VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Ministro Padilha, até quando vai dar dinheiro do SUS para SP entregar aos planos privados?

11 de agosto de 2011 às 15h05

por Conceição Lemes

Nessa terça-feira, 9 de agosto, o Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE) deu entrada à ação civil pública, com pedido de liminar, contra a lei estadual que permite aos hospitais públicos geridos por Organizações Sociais de Saúde (OSs) destinar até 25% dos leitos e outros serviços para planos de saúde e particulares.

A ação responde à representação de diversas entidades da sociedade civil, entre as quais o Grupo Pela Vidda-SP, que a liderou, o Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo (Cosems/SP) e o Conselho Estadual de Saúde, cujo presidente é o próprio Secretário estadual da Saúde.

Assinam-na os promotores Arthur Pinto Filho e Luiz Roberto Cicogna  Faggioni, da Promotoria de Justiça de Direitos Humanos e Saúde Pública do MPE. Eles pedem à Justiça que declare a inconstitucionalidade e ilegalidade da lei paulista, além de impedir que o governo estadual celebre contratos de gestão, alterações e aditamentos entre OSs e planos de saúde.

A lei em questão é a complementar nº 1.131/2010, mais conhecida como Lei da Dupla Porta, do ex-governador Alberto Goldman (PSDB), aprovada pela Assembleia Legislativa e  regulamentada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), mediante o decreto nº 57.108/2011.

Sábado passado, 6 de agosto, a Secretaria Estadual de Saúde publicou no Diário Oficial do Estado a resolução nº 148, que autoriza os dois primeiros hospitais públicos a vender 25% da sua capacidade para usuários privados.  São o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) e o Hospital de Transplantes do Estado de São Paulo “Dr. Euryclides de Jesus Zerbini”, ambos de alta complexidade.

“Permitir que os hospitais geridos por OSs vendam até 25% dos seus serviços para  planos de saúde é a prova provada de que esse sistema é muito mais caro do que a administração direta”, alerta o promotor Arthur Pinto Filho. “É a forma mais cruel que o estado de São Paulo poderia ter arrumado para capitalizar a saúde, já que seus hospitais públicos de alta complexidade são claramente insuficientes para atender à demanda dos usuários do SUS [Sistema Único de Saúde].”

Os hospitais de alta complexidade são o maior gargalo da rede pública de saúde. Em vez de diminuí-lo, para melhorar o acesso à assistência, o governo paulista vai aumentá-lo, tirando-lhes até 25% da capacidade para entregar de bandeja aos planos de saúde e particulares.

Em português claro: o governo paulista escolheu sustentar um modelo de gestão que está fazendo água – tem um rombo de R$ 147 milhões — à custa de uma perversão.

Os dois vão lucrar. O governo tucano manterá a forma de gestão pelas OSs, um sistema financeiramente falido. E os planos de saúde vão receber 25% dos leitos públicos sem investir um tostão nos hospitais públicos.

É mel na sopa para os planos e seguros de saúde. Em São Paulo, o setor suplementar vive um “overbooking hospitalar”: como os planos de saúde venderam mais do que a capacidade da rede conveniada – só em 2010, houve crescimento de 10% –, os pronto-socorros estão lotados e há fila para internação de clientes de planos, pois faltam vagas.

Daí por que os planos só têm a ganhar com a lei paulista. Além de desonerar os seus custos, ao usar a capacidade instalada dos hospitais públicos, eles “turbinam”  sua rede credenciada de alta complexidade, hoje medíocre e insuficiente.

“Os planos lucram agora e certamente serão generosos em ano eleitoral”, conjectura Mario Scheffer, especialista em saúde pública e presidente do Grupo Pela Vidda-SP, com base em estudo feito por ele e a médica sanitarista e doutora em saúde pública Lígia Bahia, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). “Em 2010, sem contar possível caixa 2, os planos de saúde deram R$ 12 milhões declarados para campanhas eleitorais, inclusive do governador Geraldo Alckmin.”

Desde já, Scheffer prevê:

1. Ao ostentar em suas redes credenciadas os hospitais do SUS, os planos de saúde exigirão como contrapartida o atendimento diferenciado de seus clientes.

2. Os usuários de planos, já com o diagnóstico em mãos, serão atendidos rapidamente, enquanto os usuários do SUS, até serem encaminhados pela rede básica, aguardarão meses para o agendamento. “É assim que funciona a dupla porta do Incor e do complexo HC-FMUSP, modelo que agora será estendido ao Icesp e ao Hospital dos Transplantes”, ressalta Scheffer.

“Os que tentam recobrir a discussão com verniz caritativo mais parecem corretores de imóveis negociando nacos de serviços públicos, na lógica de que os pacientes se dividiriam entre SUS-não-pagantes e planos-pagantes, os salvadores da pátria”, detona a professora Lígia Bahia. “Mas as contas não fecham, até porque os valores da remuneração dos planos são muitas vezes mais baixos que os praticados pelas instituições oficiais.”

Como boa parte dos hospitais geridos por contratos de gestão via OSs está quebrada, precisando “para ontem” de dinheiro novo, as organizações sociais de saúde não contempladas nesse primeiro momento vão pressionar a Secretaria Estadual  para também vender até 25% dos seus serviços.

Resultado: para reduzir o rombo nas OSs se ampliará a exclusão dos mais pobres, indo contra a Constituição Federal, pois fere o princípio da isonomia, e ainda destruirá o próprio SUS.

Por isso, ministro Alexandre Padilha, pergunto ao senhor o que as mais de 40 entidades que subscreveram a representação ao Ministério Público gostariam de saber:

1) Até quando o Ministério da Saúde vai continuar dando dinheiro para São Paulo entregar aos planos privados de saúde?

2) Não seria o caso, ministro,  de já iniciar o processo de desabilitação de São Paulo da gestão plena do SUS?

Financiar a saúde privada em detrimento do SUS não tem cabimento, é demais.

Alckmin vende até 25% dos leitos hospitalares do SUS para reduzir rombo de R$ 147 milhões nas OSs

Hospitais públicos gerenciados por OSs: o rombo acumulado é de R$ 147,18 milhões

MP acata representação contra lei que vende 25% dos serviços do SUS a planos de saúde

Veja aqui como os cofres públicos são assaltados, no Brasil, na cara dura

Meu twitter: @conceicao_lemes, siga à vontade.

 

50 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Para o bem da saúde pública dos paulistanos, Haddad precisa abrir a caixa-preta das OSs « Viomundo – O que você não vê na mídia

30/10/2012 - 21h11

[…] Ministro Padilha, até quando vai dar dinheiro do SUS para SP entregar aos planos privados? […]

Responder

Julinho de Adelaide

17/09/2011 - 12h56

E aí Ministro Padilha, qual vai ser a atitude do governo federal? Mandar dinheiro SUS pra São Paulo financiar o fim dos serviços públicos de saúde e a opção pelas OSs que não prestam contas e cujos servidores não tem estabilidade? Quer dizer então que a responsabilidade pela ausência de gestão do sistema SUS é da estabilidade dos servidores? Não será a estabilidade do servidor um sistema de controle interno do executivo, uma defesa contra ingerências político-partidárias no funcionamento dos serviços públicos? Será uma maravilha o mundo das OSs sem o crivo do tribunal de contas, processos seletivos que atendem interesses privados, demissões àqueles que observarem "problemas na gestão dos recursos SUS". Lembrando também que o governo do Rio de Janeiro, gerente que se confessa incapaz de fornecer promoção da saúde adequada, um dos aliados do governo Dilma, quando adota a linha paulista da privataria do SUS. Tá na hora de acabar com isso. Dupla porta é eufemismo para sistemas de saúde distintos dentro do sistema único (que ironia fina). Com a palavra o Ministro Padilha.

Responder

Mário Scheffer: “Lei da Dupla Porta é o maior ataque ao SUS desde o PAS, do Maluf” | Viomundo - O que você não vê na mídia

22/08/2011 - 15h34

[…] Depois, uma vez regulamentada, os promotores Arthur Pinto Filho e Luiz Roberto Cicogna  Faggioni, da área de Direitos Humanos e Saúde MPE-SP, entraram com ação civil pública na Justiça para derrubar a 1.131/2010. […]

Responder

Planos privados de saúde vão economizar e paulistas pagarão a conta « A SAÚDE que temos, o SUS que queremos.

18/08/2011 - 00h38

[…] PS 1 do Viomundo: Considerando que a lei paulista é anti-SUS, reitero ao ministro da Saúde, Alexandre Padilha,  as perguntas que fiz na reportagem publicada em 11 agosto: […]

Responder

Arthur Chioro: Planos privados de saúde vão economizar e paulistas pagarão a conta

15/08/2011 - 23h50

[…] PS 1 do Viomundo: Considerando que a lei paulista é anti-SUS, reitero ao ministro da Saúde, Alexandre Padilha,  as perguntas que fiz na reportagem publicada em 11 agosto: […]

Responder

Arthur Chioro: Planos privados de saúde vão economizar e todos os paulistas pagarão a conta | Viomundo - O que você não vê na mídia

15/08/2011 - 11h52

[…] PS 1 do Viomundo: Considerando que a lei paulista é anti-SUS, reitero ao ministro da Saúde, Alexandre Padilha,  as perguntas que fiz na reportagem publicada em 11 agosto: […]

Responder

LuisCPPrudente

12/08/2011 - 23h45

Na reunião anual dos pássaros do mundo, um pássaro brasileiro estava se sentindo muito mal, pois todas as vezes que o seu nome era anunciado, a maioria dos demais pássaros olhava desconfiado para ele e colocava suas asas no bolso para ver se não faltava nada. Desgostoso este pássaro pediu uma audiência com Deus e solicitou do mesmo a mudança de nome, pois ele não queria ser mais chamado daquele nome. Ele explicou que no Brasil um grupo de pessoas utilizou o seu nome, no início ele achou que era uma boa, mas com o passar dos anos ele percebeu que perdeu valor e passou a ser sinônimo de coisa ruim. Assim, dessa forma, começou a bulinagem geral com ele, onde ele passava, os demais animais e pássaros conferiam se não faltava nada nas suas casas. O gato e a raposa passaram a ter mais crédito do que ele, tudo isto só por causa das ações de um grupo de pessoas que se reuniram no distante ano de 1988, que chegaram ao poder e disseram que ficariam mais uns vinte anos no mesmo. Este pássaro disse que nem mesmo as criancinhas gostavam mais de sonhar com ele, pois sonhar com ele significa faltar alimentos, piorar o nível das escolas, aumentar o número de pedágios pelas estradas, tornar particular para uns poucos o que era público e acessível à maioria.

Responder

Alexandre Moura

12/08/2011 - 22h05

É bem a cara do PSDB. A lei é absolutamente inconstitucional, pois "privatiza" serviço público essencial, retirando leitos e vagas da rede pública a fim de que sejam explorados pela iniciativa privada. Como o Paulista consegue votar nesse partido ainda? o que se passa com o povo aí de São Paulo?

Responder

Pilantropia do governo Alckmin: dinheiro do SUS para planos privados. E tem mais | Paraná Blogs

12/08/2011 - 16h39

[…] URGENTE: BARRAR A PILANTROPIA DO GOVERNO ALCKMIN NA ÁREA DA SAÚDE Viomundo Ministro Padilha, até quando vai dar dinheiro do SUS para SP entregar aos planos privados? – por Conceição Lemes Nessa terça-feira, 9 de agosto, o Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE) deu entrada à ação civil pública, com pedido de liminar, contra a lei estadual que permite aos hospitais públicos geridos por Organizações Sociais de Saúde (OSs) destinar até 25% dos leitos e outros serviços para planos de saúde e particulares. A ação responde à representação de diversas entidades da sociedade civil, entre as quais o Grupo Pela Vidda-SP, que a liderou, o Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo (Cosems/SP) e o Conselho Estadual de Saúde, cujo presidente é o próprio Secretário estadual da Saúde. Assinam-na os promotores Arthur Pinto Filho e Luiz Roberto Cicogna Faggioni, da Promotoria de Justiça de Direitos Humanos e Saúde Pública do MPE. Eles pedem à Justiça que declare a inconstitucionalidade e ilegalidade da lei paulista, além de impedir que o governo estadual celebre contratos de gestão, alterações e aditamentos entre OSs e planos de saúde. Por isso, ministro Alexandre Padilha, pergunto ao senhor o que as mais de 40 entidades que subscreveram a representação ao Ministério Público gostariam de saber: 1) Até quando o Ministério da Saúde vai continuar dando dinheiro para São Paulo entregar aos planos privados de saúde? 2) Não seria o caso, ministro, de já iniciar o processo de desabilitação de São Paulo da gestão plena do SUS? Financiar a saúde privada em detrimento do SUS não tem cabimento, é demais. Saiba mais http://www.viomundo.com.br/denuncias/mp-sp-vai-a-justica-contra-a-lei-para-oss-a-forma-mais-cruel-pa… […]

Responder

beattrice

12/08/2011 - 13h00

A situação das OS em SP, seja na capital ou no interior, é absolutamente escandalosa.
E o sistema dupla porta deveria simplesmente ser criminalizado, criado no HC-FMUSP, segundo consta, alastrou-se como uma praga por todo o setor público e agora avança até nos hospitais-escola da rede privada, que também recebem verba SUS e MEC.
Até onde isso vai se o Ministério age com bico e pena como se tucano fosse?

Responder

Reg

12/08/2011 - 11h53

Isto tem cara de corrupção.
Investigação na saúde também.
Escancarar a devassa.

Responder

operantelivre

12/08/2011 - 11h24

Ô Dilma, dá um conselho pro Padilha.

Responder

    beattrice

    12/08/2011 - 13h01

    Um conselho ou um boné pra seguir viagem?

Paulo Roberto

12/08/2011 - 11h18

Com a palavra, os tucanos e demos paulistas…

Responder

operantelivre

12/08/2011 - 11h16

Ô Dilma, dá um conselho pro Padilha.
Vai prá casa Padilha, tire uma licença médica.

Responder

Antonio

12/08/2011 - 10h57

Os tucanos são perigosos. Eles agem subterraneamente para acabar com os serviços públicos, desmantelar o Estado e ainda lucrar muito com isso. FHC deu a pista, aliás uma pista imensa que quase destruiu o Brasil.
Em minha região, na cidade de São Paulo, eu me lembro que no ano de 2010 duas mulheres morreram de câncer sem terem atendimento, pois o Serviço Público marcou exames para depois de três, seis meses e elas nem conseguiram fazê-los.
Por conseguinte, Jestão Tucana mata. Mata de doença, mata de violência, mata de fome.
Nas próximas eleições, temos que trabalhar para mandar esses pilantras para casa.

Responder

    beattrice

    12/08/2011 - 13h02

    O PSDB não vai pra casa, porque o PT-SP se sente em casa, não tem oposição de fato no Estado.

Pedro Luiz Paredes

12/08/2011 - 10h50

A verdade é que estamos rezando para o santo errado pois mais de 80% da demanda do SUS traduz a falta de saneamento básico e higiene, coisa que só vai mudar com educação, boas campanhas e saneamento básico.
O resto é "blábláblá"

Responder

    Silvio I

    12/08/2011 - 20h24

    Pedro Liz Paredes:
    Todo isso deve ser ensinando na casa e na escola, a os meninos. Porque a escola não sô deve ensinar que dois mais dois são quatro. Esta deve ensinar a serem cidadãos livres bem educados e ensinar o que alguns dirão que são detalhes, mais que tem sua importância. Exemplos: porque jogamos papel, cigarros etc. na rua. Porque passamos na metade do quarteirão, e não passamos na zebra, isso em ruas de trânsito grande.Porque não damos o assento ao idoso ,a mulher grávida,inclusive nos fazemos os dormidos, estando ocupando um assento reservado.E não será necessário ter um assento reservado, entra no veiculo uma pessoa idosa, ou uma mulher grávida ,ou um deficiente físico,e se deve dar o assento.A escola deve ser a continuidade da educação na casa.Si em essa casa por diferentes razoes, não se da educação, a escola deve cobrir essa deficiência.Ensinando ao menino, nos teremos no futuro um Brasil totalmente civilizado,culto, e de homens cidadãos.

lleandro

12/08/2011 - 07h47

e impressão minha ou os debates sobre o mar de lama federal estão batidos do blog?

Responder

    RicardãoCarioca

    12/08/2011 - 14h33

    O governo federal combate a corrupção, ou você não está assistindo prisões e demissões dos corruptos? E o que você vem assistindo em termos de combate à corrupção nos governos de SP ou de MG?

Yarus

12/08/2011 - 06h59

Eu quero é novidade em termos de Privataria da Tea Party paulista.

Responder

rita

11/08/2011 - 23h42

na minha cidade o hospital que concentra o atendimento SUS já anda atendendo convenios.é um hospital ligado a uma faculdade de medicina estadual.

Responder

Ignez

11/08/2011 - 23h12

Esse partido de assaltantes do dinheiro público – que está há 20 anos no poder em SP – não para de esbravejar sobre a questão da ética. Como se eles soubessem o que é isso. Talvez o enfoque certo seja: como eles são os maiores assaltantes dos cofres públicos, então eles sabem bem os "pecados" que cometem. O discurso que fazem – com o apoio do oligopólio midiático, verdadeira oposição ao Brasil – tem como objetivo "capturar" as mentes de homens e mulheres com a falácia da ética. Não importa o quanto o Brasil cresça, quantos empregos sejam criados, etc.. Eles vão desconstruindo tudo. O Estado de São Paulo, governado pelos PSDB, é o mais corrupto de todos. Mas o mais importante: é o que considera o povo como lixo. Não há cidadania em São Paulo. Portanto, saúde, educação e segurança não interessa a eles como ação do Estado. Tudo tem de ficar sob o controle da iniciativa privada.

Responder

Silvio I

11/08/2011 - 20h49

Azenha:
Não sei si estas coisas ocorrem no resto do Brasil. Alem de essa lei escandalosa votada pelos senhores deputados, e acabada de ser regulamentada por Alckmin. Se esta dando um jeitinho, em o decreto lei, que fez a Presidenta Dilma, com respeito a medicamentos para pressão, e diabetes. Esse decreto determina que os medicamentos, serão gratuitos. Estou de acordo que se aproveite a rede de farmácias existentes, para ter os usuários mais pontos onde poder pegar os medicamentos inclusive mais perto de seus domicílios. Mais organizar isso de outra forma. Existe um problema. Os medicamentos da farmácia popular eram entregue em cartelas sem embalagem de papelão.Nas farmácias tem genéricos de diferentes laboratórios, embalados, e com muitos diferentes preços, um mesmo medicamento.Outra, esta começando a faltar esses tipos de medicamentos, nas farmácias dos Postos de Saúde.Na farmácia do Posto, indicam uma farmácia, em onde se pode retirar, o medicamento.Vejamos, intervém o laboratório,a farmácia entrega aquele medicamento do laboratório mais caro.A farmácia pode dar alguma coisa a algum integrante do posto, para que recomende determinada farmácia.Não sei si fui claro, ou e necessária alguma explicação mais?

Responder

José Silva

11/08/2011 - 20h35

São Paulo cada dia que passa se parece mais com os Estados Unidos, pobres que se explodam!!!

Responder

Jairo_Beraldo

11/08/2011 - 20h26

E aqui em Goiás, o atual ocupante do Palacio das Esmeraldas M. Perigo, vai fazer exatamente o que fez Zé Derrotado em SP…vai dar de mão beijada o sistema público estadual de saúde a iniciativa privada…e já avisou que quem pagará a conta é o SUS.

Responder

José Bsb

11/08/2011 - 20h22

Vocês reclamam demais. O Sírio Libanes esta pronto para atender a demanda. Das massas cheirosas, é claro.

Responder

zé Augusto

11/08/2011 - 20h12

Sim. Eles vão fazer e ninguém impedirá. Por quê? Porque quem poderia fazer algo pra impedir não fará. Talvez porque tenham "planos de saúde", quem sabe… E é até curioso ler isso na internet, povoada por burgueses "socialistas".De onde já se sabe nunca sai nada senão a velha e conhecida retórica. Dos políticos? Depois que o PT "vendeu a alma"pra estar no poder já não se espera quase nada senão o mínimo pra se manter até que se iguale ao resto. O futuro? Preciso dizer que sou pessimista ?
Fica o registro no site. Fica o registro do nome de autora da matéria. Nada mais.

Responder

    Silvio I

    12/08/2011 - 19h57

    zé Augusto:
    Eles poderão fazer mais isso, que ninguém impedira, tem seus limites. O povo tem uma força enorme, e que no Brasil está ainda adormecida.No momento que a Internet e outros médios de comunicação, consigam dar mais informação e conhecimentos como cidadãos a este povo, ele poderá mostrar suas força, e ai impedira com toda seguridade.

Rafael Patto

11/08/2011 - 19h59

Essa é a gestão tucana. Basta ver o que Covas/Alckmim/Serra/Alckmim vêm fazendo em São Paulo, Aécio NEVER/Anastasia vem fazendo em Minas e Yeda Crusius fez no Rio Grande do Sul (para ficar só nesses) para nos certificarmos de que essa corja tem de ser irremediavelmente alijada da política brasileira.

Responder

zilda

11/08/2011 - 19h56

Não e so em S.Paulo. Todos os estados governados pelo PSDB estão terceirizando a saude: Tocantins, Goias e o Ministerio não faz nada!

Responder

    beattrice

    12/08/2011 - 12h56

    O ministério é capitaneado pelo PT-SP, o mais tucano dos tucanos, esperemos sentados.

Regina Braga

11/08/2011 - 19h18

Será que existe a possiblidade de serem responsabilizados por crime contra a vida? Desviar dinheiro público dos pobres só pode ser coisa de mercenários.Que encontrem outra forma de resolver os apoios políticos.Fim da picada.Pobre das pessoas que chegam a esperar 3 meses para poderem ser operadas.Demotucano é assim,primeiro eles,segundo eles…Cheirosos defendendo cheirosos.

Responder

Avelino

11/08/2011 - 18h21

Caro Azenha
Junto com a privatização, vem os futuros apoios para se eleger mais um governador tucano. A privatização também é compra e paga aos apoios.
Saudação

Responder

O_Brasileiro

11/08/2011 - 18h05

Isso é uma das coisas mais IMORAIS que já vi na minha vida. Pacientes do SUS morrendo de CÂNCER e na fila de transplante e os paulistas, através de seu governo DEMO-TUCANO fazendo caridade para os PLANOS DE SAÚDE, que lucram BILHÕES às custas da desgraça de seus usuários… Dá vontade até de chorar!

Responder

    Jairo_Beraldo

    11/08/2011 - 20h27

    E mesmo sabendo disto tudo, a paulistada elegeu outro tucano para dar mais 10% às OSs…issso é fantastico!!!

João Luiz Cardoso

11/08/2011 - 17h56

Do [email protected] para [email protected]

Meu jovem ministro, depois de toda trabalheira que ai tivemos ai em baixo na luta da minha geração na área do sanitarismo em SP, que incluiu a criação da revista do CEBES, confesso que me arrependo de ter participado do tal projeto Qualis- os primeiros passos da tal tercerização/privatização tucana da nossa combalida área da doença do nosso povão.
Assim,me acho autoridade pra te avisar que é preciso peitar essa bagunça que a tucanalha vem, há longos 20 anos, fazendo nos ideias do Leser e de outros palatinos, a maioria dos quais andam por aqui preocupados com o vulto do botim que vem sendo feito em cima da desgraça dos mais necessitados.
Até a vetusta Santa Casa de SP entrou na bandalheira ( veja o caso da medicação que matou a menina por absoluta displicencia na rotulagem da vaselina).
Quiseram até fechar o Instituto Pasteur, la da av.Paulista. Dizem por aqui que isso só não aconteceu pois o imovel, doado pela elite do café, volta pros herdeiros se lá deixarem de combater a hidrofobia. Não sei se é verdade, mas soube que o tal Hiacinthos, arauto do fecha -fecha, andou trabalhando pra fabricantes de vacinas nas Europas, depois viu que a investida privatista que defendia deu com os burros nágua.
Bem, Ministro, as histórias do equívoco que estão aprontando são infinitas.No fundo é dar o file mignon para os que sempre rapinaram.
Isso é barca furada.Peite essa gente!
Aceite o abraço fraterno do

David Capistrano

PS: Leser, Samuel e Josué desejam sorte na empreita e , como eu, torcem pelo nosso povo.
Viva o Brasil!

Responder

    zé eduardo

    11/08/2011 - 20h26

    Saudades do David: que falta ele faz!

    beattrice

    12/08/2011 - 12h55

    Diga-se de passagem o arauto do fecha fecha tem o mesmo DNA do Padilha, saíram do mesmo ninho tucano.

@anabellbar

11/08/2011 - 17h55

Ainda bem que o Serra não ganhou, imagine essa vergonha social no Brasil inteiro?

Responder

Ana Lucia

11/08/2011 - 17h00

Isso na prática já acontece: o pai da minha amiga, depois de pagar por anos um plano de saúde, foi encaminhado por este mesmo plano, para o HC, pois não tinham mais recursos médicos para tratá-lo.

Responder

augusto

11/08/2011 - 16h50

E os equipamentos que quebrarem la dentro, qual dos dois lados vai ser chamado a consertar? E A manutençao da parte dos predios privatizada vai ficar com o SUS ou com os piratas da saude? e os usuarios do setor publico que estiverem no extremo da necessidade, serão os 'eficientes' que vao atender,por ex uma parturiente de emergencia?

Responder

Bertold

11/08/2011 - 16h27

Karamba, muita demora do mpsp (kkkkkk) para impetrar essa ação e de trocentos somente dois promotores encaminham a ação?
Sinceramente, acho que quando o judiciário de sp (kkkkk) decidir contra isso, os tucanos governistas já terão consolidado o trambique de socializar os recursos públicos da saúde pública de sp para com os negócios privados de saúde. Ou seja, é a privatização corrupta e escancarada a moda demo-tucana.

Responder

    João PR

    11/08/2011 - 23h25

    Sempre achei o mesmo Bertholdo.

    Cadê o MP??? Agora, não sei se para fazer "jogo de cena", o MP apareceu!!!

    Que fim terá mais esta privatização demotucanalha???

Bernadete Lemes R.

11/08/2011 - 16h18

´Muito triste tudo isso. Mas Padilha não vai peitar. É esperar pra ver

Responder

FrancoAtirador

11/08/2011 - 16h13

.
.
Assim como a Educação,

A SAÚDE É OUTRA ÁREA QUE TEM DE SER FEDERALIZADA.
.
.

Responder

    beattrice

    12/08/2011 - 12h57

    Desde que o comando não seja entregue a um tucano vestido de petista.

Deixe uma resposta