VIOMUNDO

Damous: Eduardo Cunha viola Constituição ao censurar a TV Câmara

06 de janeiro de 2016 às 22h00

Captura de Tela 2016-01-06 às 21.53.43

Lessa: Antipetismo no sangue

Wadih Damous: Censura na TV Câmara fere Constituição Federal

Paulo Pimenta também critica conduta dos veículos de comunicação que estão sob o comando do presidente da Casa, Eduardo Cunha

Por Mariana Zoccoli

Agência PT, em 5 de janeiro de 2016 às 12:13:40

A postura dos veículos de comunicação da Câmara dos Deputados tem sido alvo constante de críticas por parte de parlamentares que fazem oposição ao presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB).

Deputados petistas como Wadih Damous (RJ) e Paulo Pimenta (RS) denunciam, desde o ano passado, que a TV Câmara, a Agência Câmara e a Rádio Câmara são utilizadas para favorecimento de Cunha e em detrimento de parlamentares que o criticam.

Como exemplo do favorecimento explícito a Cunha, o deputado federal Wadih Damous cita a censura a críticas ao presidente da Câmara durante o programa “Fatos e Opiniões”, da TV Câmara, veiculado em novembro de 2015.

Inicialmente publicado na internet, o programa veiculou falas de parlamentares contra o presidente da Casa. No entanto, na edição veiculada na televisão, o vídeo foi editado e as críticas, excluídas.

Posteriormente, a versão online também foi modificada.

“Essa atitude não causa surpresa porque é uma determinação do atual presidente da Casa, que se especializou em desrespeitar a Constituição Federal e o regimento interno”, disse Damous.

“Como ele está em uma situação política e jurídica extremamente difícil, o método de que ele se vale é a censura. E isso é inconstitucional”, explicou o parlamentar.

A prática de censura aos veículos de comunicação da Câmara também foi observada durante a votação da comissão especial do impeachment, no início de dezembro. Em meio ao tumulto da sessão, Eduardo Cunha determinou que o áudio da transmissão da TV Câmara fosse cortado.

Após a determinação do presidente da Casa, a emissora continuou a transmissão, apenas com as imagens. Na época, a assessoria de Cunha informou que o áudio foi cortado para evitar “tumulto no processo eleitoral”.

Wadih explica que a iniciativa de Eduardo Cunha fere a Constituição Federal. O artigo 37 da Carta Magna diz que “a administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência”.
“Eduardo Cunha está fazendo isso (a censura) por interesses pessoais. E isso contraria o artigo 37 da Constituição, que fala sobre os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, entre outros”, afirmou Damous.

Coordenação — Diretor-executivo da Secretaria de Comunicação Social da Câmara dos Deputados desde setembro de 2015, Cláudio Lessa é conhecido por críticas ao Partido dos Trabalhadores e ao governo da presidenta Dilma Rousseff.

Na internet, Lessa mantém um blog “pessoal”, onde, em outubro, fez uma enquete que sugeria, entre outras saídas, o suicídio da presidenta Dilma Rousseff como forma de superar a crise econômica.

Ainda no blog, Lessa faz críticas à presidenta e também referências em apoio ao impeachment.

Competências — Apesar de não disponibilizar um estatuto ou um regulamento sobre as atividades da Secretaria de Comunicação da Câmara, o site da Casa informa que são atribuições do setor:

1 – divulgar as atividades da Câmara dos Deputados, com prioridade para aquelas diretamente relacionadas ao processo legislativo, por meio da distribuição de conteúdos informativos em suas emissoras de TV e rádio, jornal impresso e no portal de internet;

2 – gerenciar o trabalho de assessoria de imprensa;

3 – promover ações de relações públicas e divulgação institucional que aproximem o Poder Legislativo da sociedade, sejam presenciais ou com o auxílio de ferramentas de interatividade;

4 – apoiar iniciativas que promovam o conhecimento e a cidadania;

5 – gerenciar os veículos de comunicação interna.

Leia também:

Quem está por trás do desmanche de nossos programas estratégicos?

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR
3 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Gonzalo

07/01/2016 - 12h09

NO brasil tem uma sensura danada ate: no portal vermelho censuram , enton é uma ditadura até da esqurda parabens para voces viomundo.

Responder

    Gonzalo

    07/01/2016 - 12h22

    espero k naô sismen

Julio Silveira

07/01/2016 - 08h02

No Brasil, de mansinho, foram tomando conta os piores elementos para a formação cultural de nosso povo.
O Cunha é apenas a consequência mais aparente. Esses elementos atuam para desmoralizar completamente os poderes incentivando o que podemos ter de pior, por que quanto mais frágil o povo mais fortes eles são. Tornando tudo um circulo viciado que se transforma numa bola de neve agregando sempre o pior de nossa sociedade. A transformando nessa sociedade que ninguém em momento de bom senso quer, mas que sem perceber dela faz parte e contribui por maus hábitos culturais que em alguns momentos imperceptíveis a vista lhes fizeram a cabeça.
O povo infelizmente, desatento, não percebe de onde deriva seu mal, apenas reage. Esse Cunha é realmente dose cavalar de veneno, mas quantos outros iguais podem já estar sendo preparados para substitui-lo logo que este perder sua utilidade? e será o povo que vai conduzi-lo, sob o comando hipnótico desses formadores culturais, disso não tenho duvidas.

Responder

Deixe uma resposta