VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

As consequências do rito acelerado de Joaquim Barbosa

17 de novembro de 2013 às 20h59

Show de Barbosa foi ar no Jornal Nacional na data pretendida: 15 de novembro (foto extraída do Blog da Cidadania)

“Sou preso político e estou muito doente”

Na Papuda, a saúde de José Genoino é a preocupação principal dos prisioneiros da ação penal 470

por Paulo Moreira Leite, em seu blog na IstoÉ

“Estamos presos em regime fechado, sendo que fui condenado ao semiaberto. Isso é uma grande e grave arbitrariedade, mais uma na farsa surreal que é todo esse processo, no qual fui condenado sem qualquer prova, sem um indício sequer. Sou preso politico e estou muito doente. Se morrer aqui, o povo livre deste pais que ajudamos a construir saberá apontar os meus algozes!” (José Genoíno, 16/11/2013)

Presos há 72 horas na Papuda, em Brasília, a grande preocupação entre os condenados da ação penal 470 envolve a saúde de José Genoíno. 

Reunindo laudos assinados pelos médicos que atenderam Genoíno no Sírio Libanês, seus advogados já entregaram  ao STF um pedido para que ele possa cumprir pena em prisão domiciliar.

O argumento a favor de Genoíno é que ele teve alta hospitalar, mas nunca terá alta clínica e passará o resto de seus dias sob cuidados médicos permanentes. 

Genoíno havia sido aconselhado pelos médicos a não viajar de avião em função da pressão da cabine sobre um coração fragilizado, onde os médicos substituíram a aorta ascendente por um tubo. 

Mas acabou embarcando no jato da Polícia Federal, após um exame médico no aeroporto.

Foi sua primeira viagem de avião desde que foi operado. Genoíno passou mal na escala em Belo Horizonte e apresentava palpitações e dores no peito durante a viagem, conforme relatou ao cardiologista Daniel França, chamado pela família para que fosse examinado, por volta de 1 da manhã, quando já se encontrava na Papuda.

No laudo feito após o exame do paciente, o doutor Daniel registra um diagnóstico de cinco pontos. Explica, entre outras coisas, que Genoíno enfrenta dificuldades “para o controle adequado da pressão arterial.”

Também observa que tem problemas de coagulação, motivo de grande preocupação entre familiares. Conforme o laudo médico, essa situação pode produzir “sangramentos,” em determinados casos, e “trombose,” em outros. 

Outra questão envolve o regime semiaberto para aqueles prisioneiros que têm esse direito, como José Dirceu e Delúbio Soares, além do próprio Genoíno.

Eles se encontram na Custódia Federal da Papuda. A custodia, como o próprio nome diz, destina-se a guardar presos cujo destino ainda não está definido.

Já os presos com direito ao regime semiaberto são encaminhados para o Centro de Progressão da Pena, uma  das diversas áreas do presídio, que se assemelha a um albergue mais protegido e guardado.

A primeira explicação para essa situação é que os mandados de prisão foram expedidos sem que todas as formalidades tivessem sido cumpridas.

Isso facilitou o esforço de fazer prisões num 15 de novembro, aniversário da Republica.

Mas não ajudou a preparar toda a documentação necessária para definir o regime prisional de cada condenado.

Os prisioneiros chegaram a Papuda sem uma carta de sentença, necessária para definir exatamente a situação de cada um. Já havia passado da meia noite quando foi possível acomodá-los nas celas disponíveis.

“A volúpia de fazer as prisões de qualquer maneira prejudicou os condenados até na burocracia,” afirma o advogado Hélio Madalena, um dos defensores de José Dirceu.

Acredita-se que a partir desta segunda-feira será  possível que os presos sejam encaminhados para o lugar adequado mas isso não quer dizer que tão depressa poderão usufruir da principal vantagem do sistema semiaberto, que é sair do presídio para trabalhar.

Isso porque o prisioneiro precisa demonstrar que vai pegar no batente, se possível com registro em carteira assinada e demais  formalidades.

No caso de José Dirceu, que tem escritório, domicílio e família em São Paulo,  Brasília é hoje um local de descanso e conversas políticas – mas nada que possa ser chamado de trabalho.

Encarregado de administrar a execução das penas, o  juiz Ademar Silva Vasconcelos terá um trabalho menos relevante do que ocorre em outros casos.

Utilizando uma prerrogativa reservada ao Supremo, mas raras vezes empregada, Joaquim Barbosa manteve sob seus cuidados as principais deliberações a respeito do futuro de cada prisioneiro da ação penal 470.

O juiz Ademar Silva ficará responsável por decisões de caráter administrativo e, mesmo assim, cada deliberação deverá ser avalizada pelo presidente do Supremo.

As decisões mais importantes, no entanto, serão do próprio Joaquim Barbosa.

Os pedidos de transferência, as solicitações de redução da pena e outras decisões que envolvem um julgamento de mérito de cada prisioneiro vão depender dele.

Leia também:

Rodrigo Vianna: Em andamento, a Operação Barbosa

 

46 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

vIRGINIA MARIA GONÇALVES

19/11/2013 - 13h05

OPT foi demonizado pela mídia e por um tribunal sob suspeito de arbitrariedades mas as pesquisas de opiniao de intenção de voto demonstram que o povo não é burro. Não é só a situação de Genoino que preocupa por estar doente, mas os desdobramentos desta investida da direita que começou sua campanha com péssimos marqueteiros. Quem sabe deveriam começar pelo julgamento dos mensaleiros tucanos, jogando na cadeia algum debilitado preso com passado heroico….mas onde iam encontrar esta figura?

Responder

Tiao Macalé

18/11/2013 - 10h12

Olhem as idiossincrasias que esse camarada escreve no twitter: https://twitter.com/DaniloGentili

Esses são os funcionários da Rede Bandalheira !!!

Eu, se fosse diretor da Rede Bandeirantes, teria vergonha de ter uma pessoa dessa como meu funcionário.

Responder

maria do carmo

18/11/2013 - 09h44


Joaquim Barbosa esta deslumbrado, nao se concientizou que faz parte de um colegiado, ja se disse que o mesmo nao estava preparado para presidir o STF e agora depois de varias atitudes que nao condizem com a posicao que ocupa esta ultima, colocando em risco a vida de um dos reus, passou dos limites.Joaquim Barbosa nao tem limites, usou forca aerea para levar para Brasilia para depois retornar, colocar presos em regime fechado na Papuda para humilha-los, nao passa de um verdugo. Que vergonha para nos brasileiros. Estou esperando uma resposta do judiciario etico. Meus sentimentos a familia de Genoino, entendo perfeitamenta o que estao sentindo. Enquanto isso banqueiro ladrao soltinho e tudo parado. Medico tarado condenado a mais de 150 anos Hs.Cs. para fugir e curtir os valores cobrados de suas vitimas.REUS MILIONARIOS JUIZES BONZINHOS! Joaquim Barbosa dessa vez estrapolou, Srs. Ministros, acordem o verdugo! VERGONHA!

Responder

Gersier

18/11/2013 - 09h42

stf,um cãozinho amestrado a serviço do PIG e de grupelhos.

Responder

Maurílio de Carvalho

18/11/2013 - 09h34

Joaquim Barbosa só é ministro do STF porque o PT chegou à Presidência da República. Se fossem os tucanos, ele estaria onde todos os outros iguais a ele sempre estiveram. Nunca seria indicado para membro da mais alta corte do país. Joaquim Barbosa não faz parte da elite brasileira (embora faça o jogo dela), que o PSDB e o PIG defendem.
Quero contribuir com o blog

Responder

augusto2

18/11/2013 - 09h07

A balança é o simbolo tão obvio quanto antigo do equilibrio. A da justiça
o é quase por definiçao autoconceituavel ,como por ex. “linha reta”.
Entre os próceres da justiça de agora, há casos raros de equilibrio.
Equilíbrio entre o sabujismo á Midia/CasaGrande e o sicilianismo da vendetta pura e simples.

Responder

Patricio

18/11/2013 - 08h40

E você, que pensava que golpe de Estado se dava através articulações de generais filo-germânicos, de com balas de fuzil, uniformes verde-oliva? E agora? Surpreso?

Responder

Pedro luiz

18/11/2013 - 07h54

E o JN deitou e rolou na última sexta. A record e as outras também não ficaram para trás.Se Genuíno for a óbito, a população dará o troco nas urnas. Não sei, mas acredito que pode ser um tiro na culatra por parte dessa direitona. O que vcs acham?. O povo não perdoará essa atrocidade da direita.

Responder

Jose Mario HRP

18/11/2013 - 06h45

E quando o Mensalão acabar?
O que será da oposição?
Qual a próxima “jogada”?
Quartelada?
Um novo “Collor” tipo JB?
Caçando “marajás”?
Ou caçando o de sempre….petistas????
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK…..O Brasil que não muda nunca.

Responder

    augusto2

    18/11/2013 - 10h19

    mario, tem algo de real no q dizes. Mas é preciso ir para a luta com inteligencia, mesmo até com algum passo atras. O capital se viu ‘abandonado’em varias politicas dilmistas. E acuado é perigoso. Tem força q a gente nao tem,e desejaria ter. Calculismo, cabeça fria como a de pizzolato e mto cuidado.

Sandra Gontijo

18/11/2013 - 03h39

Que jogada suja e aviltante, expor a vida dos outros em RISCO para alçar voos politiqueiros! Genoíno é um homem respeitável e admirado por todos que entendem de política e hombridade. As armadilhadas que o sistema imundo de FHC e comparsas lhe deixaram como herança jamais poderão tirar-lhe a notoriedade, o reconhecimento público e a admiração. Graças às lutas de Genoíno e José Dirceu ,o Joaquinzão teve acesso ao famigerado STF. Outrora, antes da democracia instalada pelo suor e sangue de ambos , talvez estivesse o mesmo Joaquim faxinando os vasos sanitários- que provavelmente não seriam os mesmos de hoje- cotados em R$ 90.000,00( para dar mais umas cagadinhas….desculpem-me , não pude me conter….) . Contudo, ele e todos os brasileiros devem isso ao Genoíno ao José Dirceu,Dilma, Lula e outros . Devo reconhecer que foram heróis – enfrentaram Cia, Eua, Doi Codi e toda a parafernália ditatorial!Sem a suas lutas, estaríamos como o Iraque e o Vietnam . O que vejo? – Um circo montado e um presidenciável (que monopolizou o STF , a política e a Constituição) alimentar , incentivar e despertar o ódio de classes , a VINGANÇA, o desrespeito às leis, entre os brasileiros. Que vergonha….! Justiça seletiva, você está míope. Só visualiza o PT(não sou filiada a nenhum partido). Aliás ,o meu partido é o da retidão e justiça para todos. Sejam da Serra do Curral, ou seja das montanhas de Minas ….Espero que todos os advogados do país estejam ATENTOS diante das atrocidades cometidas contra o nobre deputado Sr.José Genoíno. Espero que a OAB exija o CUMPRIMENTO das leis e repudie os atos ditatoriais . E que todos os abusos sofridos (desde as torturas da ditadura) lhes sejam devidamente indenizadas! – Jamais acreditei que um político da estirpe de Genoíno participaria dos atos vis exibidos pela mídia ….esses atos que lhe foram atribuídos merecem punição! A perseguição, o abuso de poder , a discriminação de pessoas e partidos – devem ser analisados com rigor . Afinal, presenciamos um show de çaça aos cérebros brasileiros, extermínio nazista dos intelectuais de esquerda , afrontas ao Estado de Direito, aniquilamento dos direitos humanos…e por aí vai……Em meu humilde parecer, se recorressem à Corte Internacional de Justiça, o jogo pode mudar….! Pois fizeram um coquetel de crimes e réus para intencionalmente prejudicar. As eleições vindouras , os candidatos petistas , portanto com fins eleitoreiros ….E por falar em eleição- Por onde anda você, justiça eleitoral? Olho vivo….hein, são lícitas tais ações ?

Responder

    FERRETTI

    18/11/2013 - 09h38

    Então, Sandra o que você disse corresponde aa 100% do meu pensamento,mas acrescento que o verdadeiro julgamento virá em outubro de 2014,DILMA ROUSSEF, FERNANDO PIMNENTEL PADILHA todos primeiro turno.

claudinei

18/11/2013 - 01h53

Felipe Demier

“Mas aquele que blasfemar contra o Espírito Santo não terá, para sempre, perdão, visto que é réu de pecado eterno.” (Matheus 3:29)

Às vésperas do aniversário da República, o Supremo Tribunal Federal (STF) ordenou a prisão de José Dirceu, entre outros condenados pelo chamado “crime do mensalão”. Ao se apresentar na sede da Polícia Federal em Brasília, o ex-dirigente máximo do Partido dos Trabalhadores (PT) ergueu o punho cerrado, repetindo, assim, o gesto que ele próprio fizera, algemado, antes de embarcar, em setembro de 1969, num avião da Força Aérea Brasileira (FAB) – que conduziria para o México os militantes de esquerda trocados pelo embaixador norte-americano (sequestrado pela guerrilha antiditatorial brasileira). Mas o José Dirceu preso em 2013 não é senão uma caricatura daquele de 1969. O gesto permaneceu, mas o homem mudou, e muito.

Dirceu fora preso em 1968, em Ibiúna, interior de São Paulo, quando da fracassada tentativa de realização do XXX Congresso da União Brasileira dos Estudantes (UNE). Trocado pelo embaixador norte-americano, foi banido do país e buscou asilo em Cuba. Corajosamente, voltou em 1971, no fastígio da ditadura empresarial-militar, e viveu aqui clandestinamente por cerca de oito anos (tendo retornado a Cuba nesse meio tempo para fazer uma cirurgia plástica que melhor o disfarçasse dos gendarmes brasileiros). Com a anistia, em 1979, assumiu sua verdadeira identidade e se engajou na formação do PT. Dirceu foi, assim, um dos responsáveis pela construção daquela que foi, durante aproximadamente uma década, uma poderosa ferramenta política de luta do proletariado brasileiro. Portador de distintas concepções programáticas (reformistas e revolucionárias, grosso modo), mas unificado em torno das práticas cotidianas, o PT desempenhou na década de 1980 o papel de condutor e organizador político das lutas dos trabalhadores do país.

Fiel ao seu nascedouro, o partido era alimentado e alimentava as principais mobilizações operárias do país, carregando sempre as bandeiras da independência de classe dos trabalhadores e do fim da ditadura militar (1964-1985). Diretamente responsável pela fundação, em 1983, da maior central sindical da história do país, a Central Única dos Trabalhadores (CUT), o PT mantinha também ligações orgânicas com a reorganização dos trabalhadores do campo, que se traduziria na criação, em 1984, do movimento dos trabalhadores rurais sem-terra, o MST. Depois de quase duas décadas, importantes setores das massas trabalhadoras da cidade e do campo acordavam do pesadelo iniciado em 1964. Entretanto, nessa nova fase de seus combates os trabalhadores brasileiros contavam com um instrumento político incomparavelmente superior às que possuíram na etapa populista.

Por mais que entre os defensores de uma feição reformista para o PT, como Dirceu, existissem aqueles mais suscetíveis às pressões do Estado capitalista, durante quase toda a década de 1980 o partido manteve seu eixo eleitoral-parlamentar subordinado à sua atuação no movimento operário-popular. Isso significa dizer que a participação do PT nos processos eleitorais se realizava como uma forma de expressão, na esfera institucional, das demandas do movimento popular organizado. As políticas defendidas pelos candidatos petistas possuíam um forte lastro com as propostas defendidas pelos setores mais conscientes da classe trabalhadora. A prática política do PT se ancorava, portanto, na atuação de seus militantes junto aos trabalhadores, que naquele momento avançavam qualitativamente em sua organização sindical e política. Assim, os cargos públicos obtidos pelos candidatos do partido eram encarados como mandatos pertencentes aos setores populares que organizadamente haviam construído as candidaturas de suas lideranças sociais e políticas. Diferentemente do que ocorreria depois, os organismos de base do partido gozavam de um relativo controle sobre os parlamentares eleitos, o que diminuía consideravelmente as chances de que estes últimos se “autonomizassem” das bandeiras políticas com as quais haviam se eleito e adotassem as práticas de congraçamento que imperavam (e imperam) no Congresso Nacional, como o “mensalão” (certamente não inventado pelo PT). Nos anos 1980, não foram poucos os burgueses e seus prepostos políticos que perderam noites de sono em função do PT. Provavelmente, Dirceu estava entre os protagonistas dos pesadelos noturnos.

As eleições municipais de 1988 começariam a alterar significativamente a natureza e o funcionamento do partido. Além de aumentar em seis vezes o número de vereadores eleitos em 1982, o PT elegeu seus candidatos em 36 prefeituras. Contudo, pela primeira vez, o PT conquistava prefeituras de peso e visibilidade nacional, como as de Porto Alegre (RS), Vitória (ES) e São Paulo (SP), a maior cidade da América do Sul.[1] Ampliavam-se consideravelmente as áreas de fronteiras do partido com o Estado. Ocupando postos executivos, PT experimentava agora o papel de administrador das instituições republicanas brasileiras, e via-se imerso em estruturas historicamente consolidadas por negociatas, corrupção e outras práticas de governo do capitalismo. Por detrás do sonho dos reformistas do PT, liderados por Dirceu, de implementar uma “outra forma de governar” (o modo petista de governar), iniciava-se, de forma localizada, a experiência do PT como gerente do capitalismo brasileiro, posição que o partido ocupa, desde 2003, em âmbito nacional. O aumento significativo das zonas de interseção entre o PT e o Estado brasileiro se constituiu no principal fator da degeneração partidária. Iniciada substancialmente nas eleições municipais de 1988, a ocupação de postos e cargos públicos pelos dirigentes petistas estendeu-se em nível estadual ao longo da década seguinte, aumentando a dependência material do partido perante o Estado capitalista. A administração de recursos financeiros do Estado por parte de dirigentes petistas, em grande parte adeptos de concepções não-revolucionárias, criou as condições propícias à formação de uma camarilha burocrática, liderada por Lula e Dirceu. Centenas, e depois milhares de militantes, foram afastados de seus locais de atuação (fábricas, escolas, bancos, hospitais etc.) e absorvidos por gabinetes parlamentares e secretarias públicas. Reuniões e acordos com empresários e banqueiros tornaram-se suas novas tarefas. Surgiu, como declarou César Benjamin, um contexto “muito favorável à burocratização, cuja lógica capturou milhares de quadros: parlamentares, prefeitos, assessores, ou pessoas desejosas de vir a ser parlamentares, prefeitos e assessores”.[2]

O aumento de arrecadação do partido, acarretado pela sua imbricação com as instituições estatais (contribuição dos parlamentares, doações burguesas etc.), ao mesmo tempo em que proporcionava uma extensão e maior eficácia das tarefas cotidianas da militância, deixava muito claro de onde provinham os recursos que permitiam esse salto organizativo. Os reformistas liderados por Dirceu, que sempre tiveram a faca na mão, tinham agora também o queijo, do qual poderiam fazer uso das fatias para cooptar parcela substantiva dos militantes. Na disputa entre revolucionários e reformistas no interior do PT, os últimos começaram a adquirir, a partir de 1988, as condições materiais que lhes proporcionariam, em breve, a vitória final. Colhiam os frutos, sozinhos e a seu modo, dos faustos eleitorais construídos por toda a militância no dia-a-dia junto à classe trabalhadora. Somaram-se a essa inserção do partido no aparato estatal brasileiro outros aspectos que contribuíram para a inflexão política sofrida pelo PT, os quais, por razões de espaço, não poderemos discutir aqui.[3]

Em 1992, um PT já significativamente adulterado em relação ao seu conteúdo original enfrentaria seu primeiro grande teste político. Quando as massas juvenis saíram às ruas para derrubar Fernando Collor de Mello, e quando sua queda era quase inevitável, a direção petista, com Dirceu à frente, encarregou-se de se mostrar como alicerce da institucionalidade democrático-liberal, defendendo a posse do Vice-Presidente Itamar Franco, apresentando, assim, limites claros ao movimento contestatório. Não satisfeitos, Dirceu e cia. não hesitaram em expulsar a Convergência Socialista (CS) devido ao “grave crime” cometido pela corrente: defender o “Fora Collor” quando a direção do PT ainda não havia aderido a esta bandeira. Em termos históricos (no que se refere à história do Partido dos Trabalhadores), tal expulsão significou o início de um processo de exclusão dos setores militantes que não mais poderiam ser tolerados por um PT que se tornava a cada dia mais adaptado à ordem do capital. Esse processo de expurgo teria fim pouco mais de dez anos depois com a expulsão dos “radicais”, desta vez pelo também “grave crime” de terem votado contra a reforma neoliberal da Previdência levada a cabo pelo governo Lula em 2003. No meio do caminho (isto é, entre 1992-2003), muitas correntes e elementos da esquerda partidária ou se afastaram do partido, ou se adaptaram também ao aparato estatal e subordinaram-se à cúpula dirigente comandada por Dirceu.

Dirceu foi, assim, um dos principais responsáveis tanto pela construção do PT, quanto pela sua degeneração em um “partido da ordem” executor de contrarreformas, as quais vêm incontinentemente atacando os direitos dos trabalhadores. Dirceu, portanto, é culpado (sem direito aos tais “embargos infringentes”) por ter conduzido a expropriação da classe trabalhadora de sua mais importante ferramenta política na história republicana brasileira. Dirceu prestou, com isso, um inestimável serviço à burguesia brasileira. Quando girou o PT à direita nos anos 1990, e quando se apresentou, anteontem, na sede da Polícia Federal, ele já não era mais o arguto garoto de Ibiúna, nem tampouco o intrépido revolucionário que escapava pelas ruas de São Paulo e do Paraná das mãos dos sádicos torturadores e assassinos financiados pelo empresariado nacional e internacional. Dirceu já era, já é, outro, e, do ponto de vista da esquerda socialista, se tornou indefensável. Não cabe recurso.

Ocorre, entretanto, que foi não o transformismo do PT[4] o crime pelo qual Dirceu foi parar atrás das grades nesse aniversário da República. Do mesmo modo, não parece ter sido o seu envolvimento em atividades ilícitas e corruptas o real motivo de sua condenação pelo STF, composto de insignes figuras como Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa. Afinal de contas, o tribunal em questão já absolveu ilibados políticos como Collor e Malluf (aliados atuais do PT, vale apontar), nada fez a respeito dos obscuros processos de privatização do governo Fernando Henrique Cardoso e, não satisfeito, já anunciou que não vai anular a votação da reforma da Previdência, a qual, segundo o próprio tribunal, foi aprovada de forma fraudulenta. É como agarrar o ladrão, prendê-lo, mas deixá-lo em posse do dinheiro que roubara da vítima. Incrível a dialética jurídica do STF…

A nosso ver, Dirceu está pagando pelo crime de, uma vez encerrado o transformismo do PT, ter sido o principal criador e timoneiro de uma monstruosa máquina partidária capaz de gerir o capitalismo brasileiro melhor, e mais seguramente, do que as próprias representações políticas tradicionais da burguesia brasileira, máquina essa que, por isso, se tornou quase invencível no jogo eleitoral da democracia liberal. Ex-guerrilheiro, vindo “de fora” dos círculos dominantes, no melhor estilo outsider, Dirceu, para garantir o sono tranquilo da burguesia brasileira, deu um golpe de mestre nos partidos políticos que essa mesma burguesia brasileira criara. Ao seguir pagando religiosamente a dívida externa, reproduzindo a concentração de renda, freando a reforma agrária e esfacelando os serviços públicos e direitos sociais (para garantir a taxa de lucro das grandes corporações financeiras, industriais e do agronegócio), o PT fez do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) uma oposição sem programa e sem sentido. Parafraseando o Marx, pode-se dizer que é triste o partido que, na oposição, vê o seu programa ser implementado pelo adversário. Contudo, por estratégia de dominação social num país que contava com índices obscenos de desemprego, o PT, ao aceder ao governo federal, aumentou o crédito para o mercado consumidor, ampliou significativamente a distribuição de migalhas via bolsa-família e abriu concursos públicos, angariando, com tais medidas, um alargamento de sua base social-eleitoral. Do ponto de vista do próprio capital, não há, racionalmente, melhor forma de gestão da ordem capitalista contrarreformista.

Contudo, se Dirceu logrou conquistar para o PT o apoio do grande capital (que nos pleitos eleitorais financia mais este partido do que seus concorrentes – convém assinalar), parece não ter sido perdoado pelos chefes políticos da burguesia e seus aliados midiáticos. Vertebrado subjetivamente pelos editoriais jornalísticos, o burguês comum, tomado isoladamente, com sua mentalidade tacanha e mesquinha, não é capaz de uma visão política estratégica para sua classe, e não se reconhece na figura de um administrador de “esquerda” do capitalismo, que outrora pegou em armas contra o Estado e que, há relativamente pouco tempo, empunhava bandeiras vermelhas e defendia greves. O burguês ordinário porta-se, assim, com José Dirceu tal qual um nobre o faz com um arrivista plebeu que cativou o coração de sua bela filha: não havendo opção, o galante pode até ser aceito na casa, mas não é da família e, na primeira crise conjugal, há que ser posto pra fora de onde nunca deveria ter entrado. Por mais que tenha prestado enormes serviços à burguesia brasileira, Dirceu não é um lídimo filho dela e, do mesmo modo que uma empregada doméstica pode até jantar na mesa da sala, mas não deve dar pitacos nas temáticas encetadas na refeição, Dirceu não deveria ter ousado mostrar aos políticos da classe dominante como realmente se defende os interesses desta. Esperto, capaz e jactancioso, Dirceu talvez tenha ido longe demais nos serviços prestados à nossa oligárquica burguesia.

Assim, pela segunda vez em sua vida, José Dirceu foi para o cárcere. Mas a história, como se sabe, só se repete como farsa. Se, na primeira prisão, Dirceu era um revolucionário que tenazmente enfrentava a ditadura burguesa, na segunda adentrou a cela na condição de um político burguês togado rejeitado pela própria burguesia que cortejara e ajudara. Além de vingativa, a burguesia brasileira é, por demais, ingrata. José Dirceu foi vítima do próprio regime democrático-liberal que ajudou a consolidar no país. Com a domesticação do PT, ajudou enormemente a burguesia brasileira, mas, tendo ido além e feito do partido um vitorioso eleitoral contumaz contra os partidos genéticos dessa mesma burguesia, não foi salvo pelos imparciais juízes desta. Para os da esquerda socialista, não há o que lamentar, mas tampouco o que comemorar. Deixemos que Arnaldo Jabor e consortes procurem os seus para as histéricas libações nos grandes salões. Os anseios de justiça de uma classe trabalhadora traída por Dirceu não podem ser realizados pelo mesmo STF que encerrou, pela chantagem, a greve dos professores do Rio de Janeiro, e que, dia sim, dia não, põe em liberdade figuras como Daniel Dantas e o assassino de Dorothy Stang. Os nossos desejos não podem ser confundidos com os de outrem, sob pena de perdermos nossa própria identidade. Não pode haver substitucionismo político-jurídico nesse caso. Regozijar-se com a punição de um inimigo pelas mãos de outro (quiçá pior) não é senão alimentar uma reacionária sanha inquisitória que, ao fim e ao cabo, pode nos ter como alvo principal.

[1] A única capital governada pelo PT anteriormente havia sido Fortaleza (CE), quando Maria Luiza Fontenelle, em 1985, foi eleita prefeita. Ainda que Fortaleza já fosse uma capital importante e até meso maior que Porto Alegre e Vitória, a experiência da administração petista permanecia, até os faustos eleitorais de 1988, como algo isolado.

[2] Entrevista de César Benjamin in DEMIER, Felipe. As transformações do PT e os rumos da esquerda no Brasil. Rio de Janeiro: bom texto, 2003, p. 12.

[3] Quanto a isso, ver DEMIER, Felipe. “Das lutas operárias às reformas reacionárias: uma proposta de periodização para a história do Partido dos Trabalhadores” in História e Luta de Classes, nº 5, 2008.

[4] Quanto ao transformismo do PT, ver a brilhante obra de COELHO, Eurelino. Uma esquerda para o Capital: o transformismo dos grupos dirigentes do PT (1979-1998). Feira de Santana/São Paulo: UEFS/Xamã, 2012.

Responder

FrancoAtirador

18/11/2013 - 01h08

.
.
Miruna Genoino: “Peço que a sociedade se informe sobre meu pai”

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania

No começo da tarde de domingo, fui procurado por amigos da família de José Genoino. Pediram-me ajuda para divulgar um drama humanitário que vai se formando por ação da prisão intempestiva dos réus do julgamento do mensalão.

A família do ex-presidente do PT teme por sua vida e, conforme matéria do jornalista Paulo Henrique Amorim em seu blog, um laudo médico (*) apoia tal temor.

De posse dos telefones de Rioko e Miruna – respectivamente, esposa e filha de Genoino – escolho a filha, julgando que estaria, talvez, menos abalada do que a mãe. Ledo engano. Estava muito abalada, mas, assim mesmo, falou sobre a saúde do pai e mandou um recado à sociedade.

Miruna conversou comigo aos prantos, arrastando-me para o seu estado de espírito, o que me fez terminar a entrevista igualmente abalado. Mas falou muito bem. A professora paulista de 32 anos é uma moça de mente ágil e, apesar da emoção, conseguiu exprimir com clareza do que seu pai, sua família e seus amigos mais precisam neste momento.

Segue, abaixo, a transcrição da entrevista com Miruna Genoino.

—–

Blog da Cidadania – A imprensa está repercutindo o estado de saúde do seu pai, de que seria delicado e ele não estaria sendo mantido em boas condições, o que poderia gerar risco para a saúde dele. O que você pode dizer sobre isso?

Miruna Genoino – No dia 24 de julho, meu pai contraiu a doença mais grave da cardiologia, uma dissecção da aorta, e teve que sofrer uma cirurgia de 8 horas, da qual tinha 10% de chance de sobreviver, mas ele sobreviveu porque é um guerreiro. Em seguida, porém, ele sofreu um micro AVC.

Meu pai está tomando cinco medicamentos diferentes em dois horários do dia. Até então, ele não tinha entrado em nenhum avião. O voo o fez passar mal, talvez a pressão da cabine. A médica que o acompanha nos informou que alguém que passou por tudo isso não poderia estar sendo submetido a tal pressão. Meu pai deveria ser hospitalizado.

Ele viajou ontem de manhã a Brasília e às duas horas da manhã deste domingo ainda não estava acomodado.

Estamos com uma grande preocupação com a saúde dele; é a nossa maior preocupação, agora. A nossa luta é para provar a inocência do meu pai, mas, neste momento, a grande preocupação é com a saúde dele.

Blog da Cidadania – Como está o emocional da sua família?

Miruna Genoino – A gente está num momento muito, muito difícil. O meu pai, antes de sair de casa para ser preso, nos disse que já tinha ficado confinado muito tempo em cela forte [durante a ditadura] e que estava preparado para isso.

Ele tem dois netos, os meus filhos, e eles estão muito assustados…

Blog da Cidadania – As crianças estão com vocês aí em Brasília?

Miruna Genoino – Eles ficaram em São Paulo.

Mas ele ter sido transferido para Brasília ainda nos causa um transtorno emocional ainda maior, porque a gente tem que ficar longe das crianças…

[Miruna chora]

É muito complicado o nosso estado emocional…

Blog da Cidadania – Miruna, você está abalada com tudo isso e, assim, não gostaria de prolongar esta entrevista. Mas como sabemos que você, com suas declarações, está ajudando a que as pessoas entendam que há seres humanos por trás de toda essa história, concluo perguntando o que a família de José Genoino tem a dizer à sociedade.

Miruna Genoino – Pedimos que a sociedade se informe. Qualquer pessoa que se informar de verdade, que não assumir o discurso da Rede Globo, do jornal Folha de São Paulo, da revista Veja, de todos os grandes meios, ela vai saber que a única coisa que meu pai fez nesta vida foi colocar acima de tudo o ideal dele por justiça social…

[Miruna volta a chorar]

Ele saiu do sertão do Ceará para tentar melhorar a vida das pessoas. E a vida inteira ele se sacrificou em todos os sentidos porque essa sempre foi a única luta dele. Então, se as pessoas se informarem todo mundo vai saber o homem que ele é…

[Chora de novo]

Eu só peço isso….

[O pranto aumenta]

Que não assumam… O discurso… Dessa mídia… Que procurem saber a verdade, ouvir o outro lado, o que meu pai tem a dizer…

(…)

—–

Percebi, nesse ponto da conversa, que só me cabia deixar a família com sua dor e, em vez de continuar chorando do lado de cá enquanto essa menina da idade da minha filha maior chorava do lado de lá, vir escrever o clamor emocionado dessa família, que pode perder aquele que tanto ama.

Concluo, pois, exortando as autoridades judiciárias a que respeitem o direito, apenas o direito de Genoino. Não pedimos, os parentes, amigos e até os admiradores dele que tenha regalias que ultrapassem os limites da lei, mas que não seja retaliado. Ele tem direito de receber cuidados médicos como qualquer cidadão privado de liberdade.

Genoino deveria estar num hospital. Levem-no para lá. Quem lhe nega esse direito a um tratamento digno responderá pelo que vier a lhe acontecer. Essa é a promessa de muitos que não se deixaram enganar pelos inimigos dele e que estarão muito atentos a cada minuto da vida desse homem, a partir de agora.

(http://www.blogdacidadania.com.br/2013/11/miruna-genoino-peco-que-a-sociedade-se-informe-sobre-meu-pai)

(*) LAUDO MÉDICO DO CARDIOLOGISTA QUE ATENDEU GENOINO NA PRISÃO EM BRASÍLIA

(http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2013/11/17/leia-o-laudo-medico-de-genoino)
(http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2013/11/17/querem-matar-o-genoino)
.
.

Responder

    FrancoAtirador

    18/11/2013 - 01h26

    .
    .
    Família e advogado de Genoíno denunciam irregularidades em prisão

    Por Lourdes Nassif, no GGN

    Jornal GGN – Na prisão de Papuda, em Brasília, o desenrolar nada normal nas detenções ocorridas por determinação do Supremo Tribunal Federal, fruto da Ação Penal 470. Há poucas horas, através de seu advogado, José Genoino enviou uma mensagem:

    “Estamos presos em regime fechado, sendo que fui condenado ao semiaberto. Isso é uma grande e grave arbitrariedade, mais uma na farsa surreal que é todo esse processo, no qual fui condenado sem qualquer prova, sem um indício sequer. Sou preso político e estou muito doente. Se morrer aqui, o povo livre deste país que ajudamos a construir saberá apontar os meus algozes!”

    O advogado de Genoíno, Luiz Fernando Pacheco, informa que entrou, ontem, com petição exigindo regime semiaberto, conforme foi determinado, já que na prática ele está em regime fechado e “isto representa uma grande ilegalidade”, afirma.

    “Hoje, com agravamento do quadro clínico, Genoino teve que ser assistido por um médico providenciado pela família, com dores no peito, taquicardia e a pressão ainda alterada, entrou com petição pedindo prisão domiciliar”, diz Pacheco.

    O advogado informa que tudo isto está nas mãos de Joaquim Barbosa, que não se pronunciou até agora. “Esperamos que Joaquim Barbosa tenha senso de humanidade e defira os pedidos ou, caso contrário, iremos a plenário, no Tribunal”, afirmou ele. Genoíno passou há pouco tempo por grande cirurgia e “tem que fazer exames periódicos para verificar coagulação no sangue com perigo de hemorragia interna”, explica Pacheco.

    Miruna, filha de Genoino, afirmou que a família não consegue falar com ele, nem mesmo por telefone ou através de bilhetes. “Não tivemos contato nenhum”, afirma ela. A família está extremamente preocupada. Um médico conseguiu ver Genoíno somente às 2 horas da manhã, um longo tempo depois de sua chegada em Brasília.

    “Nossa grande preocupação, além de toda esta injustiça, é sua saúde”, disse Miruna, “ele precisa de cuidados e estava, conforme atestou o médico, muito cansado”. Ele mandou um recado pelo advogado, o primeiro que conseguiu enviar, dizendo que ainda não tinha sido acomodado, até 2h da manhã, e que passou todo este período comendo sanduíche e pizza. A preocupação da família é grande, pois sua viagem, por avião, foi a primeira desde a cirurgia de peito aberto a que foi submetido há poucos meses.

    “Nós queríamos mandar cartas, frutas, roupas”, diz Miruna, isso como uma forma de “minimizar esta injustiça toda”, explica. A família está em Brasília, acompanhando o desenrolar dos acontecimentos, e em um estado extremo de tensão por sua situação e saúde, em uma cidade que não conhecem bem e sem poder fazer nada.

    Petição enviada hoje (17) ao Supremo:

    EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO DO EGRÉGIO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

    Ação Penal nº 470

    URGENTE – Feriado Nacional de Proclamação da República

    JOSÉ GENOINO NETO, nos autos da Ação Penal em epígrafe vem, por seus defensores, respeitosamente à presença de Vossa Excelência para expor e requerer o quanto segue:

    “O paciente José Genoino Neto, 67 anos, foi admitido no Hospital Sírio-Libanês em 24/07/2013 procedente de Ubatuba-SP, com relato de ter apresentado dor torácica de forte intensidade, com irradiação para dorso associado a quadro de lipotímia e síncope.” (doc. 01, Relatório Médico exarado pelo Professor Doutor Roberto Kalil Filho).

    “Foi operado em caráter de emergência no dia 24/07/13, tendo sido realizada CORREÇÃO DA DISSECÇÃO DE AORTA ASCENDENTE com troca de aorta ascendente por tubo nº 30 desde o plano supracoronário até o joelho posterior da croça aórtica” (doc. 02, Relatório de Cirurgia Cardíaca realizada pelo Professor Doutor Fabio Jatene)

    Submeteu-se, pois, recentemente a Cirurgia Cardíaca gravíssima. A situação, registre-se, foi classificada como emergencial eis que se não realizada a pronta intervenção o resultado inexorável teria sido a morte!

    Após quase um mês de internação, GENOINO recebeu alta hospitalar.

    Todavia, continua – e assim permanecerá, é certo, para o resto de sua vida – sob rigorosos cuidados médicos, ou seja, nunca receberá alta clínica.

    Assim, para regular manutenção de sobrevida, é medicado diariamente com uma série de drogas: Atenolol, Losartana Potássica, Atorvastatina, Diazepam e Coumadin (doc. 03). A dosagem desta última tem que ser calibrada e readequada conforme resultado de exames periódicos de Tempo de Protombina, a fim de evitar coagulação ou hemorragia interna. (doc. 03)

    Como se nota, o quadro é grave e inspira cuidados.

    Essas informações são corroborados pelo médico Daniel França Vasconcelos, que assistiu GENOINO na data de ontem no presídio da Papuda, após ter sido chamado às pressas por familiares do peticionário, pois este sentiu-se mal no deslocamento aéreo realizado até Brasília, tendo sentido palpitações e fortes dores no peito. O médico recomendou, ainda, rígida dieta e reiterou a necessidade de realização, a miúde, de exames de Protombina (doc. 04).

    Por tudo isso, foi que GENOINO requereu, em setembro passado, sua aposentadoria do cargo de Deputado Federal (doc. 05), recebendo, por ora, licença médica pelo prazo de 120 dias.

    Este o lamentável quadro, de rigor reconhecer que o peticionário não tem condições físicas de agüentar, com um mínimo de dignidade, as agruras de uma vida na cadeia.

    Assim, por razões de cunho estritamente humanitário, requer seja colocado em regime de prisão albergue domiciliar.

    Termos em que,
    pede deferimento.

    de São Paulo para Brasília,
    17 de novembro de 2013.

    Luiz Fernando Pacheco
    OAB/SP 146.449

    Cláudio Demczuk de Alencar
    OAB/DF 24.725

    (http://jornalggn.com.br/noticia/familia-e-advogado-de-genoino-denunciam-irregularidades-em-prisao)
    .
    .

    FrancoAtirador

    18/11/2013 - 01h47

    .
    .
    Genoíno corre risco de um mal súbito a qualquer instante, alerta médica

    Por Redação Correio do Brasil – de Brasília e São Paulo

    O pico de pressão que o deputado José Genoino (PT-SP) sofreu no voo rumo ao Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, onde encontra-se no momento, em uma cela, significa mais do que o atendimento de urgência considera plausível no quadro clínico de um prisioneiro.
    O alerta parte de uma médica do serviço público, que acompanha o estado de saúde do parlamentar desde a intervenção cirúrgica a que foi submetido em São Paulo, por mais de 8 horas, há cerca de 100 dias.
    Genoino teve uma dissecção da aorta, quando a artéria abre em camadas, o que provoca hemorragias.

    – A formação de um aneurisma, sobretudo em pacientes com um pós-operatório delicado, como é o caso do parlamentar, de 67 anos, é o principal risco à vida, pois um novo pico hipertensivo como este, verificado em condições extremas de estresse, a caminho de uma prisão que ele considera injusta, poderá ser o último – disse a médica à reportagem do Correio do Brasil, em condição de anonimato.

    Mas, a preocupação desta especialista não é isolada.

    Parlamentares do PSDB, adversários políticos de Genoino, também estão preocupados com a gravidade do quadro de saúde do petista.

    A possível morte de Genoino, em um presídio público, após um julgamento polêmico, diante da resistência do ex-guerrilheiro em aceitar a culpa, imposta por um julgamento que ele e um dos principais líderes políticos do país, o ex-ministro José Dirceu, atribuem a um “tribunal de exceção“, seria o pior dos cenários para a oposição no país.

    Mestre e doutor em Sociologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em um artigo publicado em sua página na internet, neste domingo, Carlos Alberto Furtado de Melo relata esta preocupação, demonstrada por um senador tucano.

    “Vamos lá. Recentemente, conversando com um respeitável parlamentar do PSDB, uma das peças centrais no governo FHC — sim, também tenho amigos entre os tucanos –, ele se disse preocupado com José Genoíno. Soube de seu precário estado de saúde – realmente sério — e de sua depressão originada por tudo o que está vivendo — mesmo antes da prisão, estava confinado em casa, pois nem ao mercado comprar bananas podia ir sem ser hostilizado de modo muitas vezes covarde e oportunista. Meus caros, não se tripudia a alma alquebrada de um condenado!”, afirma Furtado de Melo.

    “Voltemos ao caso. Esse respeitável e sério tucano disse-me que o insuspeito senador Jarbas Vasconcelos (PMDB – PE) lhe teria afirmado categoricamente que ‘quem acredita que Genoíno seja um ladrão ou é um sujeito muito mal informado quanto à política, ou só pode ser mesmo um completo imbecil’. Disse-me o tucano que o caso de Genoíno lhe inspirava preocupações mais profundas que as disputas partidárias e que há nele um componente de humanidade que não poderia ser desconsiderado; que há nele um problema terrível quanto à qualidade da política que fazemos que precisava de alguma forma ser corrigido”, acrescentou.

    “Não podia fazer muito, mas pediu-me que articulasse uma visita sua à Genoíno; fomos lá, à casa modesta numa rua modesta, resultado de uma vida modesta de uma pessoa modesta. Recentemente, alguém publicou na internet fotos da ‘mansão de Genoíno’ que podem comprovar o que lhes digo; em que pese todo esterco dos comentaristas de internet”, disse.

    “Genoíno se mostrou comovido e agradecido pela visita, pessoa igualmente solidária, compreendeu o gesto de solidariedade à parte da rivalidade partidária e das disputas políticas. Ambos ali sabiam que a política pode ser mesmo muito cruel, brutal até mesmo. Ainda assim, o petista tentava enxergar o mundo e o colega parlamentar com olhar de homem altivo e honrado que sempre foi. Não se falou de prisão, não se falou de futuro, portanto; discutiu-se a saúde, o peso dos anos; medicação, assunto inevitável com o correr da idade. E se falou de passado: Dr. Ulysses, Luiz Eduardo Magalhães, ACM, Nelson Jobim, Segurança Nacional; Regime Militar e a prisão e o exílio de então, Resistência Democrática, Diretas-Já, Constituinte e a reconstrução do Brasil nesses anos recentes; a importância dos governos FHC e Lula. Enfim, a grande Política que um dia se fez neste país e que aqueles dois políticos tiveram a oportunidade de viver e eu de estudar. Saudades daquele Brasil”, lamenta o articulista.

    (http://correiodobrasil.com.br/noticias/politica/genoino-corre-risco-de-um-mal-subito-a-qualquer-instante-alerta-medica/662987)
    .
    .

Tiago Tobias

18/11/2013 - 00h53

Talvez seja essa a intenção desses algozes: causar a morte de Genoíno e depois tratá-la como um “acidente”.

Responder

Bonifa

18/11/2013 - 00h51

A volúpia pela prisão começou no dia anterior, 14 de Novembro, pelo canal da Globo News. Os debates se sucediam para determinar se Joaquim Barbosa podia ou não podia mandar fazer as prisões “monocraticamente”, como falavam. Ao fim do dia 14 já era unanimidade na emissora que Barbosa poderia (e deveria) mandar efetuar as prisões o quanto antes. A emissora nem procurava disfarçar que havia tomado para si com volúpia a causa das prisões. Fez um esforço concentrado, intenso, permanente, não se sabe se para exercer pressão ou já para justificar e intensificar publicamente uma decisão já tomada pelo ministro. E depois, fez uma cobertura inacreditável, dois dias inteiros no ar dedicados a espiar ao longe e de helicópteros o avião da Polícia Federal, em três cidades diferentes, a repetir de segundo a segundo a palavra “condenados”. Resta saber a importância do resultado que tal esforço produziu para os propósitos da mídia de direita e para seus aliados políticos. Não parece que foi grande coisa.

Responder

Tche Gaúcho

17/11/2013 - 23h54

O PT paga o preço de sua opção de não enfrentar a mídia conservadora. Tomara aprenda alguma coisa com a Argentina e acabe com o poder manipulador dessa gente.

Responder

    Luís Carlos

    18/11/2013 - 08h20

    O partido é a representação popular, não fosse assim, teríamos ditadura, não democracia representativa. Queres que o Partido mude a mídia? Então se mexa e faça parte do partido e interfia nos rumos dele, de dentro. Tua indignação é o suficiente para te filiar e fazer parte ou somente para esperar que o PT faça a mudança por ti? Nós precisamos de ti e de todos/as que querem, de fato lutar e mudar e avançar nas reformas.

Anibal Paz da Silva

17/11/2013 - 23h45

Não podemos esperar mais do governo. O povo deve exigir as mudanças para essa mídia golpista, por isso, as ruas do Brasil, serão nossa maior herança. Vento negro se aproxima. “Partido da imprensa golpista”, aliviem nossa nação !!!.

Responder

laura

17/11/2013 - 22h47

Esse julgamento é cada vez mais ridículo.
Duro é gente vir falar para vc:”Prenderam os mensaleiros”, para iniciar uma conversa.
Um suplício.
Respondo na hora que não existe mensalão, que isso tudo está mais para evento midiático, novela mexicana, do que qualquer coisa seria.
Calam a boca na hora, mas não sei se adianta muita coisa.
É tudo tão imbecil!
Só resta o consolo que um dia passa.
A ditadura acabou e na época era muito abrangente.
Temos Dilma presidente, hoje.
Mas a direita golpista continua incólume!

Responder

Luiz Fortaleza

17/11/2013 - 22h42

EM LUTO… QTO AOS IMBECIS, MEU SILÊNCIO.

Responder

Mariza

17/11/2013 - 22h40

JOAQUIM BARBOSA, PSDB,PPS,DEMO E CIA, QUEREM TERMINAR O QUE A DITADURA DE 64 NÃO O FEZ:MATÁ-LOS.

Responder

J Souza

17/11/2013 - 22h38

A doença do Genoíno é grave, com alto risco de morte sem os cuidados adequados.
Se o advogado dele protocolou o laudo médico no STF, o Joaquim Barbosa talvez já possa até ser acusado de tentativa de homicídio.
Em caso de morte do Genoíno, ele talvez possa ser acusado de homicídio culposo, pois a informação já teria chegado ao STF, e ele já teria o domínio do fato.
Mais uma indenização que o Estado talvez teria que pagar por erro cometido por agente público… Espero que não… Para que se mantenha a paz neste país!

Responder

    Luís CPPrudente

    17/11/2013 - 23h24

    Joaquim Barbosa é um covarde, um autoritário, arrogante e dono de uma módica poupança que pôde adquirir um apartamento nos EUA. Já o Genoino, muitos anos deputado federal, não conseguiu ter uma módica poupança para adquirir apartamento nos EUA.

    Joaquim Barbosa não tem moral para julgar e determinar a prisão de ninguém, mas ele tem o cargo de presidente do STF e o poder subiu na frágil cabeça autoritária e prepotente de Joaquim Barbosa.

Antonio Elias

17/11/2013 - 22h38

Uma coisa importante que está acontecendo é que essas injustiças que estão acontecendo, criará no povo uma sede de justiça também para cobrar desses capas pretas a punição desses tucanalhas e poderosos que roubam a pátria e fica tudo por isso mesmo. Vamos levantar constantemente essa questão e cobrar punição, pois caso contrário estaremos sob os efeitos da lei do cão.

Responder

Fabio Passos

17/11/2013 - 22h20

Cidadãos brasileiros condenados e atirados na cadeia por serem de esquerda… por enfrentar os interesses da “elite” branca e rica… por lutar pela democracia e justiça social.

Presos políticos!
Encarcerados pela rede globo!

Falta muito para a sessão de tortura passar no fantástico?

Lembrem de Gregório Bezerra!

Responder

Luís Carlos

17/11/2013 - 22h12

Barbosa tenta institucionalizar a pena de morte. Para ele, não basta ser déspota, tem que ser verdugo. Pagarás pelo teus excessos, junto com outros golpistas. A história os desmascarará, como ocorreu esta semana com os golpistas que derrubaram Jango. Teu nome será símbolo de infâmia e desonra.

Responder

Isidoro Guedes

17/11/2013 - 22h00

Já assassinaram (indiretamente) o Gushiken, se forem responsáveis também pela morte do José Genoíno, esses gorilas togados do STF (que substituiram os gorilas fardados da ditadura militar…), a começar pelo sr. Joaquim Barbosa, tem que responder de forma inapelável por sua irresponsabilidade e por rasgar a Constituição e os direitos individuais para agradar uma elite reacionária e insensível socialmente e sua mídia boçal e abjeta…

Responder

Isidoro Guedes

17/11/2013 - 21h57

Já assassinaram o Gushiken, se forem responsáveis também pela morte do José Genoíno, esses gorilas togados do STF (que substituiram os gorilas fardados da ditadura militar…), a começar pelo sr. Joaquim Barbosa, tem que responder de forma inapelável por sua irresponsabilidade e por rasgar a Constituição e os direitos individuais para agradar uma elite reacionária e insensível socialmente e sua mídia boçal e abjeta…

Responder

Marat

17/11/2013 - 21h52

A direita brasileira nunca se importou com nada, apenas com seu bolso. Ela compra quem ela quer, pois te dinheiro de sobra, vindo diretamente do Tio Sam. Os escravos (do dinheiro) geralmente estão no judiciário e na imprensa. Um dia a casa cai.
PS.: Estamos todos ansiosos pelo julgamento do mensalão do PSDB! A gente não vai deixar barato!

Responder

    Maria Carvalho

    17/11/2013 - 22h23

    Prezado Marat,
    Li, no Nassif, um artigo, muito bem escrito, que falava: com as prisões de Dirceu e Genoino termina um ciclo.

    Outro já foi iniciado e rápido:

    “Internautas pedem condenação de Lula: “Queremos o líder”
    Comentários ficaram mais agressivos após Lula declarar apoio aos presos.”

    http://www.cidadeverde.com/

    Marat

    17/11/2013 - 23h27

    Olá Maria.
    Essa é a “opinião pública” que a veja, a Globo e o STF tanto adoram ouvir. É essa gente que sustenta este estado de coisas.
    Vai pegar mal (talvez até o bicho pegue) se a “justiça” não pegar pesado com os genitores do mensalão, que, ao que consta são do PSDB de Minas. Pegará também muito mal para a justiça (aguardo aquela com Jota pronunciar-se) calar-se para os crimes que envolvem certas pessoas com a Alstom. Pegará muito mal o malandro Demóstenes Torres permanecer livre leve e solto, e, por fim, pegará muito mal se o chefão de todos eles, o editor da veja, Senhor Carlinhos Cachoeira continuar fazendo o que bem entende. Eu já disse e volto a frisar: A paciência tem limite!!!

anac

17/11/2013 - 21h45

“Utilizando uma prerrogativa reservada ao Supremo, mas raras vezes empregada, Joaquim Barbosa manteve sob seus cuidados as principais deliberações a respeito do futuro de cada prisioneiro da ação penal 470.

O juiz Ademar Silva ficará responsável por decisões de caráter administrativo e, mesmo assim, cada deliberação deverá ser avalizada pelo presidente do Supremo.

As decisões mais importantes, no entanto, serão do próprio Joaquim Barbosa.

Os pedidos de transferência, as solicitações de redução da pena e outras decisões que envolvem um julgamento de mérito de cada prisioneiro vão depender dele.”

Meu Deus, o inominável se dispõe sair de sua suprema condição para ser o carcereiro dos petistas para tortura-los mentalmente.

Responder

    Fabio Passos

    17/11/2013 - 22h06

    Ou seja… é a rede globo quem define o destino de José Dirceu e José Genoíno.
    Sabendo o histórico da famíglia marinho, não surpreende que sejam torturados.

    anac

    17/11/2013 - 22h45

    Pela escolha de joaquim pelo critério cotas raciais, Lula merece perdão pelo muito que já fez. Errar é humano. Não apenas joaquim, o complexado, foi um erro monumental, mas Dias Tofolli, o despreparado, também. Lula colocou um estagiário de direito borrando nas calças na cova de leões psicopatas para peitá-los.
    O joaquim é tão perturbado mentalmente que para continuar como algoz dos petistas assumiu também a função de carcereiro dos mesmos, assumindo as atribuições do Juiz das execuções penais, decidindo cada ato jurídico relacionado aos petistas. O inominável foi capaz de deixar sua suprema condição apenas para ter o prazer de como carcereiro continuar torturando os petistas. Incrível!!!!!

    Luís CPPrudente

    17/11/2013 - 23h30

    Esse Joaquim Barbosa é um doente. Ele acha que é mais poderoso que o Cérebro!

    Nesse momento esse covarde e arrogante dono de uma poupança módica (que usou para comprar um apartamento nos EUA) já pediu para seus assessores comprar sapatos estilo rei Luis XIV (só falta o mesmo se achar o próprio e dizer que ele é o Estado!).

anac

17/11/2013 - 21h35

Não é questão de tomar partido ou de ideologia. Não bastasse o desrespeito aos princípios e garantias constitucionais como o da ampla defesa e contraditório, do in dúbio pro reo, duplo grau de jurisdição, do ônus da prova é de quem acusa, da presunção de inocência, etc, Genoíno foi condenado pelo colegiado injustamente no regime semiaberto e o feitor da big house movido pelos baixos instintos – ódio, ressentimento, vingança – o prendeu no regime fechado obrigando-o a viajar em condições precárias de saúde de avião para Brasilia.

De preso politico a mártir. Pode ter certeza que a big house, que, até agora, só preservou seus privilégios, não obstante as mudanças ideológicas de governo de fhc (direita) para Lula/Dilma(esquerda) e manteve seu status quo, cai.

Que a direita recorde a Historia: Getulio Vargas emparedado pelo terrorismo midiático praticado pro Carlos Lacerda que simulou um atentado para provocar o golpe com um ato extremo( MORTE) suicídio a evitou. Já o Globo, Tribuna da Imprensa e cia ltda que provocaram na época foram invadidos e seus prédios depredados.

Nos dias atuais em que a Globo, Estadão e cia ltda não esta muito bem das pernas e com a credibilidade ZERO perante a sociedade, vide as manifestações e os ataques a seus repórteres de rua, incluindo o Caco Barcelos, não vai sobrar pedra sobre pedra.

Senhores tomem Juízo e amarrem o Joaquim antes que ele coloque tudo a perder. E vocês 1% têm muito a perder, muito mais do que aqueles que não têm.os 99%.

Responder

Delciro Batista

17/11/2013 - 21h34

Será que isso é justiça?

Responder

    Elizabete

    17/11/2013 - 21h59

    É justiça !!!!! se esta não funciona a outra vai fazer funcionar !!!!

    Elizabete

    17/11/2013 - 22h01

    Será que faz parte do 1% ?

FrancoAtirador

17/11/2013 - 21h30

.
.
Em 1988, quando foi promulgada a nova Constituição, portanto há 25 anos,

jamais se imaginava que o próprio Presidente do Supremo Tribunal Federal

iria fazer as vezes de Ditador de Plantão, a serviço da Mídia Empresarial,

escandalosamente no dia do Feriado da Proclamação da República do Brasil.

Este crime praticado contra o Deputado Federal por São Paulo, José Genoíno,

é de uma hediondez e crueldade inomináveis, tal a perversidade do sadismo,

somente igualado àqueles ordenados pelos Generais da Ditadura Militar de 64-85.
.
.

Responder

Deixe uma resposta