VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Requião: Paulo Pedrosa, do governo Temer, agiu como lobista inglês em isenção a petroleiras que pode chegar a U$ 1 trilhão

20 de novembro de 2017 às 20h22

por Roberto Requião*, em seu blog

Uma potência estrangeira, a Inglaterra, se achou no direito de participar diretamente de uma sessão da Comissão Mista da Câmara e do Senado Federal para estabelecer os principais tópicos da medida provisória que visa a regular a exploração do pré-sal no país.

Não só participou como mandou na votação. E a fonte da notícia dessa aberração não é nenhum oposicionista, mas o próprio Guardian, principal jornal da Grã-Bretanha.

O governo inglês fez lobby, com sucesso, junto ao governo golpista de Temer, apelidado de Misshell, para mudar as regras de exploração do pré-sal em favor das inglesas Shell, BP e Premier Oil.

O operador externo do lobby foi o ministro do Comércio inglês, Greg Hands, que veio ao Rio de Janeiro onde se reuniu com o operador interno, Paulo Pedrosa, secretário do Ministério de Minas e Energia.

Pedrosa disse que estava pressionando seus homólogos do governo brasileiro sobre as questões suscitadas pelos ingleses, de acordo com um telegrama diplomático britânico obtido pelo Greenpeace.

Essa organização acusou o Governo britânico de “agir como braço de pressão da indústria de combustíveis fósseis”, a despeito de compromissos assumidos com metas de controle ambiental defendidos em Bonn.

Como resultado, a Inglaterra conseguiu que o governo brasileiro eliminasse exigências de compra de conteúdo local nos investimentos no pré-sal, reduzisse exigências ambientais e isentasse as grandes multinacionais de pagamento de impostos.

Um representante da Shell comandou pessoalmente o lobby na comissão, sendo identificado e denunciado, na hora, pelo senador Lindberg Farias.

O ministro inglês esteve no Brasil em março e não se limitou a ir ao Rio de Janeiro.

Esteve também em São Paulo e Belo Horizonte. Seu foco era justamente o de ajudar empresas britânicas a ganharem negócios de petróleo e água no Brasil.

Sabe-se que, na conversa com Paulo Pedrosa, levantou “diretamente” as preocupações das empresas petrolíferas Shell, BP e Premier Oil britânicas sobre tributação e licença ambiental.

A pressão para flexibilizar regras de proteção na área crítica ambiental suscitou interesse do Greenpeace, que questionou as empresas e o Ministério do Comércio.

Os esclarecimentos foram vagos e escamoteados. Curiosamente, os britânicos tem posição aparentemente ativa nas discussões da ONU sobre o controle de poluição, o que pode ter suscitado a reportagem do Guardian.

É extravagante que comissão do Senado se sujeite a pressões internacionais nesses três campos vitais para o futuro do país.

Conteúdo local, tributação justa e defesa ambiental são questões ligadas à soberania nacional.

É fundamental que o Ministério das Minas e Energia seja questionado sobre mais essa medida de entrega a estrangeiros de bens que deveriam ser protegidos pela soberania.

As estimativas de isenção tributária para os contratos do pré-sal já negociados se elevam a cerca de 1 trilhão de dólares.

Abrir mão desses recursos é um crime contra as gerações atuais e futuras.

Eliminar exigências de conteúdo local é abrir mão da geração de emprego nos setores industriais de maior salário e maior geração de tecnologia.

Por fim, a redução das regras ambientais significa simplesmente permitir que as grandes petroleiras poluam descaradamente o nosso mar e nosso território enquanto levam para suas matrizes os produtos limpos.

É difícil classificar os senadores que votaram por essa aberração na comissão.

Seriam entreguistas da soberania nacional?

Seriam negocistas cooptados pelo dinheiro inglês?

Ou seriam apenas ignorantes, distraídos, incapazes de compreender o processo histórico que vivemos na era Temer, o Misshell?

Não consigo me inclinar por nenhuma dessas classificações.

Mas ainda tenho a expectativa de que, na votação do Senado, uma maioria se coloque a favor do Brasil, sobretudo depois que veio a público essa inacreditável ingerência estrangeira em nosso processo legislativo.

 

4 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

RONALD

21/11/2017 - 11h53

O impressionante é que não se ouve uma panelinha batendo e um pio da defensora do Brasil, Janaína Paschoal !!!!!!

Responder

Julio Silveira

21/11/2017 - 09h28

O Brazil é um estado de gente tão mediocre, mas tão mediocre, que nem deveria merecer ser considerado um estado, um país. O povo que nele habita deveriam entregar sua governabilidade definitivamente a um desses países tão invejados, tão colonamente idolatrados, reconhecendo definitivamente a falta de competencia, a falta do minimo espirito patrio, do minimo espirito civico.
Quem sabe assim encontrariam facilidades para um reconhecimento de cidadania por algum desses paises que já exploram a terra delegando a nacionais a tarefa da entrega na reconhecida falta de competencia, de espirito patritico, desse aglomerado que compõem o que hoje alcunhou-se chamar de Brasil.
Fosse assim e pelo menos aqueles como eu, com espirito de patria, que não compreende tão vil servilismo e vocação para cão, poderiamos viver, sabidamente, conscientemente, reconhecidamente, esperando uma cidadania de segunda classe.

Responder

JoApaS

21/11/2017 - 08h35

Contragolpe – GOVERNO PARALELO

ISSO não adianta mais !!
VAMOS ao que INTERESSA daqui pra frente !
HANDS ON – (à PRÁTICA, sem LERO-LERO)

LANÇAMENTO do ANO ELEITORAL – 2018
GOVERNO PARALELO – Desobediência Civil e Boicotes Massivos:

1o.ATO => NINGUÉM “deve pagar” o IPVA-2018 (vamos começar quebrando os governos Estaduais pra aniquilar as Bases) – o Rio já está quebrando.. Vamos instalar a ANARQUIA como forma de governo;

2o.ATO => BOICOTE TOTAL-MASSIVO à SHELL (ninguém deve utilizar mais nada da SHELL+COSAN que é carrapato da SHELL)

3o. ATO => (boicote aos bancos) FECHAR contas no ITAÚ+BRADESCO+SANTANDER – BANCOS GOLPISTAS !!

4o. ATO => (boicote à mídia corporativa-PIG) CANCELAR TODAS ASSINATURAS de TVs por assinaturas da GLOBO, Band, etc, Revistas (veja, istoé, época, etc.) e jornais (Folha, estadão, UOL, etc.) – MÍDIA GOLPISTA – temos que quebra-los .. a maioria já está FALIDA !!

5o. ATO => … E ASSIM POR DIANTE…o POVO todo tem que participar e encontrar outras formas de BOICOTES massivos … como por EXEMPLO: por um(1) mês NINGUÉM COMPRAR CARNES da JBS-FRIBOI ..!

TEMOS que MEXER no BOLSO dos GOLPISTAS e MATA-LOS financeiramente.
Só assim o GOLPE acaba rapidinho e sem armas..!

Responder

Elena Osawa

21/11/2017 - 03h07

Entreguistas safados! E agora vem o governo Temer dizer que vai acabar com a entrega de remédios gratuitos nas chamadas Farmácia Popular alegando necessidade de cortar gastos por falta de grana.

Responder

Deixe uma resposta