VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Gilson Caroni Filho tipifica o crime da Globo: “Apologia de ato criminoso”

17 de março de 2016 às 19h23

Captura de Tela 2016-03-13 às 00.22.25

Moro e Marinho, o anoitecer indesejável

por Gilson Caroni Filho, especial para o Viomundo

Creio que já passou da hora de parar de nos refugiamos em uma espécie “ilha da fantasia”.

Não adianta esbravejar que Aécio, Serra e outros parlamentares da oposição são corruptos.

Disso todos sabem, até mesmo aqueles que, seletivamente, os poupam de xingamentos. O que devemos nos perguntar é por que o cartel midiático, como intelectual orgânico do grande capital, conseguiu impor ao conjunto dos estratos de classe média a direção política e cultural da extrema-direita? Coesioná-los no ideário fascista.

Tivemos inúmeras possibilidades de democratizar a imprensa, mas dela ficamos esperando uma conversão agostiniana. É verdade que há um golpe em andamento e um judiciário perigosamente partidarizado. Mas isso não se combate com adjetivações fáceis ou rompantes voluntaristas.

O que perdemos foi a possibilidade de articular propostas contra-hegemônicas por ausência de reformas estruturais, por alianças e concessões que nos tornaram, aos olhos de uma ampla parcela da população, muito semelhantes aos que consideramos nossos adversários políticos. E sempre que critiquei esta estratégia fui alertado de que estava ignorando a “correlação de forças”.

Sempre destaquei a importância de governar com os movimentos sociais e dialogarmos com as novas gerações. Muitos endossaram a escolha burra de confinar o jogo político no campo institucional.

Não é preciso ir muito longe para saber que este é o caminho mais distante para construirmos um campo contra-hegemônico às narrativas produzidas em aquários onde habitam espécies híbridas, nascidas no conluio entre o mercado e as redações do retrocesso político.

Todo cidadão tem direito a expressar a sua discordância quanto a medidas tomadas por qualquer governo. Esta é a essência da democracia. Mas quando um juiz federal grampeia ilegalmente a presidente da República, e vaza a conversa para uma emissora de televisão, qualquer vestígio de apreço à legalidade desaparece,

O que o Grupo Globo praticou, ontem, no site do seu jornal e no noticiário das emissoras televisivas, que operam sob regime de concessão pública, está previsto no artigo 287 do Código Penal: “Fazer, publicamente, apologia de ato criminoso ou de seu autor.”

Outro aspecto importante deve ser ressaltado. Quando se fala em regular a radiodifusão, não há nenhuma proposta de censura, como alardeiam os donos da mídia hegemônica e seus capatazes na redação.

Trata-se apenas de submeter a comunicação eletrônica ao que está previsto na Constituição Federal. Leiam os artigos 220, 221 e 223. O primeiro deles proíbe a existência de monopólios ou oligopólios.

Se, como diria Clemenceau, a guerra é muita séria para ser assunto exclusivo de militares, a preservação da nossa democracia, tão duramente reconquistada, não pode ficar à mercê dos achismos de colunistas amestrados e de juristas de algibeira.

É bom lembrar também que a autonomia do Ministério Público foi garantida na Carta de 1988, mas somente efetivada em plenitude a partir do primeiro governo Lula.

Mas não cabe aos procuradores ultrapassarem os limites da legalidade, colocando suas preferências ideológicas acima do respeito às normas legais, éticas e imperativas em um Estado democrático.

O trinômio formado pelo juiz Sérgio Moro e pelas famílias Civita, Marinho e Frias não é um fenômeno novo, um raio em céu azul, mas a longa persistência de vontades que sonham com a volta do anoitecer que nega ao dia a possibilidade de trazer o novo.

É preciso retomar as ruas com um projeto político. É fundamental proclamar a grande recusa à farsa que se constrói como força.

Leia também:

Deputados do PSOL acusam Moro de favorecer “golpe institucional”

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

2 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Jorge Luiz

17/03/2016 - 23h44

Fora Globo!

Responder

Francisco

17/03/2016 - 20h19

O PT no Poder não regulamentou nem mesmo a legislação sobre plebiscito.

Não precisa dizer mais nada…

Mas, mesmo no Código de Midia que existe, o tal que é de antes da fita cassete, deve haver alguma ligação entre COMPROVADA manipulação de noticias em processos eleitorais esta, atual, incitação à violência e a perda de concessão de rádio e TV.

Que se cumpra a Lei.

Simples, sem frescura e como Maquiavel ensinou: de uma vez.

Ou democracia ou Marinho, tendo Globo, não teremos liberdade de expressão. Nunca.

A propósito… Ministro Zé, já decidiu o país aonde se esconderá o resto da vida! Adiante seu lado, Zé…

Responder

Deixe uma resposta