VIOMUNDO

Diário da Resistência


WhatsApp admite uso de disparos em massa no Brasil, Chico Alencar pede que eleição seja anulada e Bolsonaro clama por intervenção divina na mídia
Só Deus salva. Reprodução de vídeo.
Você escreve

WhatsApp admite uso de disparos em massa no Brasil, Chico Alencar pede que eleição seja anulada e Bolsonaro clama por intervenção divina na mídia


08/10/2019 - 14h58

TSE veda uso de ferramentas de automação, como softwares de disparo em massa. Empresários contrataram disparos a favor e contra candidatos, sem declarar esses gastos à Justiça Eleitoral, o q configura crime de caixa 2. Alô,
@TSEjusbr a eleição é FRAUDULENTA e precisa ser ANULADA. Chico Alencar, ex-deputado federal (Psol-RJ).

BOMBA: O WhatsApp admite, pela primeira vez, envio maciço ilegal de mensagens contratadas por empresas nas eleições brasileiras de 2018. E agora, Bolsonaro? Mais um fato que deve ser investigado pela CPI das Fake News! Erika Kokay, deputada federal (PT-DF).

Da Redação

O WhatsApp admitiu pela primeira vez que disparos em massa foram utilizados durante a campanha eleitoral de 2018 no Brasil.

A informação é da Folha de S. Paulo.

A admissão foi feita por Ben Supple, gerente de políticas públicas e eleições globais da plataforma.

“Na eleição brasileira do ano passado houve a atuação de empresas fornecedoras de envios maciços de mensagens, que violaram nossos termos de uso para atingir um grande número de pessoas”, afirmou o executivo, de acordo com a repórter Patrícia Campos Mello, da Folha de S. Paulo.

Hoje, mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro pediu em oração que ajude a imprensa, ao deixar o Palácio do Alvorada: 

“Deixa eu orar aqui agora. Meu Deus -– não sou pastor, não. Meu Deus, salve, lave a cabeça dessa imprensa fétida que nós temos. Lave a cabeça deles. Bote coisa boa dentro da cabeça deles”, afirmou Bolsonaro, ao gravar um vídeo para sua base evangélica.

O presidente desenvolve contato direto com seu eleitorado — cerca de 30% dos entrevistados em pesquisas — através das redes sociais, especialmente de transmissões no Facebook e conteúdo impulsionado por robôs.

O universo paralelo do bolsonarismo também se vale de militância digital que, segundo o ex-deputado do PSL Alexandre Frota, recebe apoio direto e indireto da família presidencial em um bunker situado em Brasília.

De acordo com denúncia da Folha, empresários compraram disparos contra o adversário de Jair Bolsonaro, o petista Fernando Haddad, sem declarar os valores oficialmente na campanha do candidato — o que poderia caracterizar uso de caixa dois.

O caso está em apuração.

No Congresso, uma CPI das Fake News tem sido combatida frontalmente por integrantes do PSL, partido de Bolsonaro, que dizem tratar-se de tentativa de censura.

Se Bolsonaro for cassado antes de completar a metade do mandato, novas eleições seriam convocadas pelo TSE. Caso contrário, assumiria o vice Hamilton Mourão.

Porém, além de contar com um terço do eleitorado, o presidente tem forte apoio do dinheiro grosso, que inclui dos grandes bancos a emissoras de televisão e mineradoras — os empresários aprovam o arrocho salarial, o assalto a direitos dos trabalhadores e a entrega do patrimônio público brasileiro a preço de banana.

O presidente costurou acordos com o Centrão no Congresso através do MDB e no Supremo Tribunal Federal através dos ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes, mas também depende da conjuntura econômica para se manter no poder, por conta da suspeita de envolvimento da família presidencial e do seu entorno com atividades criminosas.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

09 de outubro de 2019 às 20h46

Quebrando as Normas da própria Empresa,
o Dono* da Facebook – da qual a WhatsApp
é subsidiária – está liberando Propaganda
(Fake News) de Donald Trump, permitindo
que ele gaste mais de US $ 1 Milhão, por
semana, na Plataforma de Redes Sociais.
https://twitter.com/ewarren/status/1181348882900496384

Donald Trump e Mark Zuckerberg*
se encontraram na Casa Branca
há duas semanas.
https://twitter.com/ewarren/status/1181348868136542208

As informações são da Senadora Americana Elizabeth Warren,
Pré-Candidata Presidencial pelo Partido Democrata dos EUA.

Responder

Zé Maria

08 de outubro de 2019 às 16h58 Responder

Zé Maria

08 de outubro de 2019 às 16h56

É de saber como fica o Mussi, no meio dos fatos,
se o próprio Executivo da WhatsApp o desmente.

https://www.conjur.com.br/dl/tse-campanha-bolsonaro-nao-fez-disparos.pdf

Responder

Zé Maria

08 de outubro de 2019 às 16h13

https://twitter.com/i/status/1181604627827036160

A Eleição foi Fraudada, Mito imbecil!
Não dá pra ‘esquecer o PSL’, não!

Responder

Zé Maria

08 de outubro de 2019 às 16h10

Em Qualquer Democracia, se ocorresse isso,
as Eleições seriam Anuladas pelo Judiciário,
Cassada a Chapa ilegalmente Beneficiada e
Convocadas Novas Eleições pelo TSE.

Não há Democracia fora da Legalidade.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.