VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

HSBC: Amaury Ribeiro Jr. deixa o Comitê de Jornalistas Investigativos

19 de fevereiro de 2015 às 14h45

amaury

Da Redação

A troca de correspondência entre o jornalista Amaury Ribeiro Jr. e a vice-diretora do ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos), Marina Walker Guevara, nos foi enviada pelo repórter. O ICIJ recebeu do diário francês Le Monde os Swiss Leaks –vazamento de dados referentes às contas secretas do banco HSBC na Suiça.

Os vazamentos estão sendo investigados por autoridades de vários países, uma vez que podem indicar que o banco era usado para sonegação de impostos ou simplesmente esconder dinheiro sujo.

No Brasil, o ICIJ repassou a tarefa de investigar e divulgar as contas ao UOL, do Grupo Folha, representado pelo jornalista Fernando Rodrigues, integrante do ICIJ, do qual Amaury também fazia parte.

O UOL e a mídia corporativa brasileira, por enquanto, só entraram no caso para denunciar contas no HSBC associadas ao escândalo da Petrobras.

*****

Querida Ms Walker:

O seu nome me foi indicado pelo amigo Rosenthal Calmon. Meu nome é Amaury Ribeiro Jr, sou jornalista, escritor e membro do ICIJ desde a fundação da organização em 1997, na Universidade de Harvard. Estava lá na companhia de Calmon e outros amigos. Tenho me dedicado durante os 30 anos de trabalho à publicação de livros, que ajudaram a elucidar vários casos de lavagem de dinheiro. Entre os meus livros públicados estão A Privataria Tucana (mais de duzentos mil cópias vendidas no Brasil) e O Lado Sujo do Futebol (compartilhado com amigos da TV Record e traduzido para o espanhol).

Desde que o ICIJ decidiu publicar as contas de políticos na Suiça, o meu telefone não pára de tocar. Ao me pedirem ajuda, os jornalistas de toda parte do Brasil dizem que o site UOL (escolhido pelo ICIJ para divulgar o caso), ao contrário do que vem ocorrendo em outros países, só tem divulgado o nome de políticos de esquerda, livrando os chamados políticos neoliberais apoiados pela grande mídia. Me comprometi, como membro do ICIJ, a tentar obter a lista.

Caso consiga com o ICIJ, me comprometi a divulgar somente as chamadas contas sujas e não declaradas ao Fisco, na íntegra, aos demais colegas da imprensa. O Brasil vive uma crise política sem precedentes, que poderá acabar para sempre com todo o esquema de corrupção que perdura há mais 50 anos. Mas, para que isso ocorra, a imprensa não deve colaborar com a manipulação de dados. Mando-lhe também, para a sede do ICIJ, os exemplares dos meus livros.

Grato,

Amaury Ribeiro Jr

*****

Amaury,

Bom ouvir de você. Tenho trabalhado para o ICIJ por quase 10 anos e penso que esta é a primeira vez que você entra em contato conosco em busca de uma reportagem.

Como você sabe, estamos trabalhando com o Fernando Rodrigues, que ainda está fazendo as reportagens. Ele vai publicar outras delas brevemente. Não sei no que você baseou sua afirmação de que Fernando está escondendo o nome de políticos neoliberais. Você viu os dados para fazer tal acusação tão séria contra seu colega e co-integrante do ICIJ?

Não estamos planejando abrir os dados para outras organizações de mídia do Brasil por agora. Se isso mudar, você será informado.

Obrigado,

Marina

*****

Marina,

Quem sabe talvez você, uma jornalista argentina, se interesse em conhecer o mínimo do que está acontecendo em seu país vizinho.

Não estou acusando o Fernando Rodrigues, colega há mais de 30 anos, e sim a empresa em que ele trabalha (UOL). Assim como todos os grandes grandes veículos de comunicação do Brasil, o UOL segue a cartilha neoliberal dos patrões.

A denúncia de que o UOL está escondendo as contas de políticos me foi feita por centenas de jornalistas. Eles viram meu nome na lista do ICIJ e passaram a me cobrar. Por isso eu te escrevi após conversar com o Rosenthal, que me indicou para o ICIJ.

A informação também me foi confirmada por fontes da Polícia Federal, que garantem que no HSBC está grande parte do dinheiro que foi desviado na época das privatizações. Te encaminhei a carta apenas para dar satisfação aos meus colegas do país.

Queria deixar bem claro que não estou escondendo nada de ninguém. Mas há uma maneira fácil de resolvermos o problema. Tire o meu nome da lista dos membros do ICIJ. A partir de hoje não faço mais parte da organização de jornalistas. Fico devendo a prova das contas dos ladrões neoliberais que vocês estão ajudando a esconder.

Nas contas offshores desses paraísos fiscais está amopitado o dinheiro que eles desviaram durante o processo de privatizações. Nós, jornalistas progressistas brasileiros, acostumados a tantos golpes da mídia patronal, não podiamos esperar nada de uma organização mantida pelo megassonegador George Soros.

Amaury Ribeiro Jr.

*****

​Amaury,

Obrigado por compartilhar suas impressões. Não concordo com elas, mas respeito. Tal como você pediu, retiraremos sua biografia do site do ICIJ e aceitamos sua renúncia como membro.

Muito obrigado,

Marina Walker Guevara

ICIJ Deputy Director

[email protected]

PS do Viomundo: O fato de que existe um monopólio da informação sobre as mais de 8 mil contas de brasileiros significa que nunca saberemos se o UOL está divulgando os dados de forma manipulada ou não, pelo simples fato de que ninguém mais poderá se debruçar sobre as mesmas contas. Parece óbvio, não? Embora não comprovadas, as suspeitas de Amaury Ribeiro Jr. são absolutamente pertinentes. Aparentemente, elas permanecerão para sempre, já que o ICIJ não pretende jamais divulgar a lista completa das contas de brasileiros. Eterno mistério, pois: haverá ou não manipulação de dados? Pela cobertura que a mídia brasileira deu ao caso, até agora, sobram motivos para suspeitas: toda a ênfase é dada às contas no HSBC associadas ao escândalo da Petrobras, o “escândalo que interessa” ao baronato midiático.

Leia também:

Funcionária da JBS demitida por se opor à cobrança das refeições

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

56 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

FrancoAtirador

20/02/2015 - 23h58

.
.
7 Países com maior número de Milionários Sujos

com Contas Secretas no Banco HSBC da Suíça.

1) Suíça = 11.235
2) França = 9.187
3) Grã-Bretanha = 8.844
4) BRAzIL = 8.667
5) Itália = 7.499
6) Israel = 6.554
7) Estados Unidos = 4.183

http://imgur.com/BnXTino
http://www.martingrandjean.ch/wp-content/uploads/2015/02/Swissleaks_1.png

Responder

Marcio

20/02/2015 - 11h12

Mostre a nossa insatisfação enviando um e-mail para a Srª. Marina Walker Guevara:[email protected]

Responder

Gerson Carneiro

20/02/2015 - 11h10

Imaginem se nessa lista aparecesse o nome de um cunhado da secretária da cabeleireira da dona Mariza…

Responder

    Mario Moraes

    20/02/2015 - 13h59

    Que apareçam TODOSss os nomes para o conhecimento geral da nação brasileira.

Luiz Clete

20/02/2015 - 10h53

Bem, posto isso, o mundo se resume em: BANDIDAGEM INSTITUCIONAL. E assim continuará até os fins dos tempos? Como uma informação de interesse nacional vai ficar adormecida em um veículo de comunicação sem que NINGUÉM o obrigue a revelar?

Responder

    Maria

    20/02/2015 - 13h17

    Bandidagem institucional. É o que temos na maioria das isntituições atucanadas no Brasil.

Maria Helena Correa

20/02/2015 - 09h40

Já iniciada uma petição no AVAAZ, destinada a essa sra. Walker Guevara. Acabo de assinar e recomendar.
https://secure.avaaz.org/po/petition/Marina_Walker_Guevara_Vice_Diretora_do_ICIJ_Entregar_os_documentos_dos_Swiss_Leaks_para_outros_jornalistas_do_Brasil/?cIKKTbb

Responder

Caracol

20/02/2015 - 08h58

Ih, rapaz! Um negócio da China! Já pensaram? O cara pega a lista que só ele tem e sai telefonando: Fulano, deposita aí tantos e tantos dólares na minha conta tal e tal e eu risco o teu nome.
Sensacional! Vai ganhar os tubos, nunca mais vai ter que viver de salário de merda de revista ou jornal algum!

Responder

Gerson Carneiro

20/02/2015 - 07h51

“A lista completa nunca será publicada? Não, pois seria uma invasão de privacidade indevida no caso de pessoas que podem ter aberto contas no exterior de boa fé, respeitando a lei e pagando impostos.” Fernando Rodrigues, no blog dele no UOL.

E se José Dirceu, Lula ou o filho do Lula estivesse na lista?
Ah, petistas não gozam do direito à privacidade.

Responder

Luiza

20/02/2015 - 07h43

Pois é….
Até agora nada novo no front.
O pedido do Amaury para ter acesso a lista é justo e tem fundamento¹, só que “faltou combinar com os russos”, né messmo, Amaury???
Esse é que é o “X” da questao -“acostumados a tantos golpes da mídia patronal, não podiamos esperar nada de uma organização mantida pelo megassonegador George Soros.”

Trocando em miúdos, essa organizaçao ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos), Marina Walker Guevara e “parceiros”, somados a nossa mídia tupiniquim é, tomando emprestado a expressao de um jornalista com “J” maúsculo, “tudo a mesma sopa”.

E.., enquanto isso, o cidadao comum só está preocupado é com o preço do giló…

É a vida que segue.
——————————–
¹-O Brasil vive uma crise política sem precedentes, que poderá acabar para sempre com todo o esquema de corrupção que perdura há mais 50 anos [..] Nas contas offshores desses paraísos fiscais está amopitado o dinheiro que eles desviaram durante o processo de privatizações[..] Fico devendo a prova das contas dos ladrões neoliberais que vocês estão ajudando a esconder.”

Responder

Aroeira

20/02/2015 - 07h18

HSBC: jornalistas do Monde sob pressão dos proprietários, por Marlon

Mutirão do HSBC

sex, 20/02/2015 – 07:07
Atualizado em 20/02/2015 – 07:08

Publicado no Blog do Nassif

http://jornalggn.com.br/noticia/hsbc-jornalistas-do-monde-sob-pressao-dos-proprietarios-por-marlon

Jornalistas do Monde sob pressão dos proprietários – Caso HSBC

por Marlon

O milionário Pierre Bergé, um dos proprietários do Le Monde desde 2010, criticou o trabalho dos jornalistas do seu jornal sobre a publicação dos nomes das pessoas envolvidas no caso HSBC de evasão fiscal. Trata-se, segundo ele, de “populismo”. Esses nomes estariam sendo “lançados aos leões”. “São métodos que eu reprovo”, disse o milionário.

Imediatamente, a “Associação dos Redatores do Monde” reagiu ao que considerou “uma intromissão no conteúdo editorial” do jornal [veja a nota abaixo]. “Nós condenamos com força, como em outras ocasiões, essa intromissão no conteúdo editorial. O papel dos acionários é de definir a estratégia da empresa e não de tenter intervir [tenter de peser] no sentido da informação [publicada]”.

A direção do jornal também reagiu com força às declarações de Bergé. “Nós, membros da direção do ‘Monde’, deploramos os ataques feitos por Pierre Bergé contra os jornalista do ‘Monde’.” A nota da redação é assim concluída: “As declarações públicas de um dos nossos acionários não saberia pôr em causa a independência editorial da redação, que continuaremos a fazer ser escrupulosamente respitada”.

Esse fato me pareceu importante à luz dos textos que Nassif vem publicando sobre os aspectos econômicos e editoriais da mídia brasileira.

Responder

Arlene

19/02/2015 - 21h47

Taí tratar inimigos como adversários!Inté.

Responder

Makário

19/02/2015 - 21h35

Abertura de contas brasileiras no HSBC suíço teve pico durante privatizações de FHC

Posted by eduguim on 19/02/15 • Categorized as Reportagem

http://www.blogdacidadania.com.br/2015/02/abertura-de-contas-no-hsbc-suico-teve-pico-durante-privatizacoes-de-fhc/#comment-1555686

swiss leaks

O escândalo Swiss Leaks vinha sendo repercutido muito mais na Blogosfera. Demorou a chegar aos jornalões e continua sendo ignorado pela Globo. Essa abulia da grande mídia em relação a um escândalo que, em recursos de brasileiros, chega a 7 bilhões de dólares, começou a se tornar inteligível após a divulgação de que um dos depositantes suspeitos é ligado ao PSDB.

O dito cujo, conforme vem sendo repercutido pela Blogosfera, é Saul Sabbá. Ele tem relação com os tucanos porque assessorou o Programa Nacional de Desestatização do governo FHC, sobretudo nas privatizações de empresas de energia.

O desinteresse da mídia nacional sobre o assunto vinha sendo tão grande que o deputado federal pelo PT gaúcho Paulo Pimenta recorreu ao Ministério da Justiça pedindo investigação das autoridades sobre os brasileiros que figurem nessa lista.

Esse desinteresse da mídia tradicional tornou-se suspeito já que as informações sobre o escândalo levantado pelo jornal francês Le Monde foram repassadas ao The International Consortium of Investigative Journalists (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos), que, por sua vez, escolheu o portal UOL para repassar as informações.

Contudo, o UOL parece pouco interessado em divulgar nomes. Até o momento, tem se limitado a caçar nomes que de alguma forma possam estar ligados ao escândalo da Petrobrás.

Contudo, informações do ICIJ sugerem que os brasileiros envolvidos na maracutaia suíça podem ter relações muito maiores com um escândalo bem mais antigo, as privatizações do governo Fernando Henrique Cardoso.

Segundo o que já foi divulgado pela entidade supracitada, grande parte das contas de brasileiros no HSBC suíço foi aberta entre 1988 e 1991. De 1991 a 1997, essa abertura de contas perde fôlego. Mas, a partir de 1997, há um novo pico. Essa forte abertura de contas dura até 2001.

Como se sabe, foi a partir de 1997 que as privatizações do governo FHC ganharam impulso. E foi por volta de 2000/2001 que o processo perdeu fôlego.

O jornalista investigativo Amaury Jr. acaba de anunciar que se desligou do ICIJ porque a instituição estaria fazendo vazamentos seletivos dos depositantes. Amaury é autor do best-seller A Privataria Tucana. Com mais de 200 mil exemplares vendidos, o livro quase gerou uma CPI, que o ex-presidente petista da Câmara Marco Maia não quis instalar.

Agora, o Swiss Leaks pode terminar investigação que o cordato PT não quis fazer, já que as autoridades brasileiras vão ter que esclarecer por que houve um fluxo tão grande de abertura de contas de brasileiros no HSBC suíço justamente no momento em que o governo FHC vendia nossas estatais a estrangeiros a preço de banana.

Responder

Edgar Rocha

19/02/2015 - 20h26

Que diabeisso?????? Então, informações privilegiadas de interesse internacional, capazes de interferir diretamente na vida política de inúmeros países e na economia internacional, são controladas, gerenciadas, direcionadas, instrumentalizadas por um grupelho de jornalistas que as guarda como uma caixa de pandora????
Como pode esta gente brincar com a vida de milhões, com os interesses de nações inteiras, manipulando bombas relógios de forma terrorista e totalitária?

Que absurdo é este?!

Existe alguma forma de se ter acesso a estas informações sem que seja pela via UOL/imprensa canalha unida?

Existe soberania ainda? Ou seremos comandados por uma máquina de factoides? Há como se acionar juridicamente os órgãos, esta tal de ICIJ ou o Le Monde? O que pode ser feito? Esta organização criminosa tem de ser desfeita imediatamente!

Responder

Edir

19/02/2015 - 20h11

Acabei de assinar a petição Marina Walker Guevara, Vice Diretora do ICIJ: Entregar os documentos do Swiss Leaks para outros jornalistas do Brasil. Junte-se a mim?
https://secure.avaaz.org/po/petition/Marina_Walker_Guevara_Vice_Diretora_do_ICIJ_Entregar_os_documentos_dos_Swiss_Leaks_para_outros_jornalistas_do_Brasil/?dIKKTbb

Responder

Sideshow BOB

19/02/2015 - 19h50

Jornalista com caráter nasce morto. Os que excedem a regra são “aberrações”, estranhos no ninho.

Amaury (e outros poucos) é um deles. Deveria desistir…

A enorme e esmagadora maioria dos jornalistas não passa de sabujos de coleira.

Desde sua invenção como profissão, para dar conta da sistematização vertical e empresarial da produção de conteúdo (e disseminação), jornalismo é antagônico da Democracia.

Está sempre a serviço da classe dominante, SEMPRE!

Responder

Euler

19/02/2015 - 18h57

Que organização meia boca é essa, que mantém a lista do HSBC de barões sonegadores em segredo! Tem toda razão o valente jornalista Amaury Ribeiro Jr. de se desligar dessa entidade. E que cara de pau da tal Marina, que aceitou de pronto o desligamento de Amaury, sem colocar o diálogo que eles travaram para a apreciação do coletivo da entidade. Não tem seriedade uma coisa dessa. Para nós, fica a impressão de que eles usarão essa lista para fazer chantagem, inclusive política, mas não somente, já que se julgam no direito de guardar o monopólio da informação, tal como acontece com a mídia golpista brasileira. Isso não é jornalismo investigativo coisa alguma, mas de chantagem. Se quiserem ter o mínimo de respeito, terão que abrir essa essa lista para qualquer cidadão que queira consultá-la, e não apenas para os serviçais da elites dominantes.

Responder

Gerson Carneiro

19/02/2015 - 18h56

8 mil contas, e dentre essas 8 mil contas apenas uma dúzia ligada a pessoas envolvidas nas investigações da Lava Jato (e que não gozam da simpatia do juiz Moro) são contas sujas.

Eu nunca duvidei da honestidade dos brasileiros endinheirados.

Responder

Julio Silveira

19/02/2015 - 18h56

É meus caros, devemos estar sempre ligados nos interesses que cercam certas ONGs.
Muitas foram formadas com ótimas intenções, mas aí vem o diabo e seu olho grande e manipulador e as ambiciona para levá-las, com essas intenções, pro inferno. Acho que é por isso que dizem que de boas intenções o inferno está cheio.

Responder

Vixe

19/02/2015 - 18h17

Alguém aí ainda acredita em diálogo?
Essa direita canalha e seus vassalos tem que ser tratada de modo diferente e que eles nunca esqueçam…

Responder

Eduardo

19/02/2015 - 17h59

Só o Assange e o Snowden poderão nos fornecer a lista verdadeira! Só o Assange, o Snowden poderão nos livrar do Golpe do PIG, do PSDB e dos milionários gordos da ” Lista do HSBC” cadê voçês Snowden e Assanhe! Ainda estão vivos? Socorro! Ou melhor, Help!

Responder

    Noir

    19/02/2015 - 21h55

    Tem razão, bem pensado.

Regina Fe

19/02/2015 - 17h56

A mídia brasileira, e uma parte da internacional também, ambas representadas pelos seus PIG’s, dá mais nojo do que fossa entupida. Esses hipócritas não estão nem aí, estão andando e c…… para a verdadeira liberdade de expressão. Mas ainda vão se sujar e escorregar em suas próprias b…as.

Responder

Silvio

19/02/2015 - 17h31

ATENÇÃO CONSUMIDORES DA CEEE/RS Companhia Estadual de Energia Elétrica).
A CEEE, através de sua nova presidência, está deflagrando uma campanha sórdida e desonesta para achacar o consumidor. Recebi agora, dia 19/02/2015 em minha casa, em Guaíba-RS, carta AR onde a cia. me cobra absurdos R$ 4.498,00 de luz referente a um suposto roubo de energia praticado por mim. Cobram-me, pasmem, um consumo de 400 KWh/mes, quando a minha média histórica é de 100 KWh/mes. Retiraram o medidor ( o mesmo era recondicionado) para análise e agora, covardemente, decretaram que sou ladrão de luz.
MUITO CUIDADO QUANDO ALGUM TÉCNICO FOR VISTORIAR SEU RELÓGIO DE MEDIÇÃO, NOS CASOS EM QUE A ENTRADA DE LUZ É ANTIGA. ATENTEM SE FOREM RETIRAR O RELÓGIO. TIREM FOTO DOS LACRES E DO MEDIDOR.
Uma das “razões” desta cobrança absurda é, conforme a carta AR, que o medidor estava “destruído”.
Estarei entrando em juízo contra a cia para sustar estas acusações absurdas e caluniosas.

Silvio Nickele – Guaíba/RS (por favor, repassem este aviso ).

Responder

    Morvan

    19/02/2015 - 20h12

    Boa noite.

    Silvio (qui, 19/02/2015 – 17:31):

    ATENÇÃO CONSUMIDORES DA CEEE/RS Companhia Estadual de Energia Elétrica).
    A CEEE, através de sua nova presidência, está deflagrando uma campanha sórdida e desonesta para achacar o consumidor. Recebi agora, dia 19/02/2015 em minha casa, em Guaíba-RS, carta AR onde a cia. me cobra absurdos R$ 4.498,00…

    Caro Silvio, bem faz em denunciar, o mais urgente possível. Mas não deixe de, além dos blogues “sujos”, acionar a ProTeste, o IDEC e a própria ANEEL. Estas Entidades, além de serem o representante do consumidor, legalmente e especificamente falando, têm mais poder de coerção.

    Saudações “Dilma, Vamos De Coração Valente. Enfrentar Os Golpistas E Defender A Petrobrás“,
    Morvan, Usuário GNU-Linux #433640. Seja Legal; seja Livre. Use GNU-Linux.

Morvan

19/02/2015 - 17h21

Boa tarde.

A mim, mortal comum, causam-me espécie dois eventos:
• A decisão do Amaury, profissional tarimbadíssimo, de “chutar o pau da barraca”. Achei estabanado sair do covil, mesmo não estando em sua pele. Poderia ter dialogado mais;
• a ‘presteza’, rapidez, com a qual a sra. Marina Walker Guevara deu baixa na filiação deste conceituado repórter. Bom, se alguém duvidava de uma “Governança” mundial de calunistas, rentistas e assemelhados, não se o faça mais.

Saudações “Dilma, Vamos De Coração Valente; Enfrentar Os Golpistas E Defender A Petrobrás“,
Morvan, Usuário GNU-Linux #433640. Seja Legal; seja Livre. Use GNU-Linux.

Responder

    Leandro_O

    19/02/2015 - 17h56

    “Bom, se alguém duvidava de uma “Governança” mundial de calunistas, rentistas e assemelhados, não se o faça mais.”

    Realmente, o ICIJ acabou de dar um baita exemplo disso, fato que acabou de entrar para a história do jornalismo.

    Fabiano França

    19/02/2015 - 18h43

    Desculpe , mas estamos falando de que jornalismo? Isso não é jornalismo, é política de sobrevida de grandes e espúrias corporações.

Fabiano França

19/02/2015 - 17h18

Filtraram a lista e só agora, depois do carnaval lógico, estão fazendo inserções acerca do assunto. Tudo devidamente filtrado.

Responder

    Fabiano França

    19/02/2015 - 18h45

    Caros amigos, vivemos no mundo no livro 1984 de George Orwell. ” O grande irmão” nos vigis, induz e escolhe o que devemos saber ou não.

Francisco

19/02/2015 - 17h17

Alguém no UOL vai ganhar dinheiro a rodo liberando (ou não…) isso a conta gotas pelos próximos 50 anos…

Jornalismo? Não creio… o nome do negócio é c…

Responder

Eduardo

19/02/2015 - 17h11

Vamos cobrar dessa Sr. Guevara ( que ironia do destino ) um mínimo de transparência.
segue link para o twitter dela.
https://twitter.com/MarinaWalkerG

Responder

Leandro_O

19/02/2015 - 16h55

Vejam lá o vazamento seletivo do ICIJ:

http://www.icij.org/blog/2015/02/hsbc-apologizes-more-government-probes-begin

HSBC APOLOGIZES AS MORE GOVERNMENT PROBES BEGIN

BRAZIL: The tax watchdog has opened an investigation into whether close to a dozen people involved in the Petrobras corruption scandal also allegedly held undeclared accounts with HSBC’s Swiss branch. Sources told Reuters there was a link between the Swiss bank and the corruption scandal, where politicians used the state-controlled oil company to skim billions through overpriced contracts.

Responder

Leandro_O

19/02/2015 - 16h51

#ICIJ-HSBC-Brazil-leaks

Responder

Leandro_O

19/02/2015 - 16h37

Que absurdo! Vai ter que ter um vazamento do ICIJ, um ICIJ Leaks agora é????

Fracamente!

Shame on all of you!!!!

Responder

O Mar da Silva.

19/02/2015 - 16h29

É hora de começarmos uma campanha pela liberação dos nomes dos brasileiros envolvidos da mega sonegação via HSBC.

O Fernando Rodrigues e o Uol precisam ser pressionados pelos blogs numa campanha aberta.

#Sai-de-cima-Fernando

Responder

    Jaide

    19/02/2015 - 17h42

    Diante do que foi exposto, o tal ICIJ está sob suspeição, assim como o informante do HSBC. E possível que o tal “swissleak”não tenha “pescado” nenhum peixe graúdo. Só bagrinhos, apesar do montante divulgado.

    denise

    19/02/2015 - 20h36

    e começamos a encher a caixa postal desta sra?

Isabela

19/02/2015 - 16h26

Aliás, o HSBC tem feito chamada publicitária na Globo por esses dias, em horário nobre!

Responder

Francisco de Assis

19/02/2015 - 16h23

O Amaury agora deveria denunciar o ICIJ e o UOL ao Hervé Falciani e pedir a lista direto para ele.

Responder

manoel

19/02/2015 - 16h09

Bom, a receita tem a lista e vai atras dos sonegadores. Assim espero.
De outro modo é acreditar em papai noel que nossa mídia vai prejudicar alguém que não seja do governo atual.
To cansado….abaixo esta mídia que não leio, não ouço e não assisto. abraço

Responder

    Marcelo

    19/02/2015 - 19h41

    Enrolation de bundão. Só um coxinha abibolado cai numa conversa fiada dessa.

Lourenço

19/02/2015 - 16h04

Amigos, só uma observação: por favor, mudem o título da matéria. Da forma que está, a primeira impressão é de que o Amaury saiu porque ELE, Amaury, só investiga um lado – não o Comitê. A ambiguidade, não intencional, por certo, ficou um horror. De qualquer forma, a informação é bacana.
Abraço.

Responder

    marcia

    04/04/2015 - 01h07

    Meu rapaz, chega de arrumar culpados pelos erros centenários do Brasil, mas nãoacreditoque Amaury Junior ( na minha concepção) o maior jornalista investigativo do mundo, 30 anos no CJN, colocam joranlistas que representam dois orgãos duvidos que é a Globo e UOL. Ele lutar contra o poderio financeiro é complicado, mas algo está por trás para dois mercenários. O mais grave, que essa máfia onde impera a lei de gerson, vai empurrando o verdadeiro jornalista parao caus. Qualquerum se decepcionaria,pq oeventoem sí tem cartas marcadas e corrompidas. Amaury fça comoseu grande mestre mundial que perdemos esse ano Danny Schechter.
    Palavrs de Greg Palat em memória a seu mestre,Danny Schechter,cujo objetivo é a permante busca pela verdade e não a maquiagem fica pela grande mídias comprometida com lucros apenas. Assim encerra Greg Palast: “…Tinha sido meu plano para surpreender Danny dedicando nosso filme atual para ele. Eu vou fazer isso ainda, e, assim, dedicar-me à tarefa de Sísifo ele exigiu de mim e dos muitos outros que ele orientou: contar as histórias do brutalizados, enganado, ferido e silenciada; para ser uma voz dos sem voz.

Edson

19/02/2015 - 15h59

Gringa vendida! Provavelmente, concorda com as manifestações golpistas que assolam a Argentina, neste momento.

Responder

Jorge Leite Pinto

19/02/2015 - 15h51

Essa escrota não honra o sobrenome que tem…

Responder

Paulo Ribeiro

19/02/2015 - 15h47

Minha solidariedade ao jornalista Amaury Ribeiro Junior e o total repúdio à atitude desonesta de Fernando Rodrigues, que omite da opinião pública o envolvimento de políticos e empresários tucanos no escândalo. Caberia às entidades representativas dos jornalistas ingressar com medida judicial contra Rodrigues, bem como caberia a ação do Ministério Público para saber os reais interesses do jornalista em preservar o PSDB. O que se sabe é que Rodrigues é casado com uma militante tucana, o que por sí só já o desqualifica neste caso.

Responder

Christian Fernandes

19/02/2015 - 15h38

Quer dizer que o ICIJ é apenas mais um mecanismo fajuto, para se apropriar da produção intelectual de outros e, principalmente, controlar essa mesma produção?

Se eu soubesse dessa relação do Comitê com o Soros nem teria perdido meu tempo lendo as suas investigações e conclusões. Tudo fumaça para proteger os de sempre, enquanto fingem fazer qualquer coisa. Liberalismo na veia!

Só um porém, estético: seria de bom tom rearranjar a chamada da matéria. O pronome usado é dúbio! ;D

Responder

EURIPEDES JUNIOR

19/02/2015 - 15h37

Xi, eu estou achando que vai azedar geral pro PT e vão poupar a turma do FHC, maldito o dia que o LULA resolveu poupar esses caras.

Responder

FrancoAtirador

19/02/2015 - 15h30

.
.
Mídia EmpreZarial

CARTEL INTERNACIONAL.

MONOPÓLIO ANTINACIONAL.
.
.

Responder

    FrancoAtirador

    19/02/2015 - 15h35

    .
    .
    JORNALISTA BRITÂNICO ACUSA MÍDIA BANDIDA
    DE OMITIR INVESTIGAÇÃO SOBRE BANCO HSBC

    “A conta do HSBC, segundo me foi dito
    por uma pessoa extremamente bem colocada
    na administração do jornal,
    ‘era muito valiosa’.
    Segundo um executivo me disse,
    o HSBC ‘era um anunciante
    que não se podia ofender’”

    (https://twitter.com/OborneTweets)

    18/02/2015 – 17:55
    Observador, via Portal GGN

    CASO SWISS LEAKS

    Colunista do Telegraph denuncia “fraude”
    na cobertura do caso SwissLeaks

    Por Catarina Falcão

    Peter Oborne, principal comentador político do Telegraph,
    abandonou o jornal e denuncia agora que jornalistas
    foram impedidos de investigar o HSBC no passado
    devido a contratos de publicidade com o Banco Britânico.

    Supressão de investigações jornalísticas em benefício de anunciantes, despedimentos injustificados de jornalistas, trabalhar para o clique abordando temas sensacionalistas e dar cabo da secção de cobertura de temas internacionais, são apenas algumas das acusações que Peter Oborne, colunista, faz ao Telegraph (que no seu portal online informação do Daily Telegraph e do Sunday Telegraph), jornal para o qual trabalhou nos últimos cinco anos.

    Oborne acusa mesmo o jornal de “fraude” para com os seus leitores.

    Peter Oborne era o principal colunista político do jornal britânico Telegraph e depois de ter saído do jornal em janeiro, acusa-o agora de ter impedido várias investigações ao banco britânico HSBC – que esteve nas noticias durante a semana assada devido à ocultação de conta na Suíça, no caso Swiss Leaks.

    Num artigo publicado no site OpenDemocracy, o colunista diz que estas investigações nunca aconteceram porque a administração do jornal temia que o HSBC retirasse a publicidade.

    “A conta do HSBC, segundo me foi dito por uma pessoa extremamente bem colocada na administração do jornal era muito valiosa. Segundo um executivo me disse, o HSBC ‘era um anunciante que não se podia ofender’”, escreveu Peter Oborne.

    Oborne conta mesmo que a equipa de investigação do jornal recebeu informação sobre contas do HSBC na ilha de Jersey mas que passados três meses e apenas com seis artigos publicados, foram ordenados a destruir todo o material relacionado com a investigação.

    O HSBC suspendeu a publicidade no jornal, voltando a anunciar nesta publicação passados 12 meses.

    Depois deste episódio, o colunista diz que o próprio administrador do Telegraph Media Group, Murdoch MacLennan, passou a analisar todos os artigos ligados a este banco e qualquer referência ligada a lavagem de dinheiro no HSBC foi “completamente banida”.

    Outra evidência desta conivência com o banco, segundo Oborne, é a atual cobertura do escândalo SwissLeaks.

    “Era preciso um microscópio para encontrar a cobertura do Telegraph: nada na segunda-feira, seis parágrafos na terça-feira […] O Telegraph só prestou atenção quando o escândalo começou a envolver personalidades do Partido Trabalhista”, escreveu o antigo colaborador.

    O tema no Reino Unido contagiou o debate político já que muitos dos contribuidores para a campanha dos Conservadores tinham contas na Suíça, fugindo aos impostos no Reino Unido.

    Oborne, que diz ter ficado entusiasmado ao ser convidado para escrever neste jornal há cinco anos por ser um jornal conservador de referência, refere ainda vários despedimentos, nomeadamente do editor Tony Gallagher e de vários jornalistas que cobriam a situação internacional – o colunista diz mesmo que esta secção do jornal foi “dizimada” – como exemplos de queda de qualidade do jornal.

    No ano passado, com a chegada do novo editor Jason Seiken – que se tornou também gestor de conteúdos – iniciou-se a cultura do clique em que as “histórias pareciam já não importar, assim como a sua precisão e interesse para o jornal”, dando como exemplo o relato de uma mulher com três mamas.

    Segundo Oborne, um administrador admitiu que já sabia que a notícia era falsa antes de ser publicada e diz ter a certeza que foi publicada para criar tráfego para o site.

    “Eu não digo que o tráfego online não é importante, mas a longo prazo, estes episódios acabam por fazer um dano incalculável à reputação do jornal”, afirma Oborne.

    O colunista diz ainda que questionou oficialmente o Telegraph sobre estas questões, mas que a resposta oficial não coincidiu com a prática:

    “Nós queremos dar aos nossos parceiros comerciais um variedade de soluções de publicidade, mas a distinção entre publicidade e os nossos artigos que ganham prémios é fundamental para o nosso negócio. Nós refutamos qualquer alegação em contrário.”

    A investigação sobre o SwissLeaks, levada a cabo por jornais
    como o Guardian e outros meios de comunicação em todo o mundo,
    fizeram com que o HSBC suspendesse a publicidade no jornal britânico.

    (http://observador.pt/2015/02/18/colunista-telegraph-denuncia-fraude-na-cobertura-caso-swiss-leaks-devido-publicidade)
    (http://jornalggn.com.br/noticia/colunista-do-telegraph-denuncia-%E2%80%9Cfraude%E2%80%9D-na-cobertura-do-caso-swissleaks)
    .
    .

André Sandes Moura

19/02/2015 - 15h19

Será que não existe um jornalista estrangeiro que tenha acesso à lista dos brasileiros e que possa se debruçar sobre ela??? Ou devemos perder às esperanças?

Responder

Deixe uma resposta