SEM MEDO

GRITAM NAS AVENIDAS EM SÃO PAULO!

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/09/11/politica/1473608606_494272.html
.
.

Responder

Mineirim

11/09/2016 - 18h00

Infelizmente, não acredito em mais nada. Em NENHUMA instituição brasileira, NENHUMA. Pode haver um ou outro gato pingado lá dentro que seja contra os arbítrios, atos ilegais praticados por agentes públicos, juízes, etc., mas o fato é que tomaram o poder de forma ilegal, aplicaram o golpe e dane-se o resto. Exército fazer apuração? Ora bolas… Lembram-se do teatro armado após o do fracasso do atentado ao Riocentro? Pois dá nojo, de novo.

Responder

Deixe uma resposta