VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Esculacho na Fiesp: Denunciados nas ruas os que bancaram golpistas

10 de abril de 2014 às 12h31

Fiesp e banco Itaú são “esculachados” por “apoio à ditadura civil militar”

Por Tatiana Merlino, fotos e vídeo de Beatriz Macruz e Caio Castor

Avenida Paulista, 1313. Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). No portão de entrada da sede da instituição, uma faixa: “A Fiesp financiou a ditadura civil militar”. Senhores e senhoras de idade encostam “pirulitos” com rostos de mortos e desaparecidos políticos da ditadura civil militar (1964-1985) na grade, jovens na faixa de vinte anos tocam instrumentos de percurssão e gritam palavras de ordem, como “A verdade é dura, a Fiesp apoiou a ditadura” e “Não esquecemos a ditadura, assassinatos e tortura!”.

Usando uma máscara de gorila, uma atriz segurava cartolinas com os nomes “Dr Geraldo” e “Olavo Setúbal”, em referência a Geraldo Resende de Mattos, ex-funcionário da Fiesp, e ao banqueiro Olavo Setúbal, que foi prefeito biônico de São Paulo, entre 1975 e 1979.

Apoio financeiro

Organizado pela Frente de Esculacho Popular, o “esculacho” denunciou a participação da Fiesp no financiamento ao golpe militar de 1964 e ao aparato de repressão a opositores do regime. O Banco Itaú, por sua vez, foi acusado de, além de ter apoiado a ditadura, distribuir uma agenda em que o dia 31 de março é chamado de “dia da Revolução de 1964”, como os defensores do regime se referem ao golpe militar. O ato reuniu cerca de 50 manifestantes, entre os quais jovens, ex-presos políticos, parentes de vítimas da ditadura e militantes de direitos humanos.

Rafael Pacheco Marinho, militante da FEP, disse que o objetivo do “esculacho” é evidenciar que a ditadura brasileira não foi só militar, mas sim “civil-militar, já que contou também com o apoio da sociedade civil e de empresários que foram colaboradores diretos das políticas de repressão e terror de Estado. Há empresas que financiaram centros de repressão, como a Oban, em São Paulo”. As reuniões de coleta financeira, lembrou, eram organizadas pela Fiesp e coordenadas pelo então ministro da fazenda Delfim Netto.

“Símbolo da ditadura”

Ao microfone, o deputado Adriano Diogo (PT), ex-preso político e presidente da Comissão da Verdade do Estado de São Paulo “Rubens Paiva”, citou empresas colaboradoras da ditadura, sendo seguido pelos manifestantes, que repetiam, em coro: “Supergel, Cobrasma, Mercedez Benz, Volkswagen. Elas financiaram o golpe, acompanharam sessões de tortura com o Boilesen e o Dr. Geraldo. A Fiesp é o símbolo da ditadura”.

No ano passado, um documento do Arquivo Público do Estado de São Paulo revelado pela Comissão Estadual da Verdade “Rubens Paiva” demonstrou a presença constante do empresário Geraldo Resende de Mattos, da Fiesp, na sede do Dops paulista.

Também presente ao ato, a ex-presa política Amelinha Teles, integrante da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos, destacou a importância de lembrar, 50 anos depois do golpe militar, “o papel preponderante dos empresários, não só no golpe, mas no financiamento, apoio político e logístico na consolidação da ditadura. Eles financiaram centros clandestinos de tortura não só em São Paulo. Ela defendeu que a Fiesp peça perdão ao povo brasileiro, “pelo apoio ao golpe e à tortura”.

Os manifestantes também entraram na agência do Itaú localizada na avenida Paulista, onde entregaram panfletos e tentaram conversar com as pessoas que estavam na fila, mas foram colocados para fora pela segurança da instituição.

[O Viomundo só pode bancar a produção de conteúdo exclusivo como este por conta de nossos assinantes. Um deles não é o Banco Itaú. Torne-se um apoiador de nosso jornalismo independente]

Colagem

O esculacho popular teve início na noite da terça-feira, 8, quando militantes da FEP saíram às ruas em torno da avenida Paulista e colaram – em postes, orelhões, pontos de ônibus e até em um posto da Polícia Militar – cartazes em que a participação da Fiesp e do Itaú no apoio à ditadura é denunciada.

A FEP lembrou, ainda, a participação de outras empresas no financiamento à repressão política, como Ultragaz, Volkswagen, Odebrecht, Ford e General Motors, assim como meios de comunicação, como as Organizações Globo e o Grupo Folha.

A Frente de Esculacho Popular, formada no início de 2012, é uma organização composta por familiares de vítimas da ditadura e ativistas de direitos humanos em geral. Tem como principal linha de ação a realização de esculachos, protestos que têm como objetivo denunciar os colaboradores da ditadura militar, seja pessoas ou empresas, como forma de pressionar por sua punição na Justiça. De acordo com a organização, “a FEP acredita que somente acabando com a impunidade do passado é que se pode acabar com os crimes do presente: ainda hoje, tortura-se e mata-se nas periferias das cidades do país”.

Leia também:

“Fraco e covarde”, Goulart também era chamado de “tirano de São Borja”

 

30 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Jose C. Filho

13/04/2014 - 21h20

Apenas um aparte ao comentário do companheiro Oswaldo Venudo, o primeiro deste tópico. Ele cita o apoio da maçonaria ao golpe militar de 64, entre várias outras instituições. Ocorre que os maçons estão infiltrados em todas as instituições relacionafas: STF, OAB, MP,ABI,FIESP, POLÌTICOS, oficiais de alta patente das FORÇAS ARMADAS e até na cúpula das igrejas cristãs. Quer dizer, lá no fundo, o golpe teve apoio fundamental das irmandades secretas.

Responder

    Francisco Jesus da Paz

    04/05/2014 - 16h08

    • A verdade sobre a ditadura cívico-militar finalmente está ganhando a luz do dia, com o resgate da memória nacional. Os empresários participaram da organização do golpe cívico-militar, financiaram os centros de tortura e morte de opositores ao regime de exceção e deram apoio incondicional à ditadura. Mas não somente eles. A sociedade civil, A Igreja Católica, Igrejas Evangélicas, OAB, ABI, FIESP, Maçonaria, Banco Itaú, Bradesco, a Polícia Civil do começo ao fim, Ministério Público, STF, Poder Judiciário, Globo, Estadão, Folha de São Paulo, praticamente toda a imprensa, apoiaram o golpe cívico-militar.
    • Cerca de oito mil militares das Forças Armadas e das Polícias Militares, nacionalistas e legalistas, do Movimento Militares da Resistência Democrática à Ditadura Cívico-Militar e os Militares da Democracia, se opuseram ao golpe cívico-militar. Foram presos (em navios-prisões), torturados, mortos sob tortura e perseguidos logo nos primeiros dias de abril de 1964 e no decorrer do período da ditadura. O Tenente PM José Ferreira de Almeida foi preso no DOI/Codi do II Exército, torturado e morto no dia 08/08/1975. Apareceu pendurado, “enforcado” na cela nº 2 do DOI/Codi, com a farsa do suicídio, tal como a farsa do suicídio de Herzog, na mesma cela e nas mesmas condições. O Coronel PM José Maximiano de Andrade Neto, também preso e torturado no DOI/Codi, de onde foi retirado e apareceu morto em sua casa, em Campinas (SP), no dia 18/08/1975. Ambos foram presos e torturados no DOI/Codi, em julho de 1975, juntamente comigo e mais uma centena de militares, acusados de comunistas, subversivos e de resistência à ditadura cívico-militar. Capitão PM Pedro Lobo, nacionalista, legalista e patriota, preso e torturado. Teve duas costelas quebradas sob tortura. Soldado PM Wernek, presidente da Associação dos Cabos e Soldados, preso no navio-prisão Raul Soares, em Santos (SP), nos primeiros dias de abril de 1964, depois assassinado. Fui preso por agentes do DOI/Codi e encapuzado no dia 03/07/1975, no interior da agência do Banco Itaú, na Rua Boa Vista, Centro de São Paulo, conduzido à Rua Tutoia, centro de tortura do II Exército (DOI/Codi), onde permaneci preso e torturado durante 45 dias. O Banco Itaú e seu presidente Olavo Setubal, financiaram centros de tortura, dentre eles, a OBAN e o DOI/Codi. Olavo Setubal ganhou da ditadura cívico-militar o cargo de Prefeito biônico de São Paulo.
    • Capitão Paz

Marcio Ramos

13/04/2014 - 09h04

… governo a gente decide se fica com este ou com aquele, vota aqui ou acolá, já estes sanguessugas criminosos formam uma casta que que se perpetuam no poder como muitos do Judiciario, do Legislativo e do Executivo e ainda alguns da Midia bandiida, banqueiros e grileiros… ou seja, nada de novo no front…

Responder

Urbano

12/04/2014 - 15h41

Eis uma coisa que os bandidos da oposição ao Brasil não deveriam fazer, por hipótese alguma: pedir indenização por danos morais… Pode até ser por danos a Morais, quando se referir ao sobrenome. Aí é outra história.

Responder

    Urbano

    12/04/2014 - 17h21

    Quando digo Morais é que, Deus livre e guarde, o meliante venha a ter esse sobrenome.

Antonio

12/04/2014 - 15h12

Alguém sabe me dizer onde se escondem os maiores SONEGADORES DE IMPOSTOS desse país?

E eles colocaram um propaganda na televisão se ufanando de terem acabado com a CPMF, o imposto que só os ricos pagavam e que poderia, se tivesse havido acordo, ser empregado totalmente na área da saúde. Além disso, a CPMF, ou imposto do cheque, servia para combater a sonegação bilionária praticada pelos ricos paulistas.

Os FIESPENTOS querem viver em um país violência zero, educação, saúde e mobilidade urbana de primeiro mundo, mas sem pagar um tostão de impostos. Aliás, quem paga impostos não são eles, somos nós, classe média fodida.

Que tal instalarmos um sonegâmetro ao lado da FIESP em São Paulo?
Ou será melhor instalarmos um sonegâmetro em cada paraíso fiscal, como no caso das Ilhas Virgens Britânicas?

Al Capone no Brasil estaria numa boa e abrigado na FIESP com certeza.

Responder

Messias Franca de Macedo

11/04/2014 - 18h40

[‘O grampo sem áudio’ II, estúpido! ENTENDA mais esta lambança dos fascigolpistas de togas imundas!]

gilmar DANTAS foi orientador de tese da promotora que tentou quebrar sigilo do Planalto – Cadê o Ministério da Justiça? Cadê a ABIN? Gilmar foi orientador de tese da promotora que tentou quebrar sigilo do Planalto sex, 11/04/2014 – 15:05 Por Stanley Burburinho, no blog do Nassif. A latitude: (15º 47′ 56.86″ S) e longitude: (47º 51′ 38.67″ O) que a promotora do MPDF mandou incluir para quebra dos sigilos são, exatamente, do Palácio do Planalto. Veja na imagem abaixo: stanley-coordenadas [1] A promotora Márcia Milhomens, do Ministério Público do Distrito Federal, que escondeu que pediu a quebra de sigilo dos telefones do Planalto, teve Gilmar Mendes do STF como orientador da dissertação de mestrado na UnB.

aqui: http://jornalggn.com.br/noticia/gilmar-foi-orientador-de-tese-da-promotora-que-tentou-quebrar-sigilo-do-planalto

ou aqui: http://www.ocafezinho.com/2014/04/11/a-promotora-que-tentou-dar-um-golpe-no-planalto/

Responder

Mário SF Alves

11/04/2014 - 16h57

Quanto mais reflito sobre tudo isso, mais me lembro do Tiradentes. Por que o enforcaram e esquartejaram? Ele também constituía algum tipo de ameaça comunista?

É certo que se tudo tivesse acontecido conforme planejavam os inconfidentes o Brasil teria sido beneficiado.

E por que tamanha violência? Não bastava o enforcamento?

Qual o recado quiseram transmitir-nos com tal abominável e aterrorizante gesto?

Ah, essa herança portuguesa. O golpe civil-militar de 64 que o diga. Quantos brasileiros, aos quais a ditadura indistintamente estigmatizava com o rótulo de comunistas, não foram igualmente “esquartejados” nos porões da ditadura?
______________________________
A saga de Tiradentes também clama pelo seu resgate histórico. Lá a intervenção da Metrópole Portuguesa, em 64 a dos EUA.

Responder

Mário SF Alves

11/04/2014 - 15h47

E não é essa mesma FIESP que andou aterrorizando eleitores ao afirmar que os empresários deixariam o País caso o Lula fosse eleito?
_______________________
Humm… até parece que o capital tem pátria.

Ou será que só mudaram de ideia após a Carta aos Brasileiros?

E o que diriam hoje, já que as burras cada vez mais cheias?

Responder

mineiro

11/04/2014 - 15h12

pode passar muitos anos , mas a verdade aparece. confirmaram o que todos nos suspeitavamos , que a ditadura nunca foi so militar e sim civil. sem a ajuda dos civis , os militares nao passava da primeira esqueina. agora esta aparecendo que saos os verdadeiros ratos da ditadura , os que sempre se beneficiou-se dela. tem que mostrar para os quatros cantos da terra os lixos , os facistas , os nazistas , os escroques, os psicopatas que lucrou com ela e quem levou a culpa foi os militares, tiveram culpa tambem , mas os verdadeiros culpados saos civis calhordas junto com os eua. se essa turma como eu ja disse , os militares nao passava da primeira esquina.

Responder

anac

11/04/2014 - 15h05

TORTURA NUNCA MAIS:
Lembrar é preciso.
Frei Tito de Alencar Lima, brutalmente torturado no cárcere se suicidou na França.

Rezemos, mesmo os sem fé, juntos o poema – Noite de Silêncio – que Tito escreveu em Paris, a 12 de outubro de 1972:
“Quando secar o rio da minha infância / secará toda dor. Quando os regatos límpidos de meu ser secarem / minh’alma perderá sua força. Buscarei, então, pastagens distantes / lá onde o ódio não tem teto para repousar. Ali erguerei uma tenda junto aos bosques. Todas as tardes, me deitarei na relva / e nos dias silenciosos farei minha oração. Meu eterno canto de amor: / expressão pura de minha mais profunda angústia. Nos dias primaveris, colherei flores / para meu jardim da saudade. Assim, exterminarei a lembrança de um passado sombrio”.

Responder

    anac

    11/04/2014 - 15h08

    Que se diga a verdade. A ditadura foi civil-militar. Os civis foram mandantes, os militares paus mandados.

    Tutaméia

    14/04/2014 - 07h22

    a Agencia Nacional de Aviação Civil sabe das coisas..

Romanelli

11/04/2014 - 12h19

olha, realmente, movimento mais ABJETO, fascista, vingativo, ilegal e revanchista eu só consigo debitar se partido duma turma que, já ciente que NÃO deram respostas, que ESTÃO devendo, que suas fórmulas ou encontraram limites ou a sociedade já deu provas de que não funcionam, eu só consigo debitar a um punhado de maníacos esquerdopatas que tentando se valer da cizania e da vilania, se NEGAM a permitir com que o país discuta os problemas presentes e as nossas perspectivas pro futuro.

Vem cá, quantos anos tinham os moleques do esculacho? ..quantos anos tinham no tempo em que a “sociedade autora da trama” discutiu e encontrou a solução possível à época pra relevar suas diferenças e encarar os seus problemas ?

..sei sei, a maioria nem sabe a que estão se prestando e quem os esta manipulando ? ..entendo

Olha, isso não diz respeito a crença nem a ideologia, nem a busca duma verdade (mesmo que contada por um só lado), afinal, a maioria hoje que toma as doeres de gente que nem conheceu, SEQUER havia nascido, né isso ?

..sinceramente, tamanho fanatismo só mesmo se inserido dentro dum espírito messiânico, de MALUCOS

a propósito, alguém aqui tá sabendo que o país esta atravessando a MAIOR insegurança hídrica de toda a sua história ? ahhh tá, então vamo lá ..caminhando e cantando e seguindo a canção ..blá blá blá

Responder

    Dan

    11/04/2014 - 15h00

    Romanelli, se acalma, toma um chá de camomila e percebe que na falta de argumento, unzinho sequer há!, você só xinga e desqualifica e dá a impressão que, se tivesse poder, prendia e arrebentava. Se enxerga, vai!

    anac

    11/04/2014 - 15h13

    Só se for em SP. Pois aqui no Nordeste a água está uma FARTURA. E depois da Transposição do rio São Francisco promovido pelo PT, adeus seca.
    Secadão vai ser com os paulistas, que na monumental ignorância pensam que estão sendo convidados para um rodizio de Pizza.

    Mário SF Alves

    11/04/2014 - 16h02

    Insegurança o quê? Hídrica? Maior da história?

    Né tipo o maior escândalo de corrupção de todos os tempos não, é?

    ____________________________
    Pois é, bota os números aí na tela. Vai, capricha, sei que pode. Senão fica parecendo terrorismo eleitoral, algo como bolinha de papel na cabeça do (en)Cerra, e outros.

    pierre

    12/04/2014 - 12h35

    Sem água o Tietê não vai conseguir empurrar, para o interior do estado, o bosteiro da capital, jogado no seu leito pelas administrações do PSDB. O fedor vai ser tanto que urubu vai voar de costas. É muita competência para um partido só!

Marcos

10/04/2014 - 23h50

E o esculacho no pig-mor, que articulou, apoiou, ampliou e enriqueceu na ditadura?

Responder

Marat

10/04/2014 - 22h34

SENSACIONAL!!!!!!!!!!!!!!!!! Um dos bastiões do conservadorismo foi alvo!!!!
Agora seria legal inserir um sonegômetro em frente à Associação Comercial!

Responder

Fabio Passos

10/04/2014 - 20h52

A “elite” branca e rica usou o exército para impor seus interesses.
Quem defendia a população pobre foi perseguido, torturado e até assassinado!

Hoje estes empresários miliardários fingem que são democratas…

Oesculacho é merecido!

A casa-grande tem saudades da ditadura… porque o PiG-psdb não consegue mais impor todos os interesses dos ricos.

Responder

Heitor

10/04/2014 - 17h27

fora da pauta da matéria mas tão importante quanto: quero me tornar assinante do blog mas não tenho cartão e quero pagar por boletos. Posso? Tem como?

Responder

Miranda Afonso

10/04/2014 - 15h31

Até que enfim, aparece algum coisa interessante nesta historia de 64. Mas, precisamos que isto tem mais corpo, para que o país de hoje, saiba quem são
os verdadeiro culpados e o terrorismo aplicado na não vingue outra vez.

Responder

Urbano

10/04/2014 - 14h32

O pig está merecendo outros escrachos, inclusive para advertir que se criarem problemas para o Brasil durante a Copa, a coisa vai ser dobrada, feito tapioca…

Responder

    Urbano

    10/04/2014 - 14h34

    Simples silepse de número rsrsrs…

    Urbano

    10/04/2014 - 17h44

    Dezenove anos, mais ou menos, depois de sermos adversários na segunda guerra mundial, aí vêm duas empresas alemãs estabelecidas no Brasil e financiam o quê???

maria carmen souza de moura aguiar

10/04/2014 - 13h59

ADORO O BLOG E AMEI ESSA REPORTAGEM SOBRE O GOLPE,POIS BRASILEIROS DE VERDADE DEVIAM DEIXAR DE ASSISTIR AS BABOSEIRAS DA GLOBO,FOLHA E OUTROS E LER MAIS,SE ENVOLVER COM OS PROBLEMAS REAIS DO BRASIL,PRECISAMOS CONHECER A VERDADE E SINCERAMENTE A COMISSÃO É UM INICIO MAS ,DEVERIAMOS FAZER COMO OS COLEGAS SUL AMERICANOS E TERMOS SIM JULGAMENTOS PARA QUE ESSES CANALHAS FOSSEM PARA A CADEIA,E NÃO FICAR ATÉ HOJE IMPUNES E DEBOCHANDO DE NÓS COMO POVO.

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    10/04/2014 - 14h19

    Maria, pode escrever em minúsculas que o povo te entende. abs

lidia virni

10/04/2014 - 13h01

Lindo, lindo, emocionante. ESQUECER JAMAIS!

Responder

julio cesar montenegro

10/04/2014 - 12h52

nada de novo na frente patronal
senhores da casa grande ao chegar da europa
TOMARAM POSSE DA TERRA
matando nativos
engordaram HERANÇAS
explorando cativos

entre golpes
pra se MANTER NO PODER
e eleições
quando há perigo de revolução popular
cientes de $UA MINORIA
DETESTAM NAS URNAS
sinceros votos DA MAIORIA

desesperados coitados…
NÓS, a maioria,
estamos descobrindo EM REDE
que NAS RUAS
fora dos salões da casa grande
convivemos NO MESMO CHÃO
diversos, conFLUENTES, minorias…

Responder

Deixe uma resposta