VIOMUNDO

Justiça paulista paralisa ações contra corrupção no governo Alckmin; doleiro Youssef é uma das peças investigadas

21 de março de 2016 às 16h05

secretaria da fazenda, youssef e alckmin

A investigação identificou que fiscais e a cúpula da Secretaria da Fazenda estava envolvida num esquema de corrupção e extorsão. O doleiro Alberto Youssef é uma das peças

Escândalo do ICMS

Justiça paralisa ações contra corrupção no fisco do governo Alckmin

Judiciário suspendeu tramitação de processos de corrupção no ICMS por “problema de competência”. Desvios são de ao menos 400 milhões de reais

por Henrique Beirangê — publicado 21/03/2016 05h22

A Justiça de São Paulo determinou a suspensão de todos os processos judiciais em andamento contra a máfia do ICMS no governo Geraldo Alckmin. O desembargador José Orestes de Souza Nery atendeu ao pedido da defesa de um dos investigados de que haveria dúvida de competência quanto a qual vara criminal deveria ser responsável pelo andamento dos autos.

Com isso, as ações ficam paradas por tempo indeterminado. Outra decisão do judiciário paulista que também atrapalhou as investigações foi determinar a soltura de todos os 10 acusados de envolvimento no esquema.

A prisão preventiva foi concedida em primeira instância, mas derrubada após um mês no TJ paulista. A decisão permitiu que as defesas dos investigados paralisassem o estudo de delações premiadas.

Não há mais expectativa de serem citados por delatores os nomes de políticos ligados ao governo do PSDB no esquema. Apenas um dos envolvidos fez delação, mas entregou apenas nomes intermediários dos desvios.

A investigação do Gedec, órgão do MP paulista, identificou que fiscais e a cúpula da Secretaria da Fazenda estava envolvida num esquema de corrupção e extorsão. Os agentes cobravam propinas de grandes empresas para sustar dívidas tributárias. A investigação tem lastro com a operação Yellow, que apurou sonegação de 2,7 bilhões de reais dos cofres paulistas.

A nova investigação aponta desvios de pelo menos outros 400 milhões de reais. Um policial que participou da investigação reclama da atuação do judiciário paulista. ” Apurações contra o governo paulista são enterradas no TJ de São Paulo”.

O inquérito aponta para o envolvimento de deputados e secretários de governo. O dinheiro desviado seria usado para abastecer campanhas de partidos políticos. Uma das peças da investigação é o doleiro Alberto Yousseff.

Apesar da extenuante rotina de inquirições em Curitiba, quase diárias, Youssef parece ter decidido contar apenas parte da história de suas negociatas.

Um dos enredos ainda obscuros é o esquema de propina que envolve personagens investigados no escândalo de desvios de ICMS. O doleiro afirmou apenas ter intermediado o pagamento a fiscais a pedido do lobista Júlio Camargo, o mesmo que diz ter repassado 5 milhões de dólares ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Camargo era dono de uma empresa responsável pela coordenação comercial da Prysmian Cabos e Sistemas do Brasil, que assumiu a divisão de cabos elétricos da Pirelli.

Após ser alvo de achaque, a Prysmiam teve de desembolsar 16 milhões de reais para não ser autuada em multas que poderiam alcançar os 400 milhões por causa de supostas irregularidades na importação de cobre. Youssef foi quem operacionalizou pagamentos no exterior e em espécie aos fiscais.

Com o dinheiro desviado, os fiscais, intermediários de políticos, levavam vidas suntuosas com carros importados e mansões. Com a decisão do TJ de suspender os processos, a possibilidade de se chegar até os líderes do esquema se esvaiu.

TJ_Page_1 TJ_Page_2

Veja também:

CNBB é contra o golpe no Brasil

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR

 

5 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

carlos

22/03/2016 - 07h48

Alguém de sã consciência confia em um tribunal desse de São Paulo, eu já vejo que eles estão codenando muita gente inocente e os que deveriam ser condenados estão soltos comendo caviar, e os pretos e pobres apodrecem na cadeia.

Responder

Castro

21/03/2016 - 21h34

Os coxinhas não apareceram aqui porque, perdeu a língua fascistas????

Responder

Julio Silveira

21/03/2016 - 20h50

A fascistas golpista aplaude, afinal esses são gatunos do bem.

Responder

Edvard

21/03/2016 - 16h27

E três membros deste mesmo ministério público pediu a prisão do Lula sem mesmo ter ouvido seu depoimento?
Sem mesmo ter uma acusação?
O roubo da merenda irá se juntar a quantos mais? Metrô, trens do subúrbio, construção de escolas, marginal, privatização de rodovias, o que mais?
Isso tudo com coxinhas vestidos de CBF pedindo a prisão de Lula?
Cada vez mais acho que o termo “Síndrome de Estocolmo” é aplicável à parte da população paulista.

Responder

Deixe uma resposta