VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Com medo de morrer, delator do mensalão tucano se diz perseguido

16 de dezembro de 2013 às 00h48

Captura de Tela 2016-05-02 às 16.46.51

Monteiro: um encontro nos bastidores do Fórum

Por Lúcia Rodrigues, de Belo Horizonte*, especial para o Viomundo

Quem vê aquele homem de cabelo grisalho, algemado, com uniforme de presidiário e chinelo de dedo nos pés, sendo escoltado por dois policiais militares pelos corredores do Fórum Lafayette, no centro de Belo Horizonte, não tem ideia de que se trata da mesma pessoa que entregou à Polícia Federal um esquema de corrupção do PSDB.

Nilton Monteiro é a principal testemunha contra a cúpula do partido em Minas Gerais. Em 2005, revelou a trama urdida pelos tucanos para desviar dinheiro público para o financiamento das campanhas de Eduardo Azeredo à reeleição ao governo do Estado e de parlamentares de vários partidos, em 1998.

Preso desde maio de 2013, agora no complexo penitenciário de segurança máxima Nelson Hungria, em Contagem, região metropolitana de BH, sob a acusação de coagir testemunhas em um processo em que aparece como falsário, Monteiro decide denunciar quem tem interesse em vê-lo atrás das grades. Ele se declara inocente e jura ser vítima de uma armação de políticos denunciados no esquema do mensalão tucano, que querem mantê-lo na cadeia afastado dos holofotes.

O nome do senador Aécio Neves (PSDB-MG) encabeça a relação. “Por detrás da minha prisão está o Aécio Neves… Eu fui operador do esquema junto com o Marcos Valério”, frisa.

A lista com os nomes dos políticos arrolados no mensalão tucano é extensa. O senador Aécio Neves, pré-candidato à Presidência da República, é um dos que aparecem, como beneficiário de R$ 110 mil.

O dinheiro chegou a suas mãos pelo esquema do publicitário Marcos Valério, que esquentava os recursos públicos nas agências de publicidade que comandava: a SMP&B e a DNA, as mesmas empresas acusadas de servir ao mensalão petista anos mais tarde.

Dois pesos e duas medidas

Apesar de a lista do mensalão tucano ou mineiro, como a grande mídia prefere classificar o escândalo, ter sido reconhecida por peritos da Polícia Federal como verdadeira, nenhum dos envolvidos no desvio de dinheiro público pelo esquema de corrupção do PSDB foi julgado até agora.

Em 2009, o relator do processo no STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Joaquim Barbosa, atendendo a solicitação dos réus, entre eles Marcos Valério, desmembrou o inquérito e remeteu para Minas os casos dos envolvidos no mensalão tucano que não tinham foro privilegiado.

Desmembramento semelhante não aconteceu no caso dos petistas.

Quatro anos depois, Valério foi condenado por Joaquim Barbosa a mais de 40 anos de prisão em regime fechado pelo mensalão que teria sido encabeçado pelo ex-ministro José Dirceu. O crime pelo qual Valério foi julgado é absolutamente similar ao que teria cometido no esquema do PSDB. Nos dois casos, sua função era mesma: dar cobertura legal a esquemas de desvio de dinheiro público.

Neste caso, Valério será julgado pela justiça estadual mineira.

Em Brasília só permaneceram os casos do agora senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), do senador Clésio Andrade (PMDB-MG), além do ex-ministro do Turismo e das Relações Institucionais, Walfrido dos Mares Guia (PSB-MG), por terem foro privilegiado. Posteriormente, quando deixou a pasta ministerial, o processo de Mares Guia também seguiu para Minas. Ele teria se beneficiado da prescrição do crime ao completar 70 anos, no ano passado.

A conta-gotas

O processo que tramita na Justiça de Minas envolve 10 réus. O promotor de justiça de Defesa do Patrimônio Público de Belo Horizonte João Medeiros Silva Neto, responsável pela acusação, considera que os réus do mensalão tucano devem ser julgados no final de 2014, início de 2015. Ele considera o prazo plausível devido ao número elevado de testemunhas arroladas no processo.

Antecipa que vai pedir a condenação dos réus por peculato e lavagem de dinheiro. Esses crimes prevêem penas de dois a 12 anos e de três a 10 anos de reclusão, respectivamente.

“O Supremo Tribunal Federal na Ação Penal 470 fixou penas bem elevadas. Esperamos que isso sirva de parâmetro para as penas na justiça estadual”, ressalta o promotor.

Até agora só testemunhas foram ouvidas no processo. A próxima fase prevê o depoimento dos réus, mas ainda não há data marcada para que isso aconteça. No último dia 10, a oitiva de uma testemunha foi cancelada.

A reportagem do Viomundo procurou a juíza da 9° Vara Criminal, Neide da Silva Martins, no fórum de Belo Horizonte, para obter mais detalhes sobre o processo. Ela solicitou, por meio de sua secretária, que as perguntas fossem encaminhadas por escrito, mas ainda não retornou o contato.

Personagem conturbado

Nilton Monteiro tornou-se peça-chave no esquema de acusação contra os tucanos, conduzido pelas mãos de Cláudio Mourão, ex-tesoureiro da campanha de Eduardo Azeredo e ex-secretário do governo de Minas.

De aliado político, Mourão passou a desafeto do ex-governador. O motivo seria uma dívida de campanha, da ordem de R$ 700 mil, que Azeredo não queria saldar com o filho do ex-secretário Mourão. Nilton Monteiro teria passado, então, a pressionar Azeredo com a lista de Mourão que denunciava o mensalão mineiro.

Azeredo entrou em acordo com Mourão e os dois reataram politicamente. O que eles não contavam é que Monteiro não devolvesse a lista, que em seu poder se transformou em instrumento de poder político.

Pressionados pelas denúncias, os tucanos passaram a desqualificar as acusações. Monteiro, de repente, começou a ser identificado por eles como aliado do PT, quando é cria do ninho tucano.

Apesar de afirmar que não se arrepende de ter denunciado o esquema de corrupção do PSDB, Monteiro viu sua vida virar de ponta cabeça. De braço direito do ex-empreiteiro e ex-deputado federal Sérgio Naya, hoje Nilton Monteiro dorme em um colchão no chão da cela que divide com outro detento e trabalha como jardineiro no presídio.

A escolha por uma prisão de segurança máxima foi dele, que teme pela própria vida. Ele acusa o delegado Márcio Nabak de comandar várias retaliações que já sofreu. Segundo Nilton, Nabak seria aliado de políticos denunciados no esquema de corrupção tucana.

O medo de retaliação à família também preocupa Monteiro. Ele quer a federalização de seus processos.

Nilton Monteiro não tem dúvida sobre o futuro difícil que terá pela frente.

Mesmo assim, o delator prefere partir para o ataque e denunciar o controle do PSDB sobre a mídia, para abafar denúncias contra quadros do partido.

A reportagem do Viomundo entrevistou Nilton Monteiro em uma sala reservada dentro do gabinete do juiz da 3° Vara Criminal de Belo Horizonte, Guilherme Sadi, no último dia 6, quando ele compareceu ao fórum da capital mineira para participar de audiência. O recinto é reservado para conversas entre réus e advogados.

Durante toda a entrevista Nilton foi mantido algemado e um policial militar permaneceu dentro da sala. A pedido do advogado de Nilton, William Souza, a reportagem garantiu que a fotografia do réu não o identificaria com as algemas.

*Os leitores do Viomundo financiaram a viagem e a série de reportagens de Lúcia Rodrigues a respeito do mensalão tucano. Para ajudar, clique aqui.

Outras reportagens financiadas pelos leitores:

Conceição Lemes: Tudo o que você precisa saber sobre o propinoduto tucano em SP

Tatiana Merlino: Viúvas da ditadura celebram Ustra e Fleury

Dario de Negreiros: Os médicos cubanos na cidade de pior IDH do Brasil

Aqui, a entrevista completa:

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

82 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

James

30/12/2013 - 10h30

Quem matou a garota? Quem mandou matar? Quem se beneficiou com a morte dela?

Responder

ANDRE

17/12/2013 - 23h48

http://www.novojornal.com/minas/noticia/a-mando-de-andrea-leonardo-attuch-subornou-diretor-da-revis-17-12-2013.html
A mando de Andréa, Leonardo Attuch subornou diretor da revista IstoÉ
Financiado por Andréa Neves, “Gangster da Imprensa” plantou notícia na Istoé, instaurando crise ao enganar Delmo Moreira, redator chefe da revista

As atividades criminosas de Leonardo Attuch a serviço de Daniel Dantas junto a revista “IstoÉ”, não merecem uma linha sequer, pois é de amplo conhecimento da categoria profissional que seu nome é sinônimo de desonestidade. Suas principais vítimas são Mino Carta e Paulo Henrique Amorim, conforme comprovado pela Polícia Federal que, através de interceptação telefônica, o flagrou negociando com Daniel Dantas e Naji Nahas a traição de seus colegas.
Há duas semanas, jornalistas do portal “247” alertaram o Novojornal sobre o encontro e a “encomenda” feita por Andréa Neves a Attuch. Em função desta advertência, o Novojornal denunciou: “Gângster da imprensa é contratado por Andréa Neves contra o Novojornal”.

Não deu outra, na edição desta semana da “IstoÉ”, foi acrescentada, após o fechamento da revista e sem que o redator chefe tivesse conhecimento, a matéria: O Falsário. Tal publicação, além de ter sido veiculada no apagar das luzes, foge das normas da publicação, pois foi divulgada sem autoria. O pior, repetindo a matéria que havia sido noticiada em 19 de Novembro no portal jornalístico “247”, pertencente à Attuch: “MP Denuncia “Novo Jornal e lobista Nilton Monteiro”.

O objetivo principal da matéria foi levar descrédito sobre a autenticidade da “Lista de Furnas”, documento que a própria revista “IstoÉ” já noticiara como verdadeiro. Em forma de entrevista com o promotor André Luiz Garcia de Pinho, sobre quem pesa diversas práticas delituosas, sendo a menor das acusações a falsificação de provas para condenar seu irmão, conforme a matéria publicada por Novojornal, “Promotor que acusou irmão transforma-se em principal suspeito” envolveu e atacou o diretor responsável do Novojornal, tudo devido ao ódio que Andréa Neves nutre por não ter conseguido intervir e controlar a linha editorial adotada pelo portal.

Fica evidente que Attuch não agiu sozinho, pois, sabidamente tem por trás de si o apoio da alta direção da revista, que nas últimas décadas são figuras conhecidas no submundo do jornalismo. Em 2005, o então lobista Marcos Valério, hoje condenado e cumprindo pena de prisão em função da Ação Penal do Mensalão, revelou diante da CPI e das câmeras de televisão que a reportagem de capa da “IstoÉ Dinheiro” com a entrevista-bomba de Fernanda Karina, programada para sair em setembro do ano anterior foi engavetada depois de sua visita a Domingo Alzugaray, dono da Editora Três e responsável pela publicação da “Istoé Dinheiro”. O lobista revelou ainda que pagou R$ 300 mil ao jornalista Gilberto Mansur, funcionário da editora e seu consultor.

Menos de 24 horas antes, no programa “Observatório da Imprensa na TV”, o repórter Leonardo Attuch, autor da matéria com Fernanda Karina, declarava peremptoriamente que a matéria não foi publicada em setembro de 2004 por falta de provas; negando, também, qualquer encontro com Marcos Valério.

O depoimento no dia seguinte de Marcos Valério mostrou que o jornalista mentiu duas vezes: esteve com Marcos Valério e a razão que impediu a publicação daquela bomba não foi a falta de provas, mas o peso dos R$ 300 mil pagos à Editora Três.

Na edição da “IstoÉ”, com data de 14/7/2005, na página 29, numa pequena e ardilosa nota, tenta-se defender Gilberto Mansur (que não precisa ser defendido, pois foi apenas intermediário de uma operação de compra e venda) e tira-se de cena Domingo Alzugaray, editor e diretor responsável da editora.

Delmo Moreira, redator chefe da revista, ao ser procurado por Novojornal deixou claro o descontentamento seu e de seus colegas da redação com o ocorrido, informando que nada sabia sobre a matéria, e que quem talvez pudesse dar explicações sobre a mesma era o diretor de núcleo Mario Simas Filho, que também foi procurado por Novojornal em busca da origem e autoria da matéria.

Durante toda esta segunda-feira (16), o Novojornal tentou falar com Mario Simas Filho, acusado por seus colegas de ter sido subornado por Leonardo Attuch. Através de sua secretária, ele informou que retornaria o que não ocorreu até o fechamento desta matéria.

No intuito de não deixar pairar dúvidas sobre a autenticidade da Lista de Furnas, Novojornal a publica, acompanhada da perícia realizada pela Polícia Federal, assim como a denúncia do Ministério Público Federal do Rio de Janeiro.

Responder

Messias Franca de Macedo

17/12/2013 - 23h28

[DOCUMENTOS E RELATÓRIOS DO BANCO DO BRASIL DEMONSTRAM QUE O DINHEIRO DA VISANET É PRIVADO, E FORAM EFETIVAMENTE GASTOS EM CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS, A GLOBO UMA DAS MAIORES BENEFICIÁRIAS!]

Trensalão sumiu. O foco agora é… mensalão
A Folha de São Paulo aparece hoje com mais um escândalo. É o trensalão? O escândalo dos fiscais de Serra/Kassab? Não, a bola da vez é o… mensalão!

A matéria principal da página A6, a mais nobre do jornal (é a primeira página da seção Poder), traz um título curioso, uma autêntica “não-notícia”:

Justiça “ainda não começou”…

Grande notícia!

Sobre o trensalão, nenhuma investigação, nada. O negócio é manter a opinião pública ligada no “mensalão” até o fim dos tempos.

Acontece que a novela do mensalão começa a virar uma interessante curva do rio. A matéria, quando menciona os “recursos” desviados pelo BB e pela Câmara dos Deputados, não menciona os inúmeros documentos, do próprio BB e da Câmara, provando que os recursos não foram desviados. No caso do BB, não eram sequer recursos do BB, e sim da Visanet, empresa multinacional 100% privada, que disponibilizava recursos para bancos privados e públicos para que estes fizessem campanhas dos cartões com bandeira Visa.

A Folha, assim como nenhum dos grandes jornais, não tem o mínimo interesse em divulgar os documentos que provam a natureza privada dos recursos da Visanet, e que os recursos foram devidamente usados em campanhas publicitárias.

Antigamente, cultivava-se uma certa ilusão de que jornais buscavam a “verdade”. Lembro-me até de uma simpática frase de Hegel, que afirmava sempre ler jornais pela manhã, porque eles constituíam o “café-da-manhã de realidade”.

Sim, Hegel estava certo, mas num outro sentido. Os jornais nos lembram de que a realidade é uma luta pelo poder. E os jornais brasileiros não estão interessados em verdade, mas em poder.

Publico abaixo, auditoria feita pelo próprio Banco do Brasil, em 2005. Por que a Folha não divulga esses documentos? Em seguida, destaco alguns trechos da auditoria:

Observe que as “antecipações” de recursos às agências de publicidade eram prática comum desde 2001

Observe que, nos anos de 2003 e 2004, 88% das ações de incentivo eram compatíveis com as ferramentas mercadológicas.

*

Se você analisar a auditoria verá que se trata de um trabalho rigorosíssimo, que encontra dezenas de falhas nas relações entre o Banco do Brasil, as agências e a Visanet. Mas são falhas, na maior parte das vezes, burocráticas, existentes desde a criação do Fundo, em 2001. Não se aponta nenhuma acusação de desvio, tanto que não há nenhuma orientação para que recursos sejam devolvidos, e deixa bem claro que os recursos do Fundo Visanet tinham natureza privada, pois pertenciam, única e exclusivamente, à Companhia Brasileira de Meios de Pagamento.

Enviado por Miguel do Rosário on 16/12/2013 – 11:40 am

FONTE: http://www.ocafezinho.com/2013/12/16/trensalao-sumiu-o-foco-agora-e-mensalao/

Responder

Regina Braga

17/12/2013 - 22h29

Quem trabalha no esgoto…acaba esbarrando em ratos.A Presidenta precisa fazer saneamento básico no país.Poderia pedir ao Ministro da Justiça uma higienização mais rápida…pois a cartilha, seguida, é sempre a mesma…farinha,mortes,corrupção.Nada de novo,aliás,muito antigo, e com muito atraso nas investigações.

Responder

Mariano

17/12/2013 - 20h33

NO MENSALÃO DO PSDB EM MINAS TEVE ATÉ ASSASSINATO

http://r7.com/sCw4

Responder

Marat

17/12/2013 - 20h20

Amigos, parece que o STF (especialmente o triste stf do Gilmar e do JB) faz ouvidos moucos à opinião pública, ou será que eles ainda pensam que a blogosfera apenas enche uma Kombi??? Meus caros, a blogosfera pode até encher dezenas e dezenas de trens superfaturados!

Responder

souza

17/12/2013 - 18h01

tudo que for possível deve ser tornado público para que a justiça sabia que esta tudo às claras.

Responder

Messias Franca de Macedo

17/12/2013 - 14h20

VÍDEO BOMBA! Novas pistas ligam modelo morta ao esquema do mensalão mineiro

publicado em 24/07/2012 às 15h30

http://videos.r7.com/novas-pistas-ligam-modelo-morta-ao-esquema-do-mensalao-mineiro/idmedia/500ee4e9e4b0a8af0d069009.html

Responder

francisco pereira neto

17/12/2013 - 13h34

Romanelli
Que estória é essa de “pauta neutra”?
Não existe neutralidade quando se discute política. Ainda mais em se tratando de Brasil e após a ascensão dos governos Lula/Dilma.
Não adianta você vir com esse papo que eu o desafiei a desmascarar Marighella e não os militares.
A sua “neutralidade” já fica comprometida, mesmo sem eu “saber” o que você pensa sobre os generais ditadores.
Você prestou bem atenção no que escrevi? Eu disse generais DITADORES.
Diz-me em qual parte do mundo e em qualquer época da história, a própria história defendeu regimes ditatoriais e os seus tiranos?
Se você citar apenas um, eu te dou um lecca lecca.

Responder

Roberta Ragi

17/12/2013 - 13h03

Lenha na fogueira:

A mando de Andréa, Leonardo Attuch subornou diretor da revista IstoÉ

Financiado por Andréa Neves, “Gangster da Imprensa” plantou notícia na Istoé, instaurando crise ao enganar Delmo Moreira, redator chefe da revista

Por Marco Aurélio Carone

http://www.novojornal.com/minas/noticia/a-mando-de-andrea-leonardo-attuch-subornou-diretor-da-revis-17-12-2013.html

Responder

J Ferreira Ferrerinha

17/12/2013 - 12h24

Homem de mais de 4.3bi, que seja protegido guardado e trancado com todas as chaves existente, depois de completo o processo terminar, quem sabe ele terá PAZ.

Responder

Roberta Ragi

17/12/2013 - 12h02

Só uma perguntinha:

Lúcia Rodrigues, responsável pela matéria, é aquela que saiu da Rede Brasil Atual pressionada pelo Coronel Telhada? Ou é só coincidência?

Responder

    Conceição Lemes

    17/12/2013 - 12h26

    Sim, Roberta.A própria. abs

    Roberta Ragi

    17/12/2013 - 12h34

    Então, Conceição, felicitações redobradas ao Viomundo! A matéria de Lúcia Rodrigues é impressionante!

Roberta Ragi

17/12/2013 - 11h55

Para quem quer saber mais sobre o tema, sugiro a leitura dos comentários atentos dos leitores do Nassif, aqui:

http://jornalggn.com.br/noticia/as-duvidas-sobre-o-autor-da-lista-de-furnas-processado-pelo-mp

Tem caroço nesse angu. Tá aí um sujeito, o senhor Nilton Monteiro, que merece espaço e voz, independentemente de suas ações pretéritas. Lúcia Rodrigues iluminou o outro lado da moeda. O Ministro da Justiça poderia (deveria) estar mais atento ao caso, não?…

Briga de cachorro grande!

Responder

Julio Silveira

17/12/2013 - 11h53

Quando vejo esse tipo de reportagem não me sai da cabeça o pensamento de que o cidadão brasileiro deveria ser mais cauteloso quando elege alguém para sua idolatria. Temos tomado chumbo grosso com gente que aparece incensado por algum veiculo de comunicação sem nos darmos conta da rede que forma por trás dessa gente para atingir objetivos meramente econômicos, que são urdidos muitas vezes sem medir consequências de atos avançando na criminalidade.
Como temos sido potenciais clientes para os golpes dos vigários.

Responder

Roberta Ragi

17/12/2013 - 11h32

Reportagem essencial, Azenha! Principalmente frente à matéria sobre o mesmo tema, na IstoÉ:
http://www.istoe.com.br/reportagens/339497_O+FALSARIO?pathImagens=&path=&actualArea=internalPage

Responder

José Renato

17/12/2013 - 09h43

Estava demorando esse jogo sujo!!!

Responder

Joselito

17/12/2013 - 09h23

Final de 2014? Ok, contagem regressiva….

Ainda, isso diz respeito a julgamento de 1ª instância, que no Brasil não vale de nada. Para a 2ª instância, esperemos mais 10 anos. Para os Tribunais Superiores, outros 10 anos.

Ai pronto, antes mesmo de termos um julgado de 2ª instância, ocorre a prescrição, objetivo precípuo dos corruptos, que usam o serviço de “valet” da justiça para suas manobras.

Responder

Bonifa

17/12/2013 - 07h23

Isolaram Azeredo e parecem dispostos a queimá-lo com qualquer intensidade de fogo que seja necessária, contanto que o afastem da imagem oficial do seu partido. Esta imagem, não oficialmente, já está em frangalhos, mas a mídia conservadora finge que não está. Se for necessária para preservar a falsa imagem, virá mesmo até a expulsão partidária, como ocorre no Democratas. Azeredo já anunciou em outros tempos que não pagaria a conta do mensalão tucano sozinho. Levaria muita gente consigo. Mas é provável que tenha sido dobrado pelos chefes, e é provável que vá ao tribunal sozinho, evidentemente que em ocultas condições privilegiadas. Uma enormidade de políticos tucanos e outros aliados já estão fora do processo desde o início, quando deveriam encabeçá-la à coté de Azeredo. Ao contrário do mensalão petista, que foi investigado, conduzido e relatado pela acusação, este processo do mensalão tucano foi investigado, conduzido e relatado pela defesa. Azeredo irá para o desconhecido de cabeça baixa, vai concordar com isso, vai concordar em sair do partido, e se o desconhecido se revelar cruel, até será atirado sozinho na fogueira. Ele não tem outra opção, não tem saída. Mas isto será ainda postergado por algum tempo. E por trás da mídia, ainda estará relativamente protegido, já que sabe demais.

Responder

Jose Mario HRP

17/12/2013 - 04h43

Aloysio Nunes – Ladrão
Alckimin – Chefe da Gang de Ladrões

Responder

marcosomag

17/12/2013 - 00h20

Há ministro da justiça no Brasil? Parece que não. Caso houvesse ele já teria transferido este senhor que CORRE PERIGO NOS DOMÍNIOS DE AÉBRIO WINEHOUSE para uma cela da PF em Brasília, vigiado 24 horas por policiais de confiança. Vão esperar o bravo Nílton Monteiro acabar como acabaram a modelo que sabia demais e o assessor da Yeda, que também sabia demais e sumiu, para depois aparecer boiando no Lago Paranoá? Aja, Dilma!

Responder

Marat

16/12/2013 - 23h34

O descrédito do STF só aumenta dia a dia. É bom que saibam que o povo não é tão estúpido como eles imaginam que seja… E é bom lembrar também que a Globo já perdeu muita força!

Responder

Euler

16/12/2013 - 23h02

Sem dúvida, reportagem impressionante. Se fosse contra alguma liderança do PT, ganharia capa da Veja e da Folha por várias edições; a Globo faria uma telenova para exibir em horário nobre e também no Fantástico; ministros do STF seriam escalados para prestar depoimentos sobre o tema; toda a mídia nacional transformaria o tema em assunto obrigatório, diário, várias vezes por dia, por todos os comentaristas e apresentadores de rádios e TVs. É como vêm fazendo com o “mensalão do PT” nos últimos oito anos, pelo menos.

Mas, contudo, todavia, entretanto, porém, como se trata de mensalões, trensalões, privatarias, propinodutos, listas de furnas, e outras tantas formas de apoderamento de verba alheia praticada pelos tucanos, e demos, e a turma do Bob Freire, nada acontecerá. A mídia nem tocará no assunto e o STF continuará fingindo que todos os problemas da humanidade foram resolvidos com a AP 470. E viva a republiqueta do Brasil!

Responder

FrancoAtirador

16/12/2013 - 22h58

.
.
Assembléia Legislativa de Minas Gerais
COMISSÕES
COMISSÃO PERMANENTE

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS

RESULTADO DA 3ª REUNIÃO ORDINÁRIA
Quarta-feira 29 Fevereiro 2012, 09:00
Local: Auditório (Tel: 21087657)

Presentes (Comissão de Direitos Humanos):
Dep. Durval Ângelo / PT (Presidente)
Dep. Paulo Lamac / PT (Vice-Presidente)
Dep. Sargento Rodrigues / PDT (Substituindo Dep. Luiz Carlos Miranda / PDT)
Outras presenças: Dep. Liza Prado / PSB

2A. PARTE – ORDEM DO DIA/PAUTA
Resultado:
Discussão e votação de proposições da comissão
(…)
Requerimento de Comissão 2884/2012

Requer seja realizada reunião de audiência pública a fim de ouvir Nilton Antônio Monteiro sobre e denúncias de interesse da ALMG e da sociedade mineira, nos termos do art. 60,§ 2º,VI, da Constituição do Estado

Autor: Deputado Durval Ângelo
Resultado: Aprovada a proposição

(http://www.almg.gov.br/atividade_parlamentar/comissoes/internaPauta.html?idCom=8&dia=29&mes=2&ano=2012&hr=09:00&tpCom=1&aba=js_tabResultado)
(http://www.jusbrasil.com.br/diarios/35049879/al-mg-08-03-2012-pg-23)
.
.

Responder

Wilson Garcia

16/12/2013 - 22h56

Vamos admitir, a direita junto com o partido da imprensa golpista não conseguiu tudo que queria, na verdade era derrubar Lula, mas conseguiu uma segunda opção desmontar uma parte estratégica do partido dos trabalhadores,uma grande cabeça Jose Dirceu, e junto com ele outros também importantes,.e acreditem se quiserem, sera muito difícil atingir os tucanos pelo menos como eles tucanos atingiram o PT.o partido dos trabalhadores só conseguira virar o jogo e se ganhar politicamente as eleições estaduais em são paulo e em minas, e se reeleger para presidência da republica, ai sim poderá desfazer o que os tucanos fizeram contra seus quadros.Se eles perderem em pelo-menos e um destes estados estarão desmontados e indefesos.

Responder

jõao

16/12/2013 - 22h18

Ex-executivos da Siemens incluem delator em conluios
Ex-diretor Everton Rheinheimer teria participação em cartel da CPTM
AE

METRO-03-IE-2297.jpg

Ex-executivos da Siemens disseram à Polícia Federal que Everton Rheinheimer, delator do cartel metroferroviário, tinha participação no conluio entre multinacionais do setor. Em depoimento à PF, de 7 de novembro, o engenheiro eletricista Peter Andreas Gölitz atribuiu a Rheinheimer atuação nos acordos com empresas para as licitações em São Paulo.

Gölitz é um dos seis lenientes que assinaram o acordo do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), em 22 de maio, para revelar os movimentos do cartel nos governos do PSDB em São Paulo, entre 1998 e 2008. Ele afirmou que “era feita uma simulação dentro da Siemens sobre o preço mínimo que a empresa poderia fazer sem levar prejuízo”.

Depois, disse Gölitz, esse estudo era repassado para Rheinheimer, seu superior hierárquico, então diretor da divisão de transportes da Siemens que, por sua vez, se reportava a Newton José Leme Duarte, também do escalão superior da companhia. Gölitz disse acreditar que “Rheinheimer se encontrava com diretores de outras empresas para ajustar a conduta de todas as empresas.”

Rheinheimer fez delação premiada na PF em 14 de outubro. Ele fez revelações em cinco páginas sobre pagamento de comissões a políticos. Afirmou que as “contribuições” eram acertadas com diretores da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e do Metrô.

Segundo ele, “às vezes os repasses eram mensais, em outros casos ocorriam durante a execução do contrato”. Contou que “os diretores” das estatais é que disseram a ele que as “contribuições” iam para políticos.

Rheinheimer declarou que um lobista “represava” parte dos repasses, o que “desagradava os políticos”. Falou, ainda, sobre um jantar na casa do lobista, que reuniu políticos.

Outro leniente, o administrador Daniel Mischa Leibold, que trabalhou na multi alemã entre 1990 e 2008, disse à PF que Rheinheimer fazia “negociações com outras empresas do setor para a formação de consórcios ou subcontratação”.

Ronaldo Cavalieri, que trabalhou na Siemens entre 1978 e 2008, relatou à PF que autorizou pagamentos para a Procint e a Constech, consultorias de Arthur Teixeira e Sérgio Teixeira. As autorizações, segundo ele, sempre tinhas as assinaturas de Rheinheimer.

Segundo a PF, a Procint e a Constech eram intermediárias no pagamento de propinas a autoridades. O criminalista Eduardo Carnelós, que defende Arthur Teixeira, dono da Procint, rechaça com veemência a suspeita policial. “O sr. Arthur é um profissional de reputação, jamais foi lobista ou pagador de propinas.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Responder

Edmar

16/12/2013 - 22h18

Os bandidos do PSDB já mataram um sujeito que veio a Brasilia desnudar o roubo da “Ieda Cruzes” no Rio Grande do Sul, já mataram a “modelo-transportadora de valores-prostituta” que poderiam desnudar o roubo do PSDB mineiro, já

Responder

Hélio Pereira

16/12/2013 - 21h18

Esta história do “Mensalão do PSDB de MG”,se depender de Joaquin Barbosa vai virar Pó e o Aécio Neves vai ficar muito contente…

Responder

Messias Franca de Macedo

16/12/2013 - 21h17

Barbosa, o monstro, quer Genoíno passando Natal na cadeia

É inacreditável. O próprio Ministério Público, através do Procurador Geral da Republica, já se posicionou em favor da prisão domiciliar de José Genoíno. E agora Joaquim Barbosa pede o milésimo parecer (ele vai pedindo, repetidamente, até conseguir o que quer), perguntando ao juiz (ele também vai trocou o juiz por outro mais obediente) se a prisão tem condições de receber o deputado antes do Natal.

Leia a carta da filha de Genoíno, publicada há pouco no blog do Nassif: (http://jornalggn.com.br/noticia/mesmo-apos-parecer-da-pgr-barbosa-quer-genoino-na-cadeia-no-natal)

Mesmo após parecer da PGR, Barbosa quer Genoíno na cadeia no Natal

De Miruna Genoino

“Não, meu pai não tem ainda os 90 dias de domiciliar e parece que o STF não quer de forma alguma entender que ele não tem condições físicas de estar na cadeia. Tenho que começar minha semana sabendo que o JB pediu um parecer (outro parecer, pelo amor de Deus), para o juiz de execução de Brasília e de São Paulo perguntando se eles têm condições de receber meu pai nos presídios destes locais. Alguém por favor pode pedir, rezar, pensar, desejar, que nossa tortura tenha fim? Alguém pode me explicar por que tenho de passar por esse sofrimento? Por que não posso planejar o natal com minha família? Por quê? Por quê? É muita falta de humanidade, o ministério público já pediu que meu pai seja colocado em prisão domiciliar, mas não se conformam e precisam pedir aos juízes que digam se ele não pode mesmo ir para a prisão… Vc acha que eles vão dizer o quê? Todos só o que querem é prender meu pai atrás das grades, mas que todos lembrem que terão de responder POR SUA VIDA!!!!!!!!” (Miruna Genoino)

Enviado por Miguel do Rosário on 16/12/2013 – 5:13 pm

http://www.ocafezinho.com/2013/12/16/barbosa-o-monstro-quer-genoino-passando-natal-na-papuda/#sthash.PCfDA0ga.dpuf

Responder

    FrancoAtirador

    16/12/2013 - 23h43

    .
    .
    Se o Juízo de Execução Penal de São Paulo

    disser que o presídio não tem condições

    de tratamento adequado ao preso doente,

    Joaquim Barbosa vai oficiar Barak Obama,

    para saber se Guantánamo recebe Genoíno.
    .
    .

Álvares de Souza

16/12/2013 - 21h13

Esse é um verdadeiro homem bomba! Deveria ser entrevistado, seu depoimento gravado e transformado em livro, este sim que seria o maior campeão de tiragem dos últimos tempos, fornecendo informações valiosas para que o jornalismo investigativo produzisse o esquema completo e definitivo da sanha corruptora do PSDB, DEM e partidos aliados, nos últimos 20 anos, demonstrando a organização dessa quadrilha que roubou bilhões dos cofres públicos e que, à depeito, se mantém no poder por todos esses anos, com a proteção da grande mídia e com o aparelhamento do ministério público e do judiciário, aliados poderosos igualmente corrompidos.

Responder

    Bonifa

    17/12/2013 - 06h46

    Acreditamos que já haja espaço para isto. Entrevistas, depoimentos gravados e algum esforço de investigação, para a produção rápida de um livro demolidor, que seria um passo gigantesco rumo ao real combate à corrupção de políticos no país. Uma grande contribuição para que a opinião pública pelo menos tenha a seu dispor um forte elemento de convicção que poderá redundar em efetiva vitória contra a impunidade de políticos corruptos que se julgam inatingíveis, em parte por sua famigerada blindagem midiática. Já há, sim, espaço moral, institucional e psicológico conquistado que está a permitir uma empreitada como essa. Com o espaço aberto à frente, não se deve vacilar em ocupá-lo.

    Zanchetta

    17/12/2013 - 10h51

    Agora senti firmeza… Esse negócio de dossiê já era, o bom é um livro…

    Bonifa

    18/12/2013 - 00h13

    Dossiê é para província, conversa de comadres, briga de vizinhos, espertinhos do bairro, política de petit comitê. O país cresceu.

Luís Carlos

16/12/2013 - 20h57

Tucanos são bons em calúnias e difamação de seus desafetos e denunciadores. Estão acostumados a calar todo mundo comprando silêncio da mídia. Se não der certo, para manterem seus crimes acobertados sempre pode ocorrer sumiços ou mortes estranhas. Uma modelo em MG, um assessor de governo estadual do RS (tucano) apareceu boiando no Lago Paranoá, no DF, e sempre, sem maiores esclarecimentos pelas polícias. Depois, helicópteros carregados de cocaína que, simplesmente, ninguém mais fala sobre e largam nota afirmando que os donos da aeronave não tinham conhecimento sobre a coca. Show de hipocrisia e muitos crimes esperando esclarecimentos. Pinóquio e tucanos tem bicos/nariz compridos. O motivo será o mesmo?

Responder

FrancoAtirador

16/12/2013 - 20h32

.
.
SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Processo: AP 536 MG
Relator(a): Min. JOAQUIM BARBOSA
Julgamento: 19/11/2012
Publicação: DJe-230 DIVULG 22/11/2012 PUBLIC 23/11/2012

Parte(s):
[AUTOR:] MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA

[RÉU:] EDUARDO BRANDÃO DE AZEREDO
JOSÉ ANTERO MONTEIRO FILHO E OUTRO(A/S)
JOSÉ GERALDO GROSSI

Decisão

Decisão: Junte-se a carta de ordem devolvida pelo juízo da 9ª Vara Federal Criminal de Belo Horizonte, devidamente cumprida (Petição Avulsa 53.633/2012).
Ouvida a última testemunha de acusação, dou início à fase de oitivas das testemunhas de defesa.
Nos termos do que me permite o art. 9º, § 1º, da Lei 8.038/90, delego as oitivas aos juízes federais das subseções judiciárias de Belo Horizonte/MG, Jaboatão dos Guararapes/PE e Fortaleza/CE, tendo em vista os endereços fornecidos pela defesa (fls.9577/9578, vol. 44).
Intime-se a defesa, via publicação, para que se manifeste, no prazo de 3 dias, sobre eventual alteração no endereço das testemunhas, devendo, nesse prazo, cumprir o dever processual de informar a este Supremo Tribunal Federal a residência e local de trabalho atualizados das testemunhas que arrolou (art. 407 do Código de Processo Civil, c/c art. 3º do Código de Processo Penal).
Decorrido o prazo in albis ou inexistindo alteração nos endereços anteriormente fornecidos, expeçam-se as competentes cartas de ordem, das quais deverão constar a seguinte ordem e os seguintes prazos para as oitivas que serão realizadas por delegação:

1º) Subseção Judiciária de Belo Horizonte/MG: O juízo delegatário de Belo Horizonte deverá ouvir as testemunhas abaixo nomeadas no prazo de 40 (quarenta) dias, contados a partir do dia em que receber a carta de ordem:

(i) BEN-HUR SILVA DE ALBERGARIA, residente à Rua Tito Botelho Martins, 111, apt. 302, Bairro São Bento, Belo Horizonte/MG, CEP 30.360-080;
(ii) FRANCISCO MARCOS CASTILHO SANTOS, residente à Rua Carlos Gomes, 160, Bairro Santo Antônio, Belo Horizonte/MG, CEP 30.350-130;
(iii) JOSÉ HENRIQUE SANTOS PORTUGAL, residente à Av. Assis Chateaubriand, 525, apt. 1101, bloco 2, Bairro Floresta, Belo Horizonte/MG, CEP 30.150-900;
(iv) KÁTIA BERNARDES REZENDE, residente à Rua São João Evangelista, 337, apt. 203, Bairro São Pedro, Belo Horizonte/MG, CEP 30.330-140;
(v) SÉRGIO BORGES MARTINS, residente à Rua Dona Cecília, 111, apt. 1301, Bairro Serra, Belo Horizonte/MG, CEP 30.220-070;
(vi) PEDRO EUSTÁQUIO SCAPOLATEMPORE, residente à Av. Marquês de Valença, 35, apt. 202, Bairro Gutierrez, Belo Horizonte/MG, CEP 30.441-106.

2º) Subseção Judiciária de Jaboatão dos Guararapes/PE:
No segundo dia subsequente à oitiva da última testemunha pelo juízo de Belo Horizonte; ou dois dias depois do fim do prazo de 40 dias estabelecido para o cumprimento da carta de ordem pelo mencionado juízo delegatário, o Juízo delegatário da Subseção Judiciária de Jaboatão dos Guararapes/Poder Executivo deverá ouvir a seguinte testemunha:

– Sr. SEVERINO SÉRGIO ESTELITA GUERRA, residente à Av. Bernardo Vieira de Melo, 1626, Edifício Fernando Maranhão, apt. 1901, Bairro Piedade, Jaboatão dos Guararapes/PE, CEP 54.410-010.

3º) Subseção Judiciária de Fortaleza/CE No segundo dia subsequente à data designada para a oitiva da testemunha residente em Jaboatão dos Guararapes/PE, o juízo delegatário da Seção Judiciária de Fortaleza/CE deverá ouvir a seguinte testemunha de defesa:

– CIRO FERREIRA GOMES, ex-Deputado Federal, residente à Av. Historiador Raimundo Girão, nº 700, ap. 2302, Praia de Iracema, Fortaleza/CE, CEP 60.165-050.
Os juízes delegatários deverão comunicar, via fax, ao gabinete deste Relator, as datas das oitivas das respectivas testemunhas, tão logo sejam agendadas.
Em caso de mudança de endereço, endereço inexistente, ou qualquer outra situação que impeça a intimação da testemunha ou sua oitiva no prazo estabelecido anteriormente, os juízos delegatários deverão comunicar imediatamente a intercorrência, via fax, ao gabinete deste Relator, para decisão sobre a possibilidade de conferir caráter itinerante à carta de ordem.
Os juízes delegatários ficam autorizados a conduzir coercitivamente as testemunhas faltosas e a adotar todas as medidas legalmente cabíveis para que a diligência seja cumprida nos prazos previstos.
Nos termos da jurisprudência consolidada deste Tribunal, a defesa será considerada intimada no momento da publicação deste , a partir do qual caberá exclusivamente às partes acompanhar o andamento e as datas das oitivas junto aos competentes juízos delegatários, sem necessidade de outras intimações.
Entre as perguntas a serem formuladas às testemunhas, devem ser incluídas indagações sobre:

1) eventual conhecimento das testemunhas acerca dos pagamentos de despesas da campanha do acusado EDUARDO AZEREDO por empresas vinculadas ao acusado MARCOS VALÉRIO e/ou seus sócios, tendo em vista indícios de que “A importância de três milhões e quinhentos mil reais foi transferida dos cofres públicos das estatais mineiras COPASA, COMIG e BEMGE para a empresa privada SMP&B Comunicação, sob a justificativa formal de patrocínio a três eventos esportivos cuja organização era controlada pela empresa de três acusados”, como constou da do acórdão de recebimento da denúncia;

2) se tiveram contato com o acusado EDUARDO BRANDÃO DE AZEREDO, à época dos fatos e/ou durante sua campanha de reeleição para o cargo de Governador do Estado de Minas Gerais, em 1998;

3) se tiveram contato com o Sr. CLÉSIO ANDRADE (que responde à Ação Penal 606, pelos mesmos fatos objeto deste processo), no período dos fatos objeto desta ação penal, quando o Sr. CLÉSIO ANDRADE foi candidato a Vice-Governador na chapa do Sr.EDUARDO AZEREDO (v. depoimento de fls. 623/631, vol. 3);

4) se conhecem ou tiveram contato, à época dos fatos, com o Sr. Cláudio Roberto Mourão (que responde a ação penal, pelos mesmos fatos, perante Vara Federal Criminal na Seção Judiciária de Belo Horizonte, tendo em vista desmembramento do processo),ex-Secretário de Administração do Estado de Minas Gerais, no Governo do Sr. EDUARDO AZEREDO e Coordenador Financeiro da campanha do réu EDUARDO AZEREDO em 1998, havendo nos autos uma listagem que teria sido elaborada pelo Sr. Cláudio Mourão, contendo a origem de recursos utilizados na campanha eleitoral antes mencionada (fls. 338/340, vol. 2; perícia – Laudo de Exame Documentoscópico 3319/2005, fls. 420/425, vol. 2; depoimentos: fls. 405/412, vol. 2; fls. 529/530, vol. 3);

5) se conhecem ou tiveram contato com os Senhores MARCOS VALÉRIO, RAMON HOLLERBACH e CRISTIANO PAZ à época dos fatos objeto deste processo e se sabem do seu eventual relacionamento com o réu EDUARDO AZEREDO, tendo em vista que esses três corréus (que respondem à ação penal desmembrada destes autos, perante o juízo de primeiro grau) contraíram dívidas no montante de R$ 13.900.000,00 (treze milhões e novecentos mil reais), através da DNA Propaganda, mediante empréstimo junto ao Banco Rural, o qual, segundo os acusados, destinou-se ao “financiamento da campanha dos srs. EDUARDO AZEREDO e CLÉSIO ANDRADE para o Governo do Estado de Minas Gerais nas eleições gerais de 1998”, e que o Banco Rural aceitou dar quitação pelo montante de R$2.000.000,00 (dois milhões de reais), através de transação judicial (v. documento de fls. 253, vol. 2; ver, também, depoimentos do Sr. RAMON HOLLERBACH: fls. 256/257, vol. 2, e fls. 612/614, vol. 3; Sr. CRISTIANO PAZ: fls. 258/259, vol. 2; Sr. MARCOS VALÉRIO: fls. 260/262, vol. 2; fls. 665/666, vol. 4; documento de fls. 615/616);

6) se conhecem ou já mantiveram contato com o Sr. Nilton Antonio Monteiro, cujos termos de declarações constam destes autos (fls. 36/65, vol. 1; fls. 380/386, vol. 2; fls. 389/395, vol. 2), o qual forneceu um documento, cuja autenticidade é questionada pelo Sr. EDUARDO AZEREDO, identificado como “recibo” e, supostamente, assinado pelo réu, reconhecendo o recebimento de R$ 4.500.000,00 (quatro milhões e quinhentos mil reais), das empresas SMP&B e DNA Propaganda, ambas controladas pelos réus MARCOS VALÉRIO, CRISTIANO PAZ e RAMON HOLLERBACH (fls. 341, vol. 2);

7) se têm conhecimento dos contratos firmados entre a DNA Propaganda e/ou a SMP&B e órgãos ou entidades do Estado de Minas Gerais (por exemplo, a Secretaria da Casa Civil e de Comunicação do Estado de Minas Gerais, a COPASA, a COMIG, o BEMGE – vide depoimentos do Sr. Fernando Moreira Soares, fls. 440/442, vol. 3; Sr. Carlos Eloy de Carvalho Guimarães, fls. 443/445, vol. 3; Sr. Eduardo Pereira Guedes Neto, fls. 518/521, vol. 3, e fls. 922/925, vol. 5; Sr. Ruy José Vianna Lage, fls. 526/528, vol. 3;Sr. Laudo Wilson de Lima Filho, fls. 5897/5899, vol. 27).

A autoridade judicial competente para cada oitiva deve empreender esforços no sentido de obter todos os esclarecimentos que considerar necessários sobre os temas supra mencionados, bem como outros esclarecimentos que, no curso da audiência,revelem-se importantes para o deslinde da controvérsia. Expeçam-se todas as cartas de ordem, acompanhadas de cópia, em meio físico, das seguintes peças dos autos, cujo teor pode contribuir para a colheita de informações das testemunhas a serem ouvidas:

1) todos os documentos indicados nas perguntas supra formuladas;

2) cartas manuscritas de autoria da Sra. Vera Lúcia Mourão de Carvalho Veloso, prima do Sr. Cláudio Roberto Mourão (corréu), da época em que foram divulgados os fatos que envolvem esta ação penal (fls. 08/12, vol. 1; fls. 577/596, vol. 3; c/c depoimento de fls. 1443, vol. 7); dos depoimentos por ela prestados (fls. 559/576, vol.

3); dos documentos por ela apresentados (fls. 599/610, vol. 3); 3) denúncia (fls. 5932/6019, vol. 27);

4) defesa preliminar;

5) interrogatório (fls. 9623/9693, vol. 45) e depoimento do acusado no curso do inquérito (fls. 673/680, vol. 4);

6) depoimentos das testemunhas de acusação, colhidos na última fase desta ação penal;

7) da ementa do acórdão de recebimento da denúncia.

Encaminhe-se, ainda, em meio digital, cópia do inteiro teor dos autos.

Publique-se.
Cumpra-se.
Brasília, 19 de novembro de 2012.
Ministro Joaquim Barbosa
Relator
Documento assinado digitalmente

(http://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/22670046/acao-penal-ap-536-mg-stf)
(http://migre.me/h2Ca2)
.
.

Responder

    FrancoAtirador

    16/12/2013 - 22h05

    .
    .
    SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

    INQUÉRITO 2280 [hoje, Ação Penal (AP) 536]

    Acusado/Investigado: EDUARDO AZEREDO

    VOTO-RELATÓRIO DO MINISTRO JOAQUIM BARBOSA
    PELO RECEBIMENTO DA DENÚNCIA DO MPF

    Página 155 do Voto do Relator e seguintes:

    5. OUTROS INDÍCIOS CONTRA O ACUSADO EDUARDO AZEREDO.

    Outros indícios da prática dos crimes por EDUARDO AZEREDO foram narrados na denúncia, que descreve, também, as características de sua atuação no suposto esquema criminoso montado em 1998 para possibilitar o financiamento, em tese, ilícito, de sua campanha de reeleição ao Governo do Estado de Minas Gerais.

    Um destes indícios citados pelo Procurador-Geral da República foi o aparente acordo travado entre o acusado e CLÁUDIO MOURÃO, tempos depois dos fatos em tese criminosos, para impedir o coordenador financeiro da campanha de revelar o suposto esquema da campanha de 1998.

    Com efeito, um documento elaborado por CLÁUDIO MOURÃO, juntado às fls. 338/340 (vol. 2), merece a acurada atenção deste Tribunal, por fornecer indícios de que EDUARDO AZEREDO pode ter realmente entrado em acordo com
    seu ex-Secretário para manter em sigilo os supostos crimes cometidos durante a campanha. Este documento é transcrito na denúncia (fls. 5964/5965, vol. 27).

    Intitulado “Resumo da movimentação financeira ocorrida no ano de 1998 na campanha para a reeleição ao Governo do Estado de Minas Gerais, pelo atual Senador da República Sr. EDUARDO BRANDÃO DE AZEREDO e do atual Vice-Governador, Sr. CLÉSIO SOARES DE ANDRADE. Eleição de 1998 – Histórico” e assinado por MOURÃO, a chamada “Lista CLÁUDIO MOURÃO”, o documento traz as seguintes e relevantes informações, verbis (fls. 338/340, vol. 2):

    “1º – Foram arrecadados para a campanha de 1998 mais de R$ 100.000.000,00 (cem milhões de reais) no decorrer da gestão final do Governo de EDUARDO BRANDÃO DE AZEREDO. Destes recursos, só as empresas SMP&B e DNA movimentaram R$ 53.879.396,86 (cinqüenta e três milhões, oitocentos e setenta e nove mil, trezentos e noventa e seis reais e oitenta e seis centavos). ‘Documentos do Contador em anexo’.
    (…)
    3º – Operações com o Governo
    Com o objetivo de angariar recursos para a campanha, a SMP&B promoveu, como faz há vários anos, o Enduro da Independência, e obteve recursos a título de patrocínio, da Administração Direta e de Empresas Públicas,
    conforme discriminado abaixo:
    Administração Direta – R$ 2.000.000,00
    Administração Indireta
    CEMIG – R$ 1.673.981,90
    COPASA – R$ 1.500.000,00
    COMIG – R$ 1.500.000,00
    BEMGE – R$ 1.000.000,00
    CRÉDITO REAL – R$ 1.000.000,00
    LOTERIA MINEIRA – R$ 500.000,00
    COMIG – R$ 1.500.000,00
    TOTAL GERAL – R$ 10.673.981,90

    Dos recursos acima levantados, pequena parcela foi gasto com o Enduro da
    Independência e o restante foi repassado para a campanha, através do Banco Rural e do Banco de Crédito Nacional (BCN), via Doc’s.

    4º – Parte do recurso foi de empréstimos com aval do governo, das privatizações, de empreiteiras – QUEIROZ GALVÃO, ERKAL, CBN, EGESA, ARG, TERCAM, entre outras – e de fornecedores do Estado, de prestadores de serviços diversos, construtoras, indústrias, bancos, corretoras de valores da CEMIG, da PRODEMG, da TELEMIG, Secretarias de Governo, inclusive da Fazenda, BANCO BDMG, de doleiros e de outros colaboradores individuais, no valor superior à cifra de R$ 80.000.000,00 (oitenta milhões de reais).
    Mesmo assim, ficou pendente uma dívida superior a R$ 20.000.000,00 (vinte milhões de reais).
    (…)
    9º – Recursos destinados ao Ex-Governador e hoje Senador da República, Sr. EDUARDO BRANDÃO DE AZEREDO, no valor de R$ 4.500.000,00 (quatro milhões e quinhentos mil reais), para compromissos diversos (questões pessoais).
    Obs.: Repassado por mim [Claudio Mourão], com autorização das agências SMP&B e DNA Propaganda, conforme recibo anexo.
    (…)
    11º – Valores não declarados ao TRE-MG, acima de R$ 90.000.000,00 (noventa milhões de reais) (caixa 2).
    Obs.: Os valores recebidos na campanha e não declarados ao TRE-MG são de
    conhecimento e responsabilidade do partido do PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) e do então candidato à reeleição e não eleito, Senador da República EDUARDO BRANDÃO DE AZEREDO. (…)”

    Como eu já mencionei na primeira parte deste voto, a defesa do acusado, em sua Resposta escrita, silenciou-se por completo a respeito desse documento, não contestando absolutamente nada a seu respeito, embora esteja mencionado na denúncia (fls. 5965, vol. 27) e tenha sido juntado aos autos desde o início das investigações, dando respaldo à acusação, como todos os demais indícios constantes dos 34 volumes (à época da resposta escrita) e 42 apensos.

    CLÁUDIO MOURÃO negou a confecção da Lista, embora tenha reconhecido sua própria assinatura no documento (v. depoimento de fls. 410). Contudo, perícia realizada pelo Instituto Nacional de Criminalística confirmou não só a autenticidade das rubricas e assinatura lançadas por ele (Laudo de Exame Documentoscópico n° 3319/05 [!!!] – fls. 420/425), mas também a inexistência de fraude documental – montagem, adulteração e outros vícios – no conteúdo da mencionada “Lista” (Laudo de Exame Documentoscópico n° 3328/05 [!!!] – fls. 425/429).

    Ademais, segundo explicitado no Laudo Pericial n° 1998, os peritos constataram “confrontações positivas entre os valores movimentados e os descritos nessa lista”…

    Íntegra do Voto do Ministro-Relator Joaquim Barbosa:

    (http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticiaNoticiaStfArquivo/anexo/inq2280JBintegral.pdf)

    Íntegra da Denúncia do Ministério Público Federal:

    (http://noticias.pgr.mpf.mp.br/noticias/noticias-do-site/copy_of_pdfs/Inq%202280.pdf)
    .
    .

    FrancoAtirador

    16/12/2013 - 22h46

    .
    .
    A “LISTA CLAUDIO MOURÃO”

    Conforme voto do Relator Joaquim Barbosa, no Inquérito 2280 que, após o recebimento da Denúncia pela maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal, foi convertido na Ação Penal nº 536, cujo réu é EDUARDO BRANDÃO AZEREDO (PSDB),
    “perícia realizada pelo Instituto Nacional de Criminalística confirmou não só a autenticidade das rubricas e assinatura lançadas por ele [Claudio Mourão] (Laudo de Exame Documentoscópico n° 3319/05 [!!!] – fls. 420/425),
    mas também a inexistência de fraude documental – montagem, adulteração e outros vícios – no conteúdo da mencionada ‘Lista’ (Laudo de Exame Documentoscópico n° 3328/05 [!!!] – fls. 425/429)”.




    (http://www.viomundo.com.br/politica/rogerio-correia-valerio-operou-ao-mesmo-tempo-para-o-aecio-em-minas-e-o-pt-em-brasilia.html)
    .
    .

    Mário SF Alves

    16/12/2013 - 22h42

    Mas, afinal, o dinheiro do mensalão deles é só isso? Vinte e três milhões de reais, essa merreca?
    ____________________________
    Ah, escândalo por escândalo, sou muito mais o ESCÂNDALO do propinoduto tucano dot rensalão paulista e o da mega-sonegação da Gloebells: R$ 1.000.000.000,00, cada. Isso sim é que escândalo escandaloso; sem sombra de dúvida.

    E pombas! Muito mais escândalo que aquela 1/5 ton. de pasta base de cocaína [sem dono] voando de SP ao ES de heliPÓptero.

    Bonifa

    18/12/2013 - 00h29

    Acontece que no Propinoduto não há pegadas que não possam ser apagadas por mestres do disfarce. E no caso do helipóptero sobrou apenas para o piloto, que já sumiu. Mas a Lista de Furnas pegou de verdade, embora com uma grana ridiculamente pequena. Al Capone, não se deve esquecer, foi condenado por mera sonegação de impostos.

    FrancoAtirador

    19/12/2013 - 04h57

    .
    .
    O fundamental neste caso, caro Mário,

    é que efetivamente houve comprovação,

    com provas documentais e periciais,

    de desvio de dinheiro público em MG.

    Ao contrário do que na Ação Penal 470,

    em que não ficou cabalmente provado.
    .
    .

    HEBERTH

    09/11/2014 - 07h54

    Na verdade são 1/2 tonelada e não 1/5 como você disse.

Heitor

16/12/2013 - 20h13

Onde entra o Ministério de Justiça para dar a este senhor segurança e principalmente ouvido?

Responder

Alberto

16/12/2013 - 20h01

E esta guangue ainda quer voltar à Presidência da República. Se ganharem nós, o povo brasileiro, estamos ferrado. Viraremos uma narcorepública muito pior do que foi a Colombia na época do Pablo Escobar. Que todos os Santos e todos os Anjos se apiedem de nós e não permitam tal infortúnio ao povo brasileiro, já tão sofrido.

Responder

    Mário SF Alves

    16/12/2013 - 22h47

    Alberto,

    Longe de mim comprometer sua fé, mas, dê uma olhadinha no link a seguir e veja até onde vai a toca do tucano “branco”:

    http://www.youtube.com/watch?v=ym8kmimCs8o

Tiago Tobias

16/12/2013 - 19h51

Como tudo que envolve o Aécio, essa história não cheira nada bem.

Responder

    Hell Back

    17/12/2013 - 02h27

    Discordo; o Aécio cheira bem. rs rs rs

renato

16/12/2013 - 19h20

Mas intão é uma mafia braba, sô.
Quem poderá com ela, será o então
querido e amado Chapolim Colorado.

Responder

Dinis

16/12/2013 - 19h18

O tucanato é representante da “casa grande”, condenação punição só pros da senzala, é óbvio né!

Responder

mineiro

16/12/2013 - 17h49

acabou a ditadura? depois do relato desse homem a ditadura ta mais atuante do que nunca. esse homem é uma verdadeira bomba relogio , preste a explodir. isso sim é mensalao com provas e testemunha e tudo mais. porque o pt nao explora isso , esse partido morto tucando , tai uma prova pra botar o stf , a midia golpista e os demonios tucanos contra a parede e contra a partida salvar o seus aliados das perseguiçoes dos mesmo. mas nao ta tudo acovardado borrando de medo.

Responder

Celso Carvalho

16/12/2013 - 16h36

Azenha, o blog do Nassif reproduz uma matéria da IstoÉ sobre o mesmo cidadão que o apresenta com um perfil altamente suspeito. É bom verificar onde reside a verdade. Abraço.

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    16/12/2013 - 19h19

    Talvez seja apenas coincidência. Talvez não. Demos a ele o direito à palavra. abs

Vanilton Alves

16/12/2013 - 15h00

Previsão de gastos com a mídia do governador de São Paulo é de mais de R$ 180.000.000,00. É mole!

Responder

JOSE ANTONIO BATATA

16/12/2013 - 14h46

A censura em Minas Gearis é pior do que na Coreia do Norte.

Responder

Urbano

16/12/2013 - 13h57

O poB sempre faz esse tipo de serviço completo, ou seja, barba, cabelo e bigode. Agora, serviço decente mesmo, pra valer, é a da justiça; na verdade parte dela ou a exceção, que independentemente do que o Nilton Monteiro tenha feito de mal, só ele está preso. Os bandidos da oposição ao Brasil, nem ontem, nem hoje e muito menos amanhã. Daí que um certo dia, provavelmente um esperto criou uma frase no estilo Habeas Corpus preventivo: “Decisão judicial não se questiona, se cumpre”. Custo a acreditar que seja a ideia de um justo…

Responder

beto

16/12/2013 - 12h56

se esse cara morrer foi o aécim

Responder

    lukas

    16/12/2013 - 14h36

    Quem matou Celso Daniel?

    francisco pereira neto

    16/12/2013 - 19h16

    Ah! Eu acho que foi você.

    Gerson Carneiro

    17/12/2013 - 06h23

    Quem matou Marcelo Cavalcante, ex-assessor da governadora gaúcha Yeda Crusius(PSDB)?

    Quem matou Braz Paschoalin, prefeito de Jandira(PSDB)?

    Quem matou Cristiane Ferreira, modelo que atuou transportando valores milionários a serviço do esquema do Mensalão Tucano?

vital

16/12/2013 - 12h07

Essa proteção acintosa e vergonhosa da imprensa em geral, capitaneada
pela venus platinada e suas marionetes, é uma verdadeiro descalabro.
Sem um jornalismo público independente e qualificado o futuro da nossa
democracia é incerto e preocupante.

Responder

    Mário SF Alves

    16/12/2013 - 23h03

    Sim. E é histórico. Tá no link:

    http://www.youtube.com/watch?v=ym8kmimCs8o
    ____________________________________

    Tudo junto e misturado: CIA, Ibad, Ipes, Kennedy, Lincoln Gordon, Gol[p]bery, capitalismo de muletas, empresários de meia tigela, complexo de vira-latas e por aí vai.

    Em 64 Ibad/Ipes, hoje Millenium.
    Em 64 Kennedy, hoje os espiões do B. Obama.
    Em 64 o medo de que o Brasil rompesse as amarras do subdesenvolvimento, vindo a transformar-se numa nova China bem nas barbas do EUA, hoje, não apenas isso, não apenas uma nova China, mas a prova mais cabal de que o neoliberalismo é uma falácia. E que o tal fim da História é pura balela, nada mais que estória pra boi dormir.

    Mário SF Alves

    16/12/2013 - 23h58

    Ah, tem mais esse:

    http://www.viomundo.com.br/politica/laurindo-leal-em-1964-havia-o-ipes-e-o-ibad-hoje-o-millenium.html
    ______________________________________
    Vale a pena recordar.

j.albergaria de macedo.

16/12/2013 - 11h53

VEJO ESSA REPORTAGEM COM INDIGNAÇÃO. O BRASILEIRO DEVERIA ESTAR DE LUTO.

Responder

cacilda bazoni galiotto

16/12/2013 - 11h53

Impressiona ler o que esse homem diz; mas na Isto É,[15/12] dessa semana tem uma reportagem dizendo que ele é estelionatário de vários setores : política, lavagem de dinheiro, listas de Furnas, etc…quem verdadeiramente está com a razão? É necessário que a justiça esclareça isso o mais rápido possível,deixar um homem inocente na cadeia, não é justiça, é um peculato de caráter.

Responder

Irineu

16/12/2013 - 11h43

Azenha e leitores,
Bom dia!
Essas informações são interessantes e lógica.
Uma coisa que não entendo é que pegam os mais “frágeis” do esquema como bode expiatório.
Teve aquele caso do sumiço dos processos da Globo também e apontaram aquela moça.
Chega só nessas pessoas porque o esquema é muito sujo ai esses funcionam como uma “blindagem”
É muita coisa pra gente engolir
A mídia pega esses personagens e ficam batendo nessa tecla, pra ocultar os grandes é tudo articulado, chega de enganação.
Azenha você sabe como é feito esse “jornalismo de esgoto nas tevês”.

Abraços

Responder

Jose C. Filho

16/12/2013 - 11h39

Pobre e infeliz povo brasileiro, enganado, manipulado, conduzido como gado ao matadouro; no topo da pirâmide, uma minoria, um grupelho de bandidos associados aos interesses internacionais, perpetuando-se no poder desde o período escravagista, amarram o desenvolvimento da nação, descaradamente usam de seus cargos para sugar verbas públicas, fazem da justiça, injustiça, fingem não ouvir os clamores do povo, dilacerando nossas esperanças de um dia sermos um grande país.

Responder

Maria Costa

16/12/2013 - 11h09

Acesse: https://eleicoeslimpas.org.br/entenda e assine projeto de lei idealizado pelo MCCE o mesmo do ficha limpa. Divulgue, precisamos de um milhão e meio de assinaturas para virar lei.

Responder

Marcus Vinicius

16/12/2013 - 11h03

imagino a pontinha de inveja que a máfia italiana tem dos tucanos…

Responder

walter rodrigues

16/12/2013 - 09h43

Vixe maria. Como fede esse ninho tucano!

Responder

Gilvan Caputira

16/12/2013 - 09h28

O Senhor Nilton Monteiro não é Deputado como o delator do mensalão Petista, portanto para o inquestionável PSDB, não tem nenhuma credibilidade. Eu creio que a maioria do Povo já entendeu que a Justiça do Brasil, em se tratando de PSDB é arquivo, nada a investigar.

Responder

Zanchetta

16/12/2013 - 08h37

“…Preso desde maio de 2013, agora no complexo penitenciário de segurança máxima Nelson Hungria, em Contagem, região metropolitana de BH, sob a acusação de coagir testemunhas em um processo em que aparece como falsário…”

Vamos e venhamos, o Roberto Jefferson é mais confiável, né não?

Responder

    Dinho

    16/12/2013 - 12h04

    OK tucano, já deu seu pitaco.

    Mário SF Alves

    16/12/2013 - 12h43

    Bem observado. Quero dizer, parece-me bem observado. Mas, e por falar nisso, se ele, o delator, fosse um algo como R. Jefferson, como você aludiu, creio que já estaria comendo grama pela raiz há tempos.
    _________________________________
    Ou, você ainda acredita mesmo na cúpula do tucanato?

    E, a propósito, repare no adjetivo, aliás preferido por eles, “tucanato”, não te lembra nada? Aristocracia? Aristocrata, talvez, não?

    Sangue azul de lagosta, cheio de cobre e com o intestino na cabeça, isso, sim.

    Guilherme Silva (Guirma)

    16/12/2013 - 16h29

    R. Jefferson inventou o mensalão de trinta paus por mês e não apresentou nenhuma prova. E depois desmentiu tudo. Zé Dirceu está preso unicamente por conta desse testemunho. O resto é domínio do fato. Na verdade, R. Jefferson embolsou quatro milhões e nunca devolveu. Muito confiável o sujeito…
    Quanto a N. Monteiro, a única acusação de falsidade é a que tenta provar que a tal lista contra tucanos é falsa. Não existe outra. Ele não é um notório falsário como dizem os tucanos. O problema quanto a esse processo é que a PF já provou a legitimidade do documento. Os tucanos tentaram causar confusão com um laudo feito por um americano (esse sim já condenado por falsidade nos EUA) em uma cópia xerox mas nem isso colou.
    O que falta é a justiça desse país resolver ir atrás dos esquemas tucanos. Simples assim…

Romanelli

16/12/2013 - 07h54

Então, olha o tamanho do meu desespero ..dum lado o PSDB, e doutro, hoje, ninguém ..e SEM perspectiva, a persistir este radicalismo de se proibir todo e qq recurso privado nas eleições, e/ou a dificuldade em se conseguir aprovar o surgimento de novos partidos.

Sim, ninguém, pois falar que é alguém, algum sopro de esperança, o PT com suas alianças espúrias e/ou fisiológicas, ou uma esquerda e/ou direita tresloucadas, que quando provocadas, nunca apresentam fórmulas sensatas a serem aplicadas ?!

Realmente ..depois alguns não entendem como um grupo de pais e professores decidiram escolher entre Mariguela e Milton Santos como prováveis nomes a serem usados pra substituir o de Médici na fachada duma escola na Bahia (isso, ao invés de discutirem seriamente a QUALIDADE didática, por exemplo)..

..realmente, como entender aqueles cidadãos que preferiram o primeiro, o nome dum terrorista que queria, tal qual o governo que combatia, instaurar-nos um regime na base da PORRADA, da bomba, da bala, do medo e do pânico, da força bruta..

..um cara que também não via no debate franco, transparente, ético, compromissado, coerente, no congraçamento e entendimento entre os seres, a amalgama que caberia a qq povo que sabe por onde quer CONDUZIR, e não ser condizido como boiada acéfala por estes partidos que mais parecem súcias de bandidos.

Responder

    Mário SF Alves

    16/12/2013 - 12h29

    “..realmente, como entender aqueles cidadãos que preferiram o primeiro, o nome dum terrorista que queria, tal qual o governo que combatia, instaurar-nos um regime na base da PORRADA, da bomba, da bala, do medo e do pânico, da força bruta..”

    1) “Chamam ao rio violento, mas, poucos se dão conta de violentas mesmo são as margens que o aprisionam. adaptado de B. Brecht”

    Assim, e somente assim, e levando-se em conta toda a informação que, presumivelmente, possui, cá entre nós, e francamente, você acha mesmo que esse espectro de burguesia “nacional” está mesmo ou de algum modo interessado em consolidar a democracia no Brasil?

    ________________________________________________

    “…um cara que também não via no debate franco, transparente, ético, compromissado, coerente, no congraçamento e entendimento entre os seres, a amalgama que caberia a qq povo que sabe por onde quer CONDUZIR, e não ser conduzido como boiada acéfala por estes partidos que mais parecem súcias de bandidos.”

    Idem, idem, condução por condução, boiada por boiada, há, de fato, alguma diferença entre um boiadeiro e outro? Refiro-me ao boiadeiro atual, radicalmente neoliberal, o mesmo que tende a reduzir a pó o estado do bem estar social na velha Europa e parte dos EUA e que, privatizando até a alma do povo brasileiro, e “agindo no limite da irresponsabilidade” não hesitaria um segundo em colocar-nos em condição ainda mais terrível? Vale recordar: trata-se aqui do mesmo boiadeiro, rancheiro, cowboy de filme de faroeste, ex-presidente R.R., que dizia aos quatro cantos do mundo que ex-URSS era o demônio, causa de toda a infelicidade do Ocidente, e que, no entanto, após o esfacelamento do poder soviético, mostrou-nos sua verdadeira face, ainda mais demoníaca.

    ________________________________
    Pensemos sobre isso.
    ___________________________________________
    Att.,
    Mário

    francisco pereira neto

    16/12/2013 - 19h39

    Qualidade didática e de ensino começa sim senhor com a mudança do nome da escola.
    Pelo que sei o ensino de História no país, atualmente, continua o mesmo da época da ditadura. Ou seja: é a mesma ideia que você ainda carrega da época do golpe. Você foi a favor e continua até hoje a favor. E tem a cara de pau de se apresentar como democrata? Pelo menos ocupa este espaço para dizer idiotices tanto agora como antigamente, só que com uma diferença: na época da ditadura era um monólogo.
    Quanto a você dizer que Marighella era terrorista, tem o mesmo sentido de eu afirmar que terrorista é você. E veja bem que as épocas são muito diferentes. Então é bem natural eu chamá-lo hoje de terrorista, pois ele não está vivo para se defender, o que na época, era impossível.
    Tá de bom tamanho, ou quer mais?

    Romanelli

    17/12/2013 - 08h00

    Terrorismo é o uso de violência, física ou psicológica,1 através de ataques localizados a elementos ou instalações de um governo ou da população governada, de modo a incutir medo, terror, e assim obter efeitos psicológicos que ultrapassem largamente o círculo das vítimas, incluindo, antes, o resto da população do território. É utilizado por uma grande gama de instituições como forma de alcançar seus objetivos, como organizações políticas de esquerda e direita, grupos separatistas e até por governos no poder.

    http://www.youtube.com/watch?v=J3CFHY_hwQk

    pior que era um cara que queria nos IMPOR um regime que sequer ao povo foi submetido a conhecimento e consulta ..que beleza, bela “rebolucion” sem povo…

    francisco pereira neto

    17/12/2013 - 09h33

    Romanelli
    Tudo isso que você afirma, a ditadura não fez!
    Voce não passa de um fanfarrão.
    Pernacchia para você.

    Romanelli

    17/12/2013 - 09h54

    PobRema jovem, é que aqui eu fui desafiado por vc a DESPIR em pelo, Mariguela, não os militares.

    ..e sobre esta fórmula de se defender, atacando, desculpe, esta mais do que desmistificada e desgastada, NÃO cola

    ..agora, quem sabe se dentro duma PAUTA neutralizado, apropriada e plural, sem dogmas NEM achismos de nenhum dos lados, nós possamos fazer um balanço do movimento Militar mais tarde, sobre o enfoque histórico, numa outra oportunidade, pois nesta, penso, já passamos do tamanho tido como razoável

    abrá

Gerson Carneiro

16/12/2013 - 02h37

Delator do “mensalão petista”.

Responder

Deixe uma resposta