VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia

08 de maio de 2012 às 11h13

Audiência com Gilmar Mendes,  no STF, intermediada por Marconi Perillo e  Demóstenes Torres. Da esquerda para a direita:  Perillo, Mendes, o deputado Carlos Leréia, o diretor-geral da SAMA Rubens Rela e Élio Martins, presidente do Grupo Eternit. Foto: Gervásio/SCO/STF

por Conceição Lemes

2012: O império do amianto está ruindo, a olhos vistos.

Em 13 de fevereiro, a Justiça italiana anunciou a condenação dos ex-proprietários da Eternit, o barão belga Jean-Louis de Cartier de Marchienne e o magnata suíço Stephan Schmidheiny, a 16 anos de prisão e ao pagamento de quase 100 milhões de euros.

Nem mesmo o informe publicitário publicado na ocasião pela Eternit do Brasil  nos principais veículos de comunicação (CartaCapital foi a única a recusar o anúncio), negando qualquer relação com a empresa incriminada, diminuiu o amargor da derrota.

Agora, o lobby do amianto sofre novos reveses. Indiretamente, a Operação Monte Carlo, da Polícia Federal (PF), atingiu em cheio o império do amianto. Seus mais ilustres e ferrenhos defensores no meio político brasileiro são acusados de envolvimento com os esquemas do bicheiro Carlinhos Cachoeira.

São eles o senador Demóstenes Torres (DEM-GO, até 4 de abril), o deputado federal Carlos Alberto Leréia (PDSB-GO) e o governador Marconi Perillo (PSDB-GO).  Os três integram a “bancada da crisotila”. São parlamentares que, em troca de defender a fibra cancerígena no parlamento, recebem apoio financeiro da indústria amiantífera em suas campanhas. Crisotila, ou amianto branco, é o tipo existente e ainda permitido no País.

A primeira baixa, aliás, já ocorreu. Demóstenes Torres deixou a relatoria do projeto de lei 371/2011, do senador Eduardo Suplicy (PT-SP), que “dispõe sobre a proibição da extração, da importação, do transporte, do armazenamento e da industrialização do amianto”.

Outro revés: o Instituto Crisotila do Canadá anunciou oficialmente, em 28 de abril deste ano, o encerramento de suas atividades.  Durante quase três décadas, ele coordenou globalmente os esforços da indústria do amianto para promover o chamado “uso controlado da crisotila”. Uma tese enganosa de que a exploração do mineral, assim como a fabricação e a utilização de produtos, contendo suas fibras, seriam inofensivos à saúde humana. O instituto canadense foi copiado em todo o mundo. Aqui, deu origem ao Instituto Brasileiro do Crisotila (IBC), sediado em Goiânia.

“São dois golpes mortais, que prenunciam o fim da produção da fibra assassina aqui”, observa a engenheira Fernanda Giannasi, auditora fiscal do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e coordenadora da Rede Virtual-Cidadã para o Banimento do Amianto para a América Latina. “É como diz o ditado popular ‘a Justiça tarda, mas não falha’.”

LOBBY PARLAMENTAR INTERMEDIA VISITA DE PRESIDENTE DA ETERNIT A GILMAR MENDES NO STF

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, anualmente, 107 mil pessoas morrem em todo o mundo devido a doenças causadas pelo amianto ou asbesto – um reconhecido cancerígeno para os seres humanos.

“Todo tipo de amianto — inclusive a crisotila — é comprovadamente cancerígeno, e o seu uso controlado, uma ilusão total”, alerta o pneumologista Hermano Albuquerque de Castro, professor da Escola Nacional de Saúde Pública e pesquisador do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana, da Fiocruz, no Rio de Janeiro. “No máximo, as indústrias conseguem reduzir a exposição dentro das fábricas. Não conseguem controlar depois que o produto sai e vai para o público. Isso é impossível.”

Apesar de essa advertência ser feita há mais de duas décadas, o governo brasileiro ignorou o problema. E mais. Nos últimos anos, perdeu diversas oportunidades de proibir o uso do amianto no território nacional.

Em boa parte devido ao poderoso lobby no Congresso Nacional, que sempre agiu com presteza para atender os interesses da indústria amiantífera.

Demonstração emblemática dessa força aconteceu em setembro de 2008. Havia indícios de que o Supremo Tribunal Federal (STF) iria julgar celeremente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4066, que pede a decretação da inconstitucionalidade do artigo 2º da Lei 9055/95; ela trata do “uso seguro e responsável do amianto”.

“A Lei 9055 é inconstitucional em função da lesividade de todo tipo de amianto à saúde humana”, diz o advogado Mauro Menezes, que, na ação, representa a Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT) e a Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto (Abrea) “Ela não se compatibiliza com uma questão maior que está garantida na nossa Constituição, que é o direito à saúde e à vida.”

Pois bem, à época, o então senador Marconi Perillo e o colega Demóstenes Torres intermediaram encontro de representantes da Eternit com o ministro Gilmar Mendes (naquele momento, presidente do STF) para tratar do assunto.

Assim, no dia 30 de setembro de 2008, o presidente do Grupo Eternit, Élio Martins, o diretor-geral da SAMA, Rubens Rela Filho, Perillo e o deputado federal Carlos Alberto Leréia (PSDB, GO) foram recebidos no STF por Gilmar Mendes.

O Grupo Eternit é o maior produtor de amianto e de artefatos de cimento-amianto do Brasil. A mineradora SAMA pertence a ele. É a responsável pela mina de Cana Brava, a única ainda em exploração no País; fica em Minaçu, norte de Goiás, a 500 quilômetros da capital Goiânia.

Leréia, proveniente de Minaçu, foi um dos maiores beneficiados pelas verbas da SAMA em sua campanha como deputado federal. Segundo matéria publicada na revista CartaCapital, de junho de 2005, recebeu sozinho 300 mil reais da mineradora.

Na agenda de Gilmar Mendes para o dia 30 constava apenas: 17h30 – Recebe em audiência os senadores Marconi Perillo (PSDB-GO) e Demóstenes Torres (DEM-GO)

Sobre o encontro, o site do STF noticiou: “O senador goiano Marconi Perillo (PSDB) esteve no início da noite desta terça-feira (30) com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, para entregar documentos contra o banimento do amianto crisotila no país. ‘Temos estudos científicos que foram preparados pelas principais universidades brasileiras que nos tranquilizam em relação à utilização do amianto sem qualquer mal à saúde’, afirmou.” Parêntese: o Viomundo denunciou em várias reportagens a falta de isenção dos pesquisadores de “tais estudos científicos”, financiados pelo próprio interessado em tais resultados.

O site do STF prosseguiu: “Segundo o senador, o objetivo dos documentos é ‘dar esclarecimentos e embasamento aos ministros do Supremo Tribunal Federal em relação à matéria’”.

Curiosamente, o nome do presidente do grupo Eternit, presente ao encontro, não constou da matéria publicada no site do STF.

Tampouco o nome de Élio Martins apareceu nas legendas das fotos divulgadas sobre a reunião. Nem mesmo na que apareceu cumprimentando Gilmar Mendes. Mencionaram-se apenas os nomes dos parlamentares.

Da esquerda para a direita: Élio Martins, presidente do Grupo Eternit; Rubens Rela Filho, diretor-geral da SAMA; deputado federal Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO); e ministro Gilmar Mendes, do STF, encobrindo o então senador Marconi Perillo (PSDB-GO). Foto: Gervásio/SCO/STF

“Na prática, a Operação Monte Carlo acertou o core do lobby do amianto no Brasil” reforça Fernanda Giannasi. “Da mesma forma, com certeza, o fechamento do Instituto Crisotila do Canadá terá repercussões no Instituto Brasileiro do Crisotila (IBC) e nos demais institutos clones, que perdem seu mentor e grande financiador e apoiador.”

INSTITUTO DO CRISOTILA DO CANADÁ PROPAGANDEOU INFORMAÇÕES ENGANOSAS

O IBC (também chamado de Crisotila Brasil) foi criado à imagem e semelhança do Instituto Canadense do Crisotila (antes chamado Asbestos Institute).

Até no estilo de tentar silenciar os que denunciam os malefícios do amianto e as ações do lobby pró-fibra cancerígena são muito parecidos.

O IBC recorreu à Justiça contra Fernanda Giannasi, o procurador Antônio Carlos Cavalcante Rodrigues, do Ministério Público do Trabalho de Goiás (MPT-GO), que queria, entre outras ações, o fim das atividades do IBC, e o pneumologista, professor e pesquisador Hermano Albuquerque de Castro.

O Instituto Crisotila do Canadá teve o desplante de atuar fora de sua jurisdição. Em abril de 2001, o seu diretor, Denis Hamel, mandou uma carta ao então Ministro do Trabalho e Emprego do Brasil, Francisco Dornelles, pedindo para repreender e enquadrar a engenheira Fernanda Giannasi. Não conseguiu o seu intento.

No documentário A morte lenta pelo amianto, Hamel justifica a retaliação: “Ela [Fernanda Giannasi] dá declarações mentirosas, exageradas, que prejudicam enormemente os esforços da indústria”.

Consequentemente, o fechamento das portas do Instituto Crisotila do Canadá representa uma derrota importantíssima de um dos lobbies mais eficientes na promoção de produtos tóxicos no mundo, só comparável ao do tabaco.  Não é à toa que é festejado globalmente.

“Essa é mais uma auspiciosa notícia, que nos anima a multiplicar esforços para a concretização do banimento do amianto em nosso país, o quanto antes”, afirma o advogado Mauro Menezes. “Afinal, a entidade que tanto promoveu a falaciosa tese de que a crisotila seria inofensiva à saúde humana, contava com apoio do governo canadense e coordenava um poderoso lobby, modelo que inspirou a criação do Instituto Brasileiro do Crisotila.”

“Sinaliza um passo importante para o fim da exploração e exportação do amianto pelo Canadá”, saúda Linda Reinstein, presidente da Asbestos Disease Awareness Organization (ADAO), ONG estadunidense que se dedica à conscientização das doenças do amianto. “Simboliza um futuro promissor para o esforço global de proteger a saúde pública.”

Para Pat Martin, membro do Parlamento canadense, ex-mineiro e crítico de longa do data da indústria do amianto, o fechamento do Instituto do Crisotila do Canadá é a sentença de morte da mineração do amianto naquele país.

Kathleen Ruff, ativista canadense dos direitos humanos e pelo banimento do amianto, fez questão de ir até o escritório do Instituto do Crisotila para se certificar de que a informação era verdadeira. As portas da sala 1.640 estavam fechadas; nem mensagem para deixar  recado na secretária eletrônica havia mais.

“O Instituto Crisotila pressionou o governo canadense para que ele continuasse financiando-o como fez durante 27 anos, do contrário, fecharia as portas”, conta Kathleen Ruff. “Devido à fortes críticas, o governo não cedeu. E, agora, uma alegria toma conta de todos aqueles que lutam para proteger as pessoas dos perigos do amianto.”

Laurie Kazan-Allen, editora do site e coordenadora do IbasInternational Ban Asbetos Secretariat (Secretariado Internacional do Banimento do Amianto) –, sediado em Londres, Inglaterra, ao comemorar a queda do Instituto Crisotila, põe o dedo na ferida:

“Mesmo depois de o amianto ter sido proibido em países industrializados, o seu consumo aumentou muito em todo o mundo em desenvolvimento. Isso aconteceu graças principalmente aos esforços e à contribuição financeira do Instituto do Crisotila do Canadá, que permitiu a criação de 12 entidades ao redor do mundo, para transmitir de forma mais eficaz a mensagem pró-amianto. Não por coincidência o uso do amianto continua na Índia, Tailândia, Brasil, Colômbia e México, países onde existem estas organizações”.

“Indubitavelmente, o império do amianto está desabando”, arremata Fernanda Giannasi. “Esperamos, agora, que se faça Justiça às vítimas do amianto e seus familiares.”

Leia também:

Perito “suiço” em amianto foi pago pela indústria brasileira do amianto

Morre Manoel, outra vítima do amianto

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

47 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Tribunal condena barão do amianto a 18 anos de prisão: "Um hino à vida" - Viomundo - O que você não vê na mídia

06/06/2013 - 23h20

[…] Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia […]

Responder

Abrea: Presidenta Dilma, apoie a inclusão do amianto na lista de Roterdã! - Viomundo - O que você não vê na mídia

04/05/2013 - 10h47

[…] Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia […]

Responder

Vitória contra o amianto: Justiça decide a favor da vida e do meio ambiente - Viomundo - O que você não vê na mídia

01/05/2013 - 15h01

[…] Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia […]

Responder

“Façamos exatamente o contrário do que a Globo e outros inimigos desejam” « Viomundo – O que você não vê na mídia

31/03/2013 - 13h39

[…] Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia […]

Responder

Centrais sindicais repudiam ação do governo Dilma sobre o fator previdenciário « Viomundo – O que você não vê na mídia

30/11/2012 - 13h34

[…] Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia […]

Responder

Bandeira de Mello: “Não se condenará mais ninguém por pressuposição” « Viomundo – O que você não vê na mídia

30/11/2012 - 01h28

[…] Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia […]

Responder

Mapa da Violência: Há uma pandemia de mortes de jovens negros « Viomundo – O que você não vê na mídia

30/11/2012 - 01h12

[…] Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia […]

Responder

Rômulo Gondim – Promotor italiano que condenou donos da Eternit é por banir amianto aqui

29/11/2012 - 22h55

[…] Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia […]

Responder

O promotor que condenou na Itália os donos da Eternit defende o banimento do amianto no Brasil « Viomundo – O que você não vê na mídia

29/11/2012 - 15h12

[…] Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia […]

Responder

Lei do uso controlado do amianto viola o direito constitucional à saúde e ao meio ambiente equilibrado? « Viomundo – O que você não vê na mídia

31/10/2012 - 08h16

[…] Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leré […]

Responder

CUT ao STF: Questão de saúde pública e direitos humanos « Viomundo – O que você não vê na mídia

28/08/2012 - 09h37

[…] Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia […]

Responder

Centrais sindicais querem banimento do amianto « Viomundo – O que você não vê na mídia

11/07/2012 - 12h24

[…] Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia […]

Responder

Apelo à Dilma sobre a Rio +20 e amianto: Schmidheiny, não! « Viomundo – O que você não vê na mídia

06/06/2012 - 22h35

[…] Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia […]

Responder

Paulo Teixeira: “Praticamente todo o governo de Goiás estava envolvido com a quadrilha do Cachoeira” « Viomundo – O que você não vê na mídia

11/05/2012 - 18h02

[…] Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia […]

Responder

Herminio

10/05/2012 - 20h06

Isso é uma quadrilha que opera em todas as frentes, é uma quadrilha, e sua atuação e formação não é de agora, pelo que está sendo descoberto e contecimentos com Cajurú relatado ha muito tempo só prova que ja atuavam nas trevas talvez à décadas.

Responder

Dr. Rosinha: “Alguns segmentos da imprensa terão de ser investigados, sim” « Viomundo – O que você não vê na mídia

10/05/2012 - 12h34

[…] Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia […]

Responder

neopartisan

10/05/2012 - 11h01

Nunca na história deste país, a política foi tão aritmética.
Senão VEJAmos: Demóstenes + Cachoeira + Perillo + Gurgel+ Mendes + Civita= Crime do Golpe Organizado.
No entanto, o PIG noticia a escabrosa soma sem incluir as duas últimas parcelas e vacila com a terceira e a quarta.
Perdeu toda a credibilidade -que nunca teve- por esta matemática burra, incompetente e “marotária” (marota + otária = malandra otária)

Responder

Gilmar entre Perillo e Leréia. Viva o Brasil ! | Conversa Afiada

10/05/2012 - 10h26

[…] “Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia […]

Responder

Luciano Mendonça

09/05/2012 - 17h01

E Cachoeira acabava numa caixa d’água de amianto…
E foram conversar com o Ministro de Diamantino.
Poesia concretista pro Ministro Ayres Brito, escrita em forma de processo.

Responder

João Da Silva

09/05/2012 - 14h48

40 Gigas de informação da Operação Monte Carlo: Brasil 247 obtém toda a investigação da Polícia Federal sobre o maior escândalo político dos últimos tempos no País; publicação começa agora; grampos, diálogos e vídeos inéditos; saiba aqui o que nem a CPI sabe. Todo mundo tem que pegar este material, estudá-lo e disponibilizar na Net as suas conclusões para fazer a contrapartida a Mídia. O acesso é via a página do Brasil 247 no facebook.
http://www.facebook.com/Brasil247

Responder

João Da Silva

09/05/2012 - 14h10

Hoje vazou no Brasil 247 todos os inquéritos, todas os áudos, todos os vídeos, são mais de 5 GB bytes dos arquivos que estavam secretos até hoje. O jornal só pode ser acessível na página do “facebook”, acho que estão tentanto fazer o Brasil 247 cair, A maior parte do audio está disponibilizada via Torrent, num arquivo de 4.25 GB

Responder

Alvares de Souza

09/05/2012 - 13h08

O nível de perversão da direita brasileira chega às raias da iniquidade. São verdadeiros delinquentes que não titubeiam em fazer “lobi” junto ao próprio Supremo Tribunal, em favor de empresas e atividades já banidas no resto do mundo, pelos riscos comprovados à saúde humana.

Responder

Janah

09/05/2012 - 12h44

O que será que a Dilma diz disso? Conhecimento desse crime, com certeza, ela tem

Responder

Mardones Ferreira

09/05/2012 - 09h55

Esse Gilmar Dantas é a obra mais dantesca do FHC. Não fosse o fernandinho privatizador, Gilmar não teria causado tanto mal ao Brasil.

Essas fotos merecem correr o mundo. Com uma quadrilha dessa ninguém precisa de CV e afins.

O Leréia ainda vai melar a campanha do Serra!!!

Parabéns Conceição.

Responder

Eduardo Oliveira

09/05/2012 - 09h04

Estamos em andamentos, aindaaaaaaa, de detecção dos cânceres de nossa democracia. Vamos extirpados a todos que travam nossa saúde e nossa democracia.

Responder

Paulo Teixeira: “Gurgel deve depor na CPI” « Viomundo – O que você não vê na mídia

09/05/2012 - 02h16

[…] Conceição Lemes: O lobby do amianto dançou […]

Responder

Maria Dirce

08/05/2012 - 23h03

Azenha
O blog 247 ta colocando tudo no blog da operação Monte Carlo.è muita coisa, estão colocando tudo de uma vez.Coloque aqui pra gente ver Azenha.

Responder

jõao

08/05/2012 - 21h18

Deputado tucano ameaça jogar lama no ventilador e PSDB sente o golpe
Tags: psdb, cachoeira, blogue da helena

Por: Helena Sthephanowitz, especial para a Rede Brasil Atual

Uma nota publicado nesta terça-feira (8) no jornal Folha de S.Paulo, revela que o deputado Carlos Alberto Lereia (GO) – amigo de Carlinhos Cachoeira há 25 anos –, está ameaçando seu partido (PSDB) que, se for, digamos assim, conduzido a pedir licença do cargo, o que via de regra resulta em expulsão, vai “soltar o verbo.” Eli disse que vai fazer com que o governador de Goiás, Marconi Perillo (também tucano) tenha o mesmo tratamento.

Apesar de farto material de gravações da Polícia Federal, até o momento a imprensa – e o PSDB –, têm blindado o governador Perillo. Até mesmo José Serra, candidato à prefeitura de São Paulo, e o presidente do PSDB, Sérgio Guerra, têm aparecido na imprensa defendendo o governador goiano.

Com a ameaça, o líder do PSDB na Câmara, Bruno Araújo (PE), apressou-se em declarar que nenhum integrante da bancada pediu alguma decisão sobre o colega deputado.

Segundo ele – e apesar de fartas provas– dentro da legenda a situação de Lereia é, tranquila. No entanto, na Corregedoria da Câmara, o deputado Jerônimo Georgen (PP-RS) anunciou que deve pedir a abertura de um processo por quebra de decoro contra o congressista.

Isso porque, na semana passada, Lereia fez pronunciamento na Câmara parabenizando a Cachoeira, que fazia aniversário.

Responder

Senhor Andante

08/05/2012 - 21h11

… e a Cachoeira chegou a Minaçu – GO… Importante lembrar que Marconi decidiu uma eleição para prefeito na cidade do meio norte, onde seu candidato, Cícero Romão, não era favorito e após seu empurrão venceu inacreditavelmente. Acrescenta-se que o atual prefeito foi cassado diversas vezes pela justiça eleitoral, uma delas por “captação ilícita de sufrágio”, tendo retomado o cargo posteriormente. Embora eu não queria fazer qualquer apologia ao uso do crisotila e seu comprovado malefício, seria preocupação procedente da população de Minaçu o possível fechamento da SAMA dado que a cidade se confunde com a empresa (por vista aérea, a mina é territorialmente maior que a cidade) sendo que e a mineração, juntamente com a UHE Canabrava fazem parte da vida cotidiana e movimentam o comércio desta linda e tranquila cidade. Assim, concomitantemente a um possível fechamento da mina, caso ocorra, deveria haver política consistente de mitigação dos danos a serem causados à vida das pessoas, comércio, hotelaria, turismo, educação, entre tantos outros aspectos.

Responder

ccbregamim

08/05/2012 - 19h13

defender um cancerígeno comprovado..
que tipo de gente faz isso?

Responder

    Francisco

    08/05/2012 - 21h31

    Pessoas “democraticas”.

Jairo Beraldo

08/05/2012 - 19h03

O que está me assustando mesmo, é como a realeza M.Perigo, o cascateiro, de repente começou a anunciar obras, em vez de ficar rugindo que o governo anterior gastou tudo que podia e não podia e culpando o governo federal pela sua incompetencia…de repente apareceu uma cachoeira de obras e dinheiro para tocar estas obras…SERIA obra do DESCARREGO na CACHOEIRA????

Responder

Janah

08/05/2012 - 19h01

A cadeia para esses bandidos deveria ser construída de amianto. Tudo de amianto.

Responder

    grilo

    09/05/2012 - 09h55

    Certamente na casa deles não tem amianto.

Márcia

08/05/2012 - 17h35

Não sei, mas esse Gilmar me dá um asco! Será que é porque volta e meia o vejo assim como agora, a apertar mão de lobista do amianto? Será que esse grupinho aí nunca soube do terrível sofrimento e da morte em agonia das pessoas contaminadas pelo amianto?

Responder

Bley

08/05/2012 - 17h24

A organização criminosa que resulta da associação destes malditos personagens, Demóstenes, Perillo, Gilmar Dantas e os titereiros dos bastidores, evidencia a aspiração multitentacular das operações do grupo mafioso contra o Estado e o Bem do Povo Brasileiro. Gostaria, em consequência do post, que a blogosfera dos sujos passasse a ficar mais vigilante com a atuação dos diversos lobbies junto aos nossos parlamentares, em todos os níveis. Para, com efeito, podermos defender os interesses do Bem Público e de toda a sociedade, contraditando todo o nefasto dos interesses desses agentes do lucro a qualquer preço.

Responder

Jr. Dalprà

08/05/2012 - 16h53

Não vejo a hora de aparecer uma denúncia braba conta o Gilmar Dantas!

Responder

Luc

08/05/2012 - 14h27

Não, pára tudo aí!

O mais grave de tudo isso, a ser respondido com essa pergunta inocente:

O PSDB e o DEM são a favor do amianto???

Responder

Silva Ramos

08/05/2012 - 14h18

O Super supremos está em todas!

Responder

jb

08/05/2012 - 14h02

Estranho… muito estranho… onde esta o DEMOstenes esta o G.Dantas

Responder

Jaime

08/05/2012 - 13h34

Sabem, pior do que o amianto é um (a)ministro do Supremo.

Responder

nei

08/05/2012 - 12h41

Azenha,
O amianto é um caso de policia pelo mal que faz as pesoas. Aqui no Paraná no município de Quatro Barras e os nossos deputados estaduais, prefeitos e vereadores não tomam nenhuma medida. Uma vergonha.
Nei

Responder

KNeto

08/05/2012 - 12h37

Que coisa! Sempre o Gilmar Mendes!

Responder

    Valter

    08/05/2012 - 13h10

    Não é só o Gilmar Mendes! Os congressistas (Deputados e Senadores) é que são os principais responsáveis por negligenciarem a importância da saúde dos brasileiros e priorizarem os interesses empresariais criminosos que financiam suas campanhas políticas! Poucos são os que não se vendem…Raros são os corajosos que enfrentam os poderosos que desdenham do bem estar da população!

    Serrote

    08/05/2012 - 16h13

    Vai ver que têm fábrica de remédios. É o tipo de negócio gerando mais negócio.

AlvaroTadeu

08/05/2012 - 12h36

Grandes descobertas científicas mostraram-se depois danosas e lesivas à saúde. A cocaína, foi proibida em 1910 nos Estados Unidos e nos anos 30 no Brasil. O DDT, que fez um enorme sucesso após a II Guerra Mundial, acabou sendo banido nos anos 70 do século XX. O amianto, há quarenta anos já se sabe de seus malefícios, mas vergonhosamente ainda não foi proibido no Brasil. 1. É inegável que Gilmar Dantas e Demóstenes Torres tinham uma sólida parceria que precisa ser investigada a fundo, com o necessário impeachment do ministro a ser votado no Senado Federal; 2. Os principais personagensdo escândalo patrocinado por Carlinhos Cachoeira também estão lá; 3.Os médicos que escreveram os trabalhos defendendo o indefensável (amianto) também devem ser investigados, mas por suas universidades e Conselho Federal de Medicina

Responder

TANCHIM

08/05/2012 - 12h30

Vendo estas fotos, me vem a lembranças das noites de samba, onde bailavamos sem intervalo, só paravamos quando algém falava: E se gritar paga………. não fica um meu irmão! se gritar………………. não fica um.

Responder

Deixe uma resposta