VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

O baile Ninja na bancada do Roda Viva

06 de agosto de 2013 às 16h44

Leia também:

Helena Chagas diz que governo desconcentra verbas publicitárias

Miguel do Rosário: Globo cobrada em R$ 615 milhões por sonegação 

Altercom: Relatório da Secom comprova concentração de verbas

Pimenta cobra; Secom diz que faz mídia “técnica”; Globo recebeu R$ 5,86 bi

Renato Rovai: A chamada mídia técnica versus a qualidade democrática

Venício Lima: Por que o governo deve apoiar a mídia alternativa

 

46 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Da Lama ao Caos* | Árvores de Natal

09/08/2013 - 19h23

[…] o que assimilei da entrevista que os porta-vozes (Messias? Poderosos chefões?) deram ao Roda Viva  é que o Fora do Eixo é uma cooperativa cultural difusa pelo Brasil. As diversas estações […]

Responder

Taiguara

08/08/2013 - 08h19

Gostei do senhor do Observatório da Imprensa. Ele foi o único que não teve raiva dos meninos, mas admiração. Os próprios meninos relaxavam e sorriam quando a pergunta vinha dele. Os demais pareciam gatinhos acuados, com muito medo. Foi constrangedor.

Responder

Francisco

07/08/2013 - 21h59

Nietzsche dizia que super-homem é o homem que tenta sinceramente.

Escravo, dizia ele é quem nem tentar, tenta…

Fizeram mais do que eu: são super-homens ninja.

PS. O que me cabe é escolher um super-heroi e sê-lo.

Responder

Fabio Passos

07/08/2013 - 19h15

O ponto fraco para este novo modelo hoje no Brasil é a falta de uma rede pública que universalize o acesso da população a rede.

Temos um governo submisso a lógica do mercado.

Um ministro das comunicações sentado encima do PNBL… e assistindo passivamente cias transnacionais incompetentes e inescrupulosas oferecendo péssimos serviços a preços que são um roubo!

É dever do Estado garantir que todo brasileiro tenha acesso a rede… e assim a possibilidade de todo cidadão escapar do lixo produzido pelo PiG.

Responder

Fabio Passos

07/08/2013 - 18h53

Muito bom.
O PiG já era. rsrs

Responder

Ernesto Aguiar

07/08/2013 - 17h28

O discurso dos caras é interessante, porém achei confusa a organização e o financiamento do Fora do Eixo. Carece de mais esclarecimentos.

Responder

Elias

07/08/2013 - 12h55

Ótimo título: “O baile Ninja…”. Dia 05/08/2013 o Roda Viva foi virado do avesso. Bruno Torturra e Pablo Capilé deram tantos olés no time da imprensa velha que só sobrou o Dines. E olhe lá. Paulo Caruso se esforçou com suas charges e mal conseguiu um risinho aqui, outro acolá. Pra encurtar logo o meu comentário, vou apenas lembrar Pablo Capilé dando um chapéu no ombudsman da FolhaSP, Suzana Singer, quando esta levantou o problema da “imparcialidade”. Capilé de um show de argumento. (está em 1:17:25)

Ah! É bom lembrar também. Logo no início, Mario Sergio Conti perguntou: “O que é Mídia Ninja…e se vocês consideram o que fazem é jornalismo?” Bruno Torturra respondeu na lata. “Bom, antes de mais nada é uma sigla que significa: Narrativas Independentes Jornalismo e Ação. É uma rede de jornalismo independente que já começou há muito mais tempo que as pessoas imaginam…dez anos…a gente faz jornalismo sim, eu acho até curioso que ainda é uma dúvida…”.

PS: Uma expressão velha para algo tão novo, mas vou dizer: os rapazes “lavaram a égua” nesse último Roda Viva. Aliás, último mesmo porque Augusto Nunes será o mediador a partir da próxima segunda-feira. E se chamavam já o Roda Viva de Roda Morta, agora é só tratar do sepultamento.

Responder

Mameladov

07/08/2013 - 11h22

Eu duvido – e tenho direito a duvidar de qualquer coisa porque não estamos em uma ditadura – que essa garotada não receba recursos de entes governamentais.

Responder

    Paulo Figueira

    07/08/2013 - 16h40

    Folha, Veja, Globo podem né?

    Francisco

    07/08/2013 - 21h49

    Pelo menos pagam o imposto de renda…

    Abolicionista

    09/08/2013 - 16h26

    Pagam imposto? Kkkkkkkk ah, as Pollyanas.

    NPFREITAS

    07/08/2013 - 23h58

    Para o Francisco (21h49): Quem paga o imposto de renda? A platinada SONEGA.

Anibal Paz da Silva

07/08/2013 - 11h16

Espetacular, vida longa a nossos jovens jornalistas do rede ninja. Mídia imparcial, não precisamos filtrar a informação, foi na mosca. Velha imprensa, que manipulou e continua distorcendo informações, até quando?? penso que falta bem pouquinho!!!

Responder

M D

07/08/2013 - 10h56

Gostei parcialmente, perderam algumas oportunidades de dar uma porradinha, mas não os condeno porque eles são jovens, estavam nervosos podem ter se sentidos intimidados. Faltou dar nome a alguns bois. É mais fácil vendo de fora na frieza da distância. Vamos aguardar e torcer para não serem cooptados.

Responder

Lucila

07/08/2013 - 10h40

Muito boa, mesmo. Acho lindo o Brasil sendo arejado dessa forma. Não é partido, o veículo ou o modelo de negócio que deve importar. Mas a força de trabalho e o trabalho em sim. E acho incrível que isso venha sendo mostrado pelo setor de serviços de entretimento, o primeiro a desgastar com essa sociedade em rede que começou a se formar nos anos 90, como eles discutiram. Muitos tuiteiros criticaram o “modelo de negócio” apresentado pelo Pablo Capilé. Eu não entendo muito de Economia, mas é incrível como ele se parecia aos processos econômicos naturais (ecológicos), no que diz respeito a circulação de recursos, aos estoques e a importância difusa dos diversos membros da rede. É sustentável e, talvez, seja o futuro dos mercados de serviços, mesmo. Sem contar a importância da Mídia Ninja que transforma o ativismo de sofá em ativismo real, uma vez que os espectadores interagem entre si, com os repórteres, com os manifestantes in loco, com os antagonistas, fazendo com que a manifestação real ganhe inúmeros ativistas no mundo virtual, ao mesmo tempo em que são registrados os fatos. É impressionante, devemos admitir.

Responder

    NPFREITAS

    08/08/2013 - 00h01

    Mesmo não entendendo tudo, amei sua abordagem.

Lucas Gomes

07/08/2013 - 10h40

uma verdadeira aula sobre mais-valia!

Responder

    Leo V

    07/08/2013 - 17h18

    De mais-valia eles realmente entendem muito bem.

David

07/08/2013 - 10h28

A velharia tomou um baile! Aqui é ninja manolo!

Responder

augusto2

07/08/2013 - 09h42

-qual é a da midia grobo dando mto espaço de noticiario agora contra o velha aliada tucanagem de SP? De revelar e insistir detalhes do cartel Metrô?
o que tem atras disso?

Responder

Luiz Otávio

07/08/2013 - 08h47

PT(quadrilha) PSDB (suspeita de cartel); PT (corrupto) PSDB (beneficiário; PT (paraísos fiscais) PSDB (países que geralmente não controlam a entrada de dinheiro); PT (empresas de fachada) PSDB (offshores); PT (envolvidos) PSDB (vítimas) e no ano passado o ‘Fantástico’ fez uma denúncia bombástica sobre fraude em licitações em hospitais. Ficam REVOLTADOS com o roubo do farelo por uns, mas não se incomodam com o roubo da padaria por outros.

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2012/03/fantastico-mostra-como-e-desvio-de-dinheiro-em-um-hospital-publico.html

Responder

Moyses Nunes

07/08/2013 - 04h15

Este foi o mais extraordinário debate no Roda Viva que assisti! Uma lição que várias utopias de conjecturas do passado já são uma realidade não só sobre jornalismo e informação, mas também sobre processos que sinceramente duvido que todos os entrevistadores entenderam. Midia Ninja não é somente um grupo, são um exemplo! Eles representam o novo da Era da Informação. Showww!!!

Responder

Marco

06/08/2013 - 23h51

Os garotos arrebentaram!!!! Este programa foi emblemático. Ficou claro a dificuldade dos componentes da bancada de entrevistadores de entender o que aconteceu nas manifestações e na nova forma de comunicação dos “Ninja”. Alguns entrevistadores tentaram desqualificar o trabalho dos garotos utilizando-se para isso de certo cinismo! Como diz o ditado popular: “Os entrevistadores foram tosquiar e saíram tosquiados”!!!

Responder

Abolicionista

06/08/2013 - 22h25

Essa entrevista foi reveladora. Incrível o silêncio que se segue ao questionamento sobre a demissão de Heródoto. A TV cultura é um braço da ala serrista do PSDB. Marcos Mendonça pediu a cabeça de Mario Sérgio Conti por ele ter chamado o FHC para o RodaViva. Como se não bastasse, chamou o vociferante Augusto Nunes para substituí-lo. A situação dos jornalistas da grande mídia é digna de pena. A mídia nonja pode e deve ser discutida em suas contradições, mas são infinitamente mais arejados que os dinosauros da grande mídia

Responder

Anderson Santos

06/08/2013 - 21h46

A frase da camiseta do cara deveria ser “Cadê os R$ 500 milhões desviados do metro de SP pelo PSDB?

Responder

    Taiguara

    08/08/2013 - 08h14

    Muito bairrista apontar um problema só de São Paulo. Há desvio em todos os estados do Brasil. Acertou o menino Ninja.

PauloH

06/08/2013 - 21h25

Muito interessante a ideia de que vai acabar essa quimera chamada “midia imparcial” e a tendência é que existam milhares de fontes abertamente engajadas, dentre as quais as pessoas escolherão o que absorver. É compreensível que jornalistas mais antigos fiquem incomodados com o fim da imprensa vertical. Mas também duvido que mesmo eles acreditem na existância dessa imparcialidade.

Responder

FrancoAtirador

06/08/2013 - 20h54

.
.
Os empresários da Mídia Mercantil e seus lacaios retransmissores ideológicos,

que tratam seus leitores/telespectadores como meros consumidores otários,

jamais entenderão o significado do compartilhamento coletivo da informação

nem nunca compreenderão a importância da comunicação como valor educacional

para o desenvolvimento político e o engrandecimento cultural de uma Nação.

Os jovens da Mídia Ninja deram uma aula, mais do que de jornalismo, de cidadania

a esses crápulas capitalistas que pensam as pessoas como números e cifrões.
.
.

Responder

JULIO*Dilma2014/Contagem(MG)

06/08/2013 - 20h39

Os caras são ninja mesmo, muito bom, espetacular, estrup… o roda morta e
os jornalistas da midia golpista, deu dó ver a cara de pena da mulher da
rolha de sumpaulo, ficou arrolhada,engarrafada e desmoralizada.

Responder

Edson (BH)

06/08/2013 - 20h10

Cara, Só ví uns minutos. vou terminar em casa.. Mas que aula!

Responder

    Mário SF Alves

    06/08/2013 - 21h20

    Edson, de tão bom que foi vale ver, rever e ver de novo e rever e ver novamente e rever… Não dá pra perder. Tem fundamento até pra uma nova e necessária tese política. Muito além daquela estrategiazinha da mídia corporativa golpista quando se referia ao ex-ministro José Dirceu como o chefe do “núcleo duro” da Governo. Lembra? Pura fábula. Creio que nada muito distante do “… que bela voz, oh! magnífico corvo…”

José Geraldo Fábio

06/08/2013 - 20h10

Os representantes dos jornalões não tiveram dificuldade de entender o finaciamento do Mídia Ninja. Estavam fazendo o que sempre fazem: criminalizar tudo o que movimento social inovador.

Responder

francisco c c pessoa

06/08/2013 - 19h25

Os meninos deram o recado muito bom adorei.

Responder

Sandra

06/08/2013 - 18h44

Muito bom! Impressionante como os jornalistas tiveram dificuldade de entender o financiamento público por meio de editais. Eu fico pensando como que para esses jornalistas é inviável pensar financiamento público sem que jornalista esteja vendido. E os editais para financiamento de pesquisa? Quando ganhamos um financiamento para uma pesquisa, esse dinheiro sendo público, significa que ficamos reféns do setor público? É um grande equívoco. E tanta coisa para perguntar o foco fica no dinheiro.

Responder

ana paula monteiro

06/08/2013 - 18h27

Não vi baile nenhum, só uma dancinha fraca. O que eu vi foram dois meninos rápidos com as palavras para esconder sua intimidação diante dos jornalistas da grande mídia, pois tiveram ótimas oportunidades de desvelar estratégias clássicas de manipulação e distorção que sofreram na própria entrevista e não o fizeram. Como todo mauricinho que quer ser politicamente correto, “dialogam” com PT, FHC, Marina, como forma de escamotear o medo de reconhecer o papel histórico do PT junto aos movimentos sociais. Entraram bonitinho no desvio de assunto que os seniors deram com a “valiosa” opinião de FHC sobre drogas. Também não vi muito conteúdo político, apenas uma repetição vazia sobre “militância político cultural dialógica” (a quem esse bicho serve?). Sem falar que reduziu à simples paranóia todo o poder de alienação da mídia. É certo que foram felizes ao relatarem à diferenciação de tratamento dado aos partidos, mas fugiram de uma pergunta simples e direta. “A Mídia persegue o PT? Resposta: Não necessariamente!” Pelo amor de Deus!!!!???? Para jovens que se consideram tão ousados, achei as respostas muito educadinhas. Se o futuro do jornalismo crítico é isso aí……

Responder

    edir

    06/08/2013 - 19h14

    concordo plenamente com voce.

    Paulo Cesar

    06/08/2013 - 23h03

    Discordo plenamente de vocês.

    Cristiano

    07/08/2013 - 18h29

    Também discordo, mas ele, Capilé, poderia ter dito que a imprensa protege ou alivia para o PSDB, isso ele podia, deixando para a ombudsman da FolhaSP a livre escolha: persegue o PT ou alivia para o PSDB.
    De qualquer sorte, nessa hora, eles deram um baile.
    Quando o Torttura fala também do cinismo atual dos jornalistas… SILÊNCIO!

    Paulo ETV

    06/08/2013 - 20h59

    fundamental notar que foram educados e respeitosos com pessoas que estavam nitidamente incomodadas ,no esplendor da própria arrogância dos usos e costumes de ser um marionete dito jornalista.

    se fosse o caso de ser sem educação ,só caberia uma resposta:

    HIPÓCRITAS TODOS ,INCLUINDO O MAIS VELHO!!(que não se deu o respeito,vergonha).

    foi aí que eles acertaram ,parabens aos pais dos dois rapazes ,pois souberam mostrar um mundo onde o respeito ainda é a melhor estratégia.

    renato

    06/08/2013 - 22h42

    Assisti, Capilé deu show, falou um monte de coisas, ocupou seu espaço,não foi mal educado, colocou de forma elegante a jornalista em seu devido lugar, e o seu lugar era depois dele. Falou muitas coisas que aqui se falam de jornalistas mal intencionados.
    Já o Bruno, gaguejou para não ter que dar de frente, PRINCIPALMENTE quando eles perguntaram se ele fazia parte do PT já que tinham uma foto dele com Dirceu. Deu um passo para tras.
    PT é partido para se respeitar. Não é porcaria.
    Mas mesmo assim gostei….principalmente de ver dois dos jornalistas vermelhos que nem pimentão, não sei se era pressão alta.

    Icaro

    06/08/2013 - 23h41

    comentário perfeito!
    já desisti dos jovens atuais, leem pouco,
    nada de análise da situação com mais profundidade,
    resultado de excesso de web, com informações fragmentadas.
    muita vontade!
    pouca compreensão!
    Vale a Intenção! é o que se diz no Brasil.

    Mario Alexandre

    06/08/2013 - 23h47

    Perfeita análise. A tremedeira de voz do Bruno evidenciou isso. E, fazer parte dos que apoiam a fundação a REDE já é demais. Foi uma tremenda decepção. Os velhos levantaram a bola, era só cortarem mas não souberam e qdo tentavam, vinha um espertinho e cortava o assunto e dois NINJAS não percebiam isso. Porra, que papo é esse que 70% vai para apenas ‘uma emissora’. Falem em português claro que é a Globo. O que me irrita é jornalistas experientes forçarem e colocarem essa cabeça mentirosa. Não houve baile nenhum. Sempre qdo isso acontece não me vem outra ideia na cabeça, de que se esatarem um dia no poder farão isso, manipularão da mesma dorma que fazem os que o criticam. Essa frase é uma mentira deslavada, manipulação pura do que houve. NÃO HOUVE BAILE NENHUM.

    Taiguara

    08/08/2013 - 08h47

    Respeito tua opinião, porque também, do meu sofá, achei que eles poderiam ter sido muito mais contundentes e terem constrangido muito mais a mídia tradicional e tudo o mais. Agora, será que estar lá no estúdio frio de frente com o poderoso PIG que a todos devorou por tantos anos, precisando medir palavras para não serem utilizadas contra eles e sua organização, frente a entrevistadores notadamente raivosos pela crítica que vêm recebendo publicamente desde as manifestações, respondendo perguntas complicadas como partidarismo político e a organização NINJA, escapando de armadilhas como as perguntas negativas e outras, sendo dois contra vários, todos ícones em seus ramos, será mesmo que não precisamos dar um belo desconto a esses caras? Já te imaginaste no lugar deles, naquela situação? A gaguejada do Bruno não foi nada. Algumas respostas aparentemente descomprometidas do Capilá não foram nada, não devem levantar suspeitas, na minha opinião. É o exato caso de prestar depoimento em casa ou numa delegacia de policia. Por que razão a polícia faz interrogatórios na delegacia? Porque lá a pessoa está fora de seu domínio, é muito mais complicado. Agora, imagina os mennos ali naquela situação. Quanto a apontar culpados, o Lula é um exemplo de que no começo dava nome a todos os bois, como tu preconizas e criticas que os meninos não o fizeram. E, no entanto, o Lula hoje… Será que eles precisavam mesmo atacar nominalmente para serem respeitados? Temos que torcer e apoiar como podemos esses movimentos de horizontalização da mídia, porque é a mídia que acaba influenciando a opinião das pessoas e o Brasil hoje assisti ao SBT, Globo, Rede Record e Bandeirantes, basicamente. Todos muito anacrônicos. Sugiro prestarmos atenção e apoiarmos o movimento como um toso, não apenas o grupo NINJA. Se no futuro eles tropeçarem a gente critica, mas nessa entervista, merece nosso aplauso.

    tiago

    07/08/2013 - 00h30

    eh isso ai ana, e sem falar no fora do eixo que eh a coisa mais picareta q existe em termos de musica no brasil atualmente

Fernando Garcia

06/08/2013 - 18h19

Um baile de fato… na verdade, tinha ficado bem decepcionado com o coletivo Ninja por ocasião da entrevista com o Eduardo Paes quando, justiça seja feita, tomaram um baile do prefeito.

Em uma hora e meia de entrevista, não souberam fazer uma crítica, das várias que podem ser feitas, que tenha ficado de pé.

Noves fora, vida longa a mídia Ninja! No mais, digo o seguinte: Azenha/Conceição vocês deveriam dar um toque nesse pessoal sobre como tentar se financiar por doações, como é feito no Viomundo. Este modelo, que chega agora no Brasil, tem grandes chances de dar certo por estas bandas.

Responder

Scan

06/08/2013 - 17h39

Eugênio Bucci é verdadeiramente escroto.

Responder

Deixe uma resposta