VIOMUNDO

Jornalista alemão denuncia controle da CIA sobre a mídia

25 de novembro de 2014 às 15h49

jornalista

Udo Ulfkotte, que trabalhou no Frankfurter Allgemeine Zeitung, fala à Russia Today

sugerido pela Conceição Oliveira

Tradução parcial da entrevista reproduzida em vídeo abaixo

Sou jornalista há 25 anos, e fui criado para mentir, trair, e não dizer a verdade ao público. Mas vendo agora, e nos últimos meses, o quanto … como alemão a mídia dos EUA tentar trazer a guerra para os europeus, para trazer a guerra à Rússia. Este é um ponto de não retorno, e eu vou me levantar e dizer … que o que eu fiz no passado, não é correto, manipular as pessoas, para fazer propaganda contra a Rússia e o que os meus colegas fizeram no passado, porque eles são subornados para trair o povo, não só na Alemanha, mas de toda a Europa.

livro

A razão para este livro é que estou muito preocupado com uma nova guerra na Europa, e eu não quero de novo a situação, porque a guerra nunca vem de si mesmo, há sempre pessoas atrás que levam à guerra, e não é só políticos, jornalistas também.

Eu só escrevi no livro sobre como traimos no passado nossos leitores apenas para empurrar para a guerra, e porque eu não quero isso, eu estou cansado dessa propaganda. Nós vivemos em uma república de bananas, não é um país democrático, onde teríamos a liberdade de imprensa, direitos humanos.

[…]

Se você olhar para a mídia alemã, especialmente os meus colegas que, dia após dia, escrevem contra os russos, que estão em organizações transatlânticas, que são apoiados pelos Estados Unidos para fazer isso, pessoas como eu. Eu me tornei um cidadão honorário do Estado de Oklahoma. Por que exatamente? Só porque eu escrevia pró-Estados Unidos. Eu escrevia pro-Estados Unidos e fui apoiado pela Agência Central de Inteligência, a CIA. Por quê? Porque eu tinha que ser pró-americano.

Estou cansado disso. Eu não quero! E assim que eu acabei de escrever o livro — não para ganhar dinheiro, não, ele vai me custar um monte de problemas — só para dar às pessoas, neste país, a Alemanha, na Europa e em todo o mundo, apenas para dar-lhes um vislumbre do que se passa por trás das portas fechadas.

[…]

Sim, existem muitos exemplos disso: se você voltar na história, em 1988, se você for ao seu arquivo, você encontrará em março de 1988 que os curdos do Iraque foram atacados com gás tóxico, o que se tornou conhecido em todo o mundo. Mas em julho de 1988, eles [o jornal alemão] me mandaram para uma cidade chamada Zubadat, que fica na fronteira entre Iraque e Irã.

Foi na guerra entre iranianos e iraquianos, e eu fui enviado para lá para fotografar como os iranianos tinham sido atacados com gases venenosos, gás venenoso alemão. Sarin, gás mostarda, fabricado pela Alemanha. Eles foram mortos e eu estava lá para tirar fotos de como essas pessoas foram atacadas com gás venenoso da Alemanha. Quando voltei para a Alemanha, só saiu uma pequena foto no jornal, o Frankfurter Allgemeine, e saiu apenas uma pequena seção sem descrever como era impressionante, brutal, desumano e terrível, matar … matar, décadas após a Segunda Guerra Mundial, o povo com gás venenoso alemão.

Foi uma situação em que eu me senti abusado por estar lá apenas para fazer um documentário sobre o que tinha acontecido, mas não estar autorizado a revelar ao mundo o que tínhamos feito atrás das portas fechadas. Até hoje, não é bem conhecido do público alemão que havia gás alemão, houve centenas de milhares de pessoas atingidas nesta cidade de Zubadat.

Agora, você me perguntou o que eu fiz para as agências de inteligência. Então, por favor, entenda que a maioria dos jornalistas que você vê em outros países afirmam ser jornalistas, e eles poderiam ser jornalistas, jornalistas europeus ou americanos … mas muitos deles, como eu no passado, são supostamente chamado de “informantes não-oficiais”.

É assim que os americanos chamam. Eu era um “informante não-oficial”. A cobertura extra-oficial, o que isso significa?

Isso significa que você trabalha para uma agência de inteligência, você os ajuda se eles querem que você para ajude, mas nunca, nunca […] quando você for pego, se descobrem que você não é só um jornalista, mas também um espião, eles nunca dirão “era um dos nossos.”

Isso é o que significa uma cobertura extra-oficial. Então, eu ajudei-os várias vezes, e agora eu me sinto envergonhado por isso também. Da mesma forma que eu sinto vergonha de ter trabalhado para jornais como o Frankfurter Allgemeine, porque eu fui subornado por bilionários, subornado pelos norte-americanos para não refletir com precisão a verdade .

[…]

Eu só imaginava, quando eu estava no meu carro para vir a esta entrevista, tentei perguntar o que teria acontecido se eu tivesse escrito um artigo pró-russo no Frankfurter Allgemeine. Bem, eu não sei o que teria acontecido. Mas todos nós fomos ensinados a escrever artigos pró-europeus, pró-americanos, mas por favor não pró-russos. Portanto, estou muito triste por isso …. Mas não é assim que eu entendo a democracia, a liberdade de imprensa, e eu realmente sinto muito por isso.

[…]

Sim, eu entendi a pergunta. A Alemanha ainda é uma espécie de colônia dos EUA, você verá em muitos aspectos; como [o fato de que] a maioria dos alemães não querem ter armas nucleares em nosso país, mas ainda temos armas nucleares americanas.

Então, sim, nós ainda somos uma espécie de colônia americana e, por ser uma colônia, é muito fácil de se aproximar de jovens jornalistas através de (e isso é muito importante) organizações transatlânticas.

Todos os jornalistas de jornais alemães altamente respeitados e recomendados, revistas, estações de rádio, canais de TV, são todos membros ou convidados destas grandes organizações transatlânticas. E nestas organizações transatlânticas, você é abordado por ser pró-americano. Não há ninguém que vem a você e diz: “Nós somos a CIA. Gostaria de trabalhar para nós? “. Não! Esta não é a maneira que acontece.

O que essas organizações transatlânticas fazem é convidá-lo para ver os Estados Unidos, pagam por isso, pagam todas as suas despesas, tudo. Assim, você é subornado, você se torna mais e mais corrupto, porque eles fazem de você um bom contato. Então, você não vai saber que esses bons contatos, digamos, não-oficiais, são de pessoas que trabalham para a CIA ou outras agências dos EUA.

Então, você faz amigos, você acha que você é amigo e você vai cooperar com eles. E se perguntam: “Você poderia me fazer um favor?”. Em seguida, seu cérebro passa por uma lavagem cerebral. A pergunta: é apenas o caso com jornalistas alemães? Não! Eu acho que este é particularmente o caso com jornalistas britânicos, porque eles têm uma relação muito mais próxima. Também é particularmente o caso com jornalistas israelenses. É claro que com jornalistas franceses, mas não tanto como com os jornalistas alemães ou britânicos.

Este é o caso para os australianos, os jornalistas da Nova Zelândia, de Taiwan e de muitos países. Os países do mundo árabe, como a Jordânia, por exemplo, como Omã. Há muitos países onde você encontra pessoas que se dizem jornalistas respeitáveis, mas se você olhar para trás, você vai descobrir que eles são fantoches manipulados pela CIA.

[…]

Desculpe-me por interrompê-lo, dou-lhe um exemplo. Às vezes, as agências de inteligência vêm para o seu escritório e sugerem que você escreva um artigo. Dou-lhe um exemplo, não de um jornalista estranho, mas de mim mesmo. Eu só esqueci o ano. Só me lembro que o serviço de inteligência alemão no exterior, o Serviço Federal de Inteligência da Alemanha (isto é apenas uma organização irmã da Agência Central de Inteligência) veio ao meu escritório Frankfurter Allgemeine em Frankfurt. Eles queriam que eu escrevesse um artigo sobre a Líbia e o coronel Kadafi. Eu não tinha absolutamente nenhuma informação secreta sobre Kadafi e Líbia. Mas eles me deram toda a informação em segredo, só queriam que eu assinasse o meu nome.

Eu fiz isso. Mas foi um artigo que foi publicado no Frankfurter Allgemeine, que originalmente veio do Serviço Federal de Inteligência da Alemanha, a agência de inteligência no exterior. Então, você realmente acha que isso é jornalismo? As agências de inteligência escreverem artigos?

[…]

Oh sim. Este artigo é parcialmente reproduzida no meu livro, este artigo foi “Como a Líbia e o coronel Kadafi secretamente tentam construir uma usina de gás tóxico em Rabta”. Acho que foi Rabta, sim. E eu tenho toda essa informação… foi uma história que foi impressa em todo o mundo, alguns dias depois. Mas eu não tinha nenhuma informação sobre o assunto e  foi a agência de inteligência que me sugeriu escrever o artigo. Então isso não é como o jornalismo deve funcionar, as agências de inteligência decidirem o que é publicado ou não.

[…]

Eu tive uma, duas, três … seis vezes a minha casa foi revistada, porque eu tenho sido acusado pelo procurador-geral alemão pela divulgação de segredos de Estado. Seis vezes invadiram a minha casa! Bem, eles esperavam que eu nunca iria me recuperar. Mas eu acho que é pior, porque a verdade virá à tona um dia. A verdade não vai morrer. E eu não me importo com o que acontecer. Eu tive três ataques cardíacos, não tenho filhos. Então, se eles querem me processar ou me jogar na cadeia… é pior para a verdade.

PS do Viomundo: Quem serão as fontes não oficiais da CIA no Brasil?

Leia também:

A carta-denúncia sobre os casos de estupro na Medicina da USP

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR

 

60 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Regina Braga

27/11/2014 - 16h17

A Matéria de Capa, da tv Cultural, de domingo…passou a ideia que o petróleo é a pior coisa do Universo…no entanto eles querem.Vale a pena assistir…como o bem é mal e o mal é bem!

Responder

wendel

27/11/2014 - 15h08

Esta pergunta do ” PS do Viomundo: Quem serão as fontes não oficiais da CIA no Brasil?”, mostra também que o Viomundo,não quer, se comprometer, e embora não tenhamos ainda provas, sobre a pergunta em pauta, não custa, como faz comumente a imprensa golpista, fazermos supostas acusações.
Assim, segundo o Snowden,o W Wack e Merval, seriam cooptados, e segundo eu,temos também o FHC,Kamel, Alexandre Garcia, Reynaldo Azevedo, Mainard, Mirian Leitão, Boechat,Camaroti, Sardemberg, Noblat, Lucia Hipólito,a desempregada(massa cheirosa), Eliane Cantanhêde e vários outros que seria longo citar.
Deixo à vocês a complementação da lista !!!!!!!!!!
Se tiverem coragem !!!!!!!!!!!!!!!!

Responder

wendel

27/11/2014 - 14h48

O jornalista alemão Udo Ulfkotte nos dá uma aula de como somos manipulados pela mídia mundial.
Poucos sabem de como funciona essas amarras, mas alguns vêm tentando mostrar de como foram usados pelo Império e seus cumplices para manipularesm e distorcerem as notícias que diariamente chegam aos nossos ouvidos!
Se bem que, com a a internet, constatamos a força deste poder, que é a imprensa, e em que mãos estão, e assim sendo, fica, para os que querem, fazer o contraponto.
Existem, segundo alguns, seis ou sete agências de notícias no mundo, e elas repassam apenas o que interessa ao sistema, daí……………

Responder

cid elias

27/11/2014 - 13h21

O relato bate exatamente com o que disse há alguns anos o entevistado do Bob Fernandes, Carlos Costa – segue link pra quem não soube… https://lists.debian.org/debian-user-portuguese/2005/11/msg00185.html

Responder

J. Alberto

27/11/2014 - 09h00

No fundo é apenas o que todos já desconfiavam. Mas o jornalista não consegue ser muito claro para definir como funciona exatamente a ligação entre a inteligência norte-americana e os órgãos de imprensa, suponho eu porque não é fácil desabafar sobre isso, e ele diz tudo em nítido tom de desabafo.

Mas o livro deve ser muito bom, seria interessante uma versão traduzida.

Mas o ápice é quando ele diz que a Alemanha é um país de bananas. Não tem preço ler um texto em português, acessível para os brasileiros, mostrando que mesmo os países mais desenvolvidos sofrem com “mãos invisíveis” capazes de sabotar o estado de direito

Responder

FrancoAtirador

27/11/2014 - 01h06

.
.
Cultura Nem Tão Inútil

Você sabia que…

O Nome de Domínio “.com” (“ponto com”: (http://en.wikipedia.org/wiki/.com) é um Domínio de Nível Superior ou Domínio de Topo (sigla em inglês: TLD = Top-Level Domain)
(http://pt.wikipedia.org/wiki/Dom%C3%ADnio_de_topo),

que faz parte do Sistema de Nomes de Domínio
(sigla em inglês: DNS = Domain Name System) da Internet
[(http://pt.wikipedia.org/wiki/Domain_Name_System) e (http://www.gta.ufrj.br/grad/99_1/guilherme/DNS_HTML/estrutura.htm)].

Por incrível que possa parecer, “.com” deriva do inglês “commercial”
e foi criado nos United States of America para indicar,
originalmente, domínios registrados por Organizações Comerciais.

Quando o Sistema DNS foi implementado, em janeiro de 1985,
o TLD “com” foi um dos primeiros domínios de nível superior a surgir na Internet,
em conjunto com “edu”, “gov”, “mil”, “net”, “org” e “arpa”.

Inicialmente, o domínio “com” foi administrado pelo Departamento de Defesa
dos Estados Unidos da América [US Department of Defense (DoD)],
sendo a manutenção realizada, mediante contrato com o DoD,
pelo Stanford Research Institute (SRI) International [(http://pt.wikipedia.org/wiki/SRI_International) e (http://www.sri.com/about/corporate-history)],
instituto de pesquisa sediado em Menlo Park, na Califórnia.

Para tanto, o SRI International criou então o Defense Data Network’s Network Information Center (DDN-NIC), também conhecido como SRI-NIC ou simplesmente NIC, que era acessado através nome de domínio nic.ddn.mil
(http://dictionary.reference.com/browse/nic.ddn.mil?jss=0).

Em 1º de outubro de 1991 foi firmado um contrato de operações com a Government Systems Inc. (GSI) que terceirizou o serviço exclusivamente para a Network Solutions Inc. (NSI), empresa privada especializada em informática com sede no estado norte-americano da Virgínia (http://pt.wikipedia.org/wiki/Network_Solutions).

Em 1º de Janeiro de 1993, o US Department of Commerce
(Departamento de Comércio dos Estados Unidos da América:
http://www.commerce.gov/news/press-releases/2012/04/12/us-commerce-secretary-announces-new-appointments-manufacturing-counci)

constituiu um Consórcio denominado Internet Network Information Center (InterNIC: http://en.wikipedia.org/wiki/InterNIC)

que abrangia a Corporação Empresarial de Telecomunicações AT&T,
(http://pt.wikipedia.org/wiki/AT%26T)

a General Atomics, empresa especializada em defesa* [(http://en.wikipedia.org/wiki/General_Atomics) e
*(http://www.ga.com/history)]

a mesma Network Solutions Inc. (NSI)

e a National Science Foundation (NSF) que assumiu a responsabilidade pela manutenção do domínio, sub-rogando o contrato às outras três empresas,

a AT&T passou a fornecer serviços de diretório e de banco de dados,

a General Atomics, os serviços de informação,

e a NSI para realizar as operações de gerenciamento de InterNIC Registration Services (IRS: http://www.internic.net).
A Network Solutions Inc. foi a única companhia privada a prestar este tipo de serviço nos EUA, até 18 de setembro de 1998, quando o ICANN (Internet Corporation for Assigned Names and Numbers) decidiu conceder o privilégio a outras 11 empresas.

A General Atomics foi desclassificada do contrato, em dezembro de 1994, depois de uma auditoria que encontrou ‘inconformidades’ dos serviços prestados com os termos estabelecidos no contrato.
As funções de informação da InterNIC General Atomics foram, então, assumidas pela AT&T.

Em 1997, o Departamento de Comércio dos Estados Unidos,
assumiu definitivamente a Autoridade de todos os Domínios Genéricos de Primeiro Nível (sigla: gTLD, do inglês Generic Top-Level Domain: http://pt.wikipedia.org/wiki/Dom%C3%ADnio_de_topo_gen%C3%A9rico).

Atualmente, os gTLDs “.com”, “.net” e “.name”, bem como “.cc”, “.tv”, “.jobs e “.edu.”, são operados pela Verisign que adquiriu a Network Solutions.

(http://en.wikipedia.org/wiki/Verisign) (http://es.wikipedia.org/wiki/Verisign)
(http://www.iana.org/domains/root/db/com.html)
(http://www.techspot.com/news/47634-no-need-for-sopa-verisign-seizes-bodogcom-for-us-authorities.html)
(http://www.symantec.com/about/news/release/article.jsp?prid=20100519_01)
(http://www.bsecure.com.mx/enlinea/symantec-compra-verisign-por-1-28-mil-millones-de-dolares)
(http://pt.wikipedia.org/wiki/American_Registry_for_Internet_Numbers)
.
.
Detalhe

Os ccTLDs (country code Top-Level Domains
ou Domínios de Nível Superior de código de país)
registrados nos United States of America,
ao contrário de todos os demais países,
não necessitam indicar a extensão “.us”
para identificar o país de origem.

Por exemplo:
o sítio BraSileiro “Viomundo” (http://www.viomundo.com.br)
tem incluído o “.br” no final do endereço
para indicar que é sediado no Brasil;
já os sáites braZileiros das Organizações Globo
possuem o domínio “globo.com”,
porque o Domínio Superior de código de país
é registrado nos United States of America.

(http://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_TLDs)
(http://pt.wikipedia.org/wiki/CcTLD)
(http://www.wwtld.org/index_archived.html)
(http://www.iana.org/domains/root/db)
(http://www.neustar.biz/about-us)
(http://www.hostmapper.com/index.php?acao=brazil)
.
.

Responder

Lety

26/11/2014 - 21h08

Fico feliz de ver que este artigo foi divulgado aqui.
Achei que era um assunto proibido entre jornalistas.
Já havia comentado em outro blogh a mais de uma semana, justamente sobre o P.S do Viomundo, se essa não seria a explicação para o comportamento de certos jornalistas brasileiros e linkei a materia da Carta Maior e a noticia original. Meu comentário não passou na moderação do site.
Nós que temos um mínimo de pensamento crítico, já desconfiávamos que interesses haviam por trás de materias como a que estampou a capa da revista Der Spiegel em que sugeria clima de hecatombe na Copa. Não somente a Rússia é alvo de difamação e pior que temos brasileiros que juram por outra bandeira.

P.S. não sei se passará pela moderação daqui…rss.

Responder

Fabio Passos

26/11/2014 - 19h57

Não tenho dúvida que há muito “jornalista” do PiG assinando “reportagem” escrita pela CIA.

E sabendo como são capachos assumidos e orgulhosos… deve haver até disputa pela “honra”.

Responder

Cláudio

26/11/2014 - 19h13

Ouvindo A Voz do Brasil e postando:

♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥

****

*************.

* . . . . **** . . . . Lei de Mídias Já!!!! **** … “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” *** * Joseph Pulitzer. **** … … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” *** * Malcolm X. … … … Ley de Medios Já ! ! ! . . . … … … …

Responder

Edgar Rocha

26/11/2014 - 16h28

Não faça cerimônia.

Responder

Bacellar

26/11/2014 - 14h06

Franco-atiradores na Venezuela e Ucrânia….Avião moderníssimo que caí com uma garôa, congresso que aprova oficialmente o uso de técnicas de tortura….etc,etc,etc…Eta capivara longa que os homi tem!

Responder

MacCain

26/11/2014 - 13h48

Quem? William Waack… Aliás a Globo usa da mesma estratégia, sendo interlocutora do judiaciario, da indústria através da CNI e até mesmo do executivo…. Acorda Dilma

Responder

Luiz

26/11/2014 - 13h41

Vocês já repararam que na Grande Mídia quando mostra o conflito entre Palestinos e Israel, sempre mostra as barbaridades dos palestinos e nunca ao contrário. Porque será?

Responder

    wendel

    27/11/2014 - 14h57

    Luiz, você é ingenuo, inocente útil, ou o quê ????
    Porquê não dá nome aos bois ????
    Você não deve ignorar que os jornais, revistas, agências de notícias, rádios, hollywood, enfim todo o sistema de entretenimento e notícias estão nas mãos de judeus e por conseguinte, controlados por eles!
    Este seu comentário, dizendo que a mídia mostra somente o lado “bonzinho” dos israelenses, nada a ver, pois os meios de comunicação estão nas mãos deles !!!
    Por último arrisco a dizer que muitos não falam abertamente sobre isto, POR MEDO, o que não é o meu caso, e de uns poucos menos covardes !!!!!!!!!!!!!!!!!

Cunha

26/11/2014 - 13h09

O que vocês acham ? http://www.imil.org.br/institucional/quem-somos/

Responder

Ramos de Carvalho

26/11/2014 - 12h57

A CIA pode ficar tranquila, aqui é do puxa-saquismo do patrão. Se os donos estão cooptados, se a Cia pedir para matar dois, aqui para agradar o patrão, eles matam dez. Lógico que as vezes levam um puxão de orelhas pelos exageros.

Responder

Edgar Rocha

26/11/2014 - 11h52

Enquanto lia a entrevista, fiz constantemente a mesma pergunta do PS do Viomundo: quem serão os agentes da CIA no jornalismo brasileiro? Será que os jornalistas do Viomundo não têm alguma desconfiança, não têm sequer uma certeza de algum sujeito?

Visitinhas a escritórios, assédios, viagens caras (não condizentes com o salário de jornalista), “furos” conseguidos por gente que fica em gabinete, influência interna, privilégios… Se a gente que é expectador já consegue abrir a canastra de fofoca (o ser humano é uma m*, é o que vão dizer. Ok, quem nunca?), que dirá quem é do meio. Azenha e companhia devem estar com a garganta coçando, imagino.

Fala aí, povo. Ninguém vai contar. kkkkk

Responder

    Érico

    26/11/2014 - 14h32

    “Veja” bem, eu realmente não sei…
    Mas posso chutar?

    Edgar Rocha

    26/11/2014 - 16h25

    Por favor, não faça cerimônia.

    Edgar Rocha

    26/11/2014 - 16h38

    Se eu adivinhar quem você vai dizer, ganho um vídeo do Conde Waacula?

    André LB

    26/11/2014 - 17h46

    Não se preocupe em nomeá-los, porque nunca saberemos. A CIA age em todo o GLOBO, não em um ESTADO ou outro, verdadeiros BANDEIRANTES da manipulação. Isso é certo como uma FOLHA cai seca da árvore em ABRIL, rbs rbs rbs.

Edvard

26/11/2014 - 11h15

Se é assim na Alemanha, imaginem o que é aqui no Brasil!

Responder

Maria Aparecida

26/11/2014 - 10h11

O que me deixa intrigada é a construção de uma imagem de que a Rússia é um país inundado por corrupção!

E agora vem este jornalista alemão denunciar que a Cia controla a mídia e que noticiário estimula guerra contra a Rússia!!!

A Rússia é mesmo um país inundado por corrupção?
Acredito que não! Pois esse fato é ilustrado de maneira bem forçada em filmes de produção norte-americanas como também de produção russa!!!

O que eles (EUA e Rússia) querem com isso?

Se alguem pudesse me esclarecer, agradeceria!

Responder

    Mário SF Alves

    26/11/2014 - 14h30

    Vou passar dois links. Um que dá acesso a um vído do discurso do presidente estadista russo Vladimir Putin, no Clube Valdai; e um outro que mostra parte do problema criado pela primavera árabe/”revolução” “colorida” na Ucrânia:

    Se isso não esclarecer suas dúvidas, coisa que duvido, não desanime.

    1) Sobre o referido discurso: “Os meios de comunicação ocidentais fizeram todo o possível para ignorá-lo ou alterar o seu significado, mas independentemente do que você pensa sobre Putin, se é a favor ou contra, este é o discurso político mais importante desde o discurso de Winston Churchill em 5 de março de 1946, o qual popularizou o termo “Cortina de Ferro”.

    Neste discurso, Putin mudou abruptamente as regras do jogo.

    Até agora, o jogo da política internacional era jogado da seguinte maneira: os políticos faziam declarações públicas, a fim de manter uma ficção agradável de soberania nacional, mas era somente uma farsa e não tinha nada a ver com o conteúdo da política internacional, entretanto, participavam de negociações secretas, nas quais estabeleciam os verdadeiros acordos.

    Até o momento, Putin tratou de jogar este jogo, esperando que a Rússia fosse tratada como um igual. Mas estas esperanças desapareceram e nesta conferência ele declarou que o jogo acabou, violando de maneira explícita o tabu ocidental de falar diretamente às pessoas sobre os chefes dos clãs das elites e dos líderes políticos que dominam.

    https://www.youtube.com/watch?v=9F9pQcqPdKo

    PS: O vídeo mostra o discurso dublado para o ingês. Mas, ainda assim…

    2) Notícia excelente para um dia como o dia de hoje/comemoração da Proclamação da República:

    O The Guardian finalmente admite: Ucrânia tem um problema neo-nazi.

    “The existence of far-right and neo-Nazi groups is not an invention of Russian propaganda. This might come as a shock to The Guardian’s coddled readership.”

    Fonte:http://russia-insider.com/en/tv_politics_media_watch_society/2014/11/07/01-12-06pm/why_you_should_never_watch_rt_–_ever

Flavio de Oliveira Lima

26/11/2014 - 09h25

Estratégia mais do que óbvia de dominação mundial: começar, e manter, dominando a comunicação, a difusão de idéias, memes, opiniões. O velho “ganhar corações e mentes”. E manipular a midia é relastivamente facil para a potencia mundial.

Responder

Brancaleone

26/11/2014 - 00h06

Impressão minha ou tem gente achando que a Rússia ( ex “união soviética”)é assim tipo “mais uma vítima” do imperialismo do capitalismo ianque???”
Os EUA e a Cia podem ser bem malvados mas podem ter a mais absoluta certeza que a atual Rússia e o tal de Putin(nho)são iguaizinhos, talvez até piores.
E para as viúvas de Marx e Stalin uma informação: A atual Rússia não tem nada, mas nadica de nada mesmo que possa mesmo que remotamente sequer lembrar de maneira tênue o antigo “império proletário”, de modo que ficar aqui defendendo as máfias russas hoje no poder como se isso ainda fosse a velha guerra fria é ignorância da história recente.
Tem gente que parece ter tamanho ódio (ou inveja) dos ianques que são capazes de se associarem a qualquer tipo de crápula desde que emita ganidos anti americanos…

Responder

    André LB

    26/11/2014 - 17h48

    Como a Rússia pode ser pior?

    Eles também estão cooptando gente em todo o planeta para seguir a agenda deles? Você assistiu Rocky IV por tempo demais – e é como você disse, vai longe o tempo da URSS, tem coisa pesada acontecendo hoje e não é pros lados do Kremlin que o bicho pega mais forte.

Helenita

25/11/2014 - 23h46

No dia em que a Presidenta Dilma discursou na abertura da Assembléia Geral da ONU, 2014, em plena véspera da eleição, a maldita imprensa brasileira publicou na primeira página de um grande jornal a foto de página inteira com Barack Obama tendo a bandeira dos EEUU junto de si, enquanto reservava um pequeno título lateral com uma pequena foto da Presidenta, coberta por uma raivosa crítica ao seu discurso. ISSO É O MELHOR DO VIRALATISMO, pois patriotismo essa gente desconhece; claro que isso tem um custo, quer dizer, tem um preço, não acham?

Responder

Renato Kern

25/11/2014 - 23h21

O nosso homem na Cia são umas 12 ou 13 redações inteiras. Globo, Folha, Estadão, Veja, Isto é e mais suas marias-vão-com-as-outras estaduais.

Responder

marcosomag

25/11/2014 - 22h58

As oficiais já confirmadas são William Wack e todos os membros do Instituto Millenium. As não oficiais podem ser até alguns membros do PT (petista que dá entrevista para “Veja”, palestra no “Millenium” e leva “bola nas costas” dos subordinados da PF, por exemplo), e muita gente no Judiciário (infestado de “Opus Dei”).

Responder

Michel

25/11/2014 - 22h37

Prédio da SIP – Sociedade Interamericana de Imprensa (que congrega a velha mídia) em Miami leva o nome de ex-agente da CIA que se passava por jornalista. Não é fofo, gente?
http://blogln.ning.com/forum/topics/entenda-o-que-a-sociedade-interamericana-de-imprensa

Responder

Andrer

25/11/2014 - 22h33

Onde está Wally?

MP?
http://knight.stanford.edu/about/people/board/
http://www.journalism.columbia.edu/page/1125-cabot-winners-archive/969

WW?
Formado na Alemanha (coincidência!) e professor aqui (depois de inicado nos EUA e antes de ser exportado para o Jornal da Globo): http://journalism.nyu.edu/

JS (político) também tem história yankee!

Responder

Euler

25/11/2014 - 20h39

Não sei porque cargas d’água mas, quando li o post, me veio à mente algo parecido com algumas figuras como: William Waak, Merval Pereira, Arnaldo Jabor, Alexandre Garcia, Reinaldo Azevedo, Sardenberg, Carlos Viana (Itatiaia Minas), Caio Blinder, Diogo Mainardi, Augusto Nunes… ajudem aí pessoal, a preencher a lista.

Responder

ademar

25/11/2014 - 20h21

operação lava ajato tudo haver

Responder

Francisco

25/11/2014 - 20h11

Como é terrível o stalinismo…

Responder

Artur Marciano

25/11/2014 - 20h06

Aí está a prova contundente da hipócrita postura higiênica e moralista da mídia corporativa nacional, quando se apresenta tal qual caçadora corruptos.

Responder

FrancoAtirador

25/11/2014 - 19h58

.
.
!!! Hilário !!!

24/11/2014

Jornal da Cultura Norte-Americana de São Paulo

Comentarista afirma que o Estoriador Villão

é a “Expressão da Revista Veja no Programa”.

Por volta dos 40 minutos do vídeo:

(http://tvcultura.cmais.com.br/jornaldacultura/videos/jornal-da-cultura-24-11-2014)
.
.

Responder

    FrancoAtirador

    25/11/2014 - 20h15

    .
    .
    Airton Soares detona Estoriador Villão

    (http://youtu.be/56PcR2c_Vak)

    https://www.youtube.com/watch?v=56PcR2c_Vak
    .
    .

    Mario SF Alves

    25/11/2014 - 22h51

    Marco Antonio Villa…

    Ih, vc viu o que vi… vi o villao perder as parcas estribeiras e se mostrar totalmente esterico

    DUVIDA

    Quem ou o que faz lavagem naquele fragil cerebro [eis a pergunta]

    Mário SF Alves

    26/11/2014 - 11h15

    A bem da verdade, a coisa beirou às raias do piti.

    Já pensou, se a moda pega? Imagine uma direita totalmente pitiática.

    ______________________________
    Agora, além do piti, deram pra isso, ó:

    “Piadinha de Aécio Neves sobre a nomeação de Joaquim Levy para a Fazenda: parece com “colocar um agente da CIA dentro da KGB”.”

    Como disse o Brito, do Tijolaço: “Num tindi”

    Vá ser extemporâneo, apelativo e bizarro assim lá na CIA que o …. Rs, rs, rs….

    A sorte é que aparência, a não ser no mundo dos tucanos, quase nunca é essência.

FrancoAtirador

25/11/2014 - 19h31

.
.
No braZil, é mais fácil dizer quais os ‘jornalistas’

que não são “informantes não-oficiais” dos Stêits.

Aliás, os Donos da Mídia-Empresa são os Oficiais.
.
.

Responder

Roberto

25/11/2014 - 19h31

A Globo é olhos, ouvidos, mãos, boca e a formatadora de cérebros a serviço dos Yanques no Brasil. Aqui jornalistas trabalhando para a direita tem aos montes. Eles não têm vergonha nem medo de ser feliz. Vide William Waack, Alexandre Garcia, William Bonner, Merval Pereira e tantos outros formatadores de cérebro.

Responder

gloria

25/11/2014 - 18h41

Sabemos de coisas horrendas q os EUA fazem e o pior q ñ temos a quem pedir ajudas, vemos hoje na internet sobre a segunda guerra mundial, q os EUA se posaram de bonzinhos, mas na verdade, houve grande interesses deles em manter as descobertas infames da guerra p\ proveitos próprios, todos os prisioneiros militares da guerra q sabiam coisas p\ fomentar novas guerras foram escondidos e ajudados c\ o perdão p\ continuarem seus estudos e descobertas em favor dessa nação do diabo. Quando falo do interesse escuso dessa gente em dominar e exterminar uma parcela da população mundial, as pessoas me chamam de maluca !Fazem isso criando inimizades e fofocas entre países, usam de má fé p\ c\ seus cidadãos, fazendo-os pecar contra a humanidade!

Responder

    Roberto

    26/11/2014 - 10h49

    Sem contar as bombas atômicas que atiraram em um país rendido só para ver o que acontecia. Sem contar o extermínio dos mulçumanos, eleitos inimigos número 1 do planeta. Os próprios ianques explodiram as torres, derrubaram aviões, mataram milhares de pessoas em seu território para consolidar o inimigo número 1, alastrar a guerra contra o terrorismo pelo mundo e fazer guerra no Oriente Médio para sair de crise interna e lucrar com a venda de armamentos e insumos para a guerra e lucrar com o roubo de petróleo do Oriente Médio. O pior é que os ianques têm comparsas no próprio Oriente Médio e na Europa, que vão no rastro do genocídio e do saque. Aqui no Brasil, temos que manter a política atual incansavelmente, para ter esses diabos longe daqui. Apesar que nossa mídia e muitos políticos e a grande imprensa vivem como serviçais bem pagos dos demônios. Não deveriamos admitir nem a existência de escritórios da CIA no Brasil. Eles sempre atuam para nos prejudicar.

    Godinho

    26/11/2014 - 11h27

    Só um detalhe: as bombas no Japão não foram só pra ver o que acontecia. A bomba-teste de Alamo Gordo já havia mostrado o potencial da arma.
    As bombas nos japoneses foram para frear Stalin. Os acordos pré-rendição alemã determinavam que a Rússia entraria na guerra oriental no mais tardar três meses após a rendição no ocidente. A idéia angloamericana era mobilizar algumas dezenas de divisões russas na China, paralisando cerca um milhão de soldados nipônicos por lá, todos veteranos combatentes de uma ocupação que já durava uns 12 anos.
    Stalin de fato despejou umas noventa divisões na China. Mas mandou dezenas para as Ilhas Sakalinas (que haviam sido perdidas na guerra nipo-russa de 1905), e dali para Hokkaido, onde chegaram a desembarcar e depois do bombardeio atômico recuaram.
    O Japão havia dado um enorme salto tecnológico com a guerra, e em muitos pontos, como aviões a jato, seus projetos eram melhores que os alemães e ingleses, únicos detentores da tecnologia no final de 1945. Só não tinham mais condições de por em prática essas armas. Por isso, manter a URSS longe do butim industrial e tecnológico era fundamental para os EUA.

meiry bitarelli medeiros ribeiro

25/11/2014 - 17h40

que coisa terrível .

Responder

meiry bitarelli medeiros ribeiro

25/11/2014 - 17h38

gostaria que não fosse verdade

Responder

Douglas

25/11/2014 - 17h15

A MÍDIA Ninja é CIA. Pode vasculhar que Vcs vão chegar ao embrião lá nos EUA.

Responder

    Marcelo

    25/11/2014 - 22h23

    Meu irmão tem falado muito nisso. A Mídia Ninja é patrocinada por órgãos da CIA. Não quero dar detalhes aqui, mas as fontes são seguras e a associação entre as duas é certa.

    Tanto a esquerda brasileira quanto a direita, ambos, estão a serviço dos EUA. Infelizmente estamos perdidos. “Se correr o bicho pega, Se ficar, o bicho come”. Esquerda e direita: dois servos a serviço do mesmo senhor.

Cláudio

25/11/2014 - 17h13

Terrível mas já muito conhecido por nós todos, brasileiros, vide pig (partido da imprensa golpista).

♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥

****

*************.

* . . . . **** . . . . Lei de Mídias Já!!!! **** … “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” *** * Joseph Pulitzer. **** … … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” *** * Malcolm X. … … … Ley de Medios Já ! ! ! ! . . . … … … …

Responder

Valmont

25/11/2014 - 17h11

William Waak e Merval Pereira, da Rede Goebbels, foram citados como “consultores” em relatórios reservados da embaixada americana (fonte: Wikileaks).
Aliás, sinto-me nos Estados Unidos quando vejo a Goebbels News. Os “agentes” (eles não são jornalistas) referem-se àquele país como se fossem cidadãos superpatriotas. É mais fácil encontrar cabeça de bacalhau do que uma crítica ao Tio Sam naquela organização americana. Caracoles!

Responder

    Ghassan El-Kadri

    25/11/2014 - 21h40

    Rede Goebbels é mpagável! Grande sacada!

Ronaldo R Freitas

25/11/2014 - 17h06

Lendo o artigo e algumas imagens de “jornalistas” foram se formando na minha mente, principalmente de um que faz o serviço sujo desde a ditadura e que essa semana ganhou destaque por ofender eleitores que discordam da posição que ele foi arregimentado pra defender.

Responder

Jair

25/11/2014 - 16h23

certamente o merval pereira.

Responder

Luís Carlos

25/11/2014 - 16h23

O PS é instigante. Porém, como não jornalista, muito já ouvi sobre jornalistas que fazem viagens para os EUA com despesas pagas. E jamais entram em crise por isso. Pelo contrário, para estas pessoas isso não é corrupção, só o que outros fazem. O falso moralismo é característico de certo jornalismo.

Responder

Julio Silveira

25/11/2014 - 16h21

Cada vez mais gente acorda do transe a que estão submetidos debaixo de artifícios financeiros. Infelizmente isso não é novidade, pelo menos para mim, e aí não vai nenhum sentimento anti americano, como possam vir dizer os que facilitam sua dominação cultural e mental. O que está em jogo, e ficando mais evidente, são suas próprias existências, no sentido lato, neste nosso planeta.

Responder

Deixe uma resposta